Em 2019, o que realmente justifica um amp de médio e grande porte?

Autor Mensagem
Drinho
Veterano
# 17/mai/19 09:56
· votar


_JCM_

Então cara, eu toco pior que o cara ok, mas o som tá ai, o negócio funciona e fica legal.
Tem trocentos amplificadores dentro dele já de fábrica que soam bem, trocentos efeitos (mata o pedalboard, inclusive os delays e chorus desse troço são animais) 600w de potencia ou seja, da pra presetar qualquer som em qualquer volume, é bivolt e pesa apenas 5 kilinhos bicho!

_JCM_
Veterano
# 17/mai/19 10:16
· votar


Drinho

Nunca toquei em um e só ouvi e vi varios reviews no youtube. Gostaria de tocar, pra saber como se comporta.

Realmente, parece tudo muito prático, já tem tudo ali! portabilidade total.

E, como qualquer equipamento, provavelmente terá que sentar e timbrar, mesmo ele já vindo com muita coisa boa, pelo que me parece.

Tua idéia é usar ele microfonado ou em linha?

Parabéns pela futura aquisição!

LuanCesar1
Veterano
# 17/mai/19 11:55
· votar


O Mooer Preamp Live é muito bacana, tenho interesse em pegar um, esse tópico tá me dando muita luz haha.

Venho bolando um set pra mim que seja versátil e que possa soar bem em qualquer lugar, atualmente uso uma ME-80 ligada em linha pra tocar sertanejo, e numa banda de rock que usa muito efeito, em um ampli Marshall VS30 (acho) que não ta dando conta por causa da baixa potência, do baixista da banda. Mas queria algo mais prático, a ME-80 é muito simples de ativar os efeitos no modo manual, mas se você tem um preset e quer mudar ele na hora, você sofre demais por não saber onde estão os parâmetros anteriores.

Pensei num ampli de +- 100w transistor ou 30w valvulado + set de pedais, mas é muito pesado e daria muito trabalho carregar direto, principalmente em lugar sertanejo que eu toco que geralmente é muito pequeno e não ia caber o ampli e ligar um set de pedais comum em linha vira uma abelha que só por Deus.

A outra ideia, provavelmente vou seguir essa, é usar alguma coisa parecida com esse Mooer pra simular amps e gabinete, um set de pedais (ou continuar com a ME-80 de início), e comprar uma caixa ativa FRFR (ou não também) especificamente pra guitarra.

Mas é muita opção e a gente se sente perdido as vezes.

Abç.

Buja
Veterano
# 17/mai/19 12:26
· votar


e numa banda de rock que usa muito efeito
continuar com a ME-80

É isso.

Pra tocar fora, se nao tem pa, acho indispensável um amp.
Mas na maioria das vezes, tem pa, ou no minino um amp de guitarra, nem que seja meteoro. Dai, um simulador de amps é a pedida.
Mas sinceramente acho que isso tudo já vem numa ME80.

Eu na minha ignorância, nao vejo pq um guitarrista precisaria de mais do que uma boa pedaleira pra sair de casa. Ou o lugar é muito f00dido que nao tenha nem um ampzinho, nem pa, nada, dai tem que levar amp + pedaleira,
ou o lugar tem isso já e so leva pedaleira.

Ou o guitarrista já mais purista e leva pedais, mas geralmente nao passa de 5 pedais +wah e ja ta tudo ligadinho no hardcase.

_JCM_
Veterano
# 17/mai/19 14:31
· votar


LuanCesar1

Você viu o review do Boss Katana100? talvez seria uma opção.

Boss Katana

Buja

Eu na minha ignorância, nao vejo pq um guitarrista precisaria de mais do que uma boa pedaleira pra sair de casa. Ou o lugar é muito f00dido que nao tenha nem um ampzinho, nem pa, nada, dai tem que levar amp + pedaleira,
ou o lugar tem isso já e so leva pedaleira.

Ou o guitarrista já mais purista e leva pedais, mas geralmente nao passa de 5 pedais +wah e ja ta tudo ligadinho no hardcase.


Pois então... nem sempre há uma estrutura legal. É raro! eu fui tocar em uma outra igreja no fim de semana passado e o som era todo com fone, bem legal. PA´s eram bons, mas estavam mal regulados. Tinha 2 amps de guitarra microfonados. Som da guitarra estava muito bom, so levei o meu set. Mas o resto tava dificil... batera quase não se ouvia, pois estava no aquário e o retorno não estava legal. Tivemos q pedir para o baterista abrir a porta do aquário, para termos uma noção de onde estávamos.

Quem toca por aí encontra de tudo!

Mas concordo contigo que, se tiver uma pedaleira bem regulada na linha, resolve alguns problemas!

BrotherCrow
Membro Novato
# 17/mai/19 14:37
· votar


Acho que micro-amps com uma boa saída emulada são o melhor dos dois mundos. Meu Vox MV50 fica o tempo todo em cima da mesa do computador. A saída emulada fica na minha interface, e quando quero fazer barulho ligo na caixa de 12.

_JCM_
Veterano
# 17/mai/19 14:47
· votar


BrotherCrow

Show de bola! neste ponto, o Tubemeister 18 é muito bom também. Se não estou usando a caixa, ligo a saida dele direto na interface e já era.

Agora, este Vox ai parece ser muito prático!

T-Rodman
Veterano
# 17/mai/19 14:48
· votar


MatheusMX
é. esse video acho que me deu essa sensação que você descreveu, lol.
Nunca mexi num kemper, mas do que eu já andei brincando por aí eu até que confio bastante no som que os mais simples vem fazendo - e melhorando com o tempo.
O Mooer preamp live talvez entre na linha aqui - se bem que só falando em preamp, aquele da Meteoro que imita algum famoso bem mais antigo, em casa não fez nada demais (uma 'esquentadinha', ah whatever).

acabaramosnicks
ainda bem que existe você e mais uns poucos que tentam consertar, porque eu já to no quebrou joga fora, porque quem eu conhecia que mexia com eletrônica ou saiu do ramo ou morreu. Então principalmente no 'low cost', eu espero que dure, mas se quebrar vai pro lixo mesmo.

amplexos

T.

BrotherCrow
Membro Novato
# 17/mai/19 15:16
· votar


_JCM_
O Orange Micro Dark também dá conta, mas a saída emulada dele é um lixo! Aí eu prefiro colocar um cab simulator antes de ir pra interface. Depois de muito tempo me batendo com o Cab Sim da EFX, criei vergonha na cara e comprei o Digitech CabDryVR.

MMI
Veterano
# 17/mai/19 18:45
· votar


Quando li o tópico, achei meio estranho que em 2019 se discute se um Kemper resolve eventualmente a parada... Eu mesmo tenho um monstrinho desse desde 2013. Depois de uns bons anos, estou me reestruturando, já não gravo mais, então vendi algumas guitarras e amplificadores. O Kemper não vai embora não... Fica em casa junto uns amplificadores SS e valvulados.

Penso que cada um tem suas vantagens e desvantagens, cada um tem sua particularidade. Dependendo da aplicação, um vai ser absurdamente melhor que outro - ou pior.

Meu Kemper é da época que não existia o modelo com power. Ele quase que só foi usado em linha mesmo, poucas vezes usei com power para simplesmente tocar e fazer um som. Ele se destaca pela infinidade de amplificadores e sons (bons!) que é capaz de fazer, de maneira relativamente simples, sem complicações. Diria que apesar dos botões, knobs, luzinhas, é bem "amigável". Legal que inclusive ele é amigável com pedais, diferente de muitas pedaleiras e simuladores, quem não quiser usar os pedais simulados dele, pode usar uma latinha que geralmente vai bem. Uma vez que se acerta um preset (nele chamam de Profile), aquilo se comporta super bem, desde que não se saia daquilo.

Gostar ou não gostar, ainda mais em relação a sensação que um amplificador dá, vai de cada um. Eu gosto de um preset do meu Fender no Kemper e ficava meio desconfiado... Até que descobri que o Torcuato Mariano também prefere tocar com o profile do amp que ele tem, no Kemper. Curioso... Acho que diz alguma coisa isso a respeito do aparelho.

Por outro lado... Tocar alto, com falantes e caixas de guitarra, tremendo o peito, faz diferença. Mais ainda, o Kemper nunca vai simular um amplificador por completo - alto, baixo no volume ou no ganho; toda a gama de equalização, toda resposta que um amplificador bom pode dar. O preset é para aquela regulagem (na verdade é o som do microfone que capta o amp que ele simula), aquele ganho, aquele eq, permitindo algum acerto fino, por isso que nos profiles que vendem nos melhores sites especializados, muitas vezes cada amp tem vários profiles diferentes - mesmo assim, são muito bons, mas não refletem tudo que um amp real faz. Faz menos, mas faz bem.

Tem amplificador que a grande característica é responder de diferentes formas. Mais ainda, fazer um bom profile não é muito simples. Tenho um amplificador que não tenho profile dele, nem me animo muito a fazer. Quem sabe uma hora arrisco.

Enfim... Tenho um conhecido que tirava um som enorme, muito bom, de uma pedaleira Boss ME-6 (é, daquelas de 1990, que dá para achar por uns 300 reais no ML), era o que ele tinha e ficou anos timbrando aquilo, cada milésimo de regulagem. Um outro guitarrista, dos grandes, nunca conseguiu grandes timbres porque estudou tanto as notas que não prestava atenção no som talvez. Uns precisam carregar os equipos, outros mandam carregar. Uns gostam de timbrar e descobrir os detalhes de cada amplificador, outros querem o timbre pronto. Um maluco amigo meu faz turnês e workshops em tudo que é canto, leva consigo só uma palheta no bolso (uma!). Um outro sai com a guitarra e o cabo, chega e pergunta onde pluga aquilo para fazer sair som, qualquer coisa serve e fica bom. Tem uns caras que tocam tão bem, tão bonito, que o timbre é a última coisa no nível de importância. Existem realidades diferentes...

BrotherCrow
Membro Novato
# 17/mai/19 18:54
· votar


MMI
Massa tua colocação, porque vem de alguém que tem experiência com o equipamento. Como eu disse antes, minha reticência com o Kemper não é por ter dúvida se ele dá conta: muito pelo contrário, acho que ele é coisa demais pra mim!
Por coincidência, tenho uma Boss ME-6 até hoje. Entre um monte de pedais bem mais caros, ainda ligo ela de vez em quando. Os drives são analógicos (acho que isso foi até a ME-8) e as modulações são excelentes. Sabendo timbrar, ela faz milagre. Não que eu saiba timbrar nesse nível, mas tem gente que sabe hehehehe.

Drinho
Veterano
# 17/mai/19 22:18
· votar


_JCM_

Cara não, eu testei o Kemper rapidamente uma vez quando fiz uma visita ao MMI e pirei, o negócio é muito louco, como ele disse a versão dele é a mais tradicional que você liga direto na interface, parece que esta versão não tem potencia embutida, ai posteriormente se lançou o mesmo aparelho que ele tem só que com uma potencia embutida que permite além de você usar na linha usar também a caixa de guitarra.

Eu nunca tive o hábito de ligar a guitarra na interface, na verdade eu nem tenho isso e sinceramente me falta uma sensação de peso e ambiente. Todas as vezes que eu gravei em studio fosse com simulador POD ou marshall jcm e mesa boogie rectifier sempre chegava som de monitor pra mim e era bem frustrante, na sala onde ficava a caixa era maravilhoso, mas eu ficava do lado de fora né.

Pode ser o simulador, pode ser o kemper, ou pode até ser o valvulado microfonado saindo no monitor, pra mim mata toda a vibe do som saindo da caixa de guitarra (talvez seja por isso que os caras da kemper fizeram a versão com power, pensando em gente como eu kkkk)

Claro se você colocar um cd masterizado no carro eu vou achar legal, mas digo eu tocando....

Portanto meu objetivo é usar sim caixa de guitarra, mesmo que seja uma humilde 1x12

Ramsay
Veterano
# 17/mai/19 22:51 · Editado por: Ramsay
· votar


Que coisa curiosa!! estão desvirtuando o tópico e discutindo sobre racks de efeitos e pedaleiras num tópico cujo foco é o uso, nos dias atuais, de amps de grande porte ou não.

Mas, se é pra desvirtuar, então eu entro nessa postando um vídeo no qual, a maior parte dos comentários se mostram a favor da Boss GT-1000 numa comparação direta com a Fractal AX8 e a Line 6 Helix.

Sendo que esse vídeo é de 1 ano atrás, quando a Boss GT-1000 era recém lançada e ainda estava muito crua na sua versão v.1.0 de firmware.

E como a GT-1000 ainda está em desenvolvimento, quase todo mês são lançadas novas versões de firmware, com novos amplificadores, novos efeitos, novas caixas, e até novos ícones no menu de Configurações, além da correção de bugs típicos de um produto em desenvolvimento.

O fato é que atualmente, a Boss GT-1000 com sua versão v.3.02 de firmware, subiu de patamar e apresenta sons bem superiores aos de quando foi feito o vídeo comparativo, sons esses que atualmente soam bem próximos ao nível da Axe FX2 e do Kemper Profiler.



MatheusMX
Veterano
# 17/mai/19 23:36 · Editado por: MatheusMX
· votar


Ainda sobre o Kemper...

Eu vejo, de forma bem resumida, três pontos positivos:
-versatilidade
-uso em linha
-transportabilidade

Agora faço minhas ressalvas de cada um desses pontos:

-versatilidade:
Vários aqui já comentaram que não precisam de mais que um som clean, um crunch e um drive. Eu também não.
Por mais que o Kemper tenha opções de amps que provavelmente eu nunca tocarei na vida, tipo Dumble, é bem provável que acabe fazendo uso de poucos presets.
Fato é que, dependendo da necessidade de timbres, dois ou três amps já seriam mais que suficiente para maioria de nós.

-uso em linha:
Pra mim esse é o ponto mais atrativo, seja ao vivo ou gravando, sendo que o mais importante aqui seria a qualidade do som e a praticidade.
O que pega é a fidedignidade ou mesmo a qualidade dos timbres. Eu sei que são muito bons, e que realmente trazem a identidade dos amps originais, mas até que ponto?
Microfonar tem seus problemas. Mas e no fim das contas, qual opção resultaria num som de melhor qualidade?

-transportabilidade:
Isso só faz sentido se for pra usar em linha. Se for pra usar caixa, é a mesma coisa que qualquer amp (tirando os heads dinossauro).
Além disso, o volume e peso do Kemper são aproximadamente metade de um combo all tube 1x12 pequeno/médio. Se for pra colocar num carro, isso pra mim não faz muita diferença.
Claro que nessa comparação a versatilidade de ter os amps reais fica comprometida.

Agora o ponto negativo:

-preço:
Um Kemper no ML tá saindo R$12k (desconsiderando o uso de uma caixa).
Com essa grana é possível comprar dois ou três excelentes combos all-tube, seja Fender, Mesa Boogie, Marshall, Vox...
Ou seja, no caso de optar por amps:
Versatilidade? Temos.
Qualidade? Com certeza.
Praticidade e transportabilidade? Talvez.

Aí vai do uso e do bolso de cada um.
Tem outros aspectos como efeitos embutidos, custo de manutenção/conserto, mas acabei desconsiderando.

MMI
Veterano
# 17/mai/19 23:53
· votar


Drinho

Cara, vem aqui de novo então... Vamos ligar esse Kemper num power e nuns falantes. De quebra você vê umas coisas diferentes.

SteveRayMorse
Veterano
# 18/mai/19 00:09 · Editado por: SteveRayMorse
· votar


Ramsay

Que coisa curiosa!! estão desvirtuando o tópico e discutindo sobre racks de efeitos e pedaleiras num tópico cujo foco é o uso, nos dias atuais, de amps de grande porte ou não.

Não necessariamente. Faz parte do assunto, afinal, o que iria substituir o amps e etc? Se não for usar os half stack, combos all tube o que usaria? Acho válido entrar no mérito dos produtos em si.

Quanto a essa comparação aí, o próprio Glenn informa que não tentou deixar eles próximos, só pegou o que era na mesma "vibe" e foi.
A impressão que eu tenho é que eles soariam muito próximos devidamente configurados. Se eu fosse comprar algo entre esses caras aí, eu certamente compraria o que me atenderia mais em nível de recursos, garantia, suporte e etc, porque em timbre acredito que todos dariam ótimos resultados. No mais, a GT-1000 tem que correr atrás da Helix e Fractal porque se for ver em quantidade de efeitos e simulações, ainda tá muito longe. O que não é necessariamente ruim, mas tanto a Fractal quanto a Line6 estão dando suporte faz muito tempo pros seus produtos e parecem estar aumentando a linha dos respectivos produtos, já a Boss não um histórico muito bom nessa área. Espero que consiga manter e alimentar a concorrência.

MatheusMX

Poisé, mas se tu comprar um Fender por exemplo, e precisar de versatilidade, tu vai precisar de bons pedais. E se tu for pensar em pedais tops, um pedalboard fica fácil fácil na faixa de uns R$ 6K. Mesmo que considere pedais nacionais e mais em conta, ainda sim vai gastar uns R$ 2K (provavelmente mais). Em termos de custo acho que não fica tão longe não.

SteveRayMorse
Veterano
# 18/mai/19 00:13
· votar


E hoje já tem esses brinquedos aqui:





Se gosta de amp, esses aí são a resposta. Só pagar kkk

T-Rodman
Veterano
# 18/mai/19 00:37
· votar


Ramsay
pelo som desses 3 nesse video, eu não troco o Fractal AX8, lol.
Mas se fizer uma força, qualquer um pode atender sim, rs.

SteveRayMorse
cada hora um brinquedo novo pra babar, lol.
é bom ver todas essas opções no mercado.

amplexos

T.

MatheusMX
Veterano
# 18/mai/19 00:46
· votar


SteveRayMorse
Poisé, mas se tu comprar um Fender por exemplo, e precisar de versatilidade, tu vai precisar de bons pedais. E se tu for pensar em pedais tops, um pedalboard fica fácil fácil na faixa de uns R$ 6K.

Putz, mas gastar R$6k com pedais? Eu sei que acaba gastando isso sem perceber num set, é 1k aqui, 2k ali...
Mas suponho que vc esteja falando de drive. Pô, se o cara já tem um Fender bom em um TS da vida, pega um Rectoverb ou o que seja, e já era! Com dois amps distintos assim o cara já tem uma variedade enorme de timbres.
Fora essas opções de amps super versáteis que existem hoje. Eu ainda citei os clássicos só pra deixar a comparação mais extrema, hehe.

SteveRayMorse
Veterano
# 18/mai/19 00:57
· votar


MatheusMX

Então, acredito que varie muito, mas um cara que toca em banda de festa ou tira vários covers e etc. Um amp Fender e um TS é pouco, cara vai precisar de mais uns 2 drives dependendo do que for tocar. Se precisar de delay e modulação e quiser algo top, vai investir em Strymon, Eventide, a linha 500 da Boss. Po, um H9 completo é quase 6K aqui em terra brasilis. Mesmo pedais nacionais, cara gasta em torno de R$400 a R$600 conto fácil em cada pedal.

Por isso que digo, depende muito do caso, mas se o cara precisar de algo mais versátil que cubra uma maior variedade de sons e etc. Vai gastar pra kct. Por isso que acho que os modeladores e MuiltiFX são melhores opções nesse caso.

MatheusMX
Veterano
# 18/mai/19 01:33
· votar


SteveRayMorse
Então, acredito que varie muito, mas um cara que toca em banda de festa ou tira vários covers e etc.

Por isso que acho que os modeladores e MuiltiFX são melhores opções nesse caso.

Sem dúvidas!
Pra quem toca nesse tipo de banda não tem nem o que discutir! rs
De um tempo pra cá eu venho definindo bastante meu timbre próprio. E isso me ajudou a dar uma enxugada absurda nos pedais, por exemplo. Ainda tenho coisas aqui que uso em raríssimas ocasiões, tipo fuzz e modulações, até mesmo wah wah.
Acho que já tive pedais que comprei pra tocar uma única música específica, e nunca mais. Loucura, rs.
Overdrive/distorção também já me desfiz de praticamente todos, pois tenho um amp hi gain específico pra isso, que uso bem pouco, por sinal.

Ramsay
Veterano
# 18/mai/19 02:23
· votar


No mais, a GT-1000 tem que correr atrás da Helix e Fractal porque se for ver em quantidade de efeitos e simulações, ainda tá muito longe
SteveRayMorse
Realmente, na quantidade de simulações as Helix e Fractal ganham facilmente.
Lembrando que esse vídeo comparativo é de 1 anos atrás.
Mas, na tecnologia de 32 Bits contra 24 bits das outras duas e na qualidade de som superior e mais natural propiciado pelo AIRD, a GT-1000, principalmente com o firmware v3.02 tá dando banho nessas duas e está um patamar acima, se equiparando as Axe FX2 e Kemper Profiler.

O curioso é que mesmo há 1 ano atrás, a maioria das pessoas que responderam escolheram a GT-1000 como o melhor som.

pelo som desses 3 nesse video, eu não troco o Fractal AX8, lol.
Mas se fizer uma força, qualquer um pode atender sim, rs.

T-Rodman
Vc pode não trocar, pq é questão de gosto pessoal baseado num vídeo de 1 ano atrás.
Mas, atualmente, a Fractal AX8 leva um banho de cuia da GT-1000 e, em termos de qualidade sonora, não dá nem pra comparar.

SteveRayMorse
Veterano
# 18/mai/19 05:18 · Editado por: SteveRayMorse
· votar


Ramsay

Não sei dizer. A única que tive algum contato foi a Helix e me agradou bastante. Não conheço a Fractal nem a GT então não tenho como comparar. Fora essas tive contato com o Eleven Rack e fiquei impressionado considerando que é relativamente antigo.

Quanto aos dados técnicos, não sei o que de fato se traduz os 32Bits contra os 24Bits em sonoridade e praticidade. O que vi da Helix me atenderia em praticamente tudo. Aliás, tem um tópico no TGP sobre a GT-1000 que o Engenheiro da Fractal explica tecnicamente que, considerando o funcionamento da parada, no final das contas, é mais marketing que qualquer outra coisa. Em review de U2B eu prefiro verificar as funcionalidades e etc do que o timbre em si, até por que existe videos bons e ruims de todos esses produtos.

Particularmente, desde que me atenda e seja confiável, consideraria Mooer e outros sem me importar muito com os detalhes técnicos.

O curioso é que mesmo há 1 ano atrás, a maioria das pessoas que responderam escolheram a GT-1000 como o melhor som.

Isso é 1 vídeo né. Tem vários outros, paginas em fóruns e etc, onde a preferência divide bastante. Geralmente cai mais entre Fractal e Helix até por estarem a mais tempo no mercado.

O que parece ser praticamente uma unanimidade é o Kemper.

Enfim, pra mim quanto mais melhor. Pena que na terra das bananas até testar o produto é complicado, o que dirá comprar.

Abs

Drinho
Veterano
# 18/mai/19 11:27
· votar


MMI

Dá pra fazer????? To louco pra experimentar isso!

Drinho
Veterano
# 18/mai/19 11:49 · Editado por: Drinho
· votar


MatheusMX

Cara então você disse tudo certinho, com uma ressalva para a questão da caixa.

se for a 2x12 pra cima realmente é inviavel. Mas a caixa 1x12 é bem mais leve que um cubo 1x12 por exemplo, da pra carregar com nada de dificuldade, então para exceções assim acho válido.

Mas novamente, só estou cogitando em comprar o Kemper porque é uma situação de cidadania europeia com trabalho lá e renda de lá....

Do contrário eu jamais teria condição financeira para o kemper....
Se eu fosse comprar lá para trazer pra cá, a situação cambial atual já inviabilizaria e a questão tributaria deixaria até pior do que comprar aqui....

Drinho
Veterano
# 18/mai/19 11:59 · Editado por: Drinho
· votar


https://shop.kempermusic.com/br/kemper/profiler/46/profiler-powerhead? c=17

Vc ve, o kemper mais barato que tem é o da loja da kemper

1700 euros, ai tem que comprar o pedal dele lá, mais 300 euros

então 2000 euros

O euro hoje tá perto de 5, ou seja 10000,00

se meter 40% de imporsto nisso, já da 14000, é mais caro do que comprar aqui....

Drinho
Veterano
# 18/mai/19 12:15
· votar


https://m.thomann.de/pt/engl_fireball_100_e635.htm?o=14&search=1558192 342

Por outro lado, olha as as maldades que da pra comprar quase pela metade do preço do kemper. É foda kkkkkk

Mauricio Luiz Bertola
Veterano
# 18/mai/19 13:15
· votar


MatheusMX
Concordo com você.
Vou colocar mais uma questão: Como é que se vai ligar um aparelho sofisticado desses num P.A de baixa qualidade, que mal à mal só dá pra voz?
Abç

MMI
Veterano
# 18/mai/19 20:56
· votar


Drinho

Dá pra fazer????? To louco pra experimentar isso!

Bora!

_JCM_
Veterano
# 20/mai/19 09:30
· votar


BrotherCrow

este eu não conhecia, mano! vou até dar uma pesquisada, Parece muito interessante.

MMI

Interessante você compartilhar esta experiência. O legal é que você tem o Kemper e também tem valvulado e SS. Então, consegue ter a real noção de como cada um soa.

Enfim... Tenho um conhecido que tirava um som enorme, muito bom, de uma pedaleira Boss ME-6 (é, daquelas de 1990, que dá para achar por uns 300 reais no ML), era o que ele tinha e ficou anos timbrando aquilo, cada milésimo de regulagem. Um outro guitarrista, dos grandes, nunca conseguiu grandes timbres porque estudou tanto as notas que não prestava atenção no som talvez. Uns precisam carregar os equipos, outros mandam carregar. Uns gostam de timbrar e descobrir os detalhes de cada amplificador, outros querem o timbre pronto. Um maluco amigo meu faz turnês e workshops em tudo que é canto, leva consigo só uma palheta no bolso (uma!). Um outro sai com a guitarra e o cabo, chega e pergunta onde pluga aquilo para fazer sair som, qualquer coisa serve e fica bom. Tem uns caras que tocam tão bem, tão bonito, que o timbre é a última coisa no nível de importância. Existem realidades diferentes...

Muito interessante esta parte. Cada caso é um caso. O negócio é descobrir o que queremos e o que desejamos ser.

Drinho

Entendo perfeitamente. Como relatei, eu estou tocando bastante em linha. Tenho sentido falta do som da caixa do meu lado.
Me acostumei a tocar sempre com o amp ali, jogando som e é dificil ter que se adaptar, mas estou tentando e fazendo alguns testes.
Jogar na interface facilita um pouco o trabalho, mas concordo que microfonado, na minha concepção, te dá a possibilidade de gravar bem, quando bem timbrado, junto com a sensibilidade do amp ali do teu lado.
E tem muitos guitarristas que timbram muito bem mesmo em linha. Como o MMI falou, tudo é questão de sentar, timbrar e gastar tempo!

Ramsay

Teve um "desvirtuamento" ai mesmo! kkk... mas estamos tentando debater as opções se caso não optarmos por utilizar um amp de médio ou grande porte.. ai o assunto vai longe!
O legal é que cada um tem uma experiência e tem me ajudado muito!

Interessante o vídeo! vou marcar aqui pra ver depois.

MatheusMX

Interessante o que você falou.

-versatilidade:
Vários aqui já comentaram que não precisam de mais que um som clean, um crunch e um drive. Eu também não.
Por mais que o Kemper tenha opções de amps que provavelmente eu nunca tocarei na vida, tipo Dumble, é bem provável que acabe fazendo uso de poucos presets.
Fato é que, dependendo da necessidade de timbres, dois ou três amps já seriam mais que suficiente para maioria de nós.


Pois então... eu sou um que me encaixo nisto, no momento. Seria bom ter várias opções? acredito que sim. Mas, hoje, um clean, crunch e drive me atendem muito bem.

SteveRayMorse
Por isso que digo, depende muito do caso, mas se o cara precisar de algo mais versátil que cubra uma maior variedade de sons e etc. Vai gastar pra kct. Por isso que acho que os modeladores e MuiltiFX são melhores opções nesse caso

tenho este pensamento tbem!


Mauricio Luiz Bertola

Concordo tbem. E adiciono: fones! as vezes o cara usa o do celular! hehe..

Enviar sua resposta para este assunto
        Tablatura   
Responder tópico na versão original
 

Tópicos relacionados a Em 2019, o que realmente justifica um amp de médio e grande porte?