como desenvolver sua criatividade em solos e improvisos?

    Autor Mensagem
    Caio_vagablues
    Veterano
    # mai/08


    bom, eu conheço mtos desenhos de escalas e enho uma tecnica razoavel, mas n consigo fazer improvisos bem feitos
    enquanto tm pessoas q só sabem um desenho de escala e quase n possuem tecnic e fazem solos fodahs???

    por isso ocorrre??

    GuitarHome
    Veterano
    # mai/08
    · votar


    Caio_vagablues
    Crie licks, pegue licks de guitarristas que você curte.
    De resto toque com o coração e com a alma, cante com a guitarra!
    hehehe, parece ser meio gay, é só treinar e logo você vai começar a se soltar.

    thigsm
    Veterano
    # mai/08
    · votar


    Caio_vagablues
    enquanto tm pessoas q só sabem um desenho de escala e quase n possuem tecnic e fazem solos fodahs???

    por isso ocorrre??



    Ué, não é porque o cara sabe todas os desenhos de escalas imagináveis que ele vai ser melhor, a criatividade está acima de tudo! =)

    Caio_vagablues
    Veterano
    # mai/08
    · votar


    o foda é q eu treino direto, eu ja toca a quse 5 anos
    e tipo q na hora q eu to tocando, meu ouvido parece estar ouvindo um solo foda, mas ai eu bota algo pra gravar o solo e quando eu escuto eu axo uma merda...

    é foda

    como eu posso desenvolver minha pegada.?/

    makumbator
    Veterano
    # mai/08
    · votar


    Caio_vagablues

    A questão talvez não esteja mais na parte mecânica da técnica, e sim em desenvolver a percepção, preocupar em "contar uma história" com o solo, desenvolver um tema, e não ficar desfilando desenhos de escalas um atrás do outro. Uma dica inicial é tentar criar apenas solos "cantáveis", que tenham uma melodia definida(se possível tente criar de cabeça também, sem o intrumento). Esqueça por um momento as estripulias(depois vc pode inserir pirotecnias em determinados pontos se a música pedir).

    GuitarHome
    Veterano
    # mai/08
    · votar


    Caio_vagablues
    meu ouvido parece estar ouvindo um solo foda, mas ai eu bota algo pra gravar o solo e quando eu escuto eu axo uma merda...

    Sindrome do REC, normal hehehe!!! O seu inconciente está pensando sem parar PRECISO ACERTAR PRECISO ACERTA e já era, fica "nervoso" e não sai como deveria sair.

    como eu posso desenvolver minha pegada.?/
    Treinando uai hahaha!

    Caio_vagablues
    Veterano
    # mai/08
    · votar


    makumbator

    intendi

    vou tentar fazer isso

    mas na hr de improvisar oq eu devo fazer

    cantar junto com o solo??makumbator

    makumbator
    Veterano
    # mai/08
    · votar


    Caio_vagablues

    O ideal seria vc pegar uma bt qualquer(de início pegue uma com harmonia fácil, poucos acordes e sem modulação) e tente cantar alguma coisa(um tema que vc vai criar na hora), depois tenta tirar o mesmo na guitarra, e então melhore e desenvolva esse mesmo tema. Isso já seria a base para começar bem. Depois crie respostas para esse tema, crie variações "dificultadas" do tema inicial etc...
    Vc deve se preocupar também em equilibrar e criar contraste entre as partes do solo(trecho mais lento, com menos notas, depois trecho mais incendiário e com mais notas, etc...), assim fica variado e menos repetitivo. E treinar o vibrato também é fundamental.

    busterchair
    Veterano
    # mai/08 · Editado por: busterchair
    · votar


    eu na hora dos improvisos tento criar uma analogia da base que está tocando com alguma música q tenha um solo q possa encaixar na bt em questão.
    ex: to improvisando em cima de um acorde Em, ai lembro "caracas, akele lick de tal guitarrista se encaixaria bem aki", ai já emendo ele com algumas alterações para poder entrar no acorde seguinte seguindo o mesmo clima.

    É importante lembrar tb q vc deve acertar as chamadas notas alvo (as tríades) qdo termina de solar no acorde para não parecer que tocou uma nova fora da escala e ficar estranho
    abraço!

    Caio_vagablues
    Veterano
    # mai/08
    · votar


    bt qualquer


    bt,q isso??????

    mas tipo, eu posso faze um solo rápido com uma batida lenta a 80 bpm por exemplo????
    fik ruim?

    busterchair
    Veterano
    # mai/08 · Editado por: busterchair
    · votar


    bt é uma backing track; seria uma sequência de acordes para vc treinar seu improviso. É basicamente um acompanhamento.

    EHhe na música vc pode fazer oq vc quiser, ficando bom ao seu ver não tem problema. Vc tem q sentir a música e ver se ela pede um solo rápido ou devagar.

    nicida
    Veterano
    # mai/08 · Editado por: nicida
    · votar


    Caio_vagablues
    bt = backing track
    é uma faixa instrumental que serve de base para seus solos. pode encontrar para baixar usando isso aqui: www.google.com.br

    ogner
    Veterano
    # mai/08
    · votar


    Vc provavelmente vai precisar frenquentar um VEPA. Provavelnte.

    Caio_vagablues
    Veterano
    # mai/08
    · votar


    nicida
    vlw vo tenta baixar e fze uns improvidos encima...

    EnrickAlves
    Veterano
    # mai/08
    · votar


    Aproveitando o tópico;

    Tava querendo improvisar em cima da Love of my Life, do Queen, e vi que a escala maior de Lá caia muito bem em cima da música, mas não consegui nenhum improviso que achei "legal, tudo a ver".
    Dicas?

    MarcosBorba
    Veterano
    # mai/08
    · votar


    EnrickAlves

    tenta de novo, e de novo, e de novo...

    Emilio.Jazz.Cantini
    Membro
    # jul/13
    · votar


    Vídeo q acabei de gravar exemplificando a aplicação do estudo da criatividade numa musica simples. Desculpem o gesso e o mal jeito, mas nao tenho como tirar... A musica gravada eh The Days Of Wine And Roses.



    Buja
    Veterano
    # jul/13
    · votar


    Emilio.Jazz.Cantini
    Muito interessante amigo. Gostei do resultado. Muitos vezes o menos é mais. O improviso ficou simples, mas encaixou perfeito na musica.

    Will Bejar
    Veterano
    # jul/13
    · votar


    Marcandoooooooo!!!


    PS.: ontem no ensaio, tava conversando com os caras da banda, dizendo "sou solista de tiro curto... se o solo se estender muito acaba o cartucho..."... hehehehe

    carlcarl
    Veterano
    # jul/13 · Editado por: carlcarl
    · votar


    na minha modesta analise:
    ele não pensa em escalas ou outras artimanhas quando esta tocando,se dedica ao som.
    cada nota sai da cabeça,vai pros dedos,vai pra guitarra e sai nos alto-falantes.
    atras disso tudo tem muito estudo de harmonia,técnica do instrumento,conhecimentos teoricos e acima de tudo muito amor e excelente bom gosto.
    meus parabens
    Emilio.Jazz.Cantini
    abç
    Carl

    AlerionGuitar
    Veterano
    # jul/13
    · votar


    cara começa solar em cima de musicas crie um estilo próprio de solar e lembrando que musica é sentimento eu mesmo quando to desanimado vou solar num sai preulas nenhuma só técnica hheushuehus, se manja de arpejios e taps fica bom pra improvisar solos.

    Nefelibata
    Veterano
    # jul/13
    · votar


    carlcarl
    AlerionGuitar

    Eu vi uma entrevista do SRV em que ele dizia q se ele pensasse no que estivesse fazendo, qual nota cair, qual escala, ele simplesmente travava ou só sai porcaria... e que com o tempo descobriu que pra ele só funcionava se simplesmente não pensasse em nada e deixasse o sentimento guiar os dedos!

    Eu to tentando aplicar isto. Só com muito treino a fluência vem neste ponto.

    Dêem uma olhada por gentileza nesse vídeo q gravei nessa vibe:

    http://forum.cifraclub.com.br/forum/10/306139/

    abraços

    Emilio.Jazz.Cantini
    Membro
    # jul/13
    · votar


    Isso mesmo Nefelibata,
    Eh assim q me sinto tb, Qq tipo de pensamento acaba com minha fluencia. Quando gravei estes filmes, nao etava pensando em absolutamente nada. Mas meus ouvidos estavam abertissimos! rs

    Felippe Rosa
    Veterano
    # jul/13
    · votar


    Emilio.Jazz.Cantini
    Muito bom mesmo cara !

    Uma dica, que aprendi em um master class que o pessoal da escola de música que trabalho fez, é dividir o solo em frases, ou em idéias, onde, em uma base se toca um determinado número de compassos e faz pausa em um, como no caso do exemplo dado no master class, improvisa por 3 compassos e faz pausa no último, esse exercício estimula bastante o lado criativo, pois, se vamos fazer pausa no 4º compasso, precisamos pensar como a frase vai acabar e não pausar de uma vez. Outro exercício proposto foi o de esperar um compasso e começar a improvisar no segundo compasso. Em ambos os casos, essa pausa funciona como uma forma de tanto o músico quanto o ouvinte "respirarem" e também de tornar o improviso mais legal, interessante, e fazê-lo pensar em como iniciar/terminar a próxima frase. Melhor do que ficar muito preocupado em qual escalas tocar.

    Filippo14
    Veterano
    # jul/13
    · votar


    Emilio.Jazz.Cantini
    Cara, eu já penso contrário hahahaha. Para mim chega um ponto, depois de você pegar um ouvido bom, ter uma tecnica boa, conhecer bem o que você está tocando, que você atingi o apice e passa a enxergar o braço da guitarra apenas como intervalos e notas, você para de pensar nas escalas porque você já sabe o que tem que tocar, já está dentro de você, eu acho que a máxima fluência vem ai. Eu acredito que o melhor caminho é pensar, e pensar muito, até o ponto que os pensamentos se tornam naturais para você. Música para mim é como se você estivesse morando em um país com uma língua diferente da sua, e você não à conhece. No começo você apanha muito porque você não sabe nada dela, mas conforme você vai ficando nesse país, você consegue aprender a língua e chega um ponto que seu pensamento começa acontecer nessa língua. Eu estava nos EUA agora e de tanto conversar com o pessoal em ingles chega um ponto que seu pensamento cotidiano começa a funcionar em ingles. Para mim música é isso, dedicação e estudo até tudo isso se tornar natural para você.
    Não estou criticando seu ponto de vista nem nada, muitas pessoas funcionam dessa forma. BB KIng, Jeff Beck, SRV etc... Contudo para mim funciona o real estudo e aplicação de teoria no instrumento.

    Abraço

    Emilio.Jazz.Cantini
    Membro
    # jul/13
    · votar


    Vlw pessoal, fico feliz em saber q gostaram dos resultados destas minhas pesquisas. Venho trabalhando isso ha quase 20 anos e já tirei algumas conclusões definitivas baseadas na minha experiencia, na busca por embasamento teórico e na aplicação em muitos alunos meus.
    Em momento algum, esta técnica quer se sobrepor ou eliminar as outras técnicas tradicionais de ensino da musica ou da improvisação. Nas minhas aulas continuo usando o método Aebersold ate hoje e continuarei a usa-lo como também, livros, partituras, uso as tecnologias informáticas: Band in a Box para base de acompanhamento, Sound Forge para regular velocidade das musicas e estudar os solos mais rapidos, etc. A ideia é trabalhar os dois lados, o racional e o instintivo ao mesmo tempo, para em algum momento eles se juntem lá na frente e unidos formem o musico ideal que saiba trabalhar das duas maneiras, pois na nossa carreira, como na vida, às vezes precisamos ser técnicos e às vezes criativos ou os dois ao mesmo tempo. No próprio desenvolvimento do solo improvisado, como afirma Aebersold, precisamos de uma parte de criatividade para nos acharmos frases cada vez mais novas e de razão para nunca esquecermos em que parte do chorus a gente está, ou qual é a forma da música que estamos tocando, etc. Acredito que na hora da criação do solo a liberdade dos dedos tenha que ser oportunamente dosada. Somente após meses de treino na mesma música em todos os tons e em todos os andamentos, que poderemos nos entregar mais a liberdade dos dedos e pensar menos, ou até nada.
    O objetivo do estudo da criatividade através dessas técnicas é descobrir nosso potencial único e, as vezes, maravilhoso q todos temos. Não estou sugerindo em momento algum de nos tornarmos autodidatas e pararmos de imitar os outros, a imitação faz parte do processo de aprendizado, estou alertando que somente com a imitação nunca seremos nos mesmos musicalmente, e nem poderemos atrair nenhum publico eventual. Imitando ou outros, poderemos nos tornar uma copia fiel do original ou uma copia formada da mistura de vários originais, mas o publico sempre dará preferência aos originais. Existem milhares de guitarristas no mundo que tocam como o Eric Clapton, mas só há um Eric Clapton e quando o publico quer vê-lo tocar, vai ver ele ao vivo, não vai se satisfazer decerto com uma copia, por quanto boa ela possa ser. Parece-me que os iniciantes na música, sempre têm baixa autoestima com relação a sua própria musicalidade e ao seu potencial criativo, e este me parece ser o motivo que está na base da vontade de imitar os famosos e os bem-sucedidos. Este meu trabalho mexe profundamente com estes aspectos da natureza do iniciante, proporcionando, à medida que vai se desenvolvendo, uma maior autoestima com relação a sua personalidade musical, que é um fator crucial para se desenvolver um estilo próprio e único.
    Abs

    Emilio.Jazz.Cantini
    Membro
    # jul/13
    · votar


    Vou postar mais um vídeo mostrando um exercício q vcs podem fazer tranquilamente sem precisar de orientação do professor. No final tem uma breve explicação de como se faz.

    http://youtu.be/4rBOzyK4lfk

    Rednef2
    Veterano
    # jul/13
    · votar


    Emilio.Jazz.Cantini
    Curti o teu video cara, muito bem tocado e um fraseado muito bonito.

    Eu estudo bastante improviso também, é minha principal meta musicalmente falando, ser um bom improvisador.

    E também tenho notado que quando penso em conceitos na hora do improviso, só sai porcaria kkkkkk

    Emilio.Jazz.Cantini
    Membro
    # jul/13
    · votar


    Se sai porcaria no teu julgamento, imagina pro teu publico....! Tem q gostar MUITO do q vc faz, em primeiro lugar Rednef2, pra almejar q teu publico goste. E isso so se alcanca improvisando de modo totalmente irracional. Vc experimentou o exercicio q eu postei? Deve faze-lo todos os dias como forma de pratica diaria ate vir a fazer parte da tua vida, do teu pensar musical.
    Sucesso!

      Enviar sua resposta para este assunto
              Tablatura   
      Responder tópico na versão original
       

      Tópicos relacionados a como desenvolver sua criatividade em solos e improvisos?