os grandes violonistas clássicos decoram as musicas pelas as notas ou as posições dos dedos?

Autor Mensagem
acabaramosnicks
Membro Novato
# 20/mar/20 12:57
· votar


Acho que todo mundo aqui já deve ter vstio auqelse txteos odne os caras invertem todas as letras de todas as palavras e vc consegue ler mesmo assim. No início tu estranha, no final do texto vc já lê com a facilidade de um texto qualquer.
Isso porque teu cérebro observa o objeto todo e já sabe o que é.

Quando se aprende a ler partitura, algo semelhante acontece. Depois que o cara lê trezentas partituras muitas vezes, alguns padrões de notas lhe são familiares, o cara bate o olho e já sabe o que é o quê EM BLOCOS, não precisa ler nota a nota. É algo que o cérebro faz naturalmente.

Tem um vídeo do Adam Neely que fala sobre esse tema.

O músico de orquestra, que ensaiou cem vezes sozinho, mais cem vezes com naipe, mais cem vezes a orquestra toda, e fez esses trezentos ensaios DEPOIS de ter aprendido a tocar a obra, têm a música decorada e partitura como lembrete e referência, assim como um apresentador de programa de variedades ou âncora de telejornal tem um papelzinho com a "cola" com alguns pontos principais que o lembram de assuntos e dados que ele vai falar. Ele já sabe o que falar, o texto está pronto e ele o conhece, tem a telinha rodando o texto caso seja necessário acompanhar, e o cara bate o olho na cola de vez em vez só pra ter certeza.

acabaramosnicks
Membro Novato
# 20/mar/20 13:02 · Editado por: acabaramosnicks
· votar


StratovariaCaster
Tem diferença sim, até pq no culto nao toca Marília Mendonça. Música tem várias vertentes, tudo é música mas nem tudo se utiliza no mesmo contexto
Depois nego nao sabe pq tem 1 topico aqui de 30 paginas chorando as pitangas que o forum ta morrendo...

Grande equívoco.
Um bom arranjador (compositor) vai fazer um bom arranjo dando à música o que se espera dela. Se é música cristã, secular, se é sertanejo raiz, se é universitário, ele vai analisar o que a música precisa e vai dar isso a ela. Não precisa ser evangélico pra fazer música para evangélicos.

No culto não toca marília mendonça, mas um bom instrumentista pode tocar com competência tanto no culto como na banda da marília mendonça. A mesma coisa acontece com os outros profissionais da música: o montador de palco, o roadie, o arranjador, etc.

Ismah
Veterano
# 20/mar/20 15:39 · Editado por: Ismah
· votar


Não precisa ser evangélico pra fazer música para evangélicos.
No culto não toca marília mendonça, mas um bom instrumentista pode tocar com competência tanto no culto como na banda da marília mendonça.

Minha vivência diz que em ambos os casos, grandes artistas abrem mão do puritanismo nessa hora. Dos shows (com venda de ingresso, inclusive) que participei, de artistas com temática sacra, acredito que mal e porcamente o artista "era gospel", digo evangélico.
Quiçá praticante. É só fazer a conta... 20 shows / mês na agenda. Haja disposição pra fazer show. O vivente é uma celebridade, simplesmente ia causar A BADERNA na igreja, onde os fãs/fiéis iam querer tirar foto e tudo mais....

A ideia não é denegrir a imagem das igrejas*, tampouco enfrentar a fé individual. Apenas é preciso entender que o gospel virou um nicho do mercado, que é bastante grande. E isso se estende a música, que é onde tudo se origina...

Existe a questão estética. Provavelmente se perguntar pro roadie do MC Guimê, ele dirá que adora funk.
Se pegar a Maiara e Maraísa, não precisa perguntar, o cartaz fala por si só. Rob Halford aprova.
Se perguntar pra mim, quando com artista sertanejo, acho que sou capaz de dizer isso também**.
Faz todo sentido isso! Não é momento de discutir o que EU gosto. Ao meu entender, é para o expectador se sentir bem, e desfrutar do show... Vias de fato, não muda nada meu gosto pessoal - apesar de realmente haver receio por parte dos artistas. Principalmente o rock, pintou a caveira sozinho.

* Não preciso fazer isso, já conseguem isso sozinhas.

** Difícil é a pessoa acreditar, já que eu tô cada dia mais hibrido de Tom Araya, com Dusty Hill.

StratovariaCaster
Membro Novato
# 20/mar/20 16:40 · Editado por: StratovariaCaster
· votar


Se soubesse que isso iria virar discussão de religião eu teria repensado 10x a pergunta, rs. Mas vamos lá

Lelo Mig
Agora, se você quer dizer: "o arranjador têm de ser evangélico", aí é outra coisa.

Saquei, mas eu perguntei por "gospel" por causa do estilo em sí mesmo, é o tipo de musica que tenho mais contato e gostaria de ver algo nessa "área". Tipo o Natan citado aí, fez um arranjo pra música da Priscila Alcantra. Eu só queria ver mais coisas dentro do estilo mesmo... Não é preconceito nem nada do tipo. Se deu a entender isso, peço desculpas.
O arranjador pode crer no que quiser, não ligo rs.

acabaramosnicks

Grande equívoco.
Um bom arranjador (compositor) vai fazer um bom arranjo dando à música o que se espera dela. Se é música cristã, secular, se é sertanejo raiz, se é universitário, ele vai analisar o que a música precisa e vai dar isso a ela. Não precisa ser evangélico pra fazer música para evangélicos.


Mais uma vez, se deu a entender que eu queria que o cara fosse necessariamente evangélico/cristão, desculpa. Eu gostaria de ouvir mais versões de arranjos em música gospel, só isso...

No culto não toca marília mendonça, mas um bom instrumentista pode tocar com competência tanto no culto como na banda da marília mendonça. A mesma coisa acontece com os outros profissionais da música: o montador de palco, o roadie, o arranjador, etc.

Concordo com 100% do que disse. Músico é Músico oras
Temos aí o Mateus Asato como exemplo.
Longe de mim querer gerar debate de religião aqui, só queria ouvir/assistir mais arranjos específicos. No que tange ao "gospel" é um nicho de mercado como já foi dito aqui, e apenas achei que tivesse alguém que trabalhasse especificamente com isso. Obrigado a todos um abraço

Siruiz
Membro Novato
# 20/mar/20 17:48
· votar


Não acho que para isto exista uma regra, são vários tipos de memória atuando juntamente - a do som, a de melodia, de harmonia, de expressão, do tato, do movimento dos dedos, da volatibilidade da corda ou peso da tecla, visual, espacial, referenciais visuais que vc cria...


Enfim, as vezes só de tocar em outro ambiente, com outro instrumento, em outro banquinho, com outra partitura da mesma música... Etc, você já vai notar diferenças. É interessante observar grandes instrumentistas, mas nem tudo que Chopin faz Liszt vai saber fazer - e o mesmo vale pra você; é interessante observar a si mesmo e ver que vc deve ter talentos especiais em memorização e execução - se não o destino não teria lhe dado dentre a miríade de objetos que subsistem no mundo este específico violão...

Ismah
Veterano
# 21/mar/20 04:36
· votar


StratovariaCaster

Não é para ser ofensivo e não é pessoal - apesar do meu lado irônico, ceticista, e questionador de algumas atitudes dos auto-denominados "filhos de deus"... Principalmente no que é conceituado como tal...
Só que o histórico é longo - BEM LONGO. Se tem duas coisas que eu realmente evito é fazer pagode e gospel...
Sendo lá um artista grande, onde o profissionalismo domina, até vai. Evento de igreja, tem que pagar muito bem, e tenho que estar muito quebrado pra fechar...

O asco é por causa que só vem absurdos do lado religioso. Absurdos ainda mais absurdos que do secular. Muito pior que o brilho no microfone, é perguntar se o microfone é abençoado, ou que recebeu um sinal divino...
O mais clássico, que é querer ser preletor, e não saber usar a m****a de um microfone... Seja porque o cara grita, porque engole ele, ou porque o cara mira no umbigo... 9/10 não sabem usar um bastão, e o gooseneck é meio inútil pra locadoras que não tem foco em evento corporativo, logo não tem...

Enfim...

Saquei, mas eu perguntei por "gospel" por causa do estilo em sí mesmo, é o tipo de musica que tenho mais contato e gostaria de ver algo nessa "área"

Música gospel não é um "estilo" (gênero) de música.
Como bem deve saber, tem letras sacas arranjadas em forró pé de serra, sertanejo modão, música nativista gaúcha, funk carioca, rap, samba de roda e por aí vai...
Qualquer arranjador praticamente é capaz disso - pô, é o ganha-pão do cara! - mas não tem como prever se ele vai chegar no que tu espera... Isso é algo muitíssimo difícil... E tende a ser proporcionalmente ao tempo investido - aka o quanto quer pagar por isso... Não te assuste se algum deles pedir 4 mil, pra fazer isso...

Só pra dar de exemplo, o grupo BBH - Black Blues House, formado pelo guitarrista e baterista do duo Jorge e Mateus, com o baixista do Gusttavo Lima. Ele segue na onda do trabalho do que o Thales Roberto faz, algo entre o black, soul e funk...

achei que tivesse alguém que trabalhasse especificamente com isso

Difícil, já que o mercado secular é bem mais amplo. É provável que isso não

Enviar sua resposta para este assunto
        Tablatura   
Responder tópico na versão original
 

Tópicos relacionados a os grandes violonistas clássicos decoram as musicas pelas as notas ou as posições dos dedos?