Dorico (novo programa de notação da Steinberg)

    Autor Mensagem
    makumbator
    Veterano
    # mai/16 · Editado por: makumbator


    E aí galera! Finalmente a Steinberg anunciou que seu novo programa de notação musical será lançado esse ano (o nome escolhido foi Dorico, sobrenome de um importante editor italiano de música no começo da imprensa). O programa foi feito do zero pelo time original do Sibelius que foi demitido da Avid há 3 anos (eles estão desde então desenvolvendo o novo programa). E são liderados pelo incrível Daniel Spreadbury (que ao contrário de muitos desenvolvedores não se esconde dos usuários e sempre foi nota 10 em suporte)

    Aqui o site (não tem muitos detalhes):
    https://www.steinberg.net/en/products/dorico.html

    Aqui o sub-fórum dele na Steinberg:
    https://www.steinberg.net/forums/viewforum.php?f=246

    Aqui temos o blog que o Daniel mantém há bastante tempo, e registrou o desenvolvimento do software:
    http://blog.steinberg.net/

    Preços:
    U$ 579
    U$ 349 para usuários educacionais (alunos e professores de instituições oficiais)
    U$ 299 de crossgrade para quem tem licença de Sibelius (apenas as licenças perpétuas) e Finale

    Requisitos mínimos de sistema:
    Windows 8.1 e Windows 10 (apenas em versão 64 bits). Segundo o Daniel pode ser possível rodar no Windows 7 64 bits (mas será sem suporte para esse sistema)
    OS X 10.10 (Yosemite) e 10.11 (El Capitan)
    4 gigas de Ram como mínimo (8 como recomendado)
    12 gigas de espaço em disco

    Um detalhe importante é dizer que não será obrigatório usar a chave USB da Steinberg (apesar de ser possível usá-la também). Se o usuário quiser poderá usar o registro local na máquina.


    Agora as coisas ruins:

    No lançamento não haverá ainda o suporte para acordes (o que é péssimo), mas o próprio Daniel atesta que logo depois do lançamento haverá suporte completo para escrita de cifras.

    A princípio será possível ter apenas uma licença por compra, então quem quiser alternar entre diferentes computadores terá que usar a chave USB (pois ficar trocando de registro por máquina na Steinberg não é tão simples e rápido quanto em outros sistemas).

    Mas há esperança, pois lá no fórum estão tentando convencer a Steinberg a dar duas licenças por compra (ou cobrar uma pequena taxa por uma extra).

    É isso aí, que venha o Dorico!

    Jabijirous
    Veterano
    # mai/16
    · votar


    makumbator

    Eu vi e não to levando muita fé, não!!! Tem que trabalhar muito bem junto com o Cubase pra valer a pena!

    makumbator
    Veterano
    # mai/16
    · votar


    Jabijirous

    Eu levo fé muito pelo pelo fato de ser o Daniel e o antigo time do Sibelius. Acompanho o blog dele desde o começo, e tem coisas realmente ótimas. Foi só ele e a equipe sair da Avid que o Sibelius decaiu bastante no suporte e em desenvolvimento (as novidades do Sibelius 8 frente ao 7.5 são patéticos fru-frus)

    Jabijirous
    Veterano
    # mai/16
    · votar


    makumbator
    Eu tenho o seguinte pensamento: O que faz um programa de edição de partitura? Escrever bolotas e isso todos eles fazem, não é?

    Um programa bom, na minha visão, seria aquele que fosse junto com a daw. A mesma facilidade que nós temos com um track midi, seria na parte da partitura.

    "Mas Jabijirous, o Cubase já tem isso"

    Mais ou menos. O editor de partitura do Cubase é legal, mas trabalhar layout e outras coisas não tem como. Por isso eu exporto em music xml e abro no Finale.

    Agora, imagina você com um editor de partitura onde você pudesse escrever qualquer coisa e, automaticamente, essa qualquer coisa também fosse aparecer na daw ou vice-versa. Aí seria muito bom! Então a minha visão sobre um editor de partituras seria uma total integração com sua daw. Será que o Dorico chegará perto disso? É isso que eu quero ver!

    Adler3x3
    Veterano
    # mai/16 · Editado por: Adler3x3
    · votar


    Bem vamos aguardar os comentários, afinal o produto ainda não foi lançado.
    E sempre que um programa começa do zero, tem novidades e limitações.
    Como foi escrito do zero é bem provável que seja rápido.
    Agora o problema de compatibilizar a DAW e o Editor de partituras contínua, vai ser difícil por enquanto superar isto.
    E o interesse comercial?
    Você tem dois produtos diferentes, uma que faça tudo integrado seria o ideal, mas existe interesse nisto?
    A maior dificuldade ao meu ver, é que música é pura matemática, onde o músico faz o seus adornos.
    A simbologia da notação é complexa, algumas partes parecem matemáticas, mas a notação também é subjetiva, depende da interpretação.
    Quando se humaniza a notação, a partitura se perde, não tem como compatibilizar, teria que ter arquivos paralelos, sem a destruição do original notado, o que por enquanto ao meu ver é uma tarefa para lá de complicada, e existem camadas e camadas de edição, níveis e níveis, tem muitas articulações dos instrumentos virtuais, que ainda tem que melhorar e muito.
    E muitas vezes quando esta compondo, não tem ideia sólida sobre qual vai ser a melhor articulação nota por nota.

    Indo mais além, o ideal é que os diversos softwares poderiam ser melhor integrados, seguindo uma certa padronização, mas com flexibilidade. mas por enquanto acho que estamos longe disto, talvez daqui uma década.

    Quanto a questão das licenças acho importante ter no mínimo duas, uma para o computador desktop e outra para o notebook. (portátil), tablets e smartphones é outra história, pois por causa do poder de processamento serão mais simples, até que a miniaturização resolva isto, mas sempre vamos depender das nossas próprias mãos, isto é insubstituível, é uma questão física, todo aparelho muito pequeno dificulta o uso das mãos, que queira o não queira é uma das nossas melhores habilidades.
    Mesmo que inventassem sensores na nossa cabeça para traduzir e enviar tudo pelo cérebro mesmo, existiria o problema comum de falta de controle dos pensamentos, e aí quando pensamos em besteira, o que sairia? aí o cérebro humano teria que ser treinado, é isto é quase que impossível, quem tem controle, e quem consegue controlar todos os seus pensamentos?

    makumbator
    Veterano
    # mai/16 · Editado por: makumbator
    · votar


    Jabijirous

    Mas a intenção é no futuro integrar coisas do Dorico no Cubase ( de maneira maior ao que a avid fez entre Sibelius e Pro tools).

    No fórum do Sibelius a maioria esmagadora não é de gente que quer usar programa de notação com a DAW, e sim pessoas que usam como copistas e em editoras (basicamente o que eu faço na maior parte do tempo) e compositores escrevendo sem querer criar uma gravação. Esse povo (assim como eu) quer mais recursos de notação mesmo e menos coisinhas modernosas. Eu sempre achei isso curioso, pois o senso comum nos diz que a maioria seria gente mais ligada ao uso com daws, mas não é o público base ao menos naquele fórum.

    Entretanto eu também adoraria uma integração total com o Cubase. Uma coisa que o anúncio já provocou foi a Avid mudar o preço do upgrade após o fim do prazo de 1 ano. Antes iriam cobrar o valor completo de U$ 599, e agora vão cobrar U$ 299. Foi uma reação direta dias depois do anúncio do Dorico.

    Adler3x3

    Eu tenho muita esperança justamente por terem escrito do zero. E o Daniel é realmente um geniozinho da área. Ele tem formação superior em música (do jeito tradicional) formação em programação e experiência grande em gerenciamento e suporte (ele começou no suporte do Sibelius e foi galgando posições até se tornar chefe do produto). É um cara que não se acha dois desses no mundo. Em geral você encontra gente com grande formação de música mas sem conhecimento de programação profunda ou o oposto. E menos comum ainda é ter essas duas coisas combinadas com capacidade de gerenciamento e suporte ao usuário. Nunca vi cara assim em nenhuma empresa de software musical.

    Várias coisas legais do Sibelius vieram da cabeça dele (como o magnetismo entre os elementos gráficos, que sempre foi problema em notação de computador, com elementos se sobrepondo erroneamente).

    Edson Caetano
    Veterano
    # mai/16
    · votar


    Vale lembrar o Notion que foi repassado pela Cakewalk como integração total de softwares,DAW co notação, mas no final apenas uma integração rewire... Decepcionei, até hoje parado aqui no Notion 4

    Espero que a Steinberg haja de forma diferente, caramba até hoje fico em dúvida se não seria melhor ter pego o Cubase, isso quase 10 anos atrás, o que me tranquiliza é que realmente é uma plataforma mais cara é complicada de se usar

    Edson Caetano
    Veterano
    # mai/16
    · votar


    Complicada no sentido de liberar suas máquinas para uso... A Cakewalk com apenas um login online me libera tudo , ou seja , posso usar qualquer computador com Sonar instalado usando meu login e senha, isso pesou bastante

    JJJ
    Veterano
    # mai/16
    · votar


    Se for muito complicado e der dor de cabeça, ele mesmo resolve.

    makumbator
    Veterano
    # mai/16 · Editado por: makumbator
    · votar


    Edson Caetano

    A Steinberg tem trauma de pirataria. Na época do Cubase sx3 e 5 eram de longe os mais craqueados. Por isso são tão religiosos no uso da chave (que a bem da verdade, depois que eles comprarm a Elicenser praticamente cessaram com a pirataria nas versões full). O que tem hoje são basicamente cracks das versões menores que não usam a chave (AI, Le, elements)

    Hoje a chave da Steinberg é bem menos vulnerável que a ilok e muito mais estável e leve (eles nunca tiveram problemas graves, como um mega bug da ilok há alguns anos que manchou bastante a imagem do sistema). A única vantagem da ilok é que a chave ilok 2 é fisicamente mais resistente que a Steinberg key.

    Adler3x3
    Veterano
    # mai/16 · Editado por: Adler3x3
    · votar


    Edson Caetano
    Bem o que importa é o resultado final.
    Queiram ou não queiram o Sonar também é uma DAW top, não só pela sua história, e mudar tudo radicalmente quanto se esta supostamente lá no alto é complicado.
    O Notion 5, demorou para sair, mas quando saiu veio cheio de bugs.
    Agora já passado um ano depois de muitos upgrades para fixar os erros esta mais estável e continua sendo uma boa ferramenta, voltei a usar, e intercalo junto com o Finale.
    E estou editando várias músicas clássicas, Mozart, Beethoven, Bach, e o programa tem dado conta do recado em muitos sentidos, primeiro por ter uma biblioteca de áudio satisfatória, segundo por se conseguir editar quase toda a notação dos grandes mestres, até com alguns recursos exclusivos que só tem no notion, e o preço é bem competitivo quando comparado com o Finale e o Sibelius, enfim uma ferramenta auxiliar na produção musical, para aquele que quer um pouco mais do que uma DAW normal pode oferecer em notação.
    E o recurso do rewire é ilusão só funciona bem junto com o software do criador do Reason, é uma ferramenta a mais somente isto, não integra nada, muitos reclamam a falta disto no Finale, mas não é tão relevante assim.

    makumbator
    Veterano
    # mai/16
    · votar


    Adler3x3

    Rewire é bom, mas realmente não é o suficiente na maioria dos casos. Eu diria que é melhor que nada.

    Adler3x3
    Veterano
    # mai/16 · Editado por: Adler3x3
    · votar


    makumbator

    Sim, é mais uma ferramenta, mas não é a solução para uma verdadeira integração.
    No Linux por causa do Jack até existe uma melhor integração entre os diferentes softwares, mas não é fácil de configurar, e a medida que vai integrando muitos programas, fica instável, depende muito do poder de processamento, e assim ainda hoje é melhor lidar com importações e exportações de midi e áudio entre os diferentes programas.
    Dois ou mais programas abertos consome os recursos do computador, e a questão de multitarefa em tarefas pesadas não funciona, só com muito poder de processamento, com uma máquina impecável de última geração.
    Multitarefa é para pequenas tarefas, e em áudio a prática é outra.

    Jabijirous
    Veterano
    # mai/16
    · votar


    makumbator
    No fórum do Sibelius a maioria esmagadora não é de gente que quer usar programa de notação com a DAW, e sim pessoas que usam como copistas e em editoras (basicamente o que eu faço na maior parte do tempo) e compositores escrevendo sem querer criar uma gravação. Esse povo (assim como eu) quer mais recursos de notação mesmo e menos coisinhas modernosas. Eu sempre achei isso curioso, pois o senso comum nos diz que a maioria seria gente mais ligada ao uso com daws, mas não é o público base ao menos naquele fórum.

    Pra linguagem contemporânea eu acho que ambos tem falha. O Finale tem o Shape Designer, uma espécie de paint brush pior que paint brush. Acho que podiam melhorar e muito essa parte.

    A Steinberg tem trauma de pirataria. Na época do Cubase sx3 e 5 eram de longe os mais craqueados. Por isso são tão religiosos no uso da chave (que a bem da verdade, depois que eles comprarm a Elicenser praticamente cessaram com a pirataria nas versões full). O que tem hoje são basicamente cracks das versões menores que não usam a chave (AI, Le, elements)

    Isso é verdade. Entretanto, crackearam a suite do Vienna (versão velha) e o Vienna ensemble pro 5.

    Nego não perdoa!!

    makumbator
    Veterano
    # mai/16 · Editado por: makumbator
    · votar


    Jabijirous
    Pra linguagem contemporânea eu acho que ambos tem falha.

    Concordo totalmente. São bons dentro de uma notação mais tradicional (e abarcando também tablaturas, cifras e adjacências).

    Isso é verdade. Entretanto, crackearam a suite do Vienna (versão velha) e o Vienna ensemble pro 5.

    Nego não perdoa!!


    Por outro lado, tem vários usuários legítimos que vieram da pirataria (eu sou um deles). Já encontrei alguns outros que confessaram isso no fórum. É aquela faca de dois legumes. Se ninguém piratear talvez seja ruim pois menos gente vai usar, mas se muita gente piratear não vão cobrir as despesas de desenvolvimento e suporte.

    Jabijirous
    Veterano
    # mai/16
    · votar


    makumbator
    Eu tb. Além do mais, pra testar os produtos do vienna, tem que ter a chave. O mesmo para os produtos da EWQL.

    Jabijirous
    Veterano
    # mai/16
    · votar


    https://www.youtube.com/watch?v=jswPADssvhc

    makumbator
    Veterano
    # out/16
    · votar


    O Dorico foi lançado nessa quarta!

    Não aguentei esperar e comprei usando o desconto (crossgrade) para quem tem licença do Sibelius (são válidas licenças do Notion, Sibelius e Finale). Mesmo com o desconto é caro (279 euros).

    Já instalei e estou experimentando. Obviamente ainda tem muito chão para o programa ter a mesma capacidade de função dos outros já estabelecidos há anos. Mas o conceito é realmente fenomenal (principalmente na questão dos fluxos, área de formatação, outra só pra escrever, a de edição midi, etc...).

    Ainda estou bem perdido, pois tem aquela velha questão de curva de aprendizado de um novo software.

    Em breve haverá demo disponível.

    Adler3x3
    Veterano
    # out/16
    · votar


    Boa novidade.
    Recebi um e-mail da Steinberg e ainda não tive tempo de fazer qualquer análise.

    Bem no momento não vou poder gastar, mas ficamos no aguardo de futuros reviews.
    E existe uma certa integração com o Cubase?

    daimon blackfire
    Membro Novato
    # out/16
    · votar


    Será que é acessível? Já li em vários lugares que essas daws e editores de partitura mais caras pecam bastante em acessibilidade.

    makumbator
    Veterano
    # out/16 · Editado por: makumbator
    · votar


    Adler3x3
    E existe uma certa integração com o Cubase?

    No momento não. E nem em um futuro próximo. Isso foi colocado bem claro pelo Daniel desde o início. É um software para um público diferente, voltado à produção de partituras em alto nível, com todos os detalhes necessários. Apesar dele ter recursos mais profundos de edição midi que os demais competidores, não é intenção entrar na seara das DAWs, e nem integrá-lo diretamente ao Cubase (que continuará tendo seus recursos próprios de partitura).

    daimon blackfire

    Por acessibilidade você diz recurso para cegos? Nesse ponto o Sibelius é o melhor (O Ray Charles inclusive o utilizava sozinho, sem ajuda de ninguém). Se não me engano, até o Sibelius 4 essa acessibilidade era nativa, e depois precisava comprar plugins para se associar ao Sibelius e fornecer o suporte necessário.

    Em relação ao Dorico no momento não há nativamente esse suporte. Não me lembro do Daniel ter comentado algo sobre isso, mas posso perguntar se você quiser (ele responde tudo).

    daimon blackfire
    Membro Novato
    # out/16 · Editado por: daimon blackfire
    · votar


    Seria muito bom se tu perguntasse, não que eu tenha dinheiro pra comprar um software desses, mas tem cegos que tem, né?
    E a acessibilidade que eu digo é bem isso, recursos pra cegos. Muitas vezes é coisa simples, velho. Por exemplo, no sound forge, na maioria das
    janelas, o número de parâmetros, coisas que vc pode mexer usando o teclado é muito pequena, tipo, só dá pra alterar com mouse. To gostando do reaper
    por isso, dá pra mexer em absolutamente tudo com o teclado, com atalhos ou nas janelas mesmo. Em fim, tem uns plugins pra o sonar pra vc usar com
    jaws(um leitor de tela pago e até onde tive notícias extremamente caro), que segundo o que li é muito bom, mas é pago também. Pra vc ver como temos
    limitações nessa área, que supostamente temos muito mais facilidade e percepção do que quem enxerga.

    makumbator
    Veterano
    # out/16
    · votar


    daimon blackfire

    Beleza, vou perguntar e depois retorno aqui com os comentários.

      Enviar sua resposta para este assunto
              Tablatura   
      Responder tópico na versão original
       

      Tópicos relacionados a Dorico (novo programa de notação da Steinberg)