Notificações Amigos pendentes

      Fórum Cifra Club - maior fórum de m&uacite;sica do Brasil

      Hammond não é tudo - Em defesa dos transistorizados

      Autor Mensagem
      _Rattu_
      Veterano
      # fev/10
      · votar


      Beto Solaris

      Uau! Uma rotary speaker da Giannini?

      Beto Solaris
      Veterano
      # fev/10
      · votar


      Rattu says:

      Uau! Uma rotary speaker da Giannini?[b][/b]

      É Rattu!! Conhece ela não? A minha foi fabricada em 1976. Não chega nem de perto a uma Leslie, mas naqueles tempos de "fartura" de equipamentos ("fartava" tudo) era o must e mais alguma coisa, me sentia o Matthew Fisher em pessoa, com meu Farfisa turbinado com um fuzz Giannini, com um Phaser Giannini e com um Dely da Giannini e minha Leslie by Giannini. Bons tempos viu!! Onde a criatividade triunfava sobre as facilidades.
      Um abraço em todos.
      Roberto

      _Rattu_
      Veterano
      # fev/10
      · votar


      Beto Solaris

      Cara, nem acredito em uma coisa dessas! To usando meu órgão Arbon através de um pedal de Rotary Speaker (Line 6 Rotomachine) e já fica bom pra caramba, imagina uma rotary de verdade...

      Esse Farfisa é lindão, hein... gordo pra caramba, de uma época onde a magreza digital não imperava ainda. Mas seu set de pedais é bom pra caramba, cara, quem te disse que isso aí é quebra-galho? Guitarristas (eu fui um) cobiçam esses pedais da Giannini a preços de Electroharmonix, que dirá uma Rotary Speaker original Gianinni. Digamos que ela deva ter um som "diferente" da Leslie.

      nichendrix
      Veterano
      # fev/10
      · votar


      _Rattu_

      Se vocês olharem as Rotary para guitarra, como as antigas Mesa Boogie ou as próprias Leslie G27, costumam ser um tanto mais baratas que as Leslie para Organ.

      No mundo dos pedais eu recomendo mesmo é testar o Hughes and Kettner Tube Rotosphere ou o Boss RT-20 como simuladores de Leslie, o TR inclusive é valvulado e em todas as vezes que testei ele com teclados fica muito próximo de um rotary speaker, o RT-20 não fica atrás, e tem a vantagem de ter mais opções, embora o timbre seja levemente inferior ao H&K, é o tipo da coisa, cada um o que ganha de um lado, perde no outro e no geral são bem equilibrados... mas em timbre puro e simples, o TUbe Rotosphere é imbatível.

      ThiagoMafra
      Veterano
      # fev/10
      · votar


      O Jonathas Lacerda tinha falado de uma entrevista do Daniel Latorre da teclado e áudio. Eu tb tenho essa revista mais o Latorre postou online, essa e outras.

      Taí os links.

      http://www.hammond.com.br/latorre/entrevista/ta125.html

      http://www.hammond.com.br/latorre/artent.htm

      Abraços.

      Beto Solaris
      Veterano
      # fev/10
      · votar


      Rattu:

      Em algum lugar em li uma vez que, o VIP 233 é o único Farfisa com o qual você consegue o som próximo o de um hammond. Tem um sonzaço "gordo" mesmo como você fala. Uma curiosidade dele é que ele oferece umas possibilidades de regulagem bem legais, uma inclusive em modo synth, que, como exemplo posso citar a introdução de "Planeta Sonho" do 14 Bis em sua versão original no 14 Bis II. Onde todo mundo pensa ser um moog, é na verdade o modo synth do Farfisa.
      Outra coisa, não sabia que esse pedais eram tão valiosos. Na verdade sempre os achei bem fraquinhos. Hoje não os tenho mais há muito tempo, fui os substituindo ao longo dos anos. Hoje incremento o Farfisa, com um phaser small stone e um fuzz e um analog delay da boss.
      Para mim é novidade esses pedais serem valorizados assim. Se bobear ainda estão no porão da cada de minha avó, no "baú das tranqueiras musicais" que tem lá. Há pouco tempo encontrei um velho amp Giannini BAG01. Ah, e sei que lá tem um velho piano elétrico daqueles BAPE-01 da Giannini.

      Nichendrix:

      Não conheço essas Leslie para guitarra da Mesa Boogie, pode me falar mais delas?

      Um abraço em todos.

      Roberto

      nichendrix
      Veterano
      # fev/10
      · votar


      Beto Solaris

      A Mesa/Boogie tinha uma caixa com falantes rotatórios, ela parou de ser produzida há uns 3 ou 4 anos atrás, eram como as Leslie 125, é basicamente um falante de 12 em um rotor de duas velocidades, ela não tem um amplificador interno, pois foi feita pra ser o gabinete de um amplificador... a Leslie hoje produz 2 modelos pra guitarra o G27 e o G37 que são uns 500 dolares mais em conta que as de organ, eu não lembro qual, mas um deles não tem amp, é só o gabinete mesmo, portanto acho que dá pra usar com um amp de teclado.

      Mauricio Luiz Bertola
      Veterano
      # fev/10
      · votar


      _Rattu_
      Cara, com raras exceções, NADA da Giannini pode ser considerado "vintage", nem tem qualidade para tal. Quem fica valorizando equipos da Giannini, o faz para estorquir os incautos, fazendo-os acreditar que são equipos "vintage", quando, no máximo são apenas razoáveis. Portanto não caia nessa, nem pague um preço absurdo em coisas que não tem qualidade para tal, só porque um fulano diz que é "vintage".....
      Abç

      Cleber Vaz
      Veterano
      # fev/10
      · votar


      NADA da Giannini pode ser considerado "vintage"

      A Giannini lançou em 1984 uma série de teclados eletrônicos KP61 e KPS61 cujo som, de fato, é apenas razoável para sua época (em plena era DX7) mas tem um som muito semelhante ao RMI Electra Piano que esteve em produção de 1967 a 1980 e além de ser considerado Vintage, está presente em discos de Don Preston, Delaney & Bonnie, Yes, Rick Wakeman, Genesis, John Lennon, Stevie Wonder... então, mesmo que "atrasada" alguns anos em termos de tecnologia, a Giannini apresentou essa série que pode-se encaixar tranquilamente nas raras exceções citadas até porque esses teclados tem hoje 26 anos.

      Mauricio Luiz Bertola
      Veterano
      # fev/10
      · votar


      Cleber Vaz
      até porque esses teclados tem hoje 26 anos.
      Cara, nesse caso, trata-se apenas de um teclado velho, obsoleto, e não de um instrumento "vintage"...
      Conheço esses teclados, pois um cara que tocou comigo teve um...E vendeu assim que comprou um Poly 800II...
      Abçs

      macaco veio
      Veterano
      # fev/10
      · votar


      Mauricio Luiz Bertola
      nao desmerecendo a giannini que ja fez alguns produtos bons talvez ate que possam ser considerados vintage, mas e' que alguns produtos eram tao ruins que quando existe algum ainda inteiro e funcionando o pessoal considera como vintage. Qualquer porcaria que ja devia ter desaparecido mas resistiu ao tempo e se tornaram os ultimos que restaram for quezito pra ser considerado vintage entao velho e absoleto passou a ser sinonimo de vintage.
      Eu nao sou de criar topicos, mas podia ter um topico de Quesitos pra ser considerado um vintage, apenas gosto de opinar e soltar as minhas perolas.

      Mauricio Luiz Bertola
      Veterano
      # fev/10
      · votar


      macaco veio
      Não precisa criar tópicos cara, basta saber que "vintage" é um termo específico, aplicado à instrumentos de épocas específicas.
      Abç

      macaco veio
      Veterano
      # fev/10
      · votar


      pois e' mas e' que o termo ficou muito banalizado e com o tempo a palavra vintage vai acabar tendo um significado digamos mais abranjente, digo isso nao so no Brasil mas vejo por exemplo no Ebay cada porcaria americana que insistem em usar o termo vintage, nao tem jeito o significado vai acabar mudando. Vai ser dificil pois cada um tera seu proprio ponto de vista. Por exemplo tenho um True Reverb II e considero vintage Porque: O painel dele e' do tipo impressao anodizada que nao se faz mais em nenhum aparelho (no mundo) entao pra mim e' vintage alem de outros detalhes, e tambem de ser talvez o melhor ampli que a Giannini ja fez.
      Me lembro de uma Guitarra Giannini modelo exportacao que tinha o braco inteirisso num pau so ate o cavalete (eu tenho uma Ibanez do mesmo tipo de construcao) aquela eu consideraria vintage, a giannini fez muito poucas delas.
      Se e' so uma questao de epoca especifica entao com qual idade um instrumento poderia ser considerado um vintage.

      Cleber Vaz
      Veterano
      # fev/10
      · votar


      trata-se apenas de um teclado velho, obsoleto,

      Pela tecnologia, esses teclados Giannini já eram "obsoletos" no momento em que entraram no mercado... agora, qual seria a diferença entre Teclado Antigo e Teclado Velho? O DX7 é antigo ou velho?

      "vintage" é um termo específico, aplicado à instrumentos de épocas específicas.

      Com base nessa definição:
      Instrumento específico: KORG OASYS
      Época específica: 2005->2009

      O termo Vintage é associado à idade e/ou raridade de um instrumento ou equipamento em geral, não é necessário discutir o que é ou não é Vintage, não é uma questão de opinião e sim de tempo.

      Cleber Vaz
      Veterano
      # fev/10
      · votar


      Só para constar como referência histórica:

      O termo vintage surgiu com os colecionadores de carros antigos nos Estados Unidos, quando estes queriam designar carros com mais de 20 anos e de interesse para colecionadores. Logo o termo foi importado por outros setores de coleções chegando até o mercado de guitarras usadas.

      Fonte: http://www.vintageguitar.com.br/m_oquee.shtml

      Mauricio Luiz Bertola
      Veterano
      # fev/10 · Editado por: Mauricio Luiz Bertola
      · votar


      Cleber Vaz
      Cara, eu sei a origem do termo, trabalho com isso...
      Quanto a teclados, os que são considerados "vintage" são os de determinadas marcas (Hammond, Moog, Wurlitzer, Mellotron, Baldwin, Hohner, etc), até 1980. Antes da massificação/internacionalização da produção.
      "Vintage" não é questão de tempo, mas sim de tempo E origem.
      Giannini não é "vintage", assim como um garrafão de Sangue de Boi de 1970 não é um vinho de qualidade (um "Chateau Lafitte" sim).
      Se vc quiser vender qualquer coisa da Giannini, use o termo "antigo", e não "vintage".
      Abç

      Mauricio Luiz Bertola
      Veterano
      # fev/10
      · votar


      macaco veio
      cada porcaria americana que insistem em usar o termo vintage
      Exatamente cara, a picaretagem é um vício internacional....
      Abç

      Cleber Vaz
      Veterano
      # fev/10
      · votar


      Mauricio Luiz Bertola

      Não estou aqui para vender nada, nem para contrariar ninguém mas
      (Hammond, Moog, Wurlitzer, Mellotron, Baldwin, Hohner, etc), até 1980.
      Esses são considerados Vintages mundialmente mas dentro da industria Brasileira deve se considerar também outros parâmetros pois a massificação enfrentou obstáculos com a ditadura militar no Brasil e como o termo Vintage está associado à colecionadores, não é você quem decide qual termo deve ser usado para vendas de equipamento, até porque algum colecionador pode ter interesse no que você considera apenas "Antigo" e nesse caso pode vir a considerar como Vintage pois é de interesse para coleção.

      Abraço!

      Mauricio Luiz Bertola
      Veterano
      # fev/10 · Editado por: Mauricio Luiz Bertola
      · votar


      Cleber Vaz
      não é você quem decide qual termo deve ser usado
      De fato eu não decido nada. Por outro lado eu não estou preocupado com "colecionadores brasileiros", ou com quaisquer outros, até porque existem colecionadores até de tampinha de garrafa.
      O que eu estou preocupado é com o uso indevido de um termo, que, em sí carrega uma "qualificação". Neste sentido, eu considero minha obrigação profissional e moral explicar a origem deste termo e sua aplicabilidade, para que incautos não caiam no "conto-do-vigário" de que Giannini é "vintage". Não é.
      Agora, se um "colecionador" quer pagar R$ 5000 num Tocatta 61 ou num KP61S, que não vale nem R$ 300... O problema é dele.
      Abç

      Cleber Vaz
      Veterano
      # fev/10
      · votar


      Mauricio Luiz Bertola

      O que eu estou preocupado é com o uso indevido de um termo

      Nesse caso, se a questão entrou no campo da preocupação eu retiro-me, com todo o respeito às suas obrigações, dessa discussão que de tão interessante não poderia ser resumida simplesmente à é ou não é pois a qualidade de certos produtos Giannini e de outras marcas brasileiras pode sim ser comparada à qualidade de certos "Vintage", aliás essa comparação é o único foco dos meus comentários pois não cabe à ocupados ou pré ocupados definir onde deve-se usar esse termo de significado tão delicado ou ainda, como disse o macaco veio, nao tem jeito o significado vai acabar mudando... já os incautos que se cuidem com os picaretas.

      Obrigado por ajudar a enriquecer esse tópico com seu conhecimento.

      Abraços!

      macaco veio
      Veterano
      # fev/10
      · votar


      pois e', e eu acabei jogando tanto "vintage" fora, uns eu torrei barato, outros eu desmontei, dei pro outros, mas sobraram alguns. Viva a supervalorizacao do ferro velho. Acho que vou aproveitar a alta de precos.

      Cleber Vaz
      Veterano
      # fev/10
      · votar


      macaco veio

      Concordo contigo quanto à relação "Vintage"/"Ferro Velho" em contraponto à relação Vintage=Qualidade, por exemplo

      um termo, que, em sí carrega uma "qualificação".

      NADA da Giannini pode ser considerado "vintage", nem tem qualidade para tal.

      Essa relação é deveras inconsistente pois, por exemplo, o Mellotron como instrumento (o móvel de madeira não vem ao caso) só tem qualidade no som registrado nas fitas pois o instrumento em sí é um desatre com quebras constantes, desafinações e problemas de rotação do motor devido a variações da rede elétrica, inclusive tenho uma gravação de um show do King Crimson onde ouve-se claramente o Mellotron desafinando.

      Já a primeira geração do Minimoog modelo D dava muita dor de cabeça pela instabilidade dos osciladores que frequentemente requeriam calibragem e demoravam muito para ficarem "Quentes", tanto que assim que foi possível a moog disponibilizou um novo modelo de placa dos osciladores para substituir as primeiras que eram quase só problema.

      Quanto aos Hammonds, o "click" das teclas que acabou virando característica do som desses orgãos era (para a fábrica) um problema de qualidade, tanto que eliminaram esse "Click" assim que tiveram tecnologia para tanto, irônicamente o público clamou pelo retorno desse "Defeito" característico.

      Portanto, esses instrumentos fantásticos tinham sérios problemas de qualidade porém eram o "melhor" que se tinha disponível e por isso marcaram época, olhando agora para a Giannini (não possuo nenhum equipamento dessa marca) que foi por muito tempo umas das únicas opções no Brasil e marcou época por aqui, enquanto a postura econômica do Brasil não facilitava ao "povo" o alcance aos importados, e por essa razão poderia até ser chamada de "Vintage Nacional" se esse termo existisse rsrs

      _Rattu_
      Veterano
      # fev/10
      · votar


      Cleber Vaz

      Eu segundo isso tudo. Não há digamos instrumento absolutamente ruim, mas puramente questão de gosto. Tem quem goste do Phase 90 da MXR e diga que é o melhor que existe por ai e eu detesto ele, seja de qual época for. Me dá asco aquele drive que vem junto com o efeito, mesmo com o sinal de entrada totalmente clean. É dos mais usados por ai, e eu sou obrigado a achar ele foda por isso? Tem um pedal de Delay de uma marca chamada Chorus. Já tive todo tipo de Boss, analógico e digital, mas AQUELE pedal da Chorus está entre meus favoritos, e quem pode julgar a qualidade dele, se me serve? Não há termos absolutos pra dizer o que é vintage e o que é ferro velho, essa colocação foi altamente parcial.

      O pianos KP61 da Giannini, por exemplo, tem O SOM dos RMI Electra Piano, mas nego não quer nem saber disso também.






      Vintage pra mim é o que já tem certa idade, mas isso não tem a ver necessariamente com qualidade, por que nos Foruns Europeus e Norte-Americanos o pessoal fala muito dos Casio SK-1 (sampler de brinquedo) e do VL-1, que é uma piada em se tratando de "qualidade", mas serve muito bem pra quem lida com música eletrônica e experimental, é chamado de Vintage sim. E ai, quem tá certo?

      Cleber Vaz
      Veterano
      # fev/10
      · votar


      _Rattu_

      Concordo com você, eu nem pagaria os citados R$300 num KPS61 mas comentei sobre ele por causa dessa discriminação de equipamentos que é justamente o tema original do seu tópico, falando nisso eu tive por uns tempos um Delay da Metal Line, que é pra ser ruim e eu achava ele o máximo, tinha delays mais longos que os Boss DD3 e uns noises quando exagerava no feedback...
      Eu tenho um amigo que usa um CTK dos "bem fraquinhos" e faz coisas legais com o instrumento, não tem essa de instrumento ruim não.

      Vintage pra mim é o que já tem certa idade

      Para mim também, e é justamente o eu vinha colocando pois esse papo de "isso ou aquilo" não ser "Vintage" por que é brasileiro, barato ou porque foi feito depois de 1980 não tá com nada não.

      Esse VL-1 é show de bola cara, já "brinquei" com um...

      E o Arbon? Como está?

      Abraço!

      _Rattu_
      Veterano
      # fev/10
      · votar


      Cleber Vaz

      Conhece o Delay digital da Voxman? Bem louco, tem mais feedback que o DD3 e um jeito bem característico. Vale a pena testar.


      E o Arbon? Como está?

      Cara, dei um show tem umas semanas (link aqui pra uma música gravada no show de uma câmera digital tosca http://www.youtube.com/watch?v=mi2nS_uma68 ) e o Arbon se saiu muito bem. Recebi uma porrada de elogios pelo som do bicho. Nos PAs ele simplesmente destruiu. Não penso nem em substituí-lo nem mesmo mais por um TX-5. Na verdade to pensando é em comprar uma Leslie de verdade pra ele. Perdão pelos erros audíveis de execução no show, tava tudo escuro, o órgão é muito baixo (feito pra ser tocado sentado ;) ) e pela configurãção do palco eu tinha que ficar correndo dos sints pro órgão, e do órgão pros sints além de cantar. Mas o som do bicho tá todo lá, gostei tanto que nem penso mais em substituir "o Vermelho"!

      Cleber Vaz
      Veterano
      # fev/10
      · votar


      _Rattu_

      Não conheço esse Delay cara, mas fiquei curioso agora...

      Pô cara, realmente não dá pra ver muita coisa no video mas o som tá demais e o orgão detonando cara... muito "gordo" o som, na intro e no solo onde dá pra ouvir melhor matou a pau, mesmo que você compre um TX-5, esse Arbon não é coisa que se venda não...não tens como ajeitar uma "base" para levantar um pouco ele do chão?

      O Haxixin
      Veterano
      # mar/10
      · votar


      Olá _rattu_ vi que vc gosta de vox continental hehe eu tenho um exatamente por causa do seu som Vintage ou antigo, claro sou fan do Ray... Voltando ao topico principal, já vi pessoalmente um B3 com duas leslies, realmente impressiona, mas como você disse sem leslie é apenas um Hammond cansado... hehehe... prefiro transistorisado, EU gosto, pois são praticos e os coleciono mas não pra ficar mofando eu uso todos eles, pra melhorar tenho um Arbon não sei o modelo mas acho alguma serie TR da vida..., tenho também dois Diatrons sendo um Combo e Simples ambos modelos Spectrum pra mim o mais lindo de todos, Gambitt tenho dois Tx 90 e Tx70 combo esses já não são muita coisa mais da pra fazer um barulho, Palmer o cosmos xd 11 e por ultimo o Farfisa compact duo Deluxe esse fala por si... pra mim. E o melhor que sou novo(idade) hahaha Depois se quiserem trocar idéias me manda mp e conversamos pois não conheço nenhuma assistencia pra consertalos ou revisar rsrs

      abraço otimo topico.

      _BLACKMORE_
      Veterano
      # abr/10
      · votar


      o topico esta bem interessante viu ... a tempos não vejo tópico assim.

      _Rattu_
      Veterano
      # abr/10
      · votar


      _BLACKMORE_

      valeu mesmo, cara!


      Você com o user "Blackmore" sabia que o Jon Lord usou um transistorizado pra gravar Highway Star?

      http://www.youtube.com/watch?v=LRt3PIDER94&feature=fvst

      _BLACKMORE_
      Veterano
      # abr/10 · Editado por: _BLACKMORE_
      · votar


      Você com o user "Blackmore" sabia que o Jon Lord usou um transistorizado pra gravar Highway Star?

      não .. pois me interessei por Hammond a pouco tempo ... mas sei que o Blackmore utilizou guitarras Gibson e amp VOX para gravar os 3 primeiros álbuns do Purple.
      só para complementar .. eu vi uma entrevista do Lord onde ele dizia ..."todo mundo pensa que eu tenho vários órgãos, mas na verdade tenho apenas 2 hammonds, enquanto uso 1 o outro está de backup"...

      Enviar sua resposta para este assunto
              Tablatura   
      Responder tópico na versão original
       

      Tópicos relacionados a Hammond não é tudo - Em defesa dos transistorizados

      305.243 tópicos 7.886.937 posts
      Fórum Cifra Club © 2001-2018 Studio Sol Comunicação Digital