Notificações Amigos pendentes

      Fórum Cifra Club - maior fórum de m&uacite;sica do Brasil

      :: Sobre atendimento em lojas de instrumentos musicais ::

      Autor Mensagem
      Buja
      Veterano
      # 21/dez/17 19:46


      Pessoal,

      Levanto uma reflexão sobre as lojas de instrumentos em geral, pelo menos, as quais eu frequento.

      Eu visito lojas de instrumentos a muitos anos, desde lojas pequenas até bem grandinhas, desde as que vendem phoenix até as que vendem gibsons, assim como muitos aqui.

      E meu interesse em 50% das vezes é comprar cordas, palhetas, um negocinho aqui, outra curiosidade ali, e tal, algumas não poucas vezes, levei instrumentos...acho que é o perfil de consumidor de muitos aqui tambem.

      Mas outros 50% das vezes, entro pra ver o que tem de novo, ver novidades, as vezes entro so pra relaxar mesmo...ver equipos da uma sensação de prazer e tristeza ao mesmo tempo kkk.

      O fato, é que nestes anos todos sempre um coisa me incomodou, mas é muito mesmo:

      O PESSIMO ATENDIMENTO DOS VENDEDORES.

      Pra mim isso vem se tornando a cada dia mais sobressalente, e antes o que era só uma desfeita, uma falta de educação, está se tornando praticamente uma uma afronta, um preconceito até.

      Venho notando que, o vendedor já te marca na primeira olhada.
      Se voce entrou e foi primeiro ver os instrumentos, parace que o cara já pensa: moleke veio namorar guitarra.
      E o atendimento é outro. Pessimo. O cara nao te da atenção devida, fica grudado na sua cola com as mãos pra tras parecendo um segurança, como se voce fosse pegar uma guitarra daquela e arrebentar ela no chão, e com a cara fechada.

      Se voce pergunta algo sobre o instrumento, geralmente, levo respostas assim:
      "O instrumento é isso ai que voce ta vendo ué..."
      "Custa X reais (falando entre os dentes)"
      "Desconto nao. O preço é esse ai."

      Percebo que experientar uma strato, depois uma les paul, irrita o vendedor.
      Parece que ele pensa assim: "o cara ta olhando strato, pra que quer ver les paul".

      Sinto que se eu estiver olhando uma guitarra de alta custo, depois olhar uma de baixo custo, o vendedor fecha a cara.

      Outra coisa frequente, é olhar uma guitarra, depois chegar no balcao e perguntar o preco de uma correia, de um cabo, um slide. Pronto! Vendedor parece que quer te chutar da loja.

      Ja aconteceu absurdos de um vendendor estar colado meu cangote, esperando eu peidar pra ele cheirar, com cara parecendo de um policial fazendo blitz, e de repente entra outro cara, pronto, eu fico la a comer poeira, até desistir de perguntar mais coisa e ir embora.

      Mas, quando entro e vou direto ao balção, e peço, "Me da uma corda Daddario 0.9", o atendimento já fica mais amistoso. Pouco amistoso, mas ja melhora. É so nao ficar olhando as guitarras. Vou direto ao ponto, compro, passo o debito e racho fora. Ai funciona, um pouco melhor.

      Tambem, por causa das minhas atividades religiosas, ando muito de roupa social, apesar de na minha religião nao ter banda ao vivo. Se eu entro na loja de roupa social, so pra ver o que tem de novo mesmo, la vem o vendedor falando:
      "e ai irmão, tudo bom no sangue de jesus? vamos levar o que hoje?"

      Ué, nao fui comprar suprimento de pão pra igreja! Sou tachado pela roupa que to vestindo.
      Entao, se eu entro de bermuda, sou um moleque que nao merece bom atendimento, se entro de uniforme da empresa, sou um pai que vai comprar violao baratinho de presente pro filho, e se entro de social, sou o pastor da igreja e ai mereço ser bem atendido?

      Isso tudo nao é em uma loja só nao, sao varias, nao cito nome porque é incabivel aqui, mas numa coversa particular cito nomes e sobrenomes se quiser.

      Tem muito pra falar mesmo, afinal, se eu compilar tudo, nesses 17 anos de musica, são rarissimas excecoes onde fui atendido razoavelmente bem.

      Inclusive, ja fui mal atendimento, levando instrumento pra casa hein! Juro por Deus, nao tenho por que mentir nem aumentar.

      Nem conto a historia de quando resolvi adentrar nos departamentos de teclados, sem saber tocar teclado. Pareceu até que entrou um cachorro com bicheira na loja. E eu nao ando rasgado, fudido, fedendo, com cabelo de rastafara...nada disso. Ando comum e normal como muita gente.

      Abro esse debate, e termino esse pouquissimo relato nesse post, pra nao ficar grande demais, com essa reflexão e opinião da galera:

      Como é que anda o atendimento a voce nas lojas de musica que voce frequenta?


      ps: em tempo, sempre fui extremamente bem atendido quando o atendimento é online, email, whatsapp e afins. Quando é indo na loja, meu irmão........

      diogosabh
      Membro Novato
      # 21/dez/17 21:09 · Editado por: diogosabh
      · votar


      Buja

      Cara, concordo plenamente.

      Ja tive meus tempos de cabelo grande e barba. era tratado como um leproso

      Ainda hoje em dia acho o Atendimento pessimo. Sou de BH. Conheço umas duas ou tres lojas onde sou minimamente bem atendido. Porem em algumas (principalmente a maior da cidade que se encontra em diversas localidades conveninentes mas que nao vou citar o nome, ainda mais pq eles nao precisam pq sao grandes demais) o atendimento é risivel. Ja cheguei a entrar nessa loja ai na unidade da avenida olegario maciel onde tem varias lojas do ramo) e passar por um grupinho de vendedores que estavam de braços cruzados ouvindo um outro vendedor tocar baixo. nenhum me atendeu. e ao chegar no balcao, fundo da loja, a moça que estava lá virou a cara pra mim quando falei que queria palhetas e delegou a funçao de pegar a caixa de palhetas a um outro vendedor.

      A verdade é que essas lojas estão completamente superadas. preços altissimos, variedade baixissima e pessimo atendimento. tenho pena do cara que tem que vender uma guitarra por 3 mil reais sendo que na internet ela se encontra por 1200. e tá desse nivel msm. mas isso nao justifica o cara nao querer vender uma corda, um saddle, palhetas. ja entrei em loja pedindo saddle, knob e vendedor falar que nao tem sendo que estava na minha cara.

      solução pra isso? infelizmente: internet. esses vendedores ainda nao perceberam que essas lojas estao as moscas e tem um custo de manutençao alto. muitas sao gigantescas. com o tempo vao fechar e fazer a maioria desses desempregados.e que a unica saída para eles era justamente fazer do atendimento seu diferencial. ninguem tem mais tempo pra rodar 4 lojas e ser maltratado pra encontrar uma big stubby sendo q vc encontra com um clique pela metade do preço e se auto atendendo.

      engraçado é que em lutherias sou bem atendido,kkkkk. espero q continue assim.

      Obs: ainda em tempo, esse mes mesmo fui numa dessas lojas com a minha namorada. ela me perguntou como aquilo estava aberto com tantos vendedores a toa, sem nenhum cliente em horario de pico e com preços tao altos ( na loja so tinham guitarras de 1500 reais pra cima, pedais e pedaleiras carissimos). eu realmente nao soube responder.

      NeoRamza
      Veterano
      # 21/dez/17 22:44
      · votar


      Isso é normal. Enquanto você tá experimentando uma guitarra, ele sabe que o mais provável é que você não vai comprar, e nisso você tá tomando o tempo dele onde poderia tá vendendo corda e ganhando comissão. E quando digo que o mais provável é que você não vai comprar, não é questão de ter ou não dinheiro. Mesmo que você tenha grana, o mais provável é que você ainda vai olhar muito e testar muito inclusive em outros lugares, e probabilisticamente você provavelmente vai comprar em outro lugar. Quando se compra algo muito caro se pesquisa muito, então o vendedor por experiência já sabe que 99% das olhadas de guitarra não dão em nada, então ele já desamina.

      O que eu faço? E meto o foda-se, peço pra testar, e estou pouco me lixando se ele tá gostando ou não. As vezes até falo que não estou com planos de comprar por agora.

      Ramsay
      Veterano
      # 22/dez/17 01:44
      · votar


      Buja
      Isso não é regra e talvez varie conforme a região do país.
      Por exemplo, aqui no Rio de Janeiro, sempre fui bem atendido, mesmo testando várias guitarras ou pedais em lojas diferentes e os vendedores, após ligar os equipamentos, sempre saíram fora e me deixaram a vontade pra testar por quanto tempo eu quisesse.

      Luiz_RibeiroSP
      Veterano
      # 22/dez/17 02:19
      · votar


      Que zica, eu fui destratado por um gerente de uma loja bem antiga da Teodoro Sampaio, uma que tem o mesmo nome de uma banda clássica do rock brazuca dos anos 70, quando fui entregar um currículo nos anos 90 kkk. Ele nem pegou o currículo e pareceu estar de mal humor, resultado que nunca comprei nada lá, de palheta a minha fender. Pra comprar depois que fiquei com cara de adulto com salario minimo fui bem tratado sim, as vezes sinto que quando a lija esta ruim o vendedor fica estressado por ter salario atrasado ou ser demitido, sei la, ai faz isso.

      Jabijirous
      Veterano
      # 22/dez/17 02:24
      · votar


      Ramsay
      Por exemplo, aqui no Rio de Janeiro, sempre fui bem atendido, mesmo testando várias guitarras ou pedais em lojas diferentes e os vendedores, após ligar os equipamentos, sempre saíram fora e me deixaram a vontade pra testar por quanto tempo eu quisesse.

      Fala o nome dessas lojas aí, pq ali na carioca só tem babaca!

      Ramsay
      Veterano
      # 22/dez/17 02:34 · Editado por: Ramsay
      · votar


      Fala o nome dessas lojas aí, pq ali na carioca só tem babaca!
      Jabijirous
      Na maior parte delas, mas, isso varia conforme a época.
      A minha experiência é de uns 5 anos atrás.

      Del-Rei
      Veterano
      # 22/dez/17 03:24
      · votar


      Isso não é exclusividade de lojas de instrumentos musicais.
      O nível de prestação de serviços e qualificação de funcionários comerciais estão péssimos. Vêm caindo constantemente.

      Hoje em dia é raro eu entrar numa loja de instrumentos. Tirar dúvida então, nem pensar. Lembro que quando quis comprar um cabo pra conectar cabeçote ao gabinete, quase nenhum vendedor das lojas da rua da Carioca sabiam que se tratava de um cabo diferente do cabo de instrumento. Vários tentaram me empurrar cabo de guitarra. Incrível. A maioria perguntava: “É P10-P10?” Quando eu respondia que sim, o cara me dava um cabo de guitarra e dizia que era a mesma coisa.

      Mesmo quando eu comprava um instrumento, o atendimento era razoável... e isso já tem mais de 15 anos. Se você pede um instrumento pra testar, o cara te entrega, e por algum motivo se você pede pro cara pegar outro no estoque, já começam a olhar de cara feia, como se você tivesse que levar o instrumento mal acabado ou com algum tipo de defeito.

      Eu nunca dei a sorte do Ramsay. Minhas duas primeiras guitarras, meus dois primeiros violões, todas minhas pedaleiras e alguns pedais foram todos comprados em lojas no RJ, sendo a maioria na rua da Carioca e outros na Barra. Mas não compro mais nada aqui há uns 10 anos. Muito raro comprar até corda aqui... A única loja em que fui muito bem atendido foi na Barra Music. A galera lá é gente fina. Na Made in Brazil do Barrashopping nunca fui maltratado, os vendedores até sorriam pra mim, mas eu entrava só pra olhar mesmo, passeando.

      Um aceno de longe!!!

      Kallau
      Veterano
      # 22/dez/17 07:15
      · votar


      Moro em Vinhedo, interior de SP.
      Aqui, há apenas uma loja de instrumento.
      PÉSSIMA. A primeira coisa que se nota quando entra na loja é uma placa:
      "NÃO TOQUE NOS INSTRUMENTOS!"

      Por um lado eu meio que entendo. Cidade pequena, ninguém que entra lá ta com intenção de sair com uma Gibson. Até porque o mais "avançado" que ele tem lá é Memphis, Strinberg, e por aí vai. É de fato uma loja de instrumentos pra quem ta começando.
      Mas o atendimento é péssimo. É uma loja de família, quando o filho do dono atendia, até era melhor. Eles não tem NENHUM pedal a venda, nenhum. Mas quando comecei a tocar, entrava lá só pra bate papo e tirar dúvidas com o filho do dono, que me atendia relativamente bem. Ele tinha banda e entendia das coisas.

      Mas depois o pai dele começou a atender. A gente entrava na loja ele meio que já se escondia pra não atender. Era meio que se você não sabe o que quer, nem entra na loja. Só entra se já sabe o que vai querer, até porque testar qualquer coisa era impossível.

      Se você achava que não podia ser pior, agora colocaram uma garota (tem seu lado bom - sério, tem mesmo), mas que não entende absolutamente nada de música. Um dia fiz um teste. Entrei pra comprar uma Ernie Ball .010 (caríssimo por sinal, mais de 100% mais caro do que no ML). Perguntei se ela tinha guitarra da Dunlop. Ela disse que tinha vendido tudo e estava para chegar.

      Hoje, eu só entro nessa loja pra comprar palheta. Ainda assim me sinto mau achando que estou patrocinando essa falta de profissionalismo e abuso de preço.

      Por outro lado, em Campinas tem a Mil Sons. Nunca comprei nada lá, mas é uma loja de excelente atendimento. Entro, testo o que quero, vendedores estão dispostos a tirar dúvidas, explicar alguma coisa. Obviamente ele quer vender, fica tentando empurrar, mas em momento algum lhe mal trata e ignora por saber que você só está lá para dar uma olhada.

      metal_ofender
      Membro Novato
      # 22/dez/17 08:02 · Editado por: metal_ofender
      · votar


      Buja

      Ali na Olegário sempre foi assim, é triste. Realmente vc tocou num assunto que faz pensar, daqui uns tempos não irá ter mais lojas físicas, pq quando a gente passa por lá podemos ver que quase não tem cliente, as vendas serão somente na internet.

      Por um lado é bom, pois é mais barato, porém, instrumento é uma coisa que a gente tem que testar na maioria das vezes, e ficar se limitando por Review de youtube é triste.

      Kallau

      Guitarra da Dunlop ? hahahaha

      Kallau
      Veterano
      # 22/dez/17 08:35
      · votar


      metal_ofender
      Exatamente... hahah
      A atendente me disse que tava sem estoque e tava pra chegar.

      sandroguiraldo
      Veterano
      # 22/dez/17 08:53
      · votar


      Quem é da região de INDAIATUBA com certeza conhece o Jeday em Salto.
      Muito brother, faz altos rolos, se você der sorte de achar um instrumento / ampli / pedal que quer lá, tem boas chances de fazer bom negócio.

      Buja
      Veterano
      # 22/dez/17 09:15
      · votar


      Quando falo de BH falo claro, da Mosquitário Maciel, que está as traças.
      Mas tambem falo de outras regiões e inclusive na região metropolitana toda, que pega Contagem, Betim, Santa Luzia, tal...

      Ali na Olegario já foi referencia de lugar pra comprar instrumento, no Brasil inclusive. Hoje, as lojas quase todas fecharam, e so ficou mesmo quem vende violão barato, cd antigo, artigos do paraguai, 4 guitarras, fumo e bebida.

      A internet literalmente arrebentou com mu imlhao de lojas fisicas. É a tendencia do mercado, infelizmente, ou, felizmente.

      Porem, o grilo aqui, não é as lojas estarem diminuindo ou fechando...
      o grilo é o que sobrou dela, está pessimamente mal.

      Conto uma historinha:

      Estava no Shopping Itau de Contagem/MG semana passada, com minha esposa, tava a amiga dela, e elas todas felizonas andando pelo shopping afora, experimentando tudo que mulher gosta: roupa, sapato, bolsa, brinco, maquiagem, celulares...

      E eu andando atras delas com aquela cara que todo homem faz...vixeee outra loja?! affff.....vamo ne...pffff.

      Dai passo de frente a unica loja de instrumentos que tem dentro do shopping com o nome que antigamente se dava as boates, alguns devem saber.
      Nessa loja é tudo absolutamente caro, insano até, coisa de ver teclado casio de 61 teclas custar 1500 reais, e muitas strinbergs por 1200.
      Tudo bem, é loja de shopping ne, normal. Tudo é caro mesmo.

      Mas eu entrei porque, afinal, mesmo sabendo que era caro, é a unica coisa que tinha de interessante no shopping pra mim naquela epoca.

      Olhei os violoes de nylon, tudo de marca desconhecida, so um da Diggiorgio.
      Gostei do acabgamento e visual de um Bertoli. Mas nao pode tocar, pra nao despertar a furia do Sr Vendedor, que alias é o unico da loja (Tem outros mais eles fazem escala)

      Continuei olhando e to com um certo desejo de comprar um cajon. Acho que poderia ter comprado naquele dia. "Tinha o cascaio tava no borso!"
      Antes de olhar o cajon, que estava numa parte inacessivel da loja, dentro da vitrine, decidi olhar cordas.

      Bom as Gianninis estavam por 49,90. As Daddario's, 79,90. Elixir 149,90.
      Nao é corda de baixo nao galera. É de guitarra normal, 6 cordas, como todo mundo compra. Nessa hora me deu vontade de comprar uma Rouxinol, serio mesmo.

      Ai eu chamei o vendedor que estava, que estava com uma cara parecendo que tava louco pra pegar um fuzil e mandar bala dentro do shopping.

      Eu -E ai amigao, tranquilo?
      Eu- Te perguntar: Ta quando as cordas?
      Ele - O preço ta ai na etiqueta.

      Pensamento - O.o ... puts...conta até 10....vamo la de novo.

      Eu - Legal, voce tem Ernie Ball
      Ele - Fez sinal de sim com a cabeça, olhando para as cordas.
      Eu - Ja usei Ernie Ball, mas muita gente diz que enferruja rapido. O que o Sr recomenda?
      Ele - Uai, voce que tem que saber isso, isso ai vai de cada um.

      Pensamento - nao é possivel cara, e se eu fosse um leigo e tomasse uma resposta dessa? Terceira vez, se mal tratado vou dar uma patada.

      Eu - Ta bom, comprei com strato uma vez com voces aqui, gostei dela. Agora quero olhar um cajon. Vi que tem uns ai ne!
      Ele - Eh, so tem um. Ta la na vitrine.

      E apontou o dedo em direção a vitrine, que automaticamente tambem apontava para o lado de fora da loja, indicando eu eu deveria ir la e ver.
      Ou seja, ele nao iria tirar o cajon de la. Ele nao iria deixar eu testar. Em resumo, ele nao queria vender nada naquele dia.
      Conclusão: ele saiu de casa pra ralar sem ganhar nada, por que gosta de ficar no shopping ralando domingo a noite e voltar pra casa com o bolso vazio. Em suma, ele come capim porque gosta.

      O que eu fiz com esse dedão indicador apontando pro lado de fora da loja?

      Eu - Muito obrigado pelo excelente atendimento senhor !!! Tchau.

      ---

      Esse relato não é unico e exclusivo de um dia so. Nao abri topico pra desabafar um acontecimento so.
      As coisas estão ficando assim, sobretudo, em lojas de instrumentos.

      Quando vou comprar boné, que custa 20 conto, muito mais barato que uma mísera corda, sou bem atendimento, o cara pega varios bones pra mim experimentar, coloca um espelho na minha frente e tal.

      Quando vou comprar um tenis, experimento todos da loja. A menina que me atende vem carregando caixa de tenis até em cima da cabeça, descendo tudo do estoque, pra eu comprar UM so.

      Quando corto cabelo aqui no bairro, corte de 20 conto, o cara me da uma brahma barrigudinha de graca. Diz ele que é pra cliente fiel. Nunca ganhei nem uma palhetinha por comprar cordas fielmente na mesma loja.

      Cara, tem uma loja de BH que fica Carijós quase com Olegario, que hoje vende muita coisa eletronica, mas uns 5 anos atras vendia muito instrumento bom. Comprei 5 instrumentos com eles.
      Tinha um vendendor la, de meia idade, que nunca esqueco o nome.
      O sujeito se chama Wellington. Esse sim, era um excelente vendendor.
      Fazia gosto ir la comprar com ele.

      Depois que ele saiu de la, o dia que voltei foi tratado de uma forma que só exemplificar assim:

      https://dialogospoliticos.files.wordpress.com/2013/01/chute-na-bunda.j pg?w=529

      Complicado.

      Mauro Lacerda
      Veterano
      # 22/dez/17 09:31
      · votar


      Mudei para São Paulo capital em 2001. Durante uns 5 anos desde que cheguei, sempre fui na Teodoro e chegava para os vendedores (de teclados, talvez haja diferença para os vendedores de guitarra) e dizia: cara, tenho zero grana. Liga esse tecladão de 10000 para eu ver o som? Não vou ter grana para comprar isso por pelo menos uns 15 anos.
      Eu ia quase sempre na Krocodille Pop (embora nas outras fosse igual) e sempre os vendedores ligavam o tecladão de 10000, me davam um fone ou ligavam numa caixa e me deixavam de boa, sabiam que eu não iria comprar então não tinham que fazer sala. Na verdade toquei alguns sons com alguns vendedores, umas jams jóias no meio da tarde :)
      Depois de uns 6 anos nessas, melhorei de grana e comprei pelo menos uns 15 paus de equipos nessas mesmas lojas com esses mesmos vendedores, fui cliente fiel até que essas lojas começaram a quebrar e mandar esses caras embora. Hoje não é mais como era, não tem mais aquele clima nas lojas, tem clima de shopping center.
      Hoje o que funciona na Teodoro são as lojas de usados, trocas, violões e instrumentos baratos. Nessas lojas geralmente sou bem atendido. Faz tempo que não entro numa loja cara para olhar instrumentos novos porque a crise não deixa.
      Como trabalhamos com arte, sabemos que um certo clima lúdico e de descontração é importante para o músico, mas cheguei a trabalhar um final de semana numa loja legal da Teodoro com freela e vi que a situação está muito ruim para os donos das lojas, e sem grana rodando é difícil colocar pessoas que além de vendedores também tenham o tato para sacar que artistas precisam de um ambiente legal e acolhedor para escolher seus queridos instrumentos. São tempos complicados, não tem respostas fáceis e simples.

      JJJ
      Veterano
      # 22/dez/17 10:07
      · votar


      Caras... estamos falando de algo moribundo. Nem as lojas de fora estão se aguentando, que dirá as nossas, que além de todo o problema causado pelo comércio na web e do desinteresse crescente por instrumentos (geral no mundo, aparentemente) ainda tem os problemas tupiniquins (imposto, gente despreparada, falta de segurança, etc).

      É o fim de uma era.

      Quando eu era moleque e comecei a aprender, tinha várias lojas boas (morava no Rio), tinha loja em Copacabana, no Centro, na Tijuca e alhures... Gente boa atendendo. Os preços eram altos, mas naquela época, importar era algo meio impossível, não havia ebay, ali. Nem ML tinha! O máximo que podia se usar pra comprar fora de loja eram classificados de jornal (lembro que comprei alguma coisa no "Balcão", que era o mais badalado que tinha).

      Depois veio a web e tudo mais que já citei. Esqueçam loja física de música. As poucas que sobrarem serão como brechós ou por insistência do dono, que talvez não precise muito e faça só por prazer.

      RobsonCosta
      Veterano
      # 22/dez/17 10:24
      · votar


      Moro em Vinhedo, interior de SP.
      Aqui, há apenas uma loja de instrumento.
      PÉSSIMA. A primeira coisa que se nota quando entra na loja é uma placa:
      "NÃO TOQUE NOS INSTRUMENTOS!"


      Sou de vinhedo também, eu nem entro na loja, da até medo.

      mas estava falando com um amigo esses dias, mes passado visitei 3 guitar center, atendimento horrivel tambem, em são paulo nem vou mais, fico mais namorando instrumento por internet, videos, etc. Parece que antes os vendedores tinham amor pelo que estavam fazendo, em contar sobre o instrumento, dividir experiencia etc.

      sandroguiraldo
      Veterano
      # 22/dez/17 10:32
      · votar


      Se você vai numa loja de sapato, você calça, olha no espelho e compra ou não.
      Você não ficar desfilando na loja, ou se exibindo, ou ainda "nossa como esse sapato é confortável" ou "que tesão de usar esse tênis"...

      Mas na loja de instrumento é diferente. Você teste um instrumento e desfruta da experiência. Ninguém vai na loja de sapato pra ter o tesão de calçar um Nike de mil reais... mas na loja de instrumento você pode tocar num Gibson de 5 mil e ter um prazer... ou seja, você aproveita de algo sem comprar... diferente do exemplo do sapato.

      Não acho que isso justifique o mal atendimento, mas explica um pouco, porque o que deve ter de carinha que alopra o dia inteiro com mão suja querendo tocar nos instrumentos caros...

      Uma outra coisa... nossa forma de comércio de instrumentos sempre foi ultrapassada. "PROIBIDO TOCAR NOS INSTRUMENTOS" é igual a escrever na porta da concessionária da Ford "PROIBIDO FAZER TEST DRIVE" ou seja, uma coisa totalmente sem sentido!

      Fora que, em lojas de instrumentos usados, muitas vezes (e por diversos fatores) os instrumentos ficam caindo aos pedaços... sujos, com cordas velhas, desafinados, com mal contato... isso muitas vezes broxa uma venda.

      Filippo14
      Veterano
      # 22/dez/17 10:32
      · votar


      RobsonCosta

      Guitar Center? Nao entendi, vc foi pros EUA ou ta falando da Made in brazil?

      Cisdelli
      Veterano
      # 22/dez/17 10:37
      · votar


      Buja
      Só li verdades cara!
      Tenho muitos relatos também aqui no interior de SP de péssimo atendimento, em ITAPETININGA (espero que alguém que trabalhe nessa loja use o forum) existem 2 lojas de instrumentos, uma mais voltada para o iniciante e outra com uns equipamentos mais intermediários e até profissionais. Bom sempre que vou nesta primeira e sou atendido pelo filho do fundador da loja sou muito bem atendido, da a entender que ele sente orgulho pelo que o pai fez pela vida toda e respeita a loja e os clientes, uma pena que venda produtos voltados aos iniciantes..

      Já nesta segunda (a de equipamentos legais) não teve um dia em que fui bem atendido, juro! nenhum!!, vc entra na loja já sendo julgado pelos semi-deuses vendedores que vendem um produto pouco melhor que na loja concorrente, comprei minha epiphone standard la e ainda sim me senti mandado embora mesmo deixando o rim la pra pagar... comprei também um Meteoro Vulcano g200 (no dia tinha estacionado numa praça que fica a certa distancia da loja pois o estacionamento da loja estava cheio..... de motos dos vendedores) e nenhum filho da mãe perguntou.. "fera! quer encostar ai?" ou, "quer uma ajuda pra carregar pro carro?" Não!!! todos, ficaram apenas olhando eu carregar um trambolho gigante e pesado por vários metros... (sei que não é obrigação do vendedor, mas gentileza não custa nada e fideliza o cliente, em qualquer outra loja, a de móveis por exemplo, vc escolhe e não coloca mais a mão!, o cara faz questão de por o produto dentro do seu porta malas! e se abusar vc leva brinde!

      Sem contar as "rodinhas pra ver o vendedor x tocar baixo ou guitarra" enquanto vc fica as moscas la dentro!

      Não piso mais la!!!

      Buja
      Veterano
      # 22/dez/17 10:50 · Editado por: Buja
      · votar


      Aqui nao tem os dizeres proibido tocar nos instrumentos.

      Mas quase toda loja tem armarios de vidro com trancas onde os instrumentos ficam la dentro, e voce so consegue ver, nao da pra tocar.

      Se quiser mais informacoes, o vendedor que nao ta afim de vender, explica por alto o instrumento. Tocar nele, so se voce tiver entrado na loja com o cartão de debito na mao. Se ele nao ver que voce ta com a grana pra comprar na hora, ele nao abre o armario.
      E isso é pra instrumentos, pedais, equipos, até baqueta fica dentro do vidro.

      Tem loja que nao fica dentro do armario de vidro, mas fica na vitrine numa area onde voce nao consegue chegar. Fica la exposto e tambem so da pra ver.

      Outros ficam dentro do balção, e logico, so da pra ver. Pegar é quase impossivel.

      Mas tudo isso nao me incomoda. O que realmente é absurdo, é a falta de interesse em atender e a completa arrogancia por parte dos vendedores.

      Os donos de loja eu entendo. Tambem temos estabelecimento comercial, e sei que a coisa no Brasil ta feia com força. Ta brabo.

      Como empreendendor passo aperto com "funcionario" que nao atende bem, chega doente, desanimado, dpressivo, porque brigou com o namorado, porque o cachorro ta muado, porque gastou a grana toda no fim de semana...

      Mas o descaso normalmente nao é do dono da loja que ta doido pra vender.
      É de vendedor que ta doido pra xingar alguem e acha que pela sua cara de bobo sonhador guitarrista, pode te destratar que "nao da nada".

      Poooooo, eu nao to na loja pedindo favor pra ninguem nao, nao fui pedir esmola, pechincha nao.
      Saio de casa arrumado, penteio cabelo, boto uma boa roupa, escovo dentes, uso desodorante, chego como um cliente normal que conhece de instrumento, e quer ver o que tem de novo, pra ver se vale a pena passar a grana que vem juntando na loja.

      Esse descaso que chega a me matar.

      Conto outro causo curtinho aqui:

      Terça-feira fui num cachorro quente aqui do bairro, uma franquia boa, cachorro quente mais topzinho.
      La voce compra o kao-kente e ganha refri de graça a vontade. Pode tomar até 5 litros se quiser como brinde. Coisa de povão mesmo.
      Entao tava lotado o lugar, muita gente comprando, e o refri acabando.
      Quando chegou na minha vez, acabou o refri da casa.
      Falei com o funcionario: "vixe cara, tem refri nao?"
      O cara falou grosso: "Kabô zé. Ja era."

      Eu tava voltando da igreja, terno e gravata, entao né, manter a compostura, pessoa de Deus, nao ia responder a altura. No fundo da loja estava o dono.
      Chamei ele e ele veio.

      Falei, opa tudo bem amigo. Gosto demais o cachorro quente daqui, e uma atração sua muito bem vinda são os refrigerantes de brinde. Mas acho que acabou amigo.

      Bem, ele serve refris mais baratos, del-rey, mate couro, tal.
      O cara pegou duas cocacolas 2 litros geladinha, me entregou uma e disse:
      É sua irmão. Aqui nao falta refri pros meus clientes nao.
      A outra coca ele entregou pro funcionario e disse:
      Serve o pessoal que ta sem refri ai, mesa por mesa!


      Entende como é?! O dono do estabelecimento geralmente nao tem culpa. Poo o cara quer vender uai. Abriu loja pra que?!

      O problema é o funcionario que as vezes precisa so de uma licaozinha de vida pra ver que emprego nao ta facil e cliente menos ainda.

      Pé de chinelo
      Veterano
      # 22/dez/17 11:02
      · votar


      Del-Rei

      Isso não é exclusividade de lojas de instrumentos musicais.
      O nível de prestação de serviços e qualificação de funcionários comerciais estão péssimos. Vêm caindo constantemente.


      JJJ

      Caras... estamos falando de algo moribundo. Nem as lojas de fora estão se aguentando, que dirá as nossas, que além de todo o problema causado pelo comércio na web e do desinteresse crescente por instrumentos

      Concordo, é um problema generalizado no mundo e amplificado pela crise no Brasil. Faz muitos anos que eu não pergunto nada pra vendedor nenhum de loja nenhuma, pesquiso tudo na internet ou com fontes confiáveis e vou na loja sabendo exatamente o que eu quero, quando não dá pra comprar online, que é sempre minha preferência (com exceção de instrumentos musicais, que eu faço questão de testar antes de comprar).

      Mas também é um fato que alguns clientes são xaropes mesmo, a responsabilidade sobre os instrumentos é do vendedor então é normal que ele fique "vigiando", isso acontece no mundo todo, eu já fui em lojas de instrumentos desde Miami até Istanbul e esse comportamento é padrão.

      Algumas pessoas pensam que o vendedor tem que saber tudo sobre tudo que ele tá vendendo, seria bom, mas me parece meio utópico pensar assim.

      diogosabh
      Membro Novato
      # 22/dez/17 11:08
      · votar


      Buja

      Tudo q vc ta falando eu ja passei, ainda mais por ser de Bh,kkkk. o que me chateia pq costumavamos ser bem atendidos aqui.

      Pra mim, a responsabilidade do dono do estabelecimento nisso tudo costuma estar em dois pontos:

      Primeiro ponto: omissao. mtas dessas lojas vc entra e nao ve o dono la NUNCA. so passa pra buscar dinheiro. ai o funcionario toma conta msm. o dono tem a obrigaçao de conferir o atendimento de tempos em tempos.

      Segundo ponto: economia porca. mta dessas lojas contratam o mais barato que dá. e nao oferece um treinamento de qualidade. um bom vendedor nao sai de casa pra ganhar 900 reais. quem sai de casa aceitando isso ou ta iniciando e precisa de muito treinamento ou é ruim msm. cara quer pagar mto pouco e ter um retorno mto bom. isso nao existe

      Kallau
      Veterano
      # 22/dez/17 11:10
      · votar


      sandroguiraldo
      É ai que tá. O bom vendedor deveria se aproveitar desse tesão do cliente e fazer ele comprar na emoção. Isso é muito explorado comercialmente. Muitas vezes entramos em lojas (de todo tipo) só pra olhar e compramos algo.
      Meu perfil é totalmente contrário do comercial, sou uma pessoa muito mais técnica. Mas se fosse um vendedor, eu colocaria uma Gibson no colo do cara e fazia ela tocar num Marshall no talo. Só a adrenalina que ele ia ta curtindo ali, ia abrir várias oportunidades de venda, cordas, palhetas, cabos, e quem sabe até uma guitarra mais barata. Não ia dar certo sempre, mas o que custaria PRA MIM, vendedor, deixar ele tocar uma guitarra pra ganhar uma comissão de um jogo de cordas? Nunca trabalhei de vendedor, o que acontece se uma guitarra vir a apresentar "marcas de uso" por ser muito usada por clientes para testes? Ela é vendida mais barata? Vai pra uma reforma? Imagino que uma Gibson de 5 mil reais que é testada à exaustão por clientes gera muito mais lucro do que uma dentro da prateleira de vidro que nunca é tocada. É como um investimento.

      RobsonCosta
      No caso da loja da nossa cidade, loja pequena sem instrumentos caros, essa situação pode ser bem mais proveitosa. Vou receber o leigo, iniciante, que está atrás de algo barato pra começar. Normalmente esses caras se impressionam fácil. Coloca uma Shelter num amp bem alto e o cara fica doido. O vendedor tem a possibilidade de criar a necessidade no cliente, mas prefere fazer cara de bunda, ignorar e não ganhar dinheiro.


      São muitas variáveis para explorar, mas acho que uma das principais é a arrogância. Normalmente vendedores entendem algo de música, mas por estar nesse meio, ter o poder de deixar ou não você tocar (olha outra variável ai, o poder corrompendo o homem) ele se acha superior, e não vai te tratar como ele trataria alguém que ele admira, ou que tem dinheiro pra comprar uma guitarra de 5 mil reais na lata pra ele ganhar uma comissão gorda.

      strinbergshredder
      Veterano
      # 22/dez/17 11:25 · Editado por: strinbergshredder
      · votar


      Buja
      Brabo hein velhão!

      Também sou aqui do RJ e trabalho no Centro, pertinho da Rua da Carioca. Comprei minha guitarra lá faz uns bons anos, e a única loja onde ja fui bem atendido é na Pleidisco, que quem conhece a rua da Carioca sabe qual é...

      Na época (tem uns 7 anos isso), fui muitíssimo bem atendido por 2 vendedores, Fabio e Leonardo, que tiveram a maior paciencia do mundo em ligar um amp e montar o esquema todo pra um muleque de 13 anos ficar testando a guitarra das 4 da tarde até as 18h, quando a loja fecha...

      No fim das contas, sempre que preciso comprar algo em loja física vou nessa mesma loja, e apesar de o Fabio ja ter saído de lá, o Leonardo continua até hoje, sempre prestando o mesmo bom atendimento...

      Já nas outras lojas, a realidade infelizmente é a mesma da que os demais colegas foram citando acima... vendedores despreparados, com cara de bunda, sem disposição de dar uma mísera informação, parecendo mais seguranças no teu cangote do que vendedores, e quando não, parecendo que tão fazendo um favor pra gente.

      diogosabh
      Membro Novato
      # 22/dez/17 11:28
      · votar


      JJJ

      Caro JJJ. Eu ainda acho que há espaço pra lojas. Nao pra MUITAS lojas,kkkk. algumas. Pq elas tem a oportunidade de oferecer um diferencial. O problema maior é elas nao oferecerem diferencial nenhum. Nem ambiente, nem variedade, nem atendimento, nem nada.

      A internet tem umas limitações. Poder pegar numa guitarra, comparar guitarras, tocar em varios amplificadores, etc é uma experiencia de compra mto legal. Poder conversar com alguem que entende sobre cordas e etc é importante para iniciantes. eu sou uma pessoa que compra demais pela internet mas acho que ter o contato com o produto é ainda mais prazeroso. e gastar dinheiro com musica e algo que tem que estar proximo do prazer. com atendimento ruim é impossivel. o modelo esta moribundo msm. do jeito que é nao vao se sustentar. mas nao adianta lojista jogar a culpa na internet tb. Bar nao fecha pq supermercado vende cerveja,kkk.

      Kallau
      Veterano
      # 22/dez/17 11:38
      · votar


      Tudo trata-se de experiência.
      Qual é a melhor experiência:
      1. Comprar um jogo de cordas pela internet, do conforto do seu sofá e recebê-lo na mesma semana.
      2. Pegar o carro, talvez pegar um trânsito, entrar na loja, vendedor com cara de bunda, não poder testar nada de diferente, pagar, entrar no carro, pegar trânsito e voltar pra casa.

      Agora imagine que a opção 2 fosse:
      Pegar o carro, talvez pegar um trânsito, entrar na loja, ser recebido pelo vendedor, dizer o que precisa e ele te entregar, ele perguntar se você já tocou uma Gibson ou viu o novo pedal que lançaram, ligar a guitarra e/ou pedal pra você testar, jogar conversa fora, zuar do fato do Axl estar cantando como uma velha, dar risada, te chamar pro show da banda dele, pagar, entrar no carro, pegar trânsito e voltar pra casa com uma sensação de tratado como ser humano.

      O mundo é outro. O que funcionava há 30, 40 anos não funciona mais agora.

      Beto Guitar Player
      Veterano
      # 22/dez/17 11:39
      · votar


      Por essas e outras, que minhas ultimas compras foram online.
      Eu gostava muito de entrar em lojas de instrumentos, mas quando eu tinha dinheiro pra comprar alguma coisa, caso quisesse, agora que só ando fudido, nem me arrisco, kkkkkkkk.

      Buja
      Veterano
      # 22/dez/17 12:11 · Editado por: Buja
      · votar


      Manos, comprei a mesma guitarra que o strinbergshredder tem a uns anos atras. Sinto saudades dela, era uma flying v que muita gente taca o pal, mas foi uma namorada em tanto que eu tive (a flying v ok!).

      E foi a melhor experiencia de compra de todas.

      Estava chegando final do ano, 13º e eu no meu primeiro emprego, onde tinha um dinheirinho proprio e podia comprar as coisas que meus pais nunca puderam me dar. Eu sonhava em ter uma boa guitarra a anos a fio na minha adolescencia.
      Ouvia bandas que gostava, me imaginava tocando aquela musica legal, com uma guitarra legal, com uns pedais legais. Tudo isso era uma sonho sonhado todo dia.

      Eu viva entrando nas lojas de instrumento, com vergonhad e nao ter o dinheiro, so babando. Pegava busão de volta pra casa, tocando air-guitar. Um dia vou ter uma!

      Chegado a epoca de fim de ano, 13º na conta, caiu dia 20 de novembro, ao meio-dia, lembro até hoje, e eu nao conseguia trabalhar direito a parte da tarde, pra sair do trabalho as 17horas, correndo igual um doido, pra chegar na loja e comprar minha guitarra.

      Eu ja sabia qual comprar. Era uma flying v. Ja tinha olhado na internet warlock, ja tinha olhado sg. Mas flying v era divinal!

      Dai, as 17 hrs, sai correndo do alto na Av pEdro I, peguei o onibus em direcao ao centro. Inocente demais, o trasito era um inferno. Demorou, semaforo fechou, o inubus andava e parava, andava e parava de novo, e no fim cheguei no centro quase 7 da noite. Lojas fechadas.

      Nossa me deu uma agonia, uma chateação. Mas eu pensei: Nao tem problema. Vou embora, mas amanha assim que o sol sair, eu venho correndo.

      Dito em feito, fui pra casa, escutei Megadeth a noite toda. Ahh, minha flying v!
      Será que venderam? Meu deus do ceu! Tomara que nao, pensei, aflito.

      No dia seguinte, nao dava conta de tomar cafe direito. Nunca acordei tao cedo assim pra trabalhar. Mas era sabado, dia de comprar minha guitarra!

      Peguei o onibus, bati pro centro.
      Chego la, lojas fechadas! Nossa caramba, cheguei cedo demais.

      Fui comprar pastel na lanchonete, que fica de frente a loja que tinha a flying v.

      Quando abriu a loja, fiz comigo mesmo cara de quem nao estava ansioso, e esperei mais uns 10 minutos eternais rsrs.

      Dado o tempo, entro na loja, vendedor gente boníssima.
      Novamente fiz cara de nao ansiedade. Pedi pra ver uma SG.
      Peguei na SG e disse....pooo....pelamor de Deus, pega aquela flying v lokona pra mim cara!!!!

      Ele plugou numa caixa multiuso, lembro até hoje.
      Bati o Mizao....Bleeeennnnuuuuuu. Som de guitarra clean desafinada.

      Folhas!!!! Amei essa guitarra mano. Quando é? 550.
      A vista? Faco 510. Joia. A melhor frase de todas. Pode embalar pra mim!!!!

      Fui no balcao, paguei, o cara me levou até a porta da loja e disse:
      Parabens amigo, sua guitarra é linda. Bons sons ae!

      Sai de la radiante, faltava dar um grito no meio da cidade.

      Depois dali, fui em mais duas lojas, um pra comprar o amp, e outra pra comprar meu primeiro pedal, um Behringer Ultra Metal, que saia um Meeeeetallll ultra estridente do Children of Bodom.

      Nossa que experiencia magnifica. Bons tempos. Boas Lojas. Bons Vendedores.


      Depois disso, a cada guitarra que eu ia adquirindo, comprando e vendendo, a qualidade subia, e a alegria nunca era a mesma.

      Até chegar hoje, com esse topico em aberto, que reflete minha completa aversão as lojas que tao me fizeram satisfeito.

      sandroguiraldo
      Veterano
      # 22/dez/17 12:47
      · votar


      Kallau
      O bom vendedor deveria se aproveitar desse tesão do cliente e fazer ele comprar na emoção.
      Exatamente! Interessante que todos outros segmentos de vendas usam isso, porém parece que em lojas de instrumentos isso é proibido rsrsrs

      Só a adrenalina que ele ia ta curtindo ali, ia abrir várias oportunidades de venda, cordas, palhetas, cabos, e quem sabe até uma guitarra mais barata.
      É que geralmente o cara que trabalha em loja de instrumento é músico, e não vendedor... aí não sabe aproveitar as oportunidades. "Se o cara tocou na SG ele tem que comprar a SG"... "não vou vender corda, palheta, cabo, afinador, capa, correira, pedal... ele TEM que comprar a porcaria da SG"

      Nossa que experiencia magnifica. Bons tempos. Boas Lojas. Bons Vendedores.

      Eu tenho uma história parecida... quando comprei minha POD HD500 (esse ano, história recente).

      Achei uma POD baratinha na internet, mas demorei e perdi a oportunidade.
      Aí apareceu outra, um pouco mais caro e fechei.
      Fui pro centro de Campinas, com um amigo, buscar a pedaleira.
      Encontramos o cara no banco, depositei o dinheiro na conta dele e fiquei com medo desse cara dar um sumiço no meio da multidão...

      Aí ele me levou no carro dele, entregou a POD com case e tudo e eu morrendo de medo de não estar funcionando... Voltei correndo pra INDAIATUBA e fui testar, tudo certo... a adrenalina, a ansiedade, o prazo de ter algo novo, algo bom, algo SEU, é muito gostoso mesmo.

      Synth-Men
      Veterano
      # 22/dez/17 13:17
      · votar


      Se eu for mal atendido, não volto. Mas não volto mesmo. Em D. de Caxias/RJ tem uma mega loja. Vende muito. Tem tudo e todos os instrumentos que imaginem. Artistas, grupos diversos, cantores, igrejas, casas de eventos, políticos tudo frequentam o local.

      Pessoas levam na hora, 30k, 40k, 50k

      Inclusive, meu irmão trabalhou e é amigo partícular do dono. Mas o atendimento lá é péssimo. Eu compreendo que o vendedor, não pode ficar uma hora inteira com quem não irá comprar. Mas os caras se lixam, se você for lá comprar um jogo de cordas por exemplo.

      A última vez que fui, foi para comprar uma escaleta. A menina estava no balcão digitando, levou quase uma hora para me atender. Não comprei mais, mesmo conhecendo o dono. Só por que não levei um Motif ou uma mesa de som de 20k vai me atender com desprezo.

      Parto para as lojas menores, que além de completas, atendem muito bem. A Pleidisco por exemplo é muito boa.

      Enviar sua resposta para este assunto
              Tablatura   
      Responder tópico na versão original
       

      Tópicos relacionados a :: Sobre atendimento em lojas de instrumentos musicais ::

      306.109 tópicos 7.902.719 posts
      Fórum Cifra Club © 2001-2018 Studio Sol Comunicação Digital