Seria a Polônia o ultimo bastião da glória ocidental?

    Autor Mensagem
    General Patton
    Membro Novato
    # fev/17 · Editado por: General Patton


    Com um governo católico, nacionalista e conservador, o presidente Andrzej Duda protege a fé cristã e ressalta os valores que construíram o Ocidente e a nação polonesa

    O discurso a seguir foi proferido ao Parlamento polonês pelo presidente Duda por ocasião do 1050º aniversário do batismo da nação, em 15 de abril de 2016. Ele ressalta a importância das tradições ocidentais, além de demonstrar um panorama histórico desta gloriosa nação do Leste Europeu. Após o pronunciamento do presidente, algumas considerações sobre o caráter conservador da atual Polônia.

    O Batismo de Duque Mieszko I é o evento mais importante de toda a história do Estado e da nação polonesa. Eu não digo que foi. Eu digo que a decisão tomada pelo nosso primeiro governante histórico predeterminou todo o futuro a vir para o nosso país. Nossa herança cristã continua a moldar os destinos da Polônia e de todos e cada um de nós, povo polaco, até o dia de hoje. Isto é o que Santo Padre João Paulo II tinha em mente quando ele observou: "Sem Cristo, não se pode compreender a história da Polônia".

    A tradição diz que o batismo do governante do povo polonês provavelmente teve lugar no Sábado Santo de 14 de abril de 966. E foi nesse ponto que a Polônia nasceu. A partir da Água Batismal, ela emergiu para uma nova vida cristã. Ela nasceu para o mundo, emergindo da era pré-histórica e entrou na arena da história europeia. Ela também nasceu para seu próprio bem: como uma comunidade nacional e política, desde a adoção do rito latino no batismo nossa identidade polonesa foi definida. A partir desse momento, começamos a pensar e falar de nós mesmos como "nós, os poloneses".

    Naquela época, dissemos "sim" a liberdade e auto-determinação. Demonstramos que éramos capazes de construir nossa nação e nosso próprio estado solícito sobre o seu bem-estar. Para construí-lo, defendê-lo e morrer por ele. Não estava predeterminado que o trabalho seria bem-sucedido, que uma comunidade seria formada. E, no entanto, o trabalho foi coroado de êxito. Uma comunidade foi construída com sucesso em um alicerce de fé que tem desde então intimamente crescido em nossa identidade, muitas vezes se apresentando em nossa história como o escudo principal e final da liberdade e da solidariedade. Ao serem batizados, nossos antepassados ​​definiram o núcleo em torno do qual a magnífica nação polonesa passaria então a ser formada. E nos momentos mais sombrios, quando nossos inimigos tentaram destruir a Igreja, a fim de derrubar as bases da nossa identidade polaca, o povo polonês enfrentaria o desafio e seria uma multidão nos templos em busca do seu sentido de comunidade e, assim, testemunhando a sabedoria intemporal da decisão uma vez tomada pelos nossos antepassados.

    Nós, o povo polonês, lutamos por 27 anos sob um regime que nos foi imposto pela primeira vez por forças de ocupação alemãs, em seguida, pelos comunistas após a guerra. Igualmente o primeiro e o último trabalhando para enfraquecer e quebrar o vínculo entre a nossa nação e a Igreja. Eles perceberam que desta forma iriam abalar os alicerces da nossa comunidade, que uma nação privada de sua ancoragem espiritual seria facilmente remodelada em massas escravizadas. Para este fim, os nazistas aplicaram um terror sangrento. Os comunistas no poder depois da guerra procuraram fazer o povo polonês se afastar do cristianismo. Eles promoveram uma ideologia ateísta, perseguiram tanto sacerdotes quanto fiéis. Eles inclusive foram longe o bastante para aprisionarem o Primaz da Polônia.

    E naqueles dias, o cardeal Stefan Wyszynski foi inspirado com a ideia de proteger a identidade polonesa e cristã da nação contra a doutrinação e a repressão através da organização de uma grande Retiro Nacional. Foi introduzido pelos Juramentos da Nação Polonesa de Jasna Góra de 1956, uma referência direta aos juramentos feitos por D. João II Casimiro em Lvov 300 anos antes. Depois, uma novena de nove anos preparou o povo polonês para as celebrações do milênio.

    Cinquenta anos atrás, em abril de 1966, as celebrações do milênio do Batismo da Polônia começaram. Em 3 de maio, no santuário de Jasna Góra, 250.000 fiéis participaram de uma comemoração. As celebrações duraram um ano inteiro, reunindo um número incontável de poloneses. Além disso, o jubileu foi celebrado entre mais de 50.000 dos poloneses expatriados em Londres e Chicago, Roma e Paris, e até mesmo nas remotas Austrália e Nova Zelândia.

    Pode-se com segurança afirmar que graças à iniciativa do Primaz do Milênio, toda a nação polonesa reforçou a ligação à sua herança cristã. Isso aconteceu apesar dos obstáculos montados pelo regime comunista que, por exemplo, 'apreendeu' uma cópia do ícone de Nossa Senhora de Jasna Góra, provocou os fiéis a entrarem em conflito com a polícia, tentou bloquear o acesso para as celebrações do milênio para perturbar seu curso e, finalmente, organizou uma celebração rival do Estado polaco, obrigando os trabalhadores fabris e instituições a participarem.

    As celebrações milenares de 1966 e o papel especial desempenhado pelo Primaz do Milênio, o cardeal Stefan Wyszynski, revelaram a importância atemporal do batismo de Mieszko I e o poder unitário do Cristianismo para a nossa comunidade. A nação rejeitou o slogan falso: "A República Popular da Polônia é o coroamento do milênio do nosso estado". Nem era o povo polonês enganado pela iniciativa propagandística para construir mil escolas para comemorar o nosso milênio, apesar do fato de que isso produziu resultados válidos e bons para o desenvolvimento da educação e melhoria das condições de ensino. Os poloneses optaram pela fidelidade à Igreja, o amor autêntico da sua pátria e de esperança para recuperar a liberdade. A autoridade dos bispos e padres foi reforçada. A obra de vida do Primado Wyszyński abriu o caminho para o pontificado do Papa João Paulo II e para a revolução pacífica "Solidariedade".

    O Milênio emprestou a nós, poloneses, um senso de soberania na sua dimensão mais fundamental: como pessoas livres e cidadãos livres. Muitas iniciativas tomadas pelas comunidades paroquiais em defesa dos seus padres e igrejas por toda a duração da República Popular da Polônia, o total empenho dos fiéis que se manteve construindo ilegalmente novas igrejas em desafio às autoridades, os esforços espontâneos para se organizarem e a participação em massa nas celebrações de 1956 a 1966, tudo isso provou que existe um poder enorme a ser desencadeado na nossa comunidade, nosso poder que tem origem em nossa compartilhada identidade nacional e cristã. O poder que se manifestou em várias ocasiões na nossa história nos últimos séculos, que nos ajudou a enfrentar as experiências mais difíceis: a perda de liberdades civis e de um estado independente, as tentativas de desnacionalizar e descristianizar o nosso povo. O poder que nos levou através da confrontação com os nossos inimigos, poderes de divisão, as forças de ocupação e levou-nos a ganhar e obter a vantagem de uma nação ainda mais forte e mais unida.

    Nós temos tomado sempre [este princípio] e vamos sempre nos orgulhar deste espírito nacional invencível. Podemos e estamos dispostos a recorrer a este nosso grande tesouro. É também uma lição para o futuro para nós: que nós, o povo polaco, pode realizar coisas grandes, importantes, se somente trabalharmos em conjunto, de acordo com os valores que nos unem. Os valores que têm a sua origem no vínculo inquebrável entre o espírito polaco e as suas raízes cristãs.

    Mil e cinquenta anos atrás, a Polônia aderiu à comunidade cristã da época. Ela fez isso por vontade própria. Ciente dos benefícios que este ato traria, incluindo benefícios políticos. Graças à decisão de longo alcance do Duque Mieszko, a Cristianização forneceu um poderoso estímulo para o desenvolvimento da Polônia. O estado ganhou uma base mais sólida sobre a qual construir a sua segurança e soberania. Ao longo do tempo, tornou-se cada vez mais moderno, mais eficientemente governado, mais internamente integrado.

    Os pregadores da Boa Nova abriram diante do povo polaco um enorme tesouro de riqueza espiritual, promovendo a visão cristã do homem em nossa cultura. Desde o final do século X, o Decálogo e o Evangelho tornaram-se cada vez mais profundamente enraizados em milhões de corações, nas margens dos rios Warta e do Vístula, do Oder e do Bug, do Neman e do Dneper. Eles forneceram uma motivação para construir um mundo melhor, mais humano. É por isso que a nossa adesão ao domínio da civilização cristã, em seu rito latino, representou um avanço real para nós.

    Os três pilares desta civilização também se tornaram os pilares da identidade e da cultura polonesa.

    O primeiro dos três pilares tem sido e continua a ser a filosofia grega, ou o amor da sabedoria. E esse é a primazia da verdade objetiva. Instrumentos precisos para investigar e analisar a realidade. Uma fundação imutável para o desenvolvimento de todas as ciências até hoje.

    O segundo pilar tem sido e continua a ser o pensamento jurídico e o conceito de governo romano. A ideia do Estado de Direito. A ideia de uma república, ou seja, um estado que é um bem comum dos cidadãos que o regem. É também o ethos cívico, um ethos de privilégios relacionados com as responsabilidades. Estes são os princípios melhorados e testados ao longo dos séculos, os princípios que fornecem as bases também para o moderno direito civil, penal, processual e nacional.

    O terceiro pilar tem sido e continua a ser o núcleo do pensamento cristão: o Antigo e o Novo Testamento, o Decálogo e o Evangelho. Este romance, uma visão revolucionária da humanidade como uma família, como comunidade de irmãos e irmãs iguais diante do Pai e Sua lei moral. É também uma chamada para a paz, para o arrependimento por qualquer mal cometido e perdão por qualquer delito que se tenha sofrido. Um imperativo para dar prioridade à pessoa humana sobre os objetos, sobre as vantagens mundanas e o desejo de posse. A proteção dos mais fracos, um apelo à solidariedade na ajuda aos necessitados e o princípio brilhante da subsidiariedade. É o reconhecimento da dignidade das mulheres e a contribuição feita por elas para a vida das sociedades em vários campos. A ideia do governo e superioridade como serviço e a crença de que os governantes, também, estão sujeitos ao julgamento moral. O cristianismo também é um conceito único da separação entre o sagrado e o profano, o que é divino e aquilo que pertence a César. A ideia de autonomia, mas ao mesmo tempo de cooperação entre as autoridades seculares e espirituais. Estas são também instituições como a universidade e a escola local, o hospital e o orfanato. É uma nova visão da ética militar, médica e econômica. E, por último mas não menos importante, as alturas da arte e do gênio, alcançadas por artistas inspirados pelo Cristianismo: artistas visuais, arquitetos, músicos e poetas.

    Por isso, não deve ser surpreendente para ninguém que é apenas no círculo desta civilização particular que as ideias e fenômenos como o conceito de direitos humanos inalienáveis ​​como primogenitura, o constitucionalismo de cada ser humano, um Estado democrático de direito, direito internacional universal, movimentos de emancipação dos trabalhadores e o moderno caráter do debate público têm aparecido. Todos eles estão profundamente enraizados na herança cristã.

    Hoje, não é só Atenas, Roma e Jerusalém que definem o âmbito desta civilização. Graças aos esforços das 30 gerações de poloneses, novos centros importantes foram adicionadas ao mapa de Cristandade.

    Por exemplo Gniezno, onde as relíquias de Santo Adalberto, que espalhou a fé com a sua palavra e não com a espada, repousam.

    Torun e Frombork, cidades conectadas com Nicolau Copérnico, o chanceler do Capítulo de Warmia, e autor de um dos maiores avanços na história do pensamento humano.

    Cracóvia, a cidade do Bispo Santo Estanislau de Szczepanów, um defensor corajoso da ideia dos deveres morais dos poderes públicos, a cidade da Academia de Cracóvia e do reverendo Paweł Wlodkowic (Paulus Vladimiri), um dos teóricos mais destacados da tolerância religiosa. É a Cracóvia de Karol Wojtyła, Santo Papa João Paulo II, que introduziu a Igreja no terceiro milênio, no sentido pleno do termo.

    Poznań, capital do bispado de Wawrzyniec Goślicki, um autor de concepções originais de governo, que se tornou uma fonte de inspiração para os autores da Constituição dos Estados Unidos e vários outros adversários da ilegalidade monárquica do século XVI.

    Brześć Litewski (Brest-Litovsk), o lugar onde uma união eclesiástica foi constituída, um dos esforços mais importantes em conciliar o Ocidente e o Oriente cristãos.

    Częstochowa, a cidade que é preciso visitar a fim de apreciar o estatuto especial e o respeito que as mulheres têm na Polônia. A cidade onde Bogurodzica, a Mãe de Deus, um hino considerado como o primeiro hino nacional da Polônia, continua a ser cantado diante do ícone de Nossa Senhora de Jasna Góra, o mais venerado objeto de culto da Polônia.

    Varsóvia, a capital de um estado sem estacas e guerras religiosas. A cidade onde o Sejm da Comunidade polonesa promulgou a Confederação de Varsóvia, o primeiro ato legislativo no mundo para garantir a tolerância religiosa universal. Esta é a Varsóvia, o assento de D. João III Sobieski, o vencedor da batalha de Viena, e a cidade nos quais arredores uma invasão da barbárie comunista contra a Europa foi interrompida em 1920.

    Existem centenas de localidades, especialmente na antiga região limítrofe oriental da Polônia, onde as minorias étnicas e religiosas costumavam viver pacificamente lado a lado.

    Por último, mas não menos importante, estes são locais ligados à vida e realizações de nossos numerosos compatriotas, artistas mundialmente famosos, homens e mulheres de letras, estudiosos e inventores, os indivíduos que impressionantemente pagam uma dívida de gratidão para com a cultura que os formou.

    A civilização cristã, nos últimos 1050 anos co-criada e defendida com grande dedicação pelo povo polaco, é o resultado de um trabalho titânico e da luta de milhões de pessoas, um efeito de numerosas investigações e experimentos, ensaios históricos e erros. É uma criação madura, universal, com um forte impacto sobre a humanidade como um todo.

    Ela não é um fóssil, e se mantém organicamente em evolução. Ela precisa de suas folhas jovens e brotos tanto quanto ela precisa de suas raízes ocultas. Ela também precisa de um tronco para mediar entre estes, que é uma síntese natural do velho e do novo.

    Uma árvore pode ser cortada. Alguém pode envenenar as suas raízes e vê-la murchar. Isso não toma muito tempo nem esforço. No entanto, plantar uma nova árvore e esperar ela crescer e produzir frutos é um processo longo.

    É por isso que o preço por destruir os fundamentos da nossa civilização e tentar substituí-los por outros conceitos,incoerentes e vagamente esboçados, sempre foi e sempre será um enorme sofrimento e devastação. Isto foi mais claramente demonstrado pelo século XX e seus dois projetos ideológicos: o comunismo e o nazismo, com suas terríveis conseqüências.

    O século XXI rapidamente nos confrontou com novos desafios difíceis. Em uma aldeia global, a rivalidade natural entre diferentes modelos de civilização alcançou uma intensidade sem precedentes.

    Na Polônia e na Europa, os debates estão em curso sobre a forma de abordar estes novos desafios. Pessoalmente, acredito que a coisa a fazer nesta situação é confiar na força da nossa identidade, atraída no rico tesouro de ideias, experiências e soluções desenvolvidas em uma corrente principal combinada das duas grandes tradições: a greco-romana e a judaico-cristã.

    São nelas que devemos basear nossas ações daqui em diante.

    Na verdade, a principal responsabilidade do presidente, do Senado, do Sejm e do Governo da República da Polônia é solicitude para os nossos dias atuais. Solicitude para garantir uma Polônia e uma Europa onde a dignidade, direitos e aspirações de todos os cidadãos sejam respeitados e protegidos. Solicitude para garantir uma Polônia e uma Europa onde a solidariedade e um senso de comunidade devem ter precedência sobre a rivalidade e o jogo de interesses. No entanto, a solicitude para garantir um bom futuro é uma tarefa igualmente importante para nós. Solicitude para garantir que nossa herança de tolerância e abertura, a nossa liberdade e nosso bem-estar material, bem como a força espiritual sejam preservados e permitidos a crescerem ainda mais.

    Estamos aqui reunidos hoje na Poznań da dinastia Piast, o berço do nosso Estado e da nossa nação, o berço da nossa comunidade, no 1050º aniversário do batismo de Mieszko. Estamos aqui porque entendemos a responsabilidade que temos nos ombros. A nossa responsabilidade tanto para a história quanto para as futuras gerações de poloneses.

    Na véspera da adesão da Polônia à União Europeia, o Papa João Paulo II assinalou que esta seria uma grande oportunidade para a nossa nação enriquecer o Ocidente espiritualmente, o mesmo Ocidente que uma vez trouxe a fé cristã para nós. A Europa precisa da Polônia e a Polônia precisa da Europa, disse o Santo Padre. É por isso que, em homenagem aos nossos predecessores de longo alcance, de 1050 anos atrás, eu gostaria de afirmar enfaticamente hoje que, seguindo a orientação do nosso grande compatriota, a Polônia é e continuará a ser fiel à sua herança cristã. Pois é com este patrimônio que temos uma base sólida e bem testada para o futuro.


    Imagem ilustrativa 1

    Imagem ilustrativa 2

    Imagem ilustrativa 3

    Imagem ilustrativa 4

    Fidel Castro
    Veterano
    # fev/17 · Editado por: Fidel Castro
    · votar


    país sem perspectiva geopolítica ou econômica resta viver no passado

    enquanto gritam e esperneiam deus vult, a história segue por debaixo de seus pés

    great food tho

    General Patton
    Membro Novato
    # fev/17
    · votar




    General Patton
    Membro Novato
    # fev/17 · Editado por: General Patton
    · votar


    Perspectiva geopolitica como valor de verdade

    Viciado em Guarana
    Veterano
    # fev/17
    · votar


    Bem... a CD Projekt RED é de lá então deve ser um bom país sim.

    brunohardrocker
    Veterano
    # fev/17
    · votar


    perspectiva

    Em time que está ganhando, não se mexe.

    makumbator
    Veterano
    # fev/17
    · votar


    Se ficarem pagando de bonzão a Alemanha invade de novo hein....

    Insufferable Bear
    Membro
    # fev/17
    · votar


    Eu curto essa banda polonesa.



    Black Fire
    Gato OT 2011
    # fev/17
    · votar


    Única coisa interessante nesse país é o chocolate Milka.

    Black Fire
    Gato OT 2011
    # fev/17
    · votar


    A única tradição que realmente fazia a Polônia grande, a da tolerância religiosa, foi destruída progressivamente pelos três pilares da loucura europeia: catolicismo romano, comunismo e nazismo. O que resta agora é esse simulacro de civilizacionismo que tenta atribuir um valor transcende ao populismo de direita.

    brunohardrocker
    Veterano
    # fev/17
    · votar


    Black Fire

    Quando você se filiou ao PSOL?

    Black Fire
    Gato OT 2011
    # fev/17
    · votar


    brunohardrocker
    Só acredito na honestidade de cristão que protesta contra a OTAN. Ficar de mimimi com gay e imigrante é coisa de quem não tem bolas.

    megiddo
    Membro
    # fev/17
    · votar


    Só acredito na honestidade de cristão que protesta contra a OTAN.

    Devolva a senha do Black Fire, Dugin.

    One More Red Nightmare
    Veterano
    # fev/17
    · votar


    megiddo
    Você acompanha a treta Dugin x OdC?

    Conhece The Fourth Political Theory ?

    Viciado em Guarana
    Veterano
    # fev/17
    · votar


    Você acompanha a treta Dugin x OdC?

    Mds, mano! Vão trabalhar!

    Black Fire
    Gato OT 2011
    # fev/17
    · votar


    megiddo
    Haha sai fora.

    Black Fire
    Gato OT 2011
    # fev/17 · Editado por: Black Fire
    · votar


    Mas, na moral, alguém realmente consegue enxergar cristianismo nessas tosqueiras polacas? Nego tá tão desesperado que acredita em crossover de Jesus com hooliganismo, pqp.
    É óbvio que de cristianismo isso aí não tem nada, estão levantando uma bandeira identitária, de glória e esplendor civilizacional, a quintessência do paganismo europeu, chamando isso de defesa cristianismo e nego leva isso aí a sério ainda.
    E ainda botam o nome do João Paulo II nesse suruba ideológico identitário dos infernos.

    E esse papo de "essa guerra não é nossa", "esses refugiados não são nossos"? Alguém avisa essa mina aí que quem arma, treina e financia, qualquer grupo do Oriente Médio que se diga democrático e "moderado" é a OTAN, que a Polônia faz parte, e que a Polônia inclusive manteve tropas no Afeganistão por muito tempo, depois quando a merda bate no ventilador ficam com essas de "eu não tenho nada a ver com isso".

    dr. Rey
    Membro Novato
    # fev/17
    · votar


    Black Fire

    Você conhece o Conde Loppeux de la Villanueva? Seus posts ultimamente têm me lembrando muito dele.

    Black Fire
    Gato OT 2011
    # fev/17
    · votar


    dr. Rey
    Um gordinho com cara de down?

    dr. Rey
    Membro Novato
    # fev/17
    · votar


    Black Fire

    É.

    Black Fire
    Gato OT 2011
    # fev/17
    · votar


    dr. Rey
    Já vi uns vídeos dele, sabia que era Conde, não esse Conde de não sei o que. Mas sempre achei meio lambe bolas do Olavo, nunca achei muito interessante não.

    Insufferable Bear
    Membro
    # fev/17
    · votar


    Viram meu vídeo? É um bom vídeo.

    MENDIGO_PAISANA
    Membro Novato
    # fev/17
    · votar


    Lewandowsky ( não o ministro ) foi troxa de jogar na seleção da Polônia, poderia facilmente jogar no lugar do Klose.

    sallqantay
    Veterano
    # fev/17
    · votar


    polônio > polônia

    daimon blackfire
    Membro Novato
    # fev/17
    · votar


    To nie jest prawda, przyjaciele.

    dr. Rey
    Membro Novato
    # fev/17 · Editado por: dr. Rey
    · votar


    Black Fire

    Veja se você se identifica...



    Fidel Castro
    Veterano
    # fev/17
    · votar


    dr. Rey
    Black Fire

    De onde vocês tiram esses vloggers malucos?

    Insufferable Bear
    Membro
    # fev/17
    · votar


    Fidel Castro
    De muito tempo sem carpir uma laje.

    sallqantay
    Veterano
    # fev/17
    · votar


    dr. Rey

    o cara falou muito de teologia e pouco de cultura ou mesmo política

    se o conservadorismo se pauta pelo continuísmo histórico, obviamente ele vai ver a civilização ocidental como um contínuo, passando por cima dessas picuinhas teológicas

    One More Red Nightmare
    Veterano
    # fev/17
    · votar


    Achei razoável

      Enviar sua resposta para este assunto
              Tablatura   
      Responder tópico na versão original
       

      Tópicos relacionados a Seria a Polônia o ultimo bastião da glória ocidental?