Campo harmônico maior de D dúvida

    Autor Mensagem
    JLucas13
    Membro Novato
    # 11/jan/22 01:48


    Comecei a aprender teoria musical há pouco tempo e uma dúvida tem me impedido de prosseguir:

    No campo harmônico de dó não há nenhum acidente quando analisamos a escala, então quando vamos formar o acorde de ré precisamos "corrigir" os acidentes, certo? Para isso pegamos a tríade de ré (D F# A), e corrigimos a terça maior, que vira uma terça menor formando o acorde Dm.

    Até aí tudo bem, no entanto, quando analisamos o campo harmônico de ré percebemos acidentes no fá e no dó, então essas notas poderiam continuar como acidentes nas tríades sem precisar "corrigir". Mas, quando pegamos para formar o acorde de dó no campo harmônico de ré, temos a tríade C E G, onde E e G não são acidentes na escala de ré, portanto podem permanecer assim, mas C é um acidente, então o acorde formado seria C# para encaixar. Dito isso, a minha dúvida chega: quando pesquiso sobre o campo harmônico de ré, aparece o dó como sendo C#° só que eu não entendo a quinta ser diminuta já que ela não é acidente então não precisou de correção. As vezes acho até como dó menor com quinta diminuta, o que me deixa mais confuso ainda, já que o sustenido some.

    Alguém pode clarear para mim? Estou estudando só com triades maiores/campo harmônico maior antes de passar p resto com tetrades e etc. Obrigado desde já!

    makumbator
    Moderador
    # 11/jan/22 06:04 · Editado por: makumbator
    · votar


    JLucas13

    Me parece que seu entendimento sobre acidentes precisarem de "correção" é que pode estar te trazendo mais problemas que facilitar sua vida.

    A tríade formada a partir da nota dó# no campo harmônico de ré maior vai ser diminuta pois todos os acordes nessa posição da escala (o sétimo grau a partir da escala maior) vão ser sempre diminutos (basta observar as notas formadores, que são sempre notas da escala. Basta empilhar as terças a partir da nota da escala em cada grau, seguindo os acidentes presentes na armadura da tonalidade em questão).

    Por exemplo, o acorde formado a partir da nota si no campo harmônico de dó ocupa a mesma posição que o dó# no campo harmônico de ré (o sétimo grau da escala, portanto esse si também é diminuto no campo harmônico de dó maior).

    A sequência de tríades é SEMPRE:

    I - acorde maior
    II - acorde menor
    III - acorde menor
    IV - acorde maior
    V - Acorde maior
    VI - acorde menor
    VII - tríade diminuta

    Em tétrades vai ser SEMPRE:

    I - acorde de sétima maior
    II - acorde de sétima menor
    III - acorde de sétima menor
    IV - acorde de sétima maior (subdominante)
    V - Acorde de sétima dominante (acorde maior com sétima menor)
    VI - acorde de sétima menor
    VII - acorde meio diminuto

    Então, o campo harmônico de ré maior tem os seguintes acordes:

    I - D
    II - Em
    III - F#m
    IV - G
    V - A
    VI - Bm
    VII - C# dim - tríade diminuta

    Em tétrades:

    I - Dmaj7
    II - Em7
    III - F#m7
    IV - Gmaj7
    V - A7
    VI - Bm7
    VII - C#m7 (b5) - acorde meio diminuto

    Schelb
    Veterano
    # 11/jan/22 10:40 · Editado por: Schelb
    · votar


    Bom dia Lucas!

    Acho que a sua dúvida surge porque você está compreendendo a formação das escalas e tríades a partir da visão dos acidentes quando na verdade deveria prestar atenção nos intervalos.

    Vou explicar: O que vai dizer a sonoridade e o nome das escalas e acordes vai ser a distância entre as notas em semi tons. Um semitom corresponde a uma casa na guitarra ou a distância entre uma nota e seu sustenido ou bemol. Um escala maior, por exemplo, é sempre composta da mesma métrica em semitons: você parte de uma nota qualquer e conta dois semi tons (ou um tom) pra ter a segunda nota, mas dois semi tons (um tom) pra ter a terceira, daí um semi tom pra quarta, dois semitons pra quinta, mais dois pra sexta, mais dois pra sétima e aí vai faltar apenas mais um semi tom pra chegar na nota fundamental de novo, já que a oitava tem 12 semitons certo? ... resumindo a escala maior é composta dessa forma: Tom Tom Semitom Tom Tom Tom Semitom (T T s/T T T T s/T).
    Usando essa forma você partindo de Dó, tem a escala maior composta por Dó Ré Mi Fá Sol Lá Si. Se você partir de Ré tem: Ré Mi Fá# Sol Lá Si Dó#. Repare que a distância entre as notas em semitons é sempre a mesma.
    Agora, quando você vai formar as tríades dentro de cada uma destas escalas, você vai usar as notas que estão na escala. Então no caso da escala de Ré, vai usar o Fá# e o Dó# e o resto natural. Agora, o que diz se um acorde é maior ou menor também é a distância entre as notas, o que chamamos de intervalos. Depois pesquise intervalos que vai ser importante pra você entender direito, mas vou falar aqui só o que precisa pra entender sua dúvida.

    Numa tríade maior você tem os intervalos de Tônica, Terça Maior e Quinta Maior. Numa tríade menor a terça é menor. Numa tríade diminuta a terça é menor e a quinta é diminuta. E como saber se um intervalo é maior ou menor ou diminuto? Contanto as distâncias dos intervalos em semitons: uma terça menor tem 3 semitons (ou 1 tom e meio) de distância da tônica, já a terça maior tem 4 semitons (2 tons). Já a quinta Maior tem 3 tons e meio da tônica (7 semitons) e a quinta diminuta 1 semitom a menos, ou seja, 3 tons da tônica.

    Agora, se você pegar os acordes que você citou e fizer as contas, vai ver que vai resolver sua dúvida. Quando você monta a tríade de Ré usando as notas da escala de dó maior, você vai ter Ré, Fá e Lá. Se você fizer as contas vai ver que entre o ré e o fá você tem 1 tom e meio, ou seja, uma terça menor, e entre ré e lá você tem 3 tons e meio, ou seja quinta maior. Então nesse caso, Tônica, Terça menor e quinta maior, você tem uma tríade menor (Dm). Quando você monta a tríade de Ré na escala de Ré maior, você usa o Fá#, que é a nota da escala. Daí o Fá# esta a 2 tons do Ré, o que corresponde a uma terça maior, então esse acorde Ré, Fá#, La é um acorde maior.
    Agora, quando você monta a tríade de dó, dentro da escala de Ré maior, você tem as notas Dó#, Mi, e Sol, certo? Agora é só fazer as contas: entre dó# e Mi dá 1 tom e meio, o que corresponde à uma terça menor, já entre dó# e Sol dá 3 tons, o que corresponde à uma quinta diminuta. A tríade com terça menor e quinta diminuta é uma tríade diminuta (C#º), ou uma tríade menor com quinta diminuta (C#m(b5)), o que significa a mesma coisa.
    No final das contas, como estamos falando de um sistema métrico, e a distância entre as notas das escalas é sempre a mesma, então você chega sempre na mesma sequencia de tríades em uma escala maior, conforme nosso amigo aí de cima explicou.

    Bom, essa é a resposta mais completa, mas sei também que ela talvez seja também um pouco difícil de entender ... se quiser tirar dúvidas eu volto aqui depois pra responder. Porém, te recomendo a ver uns vídeos no youtube primeiro sobre intervalos e depois sobre campo harmônico .. vai ver que com apoio visual vai ser muito mais fácil de entender (eu mesmo geralmente explico isso usando as teclas de um piano como referência).

    Abraço!

    krixzy
    Veterano
    # 11/jan/22 11:10 · Editado por: krixzy
    · votar


    JLucas13

    Só complementando as explicações dos colegas, depois assiste essa aula que vai te ajudar bastante nos seus estudos: (assiste lá no youtube que na descrição tem os atalhos pra ir direto pros assuntos que você está estudando.

    https://www.youtube.com/watch?v=CYFcEyne4xc&t=23s&ab_channel=MiloAndre o


    Drinho
    Veterano
    # 11/jan/22 13:50 · Editado por: Drinho
    · votar


    Muito cuidado com esse negocio de "precisar de correção", eu entendo o que você quer dizer mas sua confusão parece vir daí.


    Dito isso, a minha dúvida chega: quando pesquiso sobre o campo harmônico de ré, aparece o dó como sendo C#° só que eu não entendo a quinta ser diminuta já que ela não é acidente então

    Então atenção para o sétimo acorde do campo de D que é C#m7(b5) a que você se refere.

    Você está partindo da premissa errada de que a quinta diminuta desse acorde TEM que ser uma nota sustenida ou bemolizada e isso não é verdade. Segue abaixo os INTERVALOS e as NOTAS que formam este acorde para você ver que não:

    T - C#
    3m - E
    5º - G
    7 - B

    PS. Não confundir tônica deste acorde que é C# com tônica do campo que é D.

    Você está misturando notas musicais (C Db) com intervalos (T 2m) e você obrigatoriamente precisa separar para não incorrer neste erro que está cometendo, ainda que todas as notas vistam determinado intervalo em determinado contexto.

    JLucas13
    Membro Novato
    # 11/jan/22 17:11
    · votar


    Muito obrigado, pessoal. Todos vocês contribuíram para o meu entendimento, consegui perceber meu erro. Eu não estava me atentando a questão dos intervalos e quando fui me atentar nos meus estudos, estava partindo da nota Dó para formar a tríade e não de C#. Obrigado de verdade, cês são fera!

    Luiz Almeida
    Veterano
    # 11/jan/22 20:36 · Editado por: Luiz Almeida
    · votar


    JLucas13

    Obrigado de verdade, cês são fera!

    Que isso, se precisar "eles" estarão aqui...

    Pô, esqueci de perguntar: "Você está sendo acompanhado por algum professor?"

    JLucas13
    Membro Novato
    # 11/jan/22 21:56
    · votar


    Pô, esqueci de perguntar: "Você está sendo acompanhado por algum professor?"


    Pior que não cara, comecei aprendendo pela internet vendo alguns vídeos, sempre tentei aprender mas o conteúdo nunca entrava na minha cabeça, agora que tô progredindo de fato...

      Você não pode enviar mensagens, pois este tópico está fechado.
       

      Tópicos relacionados a Campo harmônico maior de D dúvida