Em 2019, o que realmente justifica um amp de médio e grande porte?

Autor Mensagem
T-Rodman
Veterano
# 31/ago/19 10:52
· votar


Velvete
Eu acho que deve ser bem massa esse tal de Kemper, mas a obsolescência programada dessas tecnologias me parecem muito maior que um pedal tube screamer, por exemplo.
eu tenho um Eleven Rack já quase 10 anos.
Ele tava saindo de linha quando comprei.
Hoje em dia é quase que uma 'geração anterior do Kemper'. E em modo 'offline' com os patches que vieram dele de fábrica funcionam da mesma forma que um amp modelador + pedais. a maior obsolência pra ele é que ele já não tem mais drivers e não funciona mais como interface em um PC/Mac.
A parte chata ainda é que até hoje eu não tenho uma interface midi pra servir de pedalboard pra ele. Daí só uso ele em casa em cima da mesa, mexendo com a mão (bem o que alguns usuários de Kemper tambem fazem quando não tem também a controladora de chão do kemper).

lokiol
belo som.

amplexos

T.

Velvete
Veterano
# 31/ago/19 11:14 · Editado por: Velvete
· votar


T-Rodman
Obviamente que esses aparelhos terão utilidade enquanto funcionarem. Nem sei dizer se a tecnologia de simulação irá evoluir para um som mais fiel (acho que já atingiu esse patamar) aos amps originais. Creio que o apelo dos produtos seja essas atualizações e opções de controle. Aí que mora o perigo. Rs todo ano lançarão algo “imperdível”.

Todos os produtos são assim, mas os analógicos parecem caminhar mais devagar e ciclicamente retornar a algumas origens.

Os amps transistorizados tinham muito apelo quando foram lançado. Há algum tempo teve esse febre do valvulado. Agora, a ideia é amp pequeno/médio ou até mesmo os simuladores digitais... mas não podemos esquecer, a guitarra está morrendo lentamente hahaha

T-Rodman
Veterano
# 31/ago/19 11:33
· votar


tem espaço pra tudo.
tem até uma nova geração de transistorizados que chegaram arrebentando também.
guitarras?
se tem fetiche por guitarras, pedais, amplificadores e soluções 'all in one', tem coisa pra ter desejo todo dia, rs.
o que não tá muito sólido é o mercado musical que está se modificando e com muitas baixas há alguns anos.
Mas pessoas tocando, procurando informação, distribuindo informação é o que não falta hoje em dia.

amplexos

T.

SteveRayMorse
Veterano
# 01/set/19 07:01
· votar


T-Rodman

Tenho um brother que tem o 11R e ele usa como interface também. O seu não funciona? Tu tem aquele pacote de expansão?

lokiol

Pedalboard overkill rsrsrs. Pra mim, o som está excelente. O HX Stomp é excelente, até excede um pouco as expectativas pelo que se propõe.

BrotherCrow
Membro Novato
# 01/set/19 20:07
· votar


Acho que no fim das contas hoje em dia depende da aplicação. Pra praticar, se você quer sentir a porrada do falante no peito, nada bate um bom amp (tradicional ou modelling ou Kemper ou seja o que for) ligado num esquema tradicional com uns falantes de 12. Mas a maioria das pessoas vai acabar sacrificando essa experiência e optando pela praticidade de um amp pequeno ou uma simulação em fone de ouvido.

Num show pequeno, botar um amp médio/grande sem microfonar vai dar um som geral desbalanceado pra caramba. Melhor microfonar um pequeno ou ligar um simulador direto na mesa.

Num show grande... aí vale o que funcionar, porque mesmo com um amp realtivamente potente ainda vai rolar de microfonar. E tem que levar em conta que, dependendo da banda, a parede de Marshall é o que os fãs querem ver, né?

Pra gravação num esquema caseiro, amp grande é só dor de cabeça. Com a tecnologia de hoje você faz uma música inteira no iPhone.

Eu mesmo tenho uma variedade de bons amps em casa, e uma estante lotada de bons pedais. Mas na hora de gravar acabo plugando a pedaleira ou um iRig direto no celular. Não vale a dor de cabeça de microfonar as coisas aqui e ainda aguentar a patroa reclamando de barulho.

T-Rodman
Veterano
# 01/set/19 21:42
· votar


SteveRayMorse
bem a verdade a primeira vez que o ruindows cortou o suporte a drivers ASIO eu parei de usar e nunca voltei a ligar ele como interface. Do mesmo jeito está uma interface Line 6 UX2 que até voltou a funcionar um tempinho depois e virou novamente peso de papel.
Como ele tá ligado em linha com um amplificador e tá modelando Marshall plexi e Blackstar ultimamente, tá lá funcionando bem fazendo o que tem de ser feito.

amplexos

T.

MMI
Veterano
# 02/set/19 10:00
· votar


Kemper é legal. O meu é de 2013, não tenho dúvidas disso. Óbvio que sendo uma tecnologia "velha" já é defasado. Mas ao que se propõe, a capacidade de processamento, memória etc. ainda é mais que suficiente e se manterá suficiente por um bom tempo. Para mim é como um relógio de pulso, a tecnologia da década de 80 é suficiente para marcar a hora, mas se você quer GPS, frequencímetro, medir calorias diárias, aplicativos e interação com smartphone, o novo Apple Watch já é velho. Para mim o meu Kemper fica ainda por um bom tempo como algo bem útil e já valeu a pena.

Os amplificadores são diferentes... Os de 50-60 anos ainda podem funcionar, mas dentro de suas limitações. Dentro de suas propostas e limitações, entregam algo bem bacana. Os novos também. Tocar num amplificador valvulado é um experiência diferente, muito boa. Quem aprende e gosta de timbrar curte mais do que pegar os timbres mais prontos de um Kemper.

Algo que achei legal foi, mais uma vez, a Boss apontando uma direção. A linha Katana é legal! Os amps são legais, o Waza Amp Head então é muito legal, pena que caro, acho que mais do que eu pagaria (mas teria!). O Katana Air acho que é solução perfeita (da última semana, na próxima não sei, kkkkk) para um amp de estudo em apartamento de vida moderna. Talvez seja a Boss de novo, como uma grande empresa de produtos consagrados de tecnologia, mostrando tendências e possibilidades futuras. Talvez isso acene para a possibilidade de que em alguns anos, a molecada estará falando que não se vê carregando um trambolho como o Kemper, grande, pesado, com cabos... kkkkkkk

Gabezorx
Membro Novato
# 02/set/19 12:52
· votar


SteveRayMorse
Cara, tu tem uma HX Stomp, né? O que me diz sobre ela? To pensando em enxugar meu rig com uma dessas, mas pra isso vou ter que me desfazer de uma porrada de coisas.

BrotherCrow
Membro Novato
# 02/set/19 13:33
· votar


MMI
Para mim é como um relógio de pulso, a tecnologia da década de 80 é suficiente para marcar a hora, mas se você quer GPS, frequencímetro, medir calorias diárias, aplicativos e interação com smartphone, o novo Apple Watch já é velho.
A comparação com relógio é engraçada. Eu coleciono relógios. Alguns são bem antigos, tipo Omega, Cartier, Tudor de uns 50 anos atrás. Não só é uma tecnologia que funciona, mas tem um charme que nenhum smartwatch consegue bater. Eu não quero Apple Watch nem de graça. Pra ter notificação me enchendo o saco já chega o iPhone.

Com certeza muita gente tem essa mesma perspectiva na comparação entre valvulados clássicos e opções mais modernas.

MatheusMX
Veterano
# 02/set/19 15:19
· votar


Eu sempre gostei de amplificadores com regulagens mais simples, coisa de no máximo 6 ou 7 knobs e um ou dois canais. Pense num cara que fica perdido usando um Mark V, rs.
Além disso, também nunca fui muito fã de pedais, e muito menos sets monstruosos. Pedaleiras então, nem se fala. Quanto mais variáveis e possibilidades de regulagens tiver, mais tempo eu perderei tentando encontrar 'o timbre perfeito'. A vantagem pelo menos é que uma vez que vc encontra algo que gosta, vc salva um preset e tá pronto pra tocar.

SteveRayMorse
Veterano
# 03/set/19 06:30 · Editado por: SteveRayMorse
· votar


T-Rodman

Entendi, mas acho que funciona normal. Ele comprou novo numa dessas promoções que teve lá fora e saiu bem em conta. Ele recebeu tudo, instalou e funciona tranquilo.

Gabezorx

Cara, é um pequeno monstro. Eu comprei ele justamente com a intenção de substituir os efeitos e deixar enxuto, principalmente pq tem vários efeitos da série M que eu curto muito. O fato de só poder usar 6 blocos não é tão limitador quanto as pessoas pensam e dá pra se virar na grande maioria das situações. Só se tu for pirar demais com alguns lances em stereo e tal, daí vai precisar de mais pedais pra suprir e etc

No final das contas, acabo usando pra tocar em linha mesmo pois as simulações estão ótimas e adicionando uns IR fica show. Daí deixa tudo muito compacto mesmo rsrs.

No máximo adicionei um ou outro pedal de drive e fuzz no board pra salvar uns blocos mas nem sempre uso. Geralmente ele dá conta do recado. Não sei quanto que tá o preço por aqui mas ele é consideravelmente abaixo dos irmãos maiores. É uma ótima saída.

SteveRayMorse
Veterano
# 03/set/19 06:37
· votar


MMI

Poisé, mas essa realmente é a grande sacada do Kemper. Pela tecnologia que ele usa, ainda deve ficar um bom tempo no mercado.

Gabezorx
Membro Novato
# 03/set/19 09:19
· votar


SteveRayMorse
Valeu cara! É possível configurar o FS4 / FS5 pra rolar as páginas de lado? Eu já vi um cara subindo e descendo bancos e ficou bem funcional. Posso colocar um foot para alternar os modos (preset/snapshot, etc), tipo o que fica tap/tuner?

MMI
Veterano
# 03/set/19 11:43
· votar


SteveRayMorse

Pela tecnologia que ele usa, ainda deve ficar um bom tempo no mercado.

Será? Não sei...

São mais de 6 anos do lançamento. Agora que chegou, de leve, aqui no nosso país e tem gente embarcando na onda... De certa forma, eles mesmo procuram lançar "novidades" o que em última análise, defasam o produto. Tem a concorrência também.

Como eu disse antes, a minha sensação pessoal dele é que em som ele chega bem. O que a tecnologia poderia melhorar é que ao ligar, demora para inicializar e começar a funcionar (mas um valvulado também faz isso!). Acho que em breve virá uma versão 2.0, penso que hoje já ficou velho. Talvez com uma conectividade sem fio, talvez mais rápido para inicializar, mais fácil de atualizar, não sei. Olhando retroativamente, há 6 anos era algo barato e bom investimento, hoje não sei, mas me parece caro.

LDSX
Membro Novato
# 03/set/19 15:17 · Editado por: LDSX
· votar


Há ainda uma desinformação muito grande que rola em torno da tecnologia e a filosofia do kemper..

Esse negocio que muitos pensam de "substituir" os equipamentos Analógicos.. Digitais.. de ser MELHOR.. vai contra justamente a filosofia imposta, não é esse o intuito.

Ele virou a mesa nesse campo e o modo de pensar sobre, pois a intenção ali é de se tornar o canivete suiço da mais altissima qualidade e de maior precisão e fidelidade no meio, pra auxiliar o cara ali que faz shows e tem problemas logisticos e financeiros com equipamentos...

ou o cara ali que ta no estúdio e precisa de forma precisa ter acesso a uma rig que tecnicamente o acesso financeiro e até de disponibilidade é inviável.

ou o cara que ta em casa mesmo e quer curtir de forma fidedigna e quando digo isso é em relação a reação.. sensibilidade.. ao instrumento / músico o timbre num " Marshall On 10' " por exemplo, nos fones ou monitores.. sem ter problemas de pertubação ou deixar a vizinhança doida.

sabe, você ali tem um acesso a equipamentos de forma muito fiel e convincente as caraterísticas de um setup completo, que colocando na ponta do lápis ali seria impossível pra grande maioria, tanto na questão financeira / disponibilidade como já citado.

E mesmo após 7 anos de seu lançamento ainda não tem algo a nível da mesma proposta ao meu ver, a tecnologia ali é fora da curva comum, e pode-se ter uma revisão como citado pelo MMI para adequar-se as tecnologias mais recentes.. deixando a experiencia de uso mais simples e direta em relação a usabilidade.
E esse processo já meio que se deu inicio com o lançamento do Stage, porém o núcleo ali que é o Profiling se mantem intacto até os presentes dias sofrendo certas mutações mas intacto no mesmo hardware.

SteveRayMorse
Veterano
# 03/set/19 17:28
· votar


Gabezorx

Cara...acredito que sim. Eu uso um controlador MIDI e basicamente chamo o preset, dependendo uso pra alterar parâmetros dentro do preset e etc, mas basicamente chamo o preset e no HX eu uso os snapshots. Pelo que vi no manual, tu poderia sim usar o FS pra fazer praticamente qualquer coisa. Combinando com os snapshots fica muito bom sim.

MMI
LDSX

Então, uma possível atualização pra melhor desempenho, I/O e etc...pode ser...mas acabaram de lançar o Stage e estão pra lançar um Editor pra PC/MAC (apesar que isso é independente do HW havendo conectividade). Acredito que esse formato deve se manter por um bom tempo ainda e mesmo assim não tenho a impressão que o suporte deve acabar tão cedo. É como dito, eles estão no topo desse "mercado digital" faz tempo e, no máximo, a galera pode estar batendo de frente no que se refere a som mesmo.

T-Rodman
Veterano
# 04/set/19 10:42
· votar


SteveRayMorse
aqui também eu comprei o eleven rack em promoção.
acho que foi na quantastore em 2011 e saiu algo perto dos R$1800.
Veio com o Pro Tools 11, salvo engano. Até ativei ele na época com aquele iLok.

SteveRayMorse
Veterano
# 24/set/19 16:06
· votar


Mais um brinquedo "novo" na área:



Tá virando moda

T-Rodman
Veterano
# 24/set/19 23:39
· votar


outro video


Del-Rei
Veterano
# 25/set/19 00:24
· votar


T-Rodman
SteveRayMorse
Interessante isso aí.
Já tive um Tubemeister18, era meio na onda Marshall.
Depois vou ver com calma, mas ouvi rápido aqui e não me deu GAS não, rs.

Um aceno de longe!!!

edalko
Veterano
# 27/set/19 10:09
· votar


Vou dar um pitaco sobre o assunto.

Já tive muito equipamento, e acho que tem muitas discussões que são mais acadêmicas do que práticas.
Veja, pessoa fala "quem vai ter um half-stack hoje?".
Mas pensa: um head pesa 17 kilos e uma 4x12 uns 30 kilos. Mas as vezes esse conjunto te dá o que vc precisa em termos de som e efeitos.
Digamos que vc tem um combo (o meu pesa 17kgs), e daí eu tenho que levar minha pedaleira que pesa uns 15 kilos, mais cabos, etc... No final, o half-stack pode ser ainda mais pesado, mas é mais prático.
Depois, com as novas tecnologias, os amps valvulados estão soando muito bem em volumes baixos. O Jubilee 2555x que eu tinha (100w) soava lindo em baixos volumes, o mesmo com o Bogner Shiva (80w).
Aliás, o head do Bogner pesa 17kg e o meu combo Jubilee (20W) pesa 17kg. A diferença é somente minha 1x12 que pesa uns 10kilos e o seu volume.
Mas em compensação, pra mim o Bogner tem um som que me agrada mais, e é um amp completo (2 canais, reverb e boost acionável por foot). Ou seja, só com o Bogner eu faço a festa, dispensando inclusive o meu pedalboard.

Já até me aventurei um pouco para a linha digital, tentando usar pedaleiras, power amp etc, mas não tenho o mínimo saco de programar as coisas, e observei que a diferença entre os ambientes resultou para mim em ajustes muito maiores do que apenas uma regulada em eq. Na época minha pedaleira não tinha ajuste global de eq tão expressivo, e nem me atentei para a hipótese de usar um eq externo. Mas o simples fato de programar cada preset ja enchia o saco.
Esses dias vi um amigo com um fractal + caixa JBL. Sonho de consumo pela praticidade. Mas o fractal custava mais de 10k e no final, vi que os valores meio que se equivaliam. Porém, um fractal custa digamos 12k novo, se sai nova versão, vai para 6k... Já um amp valvulado custa 10k, e amanhã está 11k... 13k... dependendo o modelo.
Eu avalio muito a sonoridade, a grana investida e a desvalorização na venda.
Por isso, esses equipos muito caros digitais, por ora, pra mim não servem.

Acho que a grande questão, como já colocada, é que o som que vc busca e que pode estar num dd3 + ts9 + Blues Jr, como estar num puta rack de efeitos de 50mil e dois half stacks em estéreo.
A questão é muito subjetiva e demanda a análise de muitos elementos, inclusive visuais e egoísticos.
Mas finalizando e respondendo a pergunta inicial: o gosto pessoal!

Ismah
Veterano
# 30/set/19 03:01
· votar


Continuo afirmando: praticidade!

Hoje, como geralmente, atrasamos... A banda que ia fechar, poderia tocar até as 22hs. Eu consegui entregar o palco pra eles montarem as coisas, ali por 21:42... Era plugar e tocar, pra chegar na metade do setlist...

Se tu quer, é assim... Se não, tem quem quer...

T-Rodman
Veterano
# 30/set/19 10:24
· votar


Esse carinha aqui, eu acompanho há algum tempo, e ele tem várias dessas idéias Ismah. Vive testando Kemper, Helix e afins. e o video dos mais recentes dele, ele teve um probleminha com o pedalboard, já que a aduana resolveu desmontar o pedalboard dele inteiro para inspeção, e nada fez o conjunto funcionar, na correria, em um show desses ai que você chega correndo, tem de plugar e tocar quase que na hora.
https://www.youtube.com/user/rshull07/videos
Essa história que contei, ele fala nesse vídeo


e bem o exemplo, da hora que você tá no palco e sua pedaleira não liga mais, rs
https://youtu.be/z7JZ3oxpA8k?t=623
- resultado: show com a guitarra direto no amp, sem nenhum efeito.

SteveRayMorse
Veterano
# 01/out/19 00:16
· votar


T-Rodman

Eu vi esse vídeo aí...esse pedalboard dele ai ficou bom pra kct...mas aqui em terra brasilis ia ficar caro pra kct

Ismah
Veterano
# 01/out/19 04:15
· votar


Não tem almoço grátis...

lokiol
Veterano
# 05/abr/20 12:00
· votar


Hoje em dia também não tenho mais amp pela praticidade. Tenho um Kemper e um board com a HX Stomp.
Quem quiser, dá uma sacada.


Carlos.Oliveira7467
Membro Novato
# 18/abr/20 12:38
· votar


Tenho pensado sobre amplificadores menores!
Realmente carregar, guitarra, pedais e um amp é muito peso para ambientes que as vezes não suportam.

Tenho um amplificador transistor que pesa uns 35kgs o que pra transportar já é demais!!!!

Aí entra a questão ter um amp de 15w ou 30w, o difícil é que alguns pequenos não tem send e return, reverb, apenas 1 canal.

BrotherCrow
Membro Novato
# 18/abr/20 15:11
· votar


A minha pedaleira atual tem um bom marshall-in-a-box (o Xotic SL Drive) e um fender-in-a-box razoável (o Boss FDR-1). Somando isso com um pedal de fuzz, um chorus e um delay, consigo um som legal em qualquer amp limpo que o lugar tenha. Por via das dúvidas levo um cabinet simulator (Digitech CabDryVR) pro caso de precisar ligar direto na mesa.

Se não tem amp mas tem caixa, posso levar um dos meus cabeçotes pequenos (Orange Micro Dark ou Vox MV 50, cabem na mochila). Se não tiver amp nem caixa no lugar, o meu Boss Katana dá conta (com a opção ainda de ligar na mesa e a vantagem de que se eu toco com o Katana normalmente não preciso de pedal nenhum).

Amp grande mesmo (cabeçote mais 4x12 ou 2x12) nunca precisei levar em lugar nenhum. Já tive essa tara de amp gigante e só me colocou em encrenca.

acabaramosnicks
Membro Novato
# 18/abr/20 16:48 · Editado por: acabaramosnicks
· votar


Amp grande mesmo (cabeçote mais 4x12 ou 2x12) nunca precisei levar em lugar nenhum. Já tive essa tara de amp gigante e só me colocou em encrenca.

Nossa, 2x12 é grande pra vc? Cara, eu carrego pra todo lado um cabeçote pequeno (15w) com uma 2x12 na diagonal, que são maiores do que uma 2x12 um do lado do outro, e não considero nada grande demais. Lógico que está longe de ser um set pequeno de verdade, mas eu nunca achei ele grande.
Já tive half stack e esse sim era um trambolho que raramente uma tocada justificava o trabalho de carregar essa merda toda, na verdade nenhuma vez que toquei justificou tê-lo e não pretendo ter mais no futuro.
Além de amp+cab tem a guita que vai num case e pedais (são só 3 + fonte) que ficam num case também. As vezes eu fico de saco cheio de carregar e montar quatro volumes, mas fazer o que né. Eu é que não confio em ampli da casa, geralmente os lugares que eu toco só tem amp bosta, no máximo servem como retorno pro baterista e olhe lá.

BrotherCrow
Membro Novato
# 18/abr/20 19:00
· votar


acabaramosnicks
Nossa, 2x12 é grande pra vc? Cara, eu carrego pra todo lado um cabeçote pequeno (15w) com uma 2x12 na diagonal, que são maiores do que uma 2x12 um do lado do outro, e não considero nada grande demais. Lógico que está longe de ser um set pequeno de verdade, mas eu nunca achei ele grande.
Cara, assim... na época que eu tinha uma banda de verdade, eu tive dois combos de 2x12: o Fender Stage 160 e o Roland JC120. Ambos eram um exagero de volume (nunca liguei no talo, mesmo tocando em lugar aberto). E eles mal cabiam no meu porta-malas. A guitarra e o resto das coisas iam no banco de trás. Então sim, acho grande, porque era o máximo que eu realisticamente conseguia carregar.

Mas a principal questão é que, em termos do som que vai pra plateia, pedaleira na mesa sempre me soou melhor que esses amps grandes. Aí tu vai levar um trambolho monstro e no fim das contas soar pior? Claro, cada gear é diferente e talvez a tua experiência seja outra.

Pra tocar em casa com o melhor som possível é outra história. Tenho um 4x12 da Harley Benton com V30s, e acho mesmo que 4x12 é o melhor som que existe pra guitarra. Mas uso com amps de potência super baixa, e esse 4x12 nunca saiu de casa. Moro num lugar que posso fazer barulho o quanto quiser, mas nem meu ouvido aguenta um amp maior ligado numa 4x12.

Hoje em dia toco muito ocasionalmente, e é mais dando canja em bandas de conhecidos, então quando chego lá volta e meia nem preciso levar equipamento, tá tudo pronto. Mas pelo que vejo nas bandas semi-profissionais, esses amps grandes são cada vez mais incomuns.

Enviar sua resposta para este assunto
        Tablatura   
Responder tópico na versão original
 

Tópicos relacionados a Em 2019, o que realmente justifica um amp de médio e grande porte?