Canon em ré (Pachelbel) - 3 guitarras & orquestra

    Autor Mensagem
    makumbator
    Veterano
    # set/15 · Editado por: makumbator


    Não, não é o Canon Rock! :)

    Essa é uma das peças mais famosas da história da música ocidental. Composta talvez em outubro de 1694 (mas pode ter sido feita antes, em 1680) por Johann Pachelbel (1653-1706), celebrado compositor de Nurembergue. Há a hipótese dela ter sido criada para o casamento do também músico (e aluno de Pachelbel) Johann Christoph Bach, irmão mais velho de J.S. Bach (que compareceu ao casamento aos 9 anos de idade, em 1694). Ela ainda hoje é muito executada em casamentos.

    Pachelbel comprovadamente foi convocado para tocar no casamento de seu pupilo, e há uma boa possibilidade da peça ter sido feita especialmente para essa ocasião. Apenas em 1919 foi publicada comercialmente uma edição da música, tornando-se posteriormente um grande sucesso.

    O original do compositor não sobreviveu, e a fonte mais antiga é um manuscrito do início do séc XIX. Em edições subsequëntes ela é sucedida por uma giga (mas que muitas vezes não é tocada, e não está presente no manuscrito mais antigo).

    Minha versão respeita bastante o original. Mas incluí parte de violino e viola junto à linha original de baixo, para dar mais cor e harmonia na base de cordas (partes essas feitas tendo como referência a versão do saudoso maestro Nelson Nilo Hack, que me dirigiu durante anos em orquestras).

    Apesar de usar a técnica canônica, ela na verdade é uma passacaglia (ou mesmo uma chacona). São 3 linhas em contraponto sobre uma base de baixo em ostinato. A harmonia é bem simples e repetitiva (são apenas 5 acordes diferentes, D, A, Bm, F#m e G), e a inventividade vem da sobreposição e conversas entre as 3 partes melódicas e as relações com o baixo. Quem aprende a tocar uma das linhas aprende todas, pois com exceção do compasso final, trata-se da mesma linha com uma defasagem de 2 compassos entre si.

    https://www.youtube.com/watch?v=uSrqQueF7gY


    Áudio (mp3):
    https://app.box.com/s/dqtgtq51fxfss5nk2epq5bg4g0wqf7mq

    Partituras (guitarras com e sem tablatura):
    https://app.box.com/s/42w9c3c2ivx9zy2sjdwg2b7dmbnizp0n

    Backing track - mp3:
    https://app.box.com/s/e90mjps9k06tuwl8yf8xd2pq97ykites

    Backing track (sem guitarra I) - mp3:
    https://app.box.com/s/wsexkiifu2mmu0qbtsheunidv0fotcit

    Backing track (sem guitarra II) - mp3:
    https://app.box.com/s/grqaabixvufgpc3vazffhc3tkhowcvz8

    Backing track (sem guitarra III) - mp3:
    https://app.box.com/s/11yzp5huey6heb19gzp0ch2doqptr1du

    Partitura original:
    http://conquest.imslp.info/files/imglnks/usimg/b/bb/IMSLP121751-WIMA.9 c0f-kanon.pdf

    Equipo:

    Guitarra: Jackson DX 10D FS / Prodrive II / Ibanez Tube screamer TS 7 / Ibanez delay DE 7 / Rosen Digital Marshall 1960A (caixas virtuais) / Reverb Lexicon LXP Plate

    Cordas (VSTi): Vienna software special edition / reverb Vienna Mir Pro 24

    cravo (VSTi): Vienna software harpischord / reverb Vienna Mir Pro 24

    pianoid
    Veterano
    # set/15 · Editado por: pianoid
    · votar


    harmonia é bem simples e repetitiva

    e a razão pra ser uma das peças "eruditas" mais pop hoje, como tantas outras... aliás, eu queria entender de onde vem o apelo dessa com guitarristas, já vi um bocado tentando cover

    outra coisa que me aporrinha em "clássicos" hoje em dia: é música para "relaxar" kkkkk só dá pra relaxar a mente apelando pra essas peças mais simples mesmo

    desculpe, não ouvi o arranjo. é bloqueado no trabalho

    EduJazz
    Veterano
    # set/15
    · votar


    Pra variar, padrão makumbator de qualidade.

    O tal do "Canon Rock" tem seu apelo, mas o respeito à obra original atrai muito mais meus ouvidos.

    Sua interpretação, como sempre, é perfeita.guitarras totalmente "dentro" da orquestra. Lindo.

    EduJazz
    Veterano
    # set/15 · Editado por: EduJazz
    · votar


    Drupo.

    MMI
    Veterano
    # set/15
    · votar


    Lá vai o Makumba ganhar outra medalhinha....

    makumbator
    Veterano
    # set/15 · Editado por: makumbator
    · votar


    pianoid
    e a razão pra ser uma das peças "eruditas" mais pop hoje, como tantas outras...

    Ironicamente ela é até chamada de "mãe do pop", pois essa progressão é comum a muitas músicas pops feitas desde o século XX até hoje. Mas em geral as passacaglias antigas (chamadas de ritornello-passacaglias) eram quase sempre na mesma forma ainda mais simples de I - IV - V voltando depois no I. Essa peça do Pachelbel também é vista como uma chacona alemã (que difere da versão francesa, mais comum), pois na Alemanha em certo período as duas formas passaram a se confundir (principalmente no final do barroco alemão).

    Esse canon tem a forma I-V-Vi-iii-IV-I-IV-V e volta a sequência. Observe que o final dela é justamente a harmonia da ritornello-passacaglia (I-IV-V e volta ao I). No fundo a harmonia de barroco costuma ser mesmo simples para os padrões posteriores.

    aliás, eu queria entender de onde vem o apelo dessa com guitarristas, já vi um bocado tentando cover

    Tem dois motivos pra isso. Pra mim o primeiro é a fama da peça por si só (independente de guitarra ou não), que se intensificou nos anos 60 do século passado.

    Outra é a chamada Canon Rock, que é uma versão rock (óbvio...hahah) da peça, com vários maneirismos de guitarra (harmônicos artificiais e naturais, bends, alavancadas, bases pesadas em palm mute, etc...). Tudo isso contribui pra ter vários covers dela (mas curioso que nunca vi um como o meu na guitarra, respeitando as 3 vozes).

    outra coisa que me aporrinha em "clássicos" hoje em dia: é música para "relaxar" kkkkk só dá pra relaxar a mente apelando pra essas peças mais simples mesmo

    Mas aí é o uso que as pessoas fazem da peça. O compositor não tem culpa disso! Heheh! E ela ainda é ótima pra casamentos, que pode ter sido sua origem no séc 17 (toco ela várias vezes por mês nesse tipo de evento, pois é muito pedida). Além de longa o suficiente para as entradas da cerimônia, é cíclica (permitindo cortar facilmente na necessidade de parar rapidamente) e ainda é ao mesmo tempo variada (pois a sobreposição das vozes cria climas diferentes). É o tipo de composição que cumpre muito bem uma função que parece ter sido o motivo de sua criação.


    EduJazz

    Valeu! Também gosto da versão rock, apesar dela perder totalmente a característica contrapontística.

    MMI

    HHahaha!

    TG Aoshi
    Veterano
    # set/15
    · votar


    makumbator
    Muito bom!

    Só achei que as guitarras perdiam um pouco de presença nas regiões mais agudas. Outra coisa é que, ao menos dessa vez, o som das palhetadas aparecem um pouco além da conta.

    De resto, nem vou chover no molhado; como sempre ficou muito bom! Fora a parte educacional!

    Parabéns!

    Filippo14
    Veterano
    # set/15
    · votar


    makumbator

    Parabéns, achei que ficou muito legal, só que me atrapalhei um pouco para entender pelo fato de serem 3 guitarras. Na original eram 3 instrumentos diferentes? Acho que facilita para conseguir entender cada linha se for diferente, mas entendi a intenção da coisa, ficou realmente muito legal.

    Abraco

    Luis A.
    Membro Novato
    # set/15
    · votar


    makumbator

    Com todo respeito ao seu trabalho, essa é a musica erudita mais chata de todas na minha opinião kkkkk

    Não dou conta de ouvir ate o fim, acho muito repetitiva, previsível e cansativa.... e tmb nao entendo pq tanta gente faz cover dessa musica...

    De qualquer forma gostei muito das referencias históricas q vc colocou, me ajudou a entender melhor o contexto da composição...

    Abraço!

    De Ros
    Veterano
    # set/15
    · votar


    makumbator

    Bah, ficou bom demais!! Reclamaram do excesso de som das palhetadas, eu adorei! Aliás, se eu fosse gravar, cortava os ligados nas partes rápidas e da-lhe pick attack!

    Mas a tua versão está super clara, limpa, articulada, dinâmica e expressiva. Acho que não tem como elogiar mais, hehehehehehe!!!

    makumbator
    Veterano
    # set/15
    · votar


    TG Aoshi
    Outra coisa é que, ao menos dessa vez, o som das palhetadas aparecem um pouco além da conta.

    Legal que você percebeu! Usei outra palheta V-pick, diferente da que costumo usar. E essa aparece mais o som do ataque mesmo. Fiz isso pensando que por serem 3 linhas de guitarra (muitas vezes na mesma região) poderia ser mais inteligível se o ataque ficasse mais marcado.

    De resto, nem vou chover no molhado; como sempre ficou muito bom! Fora a parte educacional!

    Valeu mesmo!

    Filippo14
    Parabéns, achei que ficou muito legal,

    Obrigado!
    só que me atrapalhei um pouco para entender pelo fato de serem 3 guitarras. Na original eram 3 instrumentos diferentes?

    Não, o original é pra 3 violinos e contínuo, então também é o mesmo instrumento triplicado. Em geral pode ser mesmo difícil acompanhar o contraponto nesses casos, pois além de ser o mesmo instrumento, a região em que eles trabalham é idêntica, causando muita sobreposição. Mas esse é o efeito pretendido. A base é até simples pra evitar ainda mais "movimento" que poderia dificultar a compreensão das melodias.

    Luis A.
    Com todo respeito ao seu trabalho, essa é a musica erudita mais chata de todas na minha opinião kkkkk


    Hahha! Eu entendo totalmente! É que ela é muito manjada né. Na verdade é manjadíssima! Hahah! Essa saturação da música pode ter contribuído pra muita gente achar ela chata.

    Não dou conta de ouvir ate o fim, acho muito repetitiva, previsível e cansativa....

    A base é repetitiva mesmo. A graça dela está em observar as relações contrapontísticas entre as melodias. Mas é realmente repetitiva!

    De qualquer forma gostei muito das referencias históricas q vc colocou, me ajudou a entender melhor o contexto da composição...

    Abraço!


    Opa! Fico feliz! Valeu!

    De Ros
    Bah, ficou bom demais!! Reclamaram do excesso de som das palhetadas, eu adorei!

    hahah! legal!
    Aliás, se eu fosse gravar, cortava os ligados nas partes rápidas e da-lhe pick attack!

    É, eu considerei fazer isso também. Até pelo manuscrito mais antigo não ter nenhuma ligadura de expressão, mesmo nas partes rápidas, então fica totalmente a critério e opção de quem toca. No fim das contas decidi manter alguns dos ligados (e retirei outros que inicialmente iria colocar).

    Mas a tua versão está super clara, limpa, articulada, dinâmica e expressiva. Acho que não tem como elogiar mais, hehehehehehe!!!

    Agradeço muito as palavras!

      Enviar sua resposta para este assunto
              Tablatura   
      Responder tópico na versão original
       

      Tópicos relacionados a Canon em ré (Pachelbel) - 3 guitarras & orquestra