tópico oficial sobre pinturas em guitarras

Autor Mensagem
Matikas
Membro Novato
# 09/dez/20 12:29
· votar


porque não é baratinha,

Concordo. Achei o valor bastante salgado para poucas ml de tinta. Não parece justo.

Matikas
Membro Novato
# 09/dez/20 12:30
· votar


Nas próximas semanas devo fazer a pintura do corpo e relato aqui passo a passo

iai amigo, você terminou seu projeto, como ficou?

ejames
Membro Novato
# 09/dez/20 20:59
· votar


Matikas
Achei o valor bastante salgado para poucas ml de tinta. Não parece justo.
É verdade, barato não é... mas se botar na conta o quanto cobram para pintura em nitro, até que as latinhas saem vantajosas.

ai amigo, você terminou seu projeto, como ficou?
Ainda não fiz! Além de pouco tempo, aqui no Rio as últimas semanas tem sido de chuva constante, e tinta e umidade não combinam. Mas acho que até o final do mês consigo fazer, vou ter mais tempo livre e o clima parece que vai dar uma firmada. Por enquanto tô só aos pouquinhos indo preparando a madeira mesmo. Já fiz o grain filling com massa e essa semana devo comprar a seladora.

Matikas
Membro Novato
# 10/dez/20 18:54
· votar


Por enquanto tô só aos pouquinhos indo preparando a madeira mesmo. Já fiz o grain filling com massa e essa semana devo comprar a seladora.


Oh amigo, quando terminar fala os materiais que você comprou, marcas, método, etc. Até eu estou ansioso por sua pintura kk.

ejames
Membro Novato
# 11/mai/22 23:05 · Editado por: ejames
· votar


Matikas
Atualizando a saga...

A primeira tentativa não deu um resultado bom, eu achei que o trabalho com a massa e algumas finas demãos de seladora (diluída em torno de 80%) já seria o suficiente, mas logo quando comecei a aplicar o spray vi que ainda restavam alguns poros abertos e veios desnivelados. Talvez poderia simplesmente ir fazendo mais demãos, lixando e aplicando até preencher tudo, ou até simplesmente ir pro caminho de fazer um "relic" artificial como tá na moda, mas meu objetivo é fazer o negócio o mais certo possível dentro das limitações. Removi a tinta e lixei até a madeira crua - usei removedor químico, depois vi que existem contraindicações para o uso em madeira, pois ela pode absorver o material e complicar o acabamento depois, mas não tive problemas até agora.

Começando do zero, dessa vez fui mais cuidadoso com as camadas de massa (usei base d'água, como da primeira vez). Fiz 3 demãos lixando entre cada uma, de grão 180 até 400. Alguns retoques em pontos onde os poros estavam mais grosseiros, finalizei lixando até grão 800 tentando tirar o máximo de excesso fora dos veios e poros, mas sendo mais conservador que da outra vez. Comecei a aplicando a seladora, com boneca, usando diluída em torno de 50% até formar uma camada consistente (não grossa, apenas o suficiente para cobrir todos os pontos onde os poros e veios eram mais abertos), no meu caso foi necessário duas demãos. Volta a lixa até grão 400, depois uma série de demãos diluída em 80%, sempre lixando a cada duas ou três demãos, repeti esse processo se não me engano 3 vezes, então deve somar aí umas 8 demãos no total de seladora. Finalizei lixando até 800, tomando bastante cuidado para não lixar até a madeira mas também sem deixar excessos.

Essa semana apliquei o primer. Uma latinha rendeu 3 demãos e mais alguns retoques nos cantos difíceis. Ainda é possível ver sob certa luz os veios da madeira (é uma peça de ash com veios bem realçados, quem olha pensa que é swamp ash), mas eu creio já ser o suficiente para uma boa base na hora da pintura. Consegui um resultado bem satisfatório, com a aplicação uniforme, sem "casca de laranja" e nem escorridos. Na parte de baixo, perto de onde vai o pino para a correia criou uma pequena bolha de pouco mais de 1mm que resultou numa falha, culpa minha por ter aproximado demais o spray. Nada de demais, fiz um retoque e depois vou acertar na lixa. Agora vou esperar uns dias para curar, depois lixar levemente com lixa 1200 só para deixar bem liso e aí partir para a pintura. Nos testes que fiz a consistência da tinta em relação ao primer me pareceu idêntica, então creio que não deve ter variação na hora de aplicar ela. Nos próximos dias atualizo aqui com fotos e mais detalhes. O cheiro que fica após aplicar é bem tolerável, muito mais suave do que a seladora enquanto seca.

Hoje comecei a testar o acabamento para o braço também, que é inteiro em maple. Escolhi usar o tru oil, misturado nas primeiras demãos com um tingidor líquido para madeira, para dar um realce nos veios e tirar a aparência pálida. Apliquei um pouco na parte que encaixa no neck pocket para acertar o pigmento, fiquei bem contente com o resultado. Nos próximos dias vou continuar a aplicação.

Para constar: não sou profissional, o que relatei aqui funcionou no meu caso, com os produtos e materiais específicos que usei, dentro do tempo entre cada processo (que foi bem longo). Isso não é um guia de pintura, não posso garantir que esses métodos funcionarão em outros casos. Além disso, não tá finalizado, ainda falta a parte mais importante (justamente a tinta) e muita coisa pode dar errado.

makumbator
Moderador
# 12/mai/22 05:08
· votar


ejames

Legal. Vc está tirando fotos dos diferentes estágios da pintura? Seria legal acompanhar depois a transformação.

Enviar sua resposta para este assunto
        Tablatura   
Responder tópico na versão original
 

Tópicos relacionados a tópico oficial sobre pinturas em guitarras