Mudando de profissão aos 26 anos, sonho trabalhar com música. Como se motivar?

Autor Mensagem
Belfalas
Veterano
# 22/jan/19 10:59
· votar


É, lendo aqui ficou claro que o músico no Brasil não é mesmo valorizado. Eu tenho cidadania da Espanha, mas nunca me interessei. Talvez o jeito seja recomeçar por lá, quem sabe até tentar faculdades públicas de música por lá.

Alguém ja teve experiencia como músico fora daqui?

fontes_rio
Veterano
# 22/jan/19 14:09 · Editado por: fontes_rio
· votar


No Brasil tudo é complicado, especialmente nessa área.
Já reparou quem ganha dinheiro com "música" nesse país? Se é que podemos chamar de música.
Agora, tem gente ganhando dinheiro dando aulas e cursos online.
Esse é um mercado interessante.
Outro dia vi um vídeo do Ozielzinho contando sua história de como ele conseguiu viver da música.

Drinho
Veterano
# 24/jan/19 08:57 · Editado por: Drinho
· votar


Belfalas

Acredito que quando você atua em uma área em que o grande volume de pessoas procuram ou precisam efetivamente daquele produto/serviço você aumenta substancialmente a suas chances de ter resultado positivo, tem área que até nego ruim faz dinheiro, tipo supermercado, o mercado do cara é um lixo, feio, sujo, tem mercados até próximos dele e ainda sim ele ganha dinheiro.

No caso da música, vemos notando um significativo desinteresse pelo grande público em consumir determinados estilos, estilos estes que creio eu, todos que aqui frequentam tem afinidade (há casos de exceção mas a realidade é mais negativa do que positiva), esse fenômeno é natural e não apenas brasileiro, é interessante fazer o estudo para tentar ter uma idéia de quais seriam as suas chances reais fora do país....

Esses países europeus de bem estar, não vou falar da espanha, vou falar de irlanda, inglaterra, alemanha, dinamarca, finlandia e etc são países que:

1 - tem moeda forte
2 - tem inflação extremamente controlada, ou seja não é necessário ganhar muito da moeda deles nesses lugares para viver com dignidade
3 - aparentemente gostam de pagar por música que não necessariamente é esta popular que domina o mundo
4 - valorizam horrores a figura de um professor

Não me admira nesses lugares se tiver as qualificações e qualidades conseguir viver com tranquilidade lecionando, tocando em pequenas casas ou mesmo tocando na rua por trocado no chapeuzinho, se terminar o dia com 100 euros no chapeuzinho meu camarada, já da pra morar bem, comer bem, investir em equipamento e investir em lazer, o que no meu ponto de vista é substancial para ter uma vida plena e realizada, fazer o que ama e ter liberdade....

No brasil o calculo para o sujeito ter o minimo de felicidade em termos de consumo é de 4 a 5 salários minimos (o que é impensável para a esmagadora maioria das pessoas) e mesmo que consiga, 9 em 10 casos fazem o que não gostam, ai ficam com essas crises de ansiedade e etc....

Isso é melhor do que andar de mercedes e de seg a sex ser escravo de alguma coisa .......

Ken Himura
Veterano
# 27/jan/19 23:30
· votar


Há de se considerar algumas coisas:

A maioria dos post aqui citaram um mercado da música que é, no mínimo, insustentável e decadente: tocar na noite e esperar reconhecimento. Ou cenários parecidos.

A profissão de músico autônomo agora é calcada na internet; quem não adotou a grande rede como escritório, vai ficar na areia movediça pra sempre.

Outra questão: ser profissional é bem diferente de ser hobbista sob diversos ângulos, indiferentemente do equipamento ou dinheiro envolvido. Não é todo mundo que toca que tem perfil/estômago pra aguentar uma carreira profissional de música. Da mesma forma que nem todo mundo que quer fazer medicina tem perfil pra ser médico, ou em direito, engenharia etc. Trabalhar significa ter alguns estresses, porque viver é estressante. Mas se você só tem estresse no trabalho, tem algum problema no trabalho, em você ou ambos.

Depois eu volto para falar mais da profissão, agora tô derretendo de calor e ainda minha carreira não me deu a possibilidade de ter um ar condicionado.

.:Anonimato:.
Veterano
# 28/jan/19 00:44
· votar


Ken Himura

Depois eu volto para falar mais da profissão, agora tô derretendo de calor e ainda minha carreira não me deu a possibilidade de ter um ar condicionado.

És do Rio também, amigo?

Ken Himura
Veterano
# 28/jan/19 01:14
· votar


.:Anonimato:.
Sim, tem duas semanas que eu não consigo ficar 20 minutos direto no computador.

.:Anonimato:.
Veterano
# 28/jan/19 01:49
· votar


Ken Himura
Sim, tem duas semanas que eu não consigo ficar 20 minutos direto no computador.

Haha, isso eu até consigo...
Meu problema tem sido falta de vontade e concentração pra estudar...
Ou seja, estudo musical quase zero.

Luiz_RibeiroSP
Veterano
# 28/jan/19 03:03
· votar


Belfalas
Só depois de se formar que percebeu, que a carreira trás infelicidade? 5 anos, contato com professores que atuam na área não conseguiu ter uma visão mais pratica de como é seguir a carreira?
Estresse tem em qualquer lugar, acho muito precipitado para pensar em mudar de profissão. Ainda mais no meio musical que tem tantos caminhos, e pelo que vi músicos andam por boa parte deles.
Se imagina tocando em churrascaria, e depois compondo um material próprio, fazendo jingles, produção, ai um grupo de louvor te chama para gravar uma musica, depois uma banda de baile, aula,aula,alua,alua on line...etc.... tenta se imaginar nessa rotina totalmente diferente de um escritório de advogados.
Tem nível para ser um profissional? tem certeza? viu a galera que ja esta trabalhando e tem contatos? pesa isso.

SteveRayMorse
Veterano
# 28/jan/19 06:51
· votar


Luiz_RibeiroSP

Só depois de se formar que percebeu, que a carreira trás infelicidade? 5 anos, contato com professores que atuam na área não conseguiu ter uma visão mais pratica de como é seguir a carreira?

Isso no Brasil é raro. Ao menos na época que estava que estava na faculdade e saí pro mercado de trabalho o baque foi grande pois os professores, em sua maioria, tinham formação quase que 100% acadêmica e quase nada de experiência de mercado.

No mais, viver de música é trampo pra kct como qualquer outra profissão. Tem que ser profissional, um bom instrumentista (no mínimo) e saber empreender já que o produto no final das contas é você e tu precisa vender o produto.

brunoepronto
Melhor participante de jam
Prêmio FCC violão 2008
# 19/fev/19 13:44
· votar


Ate agora n vi ninguém q vive da música e realmente sabe o q acontece na área dar um parecer e ajudar o colega q perguntou a respeito: trabalho exclusivamente com música há mais de 10 anos porém n foi algo feito de uma hora pra outra, me preparei e me capacitei para tal, tanto em relação ao estudos procurando sempre bons professores, quanto na área prática, tocar mesmo, toquei em diversas bandas dos mais variados gêneros e isso me ajudou mto em se tratando de proficiência, alguns citaram q tocar gêneros q n gostamos, isso vai mto do gosto musical de cada um, eu sempre fui eclético e nunca deixei q isso fosse algo a me atrapalhar, até pq é meu trabalho, quando o contratante te chama ele n pergunta seu gosto musical, quando vc leva o carro no mecânico ele n escolhe o carro q vai mexer, pega o q aparece, o dinheiro ganho é o mesmo.
O q eu posso dizer em relação aos ganhos é q, como qualquer atividade autônoma, existem altos e baixos nessa sentido, q são cíclicos, porém é possível lidar com isso se vc for um profissional já estabelecido no mercado, q é o meu caso.
Voltando ao início da conversa, recomendo ao colega ou a qq um q tiver interesse em ter a música como profissão o seguinte: se preocupe em ser capacitado a realizar o máximo de funções dentro da música: dar aulas, tocar em bandas, acompanhar cantorxs, tocar em barzinhos, trabalhar como músico de estúdio, qto mais habilidoso vc for maiores são os ganhos e menores as chances da "fonte secar" e vc ficar a ver navios em se tratando de grana. Sou casado há 5 anos e consigo viver com dignidade exclusivamente com o dinheiro da música, espero q meu depoimento possa ter ajudado o colega ou outras pessoas q tenham essa vontade no futuro.

Drinho
Veterano
# 19/fev/19 18:31 · Editado por: Drinho
· votar


Ate agora n vi ninguém q vive da música e realmente sabe o q acontece na área dar um parecer


Mas é justamente isso que estamos falando, se você não viu ninguém que vive de música se pronunciando é porque a maior parte das pessoas achou mais viável tentar viver de outra coisa (a amostragem desse fórum é suficiente para termos um cheiro muito forte do que é a realidade, mais ou menos como pesquisa eleitoral), se você obtêm bons resultados nesse mercado ótimo, estou convicto que você é exceção e não situação.

A ideia não é acabar com o sonho do colega, mas eu não conheço sonhador que foi longe na vida sem ter total ciência da realidade assim como outras habilidades extremamente necessárias para se obter sucesso em qualquer área.

Mesmo que sucesso seja relativo......

fernando tecladista
Veterano
# 19/fev/19 23:17
· votar


Ate agora n vi ninguém q vive da música e realmente sabe o q acontece na área dar um parecer
estão ocupados dando aulas, ensaiando, gravando, produzindo algo...

Ken Himura
Veterano
# 02/mar/19 18:16 · Editado por: Ken Himura
· votar


fernando tecladista
estão ocupados dando aulas, ensaiando, gravando, produzindo algo...
(2)


=//=
Agora, sinceramente, voltando ao tema do tópico, o músico profissional tem que saber bem em que nicho quer se meter. Não adianta fazer de tudo um pouco e viver trocando o almoço pelo jantar. Tem gente que se sente feliz assim, contanto que esteja tocando, mas, pra mim, é uma vida abaixo do medíocre, é algo beirando a existência miserável.

Digo isso porque a quantidade de professores péssimos de música (péssimos mesmo, seja em conteúdo ou didática) é muito grande. E são estes "profissionais" que nivelam o mercado por baixo, bem por baixo, principalmente no quesito "preço das aulas". Um professor meia boca, se souber levar seu trabalho à frente, tem um diferencial enorme frente à concorrência - mas geralmente o marketing é um problema pra alavancar a carreira.

Tocar em barzinho, em pleno 2019 antes da Era das Máquinas, é financeiramente um desastre, é pagar pra tocar quase em 100% das vezes. Só é uma opção quando os ganhos indiretos (exposição, contato com futuros clientes e alunos, filmagem de boa qualidade pra internet, diversão etc) compensarem os gastos. Pra dar um exemplo, já vi uma banda cover de rock 60's~90's se apresentar num bar perto da minha casa, no Rio de Janeiro. Barzinho meio careiro, mas mediano comparado com orla da Zona Sul, deveria pagar por indivíduo 150-200 reais a hora de show (eram 3 músicos). Eles tocaram por 4 horas. Tinham em equipamento + van customizada + gasolina gastos mais de 300 mil Reais - isso eu estimando por baixo, só de olhar as coisas de longe e identificar. É um trabalho que não se paga nunca; se você depender disso o mínimo que seja, está f...

Para os outros caminhos (composição/arranjo/orquestração, músico de estúdio, produtor etc), ser empreendedor é uma habilidade legal, mas não imprescindível - é preferível, por exemplo, ser político a ser empreendedor nesses meios. O assunto foi bem abordado por um compositor razoavelmente famosinho no círculo internacional de música acadêmica universitária aqui e aqui (em inglês). Vale a leitura.

Um músico, mesmo o acadêmico, tem que agir em várias frentes para sobreviver, é a necessidade da profissão. Uma dessas frentes, que ainda passa batido por muita gente, é saber investir o dinheiro que entrar em diversas aplicações de curto, médio e longo prazos. Isto, aliás, é fundamental pra quem for autônomo - porque a hora que rolar uma cagada e você cair doente ou sofrer um acidente, o dinheiro vai parar de entrar. E aí?

Enviar sua resposta para este assunto
        Tablatura   
Responder tópico na versão original
 

Tópicos relacionados a Mudando de profissão aos 26 anos, sonho trabalhar com música. Como se motivar?