Composição de melodia vocal com notas "fora" do acorde.

    Autor Mensagem
    Folkling
    Membro Novato
    # abr/15 · Editado por: Folkling


    Queria entender um pouco mais sobre a composição de melodia vocal.

    Fico sempre em dúvida sobre o que é teoricamente aplicável e o que é simplesmente displicência.

    Olhem esses três exemplos:

    Nirvana - Pennyroyal Tea
    https://www.youtube.com/watch?v=tNd5cZ9lbM0
    (fingindo que não está meio tom a baixo)
    Os acordes são Am e G.
    A melodia que ele canta fica algo tipo
    Am ----------------- G

    I'm on my turn with everyone
    ------------------------------------------
    ------------------------------------------
    --0 2----0 2----------0 4 4 2--------
    -----------------------------------------
    -----------------------------------------
    -----------------------------------------

    Logo, ele descansa a melodia em La, sendo que o acorde tocado é Sol.
    Imagino que se tratando do Kurt ele não tenha nem ideia do que ele fez aqui, mas gostaria de entender melhor como funciona isso. Ainda que La esteja no campo harmônico de Sol, a nota não está no acorde.


    Outro exemplo

    Bob Dylan - You're A Big Girl Now
    http://www.dailymotion.com/video/x2ntr41
    (Desculpem a qualidade mas é difícil achar música do Dylan na internet)
    A música é em Sol, mas o começo dela tem os acordes Bm Am / Bm Am,
    A melodia fica +- assim.

    Bm --------------------Am
    Our conversation____ was short and sweet
    ------------------------------------------
    ----0 3 0 5 5---------------------------
    ------------------------------ 2 0 4------
    ----------------------------4 -----------
    -------------------------------------------
    -------------------------------------------

    É difícil ser exato nessa melodia pq é gritado e não é nada melódico. Mas o que mais me interessa é que ambos acabam em notas fora do acorde. Primeiro o acorde é Si Menor e a nota que finaliza é um Mi e depois o acorde é La Menor e finaliza em Si.


    A impressão que eu tenho é que só funciona porque é gritado assim... Se fosse pra fazer algo bonitinho, lento e melódico ficaria estranho, mas posso estar errado.

    Acontece a mesma coisa em Like a rolling stone
    https://vimeo.com/5124986

    A sequência de acordes é

    1ª parte ------------2ª parte -----3ª parte--------------------- 4ª parte
    C Dm(7) Em F G // F G F G // F Em Dm C F Em Dm C F // Dm C F G //

    5ª parte (Refrão)

    G(7) C F G(7) C F G(7) C F

    No começo ele fica simplesmente fica alternando entre as notas C e B e depois ele faz a mesma coisa dos outros exemplos :

    C ---Dm(7)---Em---F -------G
    --------------------------------------------
    -1110101110111011111----5 3 5!!
    --------------------------------------------
    ---------------------------------------------
    --------------------------------------------
    --------------------------------------------

    No refrão a mesma coisa:

    G(7) -------------------- C --- F
    _________How does it feel!?
    --------------------------------------------
    ------------6-----5----3---6 !!!-----------
    --------------------------------------------
    ---------------------------------------------
    ---------------------------------------------
    --------------------------------------------

    Ele canta Fá quando faz a troca pro dó.



    Bom... Espero que tenha ficado claro. Gostaria de saber que insights a galera tem pra oferecer sobre o tema.

    Brigadão

    entamoeba
    Membro Novato
    # abr/15
    · votar


    Questionamento interessante!

    Marcando...

    Filippo14
    Veterano
    # abr/15
    · votar


    A explicação disso é campo harmônico, não é regra a melodia estar no acorde, pode simplesmente estar no campo e ponto. O que fica mais complicado é usar notas que não encaixem em nenhum campo possível para determinado acorde.

    Para facilitar, vamos usar somente a música do Nirvana.

    Am - G certo?

    Am pode ser quais graus do campo harmônico?

    Am frígio, dórico ou eólio

    G pode ser quais graus do campo harmônico?

    Como ele não tem sétima definida, ele pode ser G jônio, lídio e mixolídio

    Portanto as notas que ficam legais são todas que englobam esses campos, obviamente que cada campo respeitando o acorde que está na base (algum campo de G no acorde de G e algum campo de Am no acorde de Am). Contudo, em geral as notas da tríade e tétrade soam mais tradicionais e quase sempre, 99% ficam boas, mas não são regras.

    Fora esses campos, existe ainda os campos referentes a Menor Harmônica e Menor Melódica, e as notas desses campos para melodias deixam tudo mais dissonante, mas são válidas, depende da sonoridade que se deseja obter.




    Essa musica do Robert Plant com o Jimmy Page acredito que tenha umas notas na melodia que nao sejam da tetrade dos acordes e estao em um campo harmonico menor melodico. A melodia é bem mais "estranha" que as tradicionais, mas é usado e bem legal de fazer.

    JJJ
    Veterano
    # abr/15
    · votar


    Apesar de ser uma banda de rock - e por conta disso alguém que não conhece poderia pensar que as músicas seriam sempre de 3 acordes e nada mais - o Nirvana tinha umas harmonias e melodias bem fora do padrão mesmo. E não soava nada mal!

    Adler3x3
    Veterano
    # mai/15
    · votar


    No final o importante é que soe bem.
    E o inusitado em algumas partes atrai a atenção do ouvinte..

    Se tudo ficar muito certinho não tem graça.

    Folkling
    Membro Novato
    # mai/15
    · votar


    No final o importante é que soe bem.
    E o inusitado em algumas partes atrai a atenção do ouvinte..

    Se tudo ficar muito certinho não tem graça.

    Taí um tipo de resposta que não acrescenta nada ao tópico.
    "soar 'bom'" é tão relativo que nem vale a pena entrar nessa

    Folkling
    Membro Novato
    # mai/15
    · votar


    Apesar de ser uma banda de rock - e por conta disso alguém que não conhece poderia pensar que as músicas seriam sempre de 3 acordes e nada mais - o Nirvana tinha umas harmonias e melodias bem fora do padrão mesmo. E não soava nada mal!
    É isso sem dúvida. O Nirvana fazia melodias estranhas e sequencias de acordes estranhos também. O fato de praticamente só usar power chords facilitava essa segunda questão.
    Acho que não existe teoria que explique músicas tipo "Milk it". Aquela guitarrinha do começo é basicamente "qualquer coisa".


    Portanto as notas que ficam legais são todas que englobam esses campos, obviamente que cada campo respeitando o acorde que está na base (algum campo de G no acorde de G e algum campo de Am no acorde de Am). Contudo, em geral as notas da tríade e tétrade soam mais tradicionais e quase sempre, 99% ficam boas, mas não são regras.

    Cara isso não explica... por exemplo:
    Uma música no Campo Harmônico de Sol. Aí na hora de tocar dó, faça uma melodia que seja tipo Si Si Lá Sí Fa#. Vai soar simplesmente desafinado. E vai estar dentro do campo harmônico de Sol.

    sebber
    Veterano
    # mai/15
    · votar


    Folkling

    Quando ele repousa em na nota A durante o acorde G, eu vejo isso como a nona. Da mesma forma como quando ele segura a nota B no acorde A.

    Muito comum na música em geral, inclusive repousar (gostei desse termo) na quinta menor. Exemplo com o acorde fá maior:

    O acorde no violão seria

    e---1------
    B---1------
    G---2------
    D---3------
    A---3------
    E---1------


    Mas na voz soa como

    e---x------
    B---0------
    G---2------
    D---3------
    A---3------
    E---1------


    Saca? Essa sensação de "quase chegando lá" dá uma pegada dramática na interpretação.

    Realmente uma discussão interessante.

    Folkling
    Membro Novato
    # mai/15
    · votar


    Quando ele repousa em na nota A durante o acorde G, eu vejo isso como a nona. Da mesma forma como quando ele segura a nota B no acorde A.

    Muito comum na música em geral, inclusive repousar (gostei desse termo) na quinta menor. Exemplo com o acorde fá maior:

    O acorde no violão seria

    e---1------
    B---1------
    G---2------
    D---3------
    A---3------
    E---1------


    Mas na voz soa como

    e---x------
    B---0------
    G---2------
    D---3------
    A---3------
    E---1------


    Saca? Essa sensação de "quase chegando lá" dá uma pegada dramática na interpretação.

    Realmente uma discussão interessante.


    Cara eu também encarei como Nona. Fico me perguntando se ele não deveria tocar a nona no violão também pra que ficasse "teoricamente correto" (sem entrar em mais detalhes de música é livre etc hehe).

    Outra questão é que ali naquele caso especifico, funcionou. Mas acho que poderia não ter funcionado se a melodia abusasse disso.. Parece que é algo delicado.

    Já sobre essa quinta.. A quinta forma o trítono, acaba soando a nota mais estranha. Você lembra de algum exemplo de música que faça isso?

    sebber
    Veterano
    # mai/15
    · votar


    Agora não, mas quando estiver ouvindo música e achar um exemplo volto aqui e comento.

    Lelo Mig
    Membro
    # mai/15 · Editado por: Lelo Mig
    · votar


    Folkling

    Ainda bem que muitos que fazem e cantam músicas não sabem nada de teoria. Isso, de certa forma, se torna libertador!

    Ainda que tudo possa ser explicado dentro da teoria é justamente o desconhecimento, em muitas vezes, que propicia a inovação, renovação e amplitude das aplicações.

    Que pobreza seria seguir à risca o que pede "o manual da música correta".

    Quem me conhece, sabe que nada tenho contra o estudo musical, muito pelo contrário. Mas sabem, também, de minha implicância com alguns dogmas e regras obtusas.

    Partindo do pressuposto que a música é arte, expressão, não é preciso saber música para fazê-la, assim como não é preciso saber desenhar para fazê-lo. Uma criança se diverte e se expressa com rabiscos e borrões, até com a merda que acabou de vazar de suas fraldas!

    Ainda bem!

    Folkling
    Membro Novato
    # mai/15
    · votar


    Tem esse outro exemplo aqui:

    Neil Young - Tell me why
    https://www.youtube.com/watch?v=GiyzaEvFpqU

    No refrão:
    G-----------Gmaj7 ------------------------------------------C
    _____Is it hard to make arrengements with yourself when you're....


    Ele canta:
    G---------Gmaj7------------------------------------C

    e--------- 2-----2------2------3------2--- 0---------0
    B--3--5-------------------------------------------3
    G----------------------------------------------------------
    D----------------------------------------------------------
    A----------------------------------------------------------
    E----------------------------------------------------------


    Agora se tu não toca aquele Gmaj7 e toca um G normal ia ficar bem desafinado.

    Lelo Mig
    Membro
    # mai/15
    · votar


    Folkling

    Estar dentro ou fora do tom, em "concordância" com o campo harmônico, dentro de um determinado "padrão de afinação" é conceito regional.

    Para muitos de nós, criados sobre as regras europeias, chineses e japoneses seriam desafinados em suas canções tradicionais (apesar que o canto japonês, hoje em dia, esta muito ocidentalizado).

    Aqui usamos a palavra "semitonar" como uma referência ao erro, nos países orientais "semitonar" é técnica.

    O Neil Young, dentro de seus exemplos, intencionalmente ou não, semitona prá dedéu!

    Folkling
    Membro Novato
    # mai/15
    · votar



    Estar dentro ou fora do tom, em "concordância" com o campo harmônico, dentro de um determinado "padrão de afinação" é conceito regional.

    Para muitos de nós, criados sobre as regras europeias, chineses e japoneses seriam desafinados em suas canções tradicionais (apesar que o canto japonês, hoje em dia, esta muito ocidentalizado).

    Aqui usamos a palavra "semitonar" como uma referência ao erro, nos países orientais "semitonar" é técnica.

    O Neil Young, dentro de seus exemplos, intencionalmente ou não, semitona prá dedéu!


    Não é tão simples assim.
    Se não bota qualquer um pra cantar qualquer coisa no auge da desafinação e fala que aquilo alí é a "arte dele" estilo Yoko ono.

    Que música que o Neil Young semi tona? (fora as desafinadas que ele deixa passar, mas que são claramente desafinadas)

    Além do que, os padrões não se estabelecem em cima do "nada". Se estabelecem tomando como base algo. Talvez a natureza. Passarinho são não desafina.

    Folkling
    Membro Novato
    # mai/15
    · votar


    Não dá pra fazer toda discussão sobre teoria musical cair no "O que é arte?!"

    Adler3x3
    Veterano
    # mai/15
    · votar


    Amém!

    kiki
    Moderador
    # mai/15
    · votar


    no exemplo do nirvana: acorde G cantando um lá

    pense como se formasse um acorde com nona, um G com um lá acrescentado.

    Pé de chinelo
    Veterano
    # mai/15
    · votar


    Folkling

    Vc pode pensar da maneira que o Kiki falou, é como eu penso normalmente tb

    Vamos supor que vc tem os acordes de Am e G na sequência. Dai vc cria uma melodia que repouse numa nota B durante o acorde Am, e na nota A durante o acorde G:

      Am              G
    e------------------------------------------------------
    B----0-----------0---------------------------------------
    G------------------0-2-----------------------------------
    D------------------------------------------------------
    A------------------------------------------------------
    E------------------------------------------------------


    O que acontece na prática é que se tornam A9 e G9, pq apesar da base não estar nesses acordes, o solo insere essas notas, assim o conjunto dos instrumentos soa como outro acorde.

      Enviar sua resposta para este assunto
              Tablatura   
      Responder tópico na versão original
       

      Tópicos relacionados a Composição de melodia vocal com notas "fora" do acorde.