Projeto Escola sem Partido

Autor Mensagem
Viciado em Guarana
Veterano
# 25/mar/19 20:49
· votar


https://novaescola.org.br/conteudo/16065/quem-e-e-o-que-pensa-carlos-n adalim-o-novo-secretario-de-alfabetizacao-do-mec

LeandroP
Cara, tu que é educador, me ajuda num pontos aqui sobre esse tal de método fônico cantado por esse sujeito indicado pelo Velez aí...

Já não é dessa forma que se ensina crianças pequenas a ler em um idioma com um alfabeto fonético?
Tipo, aprende o som do B, aprende o som do A, agora junta o B com o A e você vai ter um BA, aí a criança já aprende a sílaba BA, que com algumas outras sílabas que vão ser aprendidas também vai formar a palavra BANANA que é uma fruta pra comer no lanchinho (e aí mostra uma figura ou a própria fruta pra criança)...

Porque é isso que eu me lembro de ter aprendido na pré-escola (pré-III pra ser mais preciso) à uns exatos 20 anos.

Como esse cara é um crítico do sistema atual propondo algo parecido com isso?
É muito diferente disso aí o método como ensinam as crianças a ler hoje em dia (pelo menos na sua experiência)?

Lelo Mig
Membro
# 25/mar/19 21:29
· votar


Viciado em Guarana

Mano, estes caras não têm o que fazer.

Cada vez que se mexe com a maneira de alfabetizar, mais cagam.

Em termos de métodos de alfabetização, só vejo piorar.

brunohardrocker
Veterano
# 25/mar/19 21:41
· votar


entamoeba
O que eu ignorei?
Lá onde?

Ta mais perdido que cego em tiroteio.

O problema é que você só enxerga um viés, o de esquerda

Cade os outros dogmas em história? E como eles atuam na educação de base?

Ponha uma coisa na cabeça, caralho! Não dá para discutir esse projeto de censura sem discutir educação, e você não sabe discutir educação! É um ignorante assumido no assunto!

Qualquer cidadão é parte interessada nessa discussão. Se monopolizar só em quem já detém a hegemonia da educação, nada vai sair do lugar. Ninguém deveria ser besta ao ponto de presenciar um ensino enviesado para as crianças e não poder fazer nada porque não é um puto de um educador, tem boleto pra pagar e quer crescer na vida. Vai elitizar a pqp.

Posts de uma época que ninguém tinha ideia clara do que era o projeto.

Hahaha o projeto foi colado aqui e os caras leram. O que ocorria é que ninguém utilizava os seus meios para desqualificar.

brunohardrocker
Veterano
# 25/mar/19 21:47
· votar


Minha irmã fez pedagogia. Vcs sabem quem ja chegou a ser "idolo" dela? Do movimento estudantil? O Lindemberg, cara!
Vcs estão de brincadeira comigo.

Black Fire
Gato OT 2011
# 25/mar/19 23:33
· votar


Minha irmã fez pedagogia. Vcs sabem quem ja chegou a ser "idolo" dela? Do movimento estudantil? O Lindemberg, cara!

Vocês ficavam brincando de enfiar lápis no nariz quando eram crianças?

LeandroP
Moderador
# 26/mar/19 07:10
· votar


Viciado em Guarana

O nome disso é "beabá", né?!
Esse governo tá no "tatibitati" rs

brunohardrocker
Minha irmã fez pedagogia. Vcs sabem quem ja chegou a ser "idolo" dela? Do movimento estudantil? O Lindemberg, cara!

Isso aí que é o tal do "assédio ideológico"?

sallqantay
Veterano
# 26/mar/19 08:14
· votar


Viciado em Guarana

são usados vários métodos, mas com prevalência do construtivista/contextual, focado em texto. O início pode ser fônico:

Tipo, aprende o som do B, aprende o som do A, agora junta o B com o A e você vai ter um BA, aí a criança já aprende a sílaba BA,

depois vai logo para o construtivismo/contextual, onde a realidade do aluno importa mais, assim como o texto escrito

algumas outras sílabas que vão ser aprendidas também vai formar a palavra BANANA que é uma fruta pra comer no lanchinho (e aí mostra uma figura ou a própria fruta pra criança)...


o LeandroP tá aqui só para PTralhar

entamoeba
Membro Novato
# 26/mar/19 10:08
· votar


brunohardrocker
Ta mais perdido que cego em tiroteio.

Bruno, entenda uma coisa, o seu único recurso retórico é ser obscuro! Você comete tantos erros de raciocínio que o sujeito precisa ter um saco do tamanho do mundo para te explicar cada erro! Pior é que você não tem pré-requisitos para entender porque está errado.

Se você quiser que eu explique alguma coisa importante que você acha que deixei passar, por favor, seja específico!


Qualquer cidadão é parte interessada nessa discussão. Se monopolizar só em quem já detém a hegemonia da educação, nada vai sair do lugar.

Olhe essa frase, por exemplo. Ela está recheada de estupidez! Vamos parte por parte:


1) Qualquer cidadão é parte interessada.

Isso é falso. Tem muita gente que não dá a mínima para educação e seus desdobramentos. São alienados, é claro. Mas você também é! Quer se envolver só porque uns lunáticos conspiracionistas colocaram na sua cabeça esse papo de doutrinação! O pior é que você quer se envolver à distância, não quer conhecer do assunto, só quer dar pitaco.


2) Se monopolizar

Quem tá falando em monopolizar? Ninguém defende monopólio, porra! Não é isso que o Escola Sem Partido combate! De onde surgem essas ideias nessa sua cabeça?


3) detém a hegemonia da educação

Como você pode afirmar isso se assume que é um ignorante em Educação? Não tem hegemonia na Educação, sequer tem Paulo Freire (que alguns idiotas da direita acusam de ser o culpado por todas as mazelas da educação no Brasil)! Aqui é e sempre foi monopólio do ensino tradicional e da aula expositiva. Professores nem tem estrutura para fazer nada além disso!

Bruno, há hegemonia na educação? Você acha que tem bagagem para discutir esse tema? Reflita.


4) se monopolizar só em quem já detém a hegemonia

Essa é uma construção confusa (daquelas que você costuma fazer). Dá a impressão que você usa hegemonia e monopólio como sinônimos, estou errado? Se usa, você parece não estar decidido se o troço (hegemonia, monopólio) é algo que existe ou é apenas uma possibilidade (indicada pelo "se"). Aliás, parece que você assume os dois ao mesmo tempo.

Imagino que você pressuponha que o monopólio/hegemonia exista e o sentido da frase é "se nada mudar". Se for isso, ok, entendi. Mas isso dá indício de como você pensa de um jeito obscuro.


5) se monopolizar [...] nada vai sair do lugar.

Nessa altura, a coisa já ficou complexa! Já estou trabalhando com o pressuposto que sei o que você quis dizer na asserção acima. Mas vamos prosseguir. Para isso, farei uma pequena alteração na sua frase:

"se nada mudar, nada vai sair do lugar".

A primeira vista, parece ser uma frase que não diz nada, como boa parte do que você escreve. Puro raciocínio circular. Não vou me esforçar muito para procurar "o que você quis dizer" aqui, porque não me parece um trecho muito importante.


6) Qualquer cidadão é parte interessada nessa discussão. Se monopolizar só em quem já detém a hegemonia da educação, nada vai sair do lugar.

Bom, vou entender que você diz que existe uma parcela dos cidadãos que está interessada em participar das decisões sobre os rumos da educação e está de fora do processo, ok? Que, sem a participação delas, nada irá mudar.

Concordo que a educação é de interesse público e deve ser discutida. Só tem um porém: discutir os fins da educação é algo que cabe em um debate democrático; discutir os meios da educação é um debate técnico!

Se os meios forem controversos e estiverem causando algum desconforto coletivo, isso deve ser debatido por quem entende de educação, e não por qualquer mané que acha que tem opinião sobre o assunto (e.g. você).

Veja o caso da vacina. Se houver questionamentos sobre a segurança de determinada vacina por parte da população, essa desconfiança deve ser levada em conta e respeitada. Mas a população não será ouvida na elaboração de uma nova vacina ou nas estratégias de imunização, porque isso é uma questão técnica! Você é capaz de perceber a similaridade?

Faça o seguinte, não responda! Só leia e fique quieto.

brunohardrocker
Veterano
# 26/mar/19 12:13
· votar


entamoeba

Agora tenta não recortar nada, leia o post em sua totalidade e responda com base no que você entendeu. Pode dar outro entendimento, talvez igualmente errado, como sempre, mas há uma nova chance para acertar.

brunohardrocker
Veterano
# 26/mar/19 12:18
· votar


Fora que quem bater um ctrl F ali, vai encontrar coisas que eu não falei, ele tirou do cu e respondeu:

"se nada mudar, nada vai sair do lugar".

Fidel Castro
Veterano
# 26/mar/19 12:23
· votar


vamos sumarizar:

Bruno acredita que a escola tem muito professor esquerdista, vê valor em combater isso mas não necessariamente nos meio.

Todo mundo fica pistolando a 31 páginas sem levar a porra de lugar nenhum.

No final do dia, com ou sem doutrinação, formamos um exército de analfabetos funcionais e obsoletos perante o mercado por ano. Logo nem a ala do pensamento crítico nem de encaixe de mercado estão fazendo porra nenhuma.

entamoeba
Membro Novato
# 26/mar/19 12:49
· votar


brunohardrocker
talvez igualmente errado, como sempre,

Tenho culpa se você é analfabeto?

LeandroP
Moderador
# 26/mar/19 16:49 · Editado por: LeandroP
· votar


sallqantay
o LeandroP tá aqui só para PTralhar


Vamos PTralhar a MTralhada!

Lelo Mig
Membro
# 26/mar/19 18:54
· votar


Fidel Castro

"nem a ala do pensamento crítico nem de encaixe de mercado estão fazendo porra nenhuma."

Positivado.

entamoeba
Membro Novato
# 27/mar/19 07:17
· votar


Fidel Castro
Logo nem a ala do pensamento crítico nem de encaixe de mercado estão fazendo porra nenhuma.

A "ala do pensamento crítico" tem feito melhorias na educação, mesmo enfrentando as dificuldades de um país pobre e sem a cultura do estudo.

A ala do mercado é a que tem mais poder, e atua em diversas frentes para impor sua necessidade de formar mão de obra eficiente e passiva. Não é à toa que várias das maiores empresas do Brasil possuem fundações ou estão envolvidas em grupos que trabalham pela educação.

Vocês estão sabendo pouco!

Fidel Castro
Veterano
# 27/mar/19 09:12 · Editado por: Fidel Castro
· votar


entamoeba

Cara, desculpa, mas o analfabetismo funcional é endêmico no Brasil.

E as fundações Somos, Fundação Lemann etc, nem fazem um trabalho sensacional. Conheço bem de perto o trabalho dos caras, não tem um controle de ROI, depois que o dinheiro entra na fundação, é meio no foda-se. Um ou outro projeto se destaca, por mão do executor. Mas ninguém ali tá preocupado em formar o funcionário robô que você tá falando, pq quem já tá fazendo esse trabalho são as faculdades de baixo nível para pegar dinheiro do Prouni espalhadas pelo Brasil, alvo da Kroton para consolidação ou já deles. Eles que estão formando futuros desempregados estruturais.

Ou seja, o cidadão tem um ensino de base péssimo no sistema público, sai analfabeto funcional. Aí vira o primeiro da família a entrar no superior, mas entrou em Administração na UniCesumar. Vai virar secretário ou auxiliar administrativo em algum lugar, um cargo extremamente vulnerável estruturalmente. Além de sair da universidade sem consciência do que está ao seu redor.

Lelo Mig
Membro
# 27/mar/19 10:12 · Editado por: Lelo Mig
· votar


entamoeba

Cara... na boa, não dá para tapar o sol com uma peneira.

O ensino só regride, a galera sai cada dia mais burra das escolas, neguinho no ensino médio não sabe ler nem escrever e não sabe as 4 operações.

A escola que não ensina, não cobra, não reprova...

Existe uma leva de professores (não estou generalizando) totalmente despreparados... falam errado, escrevem errado, uma formação bisonha. Dei aula em Colégio estadual por 3 anos... Cara o que tem de professor relaxado, vagabundo, encostado... é assustador.

O nível da educação é péssimo, pior do que o de muitos países miseráveis.

Estas "fundações" em sua grande maioria são tapa buracos, tentando preencher uma lacuna cada dia maior que seria obrigação do Estado ou veículo de marketing para promoção pessoal como a Fundação Roberto Marinho e outras parecidas.

A educação brasileira é uma merda lastimável.

LeandroP
Moderador
# 27/mar/19 10:44
· votar


Num país que celebra e cultua a ignorância...

entamoeba
Membro Novato
# 27/mar/19 11:17 · Editado por: entamoeba
· votar


Fidel Castro
Mas ninguém ali tá preocupado em formar o funcionário robô que você tá falando

As fundações são só um indício do interesse deles pelo tema, os caras agem diretamente no MEC, como na proposta da BNCC.


Lelo Mig
Existe uma leva de professores (não estou generalizando) totalmente despreparados.

É por isso que existe o ciclo que você descreveu. Como a profissão é desvalorizada, as vagas acabam caindo no colo de alunos medianos advindos de famílias de baixa renda e baixo grau de instrução.

Outro problema é complemento do que foi apontado pelo Fidel Castro (o usuário, não o ditador):

O sujeito já tem uma formação ruim, aí faz licenciatura EAD nessas instituições de ensino que pertencem à multinacionais (que transformaram o ensino superior numa indústria) e depois é jogado numa sala de aula, sem qualquer estrutura ou suporte, tendo que lidar com turmas de 40 alunos que sequer consegue saber os nomes, porque o sujeito não tem padrão fixo e ensina em 4 escolas diferentes.

Isso não tem nada a ver com método, currículo, doutrinação ou o caralho! Os problemas da educação têm a ver com descaso, falta de grana, falta de interesse de quem manda nessa bagaça!

Vá nas melhores universidades públicas e veja se não dá para reunir uma equipe foda de gente que sabe dar um jeito nessa merda! Dá! Mas a máxima é velha: educação não dá voto.

sandroguiraldo
Veterano
# 27/mar/19 12:27
· votar


Em termos de métodos de alfabetização, só vejo piorar.
Fui alfabetizado lendo a bíblia. Muito bom, aprendi palavras difíceis como chocarrices desde pequeno.

Fidel Castro
Veterano
# 27/mar/19 12:44 · Editado por: Fidel Castro
· votar


entamoeba

Cara, então, não faz sentido formar robô com a China no mundo.

Te falo como um cara de mercado

rapaziada com contato no MEC só quer boletar fácil com UniEsquina

o buraco não é esse

brunohardrocker
Veterano
# 27/mar/19 13:32
· votar


A ala do mercado é a que tem mais poder, e atua em diversas frentes para impor sua necessidade de formar mão de obra eficiente e passiva. Não é à toa que várias das maiores empresas do Brasil possuem fundações ou estão envolvidas em grupos que trabalham pela educação.

O mercado é um ente provido de personalidade, que conspira contra o intelectualismo. Intelectualismo é o redentor, que salva o povo do mercado e os direciona a fumar maconha nos corredores e a fazer sexo anal contra o capital.

makumbator
Veterano
# 27/mar/19 13:59
· votar


sandroguiraldo
Fui alfabetizado lendo a bíblia. Muito bom, aprendi palavras difíceis como chocarrices desde pequeno.

Eu também, mas no meu caso foi com a bíblia satânica (for dummies)

LeandroP
Moderador
# 27/mar/19 14:07
· votar


sandroguiraldo
Fui alfabetizado lendo a bíblia.

Aprendi a ler entre 4 e 5 anos de idade, porque eu queria ler a bíblia.
Cheguei no pré-escolar sabendo ler e escrever.

makumbator
Veterano
# 27/mar/19 14:12
· votar


LeandroP

Você tinha 4 anos e lia pra caraleo?

entamoeba
Membro Novato
# 27/mar/19 15:05
· votar


Fidel Castro
o buraco não é esse

Alguma coisa eles querem, senão não se meteriam no assunto. A BNCC é prá lá de estranha.

LeandroP
Moderador
# 27/mar/19 20:35
· votar


makumbator

kkkkkkkkk

Caminho Suave

brunohardrocker
Veterano
# 03/abr/19 17:32
· votar


https://www.gazetadopovo.com.br/educacao/deputado-do-psol-ira-a-ufrj-p ara-discutir-como-fazer-oposicao-ao-bolsonaro

brunohardrocker
Veterano
# 04/abr/19 11:39
· votar


Nota de diretório acadêmico puramente ideológica contra um trabalho acadêmico:

https://www.facebook.com/rpfsg/photos/a.413723218751464/10933020474602 41/?type=3&theater

E assim segue o dia a dia da politicagem na educação.

LeandroP
Moderador
# 04/abr/19 14:19 · Editado por: LeandroP
· votar


brunohardrocker
https://www.facebook.com/rpfsg/photos/a.413723218751464/1093302047460 2 41/?type=3&theater


Mano, isso sempre sempre sempre sempre existiu nas universidades.
Que mundo você vive (supondo que você conheça razoavelmente o ambiente universitário)?
Tá exposto agora pra você, menino novo ainda, graças às redes sociais. Mas, sempre existiu.

Me refiro ao debate e não ao seu conteúdo. Até porque, pra emitir uma opinião decente, teria que ter acesso ao que foi publicado e não apenas à nota de repúdio.

Enviar sua resposta para este assunto
        Tablatura   
Responder tópico na versão original
 

Tópicos relacionados a Projeto Escola sem Partido