Acordes característicos dos Modos Gregos

Autor Mensagem
Filippo14
Veterano
# mai/13
· votar


renatoff
Essa parte eu entendi hahah\. Eu acho o jeito mais simples de entender do modo que o Markrovit explicou. O lance é realmente ver o que é diferente. Um lance que funciona super bem é "criar" shapes de pentatonica para os modos gregos.

Pegue a tetrade do acorde desejado e adicione a nota caracteristica. Por exemplo um lídio:
Você tocaria na penta dele a T-3-4#-5-7M
Dórico- T-3m-5-6-7
Mixo- T-3-4-5-7 (como a nota caracteristica está na tetrade, é de costume completar com a 4)
Lócrio - T-3m-4-5m-7 (mesma coisa que o mixo)
Jônio - T-3M-4-5-7M (o lance da quarta)
Eólio - T-3m-4-5-7
Frígio- T-2b-3m-5-7 (o problema do frígio é que o intervalo de segunda menor é muito tenso e "feio" sendo muito pouco usado. Por isso que essa penta é pouco usada. Contudo vale ressaltar que um intervalo de 9b não fica feio, sendo a nota caracteristica do frigio sendo usada desse modo. Outra coisa legal de ser estudada posteriormente é o anti-relativo. Ele é gerado atraves do relativo menor do dominante do acorde. Pensando em Cmaj7, o seu dominante seria o G7 e o relativo do G7 seria o Em7. Portanto o anti-relativo do Cmaj7 é o Em7. O anti-relativo do jônio é o frígio e fica muito bom tocar um arpejo de Em7 quando está rolando um acorde de Cmaj7/Am7. A forma que eu mais gosto de utilizar o "frigio" seria somente dessa forma, ela da uma sonoridade "chique" para o solo)

Espero ter ajudado. Qualquer coisa que ficou ruim de entender eu tento explicar melhor.

Abração

LeandroP
Moderador
# mai/13
· votar


renatoff
só quero saber como sei qual é a nota evitada de cada modo grego...

A nota evitada de cada modo é aquela que forma um intervalo de 2a menor com qualquer grau da tríade. O intervalo varia de posição entre os graus de acordo com cada modo. Por exemplo, em um acorde maior, o intervalo de 4a justa é evitado por formar um intervalo de 2a menor com a 3a maior da tríade. Entretanto, no acorde menor isso não ocorre com a 4a justa, porque a 3a do acorde é menor e a distância é de um tom inteiro, formando um intervalo de 2a maior entre o IIIº e IVº grau. Como disse o Filippo14, por exemplo, sobre o modo frígio, o intervalo de 2a menor soa "feio" muitas vezes, mas é um intervalo característico do modo. É interessante utilizá-lo mais como uma "nota de passagem" entre a tônica e a terça menor, por exemplo. O mesmo para o modo frígio dominante, que diferencia-se do frígio natural por possuir uma 3a maior em vez da 3a menor.

lucas.hammett
Membro
# mai/13
· votar


por exemplo tocar C# num acorde de C

vcê "nunca" vai tocar um C# em cima de um C

olha o que eu te recomendo a fazer é, grave vcê mesmo uma base só com um acorde, por exemplo como eu faço, digamos que vcê grave uma base em Am, agora pense nas possibilidades, ele pode ser dórico, frígio ou eólio, a partir daí comece a improvisar e repare no som característico de cada modo, experimente as notas e veja qual soa bem ao seu ouvido, eu por exemplo não curto muito a escala menor melódica, eu prefiro mais a hamônica.

vcê tbm pode colocar um acorde dominante na base, Am - E7 e tocar a escala de Am harmonica quando parar no E7, pode tocar no Am tbm mas fica melhor em acordes dominantes, e sempre que estiver tocando em acordes maiores, evite a 4ª, por exemplo em C a nota F não soa bem, e em acordes menores tome cuidado com a 6ª e a 2ª (a segunda nem tanto)

Denis Guitar
Veterano
# mai/13
· votar


lucas.hammett
"e sempre que estiver tocando em acordes maiores, evite a 4ª, por exemplo em C a nota F não soa bem"

Só complementando a tua frase:

Em música tonal evite o repouso na quarta justa do tom em acordes maiores com função tônica.

"em acordes menores tome cuidado com a 6ª e a 2ª (a segunda nem tanto)"

Em música tonal evite o repouso na sexta menor do tom em acordes menores com função tônica. Agora essa regra tem excessões como a sexta menor em cima do quarto grau do campo harmônico menor (sexta napolitana), ou mesmo a sexta menor em cima do sexto grau do campo harmônico maior mudando a função do acorde para uma inversão do quarto grau. A segunda maior em acorde menor sempre funciona bem, fica bonito.

Filippo14
"o problema do frígio é que o intervalo de segunda menor é muito tenso e "feio" sendo muito pouco usado"

É usado sim, é a característica do modo. Quando essa nota existe no acorde da base é comum repousar nela. Quando não existe o repouso é encurtado, mas deverá aparecer mesmo como nota de passagem para entregar a intenção modal.

renatoff
"por exemplo tocar C# num acorde de C, você "nunca" vai tocar um C# em cima de um C"

Toca sim, está esquecendo os modos da harmônica por exemplo. O que seria do frígio maior sem essa característica?!? Claro, isso é gosto pessoal, tem gente que não suporta ouvir tensão, quer resolver todas o mais rapidamente possível. Daí vai de cada um...

Denis Guitar
Veterano
# mai/13
· votar


Pra quem quiser praticar um pouco de intenções modais sobre um backing track apenas com o acorde de C, tenho uma aula no meu site:

Aplicação Modal das Pentatônicas m7, m6 e M7

Procure o backing no final do texto. Escrevi também 7 solos para ilustrar as aplicações modais das pentatônicas, tudo com tablatura e audio.

lucas.hammett
Membro
# mai/13
· votar


Denis Guitar
é eu esqueci de colocar 6ªm e 2ªm

Toca sim, está esquecendo os modos da harmônica por exemplo

é bom evitar complicações pra quem está começando kkk, eu aprendi ouvindo que não existe E e B sustenidos, depois fui saber que existe e porque... kkk

lucas.hammett
Membro
# mai/13
· votar


Denis Guitar
dei uma olhada no teu site, bem legal o conteúdo!

Denis Guitar
Veterano
# mai/13
· votar


lucas.hammett
Legal que você curtiu Lucas, tenho publicado coisas novas todas semanas, então dê uma olhada sempre pois o site tá crescendo rápido. Abração!

Filippo14
Veterano
# jun/13
· votar


Denis Guitar
Mano, mas como eu disse, ninguém vai tocar um intervalo de 2ª menor e repousar nela. As notas caracteristicas dos modos servem para dar a intenção de cada modo, contudo a 2ª menor soa errada mesmo, parece que você ta afinando o instrumento por serem notas muito perto uma da outra. Agora, repousar em uma 9ª menor, ai sim, valido para caramba porque tira um pouco da tensão que existia antes e ai sim, funciona super bem, gerando dessa vez uma tensão forte, mas bem bonita. Agora simplesmente passar por uma 2ª menor todo mundo pode fazer, na verdade pode-se passar por qualquer nota, a questão é saber onde vai repousar.

Abraço

LeBron James
Membro Novato
# 03/fev/19 10:58 · Editado por: LeBron James
· votar


Estou em dúvidas na montagem dos acordes modais do modo frigio e lidio.

Frigio é T7/4(b9) ou Tm7/4(b9)?

e-------X-----------------------------------------------
B-------3?-----------------------------------------------
G-------4-----------------------------------------------
D-------5-----------------------------------------------
A-------X-----------------------------------------------
E-------5?-----------------------------------------------


Lidio - T7M(#11)

e-------6?-----------------------------------------------
B-------5-----------------------------------------------
G-------5-----------------------------------------------
D-------7?-----------------------------------------------
A-------8-----------------------------------------------
E-------X-----------------------------------------------


LeandroP
Moderador
# 03/fev/19 11:58
· votar


LeBron James

Frígio é menor.
Além da tétrade (T, b3, 5 e 7) você tem disponíveis as tensões b2, b6 e 11. Sendo que os intervalos b2 e b6 provocam uma tensão muito maior na formação do acorde, e o intervalo 11 deixa o acorde mais suspenso.

Com o acorde do modo lídio, que é um acorde do tipo maior, você tem além da tétrade (T, 3, 5 e 7M) as tensões de 6, 9, #11. Qualquer um desses intervalos podem entrar na formação do acorde. O intervalo #11 é quem vai caracterizar definitivamente o modo.

Enviar sua resposta para este assunto
        Tablatura   
Responder tópico na versão original
 

Tópicos relacionados a Acordes característicos dos Modos Gregos