Notificações Amigos pendentes

      Fórum Cifra Club - maior fórum de m&uacite;sica do Brasil

      A guitarra está morrendo lentamente?

      Autor Mensagem
      Lelo Mig
      Membro
      # 28/fev/18 10:01 · Editado por: Lelo Mig
      · votar


      Felipe Stathopoulos

      "Man, procure conhecer mais do libertarianismo (ou do anarco-capitalismo), "

      Então, meu querido, este é o problema, eu conheço bem. Como disse, já fui alinhado ao anarquismo, desde o "clássico" de Bakunin, acompanhando suas evoluções e evoluções, tanto do anarco capitalismo, quanto do anarco socialismo.

      Hoje, não acredito que se sustentem.

      Durante muito tempo, acreditei, como quase todo mundo, que a Politica, na forma de poder ou Estado e o capital, na forma de Empresas Privadas, eram coisas distintas.

      Quando você experimenta a desilusão de perceber que as empresas e empresários não são eficientes como você acreditava, não são idôneas nem honestas, não são tão competentes nem tão brilhantes e, principalmente, sobrevivem não por produtividade, tecnologia ou empreendedorismo e sim por manterem-se aliadas ao Estado e a corrupção, alimentando e sendo alimentadas pelo poder Estatal, experimenta-se uma grande decepção e pessimismo.


      É claro que não se extende a 100% do mercado e dos empresários, mas não faz diferença. Assim como na política, quem dá as cartas no mundo privado, são meia duzia de empresas.

      Eu perdi o respeito e crença que tinha nas empresas, infelizmente, é como vejo a "matrix" hoje....

      Abraço!

      Felipe Stathopoulos
      Membro Novato
      # 28/fev/18 10:12
      · votar


      Lelo Mig

      Só fazer uma ressalva que o anarquismo (prefiro dizer "anarco-comunismo") não tem nada a ver com o anarco-capitalismo ok? Um deriva do marxismo (inveja e ódio), o outro do jusnaturalismo.

      "Quando você experimenta a desilusão de perceber que as empresas e empresários não são eficientes como você acreditava, não são idôneas nem honestas, não são tão competentes nem tão brilhantes e, principalmente, sobrevive não por produtividade, tecnologia ou empreendedorismo e sim por manter-se aliada ao Estado e a corrupção, experimenta-se uma grande decepção e pessimismo."

      Entendo seu ponto, mas você está confundindo corporativismo com livre-mercado. No corporativismo o Estado (na realidade os seus donos, os políticos) elege as empresas que irão "se dar bem" ou "se danar" e isso se dá através de regulamentação direcionada (barreiras de entrada), subsídios ou corrupção pura e simples.

      No capitalismo de livre-mercado o único "eleitor" é o consumidor, e é ele quem escolhe entre um produto/serviço bom e um ruim, um barato e um caro, um eficiente e um ineficiente.

      Já pensou como seriam as empresas sem o Estado? Com qualquer um podendo empreender em qualquer ramo, sem o papai-Estado pra dizer "não pode isso" ou "não pode aquilo"?

      Pois é: isso é o livre-mercado, belo e moral, bom pra quem empreende, bom pra quem consome.

      Abç

      Lelo Mig
      Membro
      # 28/fev/18 10:19 · Editado por: Lelo Mig
      · votar


      Felipe Stathopoulos

      Por isso mesmo, hoje, acho uma utopia ingênua.

      A "meia duzia" de empresas que controla as economias e os governos, nunca vai deixar isso acontecer.

      MMI
      Veterano
      # 28/fev/18 10:32
      · votar


      Lelo Mig

      Recentemente (ano passado) ele esteve aqui em SP e fui chamado para participar. Foi uma experiência muito interessante, um homem de muita inteligência, história de vida e experiências inusitadas. Interessante as colocações dele sobre o ser humano, "trapaças" e política, evolvendo ética. Mais ou menos isto aqui, que vale para o Brasil de hoje, mas era sobre Harvard e a política americana em 2012. Ele pode ser pouco conhecido aqui, mas foi votado como o segundo psicólogo mais influente do mundo e fez um dos cursos mais concorridos da história de Harvard.


      MauricioBahia

      Muito bacana este conto.


      Quando a pessoa não tem os atributos humanos enraizados em seu ser, a sociedade modela a pessoa e ela se torna um joguete das circunstâncias.

      Exato. São princípios, educação, formação, consciência... Assuntos muito delicados e difíceis.

      A música, a guitarra "morrendo lentamente" é um reflexo disto. Tem professores de Música que nem tratam o próprio trabalho dignamente, se dizem professores de "musica" e que vai ensinar "harmônia". Como dizem, "é pá acabá!".

      Felipe Stathopoulos
      Membro Novato
      # 28/fev/18 10:33
      · votar


      Lelo Mig

      "Por isso mesmo, hoje, acho uma utopia ingênua. A "meia duzia" de empresas que controla as economias e os governos, nunca vai deixar isso acontecer."

      Talvez. De fato, o grande empresariado corporativista é o maior inimigo do livre-mercado, e o maior sustentador dos coletivismos mundo afora (haja visto George Soros).

      O que não significa que não devamos lutar, até porque a alternativa é a capitulação, e a capitulação nada mais significa que a servidão, a escravidão eterna.

      Abç.

      JJJ
      Veterano
      # 28/fev/18 10:40 · Editado por: JJJ
      · votar


      Bom... ao contrário de vocês brigando para defender o lado A ou B (ou Z), e depois de muita cabeçada política, hoje eu acredito MESMO é no bom governo. Só isso: honestidade e competência.

      Caguei se o partido é (ou se diz) de esquerda, de centro, de direita, de cima ou de baixo...

      O que faz a diferença é o bom governo. Mesmo a questão democrática, pra mim, é meio que segundo plano, já não acredito muito nela também. Se pudermos ter um eleito bom, tanto melhor, mas entre o eleito safado e o assim chamado bom ditador (ou monarca, pra suavizar um pouco e evidenciando a minha preferência), fico com o bom.

      O resto é quimera, ilusão, fantasia, falácia, demagogia, ideologia vã e furada, sempre a serviço de segundas intenções, tanto de um lado, quanto do outro (e vou tomar porrada de ambos... porque, no fundo, o interesse é o mesmo: poder).

      entamoeba
      Membro Novato
      # 28/fev/18 11:00
      · votar


      Livre-mercado é uma utopia juvenil.

      Lelo Mig
      Membro
      # 28/fev/18 11:04 · Editado por: Lelo Mig
      · votar


      MMI

      "Ele pode ser pouco conhecido aqui, mas foi votado como o segundo psicólogo mais influente do mundo..."

      O "mercado de pensadores" andava meio parado. Muitas teorias repetitivas, ou velhas filosofias requentadas... Principalmente no campo do comportamento e na economia.

      A economia tá devendo ainda... Mas no campo comportamental, tem surgido pensadores com abordagens bastante interessantes; pontos de vista inovadores e analises mais estruturadas em pesquisas cientificas do que somente opinião ou pseudo ciência.

      Este Dan Ariely é um feliz exemplo desses novos pensadores.


      Felipe Stathopoulos

      Ok...apenas fique atento!

      A "escravidão perfeita" é justamente aquela em que você "serve" acreditando ser um homem livre e que a vida que vc leva é fruto de suas escolhas.

      entamoeba
      Membro Novato
      # 28/fev/18 11:07 · Editado por: entamoeba
      · votar


      O mito que a sua remuneração equivale ao valor que você produz é a chave do engodo liberal.

      Se um sujeito faz um avanço técnico que não tem valor hoje, mas que mudara a forma que a humanidade viverá daqui a 50 ou 100 anos, ele morrerá sem receber o devido reconhecimento (ex: pesquisa básica).

      Por outro lado, as ratazanas, que vivem de especulação e não produzem nada a não ser instabilidade econômica, e que se alimentam da ansiedade de consumo, conseguem ser extremamente bem remuneradas.

      É esse o senso de justiça dos liberais delirantes! Para eles, está tudo certo!

      entamoeba
      Membro Novato
      # 28/fev/18 11:24
      · votar


      Felipe Stathopoulos

      Individualismo é a ilusão de que os méritos (ou deméritos) de uma ação pertencem exclusivamente a quem realizou esta ação.

      Se foi Isaac Newton que realmente disse a seguinte frase, é porque ele reconhecia que nenhum grande avanço é o resultado de uma ação individual:

      "Se eu enxerguei mais longe, é porque estava sobre os ombros de gigantes"

      Se tem dúvidas de que o individualismo é balela, vamos excluir a variável social para medir o poder do indivíduo: jogue o seu gênio liberal favorito, em uma versão recém nascida, no meio do mato e veja o que ele é capaz de fazer sozinho.

      Sem ser acolhido por uma sociedade e sua cultura milenar, o indivíduo não é nada! É por isso que todo o ser vivente que faz algo, o fará porque é produto de um contexto social. É porque obteve, DE GRAÇA, de tecnologias básicas, como a linguagem, até recursos propiciados pela forma que nos estruturamos socialmente, como a família e tudo o que ela oferece.

      Xeque-mate!

      Felipe Stathopoulos
      Membro Novato
      # 28/fev/18 11:26 · Editado por: Felipe Stathopoulos
      · votar


      entamoeba

      Amigo, num fala besteira, algumas das maiores instituições de pesquisa básica do mundo contam com financiamento 100% privado...

      E o fato do homo sapiens ser um animal gregário não implica que ele deva ser escravo do seu grupo social.

      Xeque-Mate!

      Beto Guitar Player
      Veterano
      # 28/fev/18 11:35
      · votar


      ao contrário de vocês brigando para defender o lado A ou B (ou Z)
      JJJ

      E tudo isso porque a Gibson está falindo...

      Sou da opinião que o povo tem o governo que merece.
      Todo mundo enche a boca para falar que todos os políticos são corruptos e que só sabem roubar dinheiro do povo, mas a maioria dessas mesmas pessoas, sempre que têm oportunidade, querem se dar bem em cima de outras pessoas.
      Somos mesquinhos e pensamos apenas no bem próprio, por que os políticos seriam diferentes? A maioria que critica, trocaria seu voto por espelhinhos, apitos, colares e chocalhos .
      Acho sinceramente que deveríamos entrar em um novo regime militar.

      Lelo Mig
      Membro
      # 28/fev/18 11:38 · Editado por: Lelo Mig
      · votar


      entamoeba

      As pessoas acreditam nas teorias positivistas da "sopa de pedras" e no discurso de que ser explorado é mimimi de perdedor. Costumam gostar de gente "vencedora" que se usa como exemplo.

      A gente só percebe o equívoco de algumas teorias com a vivência... Na prática e maturidade.

      Exemplo:

      A vida inteira tive uma visão "tradicionalista" em relação a propriedade privada, por exemplo, e o verdadeiro tabu, quase religioso, em torno dessa questão.

      Até mudar para uma pequena cidade rica do interior de São Paulo, onde metade dela é de vagabundos, herdeiros, gente que não trabalha, não emprega, não paga impostos, e vive da especulação de bens conquistados por seus avós e que defendem seu "direito a propriedade".

      Empresarios e trabalhadores, a indústria e comércio locais são altamente prejudicados pela especulação imobiliaria local e estes "herdeiros", obviamente, estão no poder e empregaram a família na prefeitura.

      Hoje, sou à favor de arrancar estes bens na marra e meter todo mundo na guilhotina....kkkkk.

      Pena que sabemos que ao "tirar na marra" passa para mãos tão ou mais ruins.

      E, infelizmente, este ciclo nos torna sem ideais.

      Felipe Stathopoulos

      "as maiores instituições de pesquisa básica do mundo são privadas, com financiamento 100% privado..."

      Sim... Financiando as pesquisas rentáveis que interessam a um pequeno grupo que visa somente o lucro e centenas de cientistas brilhantes, mundo a fora, estão sem investimento para suas pesquisas (afinal coisas como cura de algumas doenças não interessa a ninguém) porque os governos no mundo todo tem investido cada vez menos em ciência nas ultimas décadas.

      É curioso um "liberal" não "perceber" que a ciência e a educação decresse na mesma velocidade em que as religiões se proliferam... Ou achar isso "natural do mercado".

      Infelizmente, meu amigo, a utopia esta em acreditar que uma sociedade possa ser feita somente pelo que é rentavel financeiramente.

      Infelizmente, é necessário alguma solidariedade, algum altruísmo, algum idealismo... Que são sentimentos sociais e não individuais.

      Existem coisas, como saúde, que não dão lucro. Não podemos deixar um nenem morrer de fome ou doença por causa da ineficiência de seus pais. Alguém terá de arcar com isso. Uma sociedade "privada" não quer pagar a conta... É onde entra o "assistencialismo"... Queiramos ou não.

      Mas sigamos... Em comum, ambos temos que sobreviver honestamente e, aparentemente, nenhum contentamento com o estado atual das coisas.

      entamoeba
      Membro Novato
      # 28/fev/18 12:17 · Editado por: entamoeba
      · votar


      Felipe Stathopoulos
      Amigo, num fala besteira, algumas das maiores instituições de pesquisa básica do mundo contam com financiamento 100% privado.

      Você não entendeu o que foi colocado em questão, amiguinho. Pesquisadores não recebem salários de jogadores de futebol, concorda? Meu ponto é que a relevância social dos feitos é desproporcional a remuneração. Tem que ser uma toupeira para não concordar comigo.

      E o fato do homo sapiens ser um animal gregário não implica que ele deva ser escravo do seu grupo social.

      Que sentença vaga! Me explique o que é "ser escravo do seu grupo social" e como alguém que se diz liberal conseguiria "se libertar" dessa escravidão?

      Lelo Mig
      Ao contrário de alguns radicais de esquerda, penso que existem outros caminhos para a transformação que não a revolução. Para começar, seria necessário instrumentalizar o cidadão para que ele não ceda aos fanatismos. É impressionante como essas doutrinas provocam encantamento, a ponto das pessoas se tornarem agressivas para defender vieses políticos que elas mal compreendem (tanto à direita, quanto à esquerda).

      Uma das parábola favoritas dos liberais diz que "quando a maré sobe, os barcos sobem juntos". Contudo, esses, desprovidos de poder político e arremediados financeiramente, não se tocam que a desigualdade econômica só aumenta enquanto eles têm pequenos ganhos. Essa desigualdade chegou em um nível que inviabiliza a democracia - estamos em um estágio em que o poder político foi comprado pelo poder econômico.

      Mauricio Luiz Bertola
      Veterano
      # 28/fev/18 12:32
      · votar


      Felipe Stathopoulos

      Entenda o marxismo em um minuto:

      https://mises.org.br/Article.aspx?id=1409

      Kkkkk...
      Instituto Von Mises!!!
      KKKKKKKKKKKKKKK

      makumbator
      Veterano
      # 28/fev/18 12:36
      · votar


      Ah, então vocês todos decidiram continuar desvirtuando o tópico? Virou o OT isso aqui? Vou começar a trollar like a hurricane e vou chamar o BF e a ala crente do off topic pra dar uma agitada.

      Lelo Mig
      Membro
      # 28/fev/18 12:45
      · votar


      entamoeba

      "Ao contrário de alguns radicais de esquerda, penso que existem outros caminhos para a transformação que não a revolução."

      Concordo com você. Eu brinco com essa coisa de "meter o louco" e guilhotinar todo mundo, apenas de forma simbólica e provocativa.

      Mas hoje, no alto de meus 55 anos, acredito em uma única solução/revolução:

      O investimento maciço em educação, cultura e ciências.

      Educação cientifica racional, de qualidade e totalmente isenta de filosofias políticas de esquerda ou de direita.

      MMI
      Veterano
      # 28/fev/18 12:58
      · votar


      entamoeba

      Me explique o que é "ser escravo do seu grupo social"

      Eu sou escravo do meu grupo social e não tô nem aí... Eu não sei, nem quero saber, como viveria sem luz elétrica, água, comida do supermercado... Não saberia como me divertir ouvindo as músicas que meu grupo social gravou, ou tocando a guitarra que meu grupo social produziu, com o amplificador, a luz elétrica, o conhecimento. Se isso é escravidão, então a música está morrendo com esta ideologia libertária. :(

      Lelo Mig
      Membro
      # 28/fev/18 13:21
      · votar


      "Vou começar a trollar like a hurricane..."


      Cuidado! O makumbator é membro ativista do Norwegian Inner Circle e tá querendo tocar o terror no tópico.

      MauricioBahia
      Moderador
      # 28/fev/18 13:53
      · votar


      makumbator: Vou começar a trollar like a hurricane

      Você disse "like a hurricane" e meu deu uma saudade FDP do Neil Young. Ele fazia solos toscos, na minha opinião, em algumas ocasiões, mas eram tão vicerais que dava pra sentir cada erro como se fosse meu! Aquela coisa de entrar na música. Acontece também com filmes muito profundos.

      Essa verticalidade, que nos eleva até o céu infinito e também até o mais profundo, é que talvez falte hoje e por isso algumas coisas estão morrendo. Falta transcendência, e só dá para conhecer a verticalidade quando a pessoa ou artista está no estado de espírito muito elevado, no mundo da poesia, da arte. Um mundo que não pertence à ninguém e nada domina. Um mundo além disso aqui.

      Só sei que músicas não morrem!

      Abs

      Lelo Mig
      Membro
      # 28/fev/18 15:48
      · votar


      MauricioBahia

      "do Neil Young. Ele fazia solos toscos, na minha opinião, em algumas ocasiões, mas eram tão vicerais que dava pra sentir cada erro como se fosse meu! "

      O Neil Young é algo incrível né?

      Não falo do compositor, mas do guitarrista. Ele não teria a mínima chance mediante as exigências tecnicas de hoje... Seria massacrado.

      Aí, imagina a vida, sem o solo todo torto de "Down By The River"? Não teria o menor sentido....

      makumbator
      Veterano
      # 28/fev/18 15:50
      · votar


      MauricioBahia
      Lelo Mig

      A única bola fora do Neil Young é aquela empresa e tocador de música "hi-fi" que ele criou e flopou.

      MauricioBahia
      Moderador
      # 28/fev/18 15:54 · Editado por: MauricioBahia
      · votar


      Lelo Mig

      Incrível!

      Aí que tá. Não era um solo. Era ele. O solo era a alma dele impregnada ali. Não tem como fazer isso mecanicamente.

      É por isso que muito clássicos solos de clássicos que conhecemos foram gravados no 1º take ou nos primeiros, se não me engano. Ou, pelo menos, grande parte desses solos foram criados sem uma "formatação" pré-concebida. Foram criados livremente, sem muita "mente", e por isso estão soltos por aí até hoje! haha

      Abs

      MauricioBahia
      Moderador
      # 28/fev/18 15:55
      · votar


      makumbator: A única bola fora do Neil Young é aquela empresa e tocador de música "hi-fi" que ele criou e flopou.

      Tô por fora dessa. Vou perguntar ao Google!

      :-)

      Beto Guitar Player
      Veterano
      # 28/fev/18 19:40
      · votar


      Voltando ao assunto original do tópico, segue uma notícia que acabei de ver. Ficou bem vago e não parece muito embasada, mas acho bem possível.

      Lelo Mig
      Membro
      # 28/fev/18 21:26
      · votar


      Beto Guitar Player

      Sem dúvida que sempre há especulação. Ainda mais em internet, onde o jornalismo praticado, é no geral, bastante sensacionalista, amador e pouco comprometido com a verdade.

      Mas, estas notícias eclodiram justamente pela situação atual da Gibson.

      E não é preciso muita atenção para perceber que a música, como conhecemos, e nos habituamos a fazer, atravessa um momento preocupante.

      Mas, sei lá, talves isso seja bom...

      makumbator
      Veterano
      # 28/fev/18 22:22
      · votar


      Beto Guitar Player

      Que eu me lembre, não era só da Gibson não. Eu li o artigo original do WP. Mas vou rever lá pra ter certeza.

      makumbator
      Veterano
      # 28/fev/18 22:29
      · votar


      Beto Guitar Player

      Eu revi o artigo, e como eu pensava, não era só sobre a Gibson. Aliás, nem era apenas sobre a vendagem do instrumento (também tem a parte sobre a queda de popularidade da música com guitarra em primeiro plano, com exemplo do Spotify).

      Na questão de vendas tem dados da Gibson (e como um todo, não apenas a marca principal. Então tem Epiphone também), Fender (Fender, Squier, Jackson), PRS (que estava em queda nos últimos anos e teve uma melhora recente) e a Guitar Center.

      Acho que o cara desse artigo que você mostrou se baseou em outro artigo em português que se concentra nos problemas da Gibson, que são os mais graves, ao lado da Guitar Center.

      JJJ
      Veterano
      # 01/mar/18 08:53 · Editado por: JJJ
      · votar


      Beto Guitar Player
      segue uma notícia que acabei de ver.

      Achei meio rasa essa análise. O artigo do WP não é só sobre a Gibson.

      Beto Guitar Player
      Veterano
      # 01/mar/18 09:04
      · votar


      Então pessoal, o que eu acho estranho é que a notícia partiu justamente quando a Gibson "anunciou" crise em suas vendas.

      No entanto, como o próprio Bertola me respondeu, há um crescimento exponencial nas vendas de instrumentos nos últimos anos. O fato de a Gibson perder mercado pode sim ser por causa do aparecimento de tantas outras opções economicamente mais viáveis.

      E no Brasil, (eu acho) sensacionalismo puro, já que a Gibson sempre foi voltada para um nicho muito específico.

      Eu só estou levantando essas questões porque quero entender e ter uma ideia geral de mercado e se a guitarra está realmente declinando. Se as vendas caíram nesse ramo e não no mercado geral, então o problema é na música em si, mas se a queda é geral, então é apenas um efeito da crise de mercado.

      Não estou dizendo que a música não piorou em sua essência e que o uso da guitarra não deixou de ser tão relevante como antigamente, mas porra, a guitarra continua lá, firme e forte em praticamente todo estilo musical.

      Enviar sua resposta para este assunto
              Tablatura   
      Responder tópico na versão original
       

      Tópicos relacionados a A guitarra está morrendo lentamente?

      306.083 tópicos 7.902.075 posts
      Fórum Cifra Club © 2001-2018 Studio Sol Comunicação Digital