Mudando de profissão aos 26 anos, sonho trabalhar com música. Como se motivar?

    Autor Mensagem
    Belfalas
    Veterano
    # 03/jan/19 09:26


    Me formei em Direito no ano de 2018 e vi que é algo que me traz infelicidade e comecei a me dedicar mais ao estudo de violão/guitarra. Toco violão desde os meus 16 anos, mas aquele básico de rodinha de amigos, lual, brincadeira.

    Frente aos talentos que estão tocando e estudando desde a infância, como vocês se motivariam nessa altura do campeonato?

    Existe alguém com alguma história como a minha?

    Beto Guitar Player
    Veterano
    # 03/jan/19 10:07
    · votar


    Tenho 32 anos e trabalho basicamente em área comercial.
    Quando tinha meus 18 anos, comecei a fazer uns cursos técnicos para assim ganhar mais dinheiro e poder me dedicar aos estudos de música...
    Hoje, continuo ganhando uma mixaria, não sei quase nada e perdi completamente aquele desejo de viver de música.
    O único desejo que ainda mantenho e manterei até o fim dos meus dias é poder gravar minhas músicas autorais para daqui há uns 600 anos, historiadores poderem descobrir minhas músicas e ouvir no meio cyberpósrockundergroundalternativo.

    TendTudo
    Membro Novato
    # 03/jan/19 11:17
    · votar


    Belfalas
    Forever Jung
    Carl Gustav Jung

    The Man Who Sold The World
    Veterano
    # 03/jan/19 12:55
    · votar


    Belfalas
    cara, depende da área que deseja atuar...
    tu pode montar uma escola, um estúdio, tocar na noite sozinho, com banda
    o mais importante é ter contatos, eles te colocam pra tocar nos lugares, em eventos, te indicam pessoas, se for tocar na noite, o mais importante é ter repertório, saber tocar a musica certa no lugar certo
    se é formado em direito, pode até trabalhar na área jurídica de uma gravadora, o mercado é amplo e tem que saber ingressar
    a questão da idade não é um empecilho, a não ser que fosse de uma banda mirim que toque muito bem, isso é um diferencial, fora isso tanto faz

    Drinho
    Veterano
    # 03/jan/19 19:11 · Editado por: Drinho
    · votar


    Belfalas

    Meu companheiro eu não trabalho com música porque gostem ou não o mercado não é favorável e a estatística é realmente cruel. Sou um hobbista comprometido e além de tocar trabalho em uma área que gosto e que é rentável para mim sem que eu dependa da aprovação ou da ajuda de terceiros isso é o que me torna mais realizado e é exatamente aí que eu quero chegar quando te digo tudo isso.

    É possível viver de música (especialmente guitarra)? Claro que é, mesmo havendo uma estatística ruim o suficiente para desmotivar qualquer um, porém eu vejo o mundo da guitarra hoje de uma forma peculiar.

    O primeiro caminho que qualquer um pensa seria montar uma banda e sair por ai tocando.
    Eu não faria pelo seguinte, o boteco que te chamar vai te pagar 300,00 a noite (e olhe lá) para voce arriscar 10 mil reais de equipamento na rua e você não terá a agenda lotada para ganhar 300,00 todo dia.

    Você pode trabalhar para alguém que pague bem seja gravando ou acompanhando, mas é muito mais provável não conseguir entrar do que conseguir.

    Você pode abrir sua escola mas provavelmente não conseguirá pagar o aluguel.

    Você pode dar aula na escola de alguém mas se conseguir fazer 2 salarios minimos no mes levante as maos pro céu.

    Desanimador né? Se você se sentir satisfeito com pouco, engolindo sapo ainda ok, segue um desses caminhos que deve funcionar, e sempre parta do principio que você não vai conseguir fazer contatos porque o mundo não está nem ai pra você. A realidade é esta gostem ou não.

    Agora, você pode pensar num projeto a longo prazo com um emprego em paralelo, se formando um guitarrista diferenciado, acima da média e vender seu peixe na internet para tentar se alavancar de uma forma que voce jamais conseguiria batendo em porta de boteco e ligando pra fulano ou beltrano, voce terá um termômetro de aceitação porque as ferramentas tem mecanismo para isso, mas é nível top mesmo tipo gustavo guerra e etc que gere conteudo, video de qualidade, chame a atenção, tenha carisma, didatica e etc....

    Quando digo nível top que é o que a galera (principalmente a molecada) quer ver. Ai talvez um dia os alunos, as bandas, os patrocinadores venham até você e você seja realmente bem sucedido fazendo isso, poderá se dar ao luxo de cobrar 500 reais por mes para dar aula via skype porque a molecada baba ovo pra você, poderá vender cursos elaborados com acesso pago na internet, poderá cobrar para usar equipamento, poderá cobrar pra fazer workshop, será vista por bandas que estão no mercado e o cara virá até você. Naturalmente você não vai pensar nisso para trabalhar, você vai evoluir por amor ao instrumento e dar seu melhor todo dia e caso queira montar uma banda autoral o youtube na minha opinião também é melhor do que perder tempo em boteco.

    É um empreendimento online. E o seu produto é você na sua melhor forma técnica, musical, pessoal, didatica, carismatica e visual.....

    Eu tenho a crença que 90% das coisas irão para a internet e só vai se sobressair dentro dessa zona quem for extremamente fodão em todos os aspectos....

    Não perca tempo saindo de casa, foi-se o tempo que você tocava no bar, vinha o olheiro da sony music e sua vida estava resolvida....

    LucasRayExp
    Membro Novato
    # 04/jan/19 12:30 · Editado por: LucasRayExp
    · votar


    Amigo, bem vindo ao clube!
    Drinho tem ótimos pontos, mas não acho que seja tão dramático assim.
    Pelo pouco tempo que estou no meio musical, percebi que tem muito amadorismo e mediocridade nesta indústria (isso tem em qualquer profissão na verdade) mas mais ainda na indústria criativa.

    Meu resumo da história: abandonei minha carreira no mercado financeiro recentemente e to seguindo aqui na música e minha sugestão é: Seja muito bom mesmo e tenha bastante marketable skills (tocar, ensinar, se relacionar, produção musical de vários estilos, ou seja, BE SMART). Sugiro também alguns cursos onlines de music business para entender como a indústria funciona e fazer bastante amigos e expandir o network.

    Meu caso é peculiar porque eu sai de uma profissão e entrei de cabeça em outra, pois na minha situação eu não consegui andar em paralelo com as duas coisas após certo ponto (até adoraria). Para a maioria a opção mais sã é fazer a coisa em paralelo até conseguir viver 100% de música.

    Minha opinião pessoal é que isso é um pouco problemático porque na essência, você nunca vai prestar atenção 100% na sua carreira de músico, e segundo você dificilmente vai praticar/estudar tanto a ponto de se destacar se você chega em casa a noite cansado, e com 1000 outras coisas na cabeça.
    Se quiser me procurar para trocar idea pode me buscar no google.

    Abraços e boa sorte!

    francisco2004
    Veterano
    # 04/jan/19 13:51 · Editado por: francisco2004
    · votar


    Belfalas
    Eu, pelo contrário, tenho interrompido o meu hobby musical para fazer direito à noite. Estou gostando, mas já tenho uma profissão na área de TI, então o direito é mais para tentar uns concursos das ditas carreiras de Estado. No Brasil, as carreiras técnico-científicas são pouco valorizadas no serviço público. Se você é bacharel em direito, já pode sonhar com voos mais altos.

    Tenho amigos músicos da noite que passam trabalho para tirar, sei lá, nem metade do que eu e meus amigos conseguem na TI. Por outro lado, acho que a carreira musical não pode ser pensada só sob o viés da grana. A música tem algo de vida boêmia (e não quero dizer virar alcoólatra), de ter sempre um compromisso à noite num bar, às vezes quase sem público, às vezes cheio, às vezes com parcerias que fazem você passar vergonha de tão mal que tocam, às vezes te dando orgulho da performance. O barato do músico "da noite" acho que é essa vida. Muitos se dão bem nos relacionamentos. O poder de sedução não está na grana, mas no imaginário que existe em torno daquele que realiza uma performance no palco.

    Eu não acho essa vida nem melhor nem pior que a minha, mas eu trilhei outro caminho que agora acho difícil migrar. Tenho um custo de vida mais alto, mas nem por isso mais glorioso que um músico com um orçamento mais apertado, mas com todas as delícias de se viver de arte, o ofício da criação por natureza.

    Acho que alguns vão me censurar, dizendo que dá para ganhar muito bem sendo músico, e não tiro a razão. Dependendo do estilo, do momento cultural, dá para tirar uma boa grana (hoje, em banda sertaneja) fazendo tour pelo interior do Brasil. Mas é exceção e, para alguns, tocar certos estilos está fora de cogitação.

    Pleonasmo
    Membro Novato
    # 04/jan/19 13:52
    · votar


    Aqui em curitiba está interessante de ter uma banda, tem muitoooossssss bares de cervejas artesanais com grande interesse em bandas, mas você precisa ser um cara que tem contatos e ser bom de papo. Eu e minha patroa temos empreendimentos que tem tudo a ver com música e disso já conseguimos muitos contatos para tocar ou indicar amigos. Pagam entre 200 a 300.

    Mas o lance é que você precisa necessariamente ser alguém extrovertido ou que pelo menos disfarce bem ser extrovertido. Todos os trabalhos vieram de contatos do meu negócio ou do negócio da patroa depois de uma conversa descontraída.

    O problema é que pedem por bandas em dias de movimento, como sexta, fim de semana, vésperas e feriados, e durante a semana não aparece nada. Eu não sei se conseguiria viver disso.

    Outro problema é a própria banda, cansei de indicar gente que não tem disciplina, recebem 300 reais para tocar e consomem cervejas do local, no final das contas ficam devendo para a casa.

    ejames
    Membro Novato
    # 04/jan/19 14:29
    · votar


    Não quero te desanimar, só dar uma visão diferente:
    Você demorou cinco anos num curso para perceber que Direito não lhe faz feliz. O que garante que não vai mudar de ideia com a música também?

    Tornar música sua profissão muda tudo. Eventualmente você vai ter que tocar o que não quer, na hora que não quer, com as pessoas que não quer, no local que não quer... Além disso, a música é acima de tudo encarada como entretenimento, ou seja: você vai estar trabalhando para os outros se divertirem. Final de semana, feriados, varando a madrugada e você vai estar trabalhando, carregando equipamento pra lá e pra cá, lidando com contratante picareta, bêbado chato, etc.

    Tem os prós, dá para se divertir nesse meio? Dá, mas você tem que ponderar se realmente o seu gosto pela música vale tudo isso.

    Pleonasmo
    Pagam entre 200 a 300.

    Para a banda inteira? Cara, pro hobbista é uma uma coisa, mas para quem vive de música isso não é nada. Cachê desses serve pro cara que faz vozinha e violão no máximo, e mesmo assim é baixo.

    Pleonasmo
    Membro Novato
    # 04/jan/19 16:07
    · votar


    ejames
    Para a banda inteira? Cara, pro hobbista é uma uma coisa, mas para quem vive de música isso não é nada. Cachê desses serve pro cara que faz vozinha e violão no máximo, e mesmo assim é baixo.

    Por isso mesmo eu disse que não sei se conseguiria viver disso. Infelizmente é mais ou menos esse o valor e os músicos que tocam, são mais enxutos, no máximo um trio.
    E também, vendo pelo lado do músico é pouco, para o dono do bar é muito na maioria dos casos.
    Alguns bares mais tradicionais e de grande porte podem pagar mais, mas não precisam porque muita gente vai aceitar por uns 200,00.

    Tem outro problema que eu estava comentando com um amigo meu no bar dele, a banda e um foodtruck são contratados para vir, mas não agregam em nada, não aparece nenhuma clientela diferente que poderia ser fã da banda e da comida do foodtruck, falta uma visão de marketing nestes caras.
    Só a casa movimenta o pessoal com propagandas, chamadas em redes e radios, tanto que hoje em dia sempre tocam os mesmos caras lá, porque eles tiveram esse diferencial de estar sempre agitando e trazendo seus fãs e amigos para consumir a música e o produtos do bar. Eles já se tornaram parceiros, sempre tocam lá e enche de gente.
    No fim uma mão tem que lavar a outra.

    rhoadsvsvai
    Veterano
    # 04/jan/19 21:15 · Editado por: rhoadsvsvai
    · votar


    Belfalas
    Passa na oab, estuda pra um concurso bacana... segura 3 anos o estagio probatório, e dai se dedica a musica. tu vais ter segurança financeira, muito maior que da maioria das pessoas que vivem de musica, e uma boa estrutura pra te dedicares a musica com todos os equipamentos tops que sonhares.

    Esse negocio de fazer o que o coração manda.... podem me chamar de careta, mas ninguém é feliz na fila do SUS, e estatisticamente mesmo que você fosse formado em Berkelee, sua chance de realizar O SONHO (virar um guitarhero multimilionario) é quase nula. pra que viver dando aula e engolindo sapo de dono de bar?

    O que vejo ai das pessoas que conheço e vivem de musica é, dar aula, se matar atras de edital, ensaiar repertorio que não gosta de banda de casamento/formatura pra por comida na mesa. Se for MUITO MUITO bom, consegue ser empregado de uma empresa de cruzeiro... com o direito você pode se dar o luxo de trabalhar de 8 as 16 em uma repartição publica e fazer o que quiser no resto do tempo.

    Ramsay
    Veterano
    # 04/jan/19 23:02
    · votar


    Belfalas
    Tudo o que os colegas falaram acima, procede, mas, não basta vc se aperfeiçoar e tocar muito bem.
    Para dar certo, além de tocar muito bem, vc tem que estar no lugar certo, na hora certa e conhecer as pessoas certas, pq senão, por melhor que vc seja, a coisa não vai rolar.
    Se vc conseguir ser bom o suficiente, coloque vídeos no Youtube, mas, antes disso tudo é melhor ter um emprego que mantenha a sua subsistência,

    Drinho
    Veterano
    # 05/jan/19 01:44 · Editado por: Drinho
    · votar


    abandonei minha carreira no mercado financeiro recentemente e to seguindo aqui na música

    por que abandou o mercado financeiro? resultados ou satisfação pessoal? uma rara pessoa que desenvolve as habilidades necessárias para se tornar bem sucedida no mercado financeiro não trocaria isso por profissão nenhuma....

    Lycos
    Veterano
    # 08/jan/19 20:58
    · votar


    Belfalas
    Pô, mano...tenho 26 anos, trabalho como controlador de tráfego aéreo mas meu sonho é trampar com música, toco desde os 15 anos, sempre procurei estudar e tals, mas cada vez que avança a idade dá um desânimo tbm..

    Mauricio Luiz Bertola
    Veterano
    # 08/jan/19 21:51
    · votar


    Drinho
    por que abandou o mercado financeiro? resultados ou satisfação pessoal? uma rara pessoa que desenvolve as habilidades necessárias para se tornar bem sucedida no mercado financeiro não trocaria isso por profissão nenhuma....
    Tenho um amigo, que tocou comigo, que quase perdeu a sanidade e a vida por trabalhar no mercado financeiro...

    lamas92
    Membro Novato
    # 09/jan/19 09:15
    · votar


    Tem a felicidade de trabalhar naquilo que se gosta e uma vida econômica viável.
    Quando ambos se encontram, é o melhor dos mundos.
    Mas te digo que uma vida contando migalha é foda... Dinheiro não trás felicidade, mas a falta dele atrapalha muito...

    Então seja racional.

    Se quiser arriscar, nada de se enrolar no início com compromissos, noivados, contas e prestações bobas. Faça isso enquanto é jovem. Se evoluir e progredir na profissão, ótimo!
    Mas lembre-se, dor de barriga não dá uma vez só... Quero dizer com isso que um músico, assim como os médicos, dentistas e outros, dependem de si e de sua saúde para o sustento. Um médico com doença infecciosa não pode operar ou atender, assim como um músico com tendinite vai penar...

    Então tenha sempre um plano B. Viver de música hoje é muito mais complicado, as demandas mudaram.

    Pese isso e decida! Boa sorte!

    Mauricio Luiz Bertola
    Veterano
    # 09/jan/19 11:02
    · votar


    Belfalas
    Se você é jovem e não tem filhos ou pais idosos para cuidar, tudo é fácil, factível até... Se não... A vida é muito mais difícil do que parece para quem tem menos de 30 anos... E não estamos em um país fácil....
    Abç

    Drinho
    Veterano
    # 09/jan/19 12:04
    · votar


    Mauricio Luiz Bertola

    Eu trabalho no mercado financeiro, realmente é um ambiente bem hostil para 90% das pessoas

    Uns quebram, uns ficam loucos e outros ficam as duas coisas pois é muito difícil desenvolver uma relação saudável com ele.....

    Mas ele premia muito o esforço e as dificuldades com tempo disponível, coisa que praticamente nenhum segmento dá.... Por isso fiz a pergunta ao amigo...

    Mauricio Luiz Bertola
    Veterano
    # 09/jan/19 12:10
    · votar


    Drinho
    Entendi.
    Abç

    BrotherCrow
    Membro Novato
    # 09/jan/19 12:41
    · votar


    Cara, talvez isso não seja o que você quer ouvir, mas na minha opinião trabalho é trabalho e não tem que ser prazeroso. Eu me formei em direito. No terceiro ano quase desisti, mas engoli outros dois anos, me formei, estudei e passei em concurso. Agora tenho um porão gigante com bons equipamentos, conheço outros hobbyistas que tocam comigo e me divirto com música.
    Sob uma ótica, acho que virar profissional da música tiraria a graça de tocar. Como o pessoal disse, você vai tocar coisa que não gosta, vai ser forçado a tocar quando não está afim, enfim, é um trampo como qualquer outro.
    Sem falar que eu tenho família pra cuidar. Preciso de estabilidade e amo minha família muito mais do que amo guitarra.

    TendTudo
    Membro Novato
    # 09/jan/19 14:17
    · votar


    Deixa eu falar...
    Quando eu era jogador de futebol e tal, era mais feliz que hoje, mas EU NÃO QUERO MORRER era habilidoso e tal, comprometido com o meu físico até que...comecei a usar anabolizantes pra correr muito e com o tempo comecei a beber...usava doce, Marijuana até que sobrevivi e, estou sem jogar futebol desde os 21 , consegui tudo que uma pessoa que hoje, como estou com 39 anos de idade, sonharia em ter hoje, amor, namoradas casa comida roupa lavada cachorro carro gato brioches e tudo mais...
    Mas aos 32 comecei a estudar violao como terapia ocupacional e estou desde 2012 a estudar violao 8 horas por dia.
    Não sou famoso mas agradeço ao que o futebol me deu e amo minha família e tenho Deus comigo no meu pensamento ao acordar e ao dormir

    Claudio Cz
    Membro Novato
    # 11/jan/19 18:01
    · votar


    Belfalas
    Sei não heim! Quando tornar obrigação, acho q qq profissão passa a ser meio chata. Conheci um violonista muito habilidoso que disse gostar do que fazia, mas nos fins de semana não queria saber de música. Acho q muitas vezes culpamos algo perto (ex. profissão, faculdade, etc.) como sendo a causa de qq frustração. Acho q tem nada melhor q ter uma vida confortável, um bom plano de saúde, um carrinho com tanque cheio, etc.. A profissão é apenas uma parte da nossa vida, mas os filmes e a TV criam uma ilusão que é a coisa mais importante. É oq penso. Acho q seguiria no Direito, faria uma bom concurso federal pra viver bem e ter bons instrumentos. Dedicaria a treinar a noite, sem a obrigatoriedade de uma profissão, e tocar nos fds com amigos e cerveja. Acho q deve ter uns músicos por aí que parecem felizes, mas acho q a maioria pode estar frustrada por estar sendo sustentada pelos pais aos 40 de idade. Eles não vão falar abertamente sobre isso. Claro que alguns devem estar bem e são independentes.

    Buja
    Veterano
    # 11/jan/19 18:39
    · votar


    BrotherCrow

    Tu falou o que eu penso.
    A partir do momento que voce transforma seu hobby em trabalho, ele deixou de ser hobby. Nao que trabalho nao possa ser prazeroso. As vezes é. Mas trabalho nao é hobby.
    Eu trabalho com sistemas. Apesar de gostar muito, nao é meu hobby.
    Nao fico em casa programando. A partir do momento que eu ganhasse a vida tocando guitarra, deixaria de ter GAS, deixaria de ir em lojas ver novidades, deixaria de tocar por prazer.
    Duvido muito que o James Hetfield vai pra casa depois do "experiente" (shows, entrevistas, studio) pra tocar master of puppetz no quarto....

    Claudio Cz
    Membro Novato
    # 11/jan/19 20:45
    · votar


    Duvido muito que o James Hetfield vai pra casa depois do "experiente" (shows, entrevistas, studio) pra tocar master of puppetz no quarto....

    Hehehe...é isso aí!

    Quando o cara estende o trabalho no momento de lazer já é o caso do workaholic! Vira uma patologia!

    francisco2004
    Veterano
    # terça às 15:09 · Editado por: francisco2004
    · votar


    Buja

    Tu falou o que eu penso.
    A partir do momento que voce transforma seu hobby em trabalho, ele deixou de ser hobby. Nao que trabalho nao possa ser prazeroso. As vezes é. Mas trabalho nao é hobby.


    Verdade. Às vezes me envolvo num projetinho de software por diversão, mas sem prazo para cumprir e sem expectativa de remuneração... aí é só alegria. Eu tenho muitos hobbies, entre eles, fotografia, música, leitura de clássicos da filosofia e mesmo a TI. Agora, no momento em que uma dessas atividades se torna uma obrigação, uma demanda que não foi criada por mim mesmo, aí deixa de ser prazeroso.

    Em suma, não existe trabalho bom. O melhor é não ter que trabalhar para sobreviver, aí a vida seria 100% hobby. Como isso é impossível, basta que o trabalho não seja insuportável e remunere o máximo possível.

    Buja
    Veterano
    # terça às 16:08
    · votar


    Basta que o trabalho não seja insuportável e remunere o máximo possível.

    To começando a achar que na vida tudo que é necessário (nao hobby) tem que ser assim.

    Trabalho = Nao seja insuportavel e remunere o melhor que puder
    Moradia = Nao seja um caco e tenha o menor custo que puder
    Carro = Nao seja de < 1993, nao goste de mecanico nem de posto de gasolina
    Mulher = Nao tenha data de nascimento < 1960 e seja a mais modelo que puder

    Só assim pra gente parar de gastar mais tempo e dinheiro do que o necessário com esses coisas necessários, e ter mais tempo e dinheiro para os hobbies!

    BrotherCrow
    Membro Novato
    # quarta às 00:42
    · votar


    Buja
    Cara, é por aí. Meu trabalho às vezes é muito legal, às vezes é uma merda, mas a maior parte do tempo é razoavelmente gratificante e tem um ambiente bacana (tenho sorte de trabalhar com caras que realmente considero amigos). Se fosse uma merda o tempo inteiro eu ficaria deprimido, mas como as crises são sazonais eu trato as dificuldades como desafio e tento me motivar com isso.

    Aí quando eu chego em casa posso curtir as minhas guitarras sem ninguém me encher o saco. Ninguém me cobra produtividade nem resultado no meu estudo de música! É uma coisa só pra mim (ou de vez em quando pra mandar aquele romantismo com a patroa).

      Enviar sua resposta para este assunto
              Tablatura   
      Responder tópico na versão original
       

      Tópicos relacionados a Mudando de profissão aos 26 anos, sonho trabalhar com música. Como se motivar?