Piano acústico Vs digital: teste no youtube e maioria nada sabe

    Autor Mensagem
    jorget
    Membro Novato
    # fev/17 · Editado por: jorget


    Um americano postou (deve ser pra gozação/piada, só pode ser) comparativo de um piano de cauda "meia-sola" Toyo e falido há 30 anos, além de desafinado, o comparando com um SP Yamaha modelo P155, também descontinuado, mas que tem na sua essência o top da Yamaha, o C7-CFX, um dos 3 melhores pianos do mundo (junto com o Steinway D e o Bosendorfer Imperial). Má comparação desse desafinado com o CFX, pois dá pra ouvir a vibração metálica (frouxa) das cordas.

    Ok, o fez por brincadeira pra saber a opinião do povo, onde 99% preferiram o desafinado só porque é um acústico. Ou seja, aquele ditado caiu perfeito no "ouro dos tolos" dizendo: "nem tudo que reluz é ouro". E ele, é claro, nem foi bobo de se meter nos comentários, apesar de avisar que o de cauda estava desafinado (hilário), nunca eu defendendo os SP mas sim de serem melhores que um desafinado e só isso, afinal, um bom SP é resultado de um bom acústico, nunca o contrário, mais ainda se tiver samples do seu idealizador.

    Foram centenas de comentários (só se vê lá clicando no youtube) e um ou outro ate disse de qual timbres são do SP (do CFX de centenas de milhares de dolares). Moral da história: voce pode aparecer num concerto com um meia-sola brasileiro (nem digo o piano Brasil) que perante o povo voce ganhará em qualidade de som do Yiruma tocando num V-Piano (ou similar).


    O video


    obs: pra quem não "percebeu" a diferença, depois de ouvir o SP, volte pro toyo

    jorget
    Membro Novato
    # fev/17 · Editado por: jorget
    · votar


    A beleza do P155
    https://www.youtube.com/watch?v=VDWNxkVpxio

    (hoje substituído por mais novos como a excelente linha CP sampleados)

    makumbator
    Veterano
    # fev/17 · Editado por: makumbator
    · votar


    jorget
    além de desafinado,

    Quando eu li isso achei que no vídeo ouviria um piano ultra desafinado, pior que pianola de saloon de faroeste. Está realmente desafinado, mas não absurdamente como seu texto me fez pensar (os primeiros acordes me parecem a região mais bisonha, assim como uns graves que aparecem mais descobertos em alguns trechos).

    Mas já tive que tocar sendo acompanhado ao piano com coisa pior em matéria de afinação! Hahaha!

    Mas analisando meramente o timbre (relevando a questão de afinação) prefiro o acústico ruim do cara (apesar de soar mais embolado que o digital). Fazer o quê? E gosto bastante de piano digital, mas entre as duas opções fico com o piano falido (mas gostei também do som do segundo). Não sei se foi acústica do local + efeito placebo + sei lá o quê. Só sei que foi o que achei.

    Adler3x3
    Veterano
    # fev/17 · Editado por: Adler3x3
    · votar


    Concordo com as palavras do Makumbator.

    Mas não dá para comparar, o que o cara tem que fazer é mandar afinar o piano de verdade, que não é tão ruim assim.
    Fica desagradável ouvir piano desafinado.

    E quando vamos escutar, induzidos pelo tópico, prestamos mais atenção na acústica do que na interpretação e na música em si.

    Mas esta preferência pelo primeiro é ilusão, principalmente por causa do ambiente e do reverb, e depende também da configuração do teclado eletrônico, caixa de som ou direto no note, coisas que podem ser manipuladas, para favorecer um e depreciar o outro.

    Artref
    Veterano
    # fev/17
    · votar


    O piano acústico foi feito para ser ouvido ao vivo. Qualquer gravação tem perda de uma infinidade de detalhes e comportamentos que só são notados totalmente se você estiver no mesmo ambiente que o piano.

    E isso se aplica aos pianos digitais, que são gravações de pianos acústicos, e que portanto também são bem limitadas em reproduzir o comportamento e a expressividade do piano acústico, embora tenham um timbre bem bonito.

    Ainda assim, nesse vídeo eu preferi o acústico. O digital soa totalmente sem vida e artificial depois do acústico. E isso porque ele está tocando algo bem simples e pop. Se fosse um Beethoven, um Chopin, um erudito, aí ficaria ainda mais gritante a diferença.

    Jorget, você defende os digitais porque não conhece o acústico o suficiente. 10 anos de estudo diário de piano erudito com um bom professor vão mudar isso definitivamente, eu te garanto.

    E sim, eu pagaria pra ver um bom pianista num piano meia boca, inclusive já fiz isso várias vezes, mas não pagaria um centavo pra ver alguém tocar num digital. No digital é tudo muito limitado, o pianista não tem controle do timbre, é uma simples gravação de um piano, e ele não tem resposta em relação a articulações, "cores", ressonância, vibração e muitas outras coisas.

    Piano acústico é uma mulher, o digital é a boneca inflável, hauhauhauhau. Eu prefiro uma mulher que não seja tão bonita a uma boneca linda.

    jorget
    Membro Novato
    # fev/17 · Editado por: jorget
    · votar


    Artref
    Apenas uma observação para comentários mandando eu tocar num piano, que sequer me conhece e nunca me viu: já toquei nesses 3 pianos tops citados acima e nada retiro do que disse. Se tivesse razão, ninguém compraria os bons SP, hoje a nível ou superiores de mais de 90% dos pianos existentes em qualidade de som. Conheço muitos que aposentaram seus pianos velhinhos e acabados e compraram um belo SP/top no lugar dele (em vez de reformar ou gastar demais no piano detonado ou comprar outro similar pois espaço não é desculpa pois um grande/top SP ocupa quase o mesmo espaço que um vertical detonado de R$ 2mil), só isso tirando a razão de que qualquer piano é melhor que o top dos top SP, um absurdo. Há um ditado que diz que, se voce ouvir um piano com todas as notas perfeitas e sem distorção, desconfie pois não é um piano acústico (ou um qualquer). Isso diz tudo. No demais: é gosto seu e nunca imponha outros a aderirem, respeitando-se os gostos de cada um e sem critica alguma, bastando pôr o gosto/preferência e nada mais e comentar assim como eu sobre um "comportamento/estatística" do mundo pois reune tudo isso, de leigos a tudo mais. Esse é o foco, nada pessoal (ou citei algum nome como voce fez claramente a mim e violando as regras?)

    DoisUm
    Membro Novato
    # fev/17 · Editado por: DoisUm
    · votar


    analisando meramente o timbre (relevando a questão de afinação) prefiro o acústico ruim do cara ²
    E acrescento: Acho que quem está sendo parcial és tu.

    makumbator
    Veterano
    # fev/17 · Editado por: makumbator
    · votar


    jorget

    Tem uma parcela que compra o digital por não poder arcar com um acústico bom (seja na compra propriamente dita como na manutenção), não possuem o espaço físico adequado para o instrumento, precisam da mobilidade que o digital oferece, facilidade de gravação, etc... ou seja, há mais razões que a questão sonora de ambas as opções.

    Eu sou exemplo disso. Toco em casamento com um contrabaixo upright elétrico, apesar de gostar mais do som do contrabaixo acústico (que parei de usar em casamento por conta da dificuldade de transporte e risco de danos). Eu comprei esse elétrico em particular não por considerá-lo melhor que o meu acústico, e sim por uma questão pragmática do trabalho. Imagino que uma parte de vendas de pianos digitais siga uma linha semelhante.

    Ninguém falou aqui que qualquer piano acústico é sempre melhor que qualquer digital (top ou não). Eu e os outros só preferimos mais o timbre desse piano em particular, nessa gravação em particular contra a gravação do digital apresentado.

    E outra, pelo menos eu quando ouço um instrumento não fico me perguntando quanto ele custa. Apenas ouço. Se gostar gostei e pronto. Seja ele mais barato ou até vagabundo (afinal, até aquele timbre "ruim" pode ser o que se precisa em determinado contexto musical, por exemplo).

    E também já paguei pra ver pianista bom em instrumento ruim.

    Lelo Mig
    Membro
    # fev/17 · Editado por: Lelo Mig
    · votar


    jorget

    Minha opinião é idêntica a do primeiro post do makumbator.

    "Não sei se foi acústica do local + efeito placebo + sei lá o quê. Só sei que foi o que achei."

    Apesar de mais embolado, esta mais encorpado e com melhor dinâmica... e talvez seja meramente a gravação.

    jorget
    Membro Novato
    # fev/17 · Editado por: jorget
    · votar


    makumbator
    Concordo com voce e compartilho muita coisa com voce (é claro, na naturalidade, noutras nem sempre).

    Synth-Men
    Veterano
    # fev/17 · Editado por: Synth-Men
    · votar


    Bom assunto. Cascudo, mas bom.

    Eu ainda achei o som do piano melhor que o do digital.

    Desafinado para mim é a nota C soar como C# e a D continuar como D, E como Eb, o F como G. Não considero alguns hertzs desajustado como desafinação. C440 ou C432, permanecem sendo C, os orientais que gostam de mexer nisto de forma estratégica.

    Olha, pode ser sampler do piano que seja, depois de digitalizando só quebra o galho mesmo. Lógico que não é tudo a mesma coisa. Tem um sampler de um site francês de mais de 10 anos que muita gente usa. A galera da antiga sabe do que estou falando, muito bacana.

    Digo para alguns amigos que a melhor coisa a fazer mediante a um piano digital é não filosofar sobre ele. Caso contrário é menos de uma semana para se decepcionar.

    Por que que a Yamaha colocaria o sampler de um dos pianos mais caros que existe na linha P? P de pode parar de sonhar, não vai soar o som do CF, nem de longe, mesmo com algumas camadas do CF nas amostras.

    Pegue um P70, 85, 90, 105, 115, 120, 200 e vai ver que a evolução dos timbres são pouquíssimas.

    Neste momento, os melhores digitais na categoria home são os da Casio. O PX 860 tem ótima sonoridade timbristica.

    Já os de palco e estúdio, continuam sendo os Nords, em questão de sonoridade. Na hora de bater perna pra lá e pra cá, os Rolando são os que menos enjoam, tanto é que tem gente aí que guardam os módulos JV com placas de expansão na cueca.

    Mas nada disto que eu disse é absoluto.

    Agora as preferências de marcas já são outros assuntos. Tem um cara arrasando com um Fênix SP20 no YouTube. Já gravei profissionalmente com Medeli e eram simples PCM, o básico do básico.

    Até hoje ninguém adivinhou a marca. Igual o meu tonante com captador crafter ativo.

    Blueman
    Membro
    # fev/17
    · votar


    E se o piano digital tiver martelos de verdade?
    Casio Celviano Grand Hybrid

    Revi meus conceitos depois de conhecê-lo.

    Praticamente custa o preço de um piano vertical e não é portátil. Mas na minha opinião é uma alternativa viável se você não quiser se preocupar com afinação e quiser alguma coisa maior, acusticamente falando, do que um piano vertical.

    DuduXP
    Veterano
    # fev/17
    · votar


    Prefiro o timbre do piano acústico.!!!

    Synth-Men
    Veterano
    # fev/17 · Editado por: Synth-Men
    · votar


    Blueman

    Isto mesmo. Como o Makumbator disse lá em cima, é uma alternativa e tanto.

    A percepção do som de um piano, depende de muitos critérios do ambiente.
    O CF da Yamaha, pode soar horrivelmente em determinados locais e bons em outros.

    Depois depende da captação dos sons. Posição da captação, pontos a serem captados.

    Isto tudo, para ter uma grande perda no espectro e transiente do som digitalizado. Ou seja, o som que estão nos pianos digitais, são apenas restos de um grande trabalho.

    Logo, nenhum digital irá representar fielmente um acústico, nem o mais caro e elaborado deles. Mas mesmo assim, serão capazes de nos satisfazer, de acordo com a nossa necessidade, capacidade é condição de obtê-los.


    Editado: Aproveitando aqui, existe um portal patrocinado pelo governo, que visa resgatar a história do Piano Brasileiro. Confiram vocês mesmo:
    http://www.institutopianobrasileiro.com.br/enciclopledia/Jacques-Klein

      Enviar sua resposta para este assunto
              Tablatura   
      Responder tópico na versão original
       

      Tópicos relacionados a Piano acústico Vs digital: teste no youtube e maioria nada sabe