Série de vídeos com review detalhado do Mesa Boogie Triaxis

Autor Mensagem
Fabiano Menezes
Veterano
# dez/11


Pessoal, estou começando uma série de vídeos dedicados aos modos do Triaxis. Aqui estão os dois primeiros.

Qualquer dúvida, crítica ou sugestão, fiquem à vontade.

Um abraço.





Fabiano Menezes
Veterano
# dez/11
· votar


E pra quem quiser pular o blá-blá-blá e ir direto para o tema do modo Rhythm Green:



Btardelli
Veterano
# dez/11
· votar


Fabiano Menezes

Bem legal cara, um dia monto um set de racks...

esse triaxis é meio antigo ja né!? uma vez fiquei com um JMP-1 da marshall, bem legal. O cara que me vendeu trocou por um triaxis e depois comprou de mim de volta... disse que o triaxis é muito dificil de timbrar... ja testou o JMP-1?

abç

Fabiano Menezes
Veterano
# dez/11
· votar


Valeu, Btardelli.

Nunca tive o JMP-1, mas já toquei com ele em algumas ocasiões. É um bom preamp também e, dependendo do caso, é até mais indicado que o Triaxis.

O lance do pessoal que acha o Triaxis difícil de timbrar é a falta de conhecimento sobre as particularidades de cada modo. Coisas como a melhor faixa de ganho, a interação entre os controles de ganho e médio com os de agudo e presença, etc. E tem coisa mais grave ainda: mais adiante eu vou comentar sobre os modos Lead 2; são modos em que o guitarrista tem que ter precisão, caso contrário o preamp vai evidenciar alguns "vacilos" do sujeito.

A gente fica preocupado com o timbre do equipamento e às vezes se esquece de que a parte mais importante está (ou não) no músico.

Valeu por assistir.
Um abraço.

Dinow
Veterano
# dez/11
· votar


\m/

Angelopes
Veterano
# dez/11
· votar


Muito legal os videos!! Boa iniciativa! Eu sempre sonhei com o Triaxis, mas acabei pegando um Mark IV pela praticidade do head e oportunidade. Sem duvida e um excelente equipamento.

MMI
Veterano
# dez/11
· votar


Fabiano Menezes

Toco com um desses há alguns anos e posso dizer que conheço bem o equipamento. Vou te dizer que muitos dos que reclamam da dificuldade de timbrar dele nem leram o manual, que no caso do Triaxis acho importantíssimo, explica muita coisa. Mas em algumas regulagens, o acerto é bem delicado, porque o acréscimo ou decréscimo de 0,5 do controle digital faz muita diferença.


Btardelli

O JMP-1 é bem bacana, muitos timbres Marshall nele. Mas saiu de linha há muitos anos, ao contrário do Triaxis. Talvez seja um pouco mais fácil de timbrar no sentido de que para acertar é mais parecido a um Marshall, mas não que seja muito fácil.

Dinow
Veterano
# dez/11
· votar


Estou querendo mudar para o mundo dos racks no próximo ano e pretendo aposentar o uso de amps, apenas alguns racks e tals. Mas ae vem a dúvida tem como conseguir bom sons sem ficar surdo ?
eu estava querendo migrar p/ os racks pela maior variedade de sons e tudo mais, porém é 'sussegado" para tocar em casa ?
vlw

makumbator
Veterano
# dez/11
· votar


Fabiano Menezes

Muito bom seu trabalho. Gosto de review do jeito que vc fez: detalhado, variado e de maneira didática. Destaque para ter feito gravação com o instrumento isolado e também com base de acompanhamento(normalmente as pessoas fazem de um ou outro jeito apenas).

Além de vc tocar bem, ainda tem português claro e correto, com discurso que vai direto ao ponto.

Parabéns!

MMI
Veterano
# dez/11
· votar


Dinow

Mas ae vem a dúvida tem como conseguir bom sons sem ficar surdo ?

Veja, o Triaxis é só um pré. Para usar o som dele e suas distorções pode muito bem ser em volume bem baixo ou mesmo usá-lo em linha - eu também tenho um Rectifier Recording Preamp que inclusive tem uma saída e controle dedicado exclusivamente para isso.

A potência vai depender do power utilizado. O colega usou um Marshall 50/50 com 6L6 por alguma razão como gosto pessoal. Eu uso um Mesa 20/20 que atualmente a Mesa nem produz mais, só fabrica atualmente o 2:50, 2:90 e 2:100 sendo que o recomendado para o Triaxis é o 2:90 e para o Recto é o 2:100 por questão de pequenos detalhes. Só para esclarecer, esse números querem dizer a potência de cada saída, são todos estéreo. É meio estranho, mas já usei esses prés no loop (return) de combos e até já pluguei na entrada de um amp de 1 W, guardadas as proporções, com bom resultado.

Boa parte do volume final vai depender dos falantes plugados. Se você se lembrar que são 2 power independentes, dá para fazer muito barulho, mesmo com o 20/20 no meu caso. Se ligá-lo em 2 caixas 4x12 então, dá para causar terremoto.

Um detalhe que pouca gente sabe, os Mesa Boogie quase não usam distorção de power, em especial a série recto. O Sr. Randall Smith é partidário da ideia que existe um bias adequado para a placa, então não se mexe nisso nem é necessário "forçar" válvulas de power. Na hora de trocar válvulas, é só colocar outra no lugar. Assim, via de regra, com o Triaxis ou o Rectifier Recording Preamp, é só achar um volume adequado para seus ouvidos e eles vão lhe deliciar com timbres bacanas. Eu gosto do 20/20 porque funciona numa faixa mais baixa, gosto das EL-84 e também consigo distorcer o power se quiser, numa região de volumes mais aceitável.

Fabiano Menezes
Veterano
# dez/11 · Editado por: Fabiano Menezes
· votar


Pessoal, terminei o review de mais um modo: Rhythm Yellow, que é, mais ou menos, o canal clean do Mark IV.

O review:



E apenas o tema:



Obrigado a todos que estão assistindo e comentando, isto me incentiva a prosseguir com os reviews. Espero estar sendo útil para aqueles que querem conhecer um pouco mais sobre este equipamento.

Obrigado também aos que estão se inscrevendo no meu canal do youtube, as novidades vão chegar mais rápido desta maneira.

Dinow

Basicamente o colega MMI já disse tudo. Vale acrescentar que, nestas gravações especificamente, os volumes de cada um dos canais do Marshall estão em aproximadamente 3,5 ou 4. A sensação dentro do estúdio é que está bem alto, mas ainda dá pra conversar sem ter que gritar.

Eu gosto de gravar assim porque força um pouco o falante e isso faz diferença no tibre, mas com o volume no 1 o som já está muito bonito, não tem necessidade de tremer as paredes para o timbre ficar legal tocando em casa.

Um abraço em todos.
Qualquer dúvida ou sugestão, fiquem a vontade.

Dinow
Veterano
# dez/11
· votar


MMI
Esclareceu bastante cara obrigado, o que eu quero montar é mais ou menos isso, uma 2 x12, dois prés diferentes ( um voltado mais pra clean e outro pra dists pesadas), uma unidade de efeito e o power ( eu tava olhando aquele marshall de 20w mesmo com EL84).
Fabiano Menezes
Valeu pela iniciativa cara, a algum tempo venho procurando vídeos no youtube sobre pré e tudo mais e o conteúdo é bem escasso, porém esses videos já esclaresceram bastante.

MMI
Veterano
# dez/11
· votar


Fabiano Menezes

Estão muito legais seus vídeos, parabéns. Até para mim que tenho há anos o Triaxis, estou achando muito legal seu som.
Estou aqui tentando ajudar alguma coisa e curtindo seu som!

Abç


Dinow

Honestamente, você não precisa de dois prés diferentes nem com o Triaxis nem com o Recto. Qualquer um dá conta do recado de um timbre limpo e um distorcido com sobra. Eu tenho os dois porque sou vidrado no som dos Mesa e o som deles diferem um pouco, mas ambos tem clean e distorção excelentes. Espere o colega Fabiano tocar nos próximos canais, especialmente os dois últimos, você verá que som magnífico de distorção ele dá. Se estiver com pressa e curioso, ouça Images and Words do Dream Theater ou mesmo os timbres do James Hetfield do Metallica, são muito baseados no Triaxis. Lembrando que o Triaxis tem 8 canais e 128 presets programáveis por MIDI.

Fabiano Menezes
Veterano
# dez/11
· votar


MMI

Obrigado, meu caro. Fico feliz que você esteja curtindo e também ajudando. Fique a vontade para dar sua opinião sempre que quiser.

Dinow

Meu caro, eu sinceramente concordo com o MMI quando ele diz que não são necessários dois prés para se ter variedade de sons. O Triaxis é auto suficiente nesse quesito, principalmente a versão 2.0, cujo modo Lead 1 Red é o canal laranja do Rectifier.

Ultimamente eu tenho sentido falta de alguns timbres característicos de pedais, com o TS e um fuzz, mas o sapateado de operar o FCB1010 mais pedais me deixa desanimado. Por isso, estou projetando, junto com o Ed Bonatto da Ed's Mod Shop, uma gaveta para pedais com loop remoto, que será controlada pelos 4 switches do Triaxis. Estamos na fase de projeto ainda, assim que tiver mais notícias eu posto aqui.

Dinow
Veterano
# dez/11 · Editado por: Dinow
· votar


MMI
Fabiano Menezes
O meu receio é em relação a dist, será que somente com o triaxis eu conseguirei som classico voltado ao som de marshall ?
Por isso que eu estava, pensando em dois prés independentes, pelo fato de procurar a dist moderna do mesa e deixar o marshall para um som mais clássico.
E quanto aos pedais Fabiano Menezes , se eu não me engano existe um rack da Voodo Labs que permite o controle dos pedais via midi.


Edit: http://www.voodoolab.com/gcx.htm

Jinkxs
Veterano
# dez/11
· votar


Fabiano Menezes

Fantástico cara... muito profissional.... os gringos não vão ter um material dessa qualidade em inglês.... hehehe.... azar o deles!!!!

Baita equipamento.... fiquei muito à fim de ter um. Agora, que essa sua Suhr ajuda muito no timbre, ajuda!!!! E sua pegada também..... toca muito heim cara!!!!

Bom trabalho, e estarei acompanhando.

Abs.

MMI
Veterano
# dez/11
· votar


Dinow

O meu receio é em relação a dist, será que somente com o triaxis eu conseguirei som classico voltado ao som de marshall ?

Bom aí é gosto e não sou eu quem vai falar o que vai lhe agradar. A mim não falta nada, não sinto falta de nenhum som de Marshall. Aliás, se usar válvulas JJ em algumas posições o som vai se aproximar um pouco do Marshall, mais agudo, mas eu retirei e uso outras.

Eu uso um GCX com uma Ground Control, isso que controla meus prés e efeitos. Tenho mais um pré (Presonus) com compressor e equalizador para usar com violões e, especialmente, para ligar as guitarras com piezo nos monitores. E comprei um Millennia TD-1 que chegará no começo do ano, este para as mesmas funções e para usar com a guitarra archtop. Estes prés de gravação não são conectados ao rack nem ao GCX.

Dinow
Veterano
# dez/11
· votar


MMI
Vou pegar mais por curtir mesmo o sonzão de marshall, vai demorar um tempo para eu montar todo meu rack, mas já defini como vai ser : Dois prés
(triaxis ou outro mesa e um jmp1), o power marshall el84 de 20w e uma Tc eletronics Gmajor II para os efeitos.
Agora não to achando nada sobre a ligação de racks e tudo mais, teria como vc postar fotos detalhando como a ligação?
Fabiano Menezes
Sei que esse não é o objetivo do tópico, não estou querendo desvirtuar, porém tá difícil de achar sobre, então peço que se voçê tbm puder detalhar com funcionar a ligação eu agradeço.

Tattvarock
Veterano
# dez/11
· votar


Fabiano,

Muito bacana essa sua série de vídeos. Encontrei seus vídeos enquanto procurava informações sobre o triaxis no youtube, e achei tão interessante que até resolvi fazer o cadastro aqui no fórum para poder acompanhar mais de perto!!

Acabei de montar meu rack, composto por um triaxis, um 2:90 e um G-System, e iniciei a árdua tarefa de "domesticar as feras"!! heheh

Dois assuntos que eu acharia bacana de você dar uma focada seriam:

1. Indicações e testes de pedais para boost, principalmente no modos led2 amarelo e vermelho, para distorções mais pesadas mesmo,

2. E se possível aprofundar sobre a questão de ligar diretamente no return do loop de combos e cabeçotes. Provavelmente viajarei ano que vem para shows, e levar o set inteiro é complicado (o rack pesa cerca de 30 kg...). Quais os principais cuidados a serem tomados? Quais as principais diferenças no timbre quando ligamos no return de combos? E em cabeçotes, usa também a ligação no return do loop de efeitos?

Desde já agradeço, e espero que você consiga continuar com este projeto de vídeos tão interessantes!!

Abraço!!!

Tattvarock
Veterano
# dez/11
· votar


Fabiano,

Vi o que você falou sobre o sapateado nos pedais. Acho que foi esse um dos principais motivos que eu comprei a G-System, pelos 3 loops de efeitos dela. Alem dos efeitos dela mesmo que já são bem bacanas, a possibilidade de colocar um boost, um equalizer, e algo mais, na gavetinha dentro do rack... show de bola! Sem contar que toda ligação fica por um cabo de rede apenas!

t+

MMI
Veterano
# dez/11
· votar


Dinow

Agora não to achando nada sobre a ligação de racks e tudo mais, teria como vc postar fotos detalhando como a ligação?

As fotos eu vou ficar devendo, posso fazer amanhã para você. Mas acho que não vai dar para entender nada o monte de fios, não adianta muito.

Para ligar 2 prés você vai precisar algo como o GCX, no site da Voodoo Lab tem várias configurações de ligações. De todo modo, não tem muito segredo, você liga a guitarra no pré (ou o cabo que vem de efeitos como wah e volume), do pré você pode ligar 1 cabo para mono ou 2 cabos para estéreo no power. Do power você liga as caixas com cabos não coaxiais. Isso é o básico, mas dá para complicar muito...
prometo que depois eu explico tudo como eu faço as minhas ligações, tem muitos detalhes no meio disso.


Tattvarock

Vou tentar te ajudar, depois você discute com o Fabiano Menezes a opinião dele.

A rigor, não há muita necessidade de pedal de boost com o Triaxis. Você pode fazer um preset com um pouco mais de ganho ou volume, ou seja, um preset mais "boostado". Mas, se quiser, pode botar seu pedal, eu não vejo necessidade e acho que é só uma coisa a mais para carregar e complicar. Você precisa de mais peso na distorção que ele pode dar?

Os cuidados são os básicos de qualquer amp valvulado, como deixar esfriar, tomar bastante cuidado, checar se os cabos estão bem ligados depois de transportar. A principal diferença nos timbres quando se liga no return de outros amplificadores se dá pelo tipo de power e falantes conectados. lembre-se que cada tipo de válvula tem um timbre característico, sua equalização e capacidade de distorção. Para ligar em qualquer amplificador, você vai ter trabalho porque vai ter de acertar timbres e saturação de cada um.

Dinow
Veterano
# dez/11
· votar


MMI
Ate vi as dicas no site da voodoo labs, mas achei que com fotos auxiliaria, eu não entendi muito bem como vou ligar a gsystem II em dois pres diferentes.
E quanto à configuração do foot controler?
E muito complicado pra configurar, por exemplo, a mudança de canais em dois pres diferentes (não simultaneamente e claro) mudança e um pré pra outro na gcx, ativação de efeito indo de um pré pra outro, etc.?
Eu vejo o foot controler como um pedalboard comum, mas pelo que tenho visto ele mais tipo uma pedaleira aonde cada botão ativa um "patch" pre-progamado no rack, qual e o modo que o foot opera?
Desculpe o enorme numero de duvidas, mais e que. Nunca tive nenhum contato com racks e essa será minha primeira experiência, estou migrando p/ um set profissional e que será definitivo.

MMI
Veterano
# dez/11
· votar


Dinow

Honestamente, fotos não vão adiantar em nada porque é um emaranhado de cabos complicadíssimo... hehehehe

Mesmo se dinheiro não for problema para você, sugiro ainda assim tentar primeiro um só pré e depois se não lhe agradar que pegue o outro. O GCX seleciona o pré e tem os loops selecionáveis por MIDI, que será comandado pelo pedal Ground Control ou qualquer outro pedal MIDI.

No meu caso, o sinal da guitarra entra pelo GCX. No GCX dá para selecionar entre 2 prés, uso o Triaxis e o Rectifier. Nos loops restantes eu coloco os efeitos, uso basicamente delay, reverb, chorus e um Hughes & Kettner Tube Rotosphere. Eu prefiro usar esses efeitos entre o s prés e o power e não no loop específico deles.

O mais difícil de fato é programar o MIDI do GCX e Ground Control. Um botão do GCX vai selecionar o pré, o preset (se for usado o Triaxis) e qual efeito será ligado. No caso do Rectifier não tem muito jeito, preciso usar o pedal dele que seleciona o canal e o boost (solo). Em um dos canais do power eu uso um atenuador THD Hot Plate, para tocar em casa e para mandar um sinal em linha para a mesa de gravação, quando não quero microfonar ou quando uso mais canais.

Tattvarock
Veterano
# dez/11
· votar


MMI

Você precisa de mais peso na distorção que ele pode dar?

Na verdade, como comprei a pouco tempo, alguns dias, ainda não fucei muito, porém quem me vendeu disse que usava um boost quando queria dar uma "sujada" na distorção, uma saturada a mais, e em um dos vídeos do Fabiano Menezes ele usou e achei bacana o resultado. Também to achando que preciso trocar captadores da minha guita, to usando uma PRS SE Custom, com a captação original, e acho que talvez esteja com a saída baixa, mas na real, ta faltando "brincar" mais com ele.

valeu! t+

MMI
Veterano
# dez/11 · Editado por: MMI
· votar


Dinow

Já que eu prometi, está aqui. Quero ver esclarecer alguma coisa isso aí! hahahaha


Explicando brevemente. Basicamente está disposto assim (de cima para baixo), o condicionador de energia Monster Power, Triaxis, Rectifier, GCX e Power. O de cima de todos é um Axon Guitar-to-MIDI Controller, mas não está na foto do cabeamento porque nem está ligado agora, esquece ele. Portanto começa com a energia, em cima de tudo, de onde chega a energia e vai alimentar tudo. O sinal da guitarra vai assim... O Triaxis está ligado num loop do GCX, entrada e saída mono, assim como o Rectifier. O GCX é que recebe primeiro o sinal, manda para um dos prés, tem os loops dos pedais de modulação e manda o sinal estéreo para o power, ou seja é o centro gerenciador do sinal. Depois embaixo de tudo tem o power que recebe o sinal estéreo e manda para os falantes direito e esquerdo. Fora isso tem o sinal MIDI, do GCX vai para o Ground Control onde este cabo MIDI já serve de alimentação para a pedaleira, do Ground Control vai para o Triaxis para mandar o sinal afim de escolher o preset, do Triaxis volta para o GCX.

Em resumo, isso aí é bem complicado sim, precisa sentar com os manuais e fazer a sua própria configuração geral e programação do MIDI, não pense que é tão simples assim. Mas depois que você põe para funcionar, vai que é uma beleza, não dá mais dor de cabeça. Ler o manual e aprender muitas dessas nuances sonoras do Triaxis que o colega Fabiano está mostrando nos vídeos é só o começo, o acerto principalmente de 2 prés requer mais tempo e muitas leituras dos manuais, nem adianta muito mostrar e copiar as minhas. O meu está programado para cada botão do Ground Control selecionar um pré, onde se for selecionado o Triaxis vai selecionar o preset, além de selecionar o efeito desejado. Se selecionar o Recto, tenho que recorrer ao pedal próprio dele onde seleciono o canal e o boost para solo.

Fabiano Menezes
Veterano
# dez/11 · Editado por: Fabiano Menezes
· votar


Pessoal, boa noite!

Estou, provavelmente como todos vocês, com pouco tempo neste fim de ano, e por isso não posso passar por aqui todos os dias... tomei um susto hoje com a quantidade de novos posts. Fico feliz.

Vamos aos poucos:

Dinow

Na minha opinião, o Triaxis é suficiente, como já disse. Mas, caso você realmente queira trabalhar com dois prés, uma recomendação que posso te dar é não comprar os dois em épocas muito próximas. Se você não tem contato com o Triaxis, é provável que você gaste uns 6 meses para se familiarizar com ele e extrair o que ele tem de melhor. Eu ainda peno bastante...

Quanto ao roteamento, no meu caso é simples: guitarra para o input do Triaxis, com o G-Major no loop. O G-Major recebe um sinal (mono) e devolve dois (estéreo), o Triaxis possui dois return pra isso mesmo. Do output do Triaxis vai para o input do power Marshall e dalí para os falantes. Controlo com um FCB1010, que manda para o Triaxis e deste, através do MIDI THRU, para o G-Major.

Tattvarock

Obrigado, meu caro, espero estar ajudando. Parabéns pela aquisição, não tenha medo de ler o manual. Fique à vontade para se inscrever também lá no meu canal, se quiser.

Vou tentar abordar o uso do Triaxis com power de outros cabeçotes ou combos no final da saga, depois que tratar dos modos individualmente. Além do setup de racks, eu também possuo um Rivera BM100 e um Mark IV, então vai dar pra explorar bem este assunto.

Quanto aos pedais, sinto que a questão não é a quantidade de distorção ou variação do volume, e sim o timbre característico de cada um. Tenho usado o Triaxis com o Full Drive 2, um TS (que dá quase na mesma), alguns pedais do Ed e com o Carpe Diem da Empower. Em nenhum dos casos eu o faço para aumentar a distorção, mas sim por causa daquele som específico.

Talvez você se depare com uma dúvida ao configurar os pedais no loop do G-System: se ligar o G-System no loop do Triaxis, seus pedais automaticamente ficarão dentro deste mesmo loop, o que pode não ser legal. Se ligar o G-System no input do Triaxis, seus pedais ficarão no input do Triaxis, o que é bom para eles, mas pode arruinar as modulações do G-System. Complicado, heim?

É por isto que o Ed está desenvolvendo esta gaveta para pedais. Os pedais (drives, boosts e fuzzes) ficariam no input do Triaxis, deixando o rack de efeitos para o loop. Como o Triaxis possui switches para 4 dispositivos, é relativamente simples colocá-los para controlar os 4 loops na gaveta de pedais.

Sobre os cuidados: leve sempre um bom transformador e um condicionador de corrente onde quer que vá tocar. Invista nisto assim como investiu no seu equipamento, compre logo um transformador de 1KVA e um condicionador tipo os da Furman. Nunca aconteceu comigo (talvez porque eu ande sempre previnido), mas sei de histórias de racks resetando no meio de shows por problemas de voltagem. No mais, qualquer produto Mesa é muito resistente e foi feito pra pegar estrada.

Já estou preparando o vídeo do terceiro modo, não tardo a postar.

Um grando abraço.

Dinow
Veterano
# dez/11
· votar


MMI
Obrigado mesmo, me ajudou bastante a foto era mais para ter uma noção mesmo, já estou vendo a dor de cabeça que terei até acertar tudo, mas fazer o que né é o preço que tem que ser pago para alcançar o tão sonhando timbre perfeito. hehehe
Fabiano Menezes
O triaxis será o primeiro pré, parei pra pensar, e acho q vou ficar um belo tempo com ele antes de comprar o jmp1, e consequentemente o GCX, se eu conseguir os sons que quero apenas com ele nem compro o segundo pré.
Quanto ao vídeo estamos aguardando ! hehehe

MMI
Veterano
# dez/11
· votar


Dinow

Já lhe aviso... Os cabos não são nada, é só uma questão de ler o manual, pensar um pouquinho de nada e ligar entradas e saídas. Difícil é acertar os timbres dos canais para suas guitarras, fazer toda a programação do Triaxis e fazer toda a programação MIDI da pedaleira para chamar os presets do Triaxis. E eu ainda que sou chato, timbrei o meu com válvulas diferentes, cada posição com uma válvula para chegar num som que mais me agrada. Foram dias... hehehehe

Dinow
Veterano
# dez/11
· votar


MMI
To até imaginando... heheh
surgiu outra dúvida, é necessário ligar os dois canais do loop como você citou anteriormente ou somento quando for utilizar os dois canais do power ?

MMI
Veterano
# dez/11
· votar


Dinow

Dois canais do loop? Como assim?
Eu não uso o loop do Triaxis, como muita gente. Uso efeitos de modulação entre os prés e o power, em série mesmo.
Os power de rack são estereo. Você pode usar um só canal, mas para isso recomendo um "dummy load" no canal não usado e você vai acabar tendo desgaste de válvulas irregular. Acho que se você tem dois, deve usar os dois...

Enviar sua resposta para este assunto
        Tablatura   
Responder tópico na versão original
 

Tópicos relacionados a Série de vídeos com review detalhado do Mesa Boogie Triaxis