Quem inventou as "Cifras"?

Autor Mensagem
Herold
Membro Novato
# mar/14


Pessoal, gostaria de saber quem foi que inventou as "cifras". Aquelas que usamos para identificar os acordes; que vai de "A" á "G" do alfabeto.
Já procurei e não sei que foi o autor!

Quem souber, fineza informar a fonte de pesquisa!


Vlw e fiquem com Deus![i][/i]

ALF is back
Veterano
# mar/14
· votar


isso veio lá da grecia

makumbator
Veterano
# mar/14 · Editado por: makumbator
· votar


Herold

É algo antigo, não há autor plenamente identificado. As cifras modernas de acordes são de certa forma um desenvolvimento das cifras de música antiga. No barroco se usavam cifras junto a uma linha de baixo em notação tradicional, em que a cifragem dava informações ao músico sobre qual acorde está valendo em cada momento , e também qual o "voicing" desse acorde (ao contrário da cifragem moderna, que deixa a escolha de voicing totalmente a cargo do executante).

As cifras barrocas eram usadas para criar o contínuo, em que um instrumento harmônico (normalmente de teclas) fazia os acordes de base de maneira improvisada (como hoje alguém interpreta uma cifra também improvisando em cima das informações de acorde) e tocava a linha de baixo já escrita em notação tradicional juntamente com esses acordes.

Era comum se juntarem a ele outros instrumentos nessa função, como violas da gambas, cello, violone, violone grosso, alaúde, tiorba, etc... para engrossar essa base improvisada. Os harmônicos improvisavam os acordes com base na cifragem e os graves (como o cello, viola da gamba e violone, etc...) dobravam a linha de baixo em notação tradicional.

Aqui exemplos da cifragem barroca (era um sistema muito legal):

http://pt.scribd.com/doc/7300479/Cifra-Barroca

Herold
Membro Novato
# mar/14
· votar


makumbator

Já ouvi falar que o imperador Cesar que criou. Ele chamava cada um de seus generais de General A, General B e assim por diante!
Sabe se tem algo a ver?
VLW

Jeff.guitar
Membro Novato
# mar/14 · Editado por: Jeff.guitar
· votar


Leia e saberás

JJJ
Veterano
# mar/14
· votar


Deus.

Jm7
Veterano
# mar/14
· votar


Jeff.guitar

Muito obrigado pela informação, jamais encontraria!

Jeff.guitar
Membro Novato
# mar/14
· votar


Jm7
Agora a use com sabedoria e serás um grande homem.

sidguitar1
Veterano
# mar/14 · Editado por: sidguitar1
· votar


ate onde sei oq a gente usa hj e derivado do sistema europeu de cifragem q ja era usado na musica erudita como o makumbator citou, mas a grande questao e o pq de pesquisar isso ja q se vc for prestar vestibular pra musica a prova previa e teorica vai ter o nome dos livros e fontes q vc deve estudar, mais importante na minha opiniao e ocupar seu tempo tentando tocar o instrumento dq descubrir essas questoes teoricas relacionadas a historia da musica , mas se vc quiser comprar um livro q quase todos as faculdades usam pra vc estudar essas questoes teoricas indico o teoria da musica de bohumil med ,abraço
http://www.freenote.com.br/produto.asp?shw_ukey=38019155039GS9RAFG

Lelo Mig
Membro
# mar/14 · Editado por: Lelo Mig
· votar


Jm7

Se o que você aqui se refere como "Cifra" é o sistema de notação para "nomear" os acordes, ninguém inventou...rs, pelo menos não que se saiba.

Desde que o primeiro "carinha", resolveu colocar duas tripas esticadas no pedaço de pau (que só tinha uma), e tocou duas notas ao mesmo tempo, criou o primeiro acorde.

No entanto, a formação dos acordes em função das escalas e intervalos, já era comum e utilizado desde remotos tempos (usados até hoje - modos gregos).

Contudo, que eu saiba, e posso estar enganado, a "organização" da lógica de intervalos e "normatização" das denominações dos acordes originam-se de um sistema, que os Gregos, chamavam de Teleion, oriundo dos tetracordes, possíveis, seguindo o sistema das cordas dispostas em uma Lira.

Hypate- Mi
Parahypate- Fá
Lichanos-Sol
Mese - Lá
Paramese-Si
Trite-Dó
Paranete- Ré
Nete - Mi

Só que havia uma lógica, em que no acorde, as notas sempre eram "presas" da mais grave para a mais aguda, seguindo as cordas da Lira. Este sistema de Tríades, onde a ordem de graves e agudos não necessariamente tem que ser obedecida, é mais moderno.

Mas, repito, não tenho certeza.

A cifragem A,B,C,D,E,F,G é anglo-saxônica (chamada por alguns de cifragem Americana), e é só uma colocação em ordem alfabética da nomeclatura em latim, que é na ordem Lá, Si, Dó, Ré, Mi, Fá, Sol, por conta de serem as primeiras sílabas de cada verso de um poema religioso que não me ocorre o nome agora.

Obs 1: Você pode pensar: "Pô, mas numa Lira, as cordas são tocadas soltas, não se "escala" uma corda. Sim, mas uma Lira padrão tinha 8 cordas, então imagine a possibilidade de acordes possíveis, mesmo com cordas soltas.

Obs 2: (Se falei muita besteira, Makumbator e demais amigos, irão me salvar!

sidguitar1
Veterano
# mar/14 · Editado por: sidguitar1
· votar


o poema q o lelo falou q nao lembra e do papa gregorio

sidguitar1
Veterano
# mar/14 · Editado por: sidguitar1
· votar


http://pt.wikipedia.org/wiki/M%C3%BAsica_medieval

Desse modo, as notas musicais passaram a ser chamadas UT, RE, MI, FA, SOL, LA e SI. Posteriormente o nome DO substituiu o UT. O nome da nota SI formou-se das letras iniciais do último verso do hino como pode ser visto a seguir:
Ut queant laxis Resonare fibris Mira gestorum Famuli tuorum Solve polluti Labii reatum Sancte Ioannes
Que significa:
"Para que teus servos, possam ressoar claramente a maravilha dos teus feitos, limpe nossos lábios impuros, ó São João.


Adler3x3
Veterano
# mar/14 · Editado por: Adler3x3
· votar


A história é um pouco diferente.

Tudo indica que foi Guido d'Arezzo monge Italiano fez esta codificação por volta de 1.050.
Inicialmente usou as letras: (já o nome das notas surgiu num hino)
A= lá
B= si
C= dó (ut)
D= ré
E= mi
F= fá
G=sol
Que até hoje são usadas no Sistema Alemão e Inglês.
Depois mais tarde introduziu os nomes num hino a São João Batista. (não o contrário como se pensa).
Primeiro surgiram as letras depois o hino em Latim.
Como o hino é muito bonito e bem montado muitos pensam que é a origem do sistema, o que é um erro.
Temos portanto as letras e os nomes das notas. (não confundir).
Começou usando o sistema de cifras para dar um indicativo ao cantor por onde começar (as notas dos Neumas (sistema anterior) eram relativas, se a pessoa não conhece-se previamente a melodia não saberia se deveria subir ou descer ao passar de uma nota para outra).
E começou usando a Cifra Fá , ou letra "F" , colorida em vermelho que era colocada no início da linha para que o cantor não se esquecesse disso.
Já a letra "C" era colorida em amarela e também conforme o caso colocada no início da linha.
Isto foi o início das Claves, muito depois surgiu a clave de Sol.
O sistema de pauta de Guido tinha quatro linhas, e hoje temos 5 linhas.

Fonte: Fundamentos da Música 1
The Open University - Londres (1.977)
Traduzido para o português no Curso de Música do IUB - Instituto Universal Brasileiro (1.982)

Edit:
lendo o post do Lelo Mig que remonta aos Gregos é bem provável que a origem seja mais antiga ainda remontando aos princípios da civilização.
Os primeiros sistemas identificados (não quer dizer que sejam os mais antigos) foram obtidos em escavações no Egito.
Durante o período Romano Cristão, tanto os Cristão como os Muçulmanos destruíram as Bibliotecas das Civilizações antigas por considerá-las pagãs, infiéis e origem de heresias.
Tanto Cristãos como Muçulmanos se acusam mutuamente por esta destruição.
Assim a humanidade perdeu e muito.
Exemplos: Destruição da Biblioteca de Alexandria.
Destruição da Biblioteca de Pérgamo (origem do pergaminho em contraposição ao papiro) por Marco Antônio para saquear e levar livros antigos para agradar a amante Cleópatra de Alexandria, tudo por pura vaidade.
Muito destas antigas obras, consideradas perigosas e ocultas, sobreviveram e ficaram de posse de antigos mosteiros católicos.
Pode ser que Guido teve acesso a estes antigos manuscritos.

makumbator
Veterano
# mar/14 · Editado por: makumbator
· votar


A origem do nome das notas (que é algo diferente, e bem anterior à cifragem de acordes, até pelo fato do início da música ocidental nem ter a noção acordes) é como o Adler3x3 explicou.

De acordo com a língua há pequenas variações (por exemplo, em alemão o si natural é H, sendo o B a nota si bemol)

Inclusive o uso atual do termo cromático ou cromatismo deriva justamente do uso de cores na notação antiga (que eram trabalhos gráficos belíssimos feito pelos copistas da época).

Claro que o sistema foi sendo aperfeiçoado ao longo do tempo por muitos autores, e é o tipo de coisa em que é impossível definir um único "inventor". É uma criação coletiva, em que um autor modifica e introduz novas coisas em um sistema de sua época, e o ciclo vai se repetindo até chegarmos aos dias de hoje.

Lelo Mig
Membro
# mar/14 · Editado por: Lelo Mig
· votar


Adler3x3

Por isso perguntei no meu post se ele se referia a Cifra "notação musical" ou Cifra "notação de acordes".

Os nomes das notas é como vc citou......ou seja, D´Arezzo codificou, apesar de as notas já serem identificadas e terem nomes, em cada lugar de um jeito, pelo menos 1.000 anos antes.

Se forem os acordes, a coisa muda; Em termos de codificação, mas de uso e conhecimento não, evolui junto com as notas "separadas", afinal, não passa de um grupo de notas executadas juntas.

Adler3x3
Veterano
# mar/14 · Editado por: Adler3x3
· votar


Lelo Mig
Concordo em parte com relação ao sistema atual.
Os acordes surgiram depois, mas isto também é relativo.
Como o Makumbator explicou uma evolução que contou com a contribuição de vários músicos no decorrer dos séculos..
No tempo do Guido a música era essencialmente monofônica.
Entretanto é no Canto que começou a surgir a noção de acordes, onde vários cantores cantando notas diferentes formavam um acorde, e isto deve ser mais antigo ainda.
E acorde é o mesmo que acordo, isto é os músicos entram em acordo e surge a harmonia. (em dó: um canta o Dó, outro o Mi e outro o Sol, e assim acordam entre si.
E no auge do império romano já existia o órgão, que provavelmente tocava acordes, mas não existe nenhum exemplar que tenha sobrevivido.
No próprio Coliseu existia um órgão que funcionava pela inundação de água que entrava nos tubos e fazia o ar sair gerando o som, e já existia uma espécie de pré-programação da música, através de chaves que controlavam a entrada e saída da água.
Como muitos mártires Cristãos foram sacrificados no Coliseu, durante alguns séculos o órgão ficou banido das cerimônias religiosas, e muitos dos órgãos foram completamente destruídos.
Mas depois voltou com força e em certo período e até os dias de hoje virou sinônimo de música sacra (órgão de igreja).
O mesmo aconteceu com outros instrumentos, inclusive o caso mais grave foi o dos Castrati, cantores com vozes afeminadas que eram literalmente castrados para poderem cantar nas cerimônias, uma vez que as mulheres não podiam participar.
Tudo puro preconceito em nome de Deus.

Adler3x3
Veterano
# mar/14 · Editado por: Adler3x3
· votar


O último dos Castrati.

Se não me engano esta gravação é de 1905, feita pelo último dos Castrati.
Que não era o melhor exemplo de uma era já morta.
Mas canta melhor que muito mimimi aqui do fórum.
rss...
Gravação de Estúdio do próprio Vaticano.
Existe até uma versão em mp3 melhor.



Insufferable Bear
Membro
# mar/14
· votar


Eu duvido muito que a cifragem que se usa na música popular (C7, Gm, blá blá blá) seja derivada da cifragem usada na música clássica, elas são bem diferentes, "4 6" indica uma inversão, não a tríade mais a quarta e a quinta, por exemplo.

E como toda tradição popular, deve ser praticamente impossível saber de onde veio exatamente, mas pelo que vejo por aí parece estar relacionado com a história do jazz, daí o uso da notação americana, e faz sentido já que é lá onde foi mais empregado por muito tempo.

Algum etnomusicólogo aí para nos ajudar?

Adler3x3
Veterano
# mar/14 · Editado por: Adler3x3
· votar


Insufferable Bear

Muito antes do Jazz a música folclórica já usava os acordes.
Claro a influência americana na música moderna é notória, e se aumenta em muito o seu peso, por ser mais recente, e por ser mais recente , esta mais bem documentada, somente isto.
E o continente americano nunca foi devastado (ainda) por uma guerra que causa-se destruição de cultura.
Celtas, Arabes, Africanos, Chineses, tudo conforme as possibilidades dos instrumentos disponíveis, e a medida que foram evoluindo em conjunto com o sistema de notação, de polifonia, de escalas, de afinação e muito mais.
É tudo uma questão de assimilação e acumulação de conhecimentos anteriores.
O blues influenciou o Jazz, que por sua vez foi influenciado por uma mistura da música folclórica. (blues o contato de diferentes raças, música africana com música européia)
A forma de se fazer os baixos no blues deriva do folclore inglês, que por sua vez deriva do resto do continente, que sofreu influência dos Árabes e dos Chineses, até pela evolução do próprio modo de tocar o violão, que derivou de outros instrumentos até chegar na guitarra atual.

Ismah
Veterano
# mar/14 · Editado por: Ismah
· votar


Insufferable Bear

A notação por ABCDEFG é presente na música alemã...

EDIT música alemã bem antiga

makumbator
Veterano
# mar/14
· votar


Ismah

Sim, e o uso dessa cifragem é anterior ao jazz americano.

Tanto que tem aquela brincadeirinha que o Bach fez criando um tema com as letras de seu próprio nome (si bemol, lá, dó e si natural).


Claro que a notação de notas por letras é uma coisa, e a cifragem de acordes em um sistema "prático" é outra coisa. O sistema de cifras atual se utilizou da nomenclatura das notas (que como você mesmo apontou é bem mais antigo que o jazz).

Adler3x3
Veterano
# mar/14
· votar


A notação por ABCDEFG é presente na música alemã...

Isto indica o Lá como base da afinação, e demonstra que este sistema é mais antigo do que se pensa.
O que foi discutido num tópico anterior sobre as frequências.
Lembram!

Ismah
Veterano
# mar/14
· votar


makumbator

Apenas usa-se também o ß para si e o B para si bemol.

Ismah
Veterano
# mar/14
· votar


Adler3x3

Hum, o A é lá, porque lá é a primeira nota audível...

makumbator
Veterano
# mar/14 · Editado por: makumbator
· votar


Ismah
Apenas usa-se também o ß para si e o B para si bemol.

Pode-se trocar pelo H. Na época do Bach já se usava o H também como si natural (sendo possível fazer o tema do nome dele, coisa que não seria possível com ß)

Ismah
Veterano
# mar/14
· votar


makumbator

Não sabia disso... Mas é lógico... B A C Bb, parece progressão de arrocha rs

Ismah
Veterano
# mar/14
· votar


Adler3x3
Depois mais tarde introduziu os nomes num hino a São João Batista. (não o contrário como se pensa).

Isso tem um nome... São frases criadas para se assimilar alguma coisa... Tal como "SIM,É ÚTIL E FÁCIL MEMORIZAR UM NÚMERO GRATO AOS SÁBIOS", para o número pi...

[url=Mais macetes de matemática clique aqui]http://www.vestibular1.com.br/turbinando/tub3.htm[/url]

makumbator
Veterano
# mar/14
· votar


Ismah
parece progressão de arrocha rs

Hsahash!

arrocha com sotaque alemão!

Adler3x3
Veterano
# mar/14
· votar


Este tópico esta muito bom.
As vezes desvia um pouco do tema, mas muito proveitoso.

Ismah
Veterano
# mar/14
· votar


makumbator

Im Himmel gibt's kein Bier
Drum trinken wir es hier
Denn sind wir nicht mehr hier
Dann trinken die andern unser Bier
Sicher muß der Wein vom Rhein etwas Wunderbares sein
Sicher ist ein feiner Sekt etwas, was besonders schmeckt
Sicher ist der Schnaps so scharf, daß man einen heben darf
Aber heut' seid's gescheit, liebe Leut'

Novo sucesso...

http://www.youtube.com/watch?v=WSczVxL18qE

Enviar sua resposta para este assunto
        Tablatura   
Responder tópico na versão original
 

Tópicos relacionados a Quem inventou as "Cifras"?