Interface áudio USB com 6 outs

Autor Mensagem
JJJ
Veterano
# set/15 · Editado por: JJJ


Estou com um projeto meio doido aqui e preciso de uma interface de áudio USB com pelo menos 6 OUTs.

Podem ser 6 separadas ou 3 pares estéreo, tanto faz. Mas tem que ser saída de linha, não "fone", "digital", "midi" ou o escambau que as empresas contam como "out" nos folders... rs

Alguém conhece?

Ah, sim: quanto mais barato melhor...

Ismah
Veterano
# set/15 · Editado por: Ismah
· votar


Fireface 800? MOTU 828mk3? Fireface UC ? Behringer Firepower 610?

makumbator
Veterano
# set/15
· votar


JJJ

Tem as opções como as que o Ismah colocou, entretanto, barato não vai ter.

JJJ
Veterano
# set/15
· votar


Ismah

valeu pelas dicas, vou me informar.

makumbator

as menos caras então... rs

Ismah
Veterano
# set/15
· votar


JJJ

Posso te perguntar qual a ideia?

JJJ
Veterano
# set/15 · Editado por: JJJ
· votar


Ismah

Nada tão inovador assim: jogar as tracks da DAW pra mesa e voltar com elas remixadas, pra dar "cola". Fiz um teste rápido aqui (em menos canais) e acho que pode dar samba (ou rock...).

Mas se ficar muito caro, não vale a pena...

Tem uma solução "caseira" alternativa, que devo testar hoje ou amanhã, que é usar minha velha (e muito boa) sound blaster, já que ela tem seis saídas. Só não sei se vai ficar muito bom por conta das impedâncias, latências, etc. Mas talvez até fique... aí eu não preciso gastar nada! o/

Wade
Membro Novato
# set/15
· votar


Basicamente queres fazer o que estúdios grandes fazem com as SSL da vida?

makumbator
Veterano
# set/15
· votar


JJJ

Pra economizar você pode simplesmente fazer essa "cola" apenas na etapa final, na "masterização", quando tiver o arquivo estéreo da mixagem final pronto.

Ismah
Veterano
# set/15
· votar


JJJ

Aaaaah isso se chama summing :)

JJJ
Veterano
# set/15
· votar


Wade

De maneira muito mais simplória.

makumbator

Foi o que fiz no teste. mas pra colar pra valer, é melhor track por track (ou pelo menos, os subs, já que não vou ter tanto canal).

Ismah

Isso.

Ismah
Veterano
# set/15
· votar


JJJ

Tem algumas técnicas pra fazer. Eu ainda quero ter uma Tascam 3000, A&H GL4000 ou MI5000 pra fazer isso, é que gosto de mixar em poucos canais kkkk

JJJ
Veterano
# set/15
· votar


Ismah

Mas em um nível bem basicão (pelo menos a princípio).

Ismah
Veterano
# set/15
· votar


JJJ

Cara, sinceramente, a coisa que eu mais percebo entre o analog summing e o digital, é a fase... No digital não é tão fácil encontrar coisas fora de fase, mas no analógico isso aparece muito mais fácil.

Sem falar na "mística" envolvida, ter o som na mão, no knob, é diferente. Por isso te entendo, e tem meu apoio. O problema é o custo que isso tem pra nós, por não ter tecnologia nacional.

Seria muito interessante poder pegar algo como a Motu 24i/o, que faz 24i/o, que se compra usada por 600 dólares. Pra nós seria como se ela custasse 200 pila... Mas na cotação atual, ela sai por 3 825 (2400+60% imposto) + frete...

Falei dessas mesas de zoeira. São monstros dos anos 80/90, que qualquer um teria amor em ter em casa. Não teria nem espaço pra uma destas.

JJJ
Veterano
# set/15 · Editado por: JJJ
· votar


Ismah
Sem falar na "mística" envolvida, ter o som na mão, no knob, é diferente.

Exatamente. Totalmente diferente. Parece babaquice, mas não é. O som fica mais orgânico. Eu não acreditava muito, até sentir...

Fiz os cabos ontem (haja solda!) e acabei de experimentar agora de manhã, mas não deu certo ainda. Saiu tudo num output só... Deve ser configuração da Sound Blaster. O duro vai ser achar software de configuração pra essa placa que rode no Windows 10! Se eu não conseguir, o teste com os seis canais terá falhado :(

Ismah
Veterano
# set/15
· votar


JJJ

Xiiiii boa sorte, mas acho difícil, o SO acaba de sair...

JJJ
Veterano
# set/15
· votar


Ismah

Na verdade são 7 canais, ela é 6.1, mas esse 1 ai eu acho que não tenho muito como aproveitar.

Quanto ao driver... Acabei de ler que, desde o win7, o 6.1 parou de ter suporte. Pode uma coisa dessas? :(

Vou tentar um driver alternativo (KX ou Daniel k) pra ver se rola.

makumbator
Veterano
# set/15
· votar


JJJ
Exatamente. Totalmente diferente. Parece babaquice, mas não é. O som fica mais orgânico. Eu não acreditava muito, até sentir...


Boa parte disso é placebo. Também gosto de equipamento em hardware (eu mesmo tenho vários em rack), mas o efeito placebo é forte nesse processo.

Ismah
Veterano
# set/15
· votar


JJJ

6.1 parece sistema Dolby, acho que dá pra fazer sim, mas precisa de um driver pra fazer a ponte.

Ismah
Veterano
# set/15
· votar


makumbator

Por isso eu falei na "mística" envolvida... Alguns afirmam que o summing por algoritmo gera alguns efeitos devido a erros. Eu acredito, já que existe uma diferença nítida entre um ganho/atenuação (PAD), pré conversor A/D e um pós conversor A/D.

makumbator
Veterano
# set/15
· votar


Ismah
Por isso eu falei na "mística" envolvida...

Sim. O lance é que não dá pra saber o quanto disso é real e o quanto é meramente criado em nossos cérebros. E a indústria se aproveita disso pra vender. E tal processo é usado em software também, uma vez que é comum as pessoas ouvirem "diferenças" sonoras na engine das DAWs, quanto no fundo não existe diferença alguma na seção de mixagem de todas elas.

Ismah
Veterano
# set/15
· votar


makumbator

Dá sim até certo ponto. Análise de espectro, comparação de curvatura de onda etc... Não é algo simples, mas não impossível. Fica ainda mais nítido quando se tem efeitos que manipulam a forma de onda, ou o seu conteúdo harmônico. Dá pra tapear ainda, mas não é a mesma coisa.

makumbator
Veterano
# set/15 · Editado por: makumbator
· votar


Ismah
Dá sim até certo ponto. Análise de espectro, comparação de curvatura de onda etc... Não é algo simples, mas não impossível.

Os maiores especialistas da área atestam que não há absoluta nenhuma diferença, que todas fazem apenas uma mesma operação matemática sem nenhuma variação. Observe que não falo do uso de ferramentas e efeitos integrados (ou não) à DAW que podem gerar diferença.

O que os especialistas atestam (e é contrário ao que os fabricantes juram para os clientes) é o seguinte:

Pegue 2 arquivos e os importe para a DAW. Não faça nenhuma edição, correção, mudança de volume, mudança de pan. NADA. Apenas os coloque em uma sessão com as mesmas características deles (mesma taxa de amostragem, resolução de bits, regra de pan, etc...portanto não haverá nenhuma conversão)

Pois bem, mixe os dois em um único arquivo final sem perdas (como um wav, com as mesmas características dos arquivo de origem, justamente para não haver conversão alguma). Cuide para que não haja nenhuma aplicação de dither, noise shapping nem nada na saída master.


Pronto. Esse arquivo de resultado terá sempre o mesmo som não importa a DAW em que essa operação foi feita. Pois todas tem no fundo o mesmo som de engine sonora.

Agora, se usar efeitos, plugins, edições, conversões, automações, etc...aí sim haverá diferença, mas não é sobre isso a questão.

Ismah
Veterano
# set/15
· votar


Mas veja bem que nunca vou importar uma track numa DAW, para sair com ela de novo...

MMI
Veterano
# set/15
· votar


Ismah

Não dá não. Por acaso existe "Análise de espectro, comparação de curvatura de onda etc... " que mostre que este espectro está melhor que aquele ou a curva de onda daqui está mais agradável que dali?

Isso é uma questão até meio pessoal. No fundo é simples, as pessoas que querem complicar na internet. Se o cara tem melhores resultados com summing analógico, se o melhor resultado é no Pro Tools, se fica bom com plugins de tal fabricante ou com outboards, nada é essencial. Cada um faz do jeito que funciona melhor para si. E não vai provar nada...

makumbator
Veterano
# set/15 · Editado por: makumbator
· votar


Ismah
Mas veja bem que nunca vou importar uma track numa DAW, para sair com ela de novo...

Mas no exercício são DOIS arquivos importados em uma DAW e MIXADOS em uma único e novo arquivo. Digamos que seria uma pista mono de baixo e outra mono de voz. No final haveria um único arquivo estéreo (ou mono) mixado na DAW com os dois, sacou?

Ismah
Veterano
# set/15
· votar


Ah sim, saquei sim.

Não falei em melhor, mas em diferente. Dizer que um é melhor que o outro é como comparar uma beterraba e um fusca.

JJJ
Veterano
# set/15 · Editado por: JJJ
· votar


OMG...

Calma, meninos! hehehe

Agora, sério, que bom que deu margem a discussões paralelas. Eu acho ótimo!

Quanto ao ponto em questão...

depois que instalei o driver do Daniel K (alguém lembra do famoso imbróglio dele com a Creative? rs) consegui fazer funcionar :)

mas só em WDM, por enquanto... :(

O que, na verdade, não tem problema algum, pois, na fase de mixagem, eu não preciso de ASIO...

makumbator
Veterano
# set/15 · Editado por: makumbator
· votar


Ismah
Não falei em melhor, mas em diferente.

Mas no exemplo citado não é nem diferente. É igual mesmo. Bit a bit. Dá pra checar isso em casa com testes de anulação.

A única forma desse exercício do meu exemplo gerar arquivos com som diferente é se a pessoa esquecer e fizer sem querer alguma conversão na mixagem, ou se a DAW tiver erros de programação na parte de engine sonora, que poderia criar arquivos com problemas de truncagem e outros efeitos colaterais. Mas realmente nenhuma DAW comercial tem esse problema de programação (das pequenas às grandes).

Na época que estava escolhendo qual DAW comprar aproveitei pra fazer esses testes com as demos do Cubase, Pro-Tools, Logic, Reaper, Garage band e Sonar. Deu tudo igual. Sempre. Esse papo de engine sonora de DAW soar diferente é lorota.

Ismah
Veterano
# set/15
· votar


makumbator

Pera que estamos falando de coisas diferentes, eu estava comparando analog summing com digital summing.

JJJ
Veterano
# set/15
· votar


makumbator

É. No reino digital, 2 + 2 sempre vai dar 4. Já no analógico, uma mesa pode dar 3,9, outra 4,1, outra 3,95...

Enviar sua resposta para este assunto
        Tablatura   
Responder tópico na versão original
 

Tópicos relacionados a Interface áudio USB com 6 outs