Competir para subsistir

Autor Mensagem
Lelo Mig
Membro
# 19/mai/21 16:39 · Editado por: Lelo Mig
· votar


Wanton

"falou em utopia, como se fosse algo que não pudesse ser realizado."

Temos uma visão distinta sobre a possibilidade de uma transformação partindo de um ponto X em direção a uma suposta Utopia. Sei que não é necessário, mas quero reforçar que esta visão, não implica que eu esteja certo e você errado ou vice e versa. Dito isso:

Eu não acredito numa utopia que seja resultado de um ponto X, se este ponto for a "mudança ou conscientização de um grande grupo ou maioria". Repeti dezenas de exemplos de comportamentos animais, justamente para frisar, de como acho que a os humanos ainda reproduzem o que seu Gene/DNA animal foi programado a fazer.
Acredito numa utopia "reversa" onde um grande evento, seja tecnológico social ou tecnológico científico, mude um "grande grupo ou maioria".

"Agora, me digam: algum de vocês se julgaria capaz de apostar no Uber dois anos antes do conceito aparecer?"

O Uber (tecnologia social) mudou a forma dos humanos interagirem com o transporte e não o contrário (reforça o que escrevia acima).

Se você me propor um grupo, no aspecto intelectual, social, científico e político com propostas de algo concreto que possa eclodir numa experiência social que mude o mundo, política e comercialmente, tô dentro.

Se me pedir para sair "palestrando" com o ser humano para convencê-lo de que nossos rumos e decisões estão erradas e precisamos mudar para salvar a humanidade, tô fora.

Não me orgulho disso, mas perdi a esperança na humanidade no sentido de coletividade. Não acho mais o ser humano bom, honesto e pacífico como um dia achei. Pelo contrário, acho uma espécie bem fudida. E excluo da categoria capaz de promover mudanças, a classe política, ainda que ela seja inevitável no momento.

Mas, acredito sim, que, principalmente a tecnologia, possa mudar o coletivo para algo melhor.

Equação complicada, porque tecnologia exige estudo e dinheiro e isso exige, capital e empresas privadas. Prova disso é a corrida espacial que foi abandonada, porque País algum consegue mais bancar ou ir além de onde foi e a parceria com as empresas privadas tornou-se inevitável. A nova corrida espacial que foi dada à largada agora nestes anos, é toda privada, no máximo público-privada.

Lembrando que se não tivéssemos ido à Lua não estaríamos aqui hoje na Internet tendo essa conversa, estaríamos diagnosticando doenças somente com Raio X e a opinião do médico olhando seu globo ocular e mandando pacientes com câncer para morrerem em casa, sem nada a fazer.

Estamos evoluindo, mas concordo que esta evolução é relativa e até passiva de considerações pessoais. Eu prefiro viver no mundo atual, apesar de tudo, não acho que um "selvagem isolado" ou um "rei de 500 anos atrás" vivia melhor que eu.

E acredito que daqui 100 anos, a maioria estará vivendo melhor do que vivo hoje.

-Dan
Veterano
# 19/mai/21 17:14
· votar


Lelo Mig
Lembrando que se não tivéssemos ido à Lua não estaríamos aqui hoje na Internet tendo essa conversa, estaríamos diagnosticando doenças somente com Raio X e a opinião do médico olhando seu globo ocular e mandando pacientes com câncer para morrerem em casa, sem nada a fazer.

Acho que as coisas não são deterministicas assim. No exemplo, classifica Internet como externalidades positivas dos esforços da corrida espacial a Lua?

Não encaro pesquisa espacial como condição. Pode ter sido causa. Mas nao condição unica e suficiente. As vezes, se esquecermos marte e aplicarmos os recursos direcionados em outros campos, disrupções podem acontecer do mesmo jeito.

As vezes estivéssemos mais tecnologicos ainda se nao tivessemos ido a lua e sim, aplicado todo o investimento nos foguetes em outra coisa. Não dá pra saber.

As guerras geraram avanços tecnologicos em algumas areas, nem por isso temos que fazer guerras para obter novos avanços (nao dizendo que voce tenha dito uma idiotice dessas, mas essa causalidade forçada pode levar a essa conclusao do tipo: no passado corremos pra ir a lua e colhemos frutos, logos temos que investir para ir a Marte.)

-Dan
Veterano
# 19/mai/21 17:16
· votar


E acredito que daqui 100 anos, a maioria estará vivendo melhor do que vivo hoje.


Da mesma forma, nada garante. Embora observêmos uma tendencia ao olhar para o passado, retrocessos já aconteceram, podem acontecer novamente, e pioras podem ser irreversíveis. Histórico não garante futuro per si.

makumbator
Moderador
# 19/mai/21 17:46
· votar


-Dan
No exemplo, classifica Internet como externalidades positivas dos esforços da corrida espacial a Lua?

Não necessariamente da Lua, mas da competição com a União soviética certamente sim. O objetivo inicial era militar e competitivo (na necessidade constante dos EUA de estarem um passo à frente de seu maior inimigo).

Da mesma forma, nada garante. Embora observêmos uma tendencia ao olhar para o passado, retrocessos já aconteceram, podem acontecer novamente, e pioras podem ser irreversíveis. Histórico não garante futuro per si.

Isso aí eu concordo 100%

Lelo Mig
Membro
# 19/mai/21 19:21 · Editado por: Lelo Mig
· votar


-Dan

"No exemplo, classifica Internet como externalidades positivas dos esforços da corrida espacial a Lua?"

Isso o makumbator respondeu: da competição.
Mas, para quem têm um olhar científico, ir à Lua significa muito mais do que ira à Lua. Ir à Marte é muito mais do que ir à Marte e sim, temos de ir à Marte; isso não significa (e nem é necessário) matar gente de fome ou miséria para tal.

Mas, de uma forma bem simbólica (sei que vai entender assim como entendi seu exemplo com a guerra), se colocássemos todo dinheiro da pesquisa espacial no combate à fome, daqui umas décadas teríamos fome e não a solução para ela. A solução para ela (novamente de forma simbólica) esta na colonização de outros planetas. Existem interesses políticos? Econômicos? Lucros? Escusos? claro, não vou ser ingênuo... mas a ciência, como um todo, está muito à frente e os benefícios colhidos com o avanço científico não são obra do acaso e nem aleatórios; são frutos do trabalho árduo de humanistas envolvidos nos projetos.

"nada garante. Embora observêmos uma tendencia ao olhar para o passado, retrocessos já aconteceram..."

Não há garantia alguma de nada nunca. Mas, no geral, mais evoluímos do que retrocedemos e a vida do "povão" em geral é muito melhor hoje do que em toda "régua histórica" com pouquíssimas exceções. Então, prefiro acreditar que o fluxo permanecerá, ainda que com eventuais tropeços.

manthiqueira
Membro Novato
# 20/mai/21 12:18
· votar


Teoria dos jogos mostra que competição é somente uma das estratégias, mas infelizmente nego acha que é a única

Aí afunda o barco mesmo

Enviar sua resposta para este assunto
        Tablatura   
Responder tópico na versão original
 

Tópicos relacionados a Competir para subsistir