E se a esquerda fosse como a direita, nessa questão de fake news?

Autor Mensagem
Trop
Veterano
# 20/out/20 22:23
· votar


LeandroP
Estranho que eu acho justamente o contrário. A esquerda perdeu com os fatos. O pré-sal é nosso. Copa 2014. Foi golpe. Lula é inocente. Haddad é Lula.
Haja narrativa

LeandroP
Moderador
# 21/out/20 08:12
· votar


Trop

O pré-sal é nosso! (ou melhor, era).
A Copa 2014 aconteceu, não foi fake news.
Foi golpe mesmo! Todos sabem. Nem é uma questão de gostar ou não do governo da Dilma. Ela foi impedida sem crime, foi uma farsa! Com judiciário e com tudo.
Lula é culpado e inocente ao mesmo tempo. Tudo depende do(s) crime(s) que querem atribuir a ele.
Haddad é Lula - Isso é falso mesmo. Um é um, e o outro é o outro.

brunohardrocker
Veterano
# 21/out/20 09:32
· votar


LeandroP
Haddad é Lula - Isso é falso mesmo. Um é um, e o outro é o outro.

Eu acho que Boulos é muito mais Lula que Haddad.

Trop
Veterano
# 22/out/20 00:00
· votar


brunohardrocker
Boulos é uma skin do lula oldschool

Lelo Mig
Membro
# 22/out/20 00:07
· votar


brunohardrocker
Trop

Lula Cover.

Wild Bill Hickok
Membro Novato
# 28/out/20 15:38
· votar


fake news canhota da semana: bolsonaro quer privatizar o SUS e retirar o direito ao atendimento "gratuito" a população

brunohardrocker
Veterano
# 28/out/20 17:26
· votar


O SUS já está privatizado na Austrália?

Wild Bill Hickok
Membro Novato
# 03/nov/20 21:14
· votar


Nova fake news canhota da semana: estupro culposo

Wild Bill Hickok
Membro Novato
# 03/nov/20 21:15
· votar


aguardemos a proxima

LeandroP
Moderador
# 03/nov/20 22:32
· votar


Wild Bill Hickok

Não é fake news canhota. O caso está sendo tratado como estupro culposo mesmo. Que é quando não querem culpar o estuprador.

brunohardrocker
Veterano
# 03/nov/20 23:53
· votar


As provas apresentadas sustentam a defesa ou a acusação?

Não estou por dentro dessa parada aí.

Lelo Mig
Membro
# 04/nov/20 00:40 · Editado por: Lelo Mig
· votar


Wild Bill Hickok
LeandroP
brunohardrocker

O problema não é se o sujeito é culpado ou inocente, se a garota esta mentindo ou não, isso cabe a perícia e a justiça, qualquer opinião aqui é pitaco com critério pessoal e sem conhecimento do processo.

O fato é como a garota foi tratada pelo advogado de defesa do acusado (coisa que ele nem poderia fazer porque não é promotor e ela não é ré), e a passividade do juiz que permitiu que a guria fosse humilhada e achincalhada pelo advogado sem esboçar nenhuma reação e não tomar as providências devidas a um juiz.

makumbator
Veterano
# 04/nov/20 00:53
· votar


Lelo Mig
O fato é como a garota foi tratada pelo advogado de defesa do acusado

Cara, é sempre assim. O advogado de defesa nesses casos vai tentar colar na vítima a pecha de promíscua e com isso alegar que foi tudo consensual. Isso é padrão nesse tipo de julgamento. É um teatro em que o melhor contador de histórias ganha.

Lelo Mig
Membro
# 04/nov/20 01:06 · Editado por: Lelo Mig
· votar


makumbator

"O advogado de defesa nesses casos vai tentar colar na vítima a pecha de promíscua"

A questão é que isso não cabe mais nos tempos atuais. O advogado de defesa esta lá para defender seu cliente e nada mais. Não podemos tolerar este tipo de situação absurda e ser conivente com este tipo de comportamento.

Os juízes, nos últimos tempos, não têm permitido mais este tipo de postura. Mesmo que uma mulher saia nua na rua não significa que você pode violenta-la, fazer sexo sem consentimento, então, a desqualificação da vítima não têm sentido e não têm sido mais tolerada pela jurisdição.

O que chamou à atenção, e causou espanto, inclusive do STF, é justamente essa postura de inquisidor do advogado e, principalmente, a passividade "suspeita" do juiz em questão. Some-se a isso o afastamento mal explicado do promotor.

Não estou aqui para acusar o cidadão ou defender a garota, mas, dá um tempo né? Você viu o vídeo? É inadmissível uma vítima (sim, porque ela esta na situação de vítima no julgamento e não de acusada) ser tratada daquela forma.

Esse evento precisa ser esclarecido sim.

makumbator
Veterano
# 04/nov/20 01:12 · Editado por: makumbator
· votar


Lelo Mig
Os juízes, nos últimos tempos, não têm permitido mais este tipo de postura.

Parece que ainda dá pra fazer. Pelo menos nesse caso PARECE que sim. No fundo, lá no julgamento não importam apenas as evidências, e as provas, e sim como se joga com elas, e como se ataca o outro lado. A reputação conta muito (seja ela real ou de fachada). Sem contar o networking com os juízes.

É inadmissível uma vítima (sim, porque ela esta na situação de vítima no julgamento e não de acusada) ser tratada daquela forma.

Sim, eu concordo, mas não estou reportando o que eu acredito ser o certo, e sim o que eu acho que funciona lá naquele ambiente. Advogado de defesa bom, quando não tem como se escorar nas provas vai atacar a vítima, assim como o promotor que não tem muitas provas vai pra cima da reputação do réu.

Lelo Mig
Membro
# 04/nov/20 01:30 · Editado por: Lelo Mig
· votar


makumbator

"e sim o que eu acho que funciona lá naquele ambiente."

Eu entendi.
Também não estou "lacrando" em cima da guria, na certeza de que ela foi estuprada pelo macho malvadão abusador.

Também entendi o processo.
O acusado primeiro havia dito que não fez nada, mas depois assumiu que comeu, há provas disso, recolheram material genético. Ainda assim, isso não quer dizer que ele estuprou, porque em contrapartida a guria alega que foi drogada, mas também NÃO HÁ prova alguma de que ela estava alterada, seja droga ou seja álcool, que não tinha o controle de suas ações.

Não estou questionando aqui a absolvição do sujeito por falta de provas, apenas a atitude do advogado e juiz no julgamento. E acho (e aqui é pessoal) que têm mais é que servir de "bode expiatório" para que esse tipo de postura mude de uma vez. Justamente para mudar o como "funciona lá naquele ambiente."

Inclusive, é capaz de a coisa tomar proporções absurdas, ao reverso, e o acusado acabar sifudendo... percebe onde quero chegar?

makumbator
Veterano
# 04/nov/20 01:39
· votar


Lelo Mig
Inclusive, é capaz de a coisa tomar proporções absurdas ao reverso e o acusado sifuder... percebe onde quero chegar?

Sim, mas o advogado de defesa quer ganhar, não importa como. E promotor é a mesma coisa, pois a acusação pode não ter tanta certeza da culpa de alguém, mas vai em frente no processo e tenta ganhar.

Acho que isso nunca vai mudar.

Jonas Kahnwald
Membro Novato
# 04/nov/20 01:39
· votar


Podemos considerar as "polls" americanas como fake news já ou é muito cedo ainda?

makumbator
Veterano
# 04/nov/20 01:40
· votar


Jonas Kahnwald

Ainda é muito cedo. Vamos aguardar.

LeandroP
Moderador
# 04/nov/20 07:20
· votar


A questão é que não importa se a mina é santa ou se ela é puta. Não existe estupro culposo. Vergonhoso ter que humilhar a mina pra apresentar uma defesa, contra qual existem exames forenses atestando a culpa do playboy estuprador. Infelizmente vivemos em um país aonde se culpa a vítima sempre! Ah, o que ela fazia em tal lugar tal hora? Por que ela vestia tal roupa? O andar dela me deixou excitado, etc. É só colocar a própria mãe no lugar da garota, considerando a hipótese que você tenha vindo de uma mãe, de fato. Eu espero não encontrar por aí nenhuma dessas figuras escrotas do processo. Senão quem vai pra cadeia sou eu.

Wild Bill Hickok
Membro Novato
# 04/nov/20 08:43 · Editado por: Wild Bill Hickok
· votar


LeandroP
Não é fake news canhota. O caso está sendo tratado como estupro culposo mesmo. Que é quando não querem culpar o estuprador.


É fake news sim, o termo "estupro culposo" foi cunhado pelo The Intercept, nenhuma vez foi mencionado no processo.



LeandroP
Vergonhoso ter que humilhar a mina pra apresentar uma defesa, contra qual existem exames forenses atestando a culpa do playboy estuprador.

Que exames sao esses? Pq o cara literalmente foi absolvido por falta de provas do suposto estupro. Acontece que no Brasil se dá poder de prova a palavra da mulher, portanto a sentença aconteceu devido ao entendimento de que nao houve nenhum indicio de estupro, porém foi considerada a palavra da vítima. O resto é apenas o principio básico do direito: em dúvida, decide-se em favor do reu

LeandroP
Moderador
# 04/nov/20 09:56
· votar


Wild Bill Hickok
no Brasil se dá poder de prova a palavra da mulher

aff

DarkMakerX
Veterano
# 04/nov/20 12:20
· votar


Wild Bill Hickok
Perguna: estupro é coisa de direita agora para a esquerda inventar fake news?

Acho que só você entedeu que "estupro culposo" foi o resultado do processo. Foi um termo criado para resumir a impunidade, já que foram apresentadas provas mas a alegação foi que o cara não sabia que ela não estava em condições (vulgo, drogaram a bebida dela e estava quase inconsciente). Por isso o trocadilho de estupro culposo, onde não há intenção de estuprar.

Vídeos em que aparece se apoiando nas paredes, sem conseguir andar sozinha, prints pedindo socorro a amigas que estavam no local, além da foto do vestido que usava na noite todo ensanguentado.

Segundo uma reportagem da revista “Marie Claire” à época, os exames feitos por Mariana comprovaram o estupro.


Lelo Mig
Membro
# 04/nov/20 12:45
· votar


Muita calma nessa hora!

Acho que geral tá confundindo as coisas...

- O juiz não deu sentença de "estupro culposo". Ele absolveu por falta de provas, não fez nada errado nesse sentido. (Na doutrina, na dúvida a sentença deverá ser pró réu). Não há nada que desabone o juiz com relação a sentença.

- O Intercept têm a "opinião" de que o cara estuprou. Por isso ironizou com a criação de uma tipificação que não existe "estupro culposo". Assim como não existe "roubo culposo".

Eu (Lelo Mig) não vou dizer, mesmo que somente opinião, que o cara é culpado, nem inocente, baseado numa reportagem da revista Marie Claire, com todo respeito ao nosso amigo DarkMakerX. Da mesma forma que não diria que a guria é uma "oportunista" querendo se dar bem. Acho que todas as opções são possíveis e para tal existem investigação, perícia e justiça.

No entanto, o que não concordo e creio que deva mudar, é o tipo de atuação que o advogado teve e a omissão do juiz durante o julgamento.

Essa minha opinião não muda, mesmo que a guria fosse uma oportunista mentirosa, porque bem ou mal, sob a ótica da razão e da lei, ela é vitima e não ré, até que se prove o contrário.

Caso ela estivesse mentindo, e fosse provado, ai o acusado de estupro poderia processá-la por calúnia e danos morais e seria um novo processo.

Conseguem analisar com frieza e somente pela razão?

ProgVacas
Membro Novato
# 04/nov/20 12:45
· votar


Ora ora um machinho passando pano para estupro que coisa inusitada

brunohardrocker
Veterano
# 04/nov/20 13:00
· votar


Lelo Mig
frieza e somente pela razão?

Num tema que envolve militância, ideologia e maniqueísmo político?
Esquece.

Tu só vai ouvir que o réu deve ser condenado sem qualquer análise.

É diferente quando o assunto é homicídio, por exemplo. Quando é homicídio há consenso de que deve haver investigação e provas robustas.

LeandroP
Moderador
# 04/nov/20 13:24
· votar


Num tema que envolve militância, ideologia e maniqueísmo político?
Esquece.

Tu só vai ouvir que o réu deve ser condenado sem qualquer análise.


Engraçado que isso não funciona pra quem é negro da periferia.

brunohardrocker
Veterano
# 04/nov/20 13:31
· votar


LeandroP
Engraçado que isso não funciona pra quem é negro da periferia.

Infelizmente. Por isso temos que bater contra o sistema de justiça até que ele melhore.

Não é segredo que o tratamento da nossa justiça se diferencia conforme fatores como a renda, por exemplo.

Agora, o que devemos fazer diante disso? Jogar no ralo os preceitos jurídicos basicos?

makumbator
Veterano
# 04/nov/20 13:36
· votar


brunohardrocker
Não é segredo que o tratamento da nossa justiça se diferencia conforme fatores como a renda, por exemplo.

Mas isso é geral, é um aspecto humano. Sem contar, que ter dinheiro te garante melhores defensores (como o advogado agressivo do caso citado da moça). Isso por si só já dá uma vantagem em quem tem mais recursos. A pessoa tem acesso a advogados bons, que não perdem prazos, que podem se dedicar mais, investigar melhor e levantar novas provas, etc...

Lelo Mig
Membro
# 04/nov/20 13:37 · Editado por: Lelo Mig
· votar


LeandroP

Sem sombra de dúvidas se fosse um preto da periferia seria condenado, não há dúvida quanto a isso. Contudo, se ler tudo que escrevi, no que se limita minha opinião, está claro que não entro no mérito do julgamento. Não me julgo apto a tal. Não li processos, indícios à favor ou contra, provas e contra provas. Me limito a não opinar levianamente sobre algo que não sei.

Minha questão foi única e somente com relação a atuação do advogado e do juiz durante o julgamento da garota. Que eu me sinto, pelo que vi, com estofo a formular uma opinião de repúdio e indignação.

Mas não adianta cara, é exaustivo tentar se posicionar preservando a razão e a sensatez num País de idiotas passionais. Só o fato de eu "não acusar" o cara, já faz com que alguns insinuem conivência com estupro.

Muita gente burra, vomitando opiniões impulsivas sem qualquer embasamento técnico, tirando do cu achismos acusatórios... desanima.

Enviar sua resposta para este assunto
        Tablatura   
Responder tópico na versão original
 

Tópicos relacionados a E se a esquerda fosse como a direita, nessa questão de fake news?