Como fazer pra adicionar o efeito de "mordida" ao som sem pedal de "presence"

    Autor Mensagem
    Jaunzera
    Membro Novato
    # 14/jun/22 17:22


    Bem, eu curto bastante esse estilo mais Thrash metal, embora agora eu esteja partindo pra uns outros estilos, mas isso não importa muito agora. O que importa é: troquei de amp no ano passado, comprei um O'Neal 1201 ou algo assim (tava com um mercúrio 20W de distorção abelhuda) e comprei junto um pedal de distorção high gain Micro Metal Muff . To gostando pra caramba do conjunto, mas nenhum dos dois possui o knob de "presence" que é aquele que impulsiona as frequências acima do high. O meu pedal até tem um top boost, mas ele só impulsiona os médios e agudos mesmo.
    A grande pergunta aqui é: tem um jeito de adicionar esse efeito de "mordida", como por exemplo no tom do Megadeth, sem esse knob de presence? Se der até com um pedalzinho de EQ, pra mim tá valendo. O que me preocupa é se não tiver jeito mesmo. Da pra tirar um sonzinho bacana, mas sem essas mordidas não soa a mesma coisa :/

    Lelo Mig
    Membro
    # 15/jun/22 00:36
    · votar


    Jaunzera

    "esse efeito de "mordida""

    Linka um exemplo aí porque com essa terminologia tá foda de entender o que você quer.

    LeandroP
    Moderador
    # 15/jun/22 08:34
    · votar


    Jaunzera

    Experimente utilizar um pedal de overdrive do tipo Tube Screamer antes do Metal Muff. Se não tiver um pedal do tipo TS à sua disposição, teste com outro pedal simples de overdrive. Isso deve envenenar mais o sinal da guitarra antes de chegar no Metal Muff, e pode ser que consiga chegar no seu objetivo.

    Grimc
    Veterano
    # 15/jun/22 09:42 · Editado por: Grimc
    · votar


    A grande pergunta aqui é: tem um jeito de adicionar esse efeito de "mordida", como por exemplo no tom do Megadeth, sem esse knob de presence? Se der até com um pedalzinho de EQ, pra mim tá valendo. O que me preocupa é se não tiver jeito mesmo. Da pra tirar um sonzinho bacana, mas sem essas mordidas não soa a mesma coisa :/

    Overdrive como o LeandroP sugeriu pode dar conta, pois além de boost ele também serve como pré-filtro antes do seu ganho (o tone knob atua). EQ é com certeza a opção mais versátil, tanto na frente do ampli quanto no loop de efeitos (se tiver). Geralmente o knob de presença atua no power do ampli, então se o ampli tiver um loop de efeitos, colocar um EQ lá pode te ajudar a buscar o mesmo efeito. Se não quiser descer 700 conto num tube screamer da Ibanez, qualquer pedalzinho verde de OD, como o Joyo Vintage Overdrive (acho que é esse o nome) serve. Alias, provavelmente vai até fazer um trabalho melhor do que o tube screamer pra isso que você busca, pois esses clones de tube screamer costumam ter um som mais aberto que o tube screamer original. O pedal PERFEITO pra isso, seria o Horizon Devices Precision Drive (pedal do Misha Mansoor), que na minha opinião é o melhor pedal de overdrive pra metal, mas custa uma nota, o dobro dum tube screamer.

    Engraçado que eu tenho um ampzinho de estudo da oneal que tem knob de presence, bizarro não ter nos modelos maiores

    Lelo Mig
    Linka um exemplo aí porque com essa terminologia tá foda de entender o que você quer.


    Pessoal chama de "bite" ou mordida aquele som percussivo e definido de uma base high gain. Geralmente é o resultado que se alcança realçando um pouco a presença do ampli. Pior que essa é a terminologia que aparece até nos manual dos amplis da Blackstar por exemplo.

    BrotherCrow
    Membro Novato
    # 15/jun/22 11:27
    · votar


    Na verdade o "presence" não é bem essa "mordida". Presence nada mais é do que um controle de agudos que fica depois do power (ou seja, você tem uma equalização do pré, ela vai pro power, e depois do power o presence é um eq a mais). Isso que você está descrevendo parece mais o que o pessoal falou: botar um Tubescreamer na frente pra deixar o grave mais "tight" e o ataque mais definido.

    Grimc
    Veterano
    # 15/jun/22 11:52 · Editado por: Grimc
    · votar


    Na verdade o "presence" não é bem essa "mordida". Presence nada mais é do que um controle de agudos que fica depois do power (ou seja, você tem uma equalização do pré, ela vai pro power, e depois do power o presence é um eq a mais). Isso que você está descrevendo parece mais o que o pessoal falou: botar um Tubescreamer na frente pra deixar o grave mais "tight" e o ataque mais definido.


    Dependendo do ampli, o presence não só aumenta agudos como diminui graves e low mids também, nesses casos ele realmente ajuda no bite sim.

    makumbator
    Moderador
    # 15/jun/22 12:45 · Editado por: makumbator
    · votar


    Além do que falaram, outra dica é não exagerar no ganho da distorção. O sinal da guitarra perde definição se for soterrado pela distorção. Nesse caso, menos distorção deixa o som mais “tight”, articulado e com menos fizz.

    Não exagerar no grave da guitarra também ajuda (deixando o corpo mais para o contrabaixo).

    A não ser que queria emular death metal sueco old school, mantenha a distorção em um nível mais comedido.

    Grimc
    Veterano
    # 15/jun/22 13:29 · Editado por: Grimc
    · votar


    A não ser que queria emular death metal sueco old school

    Aí só com o HM-2 ou algum clone rsrs


    Além disso é importante observar que a sugestão do overdrive se refere a usar o pedal só como booster, ou seja, drive zerado e só um volume extra pra empurrar (o classico no tube screamer é volume no maximo, drive no zero, e tone a gosto). Se começa a misturar distorção do overdrive com a do muff, vai ficar mais embolado ainda em vez de ajudar. E como você já vai tar empurrando com o overdrive, você diminui o ganho no muff pra equilibrar.

    makumbator
    Moderador
    # 15/jun/22 13:33 · Editado por: makumbator
    · votar


    Grimc

    Aí só com o HM-2 ou algum clone rsrs

    E com o ganho no talo! Hahah

    Grimc
    Veterano
    # 15/jun/22 13:35
    · votar


    E com o ganho no talo! Hahah

    Unica configuração aceitável daquele pedal é com todos os knobs no máximo. Hahaha

    LeandroP
    Moderador
    # 15/jun/22 13:40 · Editado por: LeandroP
    · votar


    makumbator

    mantenha a distorção em um nível mais comedido.

    Pois é... Tem que saber como temperar.
    Eu uso dois overdrives em série. Um TS e depois um DOD Preamp 250.
    Deixo o DOD com uma sujeira leve (cowntry/blues) e TS eu deixo antes com um pouco mais de saturação. Os dois juntos eu consigo um drive bem carnudo, do jeito que eu curto. Também brinco um pouco com os médios do TS (cut e boost moderados). E tenho um MXR Prime distortion que uso numa configuração bem parecida com o DOD, com a distorção moderada. Sozinho, é aquela distorção '80; e com o TS antes, na mesma picadilha, faz a guitarra cantar bonito! O falante de 12" também ajuda!

    makumbator
    Moderador
    # 15/jun/22 13:49
    · votar


    LeandroP

    Sim, a combinação de diferentes drives em quantidades pequenas quase sempre fica mais interessante que apenas um dos pedais do set com a quantidade de distorção de todos os outros aplicada nele. O caráter fica diferente.

    E até pedal de drive usado sem distorção alguma também fica bom (assim como certos compressores ficam legais mesmo sem aplicar redução dinâmica, apenas dando um molho de timbre no sinal).

    Grimc
    Veterano
    # 15/jun/22 14:36 · Editado por: Grimc
    · votar


    LeandroP

    Eu uso dois overdrives em série. Um TS e depois um DOD Preamp 250.
    Deixo o DOD com uma sujeira leve (cowntry/blues) e TS eu deixo antes com um pouco mais de saturação. Os dois juntos eu consigo um drive bem carnudo, do jeito que eu curto. Também brinco um pouco com os médios do TS (cut e boost moderados). E tenho um MXR Prime distortion que uso numa configuração bem parecida com o DOD, com a distorção moderada. Sozinho, é aquela distorção '80; e com o TS antes, na mesma picadilha, faz a guitarra cantar bonito! O falante de 12" também ajuda!


    Eu como sou guitarrista de plugin, gosto muito de combinar o overdrive com o pre-amp, e um post-eq depois do amp. O overdrive e os knobs do ampli simulado servem mais de pre-filtros, depois eu ajusto os microfones na simulação de caixa, e depois disso se tiver alguma coisa que eu ache que tá sobrando ou faltando, eu tiro num eq paramétrico. Numa situação de gear real, eu usaria um od, num pedal de pre-amp (como por exemplo um joyo california ii se fosse montar com pedais baratinhos, ou um Victory Duchess v4 se eu tivesse bastante dólares americanos), e aí ou num IR ou numa caixa, com um EQzinho no loop de efeitos. Talvez um compressor antes de tudo isso, pros cleans.

    Lelo Mig
    Membro
    # 15/jun/22 14:55 · Editado por: Lelo Mig
    · votar


    Grimc

    "Pessoal chama de "bite" ou mordida aquele som percussivo..."

    Valeu! Eu realmente não conhecia essa expressão (em guitarra) e não estava entendendo direito qual o sentido.

    Mas, apesar da terminologia, pelas descrições todas que li acima, acho que é "apenas som de metal" com algum punch.

    Tipo 2:30 - 3:10 desse vídeo.



    LeandroP
    Moderador
    # 15/jun/22 15:30
    · votar


    Lelo Mig
    acho que é "apenas som de metal" com algum punch

    Basicamente é isso mesmo.

    Grimc

    Eu também curto utilizar dessa maneira. Quanto a equalização, eu levo em consideração o pré do amplificador. E dependendo da circunstância eu tenho um pedal pré-amp que utilizo às vezes como um boost limpo ou pra arredondar o som. De qualquer forma, tudo tem que estar em harmonia com o amplificador e caixas. Atualmente venho utilizando um amplificador de contrabaixo (falante de 15" - um monstro rs) que me proporciona timbres bem legais, do céu ao inferno rs

    BrotherCrow
    Membro Novato
    # 15/jun/22 16:38
    · votar


    Grimc
    Dependendo do ampli, o presence não só aumenta agudos como diminui graves e low mids também, nesses casos ele realmente ajuda no bite sim.
    Beleza, mas meu ponto é que o presence nada mais é que um eq que entra depois do power. Parece que o que o guri quer é o som do TS antes do pré, pra dar aquela apertada na distorção.

    LeandroP
    Moderador
    # 15/jun/22 16:58
    · votar


    Jaunzera

    Um tiro quase que certeiro pro seu caso é utilizar o pedal Sansamp GT2.

    Este pedal é na realidade um simulador analógico de amplificador, que vai do som limpo ao saturado em poucos passos.

    Pedais com circuito similar ou idêntico ao original foram lançados ao longo dos anos e muitos tiveram o mesmo rendimento do original, senão até melhores.

    Eu recomendo o modelo da Onner, o pedal modelo AS-1.

    Duvido você colocar ele no modo "California" e não encontrar o punch que você busca pra tocar um thrash raivoso.

    O único inconveniente, dependendo das circunstância, é a compressão da distorção. Este pedal precisa de uma coleira pra segurar ele firme rs

    [imagem do pedal onner as1]

    Grimc
    Veterano
    # 15/jun/22 17:13 · Editado por: Grimc
    · votar


    LeandroP

    O único inconveniente, dependendo das circunstância, é a compressão da distorção. Este pedal precisa de uma coleira pra segurar ele firme rs

    Esse é o motivo de eu ter uma relação de amor e ódio com GT2 clones. Pra chugzão, base pesada e tal, é uma maquina (e parece ser o que o OP procura mesmo), pra lead as vezes eu sinto falta de dinâmica nele, dependendo do que for tocar. De qualquer forma, ele sempre pode timbrar o GT2 pra base e o metal muff pra leads, e colocar um a/b box no meio pra trocar numa pisada só. Aí ta com todas as bases cobertas

    De qualquer forma, foi o núcleo do meu som por bastante tempo. Usava mais no British, achava o California meio embolado, mas ambos tem bastante sujeira.

    LeandroP
    Moderador
    # 15/jun/22 17:16
    · votar


    Grimc

    Sim, o British é o mais legal.
    Outra noite salvou a minha pele quando fui tocar num bar de playboy que não servia nem água pro músico, imagine um amplificador decente. Liguei na mesa e toquei com a força do ódio rs

    krixzy
    Veterano
    # 16/jun/22 18:37
    · votar


    Jaunzera
    Cara, som de metal é a coisa mais simples que existe, basicamente tudo que você vai ouvir por aí é montado com um overdrive dando boost em alguma distorção, TS + Amp ou TS + pedal de distorção, essa é a base.

    Pra você entender, o TS da uma apertada nos graves da distorção, dando mais definição e punch

    Se esse teu amp tiver send return experimenta fazer essa ligação direto no return.

    Rei Arthur Pendragon
    Veterano
    # ontem às 13:26 · Editado por: Rei Arthur Pendragon
    · votar


    Com um equalizador, tem algumas frequências que podem ajudar:

    -Aumentar 5 a 6 Kh : Talvez resolva essa parte do "presence", pq deixa o som mais claro e brilhante/cortante.

    -Aumentar 3 a 4 Kh : Dar um boost nessa área traz mais harmônicos e tb aumenta o ataque da palheta.

    -Cortar abaixo de 100Hz ajuda a tirar aquele boom q conflita c baixo e bumbo.

    -Reduzir 200 a 400 pode ajudar a tirar aquela "lama" que deixa o som indefinido

    -aumentar em algumas freq. na área dos médios - 800hz, 1kh, 2Kh - pode deixar o som mais definido (800hz a 1,6kh) e tb dar uma "mordida (2k)" (especialmente se vc tb baixar as regiões graves abaixo 100hz e tb reduzir um pouco entre 200hz a 400hz - aquela "lama" mencionada acima) - isso tira a guitarra do caminho de outros instrumentos, como baixo e bateria. Inserir o aquele tube screamer q a galera falou aqui funciona bem aqui tb como alternativa a esses vários ajustes de frequências - aumentar médio/cortar grave. Alguns acham os cortes dele são um pouco exagerados.

    A onda é experimentar e fazer testes c essas alternativas e ver o que ajuda a chegar nesse som que tá na tua cabeça, pois nem sempre a solução é aquilo que a gente imagina.

      Enviar sua resposta para este assunto
              Tablatura   
      Responder tópico na versão original
       

      Tópicos relacionados a Como fazer pra adicionar o efeito de "mordida" ao som sem pedal de "presence"