Review - Line 6 Variax 600

    Autor Mensagem
    prog_jam
    Veterano
    # abr/11


    Fala, galera!

    Esse é pra falar um pouco sobre a Variax 600, especificamente, numa tentativa de um ponto de vista mais técnico e pessoal (dado que falo da minha experiência com a minha guitarra).

    O corpo dela é de basswood, com contornos suaves e que se encaixam muito bem em mim. Um conforto a mais, dado que minha posição de tocar em pé é exatamente igual a de tocar sentado. Com minha outra guitarra, uma telecaster, esse conforto era virtualmente impossível.

    Os captadores são de cristal piezo da LR Baggs (a mesma que fornece os captadores utilizados nos violões Martin Co.), bem como a ponte tremolo, que possui uma entonação perfeita. O único inconveniente, pra mim, é que a tele tinha um raio de escala de 16" e comprimento de 24 3/4, enquanto que a variax possui apenas 9 1/2" de raio e um comprimento maior de escala (25 1/2"), o que faz com que as cordas fiquem um pouco mais tensionadas e, por conta do raio, a ação das cordas tem de ser mais alta um pouco. Bends extremos, assim como nos instrumentos vintage, é uma coisa inexistente.

    Não sei se por conta da madeira, formato, construção ou tudo junto, o som dela ficou mais interessante com encordoamento de calibre 0.10. Atualmente ela está com 0.11. A marca? Elixir. Em tempo, o som da 0.10 ficou mais brilhante e definido, fora que ficou mais macia de tocar e aproveitar o tremolo sem dor no braço.

    Falando em braço, o dela é de maple (uma peça única). Os captadores são seis: um pra cada corda. Não possuem hum nenhum, mesmo com distorção no talo e sistema não aterrado. As tarrachas poderiam ser um pouco mais precisas, mas nada que não seja resolvido com delicadeza e carinho na hora de afinar. A ponte é facilmente ajustável, porém ela possui um erro: a alavanca é de encaixe e há um parafuso do tipo allen para travá-la, se assim desejar. O defeito é que o parafuso fica na lateral, não servindo, portanto, para tirar a folga que se forma no buraco por uso contínuo, e esse buraco produz som quando o tremolo é usado com um pouco mais de vigor (em situação de vibrato, por exemplo) e isso exige um certo cuidado por parte do músico. Em contrapartida, bastou remover os abaixadores das cordas (nela só veio o da E e B) e passar grafite no nut para que ela não mais desafinasse com o uso da alavanca (leve em consideração que minhas cordas mal dão uma volta inteira no pino da tarracha e elas não têm trava e que o uso dessa alavanca não proporciona muito mais de uma terça abaixo).

    As simulações são muito perfeitas, mas você precisa ter calma para encontrar a melhor equalização para cada uma, mas nada que algumas horas tocando não resolvam. As única simulações que não consegui timbrar satisfatoriamente ainda foram a da Rickenbaker 12 cordas e dos resonators.

    Com relação aos trabalhos que precisam ser feitos, a minha eu comprei usada. Paguei por ela preço de variax 300. Ela precisou de uma regulagem caprichada e cuidadosa (que eu mesmo fiz) e necessita de um pequeno nivelamento de trastes (que ainda vou fazer, mas preciso da ferramenta certa pra não danificar a escala).

    A guitarra só funciona alimentada, alimentação essa que pode ser feita por bateria 9v ou 6 pilhas tamanho AA ou phantom power (do pedal que vem com ela ou de algum outro, como POD XT Live e etc).
    O pedal que vem com ela é um A/B Box. De um lado entra um cabo estéreo que alimenta a guitarra e envia o sinal. Do outro há duas saídas: uma de plugue 1/4" ou P-10, que vai direto pro amp (bom para as simulações de guitarras) e uma tipo canon, balanceada e com ganho de 4Db que vai direto pra mesa (bom para as simulações acústicas). Essa última funciona pras simulações de guitarra também, mas não para todas e não com 100% de aproveitamento.

    No geral achei ela muito boa, mas sinto que ela ainda tem muito mais pra me dar. Preciso de mais tempo de estrada com ela pra conseguir extrair tudo o que ela pode oferecer de maneira eficiente, mas o pouco que conquistei já tem me deixado bastante satisfeito.
    Tenho pra mim que é um instrumento muito profissional que para trabalhos em estúdio é fenomenal (imagina: só o fato de não ter de carregar um reboque com 20 instrumentos diferentes...) e ao vivo tem sido de extrema valia. Troquei minha telecaster nela e não possuo ressentimento algum.

    Comentários, dúvidas, críticas e sugestões: postar abaixo.

    Valeu!

    erico.ascencao
    Veterano
    # abr/11
    · votar


    Deve ter sido um ótimo negócio, principalmente se você curte timbres diferentes. Agora fica a pergunta: será que a Line6 não esta planejando um novo lançamento em termos de Variax?

    T-Rodman
    Veterano
    # abr/11
    · votar


    erico.ascencao
    Já tem as JVT-69 e JVT-89:
    http://www.gigasonic.com/cat-electric-guitars.htm
    http://www.gigasonic.com/images/line6jtv693t.jpg
    elas tem todo o sistema da Variax, e acho que tem mais os captadores inclusos nela.

    prog_jam
    Veterano
    # abr/11
    · votar


    erico.ascencao
    De fato foi sim. O próximo passo é a James Tyler, mas ainda falta a grana pra isso. Inclusive, respondendo a sua pergunta, a Line6 já lançou o modelo em questão. Ela possui o sistema da Variax melhorado, três captadores "normais", um botão que modula a afinação (troca pra drop D ou afinações abertas) sem latência, possui bateria de lítio recarregável com medidor.

    erico.ascencao
    T-Rodman
    O site dela é esse aqui: http://tylervariax.com/

    marcelodia
    Veterano
    # ago/13
    · votar


    Excelente review. Tenho uma 600 e estou muito satisfeito com o desempenho e os trimbres. É um instrumento fantástico, com simulações quase idênticas aos instrumentos originais. O maior problema mesmo é a equalização, pois tratam-se de vários instrumentos, cada qual com sua característica sonora. E acertar a eq leva um bom tempo mesmo. Mas o resultado compensa.

      Enviar sua resposta para este assunto
              Tablatura   
      Responder tópico na versão original
       

      Tópicos relacionados a Review - Line 6 Variax 600