usar piano e voz em Bar e afins

    Autor Mensagem
    kikorg
    Veterano
    # jan/14


    Pessoal, atualmente, pelo menos aqui na região de Bauru, tem se visto muitos tocando em Bares, Restaurantes e afins músicos com violão e só.
    Nunca vi por exemplo alguém fazendo o mesmo trabalho, usando um piano digital tocando sozinho e cantando ou com vocalista.

    Como vocês enxergam esta questão, sera que existe espaço para Piano e Voz no mercado?

    ricardo_ssa
    Veterano
    # jan/14
    · votar


    Bom..aqui em salvador, eu vejo muitas apresentações de teclado e voz...agora com piano digital, ainda nao...acredito que piano, quando se fala apenas piano, ainda carregue em sua bagagem o status de música clássica apenas...no entanto quando tem piano e outros musicos..aí ja fica bem mais versatil sua utilização.

    makumbator
    Veterano
    # jan/14
    · votar


    kikorg

    Aqui tem alguns restaurantes já com piano (piano mesmo, e não versão digital) e que tem esse serviço. Tenho um amigo que toca piano quase todo fim de semana em um restaurante aqui. Mas ele faz apenas piano solo (sem canto), no esquema americano de pianista de bar.

    fernando tecladista
    Veterano
    # jan/14
    · votar


    Como vocês enxergam esta questão, sera que existe espaço para Piano e Voz no mercado?

    existe espaço para tudo, mas o espaço certo, não dá pra querer enfiar piano e voz em um local que tem violão e voz mais cajon onde começa tocando duas do djavan e depois já passa pra borboletas do victor e leo e termina a noite tocando boate azul
    esse espaço é de violão e voz com repertorio com a cara disso, querendo ou não violão é muito mais ritmico do que piano, quando se pensa em música pop bater em cordas é muito mais percussivo do que fazer algo rítmico em piano mesmo com o piano classificado com instrumento de percussão

    outra grande diferença é local onde tem "teclado arranjador e voz" e outro com "piano (acustico ou digital" e voz"

    Synth-Men
    Veterano
    # jan/14
    · votar


    Cara piano e voz é muito difícil,. Tem que fazer muito bem feito. Fazer os arranjos. Como se toca Camaro Amarelo no piano e voz? Não sei, nunca tentei e nunca vi ninguém fazendo.

    Já toquei muito no "quem sabe faz ao vivo", mas é horrível, cansativo e super arroz com feijão.

    Isso se faz ainda muito em igrejas, mas lá o objetivo é outro, então não se percebe. Quando o cara fica cansado de "bater no piano" literalmente, ele usa os strings e finge que aquilo é uma orquestra.

    Uma igreja com 2.000 ou 3.000 pessoas cantando juntas, ninguém percebe o que o teclado/piano está fazendo. O instrumento passa a ser um mero guia da melodia.

    Harmonia? Ritmo? Esquece... Era um meio que eu tinha de descansar, pois eram quatro reuniões seguidas. 07:00 , 10:00, 15:00 e 18:00. Não havia ensaios. É o teclado/piano esperando e o hinário na mão do pastor, cantando em qualquer tom e mudando o tom no meio da música.

    Quando eu estava descansado, saia tudo muito lindo.

    Isto requer preparo, ensaio, composição, arranjo, tempo, equipamento e paciência. Para ganhar R$ 150,00, R$ 200,00 em uma noite num bar?

    Imagine o Show das Poderosas na voz e piano (nada contra a música).


    Meu amigo digo o seguinte: - Se você tem talento e tem está visão. Faça! não pare. Faça e DEUS seja contigo.

    waltercruz
    Veterano
    # jan/14
    · votar


    kikorg
    Claro que tem. Mas acho que rola mais violão e voz por questões de logística menos. E se o camarada canta e toca violão, rola de pagar um cachê só.

    kokada
    Veterano
    # jan/14 · Editado por: kokada
    · votar


    kikorg
    aqui no Brasil acho um pouco difícil pra piano e vocal... como vc vai tocar ai se te pego, forró, sertanojo(chora, me liga), show das poderosas, funk tchum tchá tchá thcum só no piano? Tem que ser muito bom! E é isso que os bares pedem... o que falta é mudar a cultura do povo... pra isso o dono do bar tem que ter muita coragem pra deixar tocar outras músicas, ou então tocar em locais mais "selecionados". Tem mais espaço pra piano e vocal em restaurantes em bairros mais nobres, na minha opinião.

    E kikorg é pq vc tem um King Korg?

    Ismah
    Veterano
    # jan/14
    · votar


    Tem. Meu sonho é criar um "piano bar". Com um piano de cauda e toda pompa... Um bar voltado para pessoas requintadas.

    SeeYouLaterAlligator
    Veterano
    # jan/14
    · votar


    Ao lermos biografias de caras como Tom Jobim, Dick Farney e Johnny Alf, percebemos como essa cultura já existiu no Brasil e acabou se perdendo. Muitos desses grandes pianistas/compositores (populares) emergiram musicalmente de tocar nesses "piano bares". Principalmente numa época em que o que fazia sucesso (pré-bossa nova) eram valsas, foxtrots, chanson francesa e standards de jazz. Os pianistas da época chegavam a se revezar, tocando o "primeiro tempo" num bar e partindo pra outro na mesma noite enquanto um amigo o cobria, para variar o repertório.

    Trocando em miúdos, isso era muito bom! Seria incrível essa cultura voltar ao Brasil! Uma pena essa constante do violonista genérico que o fernando tecladista perfeitamente definiu. E coitado dele se resolver tocar uma música que menos de 20% dos presentes conheçam. O povo quer ouvir o que já gosta, mais do mesmo, e isso tira qualquer possibilidade de inovação.

    Contudo, nada pior do que o "tecladista" de churrascaria que deixa rolando aquele midi terrível do Roberto Carlos com todas as harmonias simplificadas e a melodia sendo tocada por uma simulação de cordas que um mellotron reproduziria com mais fidelidade. Agora, imaginem a mesma canção de Roberto Carlos tocada em um belo arranjo piano e voz. Elevaria o nível do estabelecimento a patamares inexplorados no século XXI. heheh Impressionante o poder da música.

    kikorg
    Veterano
    # jan/14
    · votar


    Kokada

    kikorg vem de minha cachorra kika e de meu cachorro Korg, fiz uma junção dos nomes, claro que da pra perceber na época uma predileção pelos teclados Korg, mas já passou...hehe

    Ismah
    Veterano
    # fev/14
    · votar


    Synth-Men


    Cara, não sei, mas dá para tornar algo audível sim esses sertanejos do momento. Peguei um puta teclado da Roland numa loja em Lajeado/RS e desdobrei meu arranjo de Sinal Disfarçado, fortemente influenciado pelas baladas do Claydermann... E algumas paradas da música gaúcha (não me presto a bossa e o jazz é distante então vamo por aí)...

    Ficou diferente do original? Ficou. O o feijão com arroz da música original (B F# C#m E) virou algo com mais brilho ao piano (B9(7) F#7 C#m7/G# E/G#)...

    Synth-Men
    Veterano
    # fev/14 · Editado por: Synth-Men
    · votar


    Ismah

    Essa ai é a jogada.
    Difícil, mas não impossível.

    É pegar, sentar, tornar algo que não foi feito para piano em algo feito para piano.

    Quando digo difícil é pela questão de nos termos quantitativos, montar um repertório de músicas que não foram feitas para piano, para o piano, requer muito tempo. Quantidade não basta, requer qualidade também. Sem este casamento não rola nada profissional.

    Creio que tudo seja audível, para o publico certo e no ambiente certo. Mas como eu não sou muito de protocolo, também gosto de surpresas.

    Os grandes pianistas brasileiros seriam apenas mais uns, se não mostrassem as surpresas de sua brasilidade em suas músicas, nos saguões dos hotéis de luxo e dos restaurantes requintados pelo mundo a fora entre os anos 40 e 80.

    Indo ao contrario de toda expectativa auditiva do publico internacional dos meados das épocas citadas que eram Jazz, Blues, Valsas, Clássicas e temas de filmes.

    Os brasileiros tocavam rock, bossa nova, samba, sertanejo de raiz, pop, disco, românticas, contrariando totalmente o estilo norte-americano e Europeu, baseados somente no Jazz, Blues e Clássicas. Usaram a versatilidade para ganhar o mercado.

    Acho que se seguirmos este exemplo chegaremos perto ou conquistaremos algo parecido.



    fernando tecladista

    O público exige novidade, mas no fundo, no fundo... Quer mais do mesmo e "aí" do tecladista que não o fizer. É melhor ter no vossos arranjadores, algo muito parecido com guitarra e cajon. kkkkkkkkkk! Vai que...


    SeeYouLaterAlligator

    Seus dois últimos parágrafos fala da dura realidade, mas também mostra o caminho da esperança.

    fernando tecladista
    Veterano
    # fev/14
    · votar


    Synth-Men
    É melhor ter no vossos arranjadores, algo muito parecido com guitarra e cajon. kkkkkkkkkk! Vai que...

    foi por isso que acabei adotando o meu G1000 como sendo o meu piano digital
    gostaria muito de sair pra tocar em alguns jantares que faço com um RD ou P-xx da yamaha ou SP-2 e coisas do gênero, mas nessa do "vai que"

    já tive muitos "vai que" por ai, a coisa começou piano mas depois de uma hora não dava pra segurar a onda nessa linha o evento não era pra isso, então tive que "popularizar' a coisa

    Ismah
    Veterano
    # fev/14
    · votar


    Synth-Men

    Só lembre-se que o rock tem seu berço nos EUA também.

    Como aqui, lá nos idos de 1950 rolava o bluegrass, ska e demais, que se equivalem ao nosso sertanejo. A disco e o hip hop (ok, ele é mais novo, vindo a se destacar em 70~80), eram lá as músicas de periferia, vindo a cair só depois no gosto do povo. Já o pop tem sua origem lá, sendo que a maioria das bandas daqui faziam versões em português das músicas...
    O samba, bossa, marchinhas, choro e demais (Brazil), se equiparam ao jazz e ao blues (EUA), junto com as valsas e "pianismos" ou
    "orquestrais" (Europa em geral), e aos ritmos do lado latino aqui do sul, como tango, cachaca (não sei a grafia exata), chamarra, vaneira, e outros muitos...

    Milenawins
    Veterano
    # fev/14
    · votar


    Eu já havia feito um tópico como esse e alguém respondeu que como o pianp não é tão rítmico como o violão era só colocar um instrumento percussivo junto.... eu penso que é somente uma questão cultural e voz e violão tem hora que enche a paciência tbm!rsrs

    Synth-Men
    Veterano
    # fev/14 · Editado por: Synth-Men
    · votar


    Ismah

    Positivo.

    Mas entre os anos 40 e 80, (retirando a musica eletrônica), as coisas eram meio que protocoladas, porém com suas bases e estruturas totalmente fortes.

    Para se ver um grande pianista tocar uma musica consagrada no rock em uma apresentação era muito difícil. Para se ver um pianista/organista de rock tocar algo consagrado no clássico era raro. Acontecia em pouca escala.

    Este tabu foi quebrado literalmente com o Queen no final dos anos 70. Colocou frases em escala melódica, muito utilizada na idade média na Europa em grande parte de suas músicas.

    O Blues gerou o Rock e mesmo assim eles não se misturavam. Cada um no seu cada um, mesmo o Rock usando as escalas do Blues.

    Antes e durante os anos 70 os estilos evoluíam, mas não se misturavam. Rock era Rock, Disco era Disco, Pop era Pop. Quando acontecia de misturar estilos, já chegando nos anos 80, a musica era classificada como alternativa ou experimental.

    A música POP, levada pelos ingleses (que estavam 1000 anos luz a frente musicalmente) aos norte-americanos se beneficiou muito das misturas musicais.

    O que é a música POP? É justamente a musica sem classificação que antigamente era experimental ou alternativa. Ou seja a mistura de tudo.

    A exemplo da Bjork que faz coisas diferentes, a musica dela é classificada hoje como alternativa e experimental, pois não se encaixa em nenhum protocolo musical mercadológico. E mesmo assim vende nos EUA.

    Os EUA, o blues e o jazz não são o berço da musica mundial, mas em toda aquela região é onde as pessoas aceitam todos os tipos de mistura (desde que seja classificada) com mais facilidade. Por isso o mercado norte-americano da música é aquecido. Por exemplo: Se chegar lá só com o samba, eles não vão dar muita atenção, mas se for samba com hip-hop, eles vão curtir.


    O musico brasileiro ajudou muito mundialmente falando, no intercambio musical. Pois antes dos anos 40 a musica latina que se conhecia na América do Norte, Europa e Ásia era o Mambo e o Tango. O samba estava em terceiro, mesmo assim devido as "mulatas rebolantes"

    Heitor Villa Lobos, tinha as próprias teses, mas antes dos anos 40 ele tocava de tudo que tinha na época. Por isso era tão requisitado. É considerado o Pai da Musica Moderna Brasileira. Grande Herança.

    Tom Jobim tocava Jazz, misturado com Blues, influenciado pelo Samba, baseado na música clássica. A quebra de protocolo foi enorme.

    Na década de 70 o brasileiro levou isto mundo a fora em larga escala, fazendo-o como uma coisa normal, pois anteriormente foi feito um trabalho muito duro, para se exportar a música brasileira há muitas e muitas décadas.

    Por incrível que pareça, nosso pianistas foram o que levaram as maiores bagagens.



    Milenawins

    eu penso que é somente uma questão cultural e voz e violão tem hora que enche a paciência tbm!rsrs

    Concordo.

    Maestron
    Veterano
    # fev/14
    · votar


    Synth-Men

    "É considerado o Pai da Musica Moderna Brasileira. Grande Herança."

    Se a música brasileira moderna a que se refere é a do século XX ou relacionada a semana da arte moderna da década de 1920 até posso concordar, mas vale lembrar que Villa Lobos era acima de tudo um nacionalista, quase um romântico, queria que sua música representasse a tradição do povo brasileiro e não necessariamente ser moderno.

    Quem trouxe a música realmente moderna, de vanguarda, para o Brasil foi Hans Joachim Koellreutter, que trouxe o dodecafonismo alemão e seus discípulos poderiam ser mais justamente considerados os pais da música moderna brasileira: Cláudio Santoro, Guerra Peixe, Ernst Widmer e Lindembergue Cardoso, todos esses fazendo da Escola de Música da UFBA, aqui na Bahia, centro musical da música moderna brasileira nas décadas seguintes.

    Synth-Men
    Veterano
    # fev/14
    · votar


    Maestron

    Meu prezado e bom Baiano. Saudações do Rio de Janeiro.

    A Bahia foi a escola. Rio de Janeiro e São Paulo foram palcos da Música Moderna Brasileira. Muita coisa foi criada aqui também.

    Não enfatizo o conceito histórico, mas o "conceito atitude". Villa Lobos era um cara 100% atitude. O cara transformava música das cinco regiões do Brasil em música clássica.

    Justamente o que se precisa para tocar musicas atuais no piano e voz, devido a pobreza de arranjos.

    .Hans Joachim Koellreutter era um cara 200% atitude. Se instalou no Brasil, conheceu Villa Lobos. Rodou o mundo, conheceu a musica oriental , foi professor de grandes músicos brasileiros. O Nível de conhecimento que ele trouxe é incontestável. É objeto de estudo e pesquisa para toda uma vida.

    Assim como Koellreutter, muitos músicos, maestros, regentes, musicólogos, austríacos, húngaros, alemães, franceses, italianos, acrescentaram muito a arte brasileira, ao ponto de até mudar formações, visões a direções da música no Brasil durante o período da 2ª Guerra. Villa Lobos já trabalhava por aqui, no mesmo formato, só que dentro dos Estados brasileiros, enfatizando a mistura de regionalidades. O Brasileiro adquiriu este conhecimento e passou a importa-lo.

    Villa Lobos e Hans Joachim Koellreutter foram super corajosos. Eu acho os pianistas brasileiros mais corajosos que os de outras partes do mundo. Para tocar piano e voz, transformando o que não era para piano, para piano, precisa de coragem e conhecimento. Depois é achar o publico certo no local certo.

    Milenawins
    Veterano
    # fev/14
    · votar


    Entre no you tube , digite piano voz e depois entre no youtube e digite piano and vocal e veja a diferença dos vįdeos brasileiros com os vídeos internacionais....essa ë a questão cultural que eu disse anteriormente....

    Maestron
    Veterano
    # fev/14
    · votar


    Synth-Men

    Meu caro, entendi melhor o seu ponto de vista... Antes eu já suspeitava qual era a sua intenção em dizer que Villa Lobos era moderno, mas achei por bem esclarecer para aqueles que lessem e pudessem confundir... Acho que agora, com nossas conclusões, ficou bem claro pra todo mundo!

    Saudações baianas aos cariocas! rssss...

    Ismah
    Veterano
    # fev/14
    · votar


    Synth-Men

    Para tocar piano e voz, transformando o que não era para piano, para piano, precisa de coragem e conhecimento. Depois é achar o publico certo no local certo.

    Não seria será isso força da necessidade para a época?

    Pois não era comum o piano na música da época aqui no braZil...
    Os portugueses trouxeram a viola e o violão, que serviu de base para a formação do samba e demais ritmos nacionais...

    ******

    Saudações sulistas a terra de todos os santos, e a terra dos "praianos tropicais"... Tenho forte amizade no sudeste

    Synth-Men
    Veterano
    # fev/14
    · votar


    Ismah

    Bah! Tchê! Trilegal esta tua observação.

    O violino, viola(sertaneja também), violão e o contrabaixo de arco sempre cercaram o Brasil. Nosso vizinhos latinos, dominados pelos espanhóis, também nos ensinou muitas coisas com as cordas.

    Como o piano era coisa de rico, tivemos que esperar a família Real trazer o primeiro piano para o Brasil, enquanto na Europa até este evento, já tinha quase 400 anos de teclas, com cravos, claves, órgãos, clavichords e outros inventos de teclas.

    Diria que para duzentos anos aprendemos bem rápido.


    Saudações aos gaúchos, aos CTG's e quem sabe eu volte a passear à beira do lago Guaíba ao vento e em seguida comer uma costela 12 horas, no charmoso inverno gaúcho.

    Abraços.

    Ismah
    Veterano
    # fev/14
    · votar


    Synth-Men

    enquanto na Europa até este evento, já tinha quase 400 anos de teclas, com cravos, claves, órgãos, clavichords e outros inventos de teclas.
    enquanto na Europa até este evento, já tinha quase 400 anos de teclas, com cravos, claves, órgãos, clavichords e outros inventos de teclas.

    "Entre o sobe e desce das ladeiras coloniais, um pequeno e obstinado grupo de músicos percorre igrejas históricas da cidade numa luta incessante para interromper o silêncio imposto aos órgãos de tubos. Introduzido no Brasil durante ação missionária dos padres franciscanos que vieram na esquadra de Cabral, em 1500, este instrumento musical (cujo som é produzido pela passagem do vento através de tubos de metal e madeira) foi muito usado, durante séculos, na liturgia católica, a partir do século 16."

    Synth-Men
    Veterano
    # fev/14
    · votar


    É verdade.
    O órgão de tubo ou liturgico é um bicho velho no mundo e no Brasil também.

    Segundo o Wikipedia o primeiro registro de alguma coisa parecida com um órgão de tubo foi no séc III A.C.

    Ismah
    Veterano
    # fev/14
    · votar


    Synth-Men

    Apenas pq o princípio dele é pré histórico: a flauta.

    Ismah
    Veterano
    # fev/14 · Editado por: Ismah
    · votar


    Galera, peguei uma vez um metal e fiz essa versão ao piano pra uma amiga minha, mas diabos sei eu porque, ela nunca gravou a voz...

    http://palcomp3.com/DonIsmah/piano-killswitch-engage-always/

    VS

    http://www.youtube.com/watch?v=xcZIwXABBKA

    Ismah
    Veterano
    # fev/14
    · votar


    http://globotv.globo.com/rede-globo/programa-do-jo/v/jo-recebe-o-music o-nico-nicolaiewsky/2541363/

      Enviar sua resposta para este assunto
              Tablatura   
      Responder tópico na versão original
       

      Tópicos relacionados a usar piano e voz em Bar e afins