Aterramento - Um Risco Real de Morrer Eletrocutado (Vídeos)

    Autor Mensagem
    Del-Rei
    Veterano
    # mai/16


    Galera,

    Pros que costumam tocar por aí, muito cuidado com os locais. Essa parada é séria e eu atualmente tenho um pavor tremendo disso.

    Seria legal se os entendedores pudessem dar orientações de como prevenir essas situações... O que fazer/verificar nos locais de shows antes de começar a tocar, pra evitar tomar choques.

    Cantora Rosanah toma choque e cai no palco...



    Um camarada toma choque no meio do show... Esse há alguns anos atrás, e foi tenso demais.


    Quem puder ajudar e deixar umas dicas boas... Agradecemos!!

    Um aceno de longe!!!

    makumbator
    Veterano
    # mai/16 · Editado por: makumbator
    · votar


    Del-Rei

    E tem umas cantoras malucas que ainda ficam no palco descalças, o que só torna ainda mais perigoso um choque.

    Uma maneira de reduzir essa chance é usar equipamento sem fio, com isso o instrumentista ou cantor vai estar livre de receber uma descarga de seu próprio equipamento.

    Permanece o risco de tomar choque ao tocar outras coisas no palco (como no caso da Rosana, que aparentemente levou o choque ao encostar na grade do público e estar com o microfone na mão) ou quando estiver regulando o equipamento (um músico que utiliza sem fio ainda pode ser eletrocutado ao tocar em seu amp para ajustar alguma coisa).

    EDIT:

    Fui ver os comentários do youtube sobre o choque da Rosana e tem gente dizendo que não foi choque elétrico coisa nenhuma. Olha esse comentário:

    Eu e a minha namorada estava lá. Foi no dia 21 de abril na boate "Granfinos" em BH MG. Ela não levou choque, não havia fios q não fosse do próprio microfone dela. Na verdade havia um grupo de pessoas, esperando p/entrar no camarim, onde ele caiu. Ela foi até este grupo, as pessoas colocaram a mão nela, p/tirar self, ela não gostou, começou a gritar e se jogou no chão, algo lamentável e totalmente ridículo, depois fez o maior teatro no chão, falou um monte de palavrões, depois os seguranças levarão até o táxi e ela foi embora. O resto és invenção!

    Rafael Tune
    Veterano
    # mai/16
    · votar


    treta!!

    mas num festival no interior de Camargo/RS o palco era num busão antigo..., o meu vocalista disse que levou várias pequenas descargas. hahaha

    Del-Rei
    Veterano
    # mai/16
    · votar


    makumbator
    Caramba, mas que doideira esse comentário sobre a Rosana...
    É tão esquisito que soa até difícil de acreditar.
    Eu agora não consigo ver direito os vídeos porque estou no trabalho, mas vou ver com calma depois!

    Rafael Tune
    Lembro do Eric Clapton em que ele fala sobre um festival (Live Aid, acho) que tomava choques com o microfone também, enquanto cantava White Room. Acho até que esse vídeo está no Youtube.
    Esses choques... Menos mal... Foda são os que apagam a pessoa...

    Um aceno de longe!!!

    SergioTrindade
    Veterano
    # mai/16
    · votar


    Esse dois casos foram choques decorrentes da alimentação de 48V do microfone condensador (phantom power).
    Eles vão sobreviver....
    Mesmo com aterramento eficiente é possível acontecer problemas com esse tipo de microfone.
    Para evitar, use equipamento de boa qualidade e desligar a fonte fantasma quando usar microfones dinâmicos.
    Se o cara da mesa costuma beber, não tem jeito de estar seguro.

    Del-Rei
    Veterano
    # mai/16
    · votar


    SergioTrindade
    Esse dois casos foram choques decorrentes da alimentação de 48V do microfone condensador (phantom power).

    Hum... Pra falar a verdade, nem sabia que utilizavam esses mics em palcos, ao vivo, já que são bem sensíveis.


    Mesmo com aterramento eficiente é possível acontecer problemas com esse tipo de microfone.

    Ou seja... Sempre corremos o risco....
    :(

    Um aceno de longe!!!

    makumbator
    Veterano
    # mai/16
    · votar


    Del-Rei
    Hum... Pra falar a verdade, nem sabia que utilizavam esses mics em palcos, ao vivo, já que são bem sensíveis.

    Toco ao vivo de vez em quando com um cantor que só usa condensador na voz. No caso um shure beta 87A

    LeandroP
    Moderador
    # mai/16
    · votar


    Eu já levei choque quando fui tocar numa cidade do interior de SC. Tomei um tranco legal do microfone. Dei uma boa bronca no "tégnigo de som".

    LeandroP
    Moderador
    # mai/16 · Editado por: LeandroP
    · votar


    A Rosana pode ter tomado um choque sim. Não faz nenhum sentido o comentário no youtube dizendo que não foi choque.

    ...Ela não levou choque, não havia fios q não fosse do próprio microfone dela....
    ... um monte de palavrões, depois os seguranças levarão até o táxi e ela foi embora...


    Ainda não a levaram?
    °,°

    makumbator
    Veterano
    # mai/16
    · votar


    Já contei no FCC de um estúdio aqui na cidade em que há um ponto específico da parede que se você encostar e estiver com um instrumento (ou mic) ligado no sistema dele da técnica vai tomar um leve choque. O engraçado é que eu já sei o local específico e podia tomar um choque voluntariamente sempre que gravava baixo na técnica de lá.

    makumbator
    Veterano
    # mai/16 · Editado por: makumbator
    · votar


    LeandroP
    ...Ela não levou choque, não havia fios q não fosse do próprio microfone dela....
    ... um monte de palavrões, depois os seguranças levarão até o táxi e ela foi embora...

    Ainda não a levaram?


    Tem que levar em consideração que esse povo que comenta em youtube é muitas vezes analfabeto funcional. Tem que "limpar" o texto dele e extrair o que o cidadão queria mesmo dizer mas não tem capacidade pra tal.Heheh!

    Mas realmente ela pode ter levado o choque do próprio microfone (o que o camarada acha estranho, e não é) e pode ter xingado por conta do choque (o que também é bastante compreensível).

    LeandroP
    Moderador
    # mai/16
    · votar


    makumbator

    Também vejo da mesma forma.

    Ismah
    Veterano
    # mai/16
    · votar


    Del-Rei
    Hum... Pra falar a verdade, nem sabia que utilizavam esses mics em palcos, ao vivo, já que são bem sensíveis.

    E como tu pretende captar pratos de bateria :P

    SergioTrindade

    Não necessariamente, as vezes o choque é culpa do aterramento mesmo... Captadores são bobinas, aka indutores, não é difícil passar energia por indução para as cordas.

    Quando se encosta num microfone (que é aterrado), ou objeto metálico aterrado, fecha-se o circuito - e isso acontece o tempo todo, basta colocar um pé no chão e ver o que o instrumento faz com tua mão... No palco, interromper o circuito basta, seja na chave lift/gnd do amp ou do DI.

    E a lista é longa...

    Mesas analógicas, principalmente as de muitos canais (>32), costumam dar vazamentos de energia por indução, mesmo da mais fuleira até uma Neve...

    Sem falar dos vazamentos que costumam aparecer nas treliças, e no que encostar nela por causa de muitos cabos conduzindo altas energias (hoje com o advento das máquinas com lâmpada LED, diminuiu o problema, na época das lâmpadas de filamento, tinha banda que só das PAR64 eram mais de 500... cada lâmpada é 1kW...

    Isso tudo sem contar falhas técnicas... A maioria usa cabo PP, mas descasca 5cm da ponta pra colocar o terminal. Porque "se não, não cabe no plugue", sendo que todos os conectores (acho que é padronizado) vem com os locais para corte, para encaixar os diversos tipos de fio...

    Ali pareceu choque mesmo, pra dar um senhor cagaço e ficar "grudado"...

    Lelo Mig
    Membro
    # mai/16 · Editado por: Lelo Mig
    · votar


    Amigos, músicos e cantores... atentem para a seguinte situação:

    Imaginem um pedaço de cano metálico amarrado num fio e este fio enrolado no cano do chuveiro?

    Imaginou?

    Então, essa é a sua situação com um microfone ou instrumento elétrico num palco.


    Se a instalação for boa, tudo bem aterrado, equipamento em ordem, sem gambiarras por onde possam haver fugas de corrente, tudo certo, sem problema algum.

    Mas se "um" entre de "dezenas" de variáveis estiverem em desacordo, o risco é grande.

    Eu já vi, e com certeza o Ismah também, vocalistas, guitarristas, baixistas e etc... tomando choque ao vivo.

    Alguns cuidados são importantes de serem checados sempre, principalmente as condições gerais dos equipos, cabos e, principalmente, de que forma, onde e como será ligado o AC (alimentação).
    Modéstia à parte, nunca aconteceu em locais onde eu fui o técnico de som e usando os equipos da empresa que presto serviço, que é séria, responsável, dá manutenção e é considerada "muito chata" pelos funcionários.

    No caso da Rosana, tive a impressão de que ela "já esta eletrificada" e toma o choque quando encosta em outra pessoa, porque dá vazão a corrente.

    Vou ver o vídeo com calma.

    Ismah
    Veterano
    # mai/16
    · votar


    Esse final de semana ainda por cima não um... VÁRIOS! E só tem um jeito de saber se dá choque quando tu encosta: encostando kkk

    renatocaster
    Moderador
    # mai/16
    · votar


    ♫♫ Como uma Deu.........bbbbbbbbbbbbbzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz!!!!

    SergioTrindade
    Veterano
    # mai/16
    · votar


    Mesmo que o microfone não seja do tipo dinâmico, ele é normalmente ligado com cabo XLR, o qual, ligado de maneira equivocada, pode ocasionar o problema se a alimentação "Pahntom Power" estiver ligada na mesa, independentemente de haver aterramento. A diferença de potencial é entre os pinos 3 e 2 que chegam do microfone. Essa fonte é para ser usada nos microfones condensadores (eletretos).
    A regra geral é não montar cabos desse tipo se não entender direito o que está fazendo.
    Alguns artigos básicos sobre o assunto:
    https://www.youtube.com/watch?v=uTEDctO3x4w
    https://www.somaovivo.org/artigos/quem-tem-medo-de-phantom-power/

    LeandroP
    Moderador
    # mai/16
    · votar


    renatocaster
    ♫♫ Como uma Deu.........bbbbbbbbbbbbbzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz!!!!


    Poderia ter sido nesta parte:

    Eu saio dos seus olhos
    Eu rolo pelo chão
    Feito um amor que queima

    Magia negra, sedução

    rafaboone
    Veterano
    # mai/16
    · votar


    Olha acho interessante na montagem da aparelhagem checar com um multímetro os aterramentos, pois se estiver algo errado o mesmo vai apresentar retorno. Ainda se pode usar calçados de borracha e evitar encostar em qualquer coisa que faça o "aterramento" em você. Choque elétrico é algo muito sério um simples choque "fraco" , por exemplo, pode causar parada cardíaca.

    Del-Rei
    Veterano
    # mai/16
    · votar


    rafaboone
    Como faz pra testar o aterramento com um multímetro?
    Eu tenho um, mas sempre checo só o básico - voltagem (porque já queimei um amp no 220V!!).

    makumbator
    Ismah
    Realmente não tinha me ligado nos condensadores pra uso ao vivo, rs.

    Um aceno de longe!!!

    fernando tecladista
    Veterano
    # mai/16
    · votar


    se eu fosse cantor e/ou guitarrista hoje, usaria transmissor mesmo se o palco fosse do tamanho de um ovo

    makumbator
    Veterano
    # mai/16
    · votar


    fernando tecladista

    É o que eu faço. Uso transmissor sem fio só por conta disso (nem sou de ficar dançando e fazendo estripulias). Obviamente ainda há o risco de choque ao tocar o amp ou outro periférico para regular, mas com isso reduzo bastante o risco.

    Ismah
    Veterano
    # mai/16
    · votar


    rafaboone
    evitar encostar em qualquer coisa que faça o "aterramento" em você.

    Ui... Eu não encosto nem passo perto de quem queira me aterrar.

    Choque elétrico é algo muito sério um simples choque "fraco" , por exemplo, pode causar parada cardíaca.

    Vale lembrar que diferença de potencial (tensão) não mata, o que mata é a corrente que atravessar o corpo, que está relacionada a resistência do meio e a tensão entre os dois pontos... Velha lei de Ohm I = U²/R ou U²/Z quando for corrente alternada...

    Um choque de um capacitor, ou de um banco de capacitores (comuns, nada de Tavrima de 4 Farads) de um amplificador, valvulado ou SS, dá um susto apenas, mas pode passar de 5kV, mas não chegam a 100mA. Isto é tem pouca energia (vamos para os Joules agora)...

    Umas CURIOSIDADES e DICAS, não para provocar medo, mas para conhecerem, e entender porque ELETRICIDADE NÃO PERDOA! Se não pisar na bola, tudo vai bem...

    Os capacitores da Tavrimas que citei, fabrica os "maiores" capacitores que conheço, e chegam a níveis absurdos de energia.
    São usados industrialmente acredito que pra diminuir o ripple/flutuação em fontes, na saída de geradores (também para diminuir o ripple), complementando ou substituindo completamente as baterias em veículos, ou como corretores do fator de potência, para complementar o sistema elétrico, segurando picos (ripple).

    Sabe quando tu liga o carro e desliga o rádio? Então... Ele desarmou porque deu um pico de energia, que a bateria não segurou (não tenho argumentos técnicos pra dizer se faz bem ou mal). No caso de som normal, com uma potência baixa, não é perceptível no farol, ou luz de teto e painel, mas em níveis maiores de potência, em rachas de som, com altas potências dissipadas na saída dos amplificadores, muitas baterias, o capacitor segura a onda (literalmente), quando se tem um pico muito forte, isto é queda de tensão por falta de potência, mais precisamente incapacidade das baterias fornecerem aquela corrente requisitada: flutuação da corrente DC, o RIPPLE!

    Geralmente se usa em carros 2F, 3F, 3,5F, o maior que vi até hoje era um alemão (Siemens provavelmente) que o cara plotou (vulgo "adesivou") como se fosse um Minion e era de 4F. Sempre isso por 14V (operando com folga).

    Só que... É caro... Um 2F (mais básico) Boss Audio (próprio para automotivo) trazendo de fora, sai por 35dólares + impostos + taxas... 300 reais de brincadeira se comprado aqui... Um top, da Boss Audio de 35F, por 109 dólares + impostos + taxas, o que dá uns 800~1000 reais comprando aqui...

    Como expliquei no outro tópico, a distorção acontece nos picos, e ouvidos destreinados não percebe... Nessas, quem tem ouvido treinado, tá na melga, condenado a se incomodar rsrs

    Existe um modelo da Tavrimas, o ESCap90/300 de 2 Farads @ 300V, armazena 90kJ, supondo que ele descarregue em 1 min, são 1 500W (1 Watt = 1 Joule por segundo ou W = J/s), o que dá 1min exposto a uma corrente de 5A (I = 1500W/300V)... Acredito que numa pessoa ele vá descarregar em menos de 10 segundos façam as contas e não me chamem pro espetáculo se resolverem testar.

    Para mais http://www.tavrima.com/products.htm

    Bicho isso é energia pra matar uma boiada! Um prego derrete como se fosse estanho. Apenas 100mA passando entre órgãos vitais, causa MORTE do tecido.

    Pra nossa sorte, a pele é isolante, isto é apresenta uma certa resistência... Mas água e líquidos em geral (tem a ver com o pH), ou um corte diminuem essa resistência natural, então é por isso que um dedo cortado toma choque em guitarra baixo, e semelhantes. E onde não tem pele grossa, é que a gente se f... Um exemplo são os lábios! Dali o motivo dos choques em microfones!

    Também vale lembrar dos disjuntores diferenciais residuais (DDR's), o Newton C Braga explica nos detalhes o funcionamento

    http://www.newtoncbraga.com.br/index.php/como-funciona/7102-como-funci onam-os-dispositivos-dr-el053

    Não são novidade, mas ainda são caros. Disjuntores comuns são mais em conta, e como brasileiro escolhe o melhor pelo preço... Por essas acho de suma importância uma banda ter um main power (central de energia) COM DDR(!), mas aqui no fórum tem nego que acha demais carregar o amplificador...
    Aliás, levar o SEU AMP, que TU CONHECE, além do timbre, é questão de segurança. Optar por tocar com teu cabeçote, é a saída mais barata, pra não carregar um trambolho tão grande.

    fernando tecladista
    makumbator

    Ah sei lá, isso não resolve muita coisa... Só se eliminou o risco direto, e menos provável, já que não vai conduzir muita energia até que algo seja o fusível... Um choque num mic é mais susto que outra coisa... Mas já peguei fugas de 150VAC em grids/treliças por causa de par 64 com defeito.

    Pequenas coisas diminuem o riscos, uma delas é usar pet transparente e jateada nos pontos de apoio, o que isola as barras (vigas transversais) do quadrado. Usar roldanas de PVC nos sleeves (pontas que vão em volda do quadrado) e talhas com ganchos recobertos de material isolante ou cintas de pano (pra 10t ao menos né!) - e de todo modo recolher o excedente de corrente sobre o pé, o que isola o quadrado dos pés/colunas... E claro aterrar a pnrra dos pés individualmente, e não usar o quadrado pra aterrar tudo...

    Infelizmente quem faz as leis sobre espetáculos, quem as executa e cobra, não entende potra nenhuma disso. Não há um ensino formal estabelecido ainda, e quem faz, muitas vezes ERRA NA IGNORÂNCIA! A maioria que começa, vai aprendendo nas coxas, com quem já aprendeu na tentativa e erro. Acaba-se fica no achismo, e a cada geração o conhecimento é ainda menor - em parte porque é de nossa cultura reter conhecimento. Nessas saem as pérolas, que fazem o cara querer desistir da vida...

    Aqui no sul (o ovelha negra, rebelde do Brasil rs), precisamos perder um bando de pessoas, de amigos e familiares, pra começar a ver como estava precário... Fiscalização tá em cima, e quem não se adequar é fechado mesmo. Já era razoavelmente bom se comparado a outros estados, e tá ainda melhor... Mas não adianta tem que vir de cima.

    Max W.Fillies
    Veterano
    # mai/16
    · votar


    Simples,é só usar isso antes do amplificador:

    http://produto.mercadolivre.com.br/MLB-743976648-dr-diferencial-de-ful ga-terra-bipolar-25a-40a-63a-30ma-sica-_JM

    Abs.

    sandroguiraldo
    Veterano
    # mai/16
    · votar


    Max W.Fillies
    Como vendedor de materiais elétricos há 15 anos sugiro uma marca melhor. Siemens ou Schneider.

    30ma protege pessoas. 300ma protege equipamentos.

    Ismah
    Veterano
    # mai/16
    · votar


    Um texto que escrevi pro face...

    Um dos vídeos que mais repercutiu ultimamente, e que assustou muitos. Como é algo que me toca profissionalmente, e pessoalmente (pelo meu finado pai) preciso falar sobre.
    Eletricidade eu conheci a muito tempo, e desde sempre fui ensinado que ela não perdoa, se pisar na bola tu se fodeu (ponto).

    Que eletricidade mata sabemos, por base em experiência e faz isso de duas formas: calor, queimaduras - depende o tempo de exposição, mas geralmente acima de 200mA já aparece e atividade muscular (contração/relaxamento), caracterizado pro taquicardia, parada cardíaca, tremores, e movimentos involuntários (como um reflexo).

    Três perguntas frequentes:
    -> Tensão (volts) mata?
    Não, a diferença de potencial NÃO MATA, muitas vezes estamos energizados sem nem se dar conta.
    -> Corrente (ampéres) mata?
    Sim, e não 10mA já causam MORTE por tempo suficiente.
    -> O que mata então?
    ENERGIA! Essa causa danos de todas as formas possíveis: térmica (fogo e frio), elétrica, mecânica (impactos, quedas, batidas)... E todas elas são expressas em Joules* (J).

    Pra ver se algo está quente damos um rápido toque se der um toque rápido não irá queimar, pois pouca energia (térmica) foi transferida. Só irá queimar se for um toque longo ou se estiver absurdamente quente. Nosso corpo tem uma certa resistência ao calor, mas ela não é ilimitada!
    Com eletricidade não é diferente, só que é ainda mais rápido, menos de meio segundo pode nos matar. Nossa pele, tem uma resistência (R) grande, na ordem de milhões de Ohms (MΩ).
    Segundo a Lei de Ohm*, Corrente = Volts²/Resistência (I = U²/R).
    Assim... Uma tensão (U) de 20V não faz circular corrente (I) de menos de 0,05A (ampéres)
    Não depende apenas de tensão ou corrente ou resistência, mas de todos esses TRÊS fatores estarem de acordo.
    Além disso, depende do tempo de exposição!
    1 Watt = 1 Joule por segundo (W = J/s). E Watts = tensão x corrente (W = I x U).
    Ou seja a energia de 100J em 1 segundo são 100W o que é muita coisa! Ou não?
    Novamente, depende dos três fatores estarem de acordo... 100W numa tensão de mil volts (1kV) rende no máximo 0,1A com resistência 0. Em um humano, não deve passar de 1mA
    Logo, uma tensão de cem volts, mil volts (1kV), 1 milhão de volts (1MV) não matam, contanto que não houver fluxo (corrente - A) de energia por algum tempo (J/s).
    Ainda podemos dizer que não há danos, se não houver exposição a um potencial elétrico por um período suficiente.
    * Que tu seu bosta, aprendeu em física, no ensino médio/2ºGrau e achou que era inútil.

    Fellas13
    Membro Novato
    # 26/set/19 05:25
    · votar


    Este tema deveria ser mais pautado pelos músicos. Há um mês atrás eu fui vítima de uma descarga elétrica quando ia passar o som pra um show e quase fui a óbito, graças a Deus sobrevivi mas ficou o trauma, e as cicatrizes de queimaduras de terceiro grau na mão.

      Enviar sua resposta para este assunto
              Tablatura   
      Responder tópico na versão original
       

      Tópicos relacionados a Aterramento - Um Risco Real de Morrer Eletrocutado (Vídeos)