Notificações Amigos pendentes

      Fórum Cifra Club - maior fórum de m&uacite;sica do Brasil

      【FIXO】 Conhecendo melhor as bandas (Youtube)

      Autor Mensagem
      bine19
      Veterano
      # ago/11
      · votar


      Oi gente, estou divulgando no youtube uma nova música, muito linda, de minha autoria, perfeito pra quem tá apaixonado, espero que apreciem e divulguem, quero ouvir o Brasil todo cantando esta música, rsrsrs. Um abraço,

      http://www.youtube.com/watch?v=UAQcM-YFOr4

      Ratnofly
      Veterano
      # out/11
      · votar




      Daniel_rsf
      Veterano
      # out/11 · Editado por: Daniel_rsf
      · votar


      Essa aqui pros headbangers!

      Quiet Riot

      Origens


      Eles começaram em 1973 pelo vocalista Kevin DuBrow. A formação original era composta por Randy Rhoads (guitarra), Kelli Garni (baixo) e Drew Forsyth (bateria).
      Randy Rhoads e Kelly Garni moravam na Califórnia e durante quatro anos tocaram em algumas bandas pequenas. Já estavam cansados de tocar em festas na região e, em 1975, juntaram-se a dois amigos, Kevin DuBrow (vocal) e Drew Forsyth (bateria), criando, assim, o Quiet Riot, que rapidamente tornou-se um dos grupos mais ativos de rock pesado da região de Los Angeles.
      [editar]A saída de Randy Rhoads
      Logo a Sony Record percebeu o talento do grupo e fechou um contrato para lançar dois álbuns, só que no Japão. Foram "Quiet Riot", em 1977, e "Quiet Riot II", em 1978. Estranhamente, os discos nunca foram lançados nos Estados Unidos. O plano para fazer a esperada turnê japonesa estava pronto, já que o disco estava bem no país, mas ele foi cancelado. Naquele mesmo ano, o grupo ainda enfrentou duas saídas, a de Kelly Garni e Randy Rhoads, que passou no teste para ser o guitarrista da banda de Ozzy Osbourne.

      A nova formação e sucesso

      O grupo se dispersou e Kevin criou uma nova banda com o baterista Frankie Banali e o baixista cubano Rudy Sarzo, mas com a chegada do novo guitarrista, Carlos Cavazo, eles decidiram fazer daquela reunião a volta do Quiet Riot. O grupo fechou um contrato com a Pasha Records e lançou, em 1983, Metal Health. O sucesso repentino do disco surpreendeu a todos e a canção "Come on Feel the Noise", cover do Slade, foi direto para as paradas norte-americanas. Outra faixa importante no disco foi "Thunderbird", uma homenagem ao guitarrista Randy Rhoads, que havia falecido em um acidente um ano antes.

      Crise

      Condition Critical saiu em 1984 e trouxe mais uma canção cover do Slade, "Mama, Weer All Crazee Now". A crítica achou que o disco era uma cópia do anterior e o grupo enfrentou o início de uma crise. Quando recuperaram a atenção da mídia para "Quiet Riot III", que saiu em 1986, Rudy Sarzo abandonou o grupo e foi substituído por Chuck Wright. O álbum foi um fracasso e a turnê resultou em mais baixa para o Quiet Riot. Kevin DuBrow largou o grupo no Hawaii, onde tinha feito o último show da turnê e pegou um vôo mais cedo. Os conflitos internos ainda resultaram na saída de Chuck.
      Foram dois anos para se recuperar de tanta saída e colocar mais um álbum nas lojas, "Quiet Riot". A nova formação ficou completa com a entrada de Sean McNabb, no baixo e Paulo Shortino (ex-Rough Cutt), no vocal. A turnê do disco estava pronta e o que parecia ser um promissor recomeço, foi apenas um pequeno suspiro. Os ex-integrantes Carlos e Frankie moveram uma ação que proibiu o grupo de usar o nome de Quiet Riot e eles pararam de tocar.

      Reconciliação

      A reconciliação só aconteceu em 1993, mesmo assim, só com parte da banda. Kevin, Carlos e Frankie lançaram "Terrified", que não chegou a fazer sucesso. Eles tentaram melhorar a imagem com outro lançamento no mesmo ano, "Randy Rhoads Years", que continha gravações do começo do grupo com o guitarrista, o que também não funcionou. Sem desistir, o Quiet Riot colocou no mercado, dois anos depois, "Down to the Bone", que também não emplacou.
      Para o Quiet Riot voltar a se destacar foi preciso engolir os sapos do passado. Kevin DuBrow, Carlos Cavazo, Rudy Sarzo e Frankie Banali se reuniram novamente em 1997 e saíram em turnê mundial no ano seguinte, na qual foi gravado o disco "Alive & Well", em 1999. Um trabalho inédito só foi lançado em 2001, "Guilty Pleasures". Em 2003, DuBrow deu início ao um novo projeto e a banda encerrou suas atividades mais uma vez.

      A Morte de DuBrow

      O cantor americano Kevin DuBrow, vocalista da banda de heavy metal Quiet Riot, foi encontrado morto, no dia 25 de novembro de 2007, em sua casa em Las Vegas, informou a revista People. O roqueiro tinha 52 anos e era o único integrante que fazia parte da formação original da banda, composta pelo guitarrista Randy Rhoads, pelo baixista Kelli Garni e pelo baterista Drew Forsyth. As causas da morte de Dubrow não foram divulgadas. Em seu site oficial, a banda publicou uma nota lamentando a morte do líder. "Não sei o que dizer. Peço que respeitem nossa privacidade e a memória do nosso querido amigo", escreveu Frankie Banali, o atual baterista do Quiet Riot. O baixista da formação recente do grupo, Kelly Garni, afirmou que a banda deve se pronunciar oficialmente nas próximas 48 horas, assim que receber maiores informações da equipe que investiga a morte do cantor. O Quiet Riot alcançou certa notoriedade na década de 1980, regravando a música "Cum On Feel the Noize"(http://en.wikipedia.org/wiki/Cum_On_Feel_the_Noize), (escrita por Jim Lea e Noddy Holder e produzida originalmente por Chas Chandler , Slade, em 1973), álbum de estréia "Metal Health", de 1983. O disco mais recente do grupo, "Rehab", foi lançado em 2006. A banda também tem belas participações em jogos de video-game. A primeira em 2002 com a música Cum On Feel the Noise, presente no Grand Theft Auto: Vice City. A segunda participação foi em 2006 com a música Metal Health (Bang Your Head ) no jogo Grand Theft Auto: Vice City Stories. E a terceira, também última, foi novamente com a música Metal Health (Bang Your Head), só que desta vez no Guitar Hero Encore Rock's The 80s, em 2007. A imprensa se manifestou dizendo que DuBrow morreu decorrente a uma overdose de cocaína, apesar de seus companheiros de banda não terem o conhecimento que ele ainda usava a droga.
      [editar]A volta
      Incentivado pela família de Dubrow - especialmente pela mãe do vocalista - Frankie Banali decidiu reativar a banda em 2010. Convocou o vocalista Mark Huff, o baixista Chuck Wright e o guitarrista Alex Grossi e o grupo iniciou uma excursão à Austrália nesse mesmo ano em conjunto com as bandas Warrant e L.A. Guns.[1] A nova formação do Quiet Riot continua junta até hoje.

      Quiet Riot no Brasil

      Em setembro de 1985, o Quiet Riot fez duas apresentações no Brasil, uma no Rio de Janeiro , no Maracanãzinho e a outra em São Paulo, no ginásio do Corinthians. O grupo já não contava com Rudy Sarzo, que foi substituído na última hora por Cjell Benner. Para surpresa de todos e decepção de alguns, o grupo não trouxe nenhuma grande aparelhagem de som e luz, contando apenas com o básico. Ainda assim, usando de sua experiência e talento, o grupo fez uma apresentação bastante competente e divertida, com destaque para Dubrow e Banali - que, no show de São Paulo, agitou uma bandeira do Corinthians após seu solo para delírio da Fiel Torcida. O nível de som no ginásio do Corinthians foi considerado bom, mas o do Maracãzinho foi considerado péssimo. A abertura do show foi feita por Robertinho do Recife.[2][3]

      Discografia

      [editar]Álbuns de estúdio
      1977 - Quiet Riot *
      1978 - Quiet Riot II *
      1983 - Metal Health
      1984 - Condition Critical
      1986 - QR III
      1988 - QR
      1993 - Terrified
      1995 - Down to the Bone
      2001 - Guilty Pleasures
      2006 - Rehab

      * Lançados apenas no Japão.







      Essa música foda com o Randy Rhoads



      Nickname_SCUM
      Veterano
      # out/11
      · votar


      òtimo topico.

      Nickname_SCUM
      Veterano
      # out/11
      · votar


      Rodrigo y Gabriela

      São uma dupla de músicos mexicanos, especializados em violões acústicos. A dupla se conheceu no México, quando Rodrigo Sanchez e Gabriela Quintero faziam parte de uma banda de trash metal chamada "Tierra Ácida".

      Insatisfeitos com a cena musical mexicana, resolveram seguir para a Europa, estabelecendo-se em Dublin, na Irlanda, onde tocaram em vários pubs, principalmente na Grafton Street e Temple Bar.

      Com apoio do músico Damien Rice, que ficou impressionado com o talento do duo, começaram a excursionar por todo o Reino Unido e posteriormente pelos demais países da Europa.







      Orion, com Robet Trujillo


      Jam com Al Dimeola


      Nickname_SCUM
      Veterano
      # out/11 · Editado por: Nickname_SCUM
      · votar


      HEVISAURUS

      A Finlândia é um país que sabe como fazer as coisas. Enquanto aqui os pequenos ficam ouvindo xuxa, Teletubies e afins, nas terras nórdicas eles crescem escutando Hevisaurus!
      Um lugar onde o heavy metal tem participação constante na música, com várias bandas famosas como Stratovarius e Nightwish, o mínimo que você pode esperar é que eles saibam como educar as crianças desde cedo.

      O Hevisaurus começou no ano de 2009, alguns finlandeses se juntaram para criar uma banda de Heavy Metal Melódico tentando agradar crianças e jovens para trazê-los para o mundo do Metal . Os membros da banda usam fantasias estilo Família Dinossauro. Não temos a informação exata dos nomes dos seus integrantes, De acordo com informações do Metal Archives, entre os artistas que "tocam" no Hevisaurus estão:

      - Mirka Rantanen (Thunderstone)
      - Jens Johansson (Dio, Yngwie J. Malmsteen, Stratovarius)
      - Henrik Klingenberg (Sonata Arctica)
      - Mikko Kosonen (Maija Vilkkumaa)
      - Nino Laurenne (Thunderstone)
      - Mikko Salovaara (Kiuas)

      O primeiro álbum da banda "Jurahevin kuninkaat" (The Kings of Jurassic Heavy Metal), foi muito bem recebido pelo povo finlandês .

      O terceiro álbum "Räyh" conta com a participação de Empu Vuorinen (Nightwish), Santeri Kallio (Amorphis), Gus G. (Firewind, Ozzy Osbourne) e Joni Hynynen (Kotiteollisus)

      De acordo com o Helsingin Sanomat, o propósito do Hevisaurus é levar o metal para cada criança com letras sobre dinossauros e outros assustos infantis. Muitos pais também gostam do Hevisaurus, já que difere do Heavy Metal adulto no que diz respeito às letras e em vez de músicos com o típico visual headbanger, a música é tocada por quatro dinossauros e um dragão.

      "Formação Oficial"
      Herra Hevisaurus – Vocal
      Riffi Raffi – Guitarra
      Muffi Puffi – Baixo
      Komppi Momppi – Bateria
      Milli Pilli – Teclado







      Nickname_SCUM
      Veterano
      # out/11
      · votar


      Van Canto

      é uma banda alemã que mescla o estilo a cappella com o estilo heavy/power metal, criando um estilo que eles chamam de "hero-metal a cappella". Composta por cinco vocalistas e um baterista (Bastian Emig), não há teclados, baixo ou guitarras nas canções. Dois dos vocalistas (Philip Dennis Schunke ("Sly") e Inga Scharf) cantam da maneira convencional, enquanto que os outros três cantam riffs de guitarra e linhas de baixo, sendo Stefan Schmidt ("Stef") e Ross Thompson os "guitarristas" e Ingo Sterzinger ("Ike") o "baixista". Stefan chega a fazer solos em algumas canções. Amplificadores ajudam os músicos a cantarem com distorções que aproximam suas vozes aos sons de uma guitarra.







      Nickname_SCUM
      Veterano
      # out/11 · Editado por: Nickname_SCUM
      · votar


      Cabruêra

      é um grupo musical brasileiro, formado na Paraíba em 1998, e cuja principal característica é misturar influências do cancioneiro popular nordestino com diversas tendências musicais. O grupo está a 11 anos na estrada tocando para platéias dos mais diferentes idiomas, com passagens por importantes festivais no Brasil e na Europa.

      Formada por alunos da UFCG, em Campina Grande (PB), a banda reúne quatro músicos com diversas influências.

      O primeiro CD foi gravado em 2000 e relançado em 2001 pela Nikita Music. Ainda em 2001, o grupo fez sua primeira excursão à Europa recebeu o Kikito de "Melhor trilha sonora" no Festival de Gramado, pelo curta-metragem "A Canga", de Marcus Villar. No final daquele ano os integrantes do grupo se mudaram para o Rio de Janeiro.

      Participou de festivais na Inglaterra, Dinamarca, Itália, República Tcheca, Alemanha, França, Holanda, Bélgica, Suíça e Portugal, e seu segundo álbum foi lançado mundialmente em 2005 pela gravadora alemã Piranha Records. Teve músicas incluídas em diversas coletâneas lançadas no Brasil, Japão, EUA, Portugal, França e Alemanha. Também teve músicas sincronizadas em filmes e documentários no Brasil, EUA e Europa. Em 2001 o grupo recebeu o Kikito de "Melhor trilha sonora" no Festival de Gramado.

      Dos festivais no exterior destacam-se o MIDEM na França, o Roskilde na Dinamarca, a POPKOOM na Alemanha, WOMAD na Itália e o Montreux Jazz Festival na Suíça. No Brasil o grupo tem passagem pelo Abril Pro Rock, Goiânia Noise, Rec Beat, Mada, Festival Calango, Porto Musical, Feira Musica Brasil entre outros.

      Origem do nome

      Termo do cangaço, cabruêra é uma corruptela de cabroeira, que significa "bando de cabras", podendo ser aplicado tanto para um grupo de animais quanto para um agrupamento humano, como os cabras de Lampião.






      Nickname_SCUM
      Veterano
      # nov/11
      · votar


      Antonio Nóbrega

      Natural de Recife, estudou violino clássico e canto lírico com professores renomados, chegando a tocar em orquestra. Nos anos 70 participou do Quinteto Armorial, com o qual gravou quatro discos e excursionou pelo mundo divulgando a música tradicional nordestina. A partir de 1976 começa a conceber seus próprios espetáculos, misturando dança, artes cênicas e música, participando na década de 80 de festivais de teatro. Pesquisador de dança e música brasileira, radicou-se em São Paulo em 1983 e ajudou a implantar o Departamento de Artes Corporais da Unicamp. Depois de ganhar prêmios no exterior, seu trabalho começou a ter repercussão no Brasil na década de 90 com os espetáculos "Figural", "Brincante" e "Segundas Histórias", os dois últimos estrelados por seu personagem Tonheta, uma mistura de clown e vagabundo que cativa o público. No final da década passou a se dedicar mais à pesquisa musical, e lançou em CD os shows "Na Pancada do Ganzá" (baseado na viagem etnográfico-musical de Mário de Andrade pelo Brasil) e "Madeira que Cupim Não Rói". Mantém em São Paulo a Escola e Teatro Brincante, um centro cultural que promove eventos e cursos ligados à dança, música e arte circense.











      ju.nito
      Veterano
      # nov/11
      · votar


      Pra quem curti Reggae, essa banda aew um brother meu é o guitarrista



      Meu filho ouvirá Classic Rock
      Veterano
      # dez/11
      · votar


      Não sei se já postaram, mas são duas bandas brasileiras tentando algo nos EUA:

      Mindflow - Break me out


      Cruz - Sin City


      aninha2727
      Veterano
      # jan/12
      · votar


      Aruzbo

      Banda (?) composta por 3 bêbados sem ter o que fazer.
      Gravam suas músicas pelo celular e fazem clipes que conseguem ser mais toscos que as próprias músicas.

      Seus maiores clássicos são:

      Nariz de bomba atomica
      Menina Sereia


      http://www.youtube.com/watch?v=AlDvoqxjIII

      http://www.youtube.com/watch?v=-jRrIAqa478

      OsamaBinLaden
      Veterano
      # jan/12
      · votar


      [/b]Caju e Castanha[b]

      Caju & Castanha é uma dupla brasileira de embolada, formada por irmãos naturais de Recife, estado de Pernambuco
      A dupla Caju & Castanha foi criada pelos irmãos José Albertino da Silva (Caju) e José Roberto da Silva (Castanha) ainda na infância, quando apresentavam-se em feiras e praças de Pernambuco em Jaboatão dos Guararapes, tocando pandeiros feitos com lata de marmelada. O nome da dupla foi dado por um prefeito de Jaboatão chamado Severino Claudino.
      Em 1978, os irmãos fizeram uma participação do documentário Nordeste: Cordel, Repente, Canção, da cineasta Tânia Quaresma. A partir desse momento, surge o seu primeiro disco com participações especiais de Zé Ramalho e Elba Ramalho. No começo da década de 1980, os irmãos mudam-se para São Paulo, onde inicialmente se apresentavam em ônibus, participando do movimento de arte urbana da cidade. Entre outros artistas, Caju e Castanha foram retratados em filmes como Style Wars e blogs como http://arteurbana2011.blogspot.com/, além de inúmeras aparições na televisão, rádio, livros e reportagens.
      Em 1981, gravam o seu segundo disco: Embolando na Embolada
      Na década de 80, convidados a se apresentarem no programa Som do Brasil, permaneceram apresentando por cinco anos, ao lado de Rolando Boldrin e do Lima Duarte.
      No ano de 1993, a dupla passou a ser conhecida nacionalmente através da Embolada "Ladrão Besta e o Ladrão Sabido". Em 1997, a história da dupla foi contada no documentário Som da Rua - Caju e Castanha, uma co-produção da TVE Brasil[1].
      Em 2001, José Albertino da Silva faleceu, devido a um câncer no cérebro. Seu último show havia ocorrido em 1999, na edição do festival Abril Pro Rock. Em seu lugar, entrou o sobrinho de José Roberto da Silva , Ricardo Alves da Silva.
      No ano de 2002, a dupla estrelou o curta-metragem A Saga dos Guerreiros Caju e Castanha Contra o Encouraçado Titanic, dirigido por Walter Salles, que integrou o longa-metragem "Chacun son cinéma", no qual 35 diretores comemoram os 60 anos do Festival de Cannes

      alancomper
      Veterano
      # jan/12 · Editado por: alancomper
      · votar


      Banda Altitude: Release:

      A banda Altitude nasceu em 2007, na cidade de Santa Teresa, localizada nas montanhas do Espírito Santo, a partir da vontade de jovens músicos de tocar o pop rock em seu mais puro estado, nao se limitando a barreiras de rótulos musicais.

      Atualmente banda e formada por: Andrew Laureth (Voz e guitarra), Gui Laureth (baixo), Betuel Almeida (teclado) e Alemão (bateria). Depois de 3 anos fazendo shows por todo o estado do Espírito Santo a banda resolveu, em 2010, gravar o primeiro CD intitulado, O tempo e o amor, que teve musicas tocadas em vários estados brasileiros e uma turnê do vocalista Andrew Laureth na Europa.

      O CD esta disponível para download gratuito na internet.

      http://www.4shared.com/file/TQ9OYw-D/altitude-_o_tempo_e_o_amor__20.ht ml

      Banda Ao vivo: http://www.youtube.com/watch?v=MPcaZx7bvQk&feature=share

      My Space: http://www.myspace.com/bandaltitude

      PopPunkMaster
      Veterano
      # fev/12 · Editado por: PopPunkMaster
      · votar


      Scorpions

      Scorpions é uma banda de heavy metal e hard rock originária de Hanôver, Alemanha fundada em 1965, sendo a primeira banda de hard rock formada no país germânico.[8] No início eram chamadas de Nameless (aqueles sem nomes), depois passou para The Scorpions até o final de 1969, depois foram chamados simplesmente de Scorpions.[8] O primeiro álbum da banda foi o LP Lonesome Crow de 1972, com os irmãos Schenker nas guitarras. No ano seguinte, Michael Schenker deixa a banda e foi substituido pelo guitarrista Uli Jon Roth , para gravar álbuns seguintes da banda Fly to the Rainbow, em 1974, In Trance em 1975 , Virgin Killer , em 1976 e Taken by Force em 1977. O som da banda no início dos anos 70 era um hard rock/heavy metal, com nuances de rock psicodélico e vocais fortes, e o som mais estridente e pesado do que as obras posteriores, já inclinados a uma corrente mais comercial.[9] O último trabalho da "Uli Jon Roth era" é o álbum ao vivo Tokyo Tapes de 1978.
      Após a saída de Roth, vem outro jovem alemão Matthias Jabs para ser guitarrista, quando começa o caminho da banda para o mercado dos EUA com o disco Lovedrive de 1979, que recebeu disco de ouro no país. Na mesma linha seguiria os discos Animal Magnetism em 1980, Blackout de 1982, Love at First Sting, em 1984, Savage Amusement em 1988. Com estes trabalhos demonstraram um som mais comercial, que lhes deram o reconhecimento mundial.
      Na década posterior os álbuns Crazy World e Face the Heat levantou-os à categoria de maior sucesso da banda alemã, mas passou pela saída de dois dos seus membros, Herman Rarebell e Francis Buchholz. Mas eles foram capazes de reinventar com os álbuns Pure Instinct e Eye II Eye que mostrou um som renovado e toque ainda mais suave em sua carreira. No novo milênio, o projeto sinfônico Moment of Glory e o Acoustica os colocam de volta ao cenário musical, bem como discos de hard rock Unbreakable de 2004 e Humanity: Hour I de 2007.
      Atualmente a banda está em sua turnê de despedida com seu último álbum de estúdio Sting in the Tail de 2010, que os leva para os cinco continentes ao longo dos três anos seguintes.
      Ao longo de sua carreira de mais de 40 anos, eles lançaram dezenas de singles, álbuns ao vivo, compilações e alguns DVDs ao vivo e tem recebido vários prêmios em nível internacional o que torna a banda mais bem sucedida de hard rock da Alemanha.[10] Já venderam entre de 100[11] e 150[12] milhões de álbuns mundialmente. Recentemente, a imprensa alemã, calcula vendas estimadas em trono de 160 milhões de álbuns vendidos em todo o mundo.

      Formação e início de carreira
      Na Alemanha Ocidental, em 1965, os irmãos e guitarristas Michael Schenker e Rudolf Schenker decidem montar uma banda com os amigos Klaus Meine (como vocalista), Lothar Heimberg (no baixo) e Wolfgang Dziony (na bateria).
      Após gravarem uma fita demo, conseguem lançar o primeiro álbum, Lonesome Crow, em 1972. Apesar da boa repercussão da estréia, Lothar Heimberg e Wolfgang Dziony resolvem deixar o grupo e pouco tempo depois, Michael Schenker torna-se guitarrista da banda londrina UFO.
      Antes de deixar a banda, Michael indica a seu irmão o guitarrista Ulrich Roth (mais conhecido como Uli Jon Roth), como seu substituto. Roth, por sua vez, convida o baixista Francis Buchholz e o baterista Jürgen Rosenthal para completar o grupo. Fazem algumas apresentações e assinam com a RCA, que lança o segundo disco Fly to the Rainbow, em 1974. No ano seguinte, Jürgen Rosenthal deixa a banda para se apresentar ao exército alemão (e posteriormente ingressa na banda de rock progressivo alemã Eloy), Rudy Lenners assume a bateria e o álbum In Trance faz sucesso em toda a Europa, dando início a uma turnê.
      Formação e início de carreira
      Na Alemanha Ocidental, em 1965, os irmãos e guitarristas Michael Schenker e Rudolf Schenker decidem montar uma banda com os amigos Klaus Meine (como vocalista), Lothar Heimberg (no baixo) e Wolfgang Dziony (na bateria).
      Após gravarem uma fita demo, conseguem lançar o primeiro álbum, Lonesome Crow, em 1972. Apesar da boa repercussão da estréia, Lothar Heimberg e Wolfgang Dziony resolvem deixar o grupo e pouco tempo depois, Michael Schenker torna-se guitarrista da banda londrina UFO.
      Antes de deixar a banda, Michael indica a seu irmão o guitarrista Ulrich Roth (mais conhecido como Uli Jon Roth), como seu substituto. Roth, por sua vez, convida o baixista Francis Buchholz e o baterista Jürgen Rosenthal para completar o grupo. Fazem algumas apresentações e assinam com a RCA, que lança o segundo disco Fly to the Rainbow, em 1974. No ano seguinte, Jürgen Rosenthal deixa a banda para se apresentar ao exército alemão (e posteriormente ingressa na banda de rock progressivo alemã Eloy), Rudy Lenners assume a bateria e o álbum In Trance faz sucesso em toda a Europa, dando início a uma turnê.

      A popularidade
      Em 1976, gravaram Virgin Killer que é um álbum clássico em sua carreira. Lenners descobre que tem um problema no coração e sai da banda para se tratar. Em seu lugar entra Herman Rarebell, que foi indicado por Michael Schenker. Em 1977, vão para o estúdio novamente e lançam o álbum Taken by Force, e em 1978 embarcam pela primeira vez para o Japão, onde fizeram três grandes shows. Essa passagem pelo oriente ficou registrada no clássico álbum duplo ao vivo Tokyo Tapes, que marcou a saída do guitarrista Uli Jon Roth da banda após desentendimentos com Herman devido à música He's a woman, she's a man.
      Em 1979, os Scorpions recrutam Matthias Jabs para assumir as seis cordas. No mesmo ano, é lançado o álbum Lovedrive, que teve a participação especial de Michael Schenker. No ano seguinte, a banda de Hannover lançam o álbum Animal Magnetism, que emplacou o hit "The Zoo". O sucesso já era presente quando Klaus descobre que tinha nódulos em suas cordas vocais. Imediatamente, o vocalista se retira da banda para fazer um tratamento, que duraria cerca de um ano. No ano de 1982, os Scorpions entram novamente nos estúdios de gravação. Como resultado, sai o álbum Blackout, caracterizado pelo vocal mais nasalizado de Klaus, o que lhe permite conseguir notas mais altas, como fica claro na faixa "Now!".
      Em maio de 1983 a banda foi convidada para atuar no US Festival na Califórnia, juntamente com as bandas Quiet Riot, Judas Priest, Van Halen, Triumph e Ozzy Osbourne. Os Scorpions passaram os primeiros 18 anos da sua carreira sem conseguirem muito sucesso nos Estados Unidos, embora já fossem bastante populares na Europa e no Japão. Foi apenas em 1984, quando lançaram o álbum Love at First Sting, que conquistaram de vez os fãs americanos, chegando inclusive a figurarem entre os 10 melhores do mundo, graças à balada "Still Loving You" e o hit "Rock You Like a Hurricane". Em 1985, o Scorpions visita pela primeira vez o Brasil, no intuito de participar do festival Rock in Rio, ao lado de bandas como Iron Maiden, AC/DC, Whitesnake e Queen. Foi a turnê de Love at First Sting que rendeu o segundo álbum ao vivo do Scorpions, o World Wide Live, cujo o repertório foi todo baseado nos quatro últimos álbuns de estúdio da banda na época.
      Em 1988, um novo álbum, denominado Savage Amusement, é lançado, dando início à atual fase da banda, constituída de canções com críticas à sociedade, à religião, à família, etc. Foi a turnê desse disco que eles se tornaram a primeira banda de rock do ocidente a se apresentar na então União Soviética, cuja a turnê virou o documentário "To Russia with Love". No início da década de 1990, tiveram êxito com o álbum Crazy World e a canção "Wind of Change", inspirado nas mudanças político-sociais ocorridas no Leste Europeu e também no fim da Guerra Fria. Além de "Wind of Change", Crazy World trazia "Tease Me, Please Me", "Don't Believe Her", "Send Me an Angel" e "Hit Between the Eyes" que virou tema do filme Freejack estrelado pelo cantor Mick Jagger. Foi o primeiro grupo ocidental a tocar na Rússia após a extinção da União Soviética e, em 21 de julho de 1990 foram convidados a participar no espetáculo de Roger Waters, The Wall in Berlin, juntamente com outros convidados como Van Morrison e Bryan Adams.

      Anos 90 e 2000
      Em 1992, sofrem uma baixa inesperada: Francis Buchholz resolve sair da banda e é substituído por Ralph Rieckermann, músico de conservatório e que também fazia trilhas sonoras de filmes. Em 1993, lançam o álbum Face the Heat, que trazia a canção "Under the Same Sun" como o seu principal sucesso. O terceiro álbum ao vivo da carreira, Live Bites sai em 1995, e Pure Instinct é lançado em 1996, tendo Curt Cress como baterista. Herman Rarebell decide deixar a banda e abrir uma gravadora em Monte Carlo, chamada Monaco Records, com apoio do príncipe Albert de Mônaco. James Kottak torna-se o novo baterista dos Scorpions.
      Gravam um álbum experimental chamado Eye II Eye em 1999. Como o álbum não foi bem aceito pelos fãs e pela crítica, os Scorpions resolvem explorar outros caminhos. O próximo passo da banda se tratou de algo totalmente inédito: a gravação de um álbum com a Orquestra Filarmônica de Berlim, uma das mais conceituadas do mundo. Intitulado de Moment of Glory e lançado em 2000, esse álbum traz faixas como "Still Loving You", "Hurricane 2000" (uma nova versão de Rock You Like a Hurricane) e Deadly Sting Suite (um misto das músicas Crossfire, He's a Woman, She's a Man e Dynamite), entre outras, com novos arranjos orquestrados e que renderam o DVD Moment of Glory, gravado ao vivo em Hannover, na Alemanha. A criação dos arranjos e a regência da orquestra ficou a cargo do austríaco Christian Kolonovitz. Em 2001, Christian Kolonovitz repete a dose e rearranja outras canções para o projeto intitulado Acoustica. As apresentações acústicas, registradas no Convento do Beato, em Portugal, fizeram tanto sucesso quanto o trabalho anterior. Tiveram ainda o reforço de alguns músicos contratados, como o percussionista chileno Mario Argandona, para que as versões mais intimistas, executadas apenas com violão, soassem melhor. Entre os músicos de apoio, ainda havia a violoncelista romena Ariana Arcu; Johan Daansen, no terceiro violão; Hille Bemelmans, Liv Van Aelst e Kristel Van Craen, nos vocais de apoio; além do próprio Christian Kolonovitz, no piano e órgão Hammond.
      Em 2004, lançam o álbum Unbreakable, que era aguardado com grande expectativa pelos fãs, pois havia cinco anos desde Eye II Eye que um álbum contendo canções inéditas não era lançado. Com o álbum Unbreakable também foi apresentado o novo baixista da banda: o polonês Pawel Maciwoda, em substituição a Ralph Rieckermann, que deixou a banda pouco antes das gravações de Unbreakable e deu sequência ao seu trabalho de trilhas sonoras de filmes. A banda incluiu o Brasil na turnê Unbreakable e fizeram três shows no país em 2005. Os músicos apresentaram sucessos como "Wind of Change", "Rock You Like a Hurricane" e "New Generation", sendo esta última sua música de trabalho na turnê.
      O décimo sexto álbum de estúdio da banda, intitulado Humanity: Hour I, foi lançado na segunda quinzena de maio de 2007. Em 2008 estiveram novamente no Brasil, numa rápida passagem.

      Fim de carreira e última turnê
      No dia 24 de janeiro de 2010, a banda anunciou que encerraria a carreira e que realizaria sua última turnê, com o álbum Sting in the Tail,[14] que foi lançado no dia 19 de março de 2010. Assim como o início de sua última turnê previsto para ser iniciada em maio de 2010 e atravessar o mundo por "mais uns anos".
      O vocalista da banda, Klaus Meine, destacou que a carreira será encerrada com um álbum de forte impacto e uma turnê que classificou como "espetacular"

      Integrantes:
      Atuais

      Rudolf Schenker — guitarra rítmica, backing vocals (1965–presente)
      Klaus Meine — vocais (1970–presente)
      Matthias Jabs — guitarra solo, backing vocals (1978, 1979–presente)
      James Kottak — bateria, percussão, backing vocals (1996–presente)
      Pawel Maciwoda — baixo, backing vocals (2004–presente)
      Antigos
      Lothar Heimberg — baixo, backing vocals (1965–1973)
      Wolfgang Dziony — bateria, percussão, backing vocals (1965–1973)
      Karl-Heinz Vollmer – guitarra solo e rítmica, backing vocals (1965–1970)
      Michael Schenker — guitarra solo e rítmica, backing vocals (1970–1973, 1978–1979)
      Francis Buchholz — baixo, backing vocals (1973–1983, 1984–1992)
      Uli Jon Roth — guitarras, backing vocals, vocais principais em "Drifting Sun", "Fly to the Rainbow", "Dark Lady", "Sun in My Hand", "Hell Cat", "Polar Nights" (1973–1978)
      Jürgen Rosenthal — bateria, percussão, backing vocals (1973–1975)
      Achim Kirschning — teclado (1973–1974)
      Rudy Lenners — bateria, percussão (1975–1977)
      Joe Wyman - bateria, percussão (1977)
      Herman Rarebell — bateria, percussão, backing vocals (1977–1983, 1984–1995)
      Ralph Rieckermann — baixo, backing vocals (1993–2000, 2000–2003)
      Curt Cress — bateria, percussão (1996)
      Ken Taylor — baixo, backing vocals (2000)
      Ingo Powitzer — baixo, backing vocals (2004)

      Álbuns de Estúdio:
      1972 - Lonesome Crow
      1974 - Fly to the Rainbow
      1975 - In Trance
      1976 - Virgin Killer
      1977 - Taken by Force
      1979 - Lovedrive
      1980 - Animal Magnetism
      1982 - Blackout
      1984 - Love at First Sting
      1988 - Savage Amusement
      1990 - Crazy World
      1993 - Face the Heat
      1996 - Pure Instinct
      1999 - Eye II Eye
      2000 - Moment of Glory (com a Orquestra Filarmônica de Berlim)
      2001 - Acoustica
      2004 - Unbreakable
      2007 - Humanity: Hour I
      2010 - Sting in the Tail
      2011 - Comeblack
      Álbuns ao vivo
      Tokyo Tapes (1978)
      World Wide Live (1985)
      Live Bites (1995)
      Acoustica (2001)
      Live 2011: Get Your Sting & Blackout (2011)

      Vídeos:







      roberto.palheta
      Veterano
      # mar/12
      · votar


      Oi gente, gostaria de saber se esse guitarrista tem algum cd gravado. Se alguém puder me ajudar...


      caico
      Veterano
      # abr/12
      · votar


      Um pouco de Hybrid Picking !
      Saude !
      Julio



      SlasherFan
      Veterano
      # ago/12
      · votar


      The Clash

      Formação original:

      Joe Strummer - Vocal e Guitarra base
      Mick Jones - Vocal (ocasional) e Guitarra Solo
      Paul Simonon - Baixista
      Nick "Topper" Headon - Baterista

      Considerada pela revista Rolling Stones como "The only band that matters" o Clash foi uma banda de origem Punk (vou explicar depois meu receio em dizer que a banda era 100% Punk) que teve início em 1976, suas origens são divididas entre Paul e Mick, Joe e Headon(1977) que foi o último a entrar após a saida de Terry Chimes

      Joe Strummer considerado o melhor músico do The Clash e um dos melhores vocalistas de todos os tempos por seu Feeling, qualidade no timbre e seu "Amor pela letra" fazendo com que nas músicas surgisse sensação de que Joe acreditava cegamente nas letras e o no que cantava.
      Joe era filho de diplomatas, fato que explica a inteligência e compreensão do mundo historicamente que o ajudaria nas suas composições, carregadas de críticas sociais, nasceu na Turquia apesar de seus pais serem Britânicos, com o emprego do pai se via mudando constantemente de cidade, não conseguindo se estabilizar na maioria delas, um dos fatos que chocaram Joe e o marcaram pra vida toda foi o suicídio do irmão que o afetou emocionalmente e fez com que Strummer amadurecesse mais rápido, a banda inicial de Strummer era uma banda pequena de Rockabilly chamada de The 101ners que produziu algumas músicas notáveis como Keys to Your Heart (composta por Joe Strummer).

      A outra banda que seria considerado um primórdio do Clash é a London SS que tinha como músico Mick Jones a sua importância vai desde conter o melhor compositor melódico do The Clash (Mick Jones) até ter participado da socialização de Mick Jones(Guitarrista da London SS) Paul Simonon e Terry Chimes que fizeram testes para entrar na banda mas não conseguiram. Enfim com o fim da banda Paul, Mick e Terry se uniram com Joe Strummer por intermédio de Bernie Rhodes (que se tornaria o empresário da banda) para formar uma nova banda que ficaria conhecida como The Clash.

      Após o inicio em 1976 e o lançamento do primeiro LP auto-intitulado, o sucesso do Clash foi impressionante e rendeu bons resultados de venda na Inglaterra, e após um ano do lançamento no velho continente resolveram lançar o disco com algumas canções substituídas originando 2 álbuns iniciais: The Clash (U.S.A) e The Clash (U.K). musicalmente o álbum era principalmente Punk com a maioria sendo do estilo Ramones/ Sex Pistols porém 2 diferenças marcaram o The Clash como uma banda que merece destaque não só entre as bandas Punks mas entre as melhores bandas de todos os tempos, primeiramente sua habilidade com as palavras, a banda foi uma das senão a banda mais inteligente e política da história, músicas como Washington Bullets, Charlie Don't Surf, The Call Up, Death or Glory e Tommy Gun exemplificam a inteligência do grupo em atacar o sistema com letras inteligentes e pró direitos humanos, mensagens anti-guerras e desigualdade social, a outra qualidade é o gosto por outros estilos musicais como Reggae, Ska e New Wave.

      Após o sucesso do primeiro LP a banda se viu com pouca inspiração e ficou meio perdida em meio a vontade de inovar e agradar o mercado americano, Mick Jones inclusive explicou um dos motivos para o mal rendimento do segundo LP intitulado Give 'em Enough Rope segundo ele: "o primeiro álbum é aquele que você coloca todas as suas ideias sem se poupar e quando enfrentamos o segundo álbum enfrentamos pela primeira vez a necessidade de se criar rapidamente um material novo para atender a demanda"

      Com o "fracasso" do segundo LP o The Clash se viu "apertado" e "sufocado" isto resultou na demissão de Bernie Rhodes, empresário e responsável por juntar os integrantes, além do afastamento os integrantes resolveram convidar Guy Stevens para produzir o London Calling, essa decisão irritou os responsáveis pela CBS Records, além das discussões relacionadas a música, Joe Strummer comprou briga com a CBS pelos direitos dos consumidores no que se diz respeito de um bom álbum por um preço baixo, forçando os responsáveis a vender o álbum duplo pelo preço de um simples.

      Apesar de todos esses fatores complicantes a banda conseguiu fazer um dos melhores álbuns da história aliando elementos do Reggae, Jazz, Rockabilly e Ska as suas tradicionais letras agressivas ao sistema e ao governo, criando o melhor álbum Punk da história (para muitos) e o oitavo no rank da revista The Rolling Stones, o elemento inovador mostrou que a banda não era somente uma banda Punk qualquer mas uma banda que poderia fazer qualquer ritmo que tivessem vontade. John Picarella classificou o álbum como 5 de 5 e disse que seu efeito era similar ao de mostrar ao mundo o quão forte você é ao flexionar seu "músculos" mostrando ao mundo sua real força.

      Após mudar sua tendência com o sucesso do London Calling o The Clash resolveu apostar na preparação de seu LP e criação de músicas mais trabalhadas do que anteriormente, com estúdios mais organizados, regravações de músicas antigas e do próprio The Clash com versões Dub e o principal do LP, o conteúdo humanitário do Sandinista! (título relacionado a luta pela liberdade na Nicarágua pelos sandinos) foi muito aumentado, as canções que previamente atacavam o sistema passaram a ter um conteúdo político ainda maior, fato impensável já que as músicas anteriores já eram politizadas, vale ressaltar que o álbum que possui 6 lados deveria ser lançado como um triplo mas pela resistência da banda veio as lojas pelo preço de um duplo.

      Após o tremendo sucesso do London Calling e Sandinista! o The Clash sofreu um baque, Joe Strummer cometeu um grande erro ao demitir Nick Topper da banda, segundo Joe devido ao seu vício em drogas, com a perda de Nick a banda teve que procurar outro baterista mas não teve muito sucesso, o baterista seguinte não tinha o carisma nem o talento de Topper, mas ainda assim conseguiram realizar um bom LP Combat Rock que tinha suas falhas e já dava início a um fim da banda, ao fim das gravações Joe Strummer resolveu mandar Mick Jones embora e praticamente sobrecarregou suas funções na banda, o LP seguinte Cut the Crap foi o pior Lp que a banda já produziu e frequentemente nem é citado como um álbum da banda pelos fans do Clash.

      Após o The Clash cada membro seguiu um caminho diferente, Mick Jones participou de bandas como Big Audio Dynamite e teve participação junto com Paul Simonon na banda virtual The Gorillaz, já Joe Strummer retornou ao sucesso com um grupo novo chamado Joe Strummer & The Mescaleros, produzindo sucessos como Johnny Appleseed e Coma Girl.

      Em 2002 para tristeza de todos Joe Strummer sofre uma parada cardíaca causada por uma doença cardíaca congênita e o mundo perde um de seus maiores letristas e ativistas que já existiram, após o fato em 2003 a banda entrou para o Rock'nRoll Hall of Fame mas ainda assim a felicidade estava dividida já que todos os integrantes achavam que iam se reunir novamente para um último show justamente na apresentação do Hall of Fame.

      Aqui umas músicas da banda:













      dibass
      Veterano
      # fev/13
      · votar


      Salve galera, tudo certo?

      Segue abaixo o teaser do nosso Clipe. Somos o Tchê Cristão, banda Católica que toca música Gauchesca/Tchê Music/Sertanejo

      Facebook



      mvrasseli
      Veterano
      # fev/13
      · votar


      Grupo Capixaba muito bom, nasci no mesmo ano que o grupo se formou :-)

      Grupo Moxuara

      O grupo MOXUARA nasceu no inverno de 1991. Participou de vários festivais e tem quatro CDS gravados: - O "QUARTO CRESCENTE" foi lançado em 1991, e trás em suas canções toda a beleza da natureza cantada em versos. - O "PONTOS E NÓS" nasceu em 1999 trazendo canções que falam da cidade, do campo e de sua gente com seus sentimentos, hábitos e valores. - "MUSICULTURARTE", CD-LIVRO lançado em 2002 como fruto do programa com o mesmo nome, apresenta vozes e ilustrações de 150 crianças das mais de 5.000 envolvidas no programa até aquele ano. - Depois de semear, em 2003 chegou o "TEMPO DE COLHER”. O mais recente trabalho do grupo trás melodias e arranjos que ornamentam vários temas sociais e prova definitivamente que é possível se urbanizar sem perder a raiz e amadurecer sem perder a identidade. O Moxuara realizou variados shows ao longo de sua história, e para manter o nível desta agenda marcante, o grupo seleciona músicas dos quatro CDS para adequar o repertório aos mais variados tipos de palcos e eventos dos quais se apresenta. Já dividiu palco com grandes nomes da musica popular brasileira como Xangai, Pereira da Viola, Chico Lobo, Saulo Laranjeira e Geraldo Azevedo, além de fazer abertura de shows de nomes consagrados como Alceu Valença, Zélia Duncan, Almir Sater , Pena Branca, Zeca Baleiro e Guilherme Arantes. Desde 2000 o Grupo é parceiro da Companhia Siderúrgica de Tubarão - CST, em todas as atividades do programa de comunicação ambiental da empresa. Esta parceria nasceu por meio do MUSICULTURARTE: uma ação que nasceu na base da educação, cresceu com a experiência prática das escolas, e se consolidou junto à comunidade escolar, onde adquiriu consistência e fundamentação teórico-metodológica. Trata-se de um programa pioneiro e inédito em seu formato, pois utilizando o caráter informativo das letras e a melodia de suas canções, o MOXUARA faz da música um recurso altamente estimulante para o crescimento e do aprendizado trans-disciplinar. Hoje, com doze anos de existência, o Musiculturarte se orgulha dos números que compõem sua história: são aproximadamente 200 escolas conveniadas, 3.900 professores capacitados e mais de 180.000 mil alunos envolvidos diretamente no programa. Na prática: uma troca de experiências e resultados que promovem espetáculos surpreendentes!

      Fonte: http://www.moxuara.com.br/joomla_joomla/index.php?option=com_content&v iew=article&id=41&Itemid=4





      santana.oldgfr
      Membro
      # abr/13
      · votar


      Então galera, legal o tópico, mas senti falta de bandas brasileiras.. tem muita coisa boa "escondida" no brasil, basta garimpar bem. essa banda aqui é uma banda goiana, os 'mulekes' são muito bons e tudo 'muleke'..quando gravaram essa musica eles ainda estavam no ensino médio, salvo engano..mas saca só o som deles.

      luizvaz
      Veterano
      # abr/13 · Editado por: luizvaz
      · votar


      quando gravaram essa musica eles ainda estavam no ensino médio, salvo engano..mas saca só o som deles.

      Bons mesmo, gostei muito do som !

      cafe_com_leite
      Veterano
      # jun/13 · Editado por: cafe_com_leite
      · votar


      Não sei se é esse o tópico, mas eu preciso saber o nome da banda que tem o seguinte membro:
      http://www.facebook.com/photo.php?fbid=570793682972395&set=a.372285506 156548.119575.371760606209038&type=1&theater

      JamesHetfield
      Veterano
      # jul/13
      · votar


      excelente tópico!

      forneas05
      Membro Novato
      # jul/13
      · votar


      EMINENCE [i][/i]
      O Eminence foi formado em Janeiro de 1995, na cidade de Belo Horizonte, no Estado de Minas Gerais , pelo guitarrista Alan Wallace . No mesmo ano, a banda gravou sua primeira demo- tape “Hunger” que marcou presença na cena underground mineira. Sendo assim, após vários shows pelo Estado de Minas Gerais a banda começou a ganhar visibilidade e foi convidada a participar do festival Skol Rock em 1997.
      O som pesado e agressivo do Eminence quebrou barreiras, venceu a etapa mineira e ficou em terceiro lugar no ranking nacional. O Eminence trabalhou duro na divulgação do seu trabalho2 e teve a oportunidade de abrir o show da banda Dinamarquesa Mercyful Fate no Brasil em 1998 e isso impulsionou a banda a sair em turnê pela Europa, junto com bandas de renome internacional.
      O Eminence é convidado para participar do maior festival de rock da América Latina em Bogotá na Colômbia, o Rock Al Parque 99, tendo tocado para mais de 100.000 (cem mil) pessoas e sendo a primeira banda brasileira a participar do evento. O ano de 2000 começa agitado e são indicados em zines e revistas como Banda Revelação de 1999, e banda promessa para 2000.3 Em março de 2000 o CD Chaotic System é licenciado na Europa pelo selo Diamond Records e no mês de Maio/2000 abrem o show da banda Motörhead em Belo Horizonte. No mesmo ano partem para a segunda Tour na Europa Y2Kaos agosto e novembro de 2000.
      Em 2004 a banda lança pela gravadora Suíça Timeless Productions Humanology, segundo álbum de sua carreira produzido por Neil Kernon ( Cannibal Corpse, Nevermore, Judas Priest) e muito bem aceito pelo público Europeu e Brasileiro, rendendo ao quarteto a sua maior turnê em 2005 , com 65 shows agendados.
      Com a energia renovada, o Eminence dribla as dificuldades e lança seu terceiro álbum, The God Of All Mistakes, em 2008 na Europa, EUA e Japão, pela gravadora Locomotive Records. O álbum foi produzido pelo grande produtor Dinamarquês Tue Madsen( Halford, Dark Tranquility, The Haunted) e é licensiado no Brasil pela VOICE MUSIC.4
      http://www.youtube.com/watch?v=kbojxyK2Jds

      forneas05
      Membro Novato
      # out/13
      · votar


      muito fd essa banda

      hellword
      Veterano
      # out/13
      · votar


      Iae brother's de boa ?
      Alguem pode me dizer que tipo de musica é essa ?
      ---> http://www.youtube.com/watch?v=Wxi96oXIJ-s <---
      Vlw ;D ...

      angelofdeath
      Membro Novato
      # mar/14
      · votar


      INSURGENTES



      A banda INSURGENTES foi formada em Florianópolis em 2007, onde o destino reuniu acidentalmente cinco músicos de quatro estados do Brasil, para viajarem nas infinitas vertentes do hardcore, metal e música pesada para assim criarem e tocarem suas próprias músicas.

      A formação atual dos INSURGENTES é composta por MARCELO BORATTO (guitarras), figura impar da cena alternativa, com passagem pelo Divisão de Moscow e fundador do Zoidz; PAULO EDUARDO (baixo e vocais de fundo), que participou da banda SxTxIx e fundou o No Future e o Noisedelic; RICARDO LIMA (bateria), que já tocou em bandas conhecidas no cenário catarinense, como Monster Truck, Morbus Inferno e Aphaeresis; JOÃO BUATIM (vocal) e NICHOLAS DI LUCIA (guitarras), que fundou o Sushiroll em 2009.

      Em março de 2014 foi lançado o EP HEZBOLLAH, com produção do MARCELO BORATTO, com 5 músicas próprias e versão rearranjada em português, do clássica música ULTIMATE PLACE (1991) do SxTxIx.

      A produção das músicas e o lançamento do EP estão sendo construídos de forma totalmente independentes e está prevista a realização de shows na Grande Florianópolis em 2014, para movimentar a cena alternativa local e divulgar o trabalho da banda.

      Os INSURGENTES execram a omissão e a conformação da humanidade, frente as suas adversidades e seguem o seu destino, com uma atitude isenta de radicalismos ou frescuras.

      CONTATOS:
      FONES: (48) 9114-0986 ou (48) 9951-9399
      insurgentesfloripa@hotmail.com
      https://www.facebook.com/bandainsurgentes
      http://www.reverbnation.com/insurgentes4
      http://tnb.art.br/rede/insurgentesfloripa
      myspace.com/insurgentes2007

      Integrantes:
      João Buatim: vocal
      Marcelo Boratto: guitarras
      Nicholas di Lucia: guitarras
      Paulo Eduardo: baixo e vocal de fundo
      Ricardo Lima: bateria e vocal de fundo

      INNARELLI
      Membro Novato
      # nov/14
      · votar


      alguém pode me falar sobre essa banda? ZZ TOP



      Videomaker
      Veterano
      # nov/14
      · votar


      Um pouco do novo álbum do Gênio Guilherme Arantes...!!! :-)



      Enviar sua resposta para este assunto
              Tablatura   
      Responder tópico na versão original
       

      Tópicos relacionados a 【FIXO】 Conhecendo melhor as bandas (Youtube)

      303.521 tópicos 7.854.317 posts
      Fórum Cifra Club © 2001-2017 Studio Sol Comunicação Digital