De Ros - "Eu exijo respeito!"

Autor Mensagem
De Ros
Veterano
# fev/13


Nesse video, uma pequena conversa sobre ética e respeito no meio musical!



e_merson
Veterano
# fev/13
· votar


Isso acontece em todas as profissões, mas como muitas outras coisas, parece que no meio musical é mais gritante. Mesmo quem não é músico de carteirinha também deve respeitar os outros estilos, na minha opinião... todo mundo só tem a ganhar. Eu mesmo sempre esculachei alguns estilos que não gosto, adimito, mas quando a gente começa a deixar essas diferenças bestas de lado, acaba até aumentando o círculo de amizades.

De Ros, parabérns pelo vídeo, por expor algo tão complicado de uma forma simples, direta e saudável.

gadantas
Veterano
# fev/13
· votar


Mais uma vez, ótimo vídeo, De Ros!

De fato, é necessário respeito (aprender a respeitar) para, inclusive, abrir os ouvidos e a mente para sairmos de nossa zona de conforto.

O seu vídeo é um bom ponto de partida para discutirmos várias outras coisas legais, mas o seu recado fundamental - como você disse, para os músicos!!! - foi passado com muita clareza e bom humor.

É necessário também aprendermos a fazer a devida crítica (sendo músico ou não), sem misturar juízo de gosto e juízo de valor. É difícil? É! Impossível? Não! Não tenho como me estender nisso por ora, mas esse tema me parece crucial, pois tem muita confusão nesse debate.

Muita confusão inclusive porque todo (ou grande parte) do mercado de produção artística (e a música é onde isso talvez seja mais visível) é atropelado pela lógica da produção em massa, da homogeneização. Que horrível, né? Vivemos num período de máxima circulação de informação e as coisas nos parecem/soam todas iguais (olhando na superfície, claro).

Quem fala que o forró é ruim, que o sertanejo é ruim, isso ou aquilo é ruim, esquece que o rock, o metal, por exemplo, também está com muita coisa ruim. Nós que gostamos de rock vamos citar aqui num sei quantos contraexemplos de coisas boas, claro, como estamos atentos a isso, encontramos o trigo com mais facilidade.

Estamos dispostos a encontrar o trigo em outros gêneros musicais a que não estamos habituados? Sou do Nordeste e fico triste com a quantidade de músicas pobres, repetitivas, etc. sendo feitas com o nome de forró (gênero que gosto muito). Eu não gostava do chamado sertanejo, mas como morei entre Campinas e São Paulo durante vários anos, aprendi a encontrar o trigo aí também. Mas reconheço que tem vários outros gêneros que não gosto, mas imagino que tenha coisas interessantes sendo produzidas (e muitas ficam nas margens ou passam desapercebidas no meio de tanta coisa massificada).

rápida obs.: não estou propondo a falsa (ou incompleta) dicotomia entre mercado (ruim) e independente (bom), nada disso!

Lelo Mig
Membro
# fev/13
· votar


De Ros

Muito bom....

Tocou numa ferida importante, num erro bastante recorrente, que confesso, apesar de ser muito eclético, muitas vezes eu mesmo cometo, independente da condição atual de "ouvinte ou músico hobbista".

Parece sempre haver uma indisposição em prestar atenção à execução de estilos que não gostamos e avaliar sempre pejorativamente.

Aproveito o espaço prá mostrar um exemplo: "Guitarrista Japonês e Pagodeiro", ou seja, têm tudo para ser alvo de preconceito de guitarristas em geral...No entanto, estão disposto a assistir e avalia-lo como músico?



Willie Adler
Veterano
# fev/13
· votar


Lelo Mig

Puts que arranjo bacana, tirando o vocal daria (a música toda), um ótimo instrumental...

"Amplie seus horizontes..."

Willie Adler
Veterano
# fev/13
· votar


Estive vendo outros vídeos dele, que fraseado ele manda!!!!

Timbrasso o dele hein? Tanto nesse quanto em outros vídeos, e ainda levando em consideração que o áudio foi captado pela câmera...

MMI
Veterano
# fev/13
· votar


De Ros

Gostei demais, cara!

Lembrei que há poucos dias eu estava por aqui conversando com um colega sobre isso, o cara falando de Michel Teló... E você estava ali de olho, talvez tenha te dado algumas ideias, fiquei contente com esse video, da próxima vez eu coloco o link seu. kkkk

Só um comentário... Eu ouvia umas críticas a esse cara, mas nunca tinha sequer escutado. Há pouco mais de 1 ano, dentro de uma loja enorme (quase um Shopping) de Barcelona - El Corte Inglés, para quem conhece - soltaram a música dele ali dentro e vi um monte de gente caminhando, comprando e cantando junto. Confesso que fiquei emocionado, achei fantástico ouvir música em português brasileiro ali, com gente cantando junto e achei até a "sanfona pegajosa" que o acompanha legal. Aquilo fica na cabeça, e vi mais gente cantando junto que as músicas de uns artistas americanos que rolou lá. Cara, fiquei orgulhoso na hora! Mais ainda, depois de umas 2 músicas rolou um som do Skank, mas sem tanto sucesso com o pessoal. Achei fantástico, independente se for música que eu vou numa loja comprar o CD ou DVD, mas para mim é de bater no peito e dizer que aquilo lá é da minha terra.

Melhor ainda... Na noite anterior eu tinha ligado a TV do hotel e estava rolando um show do Gilberto Gil com o Jaques Morelenbaum, numa praça aberta européia e completamente lotada e vidrada nos caras. Achei fenomenal! Raríssimas vezes eu tinha escutado artistas brasileiros em shows na TV aberta de outros países ou no som ambiente de centros comerciais. A alegria que esses caras me deram escutando ali, publicamente na Europa, me obriga a dizer que jamais vou falar mal desses caras. E digo para quem falar mal: vai lá e faz melhor! Quero ir para a Europa e EUA e escutar os caras cantando em português nosso, quero ver mais brasileiros estourando, poder ir nesses países e poder ouvir minha língua em alguns momentos.

Valeu! Parabéns pelo vídeo!

De Ros
Veterano
# fev/13
· votar


e_merson

Valeu amigo, muito obrigado!!!

gadantas

Belíssimas colocações! Pena que não tenho uma capacidade de sintese boa o suficiente para estender o video a esses pontos sem levar uns 40 minutos, hehehehe!!!

Lelo Mig

A ideia é tentar ser cada vez menos preconceituoso e ficar com os ouvidos abertos, as vezes de onde a gente menos espera...

Felippe Rosa
Veterano
# fev/13
· votar


De Ros
Eu penso que para alguém falar de determinado estilo no mínimo tem que saber tocá-lo, conhecer bem do que se fala, eu falava mal pra caramba de sertanejo universitário, decidi tocar por uns tempos, tive uma certa dificuldade em algumas levadas no começo, as músicas tem uma base simples, geralmente segue -se a mesma ideia de Am/F/C/G ou E/B/C#m/A, variando o tom, porém elas possuem passagens e arranjos bem feitos, que remetem aos grupos de jazz/fusion.
Eu continuo não gostando mas minha visão mudou, ainda acho que esse estilo que tem um valor muito podre(liricamente, não sei se é o termo correto) consegui pegar ideias boas dele. Vi que a parte instrumental é bem trabalhada, um tanto quanto complexa, há toda uma preparação para que elas soem bem, mesmo que como um fast food comercial.

MMI
Veterano
# fev/13
· votar


Felippe Rosa

eu falava mal pra caramba de sertanejo universitário, decidi tocar por uns tempos, tive uma certa dificuldade em algumas levadas no começo, as músicas tem uma base simples, geralmente segue -se a mesma ideia de Am/F/C/G ou E/B/C#m/A, variando o tom, porém elas possuem passagens e arranjos bem feitos, que remetem aos grupos de jazz/fusion.

Tem que tomar cuidado com a música brasileira, seja música regional, seja esses sertanejos. Uma das raízes mais fortes de nossa música é o chorinho, a bossa nova, o gingado do samba. Isso é encrenca grossa, muito músico bom não toca.

Aproveitando o De Ros que está aqui, tem umas músicas gaúchas interessantíssimas. Pode ser algo um pouco distante do meu universo e que eu não tenha a vivência para apreciar aquilo direito, mas não impede de dizer que tem coisa boa e muita coisa enroscada de tocar...

De Ros
Veterano
# fev/13
· votar


MMI

Vi o tópico sim, mas ali foi tranquilo, acho que ninguém desrespeitou ninguém. Mas principalmente as histórias de ironizar o Chimbinha foram as que me levaram a fazer o video!

Não gosto de um monte de coisas, mas ficar com papinho de "não toca nada" é pra matar. Quem é músico e sabe de todo o trabalho, toda a luta que é ter uma carreira e levar sua própria música até a midia, respeita e admira o trabalho do colega. Não necessariamente como artista, mas, pelo menos, como empreendedor!

De Ros
Veterano
# fev/13
· votar


Felippe Rosa

O termo fast food musical é tri bom, e realmente tem muitas fórmulas sendo aplicadas, tanto na estrutura musical, ritmos, hamonias, melodias e nas letras também.

Mas, nada impede que dessas formulas nasçam lindas composições também! Separar o joio do trigo é trabalho individual, nesse caso!

LeandroP
Moderador
# fev/13
· votar


Pô, o lado feminino do De Ros é muito macho kkkkkkk

Gostei do vídeo! Vou compartilhar ;-]

MauricioBahia
Moderador
# fev/13 · Editado por: MauricioBahia
· votar


Ótimo vídeo! Como é bom ouvir essas palavras. :)

Felippe Rosa
Veterano
# fev/13
· votar


MMI
É, realmente, mas me referi estritamente ao sertanejo universitário, por que o tradicional é bem interessante de se tocar.
Uma das raízes mais fortes de nossa música é o chorinho, a bossa nova, o gingado do samba. Isso é encrenca grossa, muito músico bom não toca.
É, mas hoje essas músicas são o oposto desses estilos, que exigem bastante estudo, e, principalmente amor, para tocá-los, não é qualquer um que toca.
O fato de que a música brasileira tem suas raízes nesses estilos só diminui mais ainda esses atuais, não que sejam ruins realmente, mas, para onde em uma época houveram estilos tão completos, tão bonitos e musicalmente ricos hoje, é um tanto que vergonhoso a existência de estilos totalmente comercial.
Claro que, e graças a Deus existem bons artistas de MPB por aí, vide Djavan, João Bosco, Ana Carolina, Maria Gadú, etc. que na minha opinião continuam o que foi feito de bom no passado.

De Ros
Tanto que tem bandas por aí que fazem ótimas músicas utilizando essa mesma fórmula que eu citei. (Ex: Capital Inicial : A sua maneira)
Abçs

De Ros
Veterano
# fev/13
· votar


LeandroP

Uuhauhuahuahuhauhauhauhauhauhauhauhauhauhauhauahuha!!!!

MauricioBahia

Valeu velho, brigadão!

Agora, mudando de assunto - 17 kilometros? Caraca, eu faço 9 e quase morro!!!!

Felippe Rosa

Já viu o video "Axis of Awesome"? Se não viu, não perde, hehehehehe!!!

Buja
Veterano
# fev/13
· votar


Lelo Mig
É a primeira vez que eu vejo um japones fazendo pagode com um a guitarra, e ainda por cima semi-acustica. Estou besta!

No entanto, estão disposto a assistir e avalia-lo como músico?
Musico Excepcional.

Minha noiva ama dançar pagode, e eu fritar metal, fazer o que, pra juntarmos nossos gostos, ouvimos charlie brown jr e cazuza que tanto eu como ela gostamos. Agora descobri mais um jeito de chamar a atencao dela. Tocando pagode na guitarra. So lhe agradeço por me mostrar esta possibilidade amigo, realmente ter um "pre"-conceito nao ajuda ninguem a nada.


De Ros
Simplesmente falou tudo. Sem mais. O respeito existe para ser usado.
Eu juro: ja parei com "sertanojo", "apocalypso", "viadance" e afins rsrs. Tanto porque, o dia em que resolvi tentar tocar victor e leo, meus 14 anos de guitarra foram humildados por um garotinho com um violao velho de nylon na mao.
E quando paguei um taxi com um velho taxista escutando zé camargo e luciano, percebi que meus 14 anos de guitarra nao tinham tanto felling quando um solo de qualquer musica deles. Eu nao tinha nem mesmo um timbre tao agradavel.
Aprendi a ser mais humilde.

makumbator
Veterano
# fev/13 · Editado por: makumbator
· votar


De Ros

O delicado de toda essa discussão é conseguir equilibrar a liberdade de se expressar uma opinião baseada no gosto e preferência pessoal (mesmo que "injusta") e o respeito que deve ( ou ao menos deveria) existir entre as pessoas.

É difícil não cair nos extremos, que são o chato do "politicamente correto", em que tudo TEM que ser sempre visto de maneira positiva, e relativizado e a posição de agressão quase gratuita contra tudo o que não se gosta, e que só se aceita e é bom o que se enquadra na minha preferência pessoal.

Omar Beasley
Membro
# fev/13
· votar


Mais um ótimo vídeo. Infelizmente, eu fui um desses que desrespeita estilos musicais e artistas por muito tempo. Agora eu apenas não gosto de alguns estilos, estou me policiando para não desrespeitar e é bem difícil quando se tem isso como um hábito.

Única coisa que eu acho diferente é sobre o fato de gostar ou não gostar. Não sei o quanto o fato de gostar ou não gostar pode ser ignorância, mas infelizmente já tive que conviver com essas músicas e sei até algumas letras de có(não sei como se escreve). Só acho que tem outros aspectos além da falta de conhecimento sobre uma música para não gostar, mas concordo totalmente que tem que se respeitar todos os estilos e que isso precisa ser melhorado em todos os aspectos.

Abraço e mais uma vez obrigado pelos vídeos

De Ros
Veterano
# fev/13
· votar


Buja

Pô, bacana velho! Aprender a escutar outras coisas só te faz um músico melhor! Não significa que o cara passe a gostar dos outros estilos, mas sim a reconhecer qualidades e até mesmo incorpora-las no seu estilo próprio!

makumbator

Pois é, mas como eu só vejo o outro extremo sendo largamente utilizado, tentei pender a balança um pouco mais pro lado de cá, uhauhauhauhauha!!!

Omar Beasley

Cara, que ninguém me ouça, mas o tal do "gostar/não gostar" não assim o que eu realmente penso, mas para efeitos de ilustração do video, achei que ajudava a minimizar esse preconceito todo que vejo por aí...

Omar Beasley
Membro
# fev/13
· votar


"essas músicas" seria axé e funk, no caso acabei não digitando tudo que raciocinei.

makumbator
Veterano
# fev/13
· votar


De Ros
Pois é, mas como eu só vejo o outro extremo sendo largamente utilizado, tentei pender a balança um pouco mais pro lado de cá, uhauhauhauhauha!!!

Com certeza! Normalmente cai mais para esse lado mesmo. Mas é bom sempre reforçar (como você explicitou no vídeo) que respeitar não quer dizer se omitir em preferência pessoal, e nem deixar de dizer que não gosta de algum estilo por medo do patrulhamento do politicamente correto.

Considero os dois extremos ruins, pois enquanto um é cheio de preconceito, agressão gratuita e desconhecimento o outro pode se tornar um poço de hipocrisia e mise en scène só para tentar parecer uma pessoa "moderna e esclarecida"

LeandroP
Moderador
# fev/13
· votar


Omar Beasley
essas músicas e sei até algumas letras de có(não sei como se escreve)

É "decor", de "decorar" (memorizar).

O mais esquisito é que pesquisei o termo, e tá errado na maioria dos lugares que encontrei, inclusive dicionários on-line... Gezui Zamado :/

makumbator
Veterano
# fev/13
· votar


LeandroP
inclusive dicionários on-line... Gezui Zamado :/

Poucas coisas tem mais erros que esses dicionários online! Fuja disso com todas as suas forças!

LeandroP
Moderador
# fev/13 · Editado por: LeandroP
· votar


makumbator

É triste :/

Até no wikcionário.

Quem sabe "de cor" deve trabalhar com tintas.

MauricioBahia
Moderador
# fev/13 · Editado por: MauricioBahia
· votar


LeandroP
makumbator

Saber de cor e salteado pode criar confusão!

"De cor" vem de "de coração", parecido como em inglês "by heart". Posso estar enganado mas "cor" é "coração", em latim.

De Ros: Agora, mudando de assunto - 17 kilometros? Caraca, eu faço 9 e quase morro!!!!

:) É só praticar que vai longe e sem tanto esforço.

Abs

ps. desculpe a desvirtuada.

Felippe Rosa
Veterano
# fev/13
· votar


Buja
E quando paguei um taxi com um velho taxista escutando zé camargo e luciano, percebi que meus 14 anos de guitarra nao tinham tanto felling quando um solo de qualquer musica deles. Eu nao tinha nem mesmo um timbre tao agradavel.
Aprendi a ser mais humilde.

Imagine o que eu pensei quando comecei em uma banda de sertanejo, com só 3 anos de guitarra, minha sorte é que eu era(sou até hoje) muito amigo deles e eles me consideravam muito...
Mas achei muito bom ter feito parte dessa banda, mudou um tanto meu modo de tocar e aprendi a ser mais humilde também.
Abçs

Omar Beasley
Membro
# fev/13
· votar


Realmente ajuda bastante, principalmente porque o preconceito dificilmente vem de um raciocínio mais complexo e menos parcial. Aliás como o próprio nome preconceito define.

De Ros
Veterano
# fev/13
· votar


LeandroP

É "decor", de "decorar" (memorizar).

Panucci é cultura!

MauricioBahia

Eu chego lá, me aguarde!

Omar Beasley

Preconceito é foda mesmo!

renatocaster
Moderador
# fev/13
· votar


Marcando para ver mais tarde.

Eu tinha um "meio fone" aqui no trampo, mas agora acabou tudo de vez, hehehehe. Pela expressão "face palm" do De Ros na imagem do vídeo, acredito que seja coisa interessante, hehehehe.

Enviar sua resposta para este assunto
        Tablatura   
Responder tópico na versão original
 

Tópicos relacionados a De Ros - "Eu exijo respeito!"