Violão, uma Paixão Nacional - Por que será? - supermulti

Autor Mensagem
supermulti
Revelação e Virtuose
Prêmio FCC violão 2008
# dez/08
· votar


Bog

Eu gosto de música. Adoro violão.

Agradecer-lhe-ia desde já se você as ouvisse e comentasse.

Aliás, você nunca ouve e nem comenta as interpretações dos membros deste fórum ou do "Divulgue suas Músicas"... rsrs

Abs.

makumbator
Veterano
# dez/08
· votar


supermulti
Mas também pode ser, não é?

É, o ser humano é complexo amiúde...


Com certeza que pode! E em muitas vezes é isso mesmo! Mas em outras não. Ás vezes, um cachimbo é apenas um cachimbo. Não é preciso que sempre exista uma razão obscura no fundo da mente para explicar tudo.

O caso que vc contou é bem comum(mais do que o caso do meu amigo), mas sinceramente não acredito que esse amigo meu tenha algum preconceito escondido com música. Já presenciei situações e mesmo conversando com ele, em que fica claro que ele apenas não gosta e ponto final. Pra mim ele continua sendo uma pessoa normal. Ele adora literatura e arquitetura, e muita gente não vê graça nelas. Eu nunca o convido para nada que envolva música, pois sei que vai aborrecê-lo, e faço assim para respeitar a preferência pessoal dele.

Eu não gosto de várias coisas(snowboarding, por exemplo), e nem por isso acho que se deva a algum preconceito ou trauma escondido no fundo da minha mente. É apenas que esse esporte não me atrai. Mas para outras pessoas, deslizar com uma prancha sobre a neve é a maior atividade da vida!

O importante, é que há muitas pessoas que amam a música, e o fazem não por causa de ausência ou presença de preconceitos, e sim porque essa arte pode oferecer aqueles que a apreciam bastante prazer. E as pessoas que não gostam, não devem ser tratadas como alienígenas insensíveis, ou menos humanos por causa disso.

makumbator
Veterano
# dez/08 · Editado por: makumbator
· votar


supermulti

Bog

Aliás, você nunca ouve e nem comenta as interpretações dos membros deste fórum ou do "Divulgue suas Músicas"... rsrs

Hhehe...eu comento! Acho que já até comentei uma sua, não é mesmo? Heheheheh

Bog
Veterano
# dez/08
· votar


supermulti
você nunca ouve e nem comenta as interpretações dos membros deste fórum ou do "Divulgue suas Músicas"... rsrs

Eu comento algumas. Só nunca comentei uma sua, desculpas! =P

(bom, mas também pouca gente comenta as minhas)

supermulti
Revelação e Virtuose
Prêmio FCC violão 2008
# dez/08
· votar


Bog

bom, mas também pouca gente comenta as minhas

Isso é uma via de mão dupla - se você passar a comentar mais as interpretações dos outros, com toda a certeza passarão a ouvir e comentar mais as suas também...

Se você não ouve e não prestigia as interpretações dos colegas, como é que você quer que eles prestigiem as suas?

Abs.

supermulti
Revelação e Virtuose
Prêmio FCC violão 2008
# dez/08
· votar


makumbator

Eu lhe indaguei:

Cite-me três casos pessoais, que você conhece, e o motivo pelo qual cada um não gosta de violão...

Você argumentou:

Conheço 2 pessoas que ...

Sua resposta ficou incompleta. Além de ficar faltando mais um exemplo, não ficou claro porque cada uma delas não gosta de violão e, mais ainda, de música em geral...

Isso prova que casos de amusia, seja branda ou não, são casos isolados. E sempre acabamos esbarrando na questão cultural, na influência do meio, no preconceito e/ou no pré-conceito.

Quando alguém diz que não gosta de certo instrumento ou estilo musical, o que será que lhe vem à mente?

O modo como o músico se veste? O estilo do cantor? A aparência dos músicos? Se os músicos são magros ou gordos? Brancos ou negros? Sua faixa etária? O significado da letra? Se a música tem solo de guitarra ou não?

A origem social da banda (favela, classe média, penitenciária, igreja, classe operária, gueto, elite, etc)? Se os músicos têm a mesma origem social que ele? Se ele se identifica com a história da banda? Se algum familiar querido (ou odiado) ainda toca ou tocava aquele certo instrumento? Se aquele instrumento ou estilo musical está associado a alguma coisa ou fato positivo (ou negativo) na vida dele? Se ele não tem o costume de ouvir aquele determinado estilo de música porque não faz parte do seu meio cultural e/ou social? Se ele simplesmente não tem o costume de ouvir no rádio? Se ele não conhece ninguém que toca aquele certo instrumento nem nunca viu alguém o tocando ao vivo?

Se a pessoa, ao avaliar consciente ou inconscientemente se gosta ou não de certo instrumento ou estilo musical, questionar-se acerca de pelo menos UMA dessas perguntas, isso significa que não é simplesmente porque ela gosta ou não gosta.

Há vários fatores (tanto intrínsecos quanto extrínsecos), mesmo que de forma inconsciente, que a influenciam no seu gosto musical, no seu maior ou menor apreço por determinado instrumento ou gênero musical.

Vocês não acham?

Hã!?

Abs.

makumbator
Veterano
# dez/08
· votar


supermulti
Sua resposta ficou incompleta. Além de ficar faltando mais um exemplo, não ficou claro porque cada uma delas não gosta de violão e, mais ainda, de música em geral...

Não gostam porque não gostam oras!!!Hhshsahas! Não são obrigados a gostar! Hehehhe. No caso do meu amigo, ele não sente nada com nenhum tipo de música, e por isso não gosta. Precisa de mais motivo que esse? Pra ele, é como se música fosse algo que as outras pessoas falam que adoram e que as faz sentir muito bem, mas que com ele não provoca nada disso. Entendeu? Por isso ele não gosta!


Isso prova que casos de amusia, seja branda ou não, são casos isolados. E sempre acabamos esbarrando na questão cultural, na influência do meio, no preconceito e/ou no pré-conceito.

Não senhor, a minha experiência pessoal(e a sua) não tem base estatística para dizermos se é raro ou não. O que posso te dizer, é que segundo os estudos realizados na área(que tomam bases estatísticas) estimam que cerca de 4% da população mundial sofre de alguma forma de amusia. Isso dá umas 240 milhões de pessoas!!!! Não é pouca gente não! Não são casos isolados!!!


E há muitas outras ocorrências ruins entre música e o cérebro. Uma delas, bem documentada e estudada, é a epilepsia musicogênita. Muitos conhecem relatos de pessoas que sofrem ataques convulsivos ao olharem fixamente para luzes piscantes em alta velocidade. Mas pouca gente sabe que o mesmo acontece em certas pessoas, mas relacionado a sons(musicais ou não). Te garanto que essa parcela da população(que atinge 1 em cada 10 milhões de indivíduos), também não fica muito confortável com música(quando não a temem)!

E como eu disse, há formas brandas e mais extremas ou esquisitas de amusia, e que atingem inclusive músicos. Maurice Ravel, no fim de sua vida, tornou-se parcialmente doente, e começou a ter dificuldade em escrever no papel e tocar aquilo que ouvia na mente(o que sempre fez facilmente). Em suma, o tipo de amusia dele o impedia de escrever e executar sua própria música e a de outros, apesar de conseguir ouvir tudo muito bem na mente.

Ele combinou no fim da vida, de maneira estranha, o ouvido absoluto com amusia, pois ao mesmo tempo em que podia ouvir música bem afinada e correta em sua cabeça, era incapaz de executar qualquer coisa(pois não sabia o que tocava) e tinha dificuldade em escrever o que ouvia na mente(perdeu a relação entre sinal escrito e som).

supermulti
Revelação e Virtuose
Prêmio FCC violão 2008
# dez/08
· votar


makumbator

Não gostam porque não gostam

Tudo tem uma razão de ser. Não existe isso de "não gostam porque não gostam".

No caso do meu amigo, ele não sente nada com nenhum tipo de música, e por isso não gosta.
Pra ele, é como se música fosse algo que as outras pessoas falam que adoram e que as faz sentir muito bem, mas que com ele não provoca nada disso.

Pois então, a questão é: por que ele não sente nada com nenhum tipo de música?

Isso não é normal. Até os animais, até os vegetais sentem ou reagem de alguma forma a estímulos musicais. Se o cara não consegue associar o clima do som a um sentimento (por exemplo, o sentimento de medo ao ouvir o som do filme Psicose naquela cena do assassinato no banheiro, ou o tema do filme Halloween à imagem do Michael Meyers) é porque o negócio é grave e ele precisa de tratamento (médico, psiquiátrico ou psicológico)...

segundo os estudos realizados na área
estimam que cerca de 4% da população mundial sofre de alguma forma de amusia

E os outros 96%? Você só está levando em consideração o aspecto patológico. E o aspecto social? E o psicológico? E a influência do meio, dos amigos, da família, da televisão, etc?

Por que será que uma pessoa, acostumada a ouvir apenas um estilo de música a vida toda, passa a ouvir e gostar de outro estilo completamente diferente porque uma roda de novos amigos gosta deste estilo e ele não quer se sentir excluído?

O cara sofre um grave acidente de trânsito e, justamente na hora do impacto, ele estava ouvindo no CD player do carro um determinado estilo de música. Após ficar por meses fazendo fisioterapia e ter ficado com sequelas, etc. o cara nunca mais ouve aquele estilo de música pois, quando o faz, lembra automaticamente do acidente que sofrera...

O cara era um punk ultra-radical, tinha uma banda, era doidão, andava com cabelo moicano, todo rasgado, etc. De repente, arrumou uma namorada pagodeira, ficou perdidamente apaixonado e, três meses depois, virou pagodeiro também. Seis meses depois, se casou e nunca mais tocou guitarra nem ouviu punk...

Abs.

makumbator
Veterano
# dez/08 · Editado por: makumbator
· votar


supermulti

E os outros 96%? Você só está levando em consideração o aspecto patológico. E o aspecto social? E o psicológico? E a influência do meio, dos amigos, da família, da televisão, etc?

Essas 240 milhões de pessoas, não gostam de música porque ela não provoca uma reação positiva no cérebro(ou não provoca nenhuma reação). Não há ambiente, meio social ou coisa que o valha nesses casos. Trata-se de um questão fisiológica e ou química do cérebro dessas pessoas, não há preconceito nesses casos. Eles NÃO podem gostar de música, pois ela ou lhes causa dor ou desconforto, ou não passa de um monte de barulho sem sentido. Não compreendo como vc pode não achar isso um motivo mais que suficiente para odiar música! Ou acreditar, que mesmo nesses casos, tenha que haver um fundo de preconceito(quando a razão para não gostar é tão óbvia!!!).
Claro que há pessoas que não gostam por preconceito, fundo social, meio ambiente não propício, etc...mas não é o caso para quem sofre de amusia, ou desordens cerebrais semelhantes!!!!

Pois então, a questão é: por que ele não sente nada com nenhum tipo de música?

Isso não é normal.


Aí que está! Para essas 240 milhões de pessoas, isso é o "normal"!!!! Para elas não importam os outros 96%, pois uma vez que elas não sentem a música como o restante da população, deveriam fazer o que, fingir? Usar uma máscara social para agradar àqueles que acreditam(contra os fatos) que todos gostam de música(e se não gostam, são anormais ou ou insensíveis)?

O pior, é que muitos fazem isso, fingem para não serem incomodados pelos "amantes fanáticos da música"(como meu amigo os chama). Esse meu amigo age assim às vezes no convívio social(com quem não o conhece), pois ele sabe que se falar a verdade, vão pensar que ele deve ser uma espécie de psicopata ou monstro insensível.

Se o cara não consegue associar o clima do som a um sentimento (por exemplo, o sentimento de medo ao ouvir o som do filme Psicose naquela cena do assassinato no banheiro, ou o tema do filme Halloween à imagem do Michael Meyers) é porque o negócio é grave e ele precisa de tratamento (médico, psiquiátrico ou psicológico)...

É esse o estereótipo que essas pessoas enfrentam, viu só! Vc já acha que o cara é uma pedra!!! Os demais sentidos e sentimentos dos que sofrem de amusia continuam normais, eles apenas não respondem à música. O que vc não percebeu, é que a música da cena do banheiro no filme, não passa de barulho amorfo e sem sentido para eles! Porque eles deveriam se encantar com algo que soa assim?

Após ficar por meses fazendo fisioterapia e ter ficado com sequelas, etc. o cara nunca mais ouve aquele estilo de música pois, quando o faz, lembra automaticamente do acidente que sofrera...

Esse é o poder da música(e do som, em última instância), que pode ser usado para a cura, em musicoterapia(além do prazer para bilhões de pessoas). Mas essa mesma música, também causa DOR ou INDIFERENÇA!! Entretanto, observe que o caso que você citou é psicológico, enquanto a amusia não é! Ela é de fundo químico e fisiológico. É como arrancar os olhos de alguém, e depois dizer que ele não consegue ver por um trauma psicológico, quando o motivo óbvio é a mera falta de globo ocular...

Cada vez que as pessoas(como você) dizem que todos sem exceção gostam de música, e que só loucos ou anormais não gostam, e etc... essas pessoas que sofrem de amusia se sentem mais humilhadas, pois para elas, é como se fosse reforçado que APENAS os que gostam de música são bons, sensíveis ou em última análise, HUMANOS!
Desculpe, mas não concordo com essa atitude, que acho desrespeitosa com cada uma dessas 240 milhões de pessoas(até por convívio próprio com alguém que muito provavelmente sofre desse mal).

Procure literatura sobre o assunto, pode ser material do médico especialista, e pesquisador Oliver Sacks(que também é pianista amador), que você vai ver que o "buraco é mais embaixo", com relação à esse assunto! O cérebro é uma estrutura realmente fascinante e maravilhosa(inclusive em seus "desvios" como a amusia).

P.S. Apesar de ser boa essa discusão, a gente desvirtuou bastante o tópico hein! Hsahsahhhash!!!

supermulti
Revelação e Virtuose
Prêmio FCC violão 2008
# dez/08
· votar


makumbator

E os outros 96%?

Desculpe, mas não concordo com essa atitude, que acho desrespeitosa com cada uma dessas 240 milhões de pessoas(até por convívio próprio com alguém que muito provavelmente sofre desse mal).

Justamente! Em relação aos 4% (240 milhões), tudo bem, já que é de ordem química ou fisiológica. Quando disse que é de fundo psicológico, psiquiátrico ou influência do meio, referi-me aos 96%. Outra coisa: desde o início do tópico, fiz alusão aos brasileiros, e não em nível mundial - aí sim, dá, segundo você, cerca de 240 milhões...

Não há como negar, em relação aos outros 96%, a influência do meio ou o fator psicológico.

Mas, enfim. Segundo você, por que o violão é uma paixão nacional?

Abs.

makumbator
Veterano
# dez/08
· votar


supermulti

Outra coisa: desde o início do tópico, fiz alusão aos brasileiros, e não em nível mundial - aí sim, dá, segundo você, cerca de 240 milhões...

No Brasil seriam em torno de 7 milhões e 600 mil portadores de amusia(quase certeza que meu amigo é um deles).

Quando disse que é de fundo psicológico, psiquiátrico ou influência do meio, referi-me aos 96%

Sim , claro, entendi isso, e concordo totalmente. Mas deixemos os amúsicos em paz....é só o que eles querem...hehehe


Mas, enfim. Segundo você, por que o violão é uma paixão nacional?

Bem, basicamente os mesmos motivos apontados pelos outros: portabilidade, menor preço(comparando com um piano, cello, trompete, etc...por exemplo), menor dificuldade de construção e manutenção(comparando-se com piano, órgão de igreja, etc...)relativa facilidade em se iniciar(comparando com o início em instrumentos não temperados, que desestimulam muita gente), além do fato do violão ter sofrido uma grande expansão no mundo no séc XX, através da música pop(que se refletiu por aqui também). O fato de ser um instrumento harmônico também ajudou muito, apesar da menor visibilidade do violão no mundo erudito(que sempre foi eclipsado pela família do violino, piano as principais madeiras e metais).

Mas também nem sempre foi assim, o piano já foi tão difundido quanto o violão no Brasil(lá pelos idos do séc XIX). E bom lembrar que mesmo músicos mais humildes ainda conseguiam ter contato com o piano(como muitos chorões desse período), justamente devido a sua proliferação à época. O mesmo ocorria em outras regiões da América do sul(Buenos Aires no séc XIX era chamada de cidade dos pianos, de tantos que existiam na capital portenha).

Hoje, ainda acho o piano o instrumento "pau pra toda obra" por excelência(tem grande extensão, grande volume, permite que se toque 4, 5 vozes simultâneas independentes, etc...). O piano ainda é tido como o ideal por muitos compositores e principalmente arranjadores, no entanto a penetração crescente do violão(em todas as camadas sociais) é realmente impressionante.

O violão também tem uma característica social muito importante(já citada): ele não intimida os leigos, que se sentem mais próximos de seu espírito(as rodas de violão são o reflexo disso).

Toco o contrabaixo acústico(com arco), e apesar dele chamar muita atenção pelo tamanho descomunal(principalmente para as crianças, que ficam maravilhadas), ainda sinto uma certa "tensão" dos ouvintes que se aproximam para perguntar e observar o instrumento, justamente por sempre o ligarem ao universo erudito(que confundem com rigidez de espírito). Apesar de todo o histórico do acústico com o jazz(que também envelheceu e se elitizou, mesmo nos EUA).

Mas acho(opinião totalmente pessoal), que parte dessa aura de ligação social do violão está ligada justamente ao preconceito que ele carregou(instrumento de bandido, boêmio, maluco, etc...). Curiosamente, acredito que quanto menor esse preconceito(coisa que a cada vez se reduz), mais fraca ficará essa ligação inconsciente com o "fruto proibido". Lembrando que isso é apenas uma "tese de boteco" que tenho sobre isso...hehehe

A guitarra roubou parte desse preconceito do violão, sendo ela durante o fim do séc XX o instrumento de "malucos", "vagabundos" e afins. Mas isso também está mudando. E com isso a guitarra também está perdendo sua característisca de rebeldia e juventude. Hoje, os caras do hip-hop, rap e afins é que tomaram para si esse estereótipo negativo de contestação.

supermulti
Revelação e Virtuose
Prêmio FCC violão 2008
# dez/08
· votar


makumbator)

No Brasil seriam em torno de 7 milhões e 600 mil portadores de amusia

Se no muuuundo inteiro são (segundo você) 4%, como é que aqui no Brasil também seria toda esta porcentagem?

Huahuahuahuahuahuahua!!!

Abs.

makumbator
Veterano
# dez/08
· votar


supermulti

Vc não entendeu, são 4% de qualquer população, seja ela mundial, nacional, continental, por hemisfério,etc...(porcentagem é porcentagem, oras!!!). Se vc juntar 100 pessoas, haverá uma boa chance estatística de 4 delas terem alguma forma de amusia(afinal são sempre 4%!!!!). Portanto tendo190 milhões de brasileiros, teremos cerca de 7 milhões e 600 mil amúsicos.
Evidentemente, quanto maior o grupo, mais correta se mostra essa estatística. A população brasileira é um grupo bem significativo, dentro da população mundial(devido seu bom número absoluto em comparação ao número de total de 6 bilhões de pessoas). Aplicando-se essa mesma taxa em um grupo bem menor, como em 100 pessoas, 10 pessoas, 1 pessoa,etc..., a margem de erro da taxa será maior.

A amusia não diferencia de maneira significativa a etnia, sexo, idade, classe social, etc... por isso, sua ocorrência acontece de maneira homogênia em todo o mundo(ao contrário de outras doenças ou ocorrências).

supermulti
Revelação e Virtuose
Prêmio FCC violão 2008
# dez/08
· votar


makumbator

Não está claro, nesta estatística, a que tipo ou grau de amusia ela se refere e, dos 4%, quantos % realmente são incapazes de apreciar ou se emocionar com música. Creio que não seja a totalidade dos 4%.

Porque há aquela amusia na qual o indivíduo não consegue diferenciar um intervalo do outro ou dois sons diferentes melodicamente; há aquele tipo onde o portador simplesmente não consegue reproduzir uma melodia que acabou de ouvir; há outro tipo onde não se consegue distinguir uma oitava da outra. Ou seja, para o cara, os dois sons são exatamente iguais.

Existe outro tipo na qual o indivíduo não consegue perceber que está cantando semitonado; não consegue identificar qual dos dois sons é mais grave ou mais agudo, etc.

A amusia mais grave - que deixa o cara totalmente insensível à música -, geralmente, é decorrente de lesão no cérebro. Portanto, é bem mais rara, não representando, com certeza, a totalidade dos 4%.

Ou seja, a amusia em graus mais leves não deixa a pessoa inapta para apreciar música ou para gostar de determinado instrumento. Mas, sim, a impossibilita de ser um músico na sua plenitude, já que a torna incapaz de reconhecer, reproduzir ou distinguir os sons/melodias.

Portanto, não é só porque o cara tem amusia que ele é uma "pedra de gelo" em relação à música. Ele pode até adorar música e ouvir música o dia todo mas, provavelmente, ficará frustrado se tentar ser músico, pois pensará que não tem aptidão quando, na verdade, é portador de amusia num grau leve/médio e não sabe disso.

Ainda insisto na questão psicológica, psiquiátrica ou na influência do meio. Acho que são mais determinantes em relação a tudo, não só à música.

Abs.

Bog
Veterano
# dez/08
· votar


Para entender como eu acho toda essa discussão esquisita:

Eu adoro um filme chamado Os Sete Samurais. Não sei como alguém pode não gostar deste filme. Com certeza, quem não gosta, é por preconceito ou problema psicológico.

Também adoro lasanha e polenta. Com certeza, quem não gosta de lasanha e polenta, é por preconceito ou problema psicológico.

E o que dizer de quem não gosta da cor verde? Doentes e preconceituosos.

Sinceramente, música é uma questão muito pessoal. E se alguém não gosta de violão, de guitarra, de atabaque, ou de música nenhuma, acho que não cabe ficar tecendo teorias sem qualquer embasamento além de mera opinião. Nunca olhei dentro do cérebro dessas pessoas para saber por que elas não gostam disso ou daquilo, mas me parece que preconceito mesmo é a idéia preconcebida de que todas as pessoas deveriam se sentir atraídas por isso ou por aquilo só porque a gente gosta.

Bog
Veterano
# dez/08
· votar


Aliás, vi que passou no Fantástico da semana passada um negócio (meio superficial) sobre gostos musicais. Não deixa de ser interessante ver dois funkeiros lá fazendo caretas e achando a 5a sinfonia de Beethoven horrível.

Mas claro, todos devíamos também gostar de funk carioca. Quem não gosta de funk carioca tem preconceitos e só faz isso por pressão social. Ou tem problemas psicológicos...

makumbator
Veterano
# dez/08 · Editado por: makumbator
· votar


supermulti
Não está claro, nesta estatística, a que tipo ou grau de amusia ela se refere e, dos 4%, quantos % realmente são incapazes de apreciar ou se emocionar com música. Creio que não seja a totalidade dos 4%.

Mas todas as formas são consideradas como amusia(assim como todos os tipos de câncer são englobados sobre a mesma terminologia, mesmo diferindo muito em mortalidade, gravidade, etc...)A amusia mais grave - que deixa o cara totalmente insensível à música -, geralmente, é decorrente de lesão no cérebro. Portanto, é bem mais rara, não representando, com certeza, a totalidade dos 4%.

os estudos que li, mostram que a amusia de "nascimento" e ou "natural", é tão variada quanto a "acidental"(em termos de gravidade e extensão dos danos). Mas é verdade que não são 100% dos 4% da população que são totalmente insensíveis à música, no entanto, em 100% dos casos, a amusia afeta de alguma forma a apreciação ou percepção musical. Em suma, em 100% ds casos, o amúsico não pode ser classificado como um ouvinte "comum" de música, mesmo que tenha uma forma mais branda.

E além da indiferença, há muitos casos dentro desses 4%, em que a música causa sim uma reação no cérebro, mas sempre de desconforto ou dor física(o que me parece até pior que a ignorar de maneira absoluta).

Portanto, não é só porque o cara tem amusia que ele é uma "pedra de gelo" em relação à música

Sim, mas observe que há muitas pessoas dentro dos 4% de casos, que são realmente totais pedras de gelos frente à música.


Ainda insisto na questão psicológica, psiquiátrica ou na influência do meio. Acho que são mais determinantes em relação a tudo, não só à música.

São bastante determinantes, mas não no universo dos amúsicos, em que a fisiologia e química do cérebro subjulga os demais fatores em larga medida. E não podemos nos esquecer da questão genética(não para amusia, que aparentemente é desconectada em larga medida aos genes), mas em uma série de outras doenças e características humanas.

Eu acredito na interação dos fatores: social, genético, químico, piscológico, etc...mas nem sempre esses itens estão em perfeito equilíbrio ao influenciar e moldar uma característica. A amusia é um exemplo.

supermulti
Revelação e Virtuose
Prêmio FCC violão 2008
# dez/08
· votar


Bog (Topic's Destroyer)

Muito bem. Exerça sua liberdade de expressão. Se você acha isso...eu não acho...

Aliás, na sua opinião, por que o violão é uma paixão nacional?

Não se esqueça de ouvir minhas interpretações no "Divulgue suas Músicas"! (liberte-se desta couraça, vamos...você consegue rsrs)

Abs.

supermulti
Revelação e Virtuose
Prêmio FCC violão 2008
# dez/08
· votar


makumbator

Eu acredito na interação dos fatores: social, genético, químico, piscológico, etc...mas nem sempre esses itens estão em perfeito equilíbrio ao influenciar e moldar uma característica. A amusia é um exemplo.

Chegamos a um denominador comum...

Agora, em relação ao violão, você disse que o baixo preço e maior facilidade de construção são alguns dos fatores que fazem do violão uma paixão nacional...

E os violões que custam R$ 10.000,00, demoram seis meses prá ficar prontos e são feitos de madeiras nobres com mais de 30 anos de corte?

Abs.

makumbator
Veterano
# dez/08
· votar


Bog

Aliás, vi que passou no Fantástico da semana passada um negócio (meio superficial) sobre gostos musicais. Não deixa de ser interessante ver dois funkeiros lá fazendo caretas e achando a 5a sinfonia de Beethoven horrível


Exato. A própria cultura local também molda muito o gosto e as "possibilidades".
Assim como no Brasil, o violão é muito apreciado, na Índia(de longe o mais musical dos países), boa parte da população gosta mesmo da tabla, do sarod e da cítara(mesmo com a internacionalização da música ocidental, também presente nas grandes metrópoles da Ásia).

Muita gente amante da música ocidental, acharia a música indiana(principalmente a indiana erudita que é mais hermética e tradicional) extremamente sem sentido, animalesca, rústica, grosseira, selvagem, desprovida de organização, etc... e um camponês indiano, quando em contato com a estranha música ocidental, poderia achar exatamente o mesmo sobre ela...

makumbator
Veterano
# dez/08
· votar


supermulti
E os violões que custam R$ 10.000,00, demoram seis meses prá ficar prontos e são feitos de madeiras nobres com mais de 30 anos de corte?

É, mas um violão top em média custa muito mais barato que um piano de top, por exemplo(que pode custar bem mais de 100 mil, sem contar o frete, para modelos de linha, não-históricos). E um piano vagabundo, custa muito mais que um violão vagabundo.

Para o pessoal ter idéia, um contrabaixo acústico porcaria, chinês (mal)feito em série, custa mais de 2.000 reais, e com o mesmo valor pode-se comprar um violão de mediano para bom. E com os 10.000 reais do violão top, se compra apenas um contrabaixo acústico de médio para bom.

Em suma, um iniciante de violão(ou um executante de menor poder aquisitivo) tem uma gama muito maior de preços para escolher seu primeiro instrumento. Coisa que um iniciante de trompa(por exemplo), não vai ter.

Isso é um fator importante que ajuda na disseminação do instrumento em todas as camadas sociais e torna sua iniciação um projeto bem palatável, até para pessoas relativamente pobres, ou mesmo executantes eventuais, que não querem ter que vender um rim apenas para ter um instrumento como hobby.

Bog
Veterano
# dez/08
· votar


makumbator
Muita gente amante da música ocidental, acharia a música indiana(principalmente a indiana erudita que é mais hermética e tradicional) extremamente sem sentido

Experimente ir a uma apresentação de teatro nô para ouvir o que é música "sem sentido", heheheh.

Claro, eu e todos os demais que não gostam de teatro nô temos preconceitos e/ou problemas psicológicos.

supermulti
Se você acha isso...eu não acho...

A questão não é "achar". Eu só estou dizendo que, se estendermos o teu argumento para outras situações, chegamos em absurdos como os citados acima. Se usarmos o pensamento crítico, isso basicamente quer dizer que o teu argumento está incorreto ou incompleto.

A afirmação de que isso ou aquilo é "gostável" por toda e qualquer pessoa, e que não gostar é preconceito ou problema psicológico só poderia existir se o "isso ou aquilo" da frase fosse absoluto e medido em termos objetivos. E "absoluto" e "objetivo" são coisas que certamente não se aplicam a preferências musicais.

Enfim, peço que responda às seguintes perguntas:

1. Você gosta de funk carioca? Por que?
2. Gosta de teatro nô? Por que?
3. Gosta de tecno? Por que?
4. Existe algum gênero de música do qual você não goste? Qual? Por que você não gosta?

Aliás, na sua opinião, por que o violão é uma paixão nacional?

Na minha opinião, o violão NÃO É uma paixão nacional.

Mas é extremamente popular, por motivos já citados - é acessível, portátil, tem modelos relativamente baratos, é versátil, etc.

Não se esqueça de ouvir minhas interpretações no "Divulgue suas Músicas"! (liberte-se desta couraça, vamos...você consegue rsrs)

De vez em quando, eu ouço e comento algumas coisas de lá. Mas quanto às tuas, eu poderia dizer que

Se você não ouve e não prestigia as interpretações dos colegas, como é que você quer que eles prestigiem as suas?

Você fala como se eu tivesse a obrigação de comentar as suas coisas ANTES de você tecer suas valiosas opiniões sobre as minhas. Para alguém que em outro tópico disse que eu sou arrogante, não lhe parece uma pouco pretensioso?

PS - Eu já ouvi algumas das suas músicas, e sei que você toca bem. Bem melhor que eu, por sinal. Mas continuo não vendo por que EU preciso necessariamente comentar o teu trabalho antes de você comentar os meus...

supermulti
Revelação e Virtuose
Prêmio FCC violão 2008
# dez/08
· votar


Bog

Mas continuo não vendo por que EU preciso necessariamente comentar o teu trabalho antes de você comentar os meus...

Como é que eu vou ouvir uma música cujo título é "Guitarra vacilante, distorção exerada, letra boboca, mas juro que não é emo!"?

Huahuahuahuahuahuahuahua!!! (brincadeira)

Para alguém que em outro tópico disse que eu sou arrogante, não lhe parece uma pouco pretensioso?

Aaaahhh, magoou... rsrs Tá bom, vai, desculpe por ter te chamado de arrogante... sem ressentimentos, ok? Você não é de escorpião não, né? rsrs

Se usarmos o pensamento crítico, isso basicamente quer dizer que o teu argumento está incorreto ou incompleto.

Mas é claro! Aí é que está a questão. Não coloquei este tópico para dizer que sou dono da verdade. E nem que estou totalmente errado...

1. Você gosta de funk carioca? Por que?
2. Gosta de teatro nô? Por que?
3. Gosta de tecno? Por que?
4. Existe algum gênero de música do qual você não goste? Qual? Por que você não gosta?


Eu falei o tempo todo de uma expressão - "influência do meio". Você só falou de duas -> pré-conceito ou preconceito e a questão psicológica e/ou psiquiátrica...

Não gosto de funk carioca porque não faz parte da minha realidade nem do meio que frequento, nem tenho nenhum amigo pessoal que gosta... Senão, com toda certeza, também iria gostar...(gosto da mulher melancia, lógico... rsrs).

Você fala como se eu tivesse a obrigação de comentar as suas coisas ANTES de você tecer suas valiosas opiniões sobre as minhas.

?

Pára com isso, a vida é muito curta prá gente ficar com essas coisinhas...o ser humano já está quase chegando em Marte e nós aqui, na nossa mediocridade, tentando defender nossos pobres egos feridos... rsrs

Tá bom, vou ouvir e comentar suas gravações, depois você ouve e comenta as minhas, ok?

Abs.

supermulti
Revelação e Virtuose
Prêmio FCC violão 2008
# dez/08
· votar


Obrigado a todos, principalmente ao Makumbator, ao Pardal, ao Prof. Rosélio Araújo, ao Soulface, ao Minow, ao MauricioBahia, entre outros, por contribuírem com este tópico de forma civilizada, inteligente e irreverente. Já dirimi minhas dúvidas acerca do assunto, e acho que já é hora de fechar o tópico.

Abs.

Você não pode enviar mensagens, pois este tópico está fechado.
 

Tópicos relacionados a Violão, uma Paixão Nacional - Por que será? - supermulti