Novation Bass Station II - "Mini" review

    Autor Mensagem
    silvG8
    Veterano
    # nov/15


    Quando optei por comprar o Microbrute, já sabia que a GAS por algo pequeno era inevitável. Como o Microbrute não atendeu a nenhuma das minhas expectativas, acabei optando por gastar mais (pagar uma diferença) por algo que sabia que seria mais interessante pra mim em termos sonoros - o Novation Bass Station II (BS2).

    Quanto ao review, fui o mais breve possível. Parece longo porque o instrumento é realmente muito profundo... e bom!


    Construção
    O instrumento é todo em plástico, de coloração preta e azul que pessoalmente dão um visual muito legal. É notório que se trata de um sintetizador portátil, que aparentemente é parrudo, seguindo a linha dos controladores da marca.

    Os knobs, switches e botões são muito bons e diria que até superior aos instrumentos dessa faixa de preço. Todos esses controles tem uma ação agradável, com a quantidade certa de resistência, sem balançar de um lado pro outro.

    As teclas são muito além do que imaginava, sendo melhores que as de controladores como A800 Pro e UMX-610, contando inclusive com aftertouch. Pitch bend e mod wheel são retroiluminadas em azul, com uma cobertura de plástico macio (como nos botões, que parecem pads de um Launchpad Pro).


    Funcionamento
    Não existe demora para ligar, e já liga afinado. O instrumento pode ser alimentado por fonte ou via USB, ambos inclusos de fábrica. As conexões incluem MIDI, saídas entrada de áudio, headphone, USB (que transmite MIDI) e fonte.

    Em geral, tudo é muito simples, e o que não está imediatamente disponível sob os dedos, está apenas a um clique de distância. O clique é a mudança de pequenos switches que estão dispostos em todo o instrumento... como exemplo, os controles para cada oscilador são os mesmos, bastando apenas mover o switch de 1 para 2 para controlar o oscilador 2.


    Osciladores
    O som dos dois DCO são agradáveis, mas não tem toda aquela potência nos graves como em um Moog. Ainda assim, o pequeno sintetizador possui osciladores potentes e com uma pegada muito boa.

    Em formas de onda, além da tradicional dente-de-serra, quadrada e triangular, está a senoidal. A quadrada permite PWM, como esperado. O sub-oscilador conta com três escolhas de onda, podendo variar ainda entre uma ou duas oitavas em relação ao primeiro oscilador.

    Cada oscilador pode ser modulado de forma independente em termos de intensidade por um LFO (1) e envelope (Mod).O mesmo acontece com PWM, que pode ter intensidades diferentes para cada oscilador, tanto por LFO (2) como por envelope (Mod). Existe ainda hard sync entre osciladores.

    Sim, tem portamento. Infelizmente não é individual para cada oscilador.


    Mixer
    Nada mais, nada menos, que um controle de volume das partes. Aqui, o BS2 é extremamente completo. No final, são seis partes: oscilador 1, oscilador 2, sub-oscilador, gerador de ruído, ring modulation entre osciladores e áudio externo.

    O ring modulation foi totalmente inesperado, mas muito bem vindo. Permite criar sons metálicos e outras loucuras. A grande sacada foi deixar o caminho sempre pronto, não sendo necessário ativar nada, basta aumentar o volume.


    Filtro
    O filtro multi-modo (Classic) é brutalmente maneiro! Um grande destaque do instrumento, com toda certeza. Tem uma sonoridade aveludada como nos Roland antigos, quase sem perda nos graves com a ressonância mais alta, com uma ampla variação tonal. Funciona como passa baixas, alta e banda (LP, HP, BP), com 2 ou 4 polos. A segunda opção de filtro (Acid) é legal, mas muito menos especial, além de não ser auto-oscilante. Seria muito legal se pudesse colocar os dois funcionando em série ou paralelo.

    O sinal vindo do mixer pode ser saturado pré-filtro, tornando o som mais agressivo. Não é essencial, mas permite resultados legais. O efeito é mais proeminente do que no Sub Phatty por exemplo, sendo ainda mais controlável.


    Envelopes
    São 2, sendo um deles exclusivo para o volume (Amp), e outro compartilhado entre diversos parâmetros (Mod). As variações de tempo e o bom escalonamento em relação aos controles garantem desde sons curtos e percussivos, até longos e mais ambientes como pads. O pequeno switch que determina como os envelopes são acionados é uma das melhores características dele - nenhum dos meus outros instrumentos é tão prático!!


    LFO
    Como os envelopes, são 2. Um deles (1) está mais relacionado a alterações do pitch, outro (2) com o filtro e PWM. A amplitude varia desde praticamente 0Hz, até a frequência audível. Eles contam com delay, que é algo muito pouco comum e provavelmente foi inspirado nos Roland SH antigos. Podem ser sincronizados com o pressionar das teclas e com o tempo. A nível de curiosidade, existe "slew" para os LFOs!


    Efeitos
    Não espere um delay ou reverb interno. Aqui, são efeitos analógicos. Diria que um grande extra. A distorção permite resultados bem modernos e compatíveis com a música que imagino ser o sexo entre dois Transformers - Dubstep. Além disso, enriquece linhas "a la" 303. Não é a melhor distorção do mundo, mas é boa. O outro efeito parece ter virado moda: usa o oscilador 2 para modular o cutoff do filtro - como resultado, cria-se uma grande abrangência de sons, que variam do baixo de Tom Sawyer até sons vocalizados.


    Arpejador e Sequencer
    O arpejador é bem completo. São 32 variações de cada um dos padrões mais normais (up, down, up&down, etc.) com controle de oitavas (1 a 4). Quem quiser, faz a conta, mas a variação é enorme.

    O sequenciadores, embora simples, também é inspirado no SH-101. Selecione "record", toque as notas e voilà! Sua sequência está tocando!! Pode-se ainda adicionar rests e ties, mas nada de slide ou accent. Se tivesse, seria absolutamente perfeito. A memória interna comporta apenas 4 sequencias (infelizmente).


    Funções
    Existem diversas funções "escondidas" no BS2, quase todas focando no uso do aftertouch, mod wheel e do pitch bend, ou funções secundárias dos LFOs. Achei que seria um grande problema, mas é bem fácil de usar, e com pouco tempo, já me habituei completamente.


    Conclusão
    Pela primeira vez, tenho dificuldade de criar pontos positivos e negativos. Parece que todos os pontos negativos são necessários para coisas que considero qualidades. Como exemplo, o fato de ser de plástico, possuir switches, funções escondidas, etc. é o que permite que o instrumento seja leve e pequeno. Outro exemplo seriam as limitações do sequencer, que para ser mais complexo, dependeria de um menu digital mais amplo, fugindo da proposta do instrumento.

    Para criticar, tenho algumas coisas. O escalonamento do aftertouch não é o que eu estou acostumado, sendo ligeiramente duro para ativar (no Prophet, é perfeito). A cor vermelha dos LEDs e display não é exatamente a melhor pro visual do instrumento, poderia ser branco ou azul. Algumas opções de performance do aftertouch e mod wheel são engessadas, mas muito bem escolhidas. Os presets são muito pouco demonstrativos do que o instrumento pode fazer, e podem decepcionar o ouvinte de primeira viagem. A distorção para muito voltada para guitarra e rouba um bocado dos graves - um fuzz seria uma opção muito melhor. Ainda assim, são detalhes que, na prática, consigo ignorar.

    Sinceramente, o Bass Station II me surpreendeu muito. O bicho tem uma sonzeira do cacet*, construção sensacional e uma enorme quantidade de ferramentas para montar o som. Estou completamente impressionado.

    Eu não consigo pensar em um custo benefício melhor do que esse em se tratando de analógicos, principalmente com o dólar como está. Com 2500 reais, eu não tenho dúvida de qual instrumento recomendar - é este!

    Casper
    Veterano
    # nov/15 · Editado por: Casper
    · votar


    Caro silvG8:

    Confesso que sempre tive vontade de ter essa dupla abaixo:



    Não sei o motivo que fez a Novation para de fabricar esses dois.

    Parabéns pela aquisição e pelo belo review.

    Synth-Men
    Veterano
    # nov/15
    · votar


    A mudança foi da água para o vinho.

    Não dá para dize que BSII é uma maquininha. É outra dimensão..

    Boa troca!

    silvG8
    Veterano
    # nov/15
    · votar


    Casper
    São instrumentos sensacionais! Eu não conhecia direito até começar a pesquisar a fundo o BS2. O Drum Station dá banho nas antigas TR, pelo menos na minha opinião... tem um vídeo que mostra o histórico da Novation (21 anos se não me engano) pelo Sonic State, que mostra um pouquinho dessas máquinas.

    Quanto ao review, obrigado. Fico feliz que tenha gostado. Estou bem empolgado com o bichinho... ainda na fase lua de mel.

    Vou ver o vídeo depois... casa da namorada.
    Engraçado que no exterior o pessoal parece ter um certo preconceito com a Novation, desde o passado com o Bass Station I. Talvez porque ele surgiu em uma época que concorria com SH-101 e cia. Vai entender... acho o som fenomenal, melhor inclusive que sua reincarnação quando o assunto são baixos e graves.


    Synth-Men
    Realmente, instrumento sensacional. Uma grande vantagem, é que o instrumento continua bem compacto, cabendo por exemplo em uma mochila sem problemas. Obviamente vou carregar em um bag específico, talvez o azul da própria Novation, que parece proteger legal e é bem compacto.

    Quanto ao som, sem dúvidas: outra dimensão. O Microbrute não chega nem perto... realmente foi uma boa troca!


    Obrigado pelos comentários. Falando nisso, FCC está depressivamente parado e muito pouca gente interessada em coisas diferentes. Desde que proibiram tópicos perguntando sobre o que comprar, o fórum parou. A Synth-BR está na mesma... quase todos os tópicos são "vende-se". O Facebook está mais animado?? Considerei até fazer um pro canal do YT (SYNTHWAY).

    silvG8
    Veterano
    # nov/15
    · votar


    Compartilhando um arquivo enorme com uma monte de sons diferentes sendo tocados sem nenhum tipo especial de musicalidade, apenas brincando... espero que gostem do som do bichinho. Alguns dos sons são mais altos que outros, culpa do overdrive pre-filtro...

    O arquivo ano está o melhor do mundo. Tive que comprimir um pouco pra enviar. Gravado no iPad com um aplicativo da Focusrite. Tive que compartilhar através do aplicativo e acho que tirou um pouco dos graves durante a compressão.

    Link https://soundcloud.com/silvgt/novation-demo/s-BzCbg

    Casper
    Veterano
    # nov/15
    · votar


    Caro silvG8:

    Bem versátil, fez uns timbres que eu não
    esperava, e uns graves bem profundos mesmo.
    Belo instrumento.

    silvG8
    Veterano
    # nov/15
    · votar


    Casper
    Sim, o bichinho é versátil, o que talvez seja a melhor característica dele pela faixa de preço. Estou gostando bastante... o que achou do filtro? Deu pra ter uma ideia pelo áudio?


    Mais alguém chegou a ouvir as demonstrações ou ler o review?

    silvG8
    Veterano
    # nov/15
    · votar


    Bom, aparecendo aqui pra complementar algumas coisas. Nada muito importante, apenas uma troca de ideias.

    Um adendo ao funcionamento dos filtros, que muitos provavelmente sequer notaram, é que o mesmo não possui keytracking como controle. É exatamente isso, o keytracking é fixo nos dois filtros, Classic com 100% e Acid com 50%. Assim sendo, é possível tocar unicamente usando o filtro com o Classic, pois é auto-oscilante é muito bem calibrado. Criei alguns sons utilizando esse artifício e ficou muito bom.

    Tenho usado o instrumento frequentemente, principalmente pela portabilidade, o que permite acomodá-lo no colo e simplesmente me divertir. Uma coisa vem chamando bastante minha atenção... apesar de não ter ainda comparado, lado a lado, nos mínimos detalhes, o Bass Station 2 parece uma excelente alternativa aos Moog, que custam o dobro ou mais. Em termos de especificações e versatilidade, o BS chega próximo do que o Sub Phatty oferece por exemplo, não tendo exatamente aquele som do Moog, mas que tem uma tonalidade própria muito legal de ouvir. É algo que me surpreendeu muito, muito mesmo.

    Eu esperava algo mais café com leite, mas diria que o Novation surpreende e poderia ser usado facilmente para substituir um instrumento mais caro em uma performance - e ainda, adicionar um tempero diferente a uma gravação. Não sei exatamente o que acontece para o preço ser mais em conta, acredito que materiais mais baratos. Mesmo assim, a qualidade em geral é muito boa. Os knobs por exemplo, não são como os de um Moog, mas são muito mais robustos do que instrumentos de marcas consagradas, sendo mais robustos inclusive que os knobs de Kronos, Motif XS e alguns outros que são caríssimos. No mundo dos VAs por exemplo, diria que está à frente do Gaia, Ultranova, R3 e até mesmo King Korg (cujos knobs gosto bastante).

    Claro que devemos lembrar que é um instrumento que vai durar menos que um Moog, pelo menos em teoria. A carcaça ser de plástico definitivamente torna o instrumento mais frágil a pancadas no meio do caminho, mas pra quem usa em um ambiente fechado, em estúdio, como eu, pode ser que durem o mesmo tempo.

    Voltando a falar do som, existe um detalhe que pode deixar alguns desanimados em um primeiro contato. Os osciladores estão tão perfeitamente calibrados e em fase, que quase parece digital... quando se move o fine tune isso muda completamente, e o instrumento assume um comportamento muito parecido com outros analógicos monofonicos. Posso estar falando besteira, pois só conheço o instrumento em demonstrações, mas a tonalidade de base do BS é melhor até do que o Mopho da DSI. A saída de áudio é bem quente também, e o bichinho fala alto no amplificador.

    Das ferramentas internas, o que menos tenho utilizado mesmo é a distorção. Parece que foi feita pra imitar aquelas linhas de TB303 agressivas que muita gente gosta... o problema é que ela acaba soando muito bem apenas nesse campo mais acid techno. Quando se tenta usar ela como um fuzz suave ou algo do gênero, não rola - o overdrive consegue oferecer isso até certo ponto, mas não é o mesmo que um fuzz.

    Bom, se alguém tiver alguma dúvida ou quiser ouvir algo específico, me avise! :)

    Synth-Men
    Veterano
    # nov/15
    · votar


    Meu caro eu li rápido por que estou no trabalho, não entendi bem

    Não tem Keyfollow/track, mas mesmo assim o efeito ocorre?

    silvG8
    Veterano
    # nov/15
    · votar


    Synth-Men
    Ele tem keytrack, só não existe um controle para alterá-lo, sendo fixo em 100%. É uma limitação do ponto de vista de síntese, mas nada que desqualifique o instrumento. Vi algumas pessoas reclamando disso na internet e quis compartilhar.

    silvG8
    Veterano
    # fev/16
    · votar


    Quase nenhum comentário aqui, mas ainda assim quis reviver o tópico.

    Hoje, brincando um pouco desde cedo, tirei a poeira dos instrumentos e estou me divertindo aqui com jams próprias e improvisos sem muito destino. Uma coisa que me chamou atenção foi o quão bem o Bass Station 2 se sai no meio de outros instrumentos muito mais caros.

    O som do bicho é realmente especial. As teclas também são bem legais. Eu indico 100% este instrumento pra quem quer começar a jornada nos instrumentos analógicos. É realmente singular e com uma sonoridade bem porreta!

    freitas_silva
    Veterano
    # fev/16
    · votar


    Rapaz, comprou ele aqui no Brasil mesmo? Foi quanto?

    silvG8
    Veterano
    # fev/16
    · votar


    freitas_silva
    Comprei aqui mesmo. R$2500 na Eletrolegal. Instrumento top! Sério mesmo...

    freitas_silva
    Veterano
    # fev/16
    · votar


    Rapaz, desses synths da novation só tive contato com o mininova e achei muito bom. Obviamente eh uma proposta diferente em relação ao bass station.

    Ja coloquei um mininova e um microkorg lado a lado e posso dizer que são propostas muito parecidas e nenhum está tão a frente do outro.

    Cara, eu tô numa fase muito "digital" da minha vida, estudando programação no computador. Síntese no computador é um mundo enorme de possibilidades, possibilidades essas que agente não encontra (ou nem sempre) num equipamento físico.

    Mas obviamente não há nada mais prazeroso que um hardware, onde você pode "botar a mão" e ver ali as coisas acontecendo na sua frente de forma "orgânica" e não pela tela de um computador.

    As vezes sinto falta dessa interação com hardware. Muito tempo interagindo com teclado e mouse deixam as coisas virtuais demais, porém é por uma causa maior: conhecimento!

    Quando eu realmente achar que é hora de investir num hard synth, certamente o farei bem mais orientado e ciente do que eu verdadeiramente quero/preciso.

    silvG8
    Veterano
    # mar/16
    · votar


    freitas_silva
    Eu sempre me amarrei no Mininova, mas nunca tive coragem de compra-lo. Tenho medo de me arrepender e ficar com um instrumento parado. Na verdade, verdade mesmo, eu tenho tanta coisa que nem deveria considerar comprar mais nada, nem mesmo um pequeno Mininova.

    Quando fui comprar o Bass Station II, que na verdade foi um acidente (pois não gostei nem mesmo um pouco do Microbrute, que ainda veio com defeitos de fabricação), considerei muito fortemente um Mininova, mas acabei desistindo. O som dele é legal, atual, permite várias coisas que meus analógicos não permitem e é extremamente portátil. Seria legal adicionar um ao que tenho, mas acho que precisaria de vender alguma coisa antes, simplesmente por não querer ficar acumulando coisas.

    Eu estou chegando numa fase de parar de considerar no que um instrumento é, e sim no que ele pode me trazer musicalmente falando. Nesse sentido, vejo o Mininova como algo muito mais interessante do que um Microkorg. Como você falou, são propostas bem parecidas e nenhum está muito à frente do outro, mas ainda assim, considero o Mininova uma compra muito mais sensata! Em termos de possibilidades, ele engole o velho de guerra Microkorg fácil fácil...

    freitas_silva
    Veterano
    # mar/16
    · votar


    silvG8

    Muito tempo mexendo no MicroKorg me fez um "fanboy" do equipamento. Mas obviamente sei que tem suas imperfeições... A primeira eu diria fácil: as teclas! Respondem bem, mas não têm profundidade. O vocoder, por exemplo, você precisa quase que "engolir" o microfone para um resultado satisfatório, coisa que não acontece no MicroKorg XL. A edição dele também é muito trabalhosa... Com o tempo você se acostuma com aquelas listas, mas mesmo assim não deixa de ser moroso.

    Algumas dessas características eu já não encontro no Mininova. As teclas tem um profundidade melhor, o vocoder é muuuuuito melhor e tem outras funções. O swicths no modo ANIMATE são incríveis: alteram várias propriedades do timbre ao apertar de um botão! Enfim, tem várias coisas bem interessantes...

    Mas no final, ao comparar os recursos de síntese percebi que um era quase a redundância do outro. Certamente, se fosse comprar um dos dois eu compraria o Mininova, mas partindo da ideia que eu já tivesse o MicroKorg, a troca não seria algo tão vantajoso, visto que o UP não seria tão significativo.

    Sabe amigo, eu também já possui muitas coisas... Por bem, usei todas, mas não com a mesma veemência. Já fiz ótimas compras, como também já fiz péssimas escolhas, mas no final tudo contribui para o nosso aprendizado, que deve ser contínuo.

    De todos os teclados, sem dúvida, o que eu mais tenho saudade é do Korg MicroX. Portátil e poderoso! Já cheguei a fazer show só com ele e um iPad e todo mundo achava inacreditável....rs... De fato era uma dupla e tanto, mas não era o bastante em todo tipo de repertório/show, obviamente.

    Depois de tantos teclados, caixas/cubos, estantes, gadgets, etc... Resumo meu set hoje à um controlador (Keylab 61 da Arturia) + placa (Komplete 6 da NI) + notebook (ótimo hardware). Alguns virtuais frees, outros pagos... Estou agora experimentando desenvolver meus próprios "plugins" via Pure Data, e estou tendo ótimos resultados. Desenvolvi alguns MIDI filters, arpejadores, processadores de efeitos e agora estou finalizando um pequeno projeto de sintetizador FM.

    silvG8
    Veterano
    # mar/16
    · votar


    freitas_silva
    O contato íntimo com um instrumento permite duas coisas: ter certeza de que o adora, ou ter certeza de que o odeia. No seu caso, com o Microkorg, parece ser a positiva. O lance de toda a edição, na minha opinião, é um problema compartilhado por ambos. Tanto o Microkorg quanto o Mininova são limitados pois trabalham com poucos parâmetros a serem controlados por knobs, com muita coisa "under the hood".

    Eu confesso estar gostando do que vejo e principalmente do hardware que é o Mininova, e em termos sonoros, acho que está melhor que o Microkorg - obviamente, olhando o VA como algo diferente de um analógico, sem tentar emulações. Uma coisa que me agrada bastante são as wavetables e o drive do filtro, que melhora um pouco a resposta do som, e que são de certa forma um upgrade ao Microkorg. Agora realmente, não é um UP tão significativo assim...

    Gostei bastante do relato no parágrafo final, sobre a experiência de desenvolver os próprios plugins em PureData - tenho pouquíssimo entendimento no assunto, mas acho muito legal ter gente assim aqui no fórum. Quando tiver resultados do sintetizador FM compartilhe conosco!

    Synth-Men
    Veterano
    # mar/16 · Editado por: Synth-Men
    · votar


    "Uma coisa que me agrada bastante são as wavetables e o drive do filtro, que melhora um pouco a resposta do som, e que são de certa forma um upgrade ao Microkorg. Agora realmente, não é um UP tão significativo assim."

    Senhores,

    Tomara que, caso o microKorg ganhe um novo modelo "UPADO" (o que não é de se esperar, pois esse tempo todo não teve), não venha os olhos da cara! $ô_ô$.

    O miniNova trouxe algumas melhorias ao mesmo preço. ;)




    Esperando uma gravação com o BSII se destacando.

    Pelo menos nos vídeos-review o danadinho é gostoso de ouvir.

    freitas_silva
    Veterano
    # mar/16
    · votar


    silvG8

    Pois é amigo, estou estudando síntese aditiva e o negócio é muito complexo. Nesse contexto, me engracei com o FM e por aí fiquei.

    Percebi que o cara pode sacar tudo de síntese subtrativa, mas quando vai pro outro lado leva um tapa na cara. É tudo muito interessante e inusitado.

    Confesso que nunca me diverti tanto! rs...

    silvG8
    Veterano
    # mar/16
    · votar


    Synth-Men
    Seria interessante ver um novo Microkorg! Na verdade, se pensar no antigo (com apenas quatro vozes de polifonia), vale mais a pena o Minilogue, que além de ter teclas melhores, tem a mesma polifonia com sonoridade melhor (por isso a minha comparação no outro tópico).

    O Bass Station é animal... na boa. Estou curtindo ele demais. Junto ao Analog Four, é o instrumento que mais uso. Prometo tentar gravar alguma coisa, agora estou com uma mesa com tudo montado certinho e tem me facilitado a vida.

    freitas_silva
    Totalmente verdadeira a sua afirmativa: não entendo porra nenhuma de síntese FM nem aditiva. Hehehehehh!

    Compartilhe a experiência depois!

    Joaovitp
    Membro Novato
    # ago/16
    · votar


    Sou um pouco leigo no assunto de synths analógicos, mas eu gostei bastante do Bass Station, porem surgiou uma duvida.. Como funcionam os efeitos delay/reverb? ele possui?

    Synth-Men
    Veterano
    # ago/16
    · votar


    Joaovitp

    Olá meu caro!

    Geralmente sintetizadores analógicos não possuem efeitos espaciais ou moduladores. Quando os tem é chorus e delay, que funcionam muito bem.

    Os sintetizadores digitais, são mais dinâmicos neste aspectos, pois alguns possuem uma certa gama de efeitos e até mesmo simuladores de stomp box.

    Bom mesmo é ligar ambos em efeitos externos, pois os controles e o domínio dos sons originais e modificados são mais lúdicos e agradáveis. Seja em forma de pedal ou em forma de rack.

    Joaovitp
    Membro Novato
    # ago/16
    · votar


    Ok Synth-Men , muito obrigado!

    realmente a qualidade destes timbres analógicos são indiscutíveis! No caso do Bass Station, qualquer pedal (de guitarra mesmo) seria o suficiente?

    Achei ele com um bom CxB , mas também quero ter na mão esse tipo de efeito.

    Synth-Men
    Veterano
    # ago/16
    · votar


    Joaovitp

    Sim um pedal de guitarra é o suficiente.

    gavicripp
    Membro Novato
    # 16/jan/19 11:18
    · votar


    Revivendo o tópico denovo kkk

    Tenho duas dúvidas sobre o aparelho.
    1- Ele precisa necessariamente estar conectado a um computador ou eu consigo tocar/criar sons apenas plugando ele num amplificador? Essa é a minha maior dúvida

    2- Comprando aqui no Brasil ele vem com qual tipo de plug para tomada?

    Casper
    Veterano
    # 16/jan/19 12:33
    · votar


    1) Consegue. Ele é um sintetizador excelente.

    2) Depende po país que foi importado.

    Digao1981
    Membro Novato
    # 27/jan/19 13:50
    · votar


    Olá pessoal, preciso de ajuda:
    Já tive dois BSII, e o dois “queimaram” da mesma maneira. O 1º comprei usado. Levei para um show de +-2h e após o show não funcionava mais direito. O som vinha como se estivesse rachando. Levei em um técnico, já que descobri que a Novation não tem assistência técnica no Brasil e quando ele abriu estavam vários capacitores queimados. Trocou por similares, mas foi só usar novamente que aconteceu a mesma coisa. Liguei em 220v, com fonte original. Dai, resolvi comprar um novo pois acreditei já tê-lo comprando com algum problema. Mas, na 1ª vez que usei, aconteceu a mesma coisa...! Decepção total...! Veriquei a estabilidade descrede elétrica a qual estava ligando e nada de anormal foi verificado. Alguém pode me ajudar??? Sabem o que está acontecendo???? Ou o que pode ser??? Ou já aconteceu com alguém???
    Obrigado...

    Casper
    Veterano
    # 28/jan/19 08:50
    · votar


    Caro Digao1981:

    A fonte de alimentação desse equipamento é
    externa, certo? Foi usada uma fonte correta?
    Com boa regulagem e corrente de sobra?

      Enviar sua resposta para este assunto
              Tablatura   
      Responder tópico na versão original
       

      Tópicos relacionados a Novation Bass Station II - "Mini" review