"macetes" de produção.

Autor Mensagem
rhoadsvsvai
Veterano
# fev/11 · Editado por: rhoadsvsvai


tem muitos macetes aqui ja falados no forum , como gravar as guitarras em dobras , na ausencia de microfones microfonar a bateria por cima , usar vsts e vstis etc ,nunca deixar a musica clipar ,sempre dar 1 segundo de silencio gravando antes de começar a musica e etc. mas sinto que ainda tem muitas dicas legais faceis e praticas que ainda não foram dadas,e pesquisando sobre produçao se acha muito mais coisas sobre a profissão de produtor ou sobre que daw usar que sobre produção em si . portanto abro esse topico para que sejam compartilhadas dicas rapidas e videos de produção entre os usuarios.

espero que de certo!

rhoadsvsvai
Veterano
# fev/11
· votar


46 membros online e ninguem afim de contribuir?
vamo la pessoal.

rhoadsvsvai
Veterano
# fev/11
· votar


up

macaco veio
Veterano
# fev/11
· votar


ok, ai vai uma que acho que ninguem usa fazer. Pra dividir melhor o pan (a panoramica na hora do mix):
desenhe um relogio no papel e ponha o numero das horas de 8 as 4 (descarte os numeros 5, 6 e 7 ). Assim funciona a distribuição do som em volta da cabeça. Tera 9 pontos de distribuição, o ponto 12 (meio dia) onde sempre estarão bumbo e contrabaixo (e nem sempre a voz). 4 pontos (de uma as quatro) do lado direito e 4 pontos (8 as 11 ) do lado esquerdo. Entre dez as duas horas vai estar todas a peças da bateria. As horas 3 e 9 são as principais no efeito stereo, as horas 4 e 8 nunca devem ter apenas um instrumento sozinho em apenas uma delas, nesses dois pontos sempre se faz a gravação em espelho (dobradas como o pessoal diz), geralmente com a hora 4 (lado direito = ouvido direito) com o sinal normal e a hora 8 com o sinal atrasado. A distribuição dos instrumentos é mais complexa mas não vou me estender muito. Foi assim que eu aprendi (nos anos 70).

guitarg3
Veterano
# fev/11
· votar


macaco veio
bela dica!.. vc saberia dizer de qual fonte vc tirou isso para quem quiser se aprofundar mais?

rhoadsvsvai
Veterano
# fev/11
· votar


macaco veio
muito bom ! eh esse tipo de post que estou propondo pegou bem a ideia!

macaco veio
Veterano
# fev/11
· votar


a fonte foi um cara que trabalhava numa radio em BH (radio minas) que tambem tinha um pequeno estudio, ele me deu algumas primeiras dicas de mixagem. (não muito alem disso).

Floyd N Roses
Veterano
# fev/11
· votar


rhoadsvsvai
POw caraa...bem legal a ideia do tópico!!! É o que eu tava procurando!!! :D


Só não entendí direito uma coisa aqui...


..."gravar as guitarras em dobras"...


...essas 'dobras' que você diz é tipo dobra de 3ª...5ª...e talz. Ou dobra de 'gravar em duas faixas diferentes' mesmo??!!! Porque se for essa última...eu sempre quis saber...qual é a diferença de colocar mais uma faixa igual de guitarra na música??!!! õ.ô



VALEU!!! \m/




...o///

Bog
Veterano
# fev/11
· votar


Floyd N Roses
qual é a diferença de colocar mais uma faixa igual de guitarra na música

O ponto é que não é igual. É outra faixa tocando a mesma coisa. Ocorre que mesmo tocando a mesma coisa, nunca fica exatamente igual. Estas pequenas diferenças são o que vai engrossar o som. ;)

carlcarl
Veterano
# fev/11
· votar


Bog
pode ser a mesma pista copiada,o delay é que fara o som ficar mais amplo.antigamente era quase que obrigatorio tocar de novo porque não tinhamos as possibilidades de copias de pistas de audio que temos hoje sem danificar o som e claro os ruidos tambem ficavam mais evidentes.
gostei da dica do rélogio,vou adota-la tambem.
gratissimo

Bog
Veterano
# fev/11
· votar


carlcarl

Eu uso um delay de 4 a 10 ms em um dos lados em praticamente TODAS as trilhas. Aumenta a percepção stereo e dá um engrossada no som, mas gravar múltiplas trilhas (com pequenas variações na execução ou mesmo no timbre) ainda dá bem mais peso, especialmente em coisas como bases distorcidas.

Stalingrado
Veterano
# fev/11
· votar


- Não usar o pan para resolver instrumentos conflitantes. É interessante usar o pan apenas como elemento estético e resolver os conflitos na equalização, pois se a música for escutada em mono, o conflito ainda estará lá e a música vai ficar bem embolada.

- Baixo, bumbo, caixa e vocal geralmente ficam no centro e é melhor deixá-los por lá. Deslocar o baixo e o bumbo um pouco na tentativa de resolver conflitos só vai dar trabalho para o cérebro do ouvinte, que vai recolocar os dois no centro (existe uma explicação científica pra isso).

- Seguir todos os processos de uma produção vai ajudar muito a conseguir o melhor resultado. A etapa mais pulada atualmente é a pré-produção, e é justamente onde você vai ter uma visão melhor do seu trabalho em relação aos arranjos, aos timbres a utilizar, backing vocals, etc.

- Equalização, compressão, efeitos não resolvem um instrumento mal captado. Os instrumentos soando bem logo após a gravação vão facilitar muito a sua mix.

- Ah, e não menos importante: sempre observe como o instrumento se comporta no contexto da música e não isolado.

Fonte: Guia da Mixagem (Fábio Henriques) e eu mesmo, pela experiência que venho adquirindo. :P

carlcarl
Veterano
# fev/11
· votar


Bog
de acordo,o que se passa comigo é que raramente toco com distorção,mas guardo a tua ajuda para quando isto for necessario.certamente gravando o projeto de um outro musico ou grupo.
***eu tambem acho que este post vai longe,valeu...

rhoadsvsvai
Veterano
# fev/11
· votar


isso ai pessoal ! eh por ai mesmo não deixem o topico morrer!Floyd N Roses
em dobras seria gravar uma pista da guitarra ,colocar o pa 70% pra um lado dai copiar o take ,colar numa nova pista e colocar o pan 70% pro outro lado (aprox 70%) . ai numa das duas fazer sutis mudanças de timbre e equalização .

Floyd N Roses
Veterano
# fev/11
· votar


Bog
O ponto é que não é igual. É outra faixa tocando a mesma coisa. Ocorre que mesmo tocando a mesma coisa, nunca fica exatamente igual. Estas pequenas diferenças são o que vai engrossar o som. ;)

É verdade mesmo! Tava fazendo uns testes agora aqui e dá uma BELA de uma melhorada no timbre!!! :D


Eu uso um delay de 4 a 10 ms em um dos lados em praticamente TODAS as trilhas. Aumenta a percepção stereo e dá um engrossada no som, mas gravar múltiplas trilhas (com pequenas variações na execução ou mesmo no timbre) ainda dá bem mais peso, especialmente em coisas como bases distorcidas.

OPAA...dica anotada! Vô 'adotá' esse método na próxima!!! ;D


rhoadsvsvai
em dobras seria gravar uma pista da guitarra ,colocar o pa 70% pra um lado dai copiar o take ,colar numa nova pista e colocar o pan 70% pro outro lado (aprox 70%) . ai numa das duas fazer sutis mudanças de timbre e equalização .

Ahhh...legal. Então é o que eu tinha pensado mesmo!!! ^^ ...Fiz um teste aqui assim...mas não mexí no timbre e na eq...da próxima võ testá isso também!!! ;]]]



VALEU!!! \m/




Abraçoo!!! o///

rhoadsvsvai
Veterano
# fev/11
· votar


upando ! n'ao deixem o topico morrer, postem mais coisa!

rhoadsvsvai
Veterano
# mar/11
· votar


upp!

MauricioBahia
Moderador
# mar/11 · Editado por: MauricioBahia
· votar


Stalingrado: Não usar o pan para resolver instrumentos conflitantes. É interessante usar o pan apenas como elemento estético e resolver os conflitos na equalização, pois se a música for escutada em mono, o conflito ainda estará lá e a música vai ficar bem embolada.

Produzir visando mono? Sei não hein... O fator estético, no meu entender é justamente organizar a casa e, isso sugere, evitar conflitos. Panorama + volume, em certas ocasiões, é a solução.

Bom, posso estar enganado.

O que seria "fator estético"?

Abs

_________________

Minhas dicas:

- Usar o tipo de saída que vc está mais acostumado a ouvir músicas, seja fone, monitor, etc. Enfim, ter um referencial.
- Ouvir em volumes diferentes e em equipamentos diferentes para verificar uma possível elemento discrepante do contexto sonoro.
- Descansar o ouvido pra se livrar da acomodação auditiva.
- Ter paciência.

makumbator
Veterano
# mar/11 · Editado por: makumbator
· votar


MauricioBahia
Produzir visando mono? Sei não hein...

Acho que só se justifica se a gravação for pensada para um rádio AM(por exemplo). Nesse caso tem que fazer pensando no mono mesmo. Mas de resto, prefiro não cortar uma opção criativa só porque alguém algum dia pode querer ouvir a minha produção em mono.


Stalingrado
Baixo, bumbo, caixa e vocal geralmente ficam no centro e é melhor deixá-los por lá. Deslocar o baixo e o bumbo um pouco na tentativa de resolver conflitos só vai dar trabalho para o cérebro do ouvinte, que vai recolocar os dois no centro (existe uma explicação científica pra isso).

Eu discordo totalmente disso. No jazz tradicional e música erudita normalmente o grave não fica centralizado(principalmente no meio erudito). No pop e rock eu concordo, mas temos que lembrar que isso não vale para toda a música.


Em orquestra é comum os cellos, contrabaixos, e graves dos metais(tuba, bombardino, trombone baixo, etc...)ficarem bem mais à direita do pan na perspectiva do ouvinte(pois essa é a arrumação mais tradicional de uma orquestra em um palco, com graves mais a esquerda na perspectiva dos músicos, e isso se reflete nos microfones).

Confira qualquer gravação tradicional de grande orquestra, e perceberá que os graves não estão no exatamente no centro.

Em trios de jazz tradicional(piano, contrabaixo e bateria) também é comum o grave ficar mais deslocado para um dos lados(pois reflete a posição do baixo no palco), assim como a bateria fica mais para o lado oposto(quando se coloca o piano no centro). Outra formação comum tem a bateria no centro, e piano e baixo deslocados.

Ouça gravações antigas o Trio de jazz do Bill Evans para vc sacar como fica. Eu acho ótimo, e isso não causa nenhum problema para ouvintes ou músicos.

T-Rodman
Veterano
# mar/11
· votar


makumbator

Já ouviu um trio de jazz com boa gravação, em aparelhagem hi-fi de verdade?
(certeza que você estava pensando nisso, não?)

por ser poucos instrumentos, dá-se para visualizar uma banda tocando na sua frente. É isso que eu ainda fico pensando como é que o povo mixa pra você imaginar algo assim, só escutando a música. É a parte mais artística da mixagem/masterização. O duro é conseguir visualizar isso naquelas mixagens com toneladas de compressão, rs (pronto, fizemos o crossover com a discussão do outro tópico, rs)

makumbator
Veterano
# mar/11
· votar


T-Rodman
Já ouviu um trio de jazz com boa gravação, em aparelhagem hi-fi de verdade?
(certeza que você estava pensando nisso, não?)


Sim! E no jazz tradicional e música erudita, a gravação tem que ser o menos instrusiva, deve mostrar o plano sonoro real, e não montar um no estúdio(como ocorre com rock e pop). Tem que te colocar na platéia!

O pessoal já parou para pensar o quanto a imagem sonora do rock e pop é "construída" e até contrária à natureza? Não que isso seja ruim, pois é um dos fatores mais legais das gravações desses gêneros.

Mas na natureza seria impossível ter no mesmo palco um instrumento com um reverb profundo, e outro ao lado bem seco, um terceiro com vários delays que não correspondem à acústica do local, peças da mesma bateria em extremos da panorâmica(impossível na realidade), etc...





(pronto, fizemos o crossover com a discussão do outro tópico, rs)

Hhsahsahas!

MauricioBahia
Moderador
# mar/11
· votar


makumbator: Acho que só se justifica se a gravação for pensada para um rádio AM(por exemplo).

Pois é, fazer direcionado pra AM é complicado! É boi ou vaca! hehe Prefiro sacrificar o AM...

Abs

makumbator
Veterano
# mar/11
· votar


MauricioBahia

Pois é, fazer direcionado pra AM é complicado! É boi ou vaca! hehe Prefiro sacrificar o AM...

Abs



Eu também. Só faria pensando exclusivamente no mono se fosse um jingle para rádio AM por exemplo, que eu sei que sempre será reproduzida em mono.
Acho correto um produtor de uma música que será executada basicamente em rádios Am(música rancheira, por exemplo) mixar pensando no mono. É até viável nesse caso fazer uma mix finalizada para mono e outra para estéreo.

MauricioBahia
Moderador
# mar/11 · Editado por: MauricioBahia
· votar


makumbator: É até viável nesse caso fazer uma mix finalizada para mono e outra para estéreo.

Isso sim. É que nem fazer sites para diferentes resolução de tela. Tem que pensar no usuário final, mas quem usa 800x600 hoje em dia tá meio "por fora". Enfim, a tecnologia avança e com isso as formas/formatos de produção precisam estar em dia, porém sem esquecer totalmente o passado recente. É complicado... hehe

Adequar ao Público Alvo é muito importante e muitas vezes, pode ajudar a parametrar um trabalho.

Abs

rhoadsvsvai
Veterano
# mar/11
· votar


up

Medonho Man
Veterano
# mar/11
· votar


Não tenho nenhum macete pra acrescentar...mas tô aproveitando muito esses aí que foram citados......muito bom o tópico!!

rhoadsvsvai
Veterano
# mar/11
· votar


up caralho!

JC_Junior
Veterano
# mar/11
· votar


Gostaria de saber em relação ao mix de guitarras. No caso de ter 2 guitarras bases diferentes, é necessário dobrar cada uma delas? Ou basta gravar só uma vez e fazer o pan de cada uma?

Valeu!

rhoadsvsvai
Veterano
# mar/11
· votar


JC_Junior
menos eh mais , se forem duas guitarras bases tocando exatamente a mesma coisa (dois guitarristas na banda) so grava uma delas copia e cola em outra track ,muda um pouquinho o timbre e coloca uma pra cada lado da pan. (lembrando que as dobras ,nao sao algo obrigatorio ,s'o utilize o recurso em nessecidade )

Stalingrado
Veterano
# mar/11 · Editado por: Stalingrado
· votar


MauricioBahia
Eu extraí essas dicas do "Guia da Mixagem". O que eu entendi é que é possível solucionar conflitos apenas com eq., compressão, e que o pan é só pra organizar a 'imagem' do som, saca? Ele cita um disco do Red Hot que é quase todo mono, não lembro qual é, mas que, mesmo sendo mono, você consegue escutar todos os instrumentos muito bem. Eu acho interessante esse ponto de vista e tenho tentado fazer dessa maneira. :)

makumbator
Bem lembrado. No livro, ele fala bem que as dicas são mais voltadas para o pop/rock, esqueci de dizer. Você está certíssimo!

E esse lance de que mixagens não refletem a realidade é bem verdade e muito utilizado no pop/rock!

Enviar sua resposta para este assunto
        Tablatura   
Responder tópico na versão original
 

Tópicos relacionados a "macetes" de produção.