O hábito de editar os posts

Autor Mensagem
Wade
Membro Novato
# jan/17
· votar


Pessoal, ela erra também! Perdoe-me alanis morre7, mas eu não poderia deixar passar em branco. Faz algumas semanas que eu venho notando quão boa é a sua escrita. Não obstante, ninguém é perfeito, não é mesmo?

De nada.

makumbator
Veterano
# jan/17 · Editado por: makumbator
· votar


É difícil ter um post meu sem edição. Ás vezes edito postagem de uma frase! Hahaha!

st.efferding
Membro
# jan/17
· votar


makumbator

O seu Hahah! está errado. Nas quartas feiras é admissível o uso apenas de 3 repetições do 'ha' (compatíveis com a norma culta pedante e proporcionais ao número de dias úteis nos quais o brasileiro médio joga textão no facebook).

alanis morre7
Membro Novato
# jan/17
· votar


O seu admissível está errado, pois aqui não admitimos nada, ninguém admite isso e foi assim que fomos admitidos, segundo a norma culta inserida na reforma ortográfica da língua otense no dia 04/01/2016 às 14:13h.

Samá Samutte
Membro Novato
# jan/17
· votar


alanis morre7

Claro que esse advérbio pode ser precedido de artigo, embora o uso mais comum seja sem o artigo.

Verdade. Obrigado.

makumbator
Veterano
# jan/17 · Editado por: makumbator
· votar


st.efferding
O seu Hahah! está errado.

Pronto. Editei.


dr. Rey
Devil Boy representou a minha fase de moleque iconoclasta anticristão.

Foi a fase mais divertida, sem dúvida.

Joseph Conrad
Membro Novato
# jan/17
· votar


Eu posto 100% do tempo no celular, geralmente no ônibus. É inevitável - e um trabalho do cão - editar os posts.

Synth-Men
Veterano
# jan/17
· votar


dr. Rey


"...E a Clara Schumann é mulher de verdade."

"...Cada nick que usei neste fórum representa uma fase do meu desenvolvimento psicológico:..."

Compreendi.

Essas fases costumam retornar?
Ou ( "...Só olho para frente.") elas aparecem lá na frente, com uma nova vestimenta personificada?

CindyFerrari
Veterano
# jan/17
· votar


eu edito porque costumo esquecer palavras

makumbator
Veterano
# jan/17
· votar


Joseph Conrad
Eu posto 100% do tempo no celular, geralmente no ônibus. É inevitável - e um trabalho do cão - editar os posts.

Acho chato fazer citação no fórum pelo celular. Dá um certo trabalho.

Wade
Membro Novato
# jan/17
· votar


Aqui é de boa. No Facebook dá pra ver o que você tinha escrito antes, aí é paia. Melhor deletar e postar de novo.

dr. Rey
Membro Novato
# jan/17 · Editado por: dr. Rey
· votar


st. efferding
A pergunta que faço é: como você qualificaria/quantificaria as transições entre fases definidas que você citou (por exemplo, do Devil Boy para Joseph de Maistre)?

Bem, quando comecei aqui, era muito ateu (ateu à la Dawkins) e muito liberal (liberal no sentido clássico do termo). Como o liberalismo clássico é aliado ocasional do conservadorismo, passei, com o tempo, a ter também cada vez mais contato com ideias conservadoras, que, por sua vez, foram me tornando cada vez menos hostil à religião. Gradualmente, parei de me importar com ela e fiquei neutro. Mais tarde, quando comecei a entender os benefícios sociais da religião, virei um conservador secular e comecei a defender a moral e os bons costumes com argumentos exclusivamente utilitaristas (e, ironicamente, darwinistas, para desespero do Die Kunst der Fuge, que ficava sem reação).

Todos ficaram chocados com a minha mudança. Depois de um tempo, até o Bog (que tem um irmão viado e também vivia dizendo por aqui que não queria ter filhos e, por essas duas razões, doía-se com as minhas novas ideias moralistas) já estava me sacaneando por eu ter virado carola e, ao mesmo tempo, continuar fazendo apologia do demônio com o meu nick.

Foi aí então que decidi enterrar Devil Boy e criar Joseph de Maistre. No início, era tão ateu quanto antes. Não acreditava em nenhuma forma de cristianismo, apesar de defender todas elas contra os inimigos da civilização.

Com o tempo, entretanto, me bateu a curiosidade de ler literatura religiosa hardcore. Lembro do Olavo comentando alguma coisa sobre o poder retórico do Alcorão, cuja qualidade poética era tal que muitos árabes convertiam-se ao Islã só de ouvir o livro recitado em público.

Comecei, então, por Calvino, para entender o apelo da chamada “ética protestante” (que, segundo a tese de Weber, seria o fundamento moral da economia capitalista nos EUA, na Alemanha e no norte da Europa). Peguei as “Institutas” para ler e achei sensacional.

Depois, questionando a ideia de Weber (segundo Rothbard, a tal “ética protestante” é anterior à Reforma e remonta à Itália e ao sul da Alemanha, regiões historicamente católicas) e consciente de certos vícios no protestantismo (as tendências irracionalistas e a quebra da hierarquia eclesiástica), resolvi testar a retórica católica, para comparar. Peguei o livro do Escrivá (fundador do Opus Dei) e fiquei deslumbrado.

Pode-se dizer que, a partir daí, eu virei uma espécie de “Matraga” (personagem de um livro de Guimarães Rosa: um ex-cangaceiro que se converte e começa a correr contra o tempo para se salvar do inferno). Mudei radicalmente minha postura em relação a certas coisas e posso dizer, sem um pingo de dúvida, que me esforcei mais do que 90% das pessoas para cumprir cada dogma da ICAR -- sem exceção.

Esforçar-me para ser mais coerente nunca foi um problema em questão. Problema foi quando saí da minha bolha acadêmica e comecei a conviver com os cristãos do mundo real. Gente que faz sermões em horário de trabalho, frequenta EJC, anda com rosário a tiracolo, beija santos, coloca uma imagem de Maria de meio metro de altura em cima da mesa, esse tipo de coisa.

Depois de observá-los o suficiente, cheguei à conclusão de que cristãos devotos não se comportam de maneira muito diferente de como eu me comportava quando era um ateu safado. Foi aí que comecei a rever minha opinião sobre o papel da religião na sociedade.

Depois de ler sobre temas específicos de psicologia (psicopatia, altruísmo, niilismo, autoengano, vieses, etc.), passei a conjecturar que: a) se o extremo da maldade (i.e., a psicopatia, a total ausência de empatia) é biologicamente predeterminado e não há nada que ninguém possa fazer para recuperar alguém nessa condição, então o extremo da bondade (i.e., a santidade, a empatia total) também deve ser um traço igualmente inato e imutável; b) a maioria das pessoas se situa entre um e outro desses extremos; c) a religião não muda a predisposição inata da pessoa em absolutamente nada (no máximo, facilita o amadurecimento daquela potencialidade inata, cumprindo uma função pedagógica, como aconteceu comigo); d) há uma grande dose de fingimento e farsa social (justificável do ponto de vista da biologia evolutiva) nas conversões e manifestações de fé que vemos por aí.

A essa altura, eu já tinha mandado o Joseph de Maistre para as cucuias fazia tempo e aderido a uma visão completamente naturalista e predatória de mundo. O “It’s all a joke”, lema do Comediante (o “herói amoral” de Watchmen, que trabalha para o governo somente para poder satisfazer seus impulsos violentos dentro da legalidade, que eu associei à escolha da minha própria carreira), expressa esse espírito melhor do que tudo.

De todas as fases por que passei, entretanto, esta do Edward Blake, apesar de eu achá-la a mais realista e pé-no-chão, foi, ironicamente, a que menos durou. Coisa estranha, não? Por quê?

Porque niilismo é impecável na teoria, mas, na prática, só serve para te deixar azedo e preguiçoso. Você perde o entusiasmo, a vontade e a serenidade para fazer as coisas. Se tudo é uma piada, então nada é sério. Se nada é sério, então nada vale a pena. Se nada vale a pena, então o mais lógico a se fazer é cortar logo os pulsos... ou, então, viver como um animal, apenas para saciar suas vontades de prazer e de poder.

Se o que os astrólogos dizem sobre sagitarianos é verdade, eu sou um otimista incurável e não tenho estrutura para fazer nenhuma das duas coisas.

Cheguei, obviamente, a um impasse. Uma parte da minha mente me diz uma coisa, e a outra parte me diz outra, sem que eu consiga saber qual delas está errada. Como resolver essa contradição?

Bem, na minha profissão, quando você trabalha com dois princípios contraditórios, o procedimento é aceitar todos eles como verdade e ir resolvendo as contradições à medida que elas forem aparecendo, i.e., refinar e conciliar aqueles princípios originais conforme a situação que você tem à sua frente.

Daí eu ter dito que a minha persona atual é uma síntese de tudo em que acreditei até agora:

Religião é coisa de idiota? Sim, mas não só isso. A religião é boa para o mundo e contribui para o desenvolvimento do indivíduo e da civilização? Sim, mas não só isso. O ser humano é um fingidor inato que vive de procurar desculpas altruístas para camuflar interesses egoístas? Sim, mas não só isso.

O que isso significa? Nem eu sei. O tempo dirá...

Jube
Veterano
# jan/17
· votar


dr. Rey
Tenho a impressão de lembrar do Devil Boy de algum lugar, talvez alguma jam, sei lá.
Fiquei com uma curiosidade agora, você ainda toca? Faço essa pergunta para quem mais ler meu post, já tem um tempo de cadastro e já entrou na fase adulta.

Samá Samutte
Membro Novato
# jan/17 · Editado por: Samá Samutte
· votar


dr. Rey

Depois de ler sobre temas específicos de psicologia (psicopatia, altruísmo, niilismo, autoengano, vieses, etc.), passei a conjecturar que: a) se o extremo da maldade (i.e., a psicopatia, a total ausência de empatia) é biologicamente predeterminado e não há nada que ninguém possa fazer para recuperar alguém nessa condição, então o extremo da bondade (i.e., a santidade, a empatia total) também deve ser um traço igualmente inato e imutável; b) a maioria das pessoas se situa entre um e outro desses extremos; c) a religião não muda a predisposição inata da pessoa em absolutamente nada (no máximo, facilita o amadurecimento daquela potencialidade inata, cumprindo uma função pedagógica, como aconteceu comigo); d) há uma grande dose de fingimento e farsa social (justificável do ponto de vista da biologia evolutiva) nas conversões e manifestações de fé que vemos por aí.

Você simplesmente ignora os testemunhos de pessoas que foram completamente transformadas pelo poder do Evangelho, que tiveram - ao contrário do que você afirma no texto supracitado - a sua predisposição totalmente transformada. O cerne da doutrina do novo nascimento, a qual se encontra no Evangelho segundo João, no capítulo três, é a mudança total e radical na vontade da pessoa. Cristo disse que aquele que não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus. O que seria esse novo nascimento? É uma mutação total da vontade, operada através da atuação sobrenatural do Espírito Santo, após a pregação do Evangelho.

O não regenerado não tem prazer na lei de Deus. Os mandamentos lhe são pesados, custosos, penosos demais. Tudo é enfado. Entretanto, um cristão genuíno, regenerado, que passou pelo processo do novo nascimento, é alguém que que teve o seu interior totalmente mudado, de modo que agora ele passa a amar a lei de Deus e odiar tudo aquilo que vai contra os santos preceitos. Fazendo coro com Paulo, ele agora tem prazer na lei de Deus (Rm 7.22).

Ilustrando a regeneração.

O homem, sem Deus, é comparado a um porco. O porco vive na lama (pecado), ele gosta de estar ali, ela ama a lavagem (pecado), o chiqueiro (pecado). Você pode pegar esse porco, tira-lo do chiqueiro, dar um belo banho, colocar um lacinho rosa no pescoço dele e coloca-lo dentro da sua casa. Ele não permanecerá ali, ele correrá novamente para o chiqueiro. Por quê? Porque é da natureza do porco gostar da lama, do chiqueiro.

Agora imagine um gato. É um animal que vive se banhando, gosta de lugares limpos, você o banha e o coloca dentro de casa, em cima do sofá, e ali ele permanece. Por quê? Porque é da natureza do gato gostar de limpeza, gostar de se sentir limpo.

O que é necessário fazer para que esse porco não volte mais para a lama? Só há uma solução: trocar a natureza dele, colocando nele a natureza do gato. Essa é a única saída.

A regeneração faz isso, o Espírito Santo muda a natureza humana, de modo que a vontade da pessoa é afetada. Do que o homem carnal gosta? Pornografia, mulheres de biquíni, skol, buteco, adultério, mentira, etc. Quando a regeneração acontece, esse homem, que amava essas coisas que eu descrevi acima, passa então a odiá-las, a sentir nojo delas, ele não consegue mais frequentar os mesmos lugares, não consegue contar as mesmas piadas, nem usar o mesmo vocabulário, isso o incomoda. Por quê? Porque agora o Espirito Santo (veja bem: Espirito Santo) passa a habitar nele. Esse homem, então, passa a amar a palavra de Deus, os mandamentos, ele agora ama a verdade acima de tudo, ele agora se porta com decência, não usa palavras torpes na sua boca, ele não cobiça mais a mulher do próximo, pois há Alguém dentro dele (o Espírito Santo) que o está guiando. Ele agora ama o próximo, faz o bem, mantem uma vida piedosa, ama a leitura bíblica, tem uma vida diária de oração, pratica jejuns regulares, etc. A evidência de que uma pessoa é verdadeiramente cristã são as mudanças visíveis em sua conduta, caráter e principalmente na vontade.

Cristianismo não é uma religião como outra qualquer, de ensinos vazios, de transformações externas e superficiais. O Evangelho é um poder sobrenatural que é capaz de matar, de destruir os hábitos e pensamentos perversos e depravados do homem, e criar uma nova natureza pura, que odeia o pecado e ama a Deus. Tudo fora disso é apenas religiosidade barata, farisaísmo.

"E, se o Espírito daquele que dentre os mortos ressuscitou a Jesus habita em vós, aquele que dentre os mortos ressuscitou a Cristo também vivificará os vossos corpos mortais, pelo seu Espírito que em vós habita." Romanos 8.11

"Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo." 2 Coríntios 5.17

Insufferable Bear
Membro
# jan/17
· votar


Mais um tópico autistado, podem fechar.

dr. Rey
Membro Novato
# jan/17 · Editado por: dr. Rey
· votar


Jube
Fiquei com uma curiosidade agora, você ainda toca?

Não. Faz anos que não toco guitarra. Estava até pensando em fazer piano ou canto lírico, para voltar a estudar música com algo diferente.

Samá Samutte
Você simplesmente ignora os testemunhos de pessoas que foram completamente transformadas pelo poder do Evangelho, que tiveram - ao contrário do que você afirma no texto supracitado - a sua predisposição totalmente transformada.

Só vou acreditar nisso no dia em que alguém conseguir converter um indivíduo clinicamente diagnosticado como psicopata.

O não regenerado não tem prazer na lei de Deus. Os mandamentos lhe são pesados, custosos, penosos demais. Tudo é enfado.

A regeneração faz isso, o Espírito Santo muda a natureza humana, de modo que a vontade da pessoa é afetada. Do que o homem carnal gosta? Pornografia, mulheres de biquíni, skol, buteco, adultério, mentira, etc.


Cristãos regenerados não têm tentações?

Snakepit
Veterano
# jan/17
· votar


Edito praticamente todos os posts.

Escrevo rapido de mais, depois quando leio sempre acho um erro.

Samá Samutte
Membro Novato
# jan/17 · Editado por: Samá Samutte
· votar


dr. Rey

Só vou acreditar nisso no dia em que alguém conseguir converter um indivíduo clinicamente diagnosticado como psicopata.

Clinicamente diagnosticado eu não conheço (apesar de crer que exista). Todavia há muitos testemunhos de regenerados que outrora foram verdadeiros monstros morais. O próprio apóstolo Paulo é um excelente exemplo:

"E Saulo assolava a igreja, entrando pelas casas; e, arrastando homens e mulheres, os encerrava na prisão." Atos 8.3

"E, castigando-os muitas vezes por todas as sinagogas, os obriguei a blasfemar. E, enfurecido demasiadamente contra eles, até nas cidades estranhas os persegui." Atos 26.11

Alguma semelhança com os psicopatas membros do EI?

Cristãos regenerados não têm tentações?

Eu não disse isso. Cristãos regenerados são tentados, entretanto - como a vontade foi mudada - ele agora irá lutar contra essas tentações, irá fugir da aparência do mal, coisa que noutro tempo ele não fazia. O não regenerado sente prazer nas coisas ilícitas; o regenerado sente asco, e quando cai - porquanto há quedas - ele logo se arrepende, sente-se um lixo moral, humilha-se diante do Senhor e procura de todas as formas não errar novamente.

Continuando com a ilustração, é claro que uma hora ou outra o porco, com a sua nova natureza de gato, vai pisar em uma poça de lama (vai pecar). Mas o que ele vai fazer? Vai se deitar no chiqueiro e se esbaldar ali? Ele vai se lambrecar na lama e se satisfazer na lavagem novamente? Não! Ele vai correr dali e se limpar! Ele se sentirá sujo, impuro, sentirá nojo daquilo e correrá para se purificar. Ele não tem mais prazer no chiqueiro, o prazer dele agora é ficar limpo. É isso que acontece na vida do cristão regenerado.

Quero deixar claro que, mesmo colocando a natureza do gato no porco, o porco ainda continuará com a sua velha natureza, é isso que a Escritura ensina. Porém, agora, a velha natureza está enfraquecida. As duas conviverão juntas durante toda a vida e irá prevalecer a natureza que estiver mais forte. E o que o porco deve fazer para se manter limpo?

"Por isso digo: vivam pelo Espírito, e de modo nenhum satisfarão os desejos da carne. Pois a carne deseja o que é contrário ao Espírito; e o Espírito, o que é contrário à carne. Eles estão em conflito um com o outro, de modo que vocês não fazem o que desejam." Gálatas 5.16-17

Existe uma luta no interior de todo cristão. É a luta da carne (velha natureza) contra o Espírito Santo (a nova natureza). Para o Espírito prevalecer o cristão deverá se dedicar às coisas do Espírito: leitura bíblica, oração, jejuns, cultos, boas obras, etc. Caso ele negligencie com as suas obrigações espirituais, sua carne se fortalecerá, e então ele cairá no pecado.

Abaixo segue um trecho do livro Um guia seguro para o céu, de Joseph Alleine, ilustrando a natureza da verdadeira conversão. Eu te indico fortemente a leitura desse livro, é um clássico da literatura protestante, escrita por um puritano do séc. XXVI. Você o lê em um dia (não são nem 200 páginas). Além dessa obra, há também o livro Santidade, do bispo anglicano J.C. Ryle. Essas duas obras foram as que mais impactaram minha vida.

"A conversão não é o simples reparo de um velho edifício; ao contrário, ela o derruba por completo e edifica uma nova estrutura. O cristão autêntico é, por assim dizer, uma nova estrutura, desde os alicerces até o telhado (2 Co 5.17). A conversão é uma obra profunda no coração. Ela produz um novo homem num novo mundo. Ela se estende ao homem inteiro; à mente, aos membros e a todos os aspectos da sua vida.

A conversão modifica a mente. A conversão modifica a balança do julgamento de forma que Deus e Sua glória excedem o peso de todos os interesses carnais e mundanos. O homem que antes não via perigo em sua condição, conclui agora que está perdido e acabado para sempre (At 2.37), a menos que seja renovado pelo poder da graça. Aquele que anteriormente pensava que havia pouco prejuízo no pecado, agora o vê como o pior dos males, fica aterrorizado diante dele, sente aversão e horror a ele, foge dele, e até mesmo se abomina a si mesmo por causa dele (Rm 7.15; Jó 42.6). Ele agora vê a podridão do seu coração, a desesperada e profunda poluição de toda a sua natureza.

A conversão modifica as intenções da vontade. Agora o homem tem novos alvos e projetos. Agora ele almeja a Deus acima de tudo, e não deseja nem planeja coisa alguma neste mundo, senão que Cristo seja engradecido nele.

Leitor, você lê isso sem se perguntar se é assim com você? Faça uma pausa e examine a si mesmo.

A escolha também é modificada. Ele escolhe Deus como sua bem-aventurança, e Cristo e a santidade como meios para conduzi-lo a Deus. Sua escolha não é feita sob o terror, como no caso de uma consciência aterrorizada ou de um pecador moribundo que aparentemente faria qualquer coisa por Cristo, no entanto só O aceita para não ir para o inferno. Resolve, deliberadamente, que Cristo é a melhor escolha e O prefere a todos os bens deste mundo. Igualmente ele abraça a santidade como sua vereda, pois escolheu os Seus preceitos (Sl 119.173). Pergunte à sua consciência se você é esse homem."


acabaramosnicks
Membro Novato
# jan/17
· votar


dr. Rey
Samá Samutte

tl;dr

dr. Rey
Membro Novato
# jan/17
· votar


Samá Samutte
Clinicamente diagnosticado eu não conheço

I rest my case.

alanis morre7
Membro Novato
# jan/17
· votar


Justiça seja feita: ontem o dr. Rey escreveu o melhor post que eu já li no OT desde que entrei aqui, e olha que eu já achei uma série de coisas que me impactaram neste submundo de mentes descompensadas. Concordando com ele ou não, gostando dele ou não, é impossível negar a incomparável habilidade que ele tem de tecer mágica através da palavra escrita. Dr. Rey tem muitos defeitos, mas talvez esse post sobre sua indentidade multifacetada seja a melhor coisa já dita no Off topic em todos os tempos, e vocês não estão dando o devido valor.

Existe um abismo entre alguém do nível dele e as outras pessoas. Está na hora de reconhecer isso.

Samá Samutte
Membro Novato
# jan/17 · Editado por: Samá Samutte
· votar


dr. Rey

Mandei-te um e-mail.

alanis morre7

Existe um abismo entre alguém do nível dele e as outras pessoas.

Mesmo não concordando com muita coisa que ele posta - principalmente no que tange ao cristianismo - tenho que concordar com a sua afirmação, apesar de até agora não estar convencido de que Josefo e alanis não são a mesma pessoa, inclusive, sempre observo os usuários que estão online quando vocês postam, e dificilmente os dois estão postando concomitantemente.

acabaramosnicks
Membro Novato
# jan/17
· votar


Samá Samutte

apesar de até agora não estar convencido de que Josefo e alanis não são a mesma pessoa, inclusive, sempre observo os usuários que estão online quando vocês postam, e dificilmente os dois estão postando concomitantemente.

ora ora temos um xeroque rolmes aqui

Samá Samutte
Membro Novato
# jan/17
· votar


acabaramosnicks

tl;dr

O que isso significa? Não entendi.

acabaramosnicks
Membro Novato
# jan/17
· votar


é, o josefo é foda mesmo

eles escrevem diferente, mas lembrando que o josefo é dessesdesses caras meio estranhos, é possível que ele consiga se "transformar" na alanis quando convém

e o cara pode ser tão doente que é capaz de ele começar a logar em dois PCs diferentes e tirar print só pra provar que sao pessoas diferentes

Samá Samutte
Membro Novato
# jan/17
· votar


acabaramosnicks

e o cara pode ser tão doente que é capaz de ele começar a logar em dois PCs diferentes e tirar print só pra provar que sao pessoas diferentes

It's.

acabaramosnicks
Membro Novato
# jan/17
· votar


tl;dr

too long, didn't read

st.efferding
Membro
# jan/17
· votar


não, eles não são a mesma pessoa
e ela é bonita, btw

Samá Samutte
Membro Novato
# jan/17
· votar


acabaramosnicks

too long, didn't read

Quem?

Samá Samutte
Membro Novato
# jan/17 · Editado por: Samá Samutte
· votar


st.efferding

não, eles não são a mesma pessoa
e ela é bonita, btw


Se o que você diz é verdade, então ela é uma user antiga que voltou a postar. Pelo belo modo que escreve, talvez a Maggie.

Enviar sua resposta para este assunto
        Tablatura   
Responder tópico na versão original
 

Tópicos relacionados a O hábito de editar os posts