Sobre a experiência de tocar em trio (guitarra, baixo e bateria)

Autor Mensagem
erico.ascencao
Veterano
# fev/16 · Editado por: erico.ascencao


Este ano começou bem movimentado no meu lado musical da vida. Pintaram três convites pra banda: uma banda pra covers de classic rock em geral no formato tradicional (vocal, duas guitarras, baixo, teclado e bateria), uma banda pra covers de pop rock anos 80 e uma banda pra covers de classic rock em trio. As minhas expectativas estavam ranqueadas justamente nesta ordem; mas a primeira banda acabou se revelando muito fraca, a segunda não saiu da conversa e a terceira surpreendentemente deu certo e já tem até evento marcado para daqui duas semanas.

Bem, o fato é que eu não botava fé que o trio fosse dar certo, por diferentes fatores: aparente desleixo ao marcar o primeiro ensaio, ceticismo de que três músicos pudessem fazer um som coeso e sem "buracos" no arranjo, etc. No primeiro ensaio tudo correu muito bem, passamos de primeira umas 20 músicas em 2 horas e elas ficaram bem legais de início. A banda só deu certo pelo fato de todos conhecerem o repertório, de o baixista e o baterista já terem tocado neste formato por uns 3 anos, de todos saberem tocar as músicas direito, terem uma boa noção de tocar em banda (me refiro à habilidade de tirar um som do seu instrumento pensando no som final da banda), terem boas noções de canto (no caso, eu e o baterista vamos dividir os vocais) e terem uma postura séria no ensaio (sem muitas brincadeirinhas nos intervalos).

Bom, o grande desafio de um trio é preencher os arranjos. Como guitarrista, esta responsabilidade fica bem visível para mim. O baixista já toca de uma forma que ajuda muito neste quesito, fazendo algumas montagens de acordes e também dosando a pegada para dar preenchimento. Estou explorando os recursos da Roland GR-55 para ajudar nos arranjos - estou tocando "Perfect Strangers", por exemplo, só com os sons de órgão e strings.

Bom, dia 13/02/2016 vamos tocar num evento na Harley-Davidson. Puxando pela memória, acho que é meu primeiro show como guitarrista sem ser aquelas festas de aniversário da vida. Depois do show eu faço uma resenha.

Por ora, dêem suas contribuições sobre este tipo de experiência de tocar em trio.

AtalaBukas
Membro Novato
# fev/16
· votar


erico.ascencao
Massa, cara, parabéns, difícil montar um trio com integrantes todos com o mesmo objetivos e boas aptidões musicais. Bateria, baixo e guitarra, quando trabalhada bem, é uma unidade coesa, e pra fazer um bom show de rock, não é necessário mais que isso. Tive experiências legais como trio, eu cantando e tocando guitarra. Hoje estou trabalhando com outro tipo de formação, mas trio nunca descarto, mesmo que não seja de rock, talvez de jazz, ou música brasileira instrumental, também são gêneros onde o trio se encaixa bem (piano, baixo e bateria, por exemplo).

JJJ
Veterano
# fev/16
· votar


Eu super curto um power trio. De ouvir e de tocar.

E tem a grande vantagem de ser menos gente pra pegar músicas, brigar, discutir relação e tal...

A única desvantagem é a "hora do solo", mas tem jeito de resolver...

Ismah
Veterano
# fev/16
· votar


erico.ascencao

Cuidado, tem um conto do vigário que é sem remuneração rondando umas concessionárias HD de SC.

E sobre som em trio... Isso dá certo. Extinto (?) Motötrhead, Winery Dogs etc. Acho que vai se dar bem com o GR55. Tu sempre foi chegado nessa parada.

Podem pensar num arranjo com loop. As batidas, Knockin on heavens door encaixam perfeitamente nisso.

[OFF] Rock clássico com teclado? Teus clássicos tão meio pop ein rsrs

Lelo Mig
Membro
# fev/16 · Editado por: Lelo Mig
· votar


erico.ascencao

Gosto do formato e nunca tive problema com ele, muito pelo contrário. Mesmo nas questões que a galera sempre insiste, não vejo problema algum.

Se o baixista sabe fazer acordes e a cozinha "pesa a dinâmica" na hora do solo, acabou o problema. Sou dos anos 70, e quase todas as bandas dos anos 70 são um trio + vocalista. Então se algum dos 3 músicos canta (ou mais de um) dispensa-se a biba rebolante e divide-se o cachê por 3.....kkkkk.

Como disse, sou anos 70. Então, nestes formatos mais modernos, estilo metal com duas guitarras com "cordas de piano" e dropadas abaixo de zero, a coisa fica complicada.

Mas para "Classic Rock".....esquece! Hendrix, Page, Iommi, Gilmour, Brian May, e etc, nunca precisaram de mais um prá tapar buraco e encher o saco.

Só vejo vantagens... mais espaço no palco, menos equipo, mais fácil ensaiar, gravar, passar som, mais cachê, menos bêbados, menos chatos, menos viadagem, menos brigas...

jprpfera
Veterano
# fev/16
· votar


Estou estudando canto justamente para formar um power trio no futuro.

Rachmaninoff
Veterano
# fev/16
· votar


Eu toco num power trio, e gosto muito do formato. O problema é que todo mundo tem que fazer o que deve, porque se furar, é 1/3 da banda que parou.

LeandroP
Moderador
# fev/16
· votar


Eu tô com uma banda assim atualmente. Somos uma guitarra, um baixo, uma batera e uma vocalista. A gente toca heavy metal e hard rock (Dio, Rainbow, Sabbath, Judas, Led, Hearth, Whitesnake, Purple)... Tenho que segurar a harmonia e os arranjos... Não é fácil, mas é legal mesmo assim °,°

entamoeba
Membro Novato
# fev/16
· votar


Acho que no power trio cê não pode deixar o baixo muito "longe" da guitarra. Dá para fazer uns acordes, como disseram, mas as vezes é legal abrir umas harmônicas para dar uma preenchida. Aquele baixão bem grave, "lá no fundo", não rola!

erico.ascencao
Veterano
# fev/16
· votar


AtalaBukas: difícil montar um trio com integrantes todos com o mesmo objetivos e boas aptidões musicais.

Descordo, sabe por quê?

JJJ: E tem a grande vantagem de ser menos gente pra pegar músicas, brigar, discutir relação e tal...

Ismah: Acho que vai se dar bem com o GR55. Tu sempre foi chegado nessa parada.

Cara, não posso dizer que sou "chegado" nesta parada. Ela veio como um grande canivete suíço e eu meio que me tornei dependente dela. Preferiria tocar com os equipamentos "de verdade"; mas a praticidade, versatilidade e menor custo deste set são praticamente imbatíveis.

Podem pensar num arranjo com loop. As batidas, Knockin on heavens door encaixam perfeitamente nisso.

Já sugeri uns playbacks para determinadas músicas e os caras se mostraram abertos. Por enquanto, vamos atacar o que for possível na marra mesmo.

[OFF] Rock clássico com teclado? Teus clássicos tão meio pop ein rsrs

Pô, tem algumas coisas aí que são classiconas: "Love ain't no Stranger", "Perfect Strangers", "Comfortably Numb" (vou usar aquele pad/strings nos versos), "Até Quando Esperar" (aquele violoncelo, lembra?)...


entamoeba: Acho que no power trio cê não pode deixar o baixo muito "longe" da guitarra.

O baixo tem que soar um pouco saturado, não dá pra soar limpinho. É só pegar os timbres de baixistas de power trio como referência: Geddy Lee, Lemmy, Jack Bruce...

kapusho
Veterano
# fev/16
· votar


meu trabalho principal é um power trio nestes moldes, pop rock 70/80/90/2000, mas as vezes em alguma festa tipo formatura ou aniversário, acaba tendo que rolar uns bregas ou algo mais dançante. daí a gente ataca numa pegada mais black music kkkk.
eu vou na guita e vocal principal, o baxista preenche com os vocais. tocamos juntos (os 3) há mais de 20 anos, então é barbada, cada um já sabe o que fazer para preencher os espaços que os outros deixam em seus respectivos solos. eu acho, pela minha experiência própria, que o que mais conta é o entrosamento entre as peças do power trio, cada um deve conhecer profundamente o repertório e o modo de tocar dos outros dois, então quanto mais ensaio melhor, parceria.
vai fundo, que power trio é o maior barato, muito espaço pra preencher sonoramente falando, e muita liberdade pra modificar os arranjos, tendo isso só pode dar certo

kapusho
Veterano
# fev/16
· votar


Rachmaninoff

legal, fazemos uma levada parecida. dei uma olhada nos seus vídeos. essa do van halen a gente faz sem o solinho na intro, como o próprio van halen faz algumas vezes ao vivo- só base, de uma procurada em videos ao vivo, fica mais cheio o arranjo.

tipo aqui

https://www.youtube.com/watch?v=ErdPPJiGyIk

Rachmaninoff
Veterano
# fev/16
· votar


kapusho

Po legal... vou mostrar esse vídeo pro resto da banda, de repente a gente adota esse arranjo. Realmente fica mais cheio. Valeu o toque.

Adler3x3
Veterano
# fev/16 · Editado por: Adler3x3
· votar


erico.ascencao

Você descreveu muito bem o papel do trio sob vários aspectos, quase não tem mais nada para incluir.
O que a banda tem que primar, é evoluir cada vez mais, cada um na sua função agregar algo mais, e acredito que isto leva um certo tempo, e considerando que a criatividade é ilimitada sempre a banda vai ter como crescer musicalmente.
E devido as característica dos instrumentos sem demérito do baixo e da bateria, o que mais tem que se esforçar é o guitarrista, pois as melodias e harmonias estão mais sob sua responsabilidade, e em certos trechos o uso de teclados pode ajudar em muito, não estando limitado somente ao guitarrista tocar o teclado, mas em certos casos o baixista fazer isto, fazendo o baixo e outro instrumento no teclado, em certas partes da música.

O melhor exemplo aqui no Brasil, mas em outro estilo completamente diferente é a famosa Banda os Três do Rio, certamente independente de estilo, é uma fonte para aprender mais, assistam os vídeos deles, procurei no you tube e não encontrei muita coisa deles tocando ao vivo, mas eles eram fenomenais, se não der para ouvir e ver nos vídeos procurem nos discos.
Edit:
Outro bom exemplo é o Rush, nos primórdios, por incrível que pareça o disco que mais gosto deles é o primeiro, com a formação básica de bateria, guitarra e baixo, mais simples mas nem por isto simplório.
Depois foram evoluindo e nas apresentações incluíram outros músicos contratados.
E a tecnologia de modo geral nos dias de hoje facilita, mas não se deve abusar aqui, colocando coisas virtuais em demasia, tem que buscar um equilíbrio.

LeandroP
Moderador
# fev/16
· votar


Adler3x3

Aproveitando a sua citação do Rush, o primeiro álbum da banda é uma aula de como tocar em trio. Foda!

Adler3x3
Veterano
# fev/16
· votar


LeandroP

Eu me lembro como se fosse hoje, em 1974 quando o primeiro disco deles caiu na minha mão e pus no toca-discos.
A primeira impressão foi "uauh" que som, e aquele vocal bem rebelde.
E bem dizer gosto de quase todas as faixas.
E como o Álbum não tinha tantas informações imaginei que o guitarrista da banda era o cantor (baixista).

Mauricio Luiz Bertola
Veterano
# fev/16
· votar


Adler3x3
Mas o 2º, "Fly by Night" é beeem melhor, pelo menos na minha opinião...
Abç

Adler3x3
Veterano
# fev/16
· votar


Mauricio Luiz Bertola
Até concordo com você.
Mas sempre que se fala de Rush para mim, a primeira impressão que vem a mente é aquela que descrevi acima.
O que veio depois não foi tão impactante.

Mauricio Luiz Bertola
Veterano
# fev/16
· votar


Adler3x3
Engraçado Adler, o 1º disco do Rush que escutei foi o "Caress of Steel", depois o "Fly by Night", e só depois o 1º!
Abç

LeandroP
Moderador
# fev/16
· votar


Adler3x3

Que legal, cara. O disco é sensacional. Quando eu ouvi Finding My Way e Here Again a minha cabeça virou do avesso. Inspirador!

Adler3x3
Veterano
# fev/16 · Editado por: Adler3x3
· votar


Mauricio Luiz Bertola
É que nos 70 e até nos 80, tinha muito disco que demorava para chegar no Brasil.
As vezes o Terceiro disco de uma Banda chegava antes do primeiro, depois isto foi mudando, mas até hoje tem disco de banda boa que nunca aparece por aqui.
Claro agora tudo mudou com o mundo digital.
Eu tive o privilégio de ter um amigo que tinha um tio que viajava todo o mês para os Estados Unidos, era um engenheiro dos bons que prestava serviço para os Americanos, e ele a cada viajem sempre trazia, novos discos.
E tinha também uma amiga minha que tinha um namorado lá nos EUA, e ele sempre mandava presentes para ela através de discos, e assim eu tinha acesso a muitas novidades, que nem eram lançadas no Brasil.
E este do Rush veio parar nas minhas mãos assim, nem sei dizer quando realmente foi lançado no Brasil.

LeandroP
Realmente o disco é show.
Hoje mesmo já dei uma escutada no you tube, depois destes posts, quando você adicionou o comentário.

makumbator
Veterano
# fev/16
· votar


Mauricio Luiz Bertola
Adler3x3
LeandroP

Apesar de gostar bastante do Fly by night, sempre que penso em Rush lembro do Moving pictures.

Adler3x3
Veterano
# fev/16
· votar


Mas vamos colaborar com o tópico, que não é do Rush.

Acredito que os ilustres que aqui comentaram podem adicionar alguma dica.

LeandroP
Moderador
# fev/16
· votar


Adler3x3
makumbator
Mauricio Luiz Bertola

Mas vamos colaborar com o tópico, que não é do Rush

É, porque aí a gente vai falar do Triumph também... °,°

Adler3x3
Veterano
# fev/16
· votar


erico.ascensão

Além da guitarra, você pode tocar também um bom violão acústico, em certas partes da música, numa introdução, numa parte do meio (se é que já não esta fazendo isto).
O importante e os músicos do trio se unirem e o esforço de todos por um.

E aí vai vir a ascensão.

SkyHawk
Membro
# fev/16
· votar


Tenho muita dificuldade como guitarrista de segurar um power trio. Principalmente porque na formação com duas guitarras faço mais a guitarra solo e tenho dificuldade de levar a harmonia de maneira sólida.

Ainda tenho muito que aprender e power trio é para quem toca muito mais que eu.... Rssssss. Admiro muito mas acho muito difícil.

Adler3x3
Veterano
# fev/16 · Editado por: Adler3x3
· votar


LeandroP
Bem acho que você esta certo.
As vezes melhor que uma dica é apresentar boas referências musicais.

Eu particularmente não conheço muita coisa do Triumph e assim também vou aproveitar algo nesta surpresa.
Porque tenho mais idade não significa que conheça tudo.
Fico ansioso por conhecer mais uma banda dos anos 70.

Makumbator/Maurício
É que cada um de nós passou por momentos e situações diferentes, e aí cada um teve o seu momento, assim como outras músicas marcantes na nossa vida:
- a primeira namorada, outras namoradas, paixões inatingíveis, outros momentos importantes que de alguma forma ficaram vinculados a alguma música em especial.
E isto faz parte da magia da música, e lembrar sempre é bom.
E me fez lembrar do meu pai, pois dias antes de tocar o disco, ele montou duas novas caixas de som, e com ele era meio inventor fez uma adaptação e deixou o som com 4 caixas, melhorando em muito a audição.

Insufferable Bear
Membro
# fev/16
· votar


Tenho a impressão de que power trio é o ideal pra quem quer aprender, tuas falhas não vão ser jogadas pra debaixo do tapete...

Aí quando você aprende você toca num power duo pra exibir o que você aprendeu.
https://www.youtube.com/watch?v=kziodu90LpQ

Mauricio Luiz Bertola
Veterano
# fev/16 · Editado por: Mauricio Luiz Bertola
· votar


Insufferable Bear
Há alguns "truques" que você pode usar ao tocar em trio....
No baixo eu mando o chorus (sempre ligado) ou phaser na hora do solo de guitarra e uso um drive de fundo para "aquecer" o som. A guitarra com um delayzinho de fundo e flanger ou phaser para preencher, etc, etc...
O próprio Rush usa isso direto...
Caraca! que banda doida essa daí!! Bem coisa de Japa!
Abç

ogner
Veterano
# fev/16
· votar


Insufferable Bear

Tenho a impressão de que power trio é o ideal pra quem quer aprender, tuas falhas não vão ser jogadas pra debaixo do tapete...

Total verdade! A banda q toco é trio + vocal. A banda nao ensaia com frequencia pra evoluirmos a contento. É fato que toda vez q ficamos um tempo maior sem ensaiar, muita coisa conseguida se perde. Mas voltando a sua afirmaçao, eu percebi muitos problemas q eu tinha/tenho pra tocar bem num trio tento melhorar sempre.
Fato que as vozes sao MUITO importante, passamos muito tempo acertando vozes.

Enviar sua resposta para este assunto
        Tablatura   
Responder tópico na versão original
 

Tópicos relacionados a Sobre a experiência de tocar em trio (guitarra, baixo e bateria)