A volta da fita cassete (K7)

Autor Mensagem
Casper
Veterano
# 17/nov/18 18:24


Na onda do "tudo que é ruim um dia retorna"
o K7 está retornando também:

https://www.channelnews.com.au/109992-2/

https://10bestportable.com/best-portable-cassette-players/

https://tapeheadcity.com/collections/blank-tapes


Alguns artistas já se movimentam:
https://store.gorillaz.com/uk/the-now-now-cassette.html

entamoeba
Membro Novato
# 17/nov/18 18:47
· votar


Tenho várias guardadas! Será que tem quem compre?

Tenho disquetes de 5"1/4 também.

Casper
Veterano
# 17/nov/18 18:50
· votar


Vai vender fácil os K7's

fernando tecladista
Veterano
# 17/nov/18 20:27
· votar


mundo digital é um caminho sem volta


vai ficar naquela coisa de mercado hipster, cool, vegano baitola....

vinil a pessoa tem uma duzia de LPs pra ouvir em casa no domingo a tarde, K7 vai ser igual

mas como pouca gente tem pouco tempo pra sentar na poltrona de frente ao som de responsa na sala,
maioria das vezes o cara vai ouvir musica no spotify com fone mesmo
como muita gente nem tem mais som de responsa, poltrona e sala em casa, essas coisas não vira ouvir no radinho a pilha

Casper
Veterano
# 17/nov/18 21:13
· votar


Caro fernando tecladista:

mundo digital é um caminho sem volta


Para reprodução eu não tenho a menor dúvida.
Não tem como nenhum meio analógico competir
com uma Universal Audio Apollo, por exemplo.

E eu sou bastante conservador, mas contra
o fato é complicado ter algum argumento.

O que eu achei é que existiria algum tipo de
mídia digital (SACD ou mesmo CD) por mais
algum tempo. Nem isso.

Synth-Men
Veterano
# 17/nov/18 21:45 · Editado por: Synth-Men
· votar


Do jeito que o povo está, não quer ter trabalho com nada. Nem mesmo a galera das antigas. Imagine o meliante levantando do sofá para virar a fita do lado A para o lado B e depois apertar o play. Depois levantar novamente e retirar o K7 do deck, colocá-lo na capa em seguida na estante.

Acredito que retorne sim. Mas para amantes e colecionadores.

Hoje o ser humano senta no vaso, olha o papel higiênico no suporte ao lado e digita no Google: - Como me limpar sem usar as mãos? Como se houvesse uma solução digital ou virtual para o caso.

Quem utilizou e migrou para as outras mídias, evoluiu junto, sabe da mágia incrível que foi. Quem já abriu um rádio toca-fitas ou viu como a fita passava no cabeçote, sabe do que estou falando.

Particularmente tenho um enoooooorme saudosismo das características sonoras do som de K7. Aquela acelerada no fim do rolo e desacelerado no início. Tive muitas, gravei muitas até o ano 2000, mesmo já tendo CDs desde 1993. Hoje mesmo, pela manhã eu estava olhando um vídeo de um gravador multipista K7 da Tascam. Gravei muito áudio em fita de vídeo também. Inclusive eu tocando.

Mas o mundo é isto aí. Evoluindo quase sempre para melhor. Se nem o CD resistiu, imagine os K7s. Que retornem!

Lelo Mig
Membro
# 18/nov/18 00:07
· votar


Casper

To vendendo uma Lamparina a Querosene...

basstreble
Veterano
# 19/nov/18 02:04
· votar


Eu tenho boas lembranças da fita cassete porque fez parte de minha infância. Na verdade cheguei a ver o fim do uso do disco de vinil naquela época. Sobre as fitas algumas tinham a qualidade de som razoável pois naqueles anos a pirataria tomou conta em questão de tapes. Além disso todos conhecem que ela é um imã e a fricção "analógica" criava um ruído. Mas é como eu disse: lembro com muito carinho pois foi de minha infância. Lembro que ficava muito alegre quando minha mãe comprava radio gravador e até rádios comuns ou íamos comprar as fitas. Eu colocava, ouvia as músicas manuseando a capa!!

basstreble
Veterano
# 19/nov/18 02:06
· votar


entamoeba
Tenho várias guardadas! Será que tem quem compre?

As minhas estão jogadas no quintal kkk no começo fiquei triste pois foram compradas quando eu ainda era menino!!

basstreble
Veterano
# 19/nov/18 02:09
· votar


Lelo Mig
To vendendo uma Lamparina a Querosene...

kkkkk

basstreble
Veterano
# 19/nov/18 02:13
· votar


Synth-Men
Quem utilizou e migrou para as outras mídias, evoluiu junto, sabe da mágia incrível que foi. Quem já abriu um rádio toca-fitas ou viu como a fita passava no cabeçote, sabe do que estou falando.

kkParticularmente tenho um enoooooorme saudosismo das características sonoras do som de K7. Aquela acelerada no fim do rolo e desacelerado no início. Tive muitas, gravei muitas até o ano 2000, mesmo já tendo CDs desde 1993. Hoje mesmo, pela manhã eu estava olhando um vídeo de um gravador multipista K7 da Tascam. Gravei muito áudio em fita de vídeo também. Inclusive eu tocando.

Eu gostava de ficar olhando pela tampa do deck. Uma vez (quando menino) quase apanhei de minha mãe porque coloquei uma fita pra tocar ao contrário kkk ela ficou totalmente invertida e era emprestada!!

JJJ
Veterano
# 19/nov/18 08:14 · Editado por: JJJ
· votar


Tem um monte de coisas a serem consideradas aqui...

Saudosismo? OK, existe, sim. Eu mesmo sou muito saudosista. Hoje em dia, não há sensação comparável ao que era comprar um vinilzão. Lembro quando comprei o Animals, do Pink Floyd, só pra citar um exemplo. A descoberta das músicas, a capa, as informações e imagens que só o tamanho de um vinil pode oferecer... enquanto a bolacha rolava na vitrola estéreo, com duas caixas grandes de madeira e 3 falantes... isso não existe mais.

Mas não é só isso.

Pirataria pode ser uma palavra-chave aqui. O digital trouxe consigo o cerne da destruição do sistema fonográfico. Óbvio que eles sabem disso e devem querer experimentar algum tipo de volta ao passado, ainda que improvável, pra ver se retomam os dias de glória das gravadoras.

Outro ponto é o avanço tecnológico. Se o analógico não tivesse morrido (ou, digamos, hibernado) durante quase 40 anos, imaginem a qualidade sonora que teríamos hoje. Se, naquela época, as fitas de metal em cassete players top da Technics ou Marantz, por exemplo, já tinham um som muito superior ao de uma fita comum num player comum... hoje, com certeza, teríamos qualidade extrema. Temos tecnologia, tranquilo, pra contornar qualquer hiss ou hum que venha de mídias analógicas.

Felipe Stathopoulos
Membro Novato
# 20/nov/18 08:59
· votar


Caramba, eu entendo a "volta" do vinil, tem todo um charme, tem os encartes, e a tecnologia dos tocadores de hoje é sensacional, embora seja coisa pra quem tem bala na agulha sobrando.

Mas K7? Pqp, sempre foi uma porcaria, só era bom porque a gente gravava as coisas que queria, gravava o q tocava na rádio, ou as coletâneas pra tocar no bailinho da escola e tals...

Mais uma hype, igual à do gravador de rolo...

Nusss, nem lembrava que existia uns K7 "diferentes", fitas de metal, de cromo e tals, rsrsrs... Nunca tive nenhuma (não tinha grana pra esses luxos)...

JJJ
Veterano
# 20/nov/18 09:10
· votar


Felipe Stathopoulos

Mas o som bem ruinzão era o de k7 vagaba comprado no camelô, TDK paraguaia, gravado num tijolinho National Panasonic mono.

Agora, fitas de cromo ou metal, gravadas em tape-decks de qualidade, com dolby e o escambau, tinham um som incomparavelmente melhor.

Felipe Stathopoulos
Membro Novato
# 20/nov/18 09:18 · Editado por: Felipe Stathopoulos
· votar


JJJ

Ah sim, pode ser, nunca tive grana pra comprar dessas.

O que me irrita no cassete é aquele negócio de ficar rebobinando, acho uma baita perda de tempo lascado.

JJJ
Veterano
# 20/nov/18 09:59
· votar


Felipe Stathopoulos
aquele negócio de ficar rebobinando

Mas até isso tinha algumas melhorias, tipo auto-reverse, rebobinamento "turbo". Enfim... o que eu penso é que, se essa tecnologia não tivesse parado, nesses 30, 40 anos, teria evoluído ainda mais. Provavelmente, hoje, teríamos um som perto da perfeição, mesmo com fitas k7.

basstreble
Veterano
# 20/nov/18 14:09 · Editado por: basstreble
· votar


Felipe Stathopoulos
Ah sim, pode ser, nunca tive grana pra comprar dessas.

kkkkkk nem eu. Me contentava em ouvir as músicas daquele jeito mesmo kk. Mas não precisa ser audiófilo pra perceber que era uma coisa bem ruim a qualidade. Ficava faltando muitas frequências de áudio. A única original que eu lembre que minha mãe comprou foi uma do Chitãozinho e Xororó com encarte com letra das músicas em papel igual esses de cds originais degustada por mim em um walkman. Muitos vão discordar ou tal vez fosse a qualidade do aparelho reprodutor ( um sony vermelhinho kk lembro bem) mas a qualidade melhorava só 90%.

SkyHawk
Membro
# 20/nov/18 22:22 · Editado por: SkyHawk
· votar


JJJ
K7 rules !!!

Sempre fui fãn e tenho um tape deck de qualidade no home studio :)
Guardei alguns equipamentos HiFi da década de 80, tudo em perfeito estado de conservação.

Lelo Mig
Membro
# 20/nov/18 22:54 · Editado por: Lelo Mig
· votar


É....

Mas não podemos esquecer de um detalhe:

Todas as grandes instituições do mundo e seus mainframes fazem back ups em fitas magnéticas. (Fita rolo ou de dados, K7, é tudo igual, só mudam os formatos, K7 é um formato)

E, sabem porque back ups são feitos em fitas magnéticas até hoje? Porque tem uma durabilidade de mais de 50 anos comprovados na prática. Nenhuma outra midia se mostrou tão duradoura quanto. Hoje já se especula que o CD não irá aguentar tanto... já têm CDs "descascando" por aí e fitas magnéticas, tem exemplares com mais de 60 anos, intactas.

Então, apesar do acesso aos dados ser péssimo, porque é "enfileirado", ou seja, para acessar um ponto é preciso percorrer até ele, (não se acessa direto como num CD ou HD), por causa da segurança, será mantido como matriz, pelo menos como back up, por muito tempo ainda.

JJJ
Veterano
# 21/nov/18 07:55
· votar


SkyHawk
Guardei alguns equipamentos HiFi da década de 80, tudo em perfeito estado de conservação.

E tinha coisa muito boa...

Synth-Men
Veterano
# 21/nov/18 13:07
· votar


JJJ

Você falou de pirataria. A fita K7 já bastante pirateada.

No fim, praticamente só tinha fita K7 pirata nos camêlos da vida, já que nos meios legais não se encontravam mais.

basstreble
Veterano
# 21/nov/18 14:28 · Editado por: basstreble
· votar


Lelo Mig
Synth-Men
No fim, praticamente só tinha fita K7 pirata nos camêlos da vida, já que nos meios legais não se encontravam mais.

A própria indústria fonográfica em conjunto com o governo dificultavam e dificultam a compra de mídias originais tanto pela dificuldade em encontrar quanto pelo preço. A fita e o cd eram complicados aqui em minha região, as revistas vendiam um cd a 20. Sendo em uma loja o preço era menor mas a pessoa gastava muito pra ir em uma cidade com loja e poderia sair mais caro, as piratas a gente achava até no lixo. Cansei de achar fitas no lixo remendava e usava kkkkkk. E outra que as gravadoras lucram muito em cima do cantor com shows!!

Casper
Veterano
# 21/nov/18 15:33 · Editado por: Casper
· votar


Quando eu comprava um LP já
fazia umas 5 ou 6 cópias para
os amiguinhos, que faziam a mesma
coisa. Prática comum nos anos 80.

Era da pirataria romântica.

basstreble
Veterano
# 21/nov/18 15:43
· votar


Casper
Era da pirataria romântica.

Mas vendia ou doava mesmo?

Mauricio Luiz Bertola
Veterano
# 21/nov/18 16:46
· votar


Fita K7 é um "saco"...
Servia pra 4 coisas:
Gravar discos que a gente ainda não tinha grana pra comprar (uma fita C45 tinha exatamente - ou quase - a duração de um LP) e pegava emprestado dos amigos para gravar.
Ouvir em uma viagem, para casa de praia ou de campo dos amigos, levando um toca-fitas qualquer.
Ouvir som no carro; principalmente em locais onde a Fluminense FM, A Maldita!, não "pegava".
Gravar ensaios da banda com um gravadorzinho, principalmente se o mesmo tivesse um microfone externo (e não do tipo "embutido").
Fora isso... amassava, embolava e arrebentava com certa facilidade...

MMI
Veterano
# 21/nov/18 17:27
· votar


Mauricio Luiz Bertola

Fita K7 é um "saco"...

Um saco, mas era legal pra caramba. Alguns solos tenho decorados até hoje graças a estas fitas. kkkkkkkk

Casper

Vai ter a volta do telex?

Lelo Mig
Membro
# 21/nov/18 19:33 · Editado por: Lelo Mig
· votar


Fitas Magnéticas.......

Quantas vezes, em studio, gravava um solo e errava ou queria mudar uma notinha lá no meio... uma frase, um arpeggio.....um dedilhado... encaixar uma viola, um violão 12, um bandolim talvez?

Aí você falava que queria mudar e o técnico dizia: Caraio! Tá ótimo, Tá lindo, muda não!

Você insistia e convencia.....mostrava o ponto que queria mudar até o "Tá bom...vambora!"

Ele soltava a gravação e você saia tocando junto, por cima mas sem gravar....o técnico com o dedo no REC/Pause....

Alguns segundos antes do ponto...."Klec" ele apertava o botão e começava a gravar....passando o trecho, "klec" e seguia o take original.

Pronto....... meia dúzia de novas notas colocadas.......(depois de 10 tentativas....kkkk)

Um trabalho "du cão"....mas sinto muitas saudades!

Cansei de entrar em studio as 22 hs, sair as 5 da manhã.......a base de Pizza, 2 maços de cigarros e Alcool de todos os tipos...

Hoje não fumo mais, bebo muito pouco e quase não toco......

... que tristeza!......prá que fui lembrar dessa merda?

Casper
Veterano
# 22/nov/18 06:22
· votar


Caro basstreble:

Mas vendia ou doava mesmo?

Doava mesmo. Era uma ação
entre amigos. Fita K7 era algo
bem barato, dava para fazer
isso sem nenhum problema.


Caro Lelo Mig:

As facilidades deixaram as
pessoas mais limitadas, mais
preguiçosas. A arte sai perdendo
com isso, certamente...

basstreble
Veterano
# 22/nov/18 14:09 · Editado por: basstreble
· votar


Casper
Doava mesmo. Era uma ação
entre amigos. Fita K7 era algo
bem barato, dava para fazer
isso sem nenhum problema.

Sim, com toda certeza. É pirataria boa, "branca" kkkkk. Lembro que no rótulo do cd diz que a divulgação e radiodifusão é errado (na verdade penso ser a mesma coisa) isso é contraditório!!Quer dizer que não posso emprestar um cd ou uma fita pra alguém?kk. Naquela época era muito comum mesmo emprestar ou presentear alguém com uma fita.

JJJ
Veterano
# 23/nov/18 07:20
· votar


E, não raro, quando o cara gostava de uma fita copiada, acabava comprando o LP.

Enviar sua resposta para este assunto
        Tablatura   
Responder tópico na versão original
 

Tópicos relacionados a A volta da fita cassete (K7)