Bandas perdem espaço para artistas solo e duplas

Autor Mensagem
Ismah
Veterano
# fev/15
· votar


jprpfera

No melhor estilo ZZ Top hehehe


Headstock invertido
Você pesquisa e conhece uma puta banda do noroeste da Macedônia. Mas nunca vai ter o gostinho de ver essa banda ao vivo, porque eles obviamente nunca vão crescer o suficiente pra excursionar no exterior.

Talvez. Eu conheço o Epica a ao menos 10 anos, chutaria 12, mas não tenho certeza. Em abril vão fazer show no Bar Opinião em PoA...

Xeper
Veterano
# fev/15
· votar


Eu conheço o Epica a ao menos 10 anos

O Epica é uma banda grande no meio... e eles já vieram para o Brasil uma porrada de vezes.
Ai vc pega um Vektor, que fez dois discos maravilhosos de thrash metal e são praticamente independentes. Ok, consigo comprar os plays no site deles e até mantenho contato com o pessoal da banda... mas show no bananão é uma coisa impossivel no momento.
Até se eu viajar pra terra do tio sam vai ser meio dificil ver shows dos caras.
Acho que é isso que o Headstock quis dizer, mata uma experiencia completa com a banda

Mauricio Luiz Bertola
Veterano
# fev/15
· votar


Headstock invertido
Xeper
Concordo com vcs...
Abçs

Headstock invertido
Veterano
# fev/15
· votar


Ismah
Tá de brincadeira, cara? O Epica é completamente mainstream. Do nível dos gigantes do estilo. São assinados pela Nuclear Blast há 8 anos.

Estou falando de bandas realmente pequenas.

Conheço, pela internet, bandas incríveis da Escandinávia, mas que jamais serão grandes o suficiente pra sair do independente, serem contratadas por uma grande gravadora internacional, lançar disco oficial e fazer turnê no exterior, incluindo a América do Sul.

Ismah
Veterano
# fev/15
· votar


Headstock invertido

Aí que está... Mas eles já foram pequenos... Não nasceram grandes :)

Headstock invertido
Veterano
# fev/15
· votar


Ismah
Mas cresceram. Tu ainda não entendeu bem. Estou falando de você conhecer uma banda, adorar o som dela, mas ter que se contentar com o mp3. A banda encerra as atividades e não chegou nem perto de sair do seu país de origem, quanto mais vir pro Brasil pra tu poder ver um show dos caras.

Vi incontáveis bandas underground que eu conhecia pendurarem as luvas sem sair do buraco do anonimato. Conheci elas graças à internet, mas jamais tive a mínima chance de ver um show.

f14gomes
Membro
# fev/15 · Editado por: f14gomes
· votar


Sempre fiquei bolado com esses artistas (leia-se vocalistas) que cresceram e apareceram com uma banda e depois partiram pra carreira solo tocando a mesma coisa. Agora, com os comentários de vocês nesse post, pude entender um pouco. Mas ainda acho sacanagem...

E fiquei pensando o seguinte, como os músicos, que alavancam esses cantores, podem se proteger de serem jogados pra escanteio com uma mão na frente e outra atrás de uma hora pra outra?
Seria no registro das músicas? (não entendo nada dessa parte).

Eu sei que, no meio popular, de modo geral, a voz está sempre na frente (como já citaram aqui), mas nós que gostamos de música sabemos que todo o arranjo influência no resultado final. Então é f0#@ o cara trabalhar naquela criação, na linha de baixo, levada de batera, solo de guitarra, ou seja lá o que, pra depois qualquer um tocar aquilo e o cantor lucrar sozinho.

Headstock invertido
Veterano
# fev/15
· votar


f14gomes
Existe a profissão de músico de estúdio. Um pessoal que ganha a vida, entre outras coisas, fazendo arranjos para músicas de terceiros por encomenda ou criando músicas pra alimentar um portfólio pessoal pra depois vendê-las. Eles criam e vendem, cedendo os direitos da parte musical ao comprador.

Mas é muito variável. Nos termos de um contrato, tudo é possível. mas tá lá. O cara assina se tiver de acordo.

Ismah
Veterano
# fev/15
· votar


Headstock invertido

Ah sim sim... Mas minha colocação foi pra dizer que algumas saem do burraco negro, chamado anonimato.

Julia Hardy
Veterano
# fev/15
· votar


"foda-se, existem milhões de bandas boas hoje em dia e basta usar a internet"

De fato. Por outro lado, nenhuma banda faz a carreira SÓ pela internet. Precisa ter alguém botando dinheiro ali. Tem um monte de grupo de pagode, funk e dupla sertaneja que sequer aparece na televisão ou no rádio, mas, tem a agenda lotada e ganha uma baita grana.

Adler3x3
Veterano
# fev/15 · Editado por: Adler3x3
· votar


f14gomes
Nunca registrei nenhuma composição minha.
Mas estou para fazer isto, e estou estudando como funciona.
Ainda não domino o assunto.
Além do registro na Biblioteca Nacional e outros serviços correlatos, tem o registro da obra no CD que é eletrônica.
Todos o que participaram da composição da música em si devem ficar atentos, quanto a estes registros.
Na pressa, por questões de simplificação e ignorância mesmo os registros podem ficar errados, e alguma pessoa pode se aproveitar disto.
Tem que existir transparência nas informações dos registros, e todos que tem direito a alguma espécie de crédito devem ter acesso as informações que foram registradas.
Podem fazer algumas gravações, que depois na hora de colocar a venda na internet, pode dar problemas, pois no cd, ou no arquivo digital, consta o proprietário que não é da banda, e assim não vão conseguir receber nada, ou para receber vão ter que dar mais dinheiro para o estúdio.

Assim todo o cuidado é pouco, os compositores da obra tem que estar atentos, para não serem passados para trás.
Tem estúdio picareta que faz todo o serviço, mas na hora de colocar as informações dos direitos (do cd), colocam no nome deles, seja por ignorância e falta de experiência, seja por desonestidade.
Então o próprio compositor/banda tem que fazer isto para evitar ser enganado.
E no caso do serviço for prestado por outro exigir comprovação da documentação registrada, que facilite até uma confirmação dos dados.

Quanto a questão da composição em si: letra, música, solos, arranjos é bem complicado, tem que haver um acordo entre os músicos.
É difícil entender o que é uma mera participação, do que é ter direito da composição, por exemplo o guitarrista no primeiro ensaio da música pode ter criado os solos, o baterista as viradas e assim por diante com os outros músicos.
E fica a pergunta até que ponto o que eles gravaram faz parte da composição ou não?
Ou até um músico que tenha participação na gravação, mas como mero acompanhante, depois pode vir a querer exigir outros direitos.
Acho que a solução é estar tudo bem documentado com contratos, prevendo tudo nos mínimos detalhes.

A música é sublime, mas os músicos não, infelizmente tem muita gente desonesta no nosso meio.

Lelo Mig
Membro
# fev/15 · Editado por: Lelo Mig
· votar


f14gomes
Adler3x3

Tenho várias músicas registradas.

Não há registros de "solos ou viradas de bateria". O que você registra na Biblioteca Nacional é um registro simples. Partitura com harmônia (base) e linha melódica principal (normalmente a linha vocal) e a letra.

Nessa linha melódica geral a banda pode decidir o que entra. Então, imagine, por exemplo, Sweet Child O Mine: O solo/riff inicial poderia estar ou não na mesma partitura da melodia vocal. (aquilo que você faria assoviando)!

O que é protegido é esta linha melódica principal, seus acidentes e tempos e o resultado disso, ou seja a música, e não as "notas musicais" .

Do,Do,Ré,Do,Fá,Mi,Do,Do,Sol... É "parabéns à você", e mesmo que você mude de tom (alterando as notas), continua sendo parabéns à você.

Obs: Só citei como exemplo, porque Parabéns... não mais possui direitos protegidos.

Então o que muita banda faz, para resolver isso?

Composição de Ciclano, Fulano e Beltrano.......ou seja, não é preciso especificar quem fez o que.

Agora, se for caras muito chatos, que vão dizer: Fulano só fez o solo, ou seja, 3% da música, terão de "minutar" tudo em contrato à parte registrado.

Mas, tá na cara que uma banda com caras desse naipe, não vai passar do primeiro CD.

Abç!

Obs 2: Mas, no exemplo de Sweet Child, se o solo inicial não foi registrado, posso copiá-lo?

Não, porque o registro sonoro têm validade legal. Slash só se ferra se alguém aparecer com uma partitura registrada com data anterior a gravação.

f14gomes
Membro
# fev/15
· votar


Headstock invertido
Adler3x3
Lelo Mig
Obrigado pelos esclarecimentos pessoal.

O que você registra na Biblioteca Nacional é um registro simples. Partitura com harmônia (base) e linha melódica principal (normalmente a linha vocal) e a letra.

Pensei que era partitura de tudo que compõe a música. Mas podem haver excessões né?! (pensei agora, numa obra, como as clássicas, que tem várias "vozes" (melodias) que se complementam).

Composição de Ciclano, Fulano e Beltrano.......ou seja, não é preciso especificar quem fez o que.

Isso que eu tinha pensado só não me expressei bem.

Então, imagine, por exemplo, Sweet Child O Mine: O solo/riff inicial

Seu exemplo foi exatamente o que eu queria, porque tratou de um trecho muito marcante da música em questão. Qual a importância dele na música? Não sei. Mas sei que tem uma certa versão desta música, sem essa intro/riff, que não me emociona como a original.

f14gomes
Membro
# fev/15
· votar


Devem ser por essas terceirizações em demasia que as músicas de todos esses solistas e duplas soam tudo igual para mim.
Não que quem cria e vende não tenha talento, tem muito.(se eu tivesse também o faria). Assim como quem é pago só para gravar/tocar, como foi dito, também são profissionais muito mais experientes do que aquela banda que surgiu a pouco da garagem. Mas acho que uma banda pode ser mais "rica", na composição, a medida que role um processo criativo em cooperação.
São poucos os que compõem suas próprias canções e os que sobram não devem durar muito...

Adler3x3
Veterano
# fev/15 · Editado por: Adler3x3
· votar


Lelo Mig

Obrigado pelos comentários.

Outro dia destes estava navegando pela Internet e fiquei surpreso com uma informação, que parabéns para você ainda é protegida. (não sei garantir a origem da informação).

Edit: na wikipedia consta que a música esta protegida, e vai se tornar de direito público somente em 01/01/2017. (isto no Brasil, nos EUA em 2.030)

http://pt.wikipedia.org/wiki/Parab%C3%A9ns_a_Voc%C3%AA

makumbator
Veterano
# fev/15
· votar


f14gomes

Vc pode registrar partitura completa com a linha de cada instrumento perfeitamente escrita ou da maneira que o Lelo comentou ( que é o registro mais "sintetizado" da ideia musical da obra). No caso de um registro detalhado estará protegido aquele arranjo em particular também.

Música erudita é registrada da primeira maneira (com tudo devidamente transcrito e não um "resumo" da ideia geral da peça).

Já fiz esse serviço de transcrição e de orientação do registro de obras para outras pessoas.

Lelo Mig
Membro
# fev/15 · Editado por: Lelo Mig
· votar


f14gomes

Cara... importante: O que o makumba escreveu!

Veja bem, pense de forma simples...numa música como "Sweet Child", nada além da melodia principal (o que se pode assobiar), e a letra, precisam ser protegidos. Na verdade nem tem como. A sequência de acordes é comum, a batida é usada em qualquer balada.... os seja, é lugar comum, consenso, 9 entre 10 baladas. Pode até registrar, mas não significará nada. Não existe meio legal de um baterista processar outro, mesmo que ele tenha registrado o "chá com pão", porque o "popular" muitas vezes, juridicamente, se defronta com o valor de "sem autor", "sem propriedade", "expressão coletiva".

Já no Universo erudito, trilhas sonoras e etc., a coisa é muito diferente. Essa "massa" sonora que se identifica como um todo, ou principal, na maioria das vezes são várias melodias ou trechos melódicos, intercalando-se, ou fundindo-se, entre variados instrumentos/vozes.

É necessário uma notação sinfônica, mostrando todas, ou pelo menos as principais vozes. Mesmo "harmônia" em sinfonia não é um ou outro instrumento fazendo acordes..... muitas vezes os acordes são feitos por vários instrumentos, a somatória de notas individuais em instrumentos diversos, constroem a harmonia. (explicação de forma grosseira, só para elucidar).

Adler3x3

Se o autor ganhasse R$0,001 centavo, cada vez que alguém cantasse, teria mais capital que uma nação de primeiro mundo.

f14gomes
Membro
# fev/15
· votar


makumbator
Lelo Mig
Valeu caras!!!

Lelo Mig
A minha dúvida não foi no sentido de proteger a obra para não ser roubado. Foi no sentido de entender como funciona, para os músicos, na situação em que uma música é composta por uma banda mas depois o vocalista sai da banda para fazer carreira solo cantando as mesmas músicas da banda. O que tem relação com o tema do tópico. (antes que alguém acuse-nos de desvirtuamento).

E você já me esclareceu:

Então o que muita banda faz, para resolver isso?

Composição de Ciclano, Fulano e Beltrano.......ou seja, não é preciso especificar quem fez o que.

Agora, se for caras muito chatos, que vão dizer: Fulano só fez o solo, ou seja, 3% da música, terão de "minutar" tudo em contrato à parte registrado.


Lelo Mig
Membro
# fev/15
· votar


f14gomes

O que é muito comum... comum mesmo, é no início, quando todos são amigos e cheios de "love", colocarem autoria conjunta.... depois, quando brigam, ficam lavando cueca na imprensa, dizendo que fulano não criou o riff tal, ou que a letra Y era do vizinho da namorada do roadie e etc.

De Beatles a Pink Floyd, quase todos lavaram roupa suja. Mas, essa parte de direitos, quase nunca têm alteração judicial.

Uma vez registrada num orgão competente ou grafada no álbum, tem validade documental quase que irrevogável.

Abç!

Ramsay
Veterano
# fev/15
· votar


Existem diversas duplas sertanejas em que um dos dois (o cabeça) leva tudo e o outro, recebe um salário fixo bem inferior ao que o cabeça ganha.

Não vou citar nomes, pq não estou a fim de ser processado, mas essa é a realidade dos fatos, e que frequentemente leva o outro membro da dupla a beber e se dizer injustiçado, porque afinal, ele estava ali e fazia parte da dupla quando ela foi formada.

Lelo Mig
Membro
# fev/15
· votar


Ramsay

Se bem que, sejamos honestos, 90% das duplas sertanejas que conheci pessoalmente, um canta e o outro tá lá de favor. Ou é o irmão desempregado, amigo de infância, têm irmã gostosa, o pai é dono do buteco ou da fazenda, mas não canta poha nenhuma....rs.

Existem exceções, claro, posso citar Chitãozinho e Xororó.
Xororó canta muito, até da a impressão que o Chitão não canta nada... mas não é a real, ele canta bem, além do que é o responsável por todo o sucesso comercial da dupla, porque o Xororó só canta, se tivesse de vender um picolé no deserto a dupla tava funhanhada!

Rednef2
Veterano
# fev/15
· votar


Lelo Mig
Digamos que uma banda lança um álbum, mas ninguém registra as músicas em cartório.

O CD vale como "documento" pra proteger os direitos autorais?

entamoeba
Membro Novato
# fev/15
· votar


A última dupla que preste que tenho conhecimento foi Simon e Garfunkel...

makumbator
Veterano
# fev/15 · Editado por: makumbator
· votar


Rednef2

O problema é determinar não apenas quem compôs o que no disco (nem sempre isso está perfeitamente descriminado), mas também quando o mesmo foi lançado(afinal eu posso criar uma arte de CD colocando o lançamento em 2005, mesmo que tenha sido feito apenas em 2010, por exemplo).

Claro que o CD é algo que pode ajudar em um processo, mas o registro correto não é em cartório, e sim nos órgãos competentes:

Divisão de música da biblioteca nacional ou Escola de música da UFRJ

Lelo Mig
Membro
# fev/15
· votar


Rednef2

Como o makumbator falou, não é cartório! E sim na biblioteca Nacional e demais orgãos competentes. Inclusive a letra vai anexa ou na própria partitura.

"O CD vale como "documento" pra proteger os direitos autorais?"

O registro da biblioteca é o registro documental oficial. O CD vale, é um registro material, mas não é "prova" de autoria. Ou seja, teoricamente poderá ser contestado.

Enviar sua resposta para este assunto
        Tablatura   
Responder tópico na versão original
 

Tópicos relacionados a Bandas perdem espaço para artistas solo e duplas