O que vcs esperam da indústria da música na década de 2020?

    Autor Mensagem
    YamiYugi
    Membro Novato
    # 13/jan/20 23:31


    Esperam que seja melhor que a anterior? ou que pelo menos não seja pior.....
    O que esperam do rock? Acreditam que possa se reinventar nessa nova década?
    Me falem suas opniões....

    BrotherCrow
    Membro Novato
    # 13/jan/20 23:34
    · votar


    Se for tão boa quanto a de 2010, tá ótimo.

    Mauricio Luiz Bertola
    Veterano
    # 13/jan/20 23:46
    · votar


    YamiYugi
    Nada.
    Abç

    Lelo Mig
    Membro
    # 14/jan/20 00:21 · Editado por: Lelo Mig
    · votar


    YamiYugi

    De novidade espero o mesmo que ocorreu nesta última década... nada!

    Mas, se dentro da mesmice, um ou outro lançar um bom álbum... já "tamo" no lucro!

    makumbator
    Veterano
    # 14/jan/20 01:04
    · votar


    Quero um novo milli vanilli.

    Del-Rei
    Veterano
    # 14/jan/20 02:32
    · votar


    Quero que o politicamente correto dentro do cenário musical morra. Mas acho que quem vai morrer é minha esperança,

    Um aceno de longe!!!

    Casper
    Veterano
    # 14/jan/20 11:38
    · votar


    O Rock morreu faz tempo.

    entamoeba
    Membro Novato
    # 14/jan/20 14:19
    · votar


    Elvis voltará!

    Casper
    Veterano
    # 14/jan/20 18:55
    · votar


    Elvis voltará, mas usando fralda geriátrica GGG.

    gpeddino
    Veterano
    # 15/jan/20 06:38
    · votar


    O rock começou a morrer na virada do ano 2000. Hoje virou zumbi ou frankenstein.

    Silspiders
    Membro Novato
    # 15/jan/20 07:04
    · votar


    Quem tem os clássicos não precisa de mais nada.

    MetalJames
    Membro
    # 15/jan/20 07:12 · Editado por: MetalJames
    · votar


    A década só começa em 2021...

    Eu espero um boom do indie, e isso é bom.

    -

    EDIT:

    É sério que vocês acham que o rock morreu? Esperava que os usuários do Fórum Cifra Club fossem um pouco mais ligados. O rock continua vivo no underground, onde ele gosta de estar e eu acredito que até deve. É legal se sentir representado no mainstream? É, mas no fim não é o "real" que está ali, sabemos que é o comercial. Nessa década surgiu muita coisa boa, inclusive no nacional, é só procurar.

    Julia Hardy
    Veterano
    # 16/jan/20 17:12
    · votar


    Bye bye Miss American Pie...

    Julia Hardy
    Veterano
    # 16/jan/20 17:13
    · votar


    O jazz morreu.

    Lelo Mig
    Membro
    # 16/jan/20 17:40
    · votar


    MetalJames

    "É sério que vocês acham que o rock morreu?"

    Que nada! Hoje em dia tem muita plástica, muito botox, muito suco detox... Vai puxando aqui, esticando lá, botocando acolá e o rock segue repaginado, retocado, requentado... tipo um Ken humano.

    Mas, morrer, morre não!

    Filippo14
    Veterano
    # 16/jan/20 18:13
    · votar


    YamiYugi

    Fim dos guitarristas fakes do instagram kkkk

    Abs,

    JJJ
    Veterano
    # 16/jan/20 19:43 · Editado por: JJJ
    · votar


    Vamos nós de novo... O rock morreu, o jazz morreu, o samba morreu, a mpb morreu, a música clássica morreu, o blues morreu, a polka morreu, a tarantella morreu...

    Tem gente tocando? Pode até ter, mas tudo morreu.

    O que vive não é o que a geração atual faz, marginalmente, é o que ela INVENTA. E o que ela tem inventado desde a virada do milênio não me agrada. Então, não espero nada mais.

    Qual foi o último grande movimento no rock? O grunge, talvez. De lá pra cá, mais do mesmo, piorado. Então... Morreu. O mesmo vale pra todos os estilos inventados antes. Tudo acabou.

    O trabalho das gerações antigas foi feito. Agora é bola pra frente. Se virem.

    Casper
    Veterano
    # 16/jan/20 20:36
    · votar


    Caro JJJ:

    Tem gente tocando? Pode até ter, mas tudo morreu.

    Que nada! A música eletrônica continua com força total!
    E vivemos em um momento mágico da história, onde se consegue acesso ao sintetizador modular, que como todos sabem, é o instrumento musical mais perfeito conhecido pela humanidade:



    Mauricio Luiz Bertola
    Veterano
    # 16/jan/20 20:47
    · votar


    Casper
    De novo teletubies...

    Casper
    Veterano
    # 16/jan/20 21:21
    · votar


    Caro Mauricio Luiz Bertola:

    Minha missão é bombardear os infiéis com a verdade verdadeira.

    Mauricio Luiz Bertola
    Veterano
    # 16/jan/20 21:37
    · votar


    Casper
    Glória à vos, Senhor!
    Palavras da Salvação>

    Ken Himura
    Veterano
    # ontem às 00:30
    · votar


    O que vcs esperam da indústria da música na década de 2020?
    Dois caminhos em paralelo:

    1) Cultura de massa cada vez mais massificada, pasteurizada e insípida, com cada vez menos artistas *, e deve aumentar a fábrica de KPop com os investimentos nem tão escondidos do governo coreano neste sentido e;

    2) Revival/pastiche de algumas cenas do passado, principalmente 70's, 80's e 90's. A moda retrô pegou forte em todas as artes não performáticas e acredito que música e teatro/atuação vão sofrer essa influência a partir de agora. Eu torço pra que o Greta Van Fleet evolua até chegar no Led Zeppelin IV ou no Psycho Graffiti, e aí surja uma banda influenciada pelo Pink Floyd, outra pelo Genesis, Yes etc, mas aí é torcida minha.

    No campo da trilha sonora, uma "guerra" está pra estourar. A Netflix e a Discovery de um lado e os compositores do outro. Netflix e Discovery querem entubar na marra contratos de produção de trilha em que os compositores e demais artistas da cadeia de produção musical cedem TODOS os direitos autorais em qualquer circunstância de uso por um preço fixo (a ser pago antes do projeto ir ao ar) PARA TODA A ETERNIDADE. Pra quem não sabe, boa parte da renda de um compositor/produtor de trilha vem de royalties de exibição - toda vez que determinado filme/série/novela passar no ar e a música tocar, ele ganha uma porcentagem, sem falar em royalties por edição de partituras (lead sheets, compilado de temas arranjados para algum conjunto solo ou instrumental e tal); imaginem o quanto o John Williams ganha indiretamente por ano por royalties, seja de exibição ou de edição. Agora as companhias querem abocanhar tudo o que entrar de lucro, sem dividir com ninguém. O próximo passo deles é atacar os direitos de imagem dos atores. Essa briga já começou a feder em Hollywood e pode começar a atrapalhar o rumo do cinema de alta capacidade financeira.



    P.S.:

    * - Com essa massificação e o aumento do bombardeio de informação, menos pessoas têm se dedicado a fazer música (na verdade, a fazer qualquer coisa sem ser seguir o fluxo casa-trabalho-faculdade-netflix) e essa escassez já tá batendo no mercado de massa. Ainda não estão desesperados, mas vão ficar em breve. A falta de oxigenação com novos talentos - que, sinceramente, não existem mais porque ninguém se importa com nada fora do curto prazo - vai estrangular os reis da mídia e tudo vai ficar centralizado ainda mais em torno dos poucos que aparecem (Anitta, por exemplo, pra citar aqui no BR). Alguns cenários já estão desenhando o fim do Sertanejo Universitário, mas ainda deve durar uns anos essa praga, ainda mais com F&S Produções e SomLivre investindo aos tubos nessa praia (sem falar nas fontes de origem dúbia).

    Ken Himura
    Veterano
    # ontem às 00:51 · Editado por: Ken Himura
    · votar


    JJJ
    a música clássica morreu
    Esta continua firme e forte, como nunca antes, meu caro!

    Aliás, acredito que nunca na História existiu um tempo com tantos compositores de ponta vivos e ainda trabalhando, nem tantos músicos bem formados à disposição de orquestras, até nas não profissionais*. Só que aí, entra um grande problema: alta cultura sempre foi sistematicamente marginalizada, seja por políticas educacionais de merda ou pra transformar a cena no "gueto" dos ricos. Sem falar na música clássica contemporânea, que já é marginal no próprio nicho clássico.

    Vou dar uma lista de 15 compositores vivos e trabalhando a todo vapor hoje, em 2020 (a maioria com muito sucesso comercial, por sinal) Alguns já idosos, outros com pouco mais que minha idade:
    John Corigliano, Marlos Nobre, Eric Whitacre, Max Richter, Liduino Pitombeira, Arvo Pärt, Thomas Adès, Steve Reich, Philip Glass, Ernani Aguiar, Wolfgang Rihm, Pauxy Gentil-Nunes, Georg Friedrich Haas, Esa-Pekka Salonen, Brian Ferneyhough.

    Hoje em dia tem de tudo. Se você quiser ouvir só compositoras mulheres, tem. Só europeus, tem. Só de origem indígena, tem. Sem as duas pernas e os dois braços? Acho que tem também, hahaha.

    Felizmente, a arte musical ficou mais acessível aos aprendizes durante o século XX com tantos materiais sendo escritos e professores aparecendo e, agora com a internet e boa vontade, o céu é o limite. Difícil mesmo é essa geração de pessoas com menos de 30 anos hoje se interessar por algo.

    P.S.:

    * Edit: resolvi colocar um exemplo para dar uma perspectiva quanto a isso. Vamos pegar o violino, a base da orquestra e que é o instrumento orquestral mais difundido no mundo e, provavelmente, um dos mais tocados hoje por quem saiba tocar algum instrumento. Há 200 anos, menos de 6 pessoas no MUNDO conseguiam tocar uma obra de Paganini. Hoje, Paganini é um dos compositores exigidos em peças solos nas audições da maioria dos programas de pós-graduação em performance musical e em várias orquestras, sem falar que tem faculdade que cobra isso na audição pra entrada na graduação - ou seja, um jovem de mais ou menos 17 anos deve tocar isso, e muito, pra esta seleção. Entre os que não fizeram o caminho profissional/faculdade no instrumento, este nível é alcançável também - já vi relatos de médicos, engenheiros e outros profissionais que são musicistas hobbistas tocando e bem vários caprichos de Paganini, sem falar em outras obras pesadas, como sonatas de Bach por exemplo. Isto é bem comum em grupos do Facebook, principalmente internacionais.

    Tchaikovsky escreveu seu concerto de violino em 1878 e demorou uns 40 anos até alguém conseguir tocar na íntegra o original. Hoje em dia, você dificilmente se forma na faculdade de violino sem tocar o concerto na íntegra para uma banca de experts em algum dos períodos. E, acredite, muita gente se forma em bacharelado de violino no mundo hoje.

    JJJ
    Veterano
    # há 22 horas · Editado por: JJJ
    · votar


    Ken Himura

    Cara .. respeito sua opinião. Mas,veja bem... Ter gente tocando e fazendo, tem. Em todos os estilos. Com músicos fantásticos, como nunca na história.

    E daí?

    Daí que música clássica vai ser sempre Beethoven, Bach, Chopin e Cia. Esses todos aí vão sumir. Assim como rock sempre será Beatles, Rolling Stones, Led Zeppelin e Cia. Entendeu meu raciocínio?

    Casper

    Sim. Essa música aí é o que temos para o momento... E, como você sabe, não gosto.

    Mas, os melhores desse gênero são os que ficarão para a posteridade, como eu pontuei acima. E tem que tomar cuidado porque Giorgio e Kraftwerk talvez já tenham tomado alguns postos.

    Ken Himura
    Veterano
    # há 22 horas
    · votar


    JJJ
    Daí que música clássica vai ser sempre Beethoven, Bach, Chopin e Cia. Esses todos aí vão sumir. Assim como rock sempre será Beatles, Rolling Stones, Led Zeppelin e Cia. Entendeu meu raciocínio?
    Não, isso é transformar um oceano numa poça; a música clássica é um organismo vivo e mutante. Quem tenta torná-la item de museu/gueto de rico é produtor de orquestra e sala de concerto.

    E esta é, por sinal, a discussão em voga com o jubileu de 250 anos de nascimento do Beethoven em 2020. Aparentemente, o Brasil é o país que mais vai homenagear o velho Ludovico, com todas as orquestras e salas de concerto do país promovendo um ano de Beethoven sendo encaixado praticamente em todo concerto da temporada deste ano. Nem na Alemanha nem na Áustria há tamanho burburinho sobre a imagem do compositor. Vai ter integral de quase a porra toda em 2020. Com isso, não se tocará quase nada de música moderna ou contemporânea, principalmente brasileira - sendo que 2020 também é jubileu de 2 compositores brasileiros importantes no desenvolvimento da música daqui: Nepomuceno (100 anos de morte) e Miguez (170 anos de nascimento), que até o momento não têm homenagens programadas.

    Bom, e no que isto resultou? O Facebook virou um campo minado de batalha entre os diretores artísticos, diretores de salas de concerto, compositores, maestros e pessoas envolvidas com a cena clássica. Mais umas semanas e isso chega na virulência das discussões da época de eleição.

    JJJ
    Veterano
    # há 15 horas
    · votar


    Ken Himura

    Não vai chegar a esse ponto porque é coisa de nicho. Assim como o rock. Estamos vivendo em guetos musicais.

    Lelo Mig
    Membro
    # há 15 horas · Editado por: Lelo Mig
    · votar


    Ken Himura

    Sei lá... meu conhecimento de erudito se resume ao de ouvinte dos grandes nomes, que são todos do passado.

    Em minha visão a "música clássica" no século 20 foi substituída pelos compositores de Trilhas Sonoras para o cinema e no século 21, esta sendo substituída pelos compositores de Trilhas Sonoras para games.

    Acho que o próprio "arranjador/orquestrador" não encontrou receptividade nas sinfônicas e espaços eruditos, mundo afora, e têm migrado para outros espaços.

    Ken Himura
    Veterano
    # há 9 horas
    · votar


    Lelo Mig
    Acho que o próprio "arranjador/orquestrador" não encontrou receptividade nas sinfônicas e espaços eruditos, mundo afora, e t~em migrado para outros espaços
    Mais ou menos isso. É por isso que a grande maioria escreve mais pra solo, coro ou conjuntos de câmara, a receptividade em fazer repertórios novos é bem alta.

      Enviar sua resposta para este assunto
              Tablatura   
      Responder tópico na versão original
       

      Tópicos relacionados a O que vcs esperam da indústria da música na década de 2020?