A Teoria Oriental

Autor Mensagem
Strondell
Veterano
# jun/09


Alguém sabe como é a base da teoria oriental?
Eu naum conheço absolutamente nada, mas quero aprender sobre a música oriental, pq eh um modo diferente d pensar e eu acho mtu interessante isso.
Tipo, como são os compassos (se houver compasso xD), como é organizada a harmonia, como são as escalas. Eu sei q lá a menor distância eh de 1/8 de tom, q eh algo mtu mais complexo do que o nosso 1/2 tom.
E se vcs tiverem umas referências d músicas orientais, artistas e talz, me falem. Soh não falem artistas com nome de oriental que usam música ocidental!

Abraçãoo!

Ken Himura
Veterano
# jun/09 · Editado por: Ken Himura
· votar


Não existe uma "teoria oriental", cada cultura tem sua forma.

A Música Indiana é baseada no sistema de Ragas, e é divida em duas escolas (cada uma é uma região da Índia): carnática e hindustani.

O sistema hindustani possui 22 microtons. Estas minúsculas frações são denominadas shrutis, do sânscrito "ouvir". Se pensarmos neste sistema como uma construção de pedras, sete delas destacar-se-ão como mestras: as sete notas principais denominadas Saptakas(grupo de sete) que são exatamente igual ao nosso modo maior de Dó. Cada uma destas notas recebe o nome de Svara (tom inteiro), termo que provém do sânscrito Sva(si mesmo) e Rajri(brilhar). A nota é concebida pela tradição védica como "aquilo que tem brilho próprio". Estas notas são consideradas puras e chamadas Shuddha(naturais). São elas:

Nome - Abreviação - Grafia - Nota Ocidental
Shadja - Sa - S - Dó
Rishaba - Ri - R - Ré
Gandhara - Ga - G - Mi
Madhyama - Ma - M - Fá
Pancama - Pa - P - Sol
Daiavata - Dha - D - Lá
Nishaba - Ni - N - Sí

O sistema de notação musical indiano compreende também as noções de bemol (komal) e tivra (sustenido), representados pela seguinte grafia:
R_ – Ri komal (bemol)
M' – Ma tivra (sustenido)

Entre duas notas, estende-se um verdadeiro oceano de microtons, intervalos mínimos que revelam toda a riqueza e sensibilidade da música clássica indiana. O esquema completo destes 22 shrutis é o seguinte:

1 - Shuddha Sa
2 - Atikomal Ri
3 - Komal Ri
4 - Madya Ri
5 - Shuddha Ri
6 - Atikomal Ga
7 - Komal Ga
8 - Shuddha Ga
9 - Tivra Ga
10 - Shuddha Ma
11 - Tivra Ma
12 - Tivra Ma
13 - Tivratara Ma
14 - Shuddha Pa
15 - Atikomal Dha
16 - Komal Dha
17 - Trisruti Dha
18 - Shuddha Dha
19 - Atikomal Ni
20 - Komal Ni
21 - Shuddha Ni
22 - Tivra Ni

O que realmente caracteriza a riqueza e a dimensão transcendental da música clássica indiana são os shrutis. Existe uma forte relação entre os 22 shrutis e os 22 nadis, meridianos de energia etéria que interligam os chakras. Dominar estas minúsculas nuanças leva ao executante anos e anos de intensa prática. Curioso que este processo de dividir a oitava em intervalos cada vez menores aparentemente contraria o espírito de síntese da filosofia indiana. Mas é por meio dos shrutis que os grandes mestres pontificam sua perícia e virtuosismo em exprimir todos os matizes da música das esferas. Alguns especialistas afirmam que o Ga do Raga Shri não seria o mesmo Ga do Raga Pilu. Existiria uma diferença microtonal entre eles, sendo que apenas a perfeita acuidade auditiva dos grandes mestres podem distinguir. Na microtonalidade das notas, residiria o segredo e o poder mágico de certas interpretações.

No Ocidente, os quartos de tom são também plenamente utilizados. O prodigioso violinista Jascha Heifetz costumava afirmar que: "os virtuoses conseguem entrever o que a partitura não diz". É notável o vasto espectro dos microtons que podemos apreciar nas interpretações de mestres como Segovia, Pablo Casals, Ruggiero Ricci, Yehudi Menuhin, entre outros. O introdutor da música microtonal no Ocidente foi o mexicano Julián Carillo (1875-1965), criador da teoria do 13º Som (14 tons e 13 intervalos), cujas composições foram elaboradas para pianos microtonais e instrumentos capazes de reproduzir até a sexagésima parte da oitava. No Brasil, tivemos a presença visionária do suíço Walter Smetak (1913 - 1984), o genial criador de vinas microtonais feitas com cabaças nordestinas. Recentemente falescido, o compositor húngaro Gyorgy Ligeti (1923 - 2006) explorava os quartos de tom na música contemporânea e vários musicologistas empenham-se em recuperar a microtonalidade dos Cantos Gregorianos, cuja autêntica entoação original, fortemente marcada pela tradição bizantina, era repleta de ornamentos e arabescos orientalizantes. Esta interpretação microtonal da arte medieval pode ser apreciada na versão da Missa de Notre Dame, de Guilhaume de Machaut (1300-1337), magistralmente realizada pelo Ensemble Organum Marcel Pèrés.

Ken Himura
Veterano
# jun/09
· votar


Embora os Ragas sejam tocados livremente, utilizando-se apenas dois temas fixos (Asthai e Antara), um ouvinte atento os reconhecerá aos primeiros compassos por meio de suas inconfundíveis seqüências melódicas. Um apreciador indiano de música clássica sentirá até o cheiro da terra molhada pela chuva ao ouvir o Raga Megh Malhar das monções. O perfume das flores e o alegre ar primaveril surgirão às primeiras notas do Raga Basant.

Cada Raga possui um espírito individualizador que o diferencia dos demais. Existem, teoricamente, milhares de Ragas, mas atualmente apenas uma centena deles são praticados. Dez escalas (Thats) são apontadas como geratrizes dos Ragas:


Bilaval S R G M P D N
Dó Ré Mi Fá Sol Lá Si
-----------------------------------------------------------
Kalyan S R G M' P D N
Dó Ré Mi Fá# Sol Lá Si
-----------------------------------------------------------
Khamaj S R G M P D N_
Dó Ré Mi Fá Sol Lá Sib
-----------------------------------------------------------
Bhairav S R_ G M P D_ N
Dó Réb Mi Fá Sol Láb Si
-----------------------------------------------------------
Purvi S R_ G M' P D_ N
Dó Réb Mi Fá# Sol Láb Si
-----------------------------------------------------------
Marwa S R_ G M' P D N
Dó Réb Mi Fá# Sol Lá Si
-----------------------------------------------------------
Kafi S R G_ M P D N_
Dó Ré Mib Fá Sol Lá Sib
-----------------------------------------------------------
Asavari S R G_ M P D N_
Dó Ré Mib Fá Sol Láb Sib
-----------------------------------------------------------
Bhairavi S R G_ M P D_ N_
Dó Réb Mib Fá Sol Láb Sib
-----------------------------------------------------------
Todi S R_ G_ M' P D_ N
Dó Réb Mib Fá# Sol Láb Si


Essas dez escalas geratrizes (Thats) podem ser combinadas em milhares de articulações num processo de análise combinatória. O sistema, embora milenar, ainda está aberto a novos Ragas, pois o número de possibilidades é enorme. Isso se deve aos Ragas assimétricos que possuem duas escalas diferentes. Um exemplo é o Raga Bhin Palasi, que tem como escalas:


Escala Ascendente:
N_ G_ M P S
Sib Mib Fá Sol Dó
----------------------------------------------------------
Escala Descendente
S N_ D P M G_ R
Dó Sib Lá Sol Fá Míb Ré


Pseudonimum
Veterano
# jun/09
· votar


E pensar que existe notação pra até 24 quartos de tons...

Música não-temperada é o capeta. :(

Dogs2
Veterano
# jun/09
· votar


Ken Himura
putz, valeuzão cara, eu também queria muito ter mais informações sobre isso

Minow
Veterano
# jun/09
· votar


É aí que a gente vê como o nosso sistema é limitado.

Guguminator
Veterano
# jun/09
· votar


Muito interessante, não sabia que haviam correspondentes idênticos para notas da teoria ocidental.

Scrutinizer
Veterano
# jun/09
· votar


Pseudonimum
Na verdade, é temperada, mas de forma diferente... O não temperamento significaria infinitas notas em um intervalo limitado de freqüências. :P

Minow
Mas é graças a ele que temos uma harmonia tão complexa.
Mas, é, já passou da hora de abandonarmos os doze tons.

The Root Of All Evil
Veterano
# jun/09
· votar


Minow
Scrutinizer

Vão tomar no cu os dois =D

fill.zanchez
Veterano
# jun/09
· votar


Ken Himura
Posta uma músiquinha indiana aí?!

Ken Himura
Veterano
# jun/09
· votar


fill.zanchez
Claro, com prazer. E das boas:


Aqui é dum disco conjunto entre os grandes Ravi Shankar (cítara) e Yehudi Menuhin (violino). O nome desse disco é "East Meets West".

Cítara/sitar solo:


Um belo exemplo vocal:


Na verdade, é temperada, mas de forma diferente... O não temperamento significaria infinitas notas em um intervalo limitado de freqüências. :P
Nosso temperamento também não é tão correto não: todas as obras solo de Bach soam melhor quando usamos microtons, é como disse o Heifetz - "os virtuoses conseguem entrever o que a partitura não diz". Todas as obras em lá 415 já incitam a intervalos fora do temperamento "convencional". =P

Tem dois ditados que encaixam bem aqui:
Indiano - "Dividir os sons é que nem dividir a água. Você pode fazê-lo em quantas partes quiser".
Chinês - "Escrever música é como observar o firmamento por um tubo de bambu".

Só esqueci de colocar no texto que o sistema carnático tem 24 notas por oitava. E que raga vem da palavra ranja, que em sânscrito significa "cor". Essa sinestesia (e até correlação) entre sons e cores é muito comum na Índia. E, no Ocidente, até Newton fez um estudo sobre isso.

fill.zanchez
Veterano
# jun/09
· votar


Ken Himura
Valeu mesmo!!! To ouvindo aqui!
Para usarmos os micro-tons, precisaríamos de um instrumento sem trastes ou feito com trastes sobre medida pra essa escala né? (como os do vídeo).
(Ou... fazer micro-tons com bend?!?!) oO

Ken Himura
Veterano
# jun/09
· votar


fill.zanchez
Sem trastes é melhor. A cítara tem trastes móveis exatamente por isso - você divide onde quiser as notas do instrumento.

Dá pra fazer com bends, mas é um trabalho do cão.

Strondell
Veterano
# jun/09
· votar


Aee, vlw por esclarecer!

Mtu daora esse Ravi Shankar!!!

Abração!

Strondell
Veterano
# jul/09
· votar


Eu agora me pergunto como q eh a notação musical da música oriental, pq já q existem milhares de sons e todo o pensamento lá é diferente, a notação musical também deve ser. Eu ouvi falar que não há notação musical na Índia, q lá a música é vista de maneira diferente, e que naum se toca com partitura e sim com o sentimento. Porém eu quero saber como eh isso!

Ken Himura
Veterano
# jul/09
· votar


A notação indiana é extremamente rudimentar, não grafa as durações. Só serve pra anotar algum exercício mesmo, porque segundo às tradições, escrever a música é uma ofensa grave para ela.

Na China, há uma notação em forma de texto (acredito que seja moderna) que é bem parecida com a partitura, mas eu acho pior pra entender.

http://en.wikipedia.org/wiki/Numbered_musical_notation

_music_4_ever_
Veterano
# ago/09
· votar


Muito interessante o tópico. Merece um up! :D

Dórico
Veterano
# ago/09
· votar


Ken Himura
Huahuahauah, isso quer dizer que eles são mais criativos e curtem mais a arte do improviso.

Ken Himura
Veterano
# ago/09
· votar


Dórico
Na verdade, não. Toda nossa tradição Barroca é feita sobre improvisos - que é até a origem do Jazz, por sinal. Até hoje, em interpretações "historicamente corretas" de obras barrocas em conjunto, o cravista vai estar improvisando - e bem pra caralho, por sinal.

A prática do improviso é algo que se perdeu com o modernismo e o pós-guerra.

Agora, os indianos são muito criativos mesmo.

nichendrix
Veterano
# ago/09 · Editado por: nichendrix
· votar


Strondell
Eu recomendo dar uma olhada não só no Ravi Shankar mas na filha mais nova dele a Anoushka Shankar, que hoje é a regente da orquestra indiana do pai dela, além de ser uma das sitaristas top de linha da atualidade e toca nos corcertos do Pai desde os 13 anos. Inclusive ela foi a sitarista na apresentação do Terceiro Concerto para Orquestra e Sitara do Ravi Shankar, que ele compôs para ela tocar com a Orpheus Chamber Orchestra.

Ela tem alguns discos e shows recentes que misturam musica indiana com melodias ocidentais e batidas meio eletronicas em alguns ela mistura sitara com jazz. Outra coisa inusitada de alguns trabalhos dela é que vez por outra ela brinca de tocar sitara com uma sonoridade mais puxada pro arabe, enfim ela domina o instrumento como poucos e apesar de via de regra tocar o mesmo estilo do pai, a musica classica indianda, com frequência ela faz algumas experimentações, tanto com musica ocidental (especialmente com orquestras de camara, o jazz e musica eletronica) quanto com outros tipos de musica que utilizem a sitara, como a musica arabe.

Outro ponto interessante da carreira recente dela são as diversas colaborações que ela e a Norah Jones (a outra filha do Ravi Shankar), misturando o som das duas.

Um videozinho solo da moça pra dar uma conferida.


No DVD do Concert For George, o concerto beneficente postumo em homenagem a 1 ano de morte do George Harrison tem uma composição do Ravi Shankar chamada Arpan para Orquestra Ocidental e Orquestra Indiana, muito louca a musica.

Ela é a regente das duas orquestras ao mesmo tempo, e nos extras, ela comenta o quanto é difícil unir as duas musicas não só por causa das diferenças de compassos e das microtonações, mas porque na tradição indiana, o trabalho do regente em geral é feito todo oralmente, e apesar de existir um sistema de notação ele não é usado da mesma forma que numa orquestra ocidental.

Ano passado ela fez um Show Beneficente tocando com o Jethro Tull, enfim ela além da musica tradicional indiana tem todo esse trabalho experimental, e quando vc bota os dois tipos de musica juntos, fica gritante as diferenças entre elas.

Strondell
Veterano
# ago/09
· votar


Cara, gostei bastante da filha do Ravi Shankar, mtu boa!
Vou baixar umas músicas dela dpois!

Vou aproveita e perguntar: é uma idéia de girico um violão fretless?
E tocar violão erudito ou flamenco num violão sem trastes, eh possível?

Ken Himura
Veterano
# ago/09
· votar


Vou aproveita e perguntar: é uma idéia de girico um violão fretless?
Existe, mas não é microtonal. O que dá essa capacidade na cítara é o formato oval do braço, não os trastes.

klavier
Veterano
# fev/11
· votar


O que o ken himura escreveu foi transcrito literalmente do livro A Música Clássica da Índia, do Alberto Marsicano, da ed Perspectiva. É um livro que vale a pena.
De uns tempos pra cá mesmo músicos clássicos indianos já estão usando instrumentos ocidentais com traste inclusive, como a guitarra e o bandolim. Também estão usando o sax e o clarinete e o violino.
Exemplo de bandolinista indiano é Srinivas e de guitarrista é o Prasanna. No fórum de guitarra abri um tópico sobre a guitarra e a música indiana.
Acho que a maior diferença na teoria e na prática musical é que para os hindus a música é uma disciplina espiritual, um caminho de realizar a divindade na humanidade que eles chamam de iluminação. Todo músico clássico indiano é um devoto, precisa de um guru, e busca a união mísitica com Deus através da música, que eles chamam de Nada Yoga, a yoga do som.
A música clássica árabe tem muitos paralelos com a música clássica hindu, inclusive influenciando a música do norte da Índia (hindustani). Ambas são músicas que privilegiam a melodia e o ritmo, e praticamente não há harmonia como conhecemos na música ocidental, com acordes harmonizando a melodia.
A música clássica chinesa tb tem esse paralelo com a música hindu, sua teoria é fundamentada na tradição espiritual chinesa, tb faz uso da microtonalidade, mas tem as bases nas escalas pentatônicas.

Loues
Veterano
# fev/11
· votar


O mais louco são os ritmos que usam. Em música oriental, e também em lugares na áfrica, etc... mais tarde vejo se acho alguma coisa pra postar...

Ken Himura
Veterano
# fev/11
· votar


klavier
Sim! Tive que usar este livro pruma pesquisa há alguns anos atrás! Ótimo livro, por sinal.

daimon blackfire
Membro Novato
# abr/17
· votar


Rapaz, que topicão esse. Sim, estou desenterrando um tópico de 5 anos, a curiosidade faz isso com a gente. Tem informações interessantíssimas aqui. Só gostaria de corrigir uma coisinha que eu mesmo me confundia até um dia desses.
Cítara(zither em inglês) é isso daqui:
http://www.youtube.com/watch?v=PJ7z68lRtCQ
Sitar(mesma coisa em inglês até onde sei), o instrumento indiano, é isso daqui:
http://www.youtube.com/watch?v=yg1vAkYE2ek
ps: Se alguém tiver recomendações de artistas de música indiana no geral e ou de música árabe, seria interessante compartilhar aqui mesmo, pra não ficar criando tópicos.

nichendrix
Veterano
# abr/17
· votar


daimon blackfire

Aí há uma questão linguística e um histórica.

A linguística é que a palavra sitar só foi incluída no vocábulo da língua portuguesa há relativamente pouco tempo, comparado há mais de 400 anos em que zhitar e sitar tinham como único correspondente a palavra cítara.

A histórica é que tanto o zhitar, o sitar e também o alaúde tem uma origem comum, então se você voltar o suficiente no tempo esses instrumentos vão ficando cada vez mais parecidos até que o ponto onde você acha o "elo perdido".

Ken Himura
Veterano
# mai/17
· votar


daimon blackfire


Vale à pena, apesar de ser bem mais puxado pro jazz que pra música oriental.

Mykeleaomachado
Membro Novato
# 02/dez/17 21:35
· votar


Muito bom mesmo. Grande tópico. Olhem isso aqui...







Dental Floss Tycoon
Veterano
# 21/jan/18 00:30
· votar


Só por curiosidade. Um dos maiores legados da música oriental para o ocidente foi o quarto de tom, muitos compositores trabalharam isso no século XX. E aí entrou a influência do oriente. Mas isso não é tão recente quanto se pensa. Experimento renascentista com quartos de tom:



Enviar sua resposta para este assunto
        Tablatura   
Responder tópico na versão original
 

Tópicos relacionados a A Teoria Oriental