Teoria Musical - Formação de Acordes

Autor Mensagem
marcelosz
Membro Novato
# jul/15
· votar


Taura Teatino
Não decore formulas.... Estude intervalos e nunca mais precisarás de formulas. Intervalos lhe ajudarão em harmonia, melodia, improviso etc etc etc......
Repito. INTERVALOS!
Estude o braço da guitarra, por exemplo, partindo de um nota tônica e entendendo a posição das outras notas em relação a esta nota, de forma "geomêtrica". Por exemplo: nos bordões, intervalo de quarta em relação à tònica está onde? Sempre "embaixo" da tônica... E a oitava? A oitava meio que faz um ângulo pulando uma corda. Me entende? E todas as outras possíveis combinações....
Depois use isso aliado ao "empilhamento de terças" e outras teorias, e entenda o porque de cada acorde ser desenhado daquele jeito.....

Taura Teatino
Membro Novato
# jul/15
· votar


Valeu Marcelosz...
Aliando a teoria com a prática do instrumento a gente percebe algumas relações que ajudam...

LeandroP
Moderador
# jul/15 · Editado por: LeandroP
· votar


Taura Teatino

Basicamente, os acordes são formados pelo que chamamos de empilhamento de terças, que vou lhe explicar como é.

Antes eu devo presumir que você sabe como classificar as terças (terça menor e terça maior) em número de tons (um tom e meio pra terça menor e dois tons pra terça maior). E que sabe como formar uma escala diatônica através de fórmula que você representou (T T S T T T S T).

Pegue uma escala diatônica como referência. Esta escala é a que dará o nome ao empilhamento (acorde). Pra facilitar o exemplo vou tomar como referência a escala diatônica de Dó maior, por não ter acidentes (# ou b).


I II III IV V VI VII VIII
Dó - Ré - Mi - Fá - Sol - Lá - Si - Dó


Quando falamos em intervalos de terça estamos nos referindo ao IIIº grau partindo de uma determinada nota. No caso de Dó a terça correspondente é a nota Mi (, ré, Mi).

Temos então uma terça: Dó e Mi.

Ainda não sabemos que tipo de terça é este intervalo, maior ou menor.

Contando os tons podemos ver 2 tons entre Dó e Mi. Logo se trata de uma terça maior.

Agora vamos ao "empilhamento" propriamente dito.

Pra empilhar terças vamos sobrepor uma terça sobre a terça, que seria a terceira nota partindo da nota Mi. Contando pela escala vemos: Mi, fá, Sol.

Agora podemos afirmar que temos uma tríade (3 notas): Dó, Mi e Sol.

Mas é preciso classificar esta terça, e pra isso repetimos o mesmo processo, só que contando a distância de Mi pra Sol. Vemos aqui 1,5 tom, o que nos diz que se trata de uma terça menor.

Temos uma fórmula muito simples pra formação das tríades (acordes) básicos. Veja:

3m = terça menor - 1,5 tom
3M = terça maior - 2,0 tons

Tríade Maior: 3M +3m (como vimos no exemplo acima)
Tríade Menor: 3m + 3M (como vamos ver adiante)

Se pegarmos a escala relativa menor de Dó maior, temos a escala de Lá menor. São relativas porque possuem as mesmas notas, mas que formam uma diatônica maior e uma diatônica menor.

Lá - Si - Dó - Ré - Mi - Fá - Sol - Lá

Pegamos a tônica e o IIIº grau como fizemos com a escala de Dó maior.

Temos então as notas Lá e Dó. Medindo esta terça em número de tons temos 1,5 tom. O que caracteriza uma terça menor.

Partindo desta terça até a próxima terça temos o Dó e o Mi. Analisando este intervalo vemos 3 tons, que por sua vez é uma terça maior.

Veja que a fórmula se confirma: 3m + 3M

Lá, Dó e Mi formam a tríade de Lá menor: Am

Dúvidas até aqui?

dumartinez
Membro Novato
# 03/jan/19 09:56
· votar


tiago_rsilva
''Como a ordem de formação de escalas a partir da escala de DóM não foi considerada, tivemos de sustenizar o F e o C. A ordem correta para a construção de todas as escalas seria usar a escala correspondente à primeira nota do segundo tetracorde, ou seja, no caso de DóM, o Sol.''
não entendi esta parte

Enviar sua resposta para este assunto
        Tablatura   
Responder tópico na versão original
 

Tópicos relacionados a Teoria Musical - Formação de Acordes