Influencia da madeira no som da guitarra.

Autor Mensagem
MatheusMX
Veterano
# 14/jan/19 18:03
· votar


ejames
Cara, não ouvi nada de tão horroroso nessas duas que não seja simplesmente questão de escolha de captadores, equalização e captação do som. Acho que você tá julgando mais com os olhos do que com os ouvidos.
Poxa, será mesmo que num video produzido a fim de evidenciar a qualidade do produto os caras não tiveram o cuidado de tentar extrair o melhor som possível?

makumbator
Tudo placebo. Só por ver que o instrumento não é de madeira já acha o som pior.
Pode até ser. Talvez num teste cego eu nem soubesse que fosse uma guitarra de alumínio, mas isso não quer dizer que eu fosse gostar do timbre. Você gostou? Compraria uma?

Enfim, timbre é algo muito pessoal. Eu não sei o quanto vocês se incomodam ou não com minúcias, mas eu já troquei desde captadores a blocos de ponte, saddles e braços pra alterar características do som que não gostava em determinadas guitarras. Essa de alumínio, pelo que eu ouvi, não tem equalizador ou seja lá o que for que dê jeito.

makumbator
Veterano
# 14/jan/19 18:09 · Editado por: makumbator
· votar


MatheusMX
Você gostou? Compraria uma?

Gostei, não achei nada de horroroso neles (ao contrário, me pareceram normais). E compraria instrumentos não feitos de madeira sem problema. Mas o problema é achar opções, pois os fanáticos da madeira impedem que a própria indústria deixe esse mito pra trás e passem a vender também de outros materiais em maior escala (e que usem madeira em instrumentos elétricos sólidos só pela beleza da aparência, preço menor que certos materiais, maleabilidade, etc... e não por um mito sonoro).

Essa de alumínio, pelo que eu ouvi, não tem equalizador ou seja lá o que for que dê jeito.

Pra dizer isso você teria que testar a guitarra pessoalmente não?

Buja
Veterano
# 14/jan/19 18:25
· votar


Ao meu ver, uma guitarra e um carro tem muitos pontos em comum.
Eu compraria facil uma guitarra com corpo de outro material, aluminio por
exemplo, porem, pintada de "cor de guitarra".

Primeiro que empenar braço, tensor, essas coisas seria mais dificil.

Segundo que os encaixes gerais seriam mais faceis, seguros e simples. (Madeira da muita variação).

Terceiro que a durabilidade seria muito maior. Uma coisa é dar uma batidinha na madeira e outra no ferro. Qualquer coisa lasca a madeira. Imagina uma flying v de aluminio. Leve, durável, e tem muito mais som de "metal"!!!!!

Outra é que daria pra "lavar" a guitarra quando tivesse suja, igual se faz com carro. Ahhh, mas tem a parte eletrica. Carro tambem nao tem?

Só vejo vantagens em instrumentos de outros materiais.

A desvantagem é que nao fica vintage.
Ou alias, fica sim. Fuscão 78 ta ai pra provar!

MatheusMX
Veterano
# 14/jan/19 19:01
· votar


makumbator
Desde que o som me agrade eu não tenho objeção nenhuma a novos materiais. Mas eu ainda sou bem cético quanto a isso.
Porém, é bem capaz que eu já esteja “viciado” nessa mentalidade de achar que a madeira tem importância. Pior que isso, eu sou entusiasta dos visuais e timbres vintage, a coisa só piora, haha.
Vai ser difícil, pelo menos pra mim, dissociar a sonoridade e imagem das velhas guitarras que conhecemos em nossas maiores referências musicais, e aceitar outros modelos e materiais modernos.

makumbator
Veterano
# 14/jan/19 19:48
· votar


MatheusMX
Porém, é bem capaz que eu já esteja “viciado” nessa mentalidade de achar que a madeira tem importância. Pior que isso, eu sou entusiasta dos visuais e timbres vintage, a coisa só piora, haha.

Heheh! Eu entendo isso. Eu nem gosto tanto de timbres vintage e tal, mas mesmo assim gosto bastante do visual de madeira. Inegavelmente é um material bonito.

Buja
Primeiro que empenar braço, tensor, essas coisas seria mais dificil.

Essa é a maior vantagem na minha visão. Poder ter braço mais estável, principalmente pra quem fica levando o instrumento a locais com grandes diferenças bruscas de a umidade e temperatura (como estúdios gélidos após o instrumento estar em casa no calor infernal).

Braço de madeira é uma merda pra isso. Por isso que muitas marcas colocam barras extras de metais (além dos tensores) pra tentar dar mais estabilidade a eles. Tenho dois baixos Ibanez com esse esquema de peças de titânio extra no braço.

Buja
Veterano
# 15/jan/19 11:02
· votar


makumbator
Braço de madeira é uma merda pra isso. Por isso que muitas marcas colocam barras extras de metais (além dos tensores) pra tentar dar mais estabilidade a eles. Tenho dois baixos Ibanez com esse esquema de peças de titânio extra no braço.


Exatamente....faz-se um braço de madeira e lota-o de ferro rpa ficar estável.
Não era melhor fazer de alunínio e a escala, como é algo "tátil", fazer de alguma fibra de policarbonato com acabamento bonito?

As coisas vaão evoluindo, mudando de paradigmas. Na minha infancia brinquei muito com carrinho de madeira, perfeitos, bonitoes, bem acabados.
Mas é inégavel que os de lata e plasticos são muito mais bonitos e leves.
Inegável.

Hoje qualquer um concorda que um opalão de ferro, era muito mais robusto.
Mas faz 4 litros para cada quilometro rodado, kkk.
Enquanto o menos robusto Up! faz 15 quilometros para cada litro consumido.
Carro menos robusto, mas muito mais seguro, mais confortavel, mais leve, e tão potente quanto um opalão.

Criaram o piano digital. Tem gente acha ruim porque nao tem o som do piano analogico, esse de cordas normal (de cauda ou vertical).
Mas essa gente que acha ruim é a minoria. A maioria compra o 88 teclas pesadas digital, porque nao desafina, é leve, é bonito, tem um som convicente, e é "muito mais barato".

Só nos instrumentos sólidos que fica essa mística besta.
Imagina uma les paul de aluminio (material leve, firme, facil de trabalhar, e "muito mais barato")
Ao inves de custar 10000 reais (as topzinhas), custa 2000 reais.
As de entrada, custariam 500. As basiconas, 150 conto!
Basicamente o trabalho seria CNC, parafusos e montagem. Pintura no final.
Nao desafinaria facil, aguentaria mudanças bruscas de temperatura, nao pesaria 5 kg, e se montaria uma guitarra em meia hora.

MatheusMX
Veterano
# 15/jan/19 13:29 · Editado por: MatheusMX
· votar


Buja
Imagina uma les paul de aluminio (material leve, firme, facil de trabalhar, e "muito mais barato")
Ao inves de custar 10000 reais (as topzinhas), custa 2000 reais.
As de entrada, custariam 500. As basiconas, 150 conto!


Mas você viu os preços dessas guitarras de alumínio do site que postaram aqui?
Tudo na faixa de U$3.000.
Preço de Custom Shop.
E como já falei, em termos de sonoridade (e estética), prefiro uma Squier/Epiphone.

BrunoSchefa
Membro
# 17/jan/19 16:50
· votar


Faz uns 10 anos que não entro nesse forum. Entrei só pq curto uma treta.

https://physicae.ifi.unicamp.br/physicae/article/view/physicae.9.5

Não há influencia da madeira no Timbre, e não há lógica nenhuma em haver. Talvez o sustain, que é definido pelo tempo que a corda vibra, mas não a tonalidade.

A negação disso, nesse caso, pode ser considerada uma mera dissonância cognitiva. Não há estudos que demonstrem que a madeira influência de forma consistente, mas já vi alguns demonstrando que NÃO influencia.

Tem aqueles luthier que com a "experiência de vida" atestam que há influência, mas isso é pseudociência. É tipo falar que leite com manga dá câncer.

Peço desculpas por estar com preguiça de referenciar, mas aqui estão alguns artigos. Não posto o link aqui pq não conheço as regras do forum (quando clica nos links, eles baixam diretamente o pdf)

Body Woods and an Electric Guitar’s Frequency Spectrum
Keith J. Soper
University of Toledo
Esse estudo conclui que há diferença perceptível da madeira quando a guitarra é tocada desplugada, mas que não há influencia alguma quando amplificada pelo sinal elétrico
(conclusão: Through the course of this research it seems that there is proof to the statement made by Halliday in that the body of an electric guitar does not have resonance. Of course this is both correct and incorrect. From the stand point of the electric guitar’s purpose of being amplified the statement is correct. However, the guitar body does in fact resonate and when it is not plugged in, the body is noticed to color the sound. This observation explains why some would say they can hear a difference in the wood. When playing an electric guitar unplugged the tonal qualities of the wood are apparent as the ears perceive what the microphone “hears”. These perceptible variations however, appear to get lost when the volume of the amplified signal takes over. )

Tem esse também:
The Effect of Wood on Electric Guitar Timbre do Phillip Self da Texas A&M University

Ele conclui um pouco diferente. Afirma que há singela influência nos harmonicos ao comparar mahogany com maple (duas madeiras totalmente distintas)
"[...] On average, across all three strings tested, neither guitar ended up being consistently brighter or warmer than the other; rather, the difference in timbre for each guitar varied depending on which string was being analyzed. Maple and mahogany were chosen for this experiment due to their purported extreme differences in timbre. These results indicate that while choosing between maple or mahogany as a guitar material can produce difference results, it is not clear that one wood is consistently "very bright" or "very warm", contrary to statements made by Sweetwater."

Há quem diga que a diferença é mínima, e o que influencia na alteração do timbre é a "excitação" ou "expansão (efeito contrário à compressão) desses harmônicos quando ligados em um amp. Há essa possibilidade, mas abrimos espaço para milhões de variáveis. O ultimo estudo ali demonstra que houve variação de harmonicos em apenas duas cordas diferentes (a maple tinha um pouco mais de harmonicos na E grave, e a mahogany na D), mas nada que influenciasse no som.
Se há essa excitação, presumo que isso vai ser diferente em cada amp, sendo que uns poderiam ressaltar melhor essa diferenciação, outros não mudaria nada (visto que essas excitações variam de amp pra amp). E novamente, a diferença foi perceptível em apenas duas cordas.

Velvete
Veterano
# 17/jan/19 17:32
· votar


Os sons das madeiras do corpo diferem em algumas questões, mas se fizer uma de durepox aposto que terá som de guitarra também.

#PAS

MatheusMX
Veterano
# 17/jan/19 19:51
· votar


Eu nem sei porque ainda participo dessa discussão, rs.
Nunca chegaremos a conclusão nenhuma.
Mas uma coisa é fato: qualquer coisa que tenha um captador de guitarra e cordas de guitarra terá "som de guitarra".

MatheusMX
Veterano
# 17/jan/19 23:54
· votar


Aliás...



Casper
Veterano
# 18/jan/19 10:40
· votar


Fibra de carbono.
Estável. Durável.



Ramsay
Veterano
# 18/jan/19 23:20
· votar


O corpo pode ser de fibra de carbono, de aço, de alumínio, de acrílico ou outros materiais que não vai influenciar muito no som.
Mas, o braço, tem que ser de madeira de lei e de boa qualidade pq ele, junto a um bom projeto e boas ferragens é o principal responsável pela qualidade do som da guitarra.
Eu até acredito na possibilidade de braços feitos com fibra de carbono terem um som bom mas, nunca escutei e nem testei um pessoalmente.

Ismah
Veterano
# 19/jan/19 03:11
· votar


A última vez que escrevi algo aqui, diz ser Abr/16, e a briga continua... Possível que estejamos prestes a entrar no livro dos recordes, com a discussão mais longa...

Passei a trabalhar com mais instrumentos, e nesse meio tempo, a conclusão mor é que madeira importa mais pro instrumento tomar porrada. O timbre, independente de como ele sai do instrumento, dá pra puxar na parte eletrônica.
Ainda pior, descobri que o que sempre almejei como som de guitarra, tem muito mais do amplificador gerar harmônicos pares, que do instrumento fazer isso ou aquilo.

demian e eduardo
Membro Novato
# 25/fev/19 10:36
· votar




contribuindo um pouco o/

estive fui
Membro Novato
# 26/fev/19 22:48
· votar


MatheusMX

Mas uma coisa é fato: qualquer coisa que tenha um captador de guitarra e cordas de guitarra terá "som de guitarra".

Me lembrei da cena inicial do filme "A todo volume"! Jack White tira um som de uma tábua com pregos, corda, captador e uma garrafa de Coca-cola!

LeandroP
Moderador
# 26/fev/19 23:17
· votar


Tenho duas Tagimas modelo strato. Elas devem ter uns 10 anos de diferença na idade. Tirei um trio de captadores singles de uma e coloquei em outra. Gritante a diferença.

T-Rodman
Veterano
# 27/fev/19 00:23
· votar


qual era melhor? a mais velha ou a mais nova?

pelo que ando vendo em videos, chinês por chinês, andaram melhorando muito nesses ultimos anos. até as de 12 dolares - além de que já existe marca chinesa mesmo sendo vendida e avaliada por ai.
peguei uma Yibuy pra testar, já que só ficar vendo video no youtube não cura GAS, rs. Quando chegar eu posto algo, lol

JJJ
Veterano
# 27/fev/19 07:45
· votar


MatheusMX

Esses vídeos desse alemão falando inglês são bem interessantes, mas esse celular estourando a voz dele (que já é difícil de entender pelo sotaque) complica muito...

Sobre o assunto em si, sempre pensei isso. O componente "microfônico" que acho que praticamente todo captador tem, em maior ou menor grau, deve ser um dos responsáveis (talvez o maior) pela famigerada influência da madeira no som da guitarra, O fato de quanto maior a saída do captador, menor a influência da madeira (vide captadores ativos...) favorece ainda mais essa teoria.

MatheusMX
Veterano
# 27/fev/19 11:25
· votar


JJJ
Exatamente.
Depois desse teste que ele fez, ficou mais claro pra mim o porquê de uma tele ter o som diferente de uma strato no captador da ponte, bem como a razão do EVH ter projetado as Wolfgang com o captador parafusado diretamente na madeira sem possibilidade de ajustes, etc.

Sobre o Johan Segeborn, é um sueco, diretor da Volvo, phd em engenharia mecânica.
Isso explica muito das curiosidades e testes que ele faz, além da coleção absurda de guitarras e amps que tem, hehe.

MMI
Veterano
# 27/fev/19 13:05
· votar


JJJ
MatheusMX

Pois é, acho que neste ponto que a coisa muda mesmo. Não só a "microfonia" mostrada no vídeo, mas a questão que se soma que esta vibração do captador encontra uma corda vibrando na frente dele.

Mas a discussão vai bem mais longe que isso, inclusive no que se define como "som de guitarra". Dependendo do ponto de vista, é primordial, dependendo, não muda nada.

Ismah
Veterano
# 27/fev/19 21:37 · Editado por: Ismah
· votar


JJJ
O fato de quanto maior a saída do captador, menor a influência da madeira (vide captadores ativos...) favorece ainda mais essa teoria.

Poxa... Saindo de ti essa pérola?
Não, definitivamente não! O "captador ativo", tem uma variação ligeira... Desde os que são captadores "normais", com um buffer interno. E que pode ou não ter um booster*... Como varia até captadores com eletro-imãs, os que considero de fato ativos...

Não há um argumento para usar low gain, é só problema! A menor relação s/n; o sinal precisa ser mais amplificado, e por consequência, o ruído vem junto; maior perda de informações ao longo do cabo, e por aí vai...

O "sistema ativo", elimina as perdas - que podem ser simuladas, caso desejar... Mas não tem caminho inverso, sem adicionar o buffer...
Habitualmente, com menores perdas, evidentemente temos um sinal mais forte, e aí está o erro...!
Supondo duas guitarras hipotéticas, completamente iguais, uma com captadores "passivos" e outra "ativos". Só pela natureza da coisa, vão soar diferentes, devido as perdas e não-perdas... Ainda assim, vamos fingir que não...
Tendo ambos uma saída de X mV, é realmente muito próximo... Mas o que mais rola é desconectar uma, e plugar a outra direto... Aí, evidentemente a captação "ativa" colabora para chapar o sinal e amenizar as diferenças...

Ainda há um outro fator... Se tomar como premissa verdadeira que a madeira não influi ou que influi, vai dar na mesma... Pois não vai haver diferença relevante**, além de amplitude (se isso) e alguma coisa na curva de frequência (pelas menores perdas), entre ambos.
Se o sinal não foi gerado, logo admite-se que não foi captado, e não foi processado... Se não foi captado, não foi amplificado... Como o próximo estágio lida com isso é que importa!

* por isso entenda que a Vout do buffer é maior do que a Vin, o que não necessariamente acontece.
** relevante, pois o sistema de amplificação não é ideal, então ele acaba influindo. E claro, o desafio de uma empresa do ramo, é fazer soar o mais próximo possível. Quanto mais próximo, mais tecnologia embarcada, e mais custos envolvidos...

LeandroP
Moderador
# 27/fev/19 23:25 · Editado por: LeandroP
· votar


T-Rodman

A mais velha.
Ambas feitas em marupá. Porém, a mais nova com a escala clara.
Contudo, a mais velha e com a escala escura, pronunciou os agudos com mais definição. Até me espantei com a diferença, porque não acreditava que a diferença de idade entre elas teria tanta influência, sendo que os pickups nem tocam na madeira, pois ficam presos no escudo... Seria o PVC do escudo? rs

renatocaster
Moderador
# 28/fev/19 09:16
· votar


JJJ

O fato de quanto maior a saída do captador, menor a influência da madeira (vide captadores ativos...) favorece ainda mais essa teoria.

Bem observado. No meio dessa lenga lenga toda de madeira influenciar ou não, esse é um ponto que faz total sentido. E os ouvidos não negam.

JJJ
Veterano
# 28/fev/19 12:04 · Editado por: JJJ
· votar


Ismah
Poxa... Saindo de ti essa pérola?

renatocaster
Bem observado.

MatheusMX
Exatamente.

---

As opiniões acima sobre a mesma frase acima resumem bem a celeuma sobre a influência da madeira! kkkkkk

Acho que o mais sensato é o que o MMI escreveu:
"Dependendo do ponto de vista, é primordial, dependendo, não muda nada."

---

Minha opinião pessoal: tudo influencia no resultado final sonoro. Mas algumas coisas influenciam muito, outras mais ou menos, outras muito pouco. PRA MIM, a madeira está nesse último time. Porém, o que me parece óbvio, dado o exposto no vídeo do alemão (sueco?) é que quanto mais "microfônico" for o captador, mais o componente acústico (e aí a madeira influencia bastante) será percebido.

Ismah
Veterano
# 04/mar/19 23:59
· votar


undefinedrenatocaster
JJJ

Definitivamente não... Como eu disse, o som não-gerado e não-captado, não vai ser amplificado... Mas se amassar esse sinal em algum ponto, aí é que a porca torce o rabo!

demian e eduardo
Membro Novato
# 14/mar/19 11:32
· votar




demian e eduardo
Membro Novato
# 14/mar/19 11:33
· votar


mais um ai kkkkkkkkk

T-Rodman
Veterano
# 14/mar/19 15:43
· votar


a última coisa que levei em consideração nesse negócio é que depois de captado, guitarra com madeira A ou B ou C ou D pouco ou quase nada muda. Se colocar efeitos então já zera tudo.
agora que muda a percepção e feeling do próprio guitarrista, muda.

um video à respeito


killeryoda
Membro
# 15/mar/19 00:10
· votar


vendo pra que lado a discussão cambou eu lembrei do video do gilney parson (nomezinho bonito) dizendo que se o cara comeu dois hamburgueres antes de tocar o som dele vai sair diferente...
Gosto de observar o pessoal que defende madeira dizendo que ela influencia muit, mas se a guitarra for chinesa, a madeira for barata, ou o captador ceramico não...
Ainda mais legal as definições de pessoas diferentes para a mesma madeira, como aconteceu há um tempo com aquele meme da internet onde não sabíamos se o vestido era rosa ou cinza, nós discutimos essa influencia sem perceber que um mesmo som pode ser amável pra mim e insuportavel pra você, porque temos ouvidos diferentes, com cérebros diferentes para decifrar o som, eu por exemplo fiz alguns testes de audição quando criança e adolescente, em ambos o resultado foi que para algumas frequencias eu conseguia ouvir 0B e para outras 20db, audição boa, mas não treinada, agora que treinei provavelmente ja estou nos 50db, e aquele som que o meu amplificador emite que tem alem de baixa/alta frequencia baixa amplitude infelizmente só minhas cadelas vão ouvir

Enviar sua resposta para este assunto
        Tablatura   
Responder tópico na versão original
 

Tópicos relacionados a Influencia da madeira no som da guitarra.