Músicos e não musicos: Como nos vemos e como nos veem (reflexão - Mateus Starling)

Autor Mensagem
mateusstarling
Veterano
# jan/13


Nessa época do ano eu costumo encontrar velhos amigos.

Eles me veem casado com 3 filhos e até hoje as pessoas ainda olham com desconfiança e perguntam algo do tipo: "Sério mesmo que você é musico?" . “Você ainda tem aquela bandinha? “

Existem 2 lados nessa moeda que é: Como nos vemos e como eles nos veem.

A maneira como os que estão de fora nos vê não é assim tão importante. Não podemos viver para agradar ou impressionar pessoas.

A maioria dos de fora só vão te valorizar quando você tiver uma mansão ou carrão. Infelizmente a maioria da população trabalha num emprego chato, burocrático, sufocante e eles não conseguem entender como você pode trabalhar com algo que você goste.

Para eles ganhar dinheiro com algo que você goste muito é tão impossível como convencer Roberto Carlos de que ele não é rei.

A premissa: “Esse som não dá grana. Esse som não tem publico”. Se ao longo dos anos todos pensassem assim, não haveria nada de novo nunca, mas deixa isso para outro dia.

Não me confunda como um romântico recalcado que ama tocar para meia dúzia de bêbado num boteco.

Eu tenho minhas pretensões de publico e de venda, tenho família e muitas obrigações financeiras.

O problema esta em como nós músicos nos vemos e nos comportamos.
Nós ajudamos a criar uma indústria altamente lucrativa para os OUTROS, que é a indústria do entretenimento. Sabe quem mais lucra com essa industria? Produtores, empresários, donos de casa de show, donos de bar e pessoas que não possuem um mínimo interesse por música.

Pessoas que gostam de dinheiro e vivem da famosa indústria do oportunismo. Conheço muitas pessoas assim, que investem no que esta dando grana e, quando o que dava grana não dá mais, eles simplesmente jogam na lata do lixo, como um gomo de manga chupado.

Na indústria do entretenimento o músico é o soldado raso, o pior salário e as maiores broncas e cobranças.

É sempre aquela historia: “Se eu não fizer por esse valor vem outro e faz”, mas por que será que não é assim com profissões valorizadas? Não precisa pensar muito para responder.

Como a nossa profissão é muito concorrida, o que não necessariamente reflete em qualidade, nos resta questionar o que é necessário para se sobressair.

Isso ai é assunto longo, mas além do básico que é estudar música e estudar muito, o músico precisa também se informar, precisa ler, aprender seus direitos, precisa aprender a escrever bem e falar bem, pelo menos o mínimo para ter uma conversa franca com um empresário ou produtor, por exemplo.

Vemos tanta gente perdendo tempo com frivolidades na internet que poderíamos usar 20 ou 30 minutos do nosso dia para ler 4 ou 5 notícias importantes do jornal (Os assuntos mais comentados na internet brasileira em 2012 foram o corínthians e a novela Av. Brasil). Mas você pode se perguntar o que isso tem haver com música.

Isso tem haver com a sua formação intelectual, do seu approach para com outros. Como você vai desenvolver uma conversa e como isso pode abrir portas para você. Ler te ajuda a ter um vocabulário melhor, a escrever melhor, a compreender melhor as coisas. Ler te ajuda a ter assunto, a se posicionar, te ajuda a argumentar.

É claro que se você é músico o mais importante é você ser um bom músico,mas como você me explica o fato de caras que não tem nada haver com música estarem ganhando tanto dinheiro com música?

mateusstarling
Veterano
# jan/13
· votar


fonte: http://www.mateusstarling.com.br/pt/blog/175-musicos-e-nao-musicos-com o-nos-vemos-e-como-nos-veem

Jeffin C.
Veterano
# jan/13 · Editado por: Jeffin C.
· votar


Muito bom o texto
Não sou músico por profissão(acho que nem por hobbie sou direito kkkkk)e nem pretendo ser, mas é realmente lamentável como o músico é desvalorizado.Poxa, foi isso ai que o texto colocou...é uma profissão como qualquer outra...O pessoal acha que se você é músico as coisas são desse jeito:Ou você é rico e famoso ou você é pobre.Pelo menos as pessoas mais "ignorantes" pensam assim.Fora que, o músico é tão desvalorizado, que em muitos locais(minha cidade por exemplo) eles tem que ter um emprego, não dá pra viver só da música...
Se a música fosse mais valorizada, se as pessoas realmente ligassem pra música(leia-se para de excutar essas modinhas que fazem sucesso por 2~3 meses e são esquecidas) eu acho que o mundo da música seria bem menos hostil pra quem pretendesse viver disso.Ae, a propósito, alguém aí se lembra de ai se eu te pego?nunca mais excutei, graças a Deus.Essa foi só mais uma modinha...Daqui a pouco todos se esquecerão do gangnam style também(ja tão se esquecendo pra falar a verdade).Mas vai vir outra modinha comercial, e enquanto isso, os músicos de verdade, que fazem um trabalho sério, estão em uma situação cada vez pior...
Só lamento, queria muito que as coisas fossem diferentes.

Iwar
Veterano
# jan/13
· votar


Jeffin C.

Cara, concordo em partes com vc, pq mesmo que ai se eu te pego tenha sido esquecida o michel teló ta fazendo fama entre os sertanejeiros universitários (kkkk) com outras músicas que são exatamente idênticas às outras dele(onde só muda a letra), ganhando uma grana muito boa em contradição com músicos que estudam de verdade, que entendem mesmo de música e fazem melodias complexas e ganhem aquela merd*nha de dinheiro dos amigos e parentes próximos que compram a música pra ajudar ou algumas pessoas que pagam pra ir nos shows. Acho impressionante um cara totalmente desentendido com a música, vulgo michel teló ganhar tanta grana em comparação ao cara que rala todo dia pra ganhar pouco de dinheiro. Sendo que não é nem mesmo o michel teló que faz a música, são os músicos que ele contrata, tudo que ele faz é criar uma letrinha que até cachorro falante cria

Lelo Mig
Membro
# jan/13
· votar


mateusstarling

O texto é apropriado, bem colocado.

No entanto é necessário incluir um fator deveras desconsiderado pela grande maioria, toquem mal, regular ou bem, nessa reflexão.

Sou apenas um músico? Ou sou um artista?

Explico:

Tenho dezenas de amigos próximos que vivem profissionalmente de música. Alguns muito bem outros nem tanto. Destes, uma parte é músico de ofício. Toca muito, estuda muito, mas não têm "talento/vontade/desejo" (chamem como quiser) de compor, fazerem suas próprias músicas ou canções, tentar algo com trabalho próprio. Alguns, até se julgam incapazes de tal feito.

Estes, acompanham cantores de certo sucesso, dão aulas, ganham seu dinheiro tocando profissionalmente (e gostam de estar tocando, independente de seu gosto musical pessoal, como qualquer funcionário de uma empresa), e como hobbie mantém seus grupos de Jazz, Quarteto de Cordas, Grupo de Choro ou banda de Rock.

Alguns são artistas. Possuem seu estilo, compõem suas músicas, não querem ser reconhecidos como grande instrumentista (ainda que alguns sejam) e sim por sua obra. Destes, alguns não toleram tocar outras coisas para viver, ou é seu trabalho ou nada. Para esses, além das aulas, sobra muito pouca alternativa rentável.

De todos, um desses amigos, que prefiro não citar nomes, é um compositor brilhante, com trilhas belíssimas e criatividade excepcional. Vive e vive bem, de meia dúzia de músicas horrorosas que fez para vender e se tornaram sucessos. Isso permite a ele ficar em seu estúdio fazendo o que gosta e vez em quando faz uma merda para vender e ganhar dinheiro.

Quem esta certo ou errado?

Já vivi profissionalmente de música, mas queria acontecer pelo meu trabalho, que não aconteceu. Desta feita, desisti da vida de bares, cover e músico "dos outros".

Mas, no alto de meus 50 anos, posso afirmar:

Existem médicos ricos e pobres, certo? Advogados ricos e pobres, certo? Então, músicos, nós não somos especiais. Somos apenas mais um profissional.

Façam o que lhes dá prazer e alguma sobrevivência, se possível.

Mas se quer ser músico/artista, não basta estudar. Tem que ler, ver bons filmes, se informar e sobretudo OUVIR música de todos e variados estilos.

Há quem não acredite em talento, eu não penso bem assim... caso contrário, existiriam centenas de Mozarts nas escolas de música do mundo.

O fato é: defina onde é o seu lugar e o que você precisa fazer/saber para consegui-lo!

Feliz 2013.

Jaderson_guitar
Membro
# jan/13
· votar


Bah muito bom mesmo!!!!
Meus parabens, pior que é bem assim mesmo...Mas fazer o que, de qualquer forma sempre terá alguem para criticar...
Não importa quantos anos de teoria vc tenha, não importa quanto tempo vc ficou ensaiando antes de subir num palco, sempre vai vir alguem criticar ou julgar...
Abraço! Feliz ano novo a todos!!!

Filipe Lima G-Metal
Veterano
# jan/13
· votar


Muito bom o texto, infelizmente essa é a realidade. Sou músico e também trabalho pela internet, resumindo, para os outros eu sou um vagabundo.
Mas a realidade é que sou feliz naquilo que faço e minha esposa e minha família me apoiam, o resto não me importo muito, meu sucesso é consequência de meu trabalho.
A alguns meses atrás eu quase desisti do sonho de ser músico, minha realidade era outra, eu precisei aceitar qualquer trabalho. E acabei sendo um porteiro, não desmerecendo a profissão, mas foi muito difícil para mim.
Mas graças a Deus as oportunidades aparecem e devemos sempre estar prontos para abraça-las. E também para ajudar consegui maneiras de trabalhar pela internet, que me ajudaram bastante.

MauricioBahia
Moderador
# jan/13 · Editado por: MauricioBahia
· votar


mateusstarling: mas como você me explica o fato de caras que não tem nada haver com música estarem ganhando tanto dinheiro com música?

É a seleção "natural"! hehe Hoje, depende de fatores culturais, sociais e, principalmente, econômicos... Vivemos numa sociedade capitalista.

Agora, é ralar muuuuito. Tenho 2 primos que estão no meio musical há décadas e vivem disso.

Em tempo, viver de música é uma coisa, ser famoso é outra...

Valeu!

Lelo Mig: O fato é: defina onde é o seu lugar e o que você precisa fazer/saber para consegui-lo!

Acredito que este é o "x" da questão!

Abs

Iwar
Veterano
# jan/13
· votar


Lelo Mig
Existem médicos ricos e pobres, certo? Advogados ricos e pobres, certo? Então, músicos, nós não somos especiais. Somos apenas mais um profissional.

É, mas compara quantos músicos conseguem ter sucesso financeiro e quantos advogados, médicos, engenheiros conseguem ter o mesmo sucesso financeiro. Comparado a quantos músicos não tem dinheiro para comprar uma casa decente para morar com a família ou para comprar os melhores equipamentos para realizar sua profissão com quantos advogados, médicos etc etc etc que não conseguem comprar a casa e as coisas que lhe agradam. este número de advogados é uma formiguinha comparado a este número de músicos. Músicos são profissionais, assim como garis, lixeiros, empregados domésticos, pedreiros, também. É difícil seguir a carreira musical e ter uma boa renda, mesmo que você seja um gênio.

Temos que ver esse fato de músicos mal remunerados fora e dentro do Brasil, porque eu já vi muito músico que não é conhecido ser bem sucedido em outros lugares, e portanto acho que o problema é exatamente o Brasil; Não valorizamos nossos músicos como deveríamos e portanto essa parte de profissionais vive com uma renda baixa.

mateusstarling
Veterano
# jan/13
· votar


Valeu galera pelo comentário de todos.
NÃo vou responder um por um, mas alguns pontos que comentaram e eu gostaria de deixar mais algumas consideração.
MauricioBahia Eu entendo o seu ponto de vista, mas não vejo como seleção natural, vejo mesmo como falta de capacitação intelectual do musico em geral de não possuir a capacidade de gerir o proprio ofício.
Nas outras profissiões, onde o nivel intelectual é melhor, é muito mais facil ver os proprios profissionais da area gerenciando o nucleo financeiro da profissão. Infelizmente na musica e no futebol principalmente tem sempre penetra infiltrado na grana.

Lelo Mig Vejo que o que vc escreveu não diverge da minha opnião, voce acabou ampliando o assunto para uma outra vertente. O ponto é que, independente das escolhas dentro da musica a capacidade intelectual seria um aliado para o musico pois o proprio poderia estar sendo beneficiado da industria do entretenimento muito mais do que os profissionais que ganham a maior parte da grana e nao sao musicos.

MauricioBahia
Moderador
# jan/13 · Editado por: MauricioBahia
· votar


mateusstarling: mas não vejo como seleção natural

Veja que eu coloquei NATURAL entre aspas. Isso quer dizer que estamos num meio onde a grana manda. E outra, nosso povo gosta de batucada, samba, pagode, etc. Não vivemos na Europa onde Hermeto Pascoal faz shows e lota!!! É cultural também.

Antigamente, jogador de futebol era tido como vagabundo, sem instrução, boçal. Bom, era ser advogado ou doutor. Hoje, os grandes atletas são celebridades. Talvez, haja uma falta de conhecimento musical, mas isso não floresce da noite pro dia. É uma batalha e a massa não foi instruída para ouvir Jazz, Fusion, ou mesmo guitarra desde pequenos.

Pior!!!!!!!!!!! Nossa linda Bossa Nova é muito mais valorizada lá fora do que aqui. Acho que isso resume bem. ;)

Abs

MauricioBahia
Moderador
# jan/13 · Editado por: MauricioBahia
· votar


mateusstarling

Vou te dar um exemplo e não é pq é meu primo, mas o Márcio Bahia é considerado baterista monstro, talvez genial. Ninguém conhece mesmo com uma carreira incrível, um currículo invejável. Quando ele faz Workshops aqui, vem gente do exterior pra assistir.

E aí?

Lelo Mig
Membro
# jan/13 · Editado por: Lelo Mig
· votar


mateusstarling

De forma alguma diverge, sem dúvida, apenas coloquei um adendo.

Sabe o que é Mateus, prá ser sincero?

Você é músico dos bons e experiente, têm estudo refinado, estudou fora do País (é vc que fez Berklee, não é?), você sabe que a galera têm uma visão muito estreita do mercado. Muitos dizem "aqui no Brasil", "lá fora", e sabemos que não é bem assim, alguns países são mais cultos e mais ricos, então sobra um pouco mais para o músico, mas não é a maravilha que essa garotada pensa.

Neguinho acha que se fizer "rapmetalrastafarifunkmambo experimental" nos E.U.A vai ficar rico e não presta à atenção no que rola nas paradas de sucesso lá, a mesma merda que aqui, guardada as devidas proporções.

Apenas quis acrescentar, que vejo muito cara tocando, estudando, mas não pára prá pensar em onde quer chegar e se colocar como profissional.

Ou seja, fazer um plano de carreira, como qualquer profissional de qualquer área. Só a cultura e a exata noção de "onde" se colocar, criaria uma classe forte e menos "roubada".

Abç!

MauricioBahia
Moderador
# jan/13 · Editado por: MauricioBahia
· votar


mateusstarling

E dê graças a Deus à mídia de massa, pois se fosse antigamente eu nunca sequer teria ouvido falar em você, a não ser que pagasse uma matéria na Guitar Player ou similares, hehe (brincadeira). Ou seja, hoje, você está com muuuuito mais chances de se tornar reconhecido do que há, digamos, 20 anos atrás.

Abs

Lelo Mig
Membro
# jan/13
· votar


MauricioBahia

"muuuuito mais chances de se tornar reconhecido do que há, digamos, 20 anos atrás."

Concordo com você, e acho, me desculpem,. que essa galera atual tinha a OBRIGAÇÃO de fazer algo em prol de suas carreiras.

Antigamente, neguinho, organizava festival na base do "telegrama", hoje, não vejo um só festival alternativo, organizado por essa galera.

Têm muito músico de PC querendo ficar famoso pelo Youtube, sem tirar a bunda gorda da cadeira ou ficar sem o Nescau que a mãe preparou!

MauricioBahia
Moderador
# jan/13 · Editado por: MauricioBahia
· votar


Lelo Mig: Têm muito músico de PC querendo ficar famoso pelo Youtube, sem tirar a bunda gorda da cadeira ou ficar sem o Nescau que a mãe preparou!

Isso mesmo. Mas uma coisa permanece viva: o cara que é criativo enxerga oportunidades (mesmo que sem querer), mesmo sem tirar a bunda gorda da cadeira pois o Youtube é um enorme assento! hehehe. Enfim, como sempre, existe o meio, basta saber como passar a mensagem! Não tinha só o rádio? Depois veio a TV... Quem foi reconhecido? Os caras que sabiam "surfar" pelas mídias (com apoio financeiro? Sim!) e, como sempre, se não fossem atraentes pro público, morriam.

Hoje, mesmo sem grana, é possível se destacar. Assim vejo o cenário midiático, ou seja, milhões de bundas encadeiradas, mas e verve criativa é o ponto! Agora, achar o ponto num emaranhado de "fios" é a questão! Você tem que ser o cara, e quando o mateusstarling fala de Roberto Carlos, ele é o cara, o Rei (goste ou não) e esse cara não sou eu! hehe

:)

makumbator
Veterano
# jan/13
· votar


MauricioBahia
Vou te dar um exemplo e não é pq é meu primo, mas o Márcio Bahia é considerado baterista monstro, talvez genial. Ninguém conhece mesmo com uma carreira incrível, um currículo invejável. Quando ele faz Workshops aqui, vem gente do exterior pra assistir.

E aí?


E aí que sou fã do seu primo! Hashhsa!

Assisti a um show com ele aqui em Juiz de Fora no segundo semestre de 2012, e ele continua sendo um músico de alto gabarito!

Alan_Domingues
Veterano
# jan/13
· votar


mateusstarling

Bom texto. O pessoal completou bem.

Vemos tanta gente perdendo tempo com frivolidades na internet que poderíamos usar 20 ou 30 minutos do nosso dia para ler 4 ou 5 notícias importantes do jornal (Os assuntos mais comentados na internet brasileira em 2012 foram o corínthians e a novela Av. Brasil). Mas você pode se perguntar o que isso tem haver com música.

Isso tem haver com a sua formação intelectual, do seu approach para com outros. Como você vai desenvolver uma conversa e como isso pode abrir portas para você. Ler te ajuda a ter um vocabulário melhor, a escrever melhor, a compreender melhor as coisas. Ler te ajuda a ter assunto, a se posicionar, te ajuda a argumentar.


Olha realmente, esta é a parte mais importante do que eu li. E serve para todos.

fla3d
Veterano
# jan/13
· votar


Muito legal o tópico e os adendos dos colegas.

É uma pena mesmo a dificuldade de ser músico no Brasil, eu quando tinha 17 anos entrei pra uma faculdade de música, mas cursei por um ano e meio, achava muito legal mas larguei pois não via muito futuro e fui fazer outra faculdade. Não me arrependo, hoje com 34 anos a música é um hobby como outros, adoro e até arrumei uma banda de novo depois de muitos anos, mas tudo só por diversão.

Admiro muito quem vive de música, vocês são guerreiros!

Abs!

waltercruz
Veterano
# jan/13
· votar


É uma excelente reflexão.

Incidentalmente, lembro que uns amigos que trabalham com redes sociais comentaram sobre um evento de fitness que eles estavam ajudando a fazer o marketing: os organizadores do evento eram todos obesos! hehehe Sei que isso parece que não tem nada a ver, mas o meu ponto é: pessoas perceberam um mercado viável e investiram nele. E pra muita gente música é apenas isso, um mercado a ser explorado. Nada contra, cada um ganha o seu como quer e como pode. Mas é bem curioso como as vezes fazemos parte de um mercado e somos os menos beneficiados dele.

Outro ponto talvez, na comparação com outras profissões é o de uma certa necessidade prática: temos necessidade de advogados, pedreiros, marceneiros, encanadores, médicos, mas não "temos" necessidade de música ou músicos. Acho que isso influi um pouco nessa questão tb.

Enfim, talvez eu tenha sido um pouco raso nas minhas colocações, mas to gostando da discussão.

TatoPetry
Veterano
# jan/13
· votar


Muito legal a mensagem e uma grande verdade mateusstarling eu hoje tenho como profissão diretor/consultor financeiro, mas levo meu hobby ou melhor minha segunda profissão, as vezes com mais profissionalismo que outros que seguem apenas a profissão de musico.
Engraçado quando a gente para pra pensar, somos nós musicos que muitas vezes lotamos um bar e mesmo assim a casa fica com metade da entrada, como se nós estivéssemos alugando o espaço pra tocar. Infelizmente, enquanto tiver gente que diz sim pra esse tipo de prática ela vai existir.
Acho que além de tudo que citou o musico precisa aprender a respeitar o trabalho dos colegas(seja michel teló ou mozart melo), ter um código de ética da profissão e ter a consciência de que quando ele desvaloriza o seu próprio trabalho, ele ta desvalorizando toda uma classe!

Ah sim e o brasileiro em geral tem que aprender a divulgar o que é bom e não o que é ruim. Michel Teló lança uma musica ruim, vem trocentas pessoas divulgando "olha essa merd@!!"... Se algum musico aqui do forum lança um puta trabalho, dificilmente o cara ouve e quando ouve dificilmente divulga... é foda!

Abraço a meus colegas musicos!

Jeffin C.
Veterano
# jan/13
· votar


Exato...simplifacando o gosto dos brasileiros:nós só gostamos de putaria descartável.Simples assim.

(lembrando que eu tou generalizando, não tou dizendo que são todos, mas a grande maioria é assim)

TatoPetry
Veterano
# jan/13
· votar


Jeffin C.

Acho que ouvimos o que somos programados pra ouvir, é martelado esse tipo de musica na gente o tempo todo seja em tv, radio, carrinho de cd pirata...
E se pensarmos bem, mesmo espaços como pubs, boates e barzinhos é esse tipo de musica que a gente tem que engolir, infelizmente pra quem quer ouvir algo mais trabalhado precisa correr atrás e nem todo mundo gosta disso.
E ai vem mais daquele problema de falta de coleguismo, as bandas e musicos podem se unir, dividir os publicos, divulgar e ajudar mutuamente o trabalho dos colegas, trocar experiências, crescer juntos se valorizando...
Mas infelizmente isso não acontece muito.

emersonlee
Veterano
# jan/13
· votar


mateusstarling

eu acho que o musico e só mais um reflexo da nossa sociedade maluca e desordenada
acredito que o epicentro de todo esse caos seja o capitalismo e a corrupção
e como o musico, existe outras profissoes que não são valorizadas como deveriam ser

MarcosMalmsteen
Veterano
# jan/13
· votar


É cara... é como eu já disse em outros tópicos...

A música, é apenas um produto [90% vazio] fornecido por grandes corporações para a massa.

Musicos profissionais, executam essas musicas, com perfeição seja ao vivo, seja no faustão, e as pessoas consomem isso, os musicos recebem seu ganha-pao e os threreres da vida [incluindo, compositores, o artista principal, e os gravatas da muisca] ficam ricos.

E tudo tende a piorar...

mateusstarling
Veterano
# jan/13
· votar


Legal galera a contribuição de todos.
Quando comecei a tocar profissionalmente não tinha internet, portanto a maior parte da minha carreira profissional foi sem internet, mas eu faço muito uso positivo da mesma.
Mas o ponto do meu topico foi mais voltado ao que vou levantado por uns dos amigos acima, que é o fato das pessoas aceitarem tocar por condições ridículas tipo: Voce recebe 50% do couvert artistico.
Eu nunca me arrependi de ser musico, toco com musicos que eu admiro, ganho minha grana vendendo meu material e dando aula e sustento minha família e tento dar o melhor para eles, e para te falar a verdade muitos musicos mais informados se beneficiam da ignorancia de muitos colegas musicos desenformados pois como diz o ditado: "em terra de cego quem tem olho é rei". Mas se fossem apenas musicos beneficiados tudo bem, mas o problema é que os mais beneficiados como trabalho do musico nao sao musicos.

mateusstarling
Veterano
# jan/13 · Editado por: mateusstarling
· votar


MauricioBahiaSei que vc esta de brincadeira, mas a primeira vez que eu sai numa revista de guitarra foi em 1997 na rock brigade, depois sai na cover guitarra. Fiquei alguns anos nos EUA e depois de formado na Berklee saiu materia minha na guitar player, cover guitarra, fui capa da cover guitarra e da guitar load, sai em mais de 50 revistas e sites estrangeiros nesses ultimos anos e nunca fui bombado na internet. Se vc comparar o numero de inscritos no meu canal do youtube e o Gustavo guerra eu passo vergonha.
Se alguem quiser conferir as materias esta aqui no link:
http://www.mateusstarling.com.br/pt/entrevistas-e-reviews

Pepe Le P
Veterano
# jan/13
· votar


Educação para formação crítica, que certamente passa pelo desenvolvimento de diversas áreas da cognição humana, é um ponto chave nessa questão.

Enquanto grande parcela da população (das mais diversas classes econômicas) tiver pouco estímulo para desenvolver sua intelectualidade (o que é bem diferente de se tornar um "intelectual" no senso "comum") a preferência e o "consumo" musical serão em grande parte regidos por esta propriedade emergente da sociedade que se chama mercado.

Hoje o padrão de consumo é "X", mas poderia ser "R" ou "J", não importa... o fato é que quando sua capacidade crítica é muito baixa você é facilmente levado a gostar (muitas vezes sinônimo de consumir em nossa sociedade) de algo muito mais por fatores extrínsecos (que vem de fora para dentro) do que intrínsecos. Isso vale para qualquer área, inclusive a nossa adorada música.

Se tem gente na área do entretenimento ganhando rios de dinheiro é porque tem mais gente ainda por trás se favorecendo disso e muito mais gente sendo levada com a maré (não sou fã da expressão "massa de manobra", mas talvez pudesse ser aplicada neste contexto).

Não sou músico profissional, mas acho que com dedicação, planejamento e uma certa disciplina da pra se virar legal financeiramente. Provavelmente a maioria não chegue nem perto dos rios de dinheiro que alguns almejam, mas provavelmente consiga viver de maneira decente.

Depois desse discurso todo me vem a cabeça o fato de que o salário de um professor da rede estadual onde moro é uns 800 pila... será que é uma coincidência histórica?

Lelo Mig
Membro
# jan/13
· votar


Pepe Le P

Disse tudo... e acrescento:

Um País que não possui ensino de Artes decente (incluindo música) na rede pública ... Que excluiu o ensino de Filosofia da grade escolar, não possui uma matéria como "Cidadania" e etc. pode esperar o que em termos de cultura artística da população?

Obs: Se alguém acha que aprender "Parabéns à você" na Flauta doce ou fazer chocalhos e tambores com material reciclado é arte, se manifeste, para eu dar um tiro!

MauricioBahia
Moderador
# jan/13 · Editado por: MauricioBahia
· votar


mateusstarling: Se vc comparar o numero de inscritos no meu canal do youtube e o Gustavo guerra eu passo vergonha.

Não vejo motivo pra passar vergonha. Acho que com seu talento e dedicação, ainda mais estando presente de forma massiva no Face, Y2B, etc.; de forma produtiva/participativa, a coisa vai acontecendo. Tem também o fator "público alvo". O GG toca outro estilo, que talvez atraia mais a molecada, que por sua vez acessa mais essas mídias. Por aí vai! :)

Boa sorte!

makumbator: Assisti a um show com ele aqui em Juiz de Fora no segundo semestre de 2012, e ele continua sendo um músico de alto gabarito!

:) Fiz um tópico pra ele (você até esteve por lá), mas não foi muito comentado. Fazer o que?

Abs

Enviar sua resposta para este assunto
        Tablatura   
Responder tópico na versão original
 

Tópicos relacionados a Músicos e não musicos: Como nos vemos e como nos veem (reflexão - Mateus Starling)