Perdi um dedo! Da pra aprender a tocar teclado/piano?

Autor Mensagem
qwezbc
Membro Novato
# set/15


Olá pessoas, esse é o meu primeiro tópico aqui neste site, eu já viciei aqui, posso dizer que aprendi muuuuito por aqui, principalmente sobre guitarra hehe, então pessoal, vamos ao assunto, acontece que no mês de janeiro desse ano eu sofri um acidente aonde eu trabalhava, e eu perdi a primeira falange do dedo do meio da mão direita, tipo, a maquina arrancou mesmo e o pedaço caiu no chão (eu não senti dor nenhuma na hora , apenas percebi quando olhei pra minha mão... que bela visão) eu estava com 17 anos (fiz 18 a 1 mes), e eu estava estudando guitarra, e o acontecido me desanimou muito, eu realmente desisti da musica por um tempo, fiquei muito depressivo no começo, mas bateu a vontade de voltar a tocar e voltei a tocar guitarra faz um mes e pouco e ainda bem que (ou pelo menos) não foi na mão esquerda que é a mão da digitação na guitarra, por que com a direita eu ainda posso segurar a palheta normalmente (apenas os tapping e dedilhados que né...), e antes de tocar guitarra, eu sempre tive o sonho de tocar piano, piano me encanta, eu estava determinado a um dia estudar piano, mas agora, digamos que eu só usaria 9 dedos para tocar piano, vocês acham (de preferencia um professor de piano e teclado) que eu conseguiria aprender a tocar piano ou teclado bem com isso??? eu sinceramente acho que eu consigo adaptar, mas eu preciso ouvir de alguém, a opinião, por favor sejam sinceros, e fora que eu ainda tenho 2 falanges no mesmo dedo, eu perdi mesmo foi a ponta, dependendo eu até consigo usar ele em um acorde ou outro, acordes que necessitam de 5 dedos iriam ser ruins, e tbm digitações rápidas, como o dedo do meio é um dos mais usados.... é isso. desculpe pelo texto grande hehehe

pianoid
Veterano
Esse post foi marcado como inapropriado mostrar
O autor recebeu uma advertência por publicar conteúdo contra as regras do fórum.

set/15

por que todo aleijado começa a ter sonhos impossíveis, hein? o cara perde as pernas e de repente passa a querer ser maratonista, perde os dedos e quer ser pianista

é possível? é (ainda mais só um pedaço de 1 dedo)

vai ser o melhor maratonista/pianista? só entre outros aleijados

a realidade é cruel, não eu. Tem que pensar positivo: pelo menos não foi o pau

Wuju Wu Yi
Membro Novato
# set/15
· votar


qwezbc

Cara, com certeza você pode aprender a tocar piano. Tem pessoas em situações muito piores que você, que tocam instrumentos. Gente sem mãos, sem braço, etc...

Você deve conhecer Django Reinhardt. Ele teve dois dedos da mão esquerda queimados, e só conseguia os utilizar, ainda com dificuldades, para fazer acordes simples. Ele fazia melodias com apenas 2 dedos, e é simplesmente o violonista mais referenciado do Jazz Manouche.

Você pode sim aprender, e se tornar um ótimo músico. Busque o que você sente vontade, e não de ouvidos pessoas negativas que tentam te desmotivar. Ninguém começa a tocar com pretensão de ser o melhor do mundo. As artes são mais profundas do que isso. É uma atividade de paixão e de prazer.

Então faça o que tu sente vontade cara, se tu quer aprender tocar piado com 1 dedo a menos vai lá e aprenda, não espere o mundo dar aprovação, capacidade você certamente tem. Todo mundo tem limitações em algum nível, essa como todas é uma que você precisa aprender a contornar.

Boa sorte.

Vídeo motivacional:



Hitman
Veterano
# set/15 · Editado por: Hitman
· votar


qwezbc
Tenho um amigo multi instrumentista que nasceu com a mao direita toda deformada, com certeza numa situacao muito pior que a sua e toca muito mais piano do que eu tocaria em qualquer ponto da minha vida.

O proprio Tony Iommi do Sabbath perdeu a ponta de dois dedos. Nao preciso nem continuar a historia. A banda esta ai e seu legado vai continuar decadas depois da nossa geracao.

Adler3x3
Veterano
# set/15 · Editado por: Adler3x3
· votar


Olha.
A situação não é tão grave assim.
Bem vou comentar num texto mais extenso, fazendo analogias e tentando deixar uma mensagem positiva para você.

Pense positivo, você é o que é, e isto é natural.
Todos nós com o passar da vida ficamos sujeitos a ter limitações
E você tem tudo para conseguir.
Não se impressione com mensagens negativas.

Não se preocupe em que pelas limitações nunca vai conseguir ser um virtuose pleno, tire isto da cabeça.
Como disse seja natural.
O que importa é tocar bem, que o resultado final fique audível com certo conforto.
Não vai existir uma regra geral, cada caso é um caso.
Mesmo os músicos com tudo em ordem não conseguem ser virtuosos.
E até uma pessoa com certas limitações pode ser melhor que muita gente por aí.
A maioria esta abaixo da média,e tem também o medíocres.
Mas estar na média não é ruim, é que a palavra medíocre (média) ganhou uma conotação negativa indevida.
E dá tranquilamente para você ficar acima da média e ser um bom músico.
Se pode ser um bom músico, qual é o problema?

Nenhum!

E quem disse que todo o músico tem que ser super virtuoso?
A maioria das composições e músicas não são tão difíceis de tocar assim.
E as melhores músicas foram compostas assim para uma pessoa normal poder tocar.
E os virtuosos com excesso de agilidade e rapidez não produzem boa música, hoje em dia tem mais malabaristas do que músicos de verdade.
De que adianta o cara tocar super rápido, se o resultado final da música dele é uma droga?
Pode reparar a maioria dos guitarristas dos dias de hoje que tocam super rápido, o som deles é uma merda.
Não se pode confundir excessos com o normal.

É uma pura questão de adaptação.
E hoje em dia na música tudo passa pelo computador, você pode também adentrar no universo do home studio, e a música vai fazer parte da sua vida de uma forma até mais intensa.
Só depende de você.
E mesmo para o teclado e violão você pode e tem como se adaptar.

Cada caso é um caso, e o seu professor e incentivador vai ser você mesmo.

Eu mesmo no decorrer da vida passei por vários problemas, e hoje estou voltando aos poucos, tocando violão e teclado e usando principalmente instrumentos virtuais em um home studio, compondo e gravando músicas.

O Importante é estar de bem consigo mesmo, e na execução de instrumentos musicais, sempre a pessoa tem que se cuidar, não importa se tudo é pleno ou não, qualquer exagero prejudica as articulações

Vá em frente toque violão e teclado, e faça como recomendei adentre no universo do home studio, e esqueça que tem esta limitação.
Vá tocando e se adaptando naturalmente , sem forçar a barra, tanto fisicamente como mentalmente.
Dá para arranjar as músicas tanto no teclado como no violão ao seu estilo.
E tem acordes e acordes, não quer dizer que tudo tenha que seguir uma regra absoluta, no braço do violão dá para fazer acordes de "n" formas diferentes.
Num teclado por exemplo, dá até para gerar acordes apertando uma única tecla, e você tem duas mãos, dá tranquilamente para fazer tudo, e quem escutar uma gravação sua nem vai perceber nada de diferente.
Na música pode-se fazer "n" arranjos e versões.
Desde mudanças de tom, para adaptar a voz, fazer uma versão mais simplificada, e até fazer versões mais sofisticadas, por que não?
E até compor, e neste caso melhor ainda, você vai se adaptando a você mesmo.
A maioria dos compositores desde tempos mais remotos, compunha músicas para a população poder tocar.
Compunha e distribuía a sua música por partituras, e ganhava dinheiro assim, e a maior das músicas era composta de forma que os músicos em geral pudessem tocar sem maiores dificuldades.
E as melhores músicas do repertório musical estão nesta faixa.
Dê que adianta o compositor fazer uma música sofisticada em demasia, se depois ninguém consegue tocar?
Claro não iria vender nada.
E até nos dias de hoje, existem compositores e arranjadores que vivem disto, fazem músicas para os músicos tocarem, num nível aceitável de dificuldade.
Aquele compositor que só faz música sofisticada vai ter poucos músicos dispostos a divulgar a sua obra.
Este é um ponto fundamental.
Então aqueles ouvintes ou críticos que só querem músicas difíceis e perfeitas não sabem bem o que esta acontecendo nem sabem direito o que é música, falsos intelectuais, metidos a entendidos que não sabem nada.
E na música brasileira atual, a coisa parece que esta num nível baixo.
Mas considerem que a educação e a cultura nesta país é tratada pelos políticos como uma ameaça a dominação, eles não querem que o povo pense.
E assim o nível atual da música reflete isto, povo sem educação e sem cultura, não recebe uma boa música, e os músicos para viverem se adaptam a isto e compõe e tocam de acordo com o nível do seu mercado, que infelizmente esta num nível muito baixo, de forma que o Brasil decaiu assustadoramente nas últimas décadas.
Até os anos 50, não é saudosismo não, mas a música em geral era mais bem feita.
Muito embora o analfabetismo prático de ler e escrever tenha diminuído , outros tipos de analfabetismo surgiram, o funcional, e entre eles o analfabetismo musical piorou e muito.
Claro existem as exceções a regra músicas feitas exclusivamente para os virtuosos.
Mas neste estilo de música normalmente o que acontece é que a música sonoramente falando não é tão bela assim, aí ocorre outra beleza que é o grau de dificuldade que exige o extremo do músico.
Obviamente quando se consegue aliar a boa música com a técnica mais extrema, no final se tem um obra prima.
Mas também com simplicidade existem peças que podem ser consideradas obras primas. (a maioria aqui incluída).
As vezes num compasso que em teoria requer uma posição de 4 ou 5 dedos, as vezes pode-se utilizar somente dois dedos, tudo depende de como vai soar no contexto.
O importante é soar bem a medida que a progressão ocorre.
Só tome um certo cuidado e pergunte a um médico até que ponto você pode e deve usar o dedo afetado.

Sempre avante! e Ativo!
É a prática e a persistência que vencem.
Considere que você vai criar o seu estilo próprio de tocar, não é uma limitação, vai ser apenas o seu estilo.
O teu corpo ainda esta 99,9 % certo, esta integro, e o mais importante é a cabeça a inteligência.
E o que vale é o ser e estar ao mesmo tempo.
Não é porque o Herbert Vianna sofreu um acidente que as pessoas o vejam como um aleijado, a maioria o vê como um bom músico o Herbert Vianna, seja pelo seu passado, mas também pelo seu presente.
E a vida de músico profissionalmente falando não esta fácil para ninguém, você ainda é muito novo, esta numa fase de escolher a sua profissão, e você pode ser dar bem sim.
E vai dar para tocar bem sim, até melhor que muita gente.

Leo Synth
Veterano
# set/15
· votar


Limitações físicas podem se tornar apenas um detalhe, quando se tem talento. Então, se é esse o teu caso, siga em frente.

Um abraço.



fernando tecladista
Veterano
# set/15
· votar


tem que pelo menos fazer uma aula teste e ver se esse dedo consegue tocar normalmente uma tecla
talvez no piano acústico ou digital onde as teclas são pesadas não de muito certo devido a força que precisa aplicar, mas talvez em teclados com tecla leve você consiga de boa

já vi gente tocando de boa com problemas ná mão
uma delas levou um choque e atrofiou o dedinho só os músculo da mão para o dedo funcionava, entre as falanges não, mas se virava com 4 dedos e as vezes até com ele mesmo
outra pessoa vi que perdeu a 1a falange mas foi do dedo anelar e tocava usando o resto e também não tinha muito problema

lembrei do filme "o piano" onde o cara corta parte do dedo da dona (duas falanges) e ela pra continuar tocando coloca uma ponta de metal, fica fazendo um barulho de tec tec..., mas na vida real não sei se isso funciona

pianoid
Veterano
# set/15
· votar


Adler3x3
A maioria dos compositores desde tempos mais remotos, compunha músicas para a população poder tocar.
Compunha e distribuía a sua música por partituras, e ganhava dinheiro assim, e a maior das músicas era composta de forma que os músicos em geral pudessem tocar sem maiores dificuldades.


não


compositor que só faz música sofisticada vai ter poucos músicos dispostos a divulgar a sua obra.
Este é um ponto fundamental.
Então aqueles ouvintes ou críticos que só querem músicas difíceis e perfeitas não sabem bem o que esta acontecendo nem sabem direito o que é música, falsos intelectuais, metidos a entendidos que não sabem nada.
E na música brasileira atual, a coisa parece que esta num nível baixo.
Mas considerem que a educação e a cultura nesta país é tratada pelos políticos como uma ameaça a dominação, eles não querem que o povo pense.
E assim o nível atual da música reflete isto, povo sem educação e sem cultura, não recebe uma boa música, e os músicos para viverem se adaptam a isto e compõe e tocam de acordo com o nível do seu mercado, que infelizmente esta num nível muito baixo, de forma que o Brasil decaiu assustadoramente nas últimas décadas.
Até os anos 50, não é saudosismo não, mas a música em geral era mais bem feita.


você soa contraditório, ora falando mal de compositores sofisticados, ora saudoso deles

fernando tecladista
Veterano
# set/15
· votar


pianoid
faz parte da natureza humana dar mais valor pra quando se perde algo
não falo só de ter adquirido alguma deficiência que limite a pessoa , mas no geral
a pessoa está em um emprego e não dá valor, pede pra sair, e depois de um tempo fala "onde eu estava era bom, poderia ter subido na empresa e não dei valor na época"
ou
"em casa quando eu era criança tinha um piano da minha vó e nunca liguei pra ele, depois que venderam eu resolvi aprender"

Artref
Veterano
# set/15
· votar


Putz, sendo bem sincero, o dedo médio da mão direita é bastante usado. Se fosse o 4 (anelar), você teria menos problemas, já que muito dedilhado procura exatamente evitar esse dedo.

Mas dá pra aprender a tocar, claro, mas vai precisar adaptar muita coisa e precisa ter cuidado pra não acabar sobrecarregando o 4, que você vai acabar usando bem mais que o normal e é um dedo fraco. Seu caso seria interessante para dar aulas, eu gostaria de te ter como aluno, rsrsrs.

E outros instrumentos? Estão fora de questão? Pois você não teria problema algum em vários deles, como por exemplo violino - você conseguiria segurar o arco numa boa com os 4, acredito.

Adler3x3
Veterano
# set/15 · Editado por: Adler3x3
· votar


Pianoid.
Não tem contradição.
É uma mera questão de interpretação sua.
Por paradoxo que pareça música simples de qualidade sempre existiu, e até muitas obras primas.
A questão do nível das obras é importante sim, temos o nível inicial, o médio e o avançado (claro aqui tem outras classificações, que não é o objeto do tópico em si).
Mas as distribuidoras de partituras tanto da forma tradicional como na forma digital levam isto em consideração.
E quem toca em casa por hobby ou até profissionalmente músicas com arranjos mais simples, é uma músico, isto não altera a verdade.
Não afirmei em momento nenhum que a música mais antiga é mais sofisticada.
A minha referência é o nível de estudo (educação) e cultura, que no momento do Brasil atual esta em baixa.
E também não falei mal de compositores sofisticados, quem sou eu para fazer isto? o que falei mal foi dos malabaristas. de guitarra, claro não se pode generalizar aqui, tratei mais dos casos extremos.
Enfim tentei dar uma impressão para uma pessoa que esta com dificuldades, que a virtuosidade é importante, mas não é tudo, mas é claro mesmo fazendo um texto mais extenso deixei de escrever sobre muitas outras coisas, muito embora o texto seja longo, ainda peca por faltarem outros detalhes.
Deixei de comentar que a sutileza também faz parte, me referi somente a inteligência, e de que para tocar bem também tem que se buscar um diferencial, para superar outras limitações.
Tratei da forma de execução e interpretação de uma música que pode ter diferentes níveis de dificuldade.
E não quer dizer que aquele nível de dificuldade mais simples seja
ruim.

Se pareceu contraditório peço desculpas por ter me expressado mal, mas o foco principal é outro.

Lelo Mig
Membro
# set/15
· votar


qwezbc

Não desprezando sua limitação, nem fazendo comparações desnecessárias, mas este "sujeito" aqui, semelhante a você, perdeu 2 falanges da mão direita (detalhe, ele é canhoto).



E comparando menos ainda, ciente de que cada um é cada um (eu mesmo não sei se teria tanta força de vontade), mas se este cara faz isto... acredito que tudo seja possível.



Luiz_RibeiroSP
Veterano
# set/15
· votar


qwezbc
Na biografia do black sabbath, Tony Iommi conta que ele tinha dificuldade para tocar com a afinação padrão, então ele abaixou a afinação visando diminuir a tensão das cordas e ficar mais confortável para tocar. Isso fez a guitarra dele ficar ainda mais densa e pesada, dando um choque na época, e acabou influenciando inúmeras bandas posteriores. No final o que parecia uma dificuldade acabou sendo o diferencial.

pianoid
Veterano
# set/15
· votar


que coisa bisonha esse pianista chinês sem braço. Sala de concerto imensa, folheada a ouro beirando o kitsch e um concerto genérico para nenhuma mão. E eu pensando que o de Ravel era o limite. tempos tenebrosos...

qwezbc
Membro Novato
# set/15 · Editado por: qwezbc
· votar


pianoid

perde os dedos e quer ser pianista

Se você ler direito, essa vontade eu possuía antes do ocorrido, não depois. Fazer o que né, sonho de adolescente, a vida é dura mesmo.

qwezbc
Membro Novato
# set/15
· votar


Ninguém começa a tocar com pretensão de ser o melhor do mundo. As artes são mais profundas do que isso. É uma atividade de paixão e de prazer.

Vlw mano, é verdade, tem por exemplo o Jonathan Basthos, poxa man, olhando o que ele faz, eu não tenho sem oque reclamar por só peder a ponta de um dos dedos, afinal o caso dele é BEM pior do que o meu, obrigado pela força, eu pesquisava topicos assim por aqui e so achei 1 desse tipo, outra pessoa que estiver passando pela mesma situação que eu, pode ver e ler, e pegar um GAS com isso, ela nao vai se sentir a unica no mundo.

makumbator
Veterano
# set/15 · Editado por: makumbator
· votar


pianoid

Depois da primeira guerra foram escritos vários concertos pra pianista sem uma mão, pois vários músicos ficaram com sequelas de combate. Aconteceu o mesmo no pós segunda guerra. Na verdade tem um bom número de concertos escritos assim, alguns até de compositores de bom nível.

TG Aoshi
Veterano
# set/15
· votar


qwezbc
Antes de tudo, meus sentimentos pelo seu acidente.

Acho que o maior desafio aqui é o psicológico. Independente das suas limitações, é você quem tem que querer aprender, ter vontade de tocar e, sobretudo, de melhorar a cada dia. Na minha opinião, o que a gente tem pra falar não importa muito. No final das contas, a única coisa que pode definir o quão longe você vai chegar é sua perseverança e a sua estrutura psicológica.

É certo que, como outros já comentaram, você vai ter problemas com certas técnicas e peças; algumas serão realmente inalcançáveis, outras poderão sofrer adaptações sem maiores problemas, sem contar com aquelas que serão mais difíceis por conta da sua limitação. Mas muito do estudo de performance, porém não somente, é perseverança; Todo estudante passa por isso em menor ou maior grau, cada um tem as suas dificuldades e limitações. No entanto muita gente acaba criando obstáculos mentais, quando encontra esses problemas. Julgam os problemas como impossíveis, desculpas esfarrapadas se criam, a preguiça, sobretudo mental, toma conta e tudo isso quando a pessoa não acaba desistindo.

Pra minimizar essas situações, é preciso ter bem definido em mente como seu problema afeta a sua técnica. Só que não tem um jeito fácil de fazer isso; um bom professor aparecer, com um diagnóstico preciso e final, é algo totalmente fora de realidade, na minha opinião. É necessário muita tentativa e erro; experiência pra conhecer a relação (seu) corpo-instrumento; experiência pra conhecer o piano; e trabalho mental, pra encontrar soluções e contornos pros eventuais problemas que surgirem. Pra dar um exemplo mais substancial: é muito vago saber que perdeu a 1ª falange do dedo médio; não tem como precisar quais acordes de 5 (ou mais) notas você vai ou não conseguir executar, não tem como saber como isso afeta um trilo envolvendo esse dedo.

Por isso mesmo, a gente cansa de falar pro pessoal que o ideal é procurar um professor. Mas acho que no seu caso, um BOM professor é quase imprescindível. Um bom professor vai ter melhor noção das suas capacidades e limitações, a medida que você for evoluindo. Talvez até mais importante, vai ter poder pra minimizar ideias e sentimentos desmotivadores que eventualmente se manifestem.

Mudando um pouco o enfoque, outra questão relevante, na minha opinião, é o tipo de repertório que você tem interesse. Pra música popular certamente você vai ter menos problemas que com música clássica/erudita. (Ainda assim, independente das suas preferências, acho indispensável o contato com o erudito)

De resto, além do Iommi e o Django, dá pra citar muitos músicos que não desistiram. Tem o Rick Allen do Def Leppard, que se não me engano tem um filme sobre isso; o maestro João Carlos Martins, quem tem uma história muito inspiradora; o Art Tatum, era quase totalmente cego, mas é uma das lendas do piano; Nobuyuki Tsuji, pianista erudito cego; e por aí vai... Fora as inúmeras peças só pra mão esquerda, muitas de altíssimo nível; Godowsky, Blumenfeld, Moszkowski, Ravel, Scriabin, Bartók, etc.

Pra terminar fica essa linda peça pra mão esquerda, brilhantemente interpretada pelo Simon Barere:

I was listening to a radio show and the announcer asked how many hands were used in the piano piece he was about to play. I figured it was a trick question and guessed three. My jaw hit the floor when I learned that a single hand was responsible for everything I heard.

- Leon Fleischer, sobre a gravação do Barere


link

qwezbc
Membro Novato
# set/15 · Editado por: qwezbc
· votar


Sempre avante! e Ativo!
É a prática e a persistência que vencem.


Adler3x3

Mano é muito bom saber que aqui tem amigos, pessoas que estão dispostas a escrever um TEXTÃO somente para ajudar o seu proximo hehe, obrigado mano, senseramente eu nao penso muito em viver da musica kkk, mas seu texto vai me fazer pensar no assunto. Valew mano. Assim que puder vou comprar um teclado, quem sabe passo pra um piano futuramente.

qwezbc
Membro Novato
# set/15
· votar


fernando tecladista
Sim, vou tentar fazer essa aula teste hehe, obrigado man

qwezbc
Membro Novato
# set/15
· votar


Artref
Hehe, verdade, eu nunca tive muita "vontade" de tocar violino kkk, mas eu to investindo na Guitarra por enquanto, estudando guitarra, eu gosto de rock e tambem de musica classica, piano e guitarra são os meus preferidos, os que eu gostaria realmente de aprender. (violão está incluso junto com a guitarra kk) obrigado ;)

qwezbc
Membro Novato
# set/15
· votar


Lelo Mig
O guitarrista eu já conhecia ele kk, tinha pesquisado, o pianista não tinha visto nao, muito interessante mesmo, eu sou ciente que o caso deles sao piores do que o meu hehe, pelo menos isso, vlw pela resposta mano

qwezbc
Membro Novato
# set/15
· votar


Luiz_RibeiroSP
Pois é mano, foi um diferencial.

qwezbc
Membro Novato
# set/15
· votar


TG Aoshi
Opa mano, obrigado pelo texto hehe, valeu mesmo, o Piano eu gosto dele no sentido erudito mesmo, classico, mas eu tambem iria tocar populares nele. obrigado pela força

silvG8
Veterano
# set/15
· votar


qwezbc
Amigo, percebi a presença de um babaca nos comentários. Ignore...

Muitos dos colegas aqui do fórum já falaram muitas coisas válidas, mas acho que posso oferecer uma realidade um pouco diferente do que foi passado e te estimular positivamente, como bem fizeram em quase todos os comentários.

No meio médico, já vi muitos casos de pessoas com deficiências físicas alcançando façanhas inimagináveis para o leigo. Não é uma coisa somente musical, em todos os aspectos... basta ver as paraolimpíadas.

Dentre os pacientes que já encontrei, um foi um paraplégico com uma grande limitação aos movimentos das mãos (movimentos finos), e que passou a tocar com o uso de uma "tala" para segurar os dedos indicadores e polegares fixos. Assim, tocava algumas peças de piano com muita musicalidade.

Acreditando e se dedicando, tenho certeza que se dará bem. Tudo de bom pra você nesse caminho que irá trilhar.

Abraço!

Maestron
Veterano
# set/15
· votar


Incrível a insensibilidade e a visão estreita do pianoid...

qwezbc

Nunca pense na palavra limitação, a palavra certa para você é adaptação! Não faltam exemplos já citados acima de superação. Pense que o grande problema para você é não ter métodos específicos para seguir, talvez você tenha que descobrir sozinho como suprir a falta de terceiro dedo. Mas com boa orientação, com muita determinação e com um grande motivo (que é justamente o fato de ter perdido um dedo), depende apenas de você superar até mesmo aqueles que têm mais dedo que você...

Se você gosta mesmo de tocar, vá em frente e nem pense em desanimar por ter perdido apenas 10% dos dedos...

LeandroP
Moderador
# set/15
· votar


A estupidez humana é a maior das deficiências.

qwezbc
Membro Novato
# set/15 · Editado por: qwezbc
· votar


silvG8
Acreditando e se dedicando, tenho certeza que se dará bem. Tudo de bom pra você nesse caminho que irá trilhar.
Obrigado mano, pelo seu comentário, hehe é isso ai sempre com cabeça erguida, as vezes eu acho que algumas pessoas na "tentativa" de superar a perda de algum coisa ou algo do tipo, acabam se superando, até mais do que se ela nao estivesse perdido esse algo, por causa da vontade de superar, que seria maior.

qwezbc
Membro Novato
# set/15
· votar


Maestron

Obrigado mano, é isso ai, agora é tentar superar isso, e seguir em frente.

qwezbc
Membro Novato
# set/15
· votar


Pessoas, quero dizer uma coisa, eu tenho um teclado antigo aqui no fundo de casa que eu tinha queimado quando ela criança, devia ter uns 9 anos, (A fonte tinha queimado, e então eu cortei o cabo dela, e descasquei os fios, liguei o plug no teclado, ai coloquei os 2 fiozinho do plug na tomada na esperança do teclado ligar... e foi quando a fumaça subiu) esse teclado é um Casio L3-33 Sandy e Junior kk, como ainda ele possui as teclas, eu fui treinando a digitação, e eu consigo usar esse dedo para acordes menores e maiores, de 3 notas, posso dizer até que tranquilamente, apesas de ser mais facil usar os outros dedos, eu posso adapitar esse para acordes mais abertos, e até msm pra um com 5 notas (se é que existe).

Enviar sua resposta para este assunto
        Tablatura   
Responder tópico na versão original
 

Tópicos relacionados a Perdi um dedo! Da pra aprender a tocar teclado/piano?