Partituras de compositores contemporâneos / Livro "Notations" de John Cage

Autor Mensagem
makumbator
Veterano
# dez/07
· votar


J. S. Coltrane

morreu nada! É o mesmo que o historiador fukuyama disse após a queda do muro de Berlim, que a "história tinha chegado ao fim" tremenda bobagem...após 1989 muita coisa mudou(o 11 de setembro por exemplo foi um fato histórico de grande importância).
Apenas nos parece que a experimentação chegou ao fim, mas é porque temos os olhos dos tempos atuais(na época do Wagner muitos pensaram a mesma coisa), e não conseguimos ver com distanciamento o que acontece.

J. S. Coltrane
Veterano
# dez/07 · Editado por: J. S. Coltrane
· votar


Que nova técnica foi inventada? Que som não pode ser obtido no computador? Tenho minhas dúvidas.

Sobre esse negócio de fim da história, há quem defenda que o homem morreu, porque virou um mero suporte para relações mercantis e de poder que vivem através de nós.

Ps. Esse Fukuyama é um picareta. Hegel já falava de um futuro fim da história há muito tempo atrás...

fã de mp3
Veterano
# dez/07
· votar


J. S. Coltrane
Acho que não, hein! Talvez o compadre Dogs2 tenha dito "professor" num sentido mais amplo.


podemos dizer que a música erudita [assim como as 'artes clássicas'] morreu depois do modernismo?

Defina "morrer".

O que virá? Poliestilismo? Neoromantismo? Música interativa? Uma volta à tonalidade ou um passo além do atonal? Por que essa linha germânica de evolução em que tudo é um processo consciente e necessariamente não-retroativo (me fugiu a palavra)?

(E por que tantas perguntas sem resposta?)

makumbator
Veterano
# dez/07
· votar


J. S. Coltrane

Que nova técnica foi inventada? Que som não pode ser obtido no computador? Tenho minhas dúvidas


O próprio uso de computador na música pode se desenvolver em outros sentidos que não conhecemos ainda. Na verdade acho que como emulador de instrumentos não-eletrônicos, a informática ainda está muito atrasada. Os melhores simuladores de certos instrumentos não passam de sombras do instrumento real, e até por isso, acho mais insteressantes outros usos do computador na área musical, ou a criação de timbres novos. Mas a fusão informática e música ainda pode render muita coisa nova, com certeza!
Podemos fazer um exercício de futurologia e imaginar como seria uma fusão neural entre computador e cérebro humano no campo da música. Provavelmente algo novo poderia surgir daí. Mas pode surgir coisa nova descolada disso, em outros campos, mas se eu soubesse seria um gênio!!!!

J. S. Coltrane
Veterano
# dez/07
· votar


"morrer" no sentido de um esgotamento da técnica. Mesmo porque essas maluqices da música moderna não são executadas em salas de concerto, porque são peças difíceis de ouvir, cacofônicas. Só se toca música erudita composta até o início do século XX, como se não houvesse nada depois disso.

Dogs2
Veterano
# dez/07
· votar


fã de mp3
Acho que não, hein! Talvez o compadre Dogs2 tenha dito "professor" num sentido mais amplo.


não, Stockhausen já deu aulas pro Zappa mesmo, mas foram poucas. Zappa também já teve aulas em Viena e era colega de Julio Medaglia, tal... infelizmente não to achando mais informações na net, mas to procurando

fã de mp3
Veterano
# dez/07
· votar


"morrer" no sentido de um esgotamento da técnica

Se for isso, não chegamos nem à metade. (Isso me lembra um profeta míope que disse no séc. XIX algo como "tudo o que tinha de ser inventado já o foi".)


essas maluqices da música moderna não são executadas em salas de concerto

Quem disse isso?


Concerto para Violoncelo nº 2 - mov. I, de Shostakovich, composto em 1966




Synaphaï, de Xenakis, composta em 1969



p. 2: http://www.youtube.com/watch?v=L6YpYKPcEBQ


... Sofferte onde serene..., de Luigi Nono, composta em 1976



p. 2: http://www.youtube.com/watch?v=v35sjz6IBGg


Trois Strophes sur le Nom de Sacher, de Henri Dutilleux, composta em 1982




Metamorphosis I, de Philip Glass, composta em 1988




Isso foi o que pesquei do YouTube, há muito mais.


porque são peças difíceis de ouvir

Difícil é engolir o que a mídia (medíocre) oferece. Acontece que as pessoas têm alergia ao novo.

Concordo que não são peças assimiláveis à 1ª ouvida. Talvez as pessoas não tenham paciência. O fato é que dizer que música orquestral "parou no tempo" é um grande mito.


Dogs2
Sabia disso não.

makumbator
Veterano
# dez/07
· votar


fã de mp3

O concerto de cello do Shostakovich eu adoro! Peça muito boa. Era um dos preferidos do Rostropovich.

Xenakis nunca gostei muito, acho ele apenas ok como compositor...
Glass eu também gosto, apesar de achar as vezes um pouco limitado e repetitivo(ao contrário de outros minimalistas)
Nono gosto bastante. do Henri Dutilleux nunca escutei muita coisa, então nem conheço muito.

Aqui em Juiz de Fora, estão querendo montar uma opereta que foi escrita e estreiada no gueto de Varsóvia durante a ocupação nazista. O maestro contactou uma senhora polonesa(mas radicada no Brasil desde o fim da guerra)que cantou na peça dentro do gueto quando criança, e ela deu vários detalhes e deve estar na nossa encenação. Acho que vai ser legal!

fã de mp3
Veterano
# dez/07
· votar


makumbator
Pois é, gosto bastante do Shosta! Sou meio suspeito para falar, pois adoro os compositores russos (a escola russa só tem fera!).

Xenakis também gosto muito; pelo fato d'ele ter sido engenheiro, acabou influenciando na suas composições, aquela coisa matemática, "fria". Aliás, talvez seja isso que me atraia nele: um retrato da natureza, fria e destituída de sentimentos.

Pra ser sincero, do Luigi Nono e do Dutilleux não conhecia muita coisa. Essas duas peças que postei achei por acaso no Tube e realmente me impressionou na 1ª ouvida!

Philip Glass eu gosto muito também. Não conheço tanta coisa dele - só as Sinfonias 4 ("Heroes", inspirada em David Bowie), a 5, "Águas do Amazonas" (gravado com o grupo mineiro UAKTI), e algumas peças para piano.

Falando em minimalismo, cê conhece Michael Nyman? Conheci-o ouvindo a rádio Cultura, daí tocou o Quarteto para cordas nº 4 dele. De cara gostei muito daquilo, mas até hoje não consegui encontrar nenhuma gravação dessa peça, procuro até hoje que nem louco. Aproveitando que você é contrabaixista (vi no seu histórico), diga o que acha disso:



Gosto muito dessa música, mas bronqueei com o baixo elétrico (um Steinberger); acho que não "casou" muito bem com o resto.


opereta que foi escrita e estreiada no gueto de Varsóvia durante a ocupação nazista

Legal! De quem é (apesar de detestar óperas :)?

makumbator
Veterano
# dez/07 · Editado por: makumbator
· votar


fã de mp3

Sou meio suspeito para falar, pois adoro os compositores russos (a escola russa só tem fera!).

heheh também adoro a escola russa, acho a orquestração deles genial!

Conheço o Michael Nyman! Acho muito bom! Ele faz muita trilha de cinema também.

Gosto muito dessa música, mas bronqueei com o baixo elétrico (um Steinberger); acho que não "casou" muito bem com o resto.

Realmente, o elétrico parece um pouco deslocado. Nunca tinha ouvido a peça, gostei das quebradinhas com compassos irregulares que aparecem aqui e ali.

Philip Glass eu gosto muito também. Não conheço tanta coisa dele - só as Sinfonias 4 ("Heroes", inspirada em David Bowie), a 5, "Águas do Amazonas" (gravado com o grupo mineiro UAKTI), e algumas peças para piano.

Tenho até uma quantidade boa de material do Glass. tenho a sinfonia n.1 dele, a Koyanisquatsi(não sei se é assim que se escreve), entre outros...
Uma peça belíssima dele é a trilha para um filme inglês, e os quartetos de cordas. E principalmente a Ópera Einstein on the beach(que tem partes maravilhosas!). Caso queira algo, posso upar pra vc.


Legal! De quem é (apesar de detestar óperas :)?

É de um compositor "ocupante" do gueto, e o libreto de um escritor também cativo. É uma opereta bem leve, e incrivelmente, há inclusive momentos de humor na obra(mas há muita ironia e crítica debochada aos nazistas nas entrelinhas)...O legal que é que a senhora que participou, contou que havia muitos músicos no local, e inclusive eles montaram uma espécie de conservatório dentro do gueto(com aulas e tudo mais!), bizarro não? Como havia apenas um piano, eles revezavam o dia todo nele(o instrumento só descansava a noite, no toque de recolher). O compositor dava aulas de piano, latim e alemão no gueto(o alemão era para ser usado como proteção contra os nazistas, para que as pessoas entendessem o que eles diziam).A instrumentação da opereta foi em cima dos instrumentos disponíveis no gueto.
Alguns músicos tinham que tocar para os nazistas também...além de tocar também para a "polícia judaica" que ajudava aos nazistas dentro do gueto.

fã de mp3
Veterano
# dez/07 · Editado por: fã de mp3
· votar


makumbator
Dava até pra montar uma seleção com os compositores russos. Acho que eles ganhariam todas, hehehe!

Que bom que gostas de Michael Nyman. Engraçado que acho ele bem irregular: tem umas peças muito boas, mas em compensação tem umas trilhas que, olha... bem bregas, de doer!

Glass é até fácil de achar coisas, cê podia upar algo de algum compositor obscuro, indie... :-D

havia muitos músicos no local, e inclusive eles montaram uma espécie de conservatório dentro do gueto(com aulas e tudo mais!)

O que mostra que os músicos não tiram férias nunca. :-)

"polícia judaica" que ajudava aos nazistas dentro do gueto

Hein, tinha isso?

makumbator
Veterano
# dez/07 · Editado por: makumbator
· votar


fã de mp3

Engraçado que acho ele bem irregular: tem umas peças muito boas, mas em compensação tem umas trilhas que, olha... bem bregas, de doer!

hehehe...o cara tem que comer! hahahaha

cê podia upar algo de algum compositor obscuro, indie... :-D

Vou upar uns quartetos de cordas doidos!



O que mostra que os músicos não tiram férias nunca. :-)

Pois é, e mostra também a força da música e da cultura sobre todas as coisas!

"polícia judaica" que ajudava aos nazistas dentro do gueto

Hein, tinha isso?


E como! Eles eram considerados traidores, mas realmente estavam é querendo salvar a própria pele. Ajudavam os nazistas em troca de mais comida, abrigo, roupas(tinham até uniforme, e portavam cassetetes), mais proteção e chance de viver. Mas eles matavam uns judeus na porrada e dedavam quem tentasse fugir ou contrabandear artigos para o gueto.
No levante do gueto de Varsóvia, eles foram os primeiros a serem mortos pelos revoltosos.
Assista aquele filme "o Pianista", que eles são retratados em ação no gueto.

fã de mp3
Veterano
# dez/07
· votar


makumbator
o cara tem que comer! hahahaha

E o possível legado que ele tem que deixar para a humanidade? Tá, forcei a barra. :-)

Upe uns quartetos então (adoro quartetos de cordas!).

"o Pianista"

Do Polanski, hã? Assisti-lo-ei.

J. S. Coltrane
Veterano
# dez/07 · Editado por: J. S. Coltrane
· votar


Rapidamente a música erudita pode se tornar uma torre de Babel, aonde cada compositor vai criar uma linguagem própria e se separar.

Mais ou menos como nesse tópico, aonde as pessoas passam a discutir sobre particularidades que não são entendidas por leigos.

O capitalismo é anti-estético [não que ele não possa ser bonitinho] pois a mercadoria não pode fazer exigências como os conhecimentos de música [ou arte]. Vocês dirão que arte não é mercadoria e eu perguntarei o que não é mercadoria. Ou suporte delas? A arte erudita é possível no capitalismo? O projeto da vanguarda, se não morreu, está velho.

Texto sobre os pianos:
http://dezmilplatos.blogspot.com/2006/10/pianos-que-nada-tocam_29.html

fã de mp3
Veterano
# dez/07
· votar


J. S. Coltrane
aonde as pessoas passam a discutir sobre particularidades que não são entendidas por leigos.

Eu me considero um leigo.

O fato é que a música dita erudita é estereotipada como algo distante, quase que "fora da realidade" por muitas pessoas. Culpa da música? Não, dos ouvintes. Aquela coisa chata, sisuda, almofadice pura. Por que não posso ir numa sala de concerto e me surpreender com um músico ao piano tocando... junto com uma fita magnética? Ou um concerto para orquestra com... um berimbau solando? Tradição? Ótimo, mas se ficássemos só na tradição, estaríamos ainda assistindo cristãos serem devorados por leões no Coliseu.

A música do séc. XX não ficou velha. Nós é que ficamos.

makumbator
Veterano
# dez/07
· votar


fã de mp3

Ótimo, mas se ficássemos só na tradição, estaríamos ainda assistindo cristãos serem devorados por leões no Coliseu.

bem, eu assistiria a isso com certeza! hhaahha!

Estou upando uns quartetos, amanhã volte no tópico que te passo o link.


"o Pianista"

Do Polanski, hã? Assisti-lo-ei.


Exato. Vai passar hoje(por sorte) no telecine cult, caso vc tenha TV por assinatura e esse canal.

J. S. Coltrane

Rapidamente a música erudita pode se tornar uma torre de Babel, aonde cada compositor vai criar uma linguagem própria e se separar.

Mas qual o problema nisso? Cada um deve seguir e fazer o que quiser, de moda a ser seguida basta a música pop...


Mais ou menos como nesse tópico, aonde as pessoas passam a discutir sobre particularidades que não são entendidas por leigos.

Não discutimos nada demais no tópico(penso eu), falamos de compositores, obras, o que isso tem de especializado demais?

fã de mp3
Veterano
# dez/07
· votar


Ótimo, mas se ficássemos só na tradição, estaríamos ainda assistindo cristãos serem devorados por leões no Coliseu.

bem, eu assistiria a isso com certeza! hhaahha!
makumbator

Somos dois, mas é melhor ficarmos por aqui senão seremos nós os devorados. :/

Ah, o filme passou ontem? Que pena, também não tenho tv por assinatura mesmo. :-(


Voltando ao assunto música contemporânea, pergunto aos amigos foristas: pode-se fazer uma generalização dizendo que os períodos barroco e clássico (e antes disso) tinham como mote a beleza e a estética, o romântico os sentimentos e o período moderno/contemporâneo a inovação e a criatividade?

Jabijirous
Veterano
# dez/07
· votar


fã de mp3


Creio que isso se resume a música em geral, e nao por um certo periodo!!

se voce parar pra pensar, Inovar, isso acontece o tempo todo!! o renascimento ja era uma coisa de louco, imagina um coro com mais de 10 vozes cada uma cantando um letra diferente??? pois é, o nivel de polifonia na epoca chegou ao extremo! isso pra mim tb foi inovaçao e criatividade!

Creio que pra voce entender a música moderna, voce tem que entender a ARTE moderna, pois sempre andaram lado a lado

John Cage nao fez a 4:33 por causa de uma "pintura"? a "pintura" era simplesmente a tela em branco! nao tinha nada, ai ele teve a ideia de fazer a 4:33!!

J. S. Coltrane
Veterano
# dez/07
· votar


A música do séc. XX não ficou velha. Nós é que ficamos (2)

Ainda restam duas perguntas:
A música erudita é possível no capitalismo atual?
O projeto da vanguarda ainda tem algo a fazer? O que vem depois do moderno? O 'reino da qualquer coisa' como querem alguns?

fã de mp3
Veterano
# dez/07
· votar


Jabijirous$
Sim, inovar sempre, mas quis dizer "inovação" num outro sentido, o de romper quase que radicalmente com o vigente. Dá pra ver algumas semelhanças entre um compositor do séc. XVI e J. S. Bach, que é do séc. XVIII, ainda que ele tenha inovado. Agora pega um Beethoven que é do séc. XIX e compara com um Xenakis; é quase um abismo!

Acho que isso tem a ver com a sociedade e nossa história. Pega o estilo de vida de 1700, não é tão diferente do de 1800. Agora pega o de 1900 e compara com hoje! Claro que tudo ainda segue uma linha, mas no séc. XX as coisas se modificaram muito numa velocidade nunca antes vista.

A música está ligada às outras artes, é claro, literatura, pintura, teatro (vide óperas), cinema (vide trilhas)...

Essa história da 4'33'' do Cage, tenho minhas dúvidas: por causa de uma "pintura"? Tenho essa lenda urbana que citei na 1ª página:

Entre os anos 40 e 50 John Cage visitou uma câmara anecóica na Universidade de Harvard. Uma câmara anecóica é uma sala projetada de tal modo a cancelar todos os ruídos ambientes, sendo totalmente à prova de som. As câmaras anecóicas são largamente usadas para medir as propriedades acústicas de instrumentos e microfones, e para executar experimentos psicoacústicos.

Cage adentrou nessa câmara esperando ouvir (ou não ouvir) o silêncio absoluto, mas como ele escreveu depois, "ouvi dois sons, um alto e um baixo. Quando os descrevi ao engenheiro de carga, ele informou-me que o alto foi o meu sistema nervoso em operação, e o baixo o meu sangue em circulação."


J. S. Coltrane
Eu não sei essa relação que você dá entre música erudita e capitalismo. Há no máximo as grandes gravadoras do ramo lançando versões e mais versões de uma obra consagrada pra faturar uns trocados (é só pegar "As Quatro Estações" de Vivaldi, o que mais tem é versão lançada, centenas, a maioria creio que é lixo). Se você quer Euterpe beijando o capeta, ligue numa rádio "descolada" e ouça as "10 mais", ligue a tv e veja o "top 10", vá a uma loja (virtual ou não) e procure os "mais vendidos".

J. S. Coltrane
Veterano
# dez/07 · Editado por: J. S. Coltrane
· votar


Quem é que vai lançar interpretações de John Cage? Ele já foi executado na Sala São Paulo?

Se a música vai virar mercadoria, ela tem que ser de fácil assimilação, não pode fazer exigências do ouvinte como a música erudita, sacou?
Isso coloca ela em um beco sem saída e não cria novos padrões estéticos, como tínhamos anteriormente [romantismo, barroco]. O que temos é cada compositor falando para poucos, ou só para ele mesmo.

fã de mp3
Veterano
# dez/07
· votar


J. S. Coltrane
Acho que você é um anti-anarquista conservador. xD

fã de mp3
Veterano
# dez/07
· votar


A música erudita sempre foi pra poucos, creio.

J. S. Coltrane
Veterano
# dez/07
· votar


fã de mp3


Só sobrou você por aqui. Acho que vou fazer um post especial. Vou mandar fazer um teste de DNA para ver se eu sou isso mesmo.

A música erudita é para poucos, mas esses poucos já foram muitos.

J. S. Coltrane
Veterano
# dez/07
· votar


fã de mp3


Só sobrou você por aqui. Acho que vou fazer um post especial. Vou mandar fazer um teste de DNA para ver se eu sou isso mesmo.

A música erudita é para poucos, mas esses poucos já foram muitos.

fã de mp3
Veterano
# dez/07
· votar


J. S. Coltrane
É, às vezes me sinto só.

Rodrigo_Iron
Veterano
# dez/07
· votar


Eu acho que a música tem que despertar algo no homem, alguma emoção, prazer, etc.
Agora musicas como "4:33" trazem o que para o homem?
Pra mim é o cumulo isso, por isso é necessário ver até onde vai essa "inovação" da música moderna, não podemos fugir da proposta sobre o que é música.
Qual o valor musical dessa obra?!Pra mim certamente nenhum.

makumbator
Veterano
# dez/07
· votar


Rodrigo_Iron

A "música" te incomodou não é mesmo? Isso não é um sentimento? Essa peça não foi de graça, pode-se pensá-la também como uma crítica e até como uma grande piada! Pois quando todos se preocupam com o som, ele colocou apenas as pausas(em tempos de poluição sonora crescente, isso é bem interessante).


J. S. Coltrane

Quem é que vai lançar interpretações de John Cage?

Mas toda execução, de certa forma não é uma nova interpretação?

Ele já foi executado na Sala São Paulo?

Ele já foi tocado na Sala São Paulo, e inclusive ele é bastante tocado em todo mundo.

Ken Himura
Veterano
# dez/07
· votar


Quem é que vai lançar interpretações de John Cage? Ele já foi executado na Sala São Paulo?
Na Sala Cecília Meireles já, e freqüentemente tem algo moderno lá sim.

Agora musicas como "4:33" trazem o que para o homem?
Reflexão. Meditação. É uma música sobre nós mesmos, mostrando que o som é onipresente, seja em pausas ou não.

Enviar sua resposta para este assunto
        Tablatura   
Responder tópico na versão original
 

Tópicos relacionados a Partituras de compositores contemporâneos / Livro "Notations" de John Cage