Notificações Amigos pendentes

      Fórum Cifra Club - maior fórum de m&uacite;sica do Brasil

      Hammond não é tudo - Em defesa dos transistorizados

      Autor Mensagem
      _Rattu_
      Veterano
      # out/09


      Amigos, venho através deste post discutir um assunto que já deve ter causado até morte entre tecladistas/organistas de várias épocas.

      antes que me trollem até a morte, leiam até o final.


      Queria ajudar a neutralizar a raiva que a maior parte dos tecladistas tem dos órgãos transistorizados através de um argumento baseado num estudo bem simples:

      Segundo a maioria dos "estudos", o som dos Hammond é 80% Leslie, por conta do efeito doppler. Em verdade, o órgão mais amado e fodão dentre todos os que já existiram é pouco mais que simplesmente um gerador de onda senóide com as imperfeições "gostosas" tipicas de instrumentos acústicos, criadas pelas tonewheels. Experimente um Hammond (mesmo que de simuladores ou VSTs) sem Leslie e sem Vibrato/Chorus/Phaser/Overdrive pra comprovar o quanto o som dele sem efeitos é reto e sem graça. Entre as coisas que fazem do som do Hammond único (corrija se eu estiver errado) só consigo me lembrar mesmo do grande número de vozes, controláveis por drawbars e as percussões. Fora isso, onda senóide.

      A pergunta para a qual eu quero propor uma resposta é: Por que tanta gente simplesmente ignora ou discrimina órgãos transistorizados (Vox Continental, Farfisa Professional, Crumar, e quase todos os nacionais)?

      Simples. Não se tem a cultura de usar o "órgão brega" através de efeitos externos, como os Hammond que geralmente vem abarrotados de modulações e overdrive. É como você comparar uma guitarra plugada direto na mesa com uma guitarra com um set de gigante de pedais analógicos. Covardia sem tamanho.



      Comprei um Órgão Arbon transistorizado filézinho, como que novo que me chegou esses dias (fotos em http://www.quebarato.com.br/classificados/orgao-arbon-nao-e-hammond-pa rece-um-vox__7093126.html ), que é uma mistura nacional de Farfisa (pelo botão de sustain) e Vox (pela sonoridade mesmo) . Tenho um pedal simulador de Leslie e passei o som do bicho por ele, e não é que ficou do caralho? To tentando gravar pra provar o meu ponto de vista. Vou postar aqui o resultado.

      Amigos, não se deixem enganar pelo hype no Hammond. Segundo dizem, um Yamaha YC-45d que é transistorizado pode fazer uma emulação de Hammond do cacete se passado por uma Leslie, devido simplesmente às percussões e a grande quantidades de vozes que ele tem.


      Vamos abrir nossas mentes e valorizar mais os órgãos transistorizados! Passe um Palmer desses por uma Leslie pra você ver... Esse teste deve mudar a cabeça de muita gente com preconceito por ai.

      Jonathas Lacerda
      Veterano
      # out/09 · Editado por: Jonathas Lacerda
      · votar


      _Rattu_
      Cale-se seu herege! Não tem vergonha de passar adiante esta informação diabólica?

      xD - tow zoando... Interessante as informações que você passou.

      Mas como ficam as drawbars nesses órgãos "alternativos"?
      E pra que hammond, se nós temos o TX-5?

      _Rattu_
      Veterano
      # out/09
      · votar


      Jonathas Lacerda

      Não me mande pra fogueira, senhor!

      ;)


      Mas como ficam as drawbars nesses órgãos "alternativos"?
      Os Vox tem drawbars e alguns nacionais que copiam, tipo um Palmer que eu desisti de pegar e esse Yamaha lindão aqui*, tem alavancas com a mesma função das drawbars

      * http://www.youtube.com/watch?v=2jc72rtRCNI

      no caso do meu órgão Arbon, que é uma cópia do Farfisa, você só tem uma opção pra cada voz: liga ou desliga, não tem como dosar colocando um pouquinho de cada uma, mas tem outros modelos como os citados acima que você pode fazer isso.




      E pra que hammond, se nós temos o TX-5?
      É uma pena que nesse mundo tenha gente como eu que não pode pagar a "barbada" que é ter um Hammond por R$2500. Tem órgão transistorizado a R$400 e simulador de Leslie a R$180 no Mercado Livre, o que é uma distância brutal pro nosso queridão nacional Tokai.

      _Rattu_
      Veterano
      # out/09
      · votar


      Mas, que fique claro. Eu realmente gosto do som dos transistorizados só com o vibrato que geralmente vem neles. Gosto muito do Manzarek no Vox/Farfisa e do Iron Butterfly no Vox, e dos Mutantes nos primeiros discos... Tem tudo a ver com a sonoridade. Não fica "brega", nem com "som de videogame" na mão deles. Por que?

      Dizem por ai que todo órgão transistorizado é magro. Mentira. A questão de ter som magro, vai da qualidade da marca e não da tecnologia propriamente dita. O meu Arbon tem um grave que é uma estupidez, e pode ser dosado por um knob do lado do volume.

      ThyagoAmaral
      Veterano
      # out/09
      · votar


      _Rattu_
      Podemos chegar ao ponto de dizer então que com Pedais e um monte de efeito um PSRzinho chegar a um resultado legal ???

      Mas falando sério, um teclado de um nível superior com waves de organs legais controle em tempo real, daria pra fazer muita coisa passando por "pedais e pedais"...

      Alguém já testou aquele da BOSS que tem uns leds que giram azul para cornetas e vermelho para os graves... ele funciona legal simula bem? Tem drive nele também? já vi até tópicos dele por aqui... enfim... tu ta com uma grande razão...

      Mas como não sentir falta dos clics, dos 9 sensores de contatos em cada tecla que faz aqueles glissanos, ou os erros de esbarro em 1 tecla que fazia aquele som todo!!! Onde muitas coisas a gente sabe que foram erros de projetos que viraram o sucesso... mas que são coisas que vão além de senoides e efeitos...

      Legal o tópico, o FCC tá precisando disso!!!

      _Rattu_
      Veterano
      # out/09
      · votar


      ThyagoAmaral

      Podemos chegar ao ponto de dizer então que com Pedais e um monte de efeito um PSRzinho chegar a um resultado legal ???
      Duvida? Veja isso: Um Casio + Leslie http://www.youtube.com/watch?v=fblX9o6WSh8

      Alguém já testou aquele da BOSS que tem uns leds que giram azul para cornetas e vermelho para os graves... ele funciona legal simula bem? Tem drive nele também?
      Eu já testei. O efeito em si é muito bom, mas a "válvula" deixa a desejar... O drive não convence mesmo, melhor usar um externo.

      Mas como não sentir falta dos clics, dos 9 sensores de contatos em cada tecla que faz aqueles glissanos, ou os erros de esbarro em 1 tecla que fazia aquele som todo!!! Onde muitas coisas a gente sabe que foram erros de projetos que viraram o sucesso...
      Sim, isso ai não tem como emular, e eu diria que é a alma do som, mas a minha proposta não é criar o "Guia pra transformar qualquer bosta em Hammond" mas aproximar mais as pessoas dos transistorizados através da idéia de que, com efeitos externos, muita coisa pode ficar legal e ser bem utilizada também.

      ThyagoAmaral
      Veterano
      # out/09
      · votar


      "Guia pra transformar qualquer bosta em Hammond"
      kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

      tecladoprofusao
      Veterano
      # out/09
      · votar


      Concordo com o _Rattu_ em termos de som. Fora os harmônicos nas senóides, não há motivo pra endeusar "O" hammond. Tanto é que A PRÓPRIA Hammond hoje faz eles digitais.

      Quando ao aspecto histórico, eu sinceramente queria ter vivido a época pra ter base pra opinar. Ao meu ver, a fama deles é só pelo nome mesmo, como acontece hoje com o já idoso Oasys. Muita gente endeeusa ele e nem leva em consideração o que realmente ele é e se existe alternativas: Fusion, Mediastation, Neko, um PC violento + controlador... Resumindo: caiu naquela de "não conteste, é um Oasys e não se fala mal de um Oasys" heheh... Será que não foi isso que aconteceu com "O" Hammond?

      Jonathas Lacerda
      Veterano
      # out/09
      · votar


      ThyagoAmaral
      Eu já fiz tópico e tudo sobre o RT-20 da Boss, mas acho q a galera não curtiu muito... Inclusive tu foi o ultimo a postar nele xD

      Boss RT-20 - Simulador de Leslie - Rotary Sound Processor

      Acho que o Latorre enfartaria num tópico desses :D

      Leo Synth
      Veterano
      # out/09
      · votar


      Fora os harmônicos nas senóides, não há motivo pra endeusar "O" hammond. Tanto é que A PRÓPRIA Hammond hoje faz eles digitais. Também concordo. Muito interessante esse tópico. Acabei de ter uma idéia: Vou usar um synth qualquer no meu pré valvulado com um simulador de Leslie e ver o que acontece! Será que fica bom?

      _Rattu_
      Veterano
      # out/09
      · votar


      Leo Synth
      Da uma olhada no video de um Casio passado por um Leslie: http://www.youtube.com/watch?v=fblX9o6WSh8

      Mauricio Luiz Bertola
      Veterano
      # out/09
      · votar


      _Rattu_
      Cara, a tua posição é interessante, mas eu não concordo inteiramente com ela não. Óbvio que os órgãos SS podem produzir ótimos sons (O disco do Bacamarte - clássico do progressivo nacional foi gravado com um Farfisa), mas a válvula, por sua forma de construção e natureza de funcionamento "produz" harmônicos pares na amplificação do sinal, fazendo com que a sonoridade seja distinta. Claro que isso não é melhor nem pior, apenas diferente.
      Esse órgão seu aí é bem maneiro, pena que só tenha 4 oitavas...
      Esse aqui é um órgão SS "da pesada":
      http://www.combo-organ.com/Yamaha/YC-30a.jpg
      Abç

      _Rattu_
      Veterano
      # out/09
      · votar


      Mauricio Luiz Bertola

      Válvula/Transistor
      Sim, cara, isso é compreensível, em se falando de amplificação. E se metermos um um pré valvulado dentro de um Combo Órgão desses?


      Órgão Arbon
      Sim, 4 oitavas não dá pra encher a mão, mas dá pra fazer acorde/solo e baixo, já que a primeira oitava dele tem baixo. Fica muito bacana!

      ThyagoAmaral
      Veterano
      # out/09
      · votar


      Jonathas Lacerda
      Eu penso em comprar um... seriamente sério!!! =]

      O Ruim é não poder controlar as coisas na mão... ali tudo junto nos knobs ter que ficar no pé é foda... coisa para guitarrista mesmo... =/

      Mauricio Luiz Bertola
      Veterano
      # out/09
      · votar


      _Rattu_
      E se metermos um um pré valvulado dentro de um Combo Órgão desses?
      Bem, irá melhorar o som, sem dúvida, mas não vai "emular" o Hammond, pois TODO o circuito dele é valvulado...É aí que está o detalhe...
      Bem que eu gostaría de montar uma banda anos 70 com alguém com um bicho desse aí, e eu ainda emprestava meu Casio CZ5000!!!!
      Abç

      _Rattu_
      Veterano
      # out/09
      · votar


      Mauricio Luiz Bertola

      Não, cara a intenção não é fazer um Combo soar como o Hammond, mas fazer o som dele mais orgânico! Acho que deve fica do caralho, vou testar!

      Jonathas Lacerda
      Veterano
      # out/09
      · votar


      ThyagoAmaral
      Ele tem entrada para pedal de controle, como o teu FCV-100. Um pedal assim faz ele controlar a velocidade.

      http://roland.com.br/files/product_image/image/443/rt20_rear_f_l.png

      Pra falar do RT-20, a gente migra essa conversa para o " tópico oficial" :P

      tiago scott
      Veterano
      # out/09
      · votar


      Jonathas Lacerda

      _Rattu_
      Cale-se seu herege! Não tem vergonha de passar adiante esta informação diabólica?

      Mano eu passei a tarde rindo depois desse post. Mas é muito interessante mesmo essas informações sobre os orgãos pós Hammond. Particulamente nunca toquei num Hammond B3, apenas ví uma bela apresentação do Hammond XK3 na Expo-Music com a Leslie de fita super ativada. Sinceramente acho que o Hammond tem um som característico muito peculiar, e incluo ele no Rol junto ao Rhodes, Wurlitzer e Clavinet. As vezes que acompanhei as linhas XK1,2 e 3 do Hammond sem leslie e nada tem um som monstro para tocar ao vivo, realmente coisa muito potente que cobre tudo. De minha parte acredito que mesmo sem Leslie o Hammond tem todo esse timbre próprio e característico, A Leslie fica sendo a cereja do bolo.

      _Rattu_
      Veterano
      # out/09
      · votar


      tiago scott

      ei!


      a série XK não é toda digital???

      Mauro Lacerda
      Veterano
      # out/09
      · votar


      O XK3 é digital mas tem uma válvula para "aquecer" o som, o XK1 não tem.


      Em relação ao som, acho que tem certas músicas que pedem determinados timbres. O Doors é um exemplo bem conhecido, mas existem inúmeros outros de bandas que fazem questão de ter um transistoriado no setup. Eu acho muito massa o som deles, ás vezes tiro a Leslie e o Chorus do TX, coloco uma distorção leve e o som fica bem agressivão, porrada. Ao mesmo tempo não fica tão legal em um Jazz, por exemplo, onde um Hammond é mais interessante. Tudo depende da pretensão da música, o que ela pede...

      Parabéns, instrumento bem interessante...

      Jonathas Lacerda
      Veterano
      # out/09
      · votar


      tiago scott
      A gente tem que brincar de vez em quando. Tem dia que este fórum parece tão sério...

      Bom... Mas falando sério, eu respeito a opinião do _Rattu_ e até concordo com alguns pontos. Mas pode até ser que eu seja um xiita da igreja universal do hammond lesliano... Mas pra mim, hammond continua sendo O órgão e ponto final. É como se ele tivesse alma própria.

      O Daniel latorre tem uma entrevista bem bacana sobre os hammonds e sua paixão pelo órgão - sem trocadalho do carilho, por favor - A entrevista é de 2007 eu acho. Se eu achar na net eu posto aqui, se não, não poderei postar pois se trata de um artigo publicado em revista paga - no caso a Teclado e Audio.

      fernando tecladista
      Veterano
      # out/09
      · votar


      eu já tentei levantar a bandeira em 2006:
      http://forum.cifraclub.com.br/forum/8/149773/

      espero que esse tópico renda melhor

      concordo com muita coisa, hammond é bom, é otimo... mas não é só isso tem muita sonoridade boa por ai que não aparece por puro preconceito
      em outras linhas de instrumentos tem também isso
      tem gente que idolatra Rhodes tanto quanto o hammond, eu já curto mais o timbre dos Wurlitzer e já implicaram comigo sobre isso
      http://www.youtube.com/watch?v=OatWEa2SQf8

      Jonathas Lacerda
      Veterano
      # out/09
      · votar


      fernando tecladista

      já em relação ao wurlitzer, eu sou fã demais. Curto Rhodes e Wurly igualmente. Sem distinção.

      tecladoprofusao
      Veterano
      # out/09
      · votar


      Tudo off, desculpem por não contribuir:

      Mauro Lacerda
      O XK3 é digital mas tem uma válvula para "aquecer" o som, o XK1 não tem.
      Tô com um esquema de uma distorção valvulada, mas tava sem ânimo pra montar até ler isso... Será que dá um gás no PSR?

      Jonathas Lacerda
      Mas pode até ser que eu seja um xiita da igreja universal do hammond lesliano...
      kkkkkkkk... Ri alto! XD


      fernando tecladista
      eu já curto mais o timbre dos Wurlitzer e já implicaram comigo sobre isso
      Eu tb, sério... Me amarro no timbre dele, e tenho usado mais ele que o Rhodes.

      Agora sim... algo a ver com o tópico:
      Jonathas Lacerda
      É como se ele tivesse alma própria.
      Seria aquele lance de todo eletromecânico e/ou analógico de não se ter controle absoluto na geração do som? Quer dizer... As pequenas imperfeições que se juntam pra temperar o timbre do instrumento? Se for isso, o que exclui os transistorizados? O fato de não ter que esperar esquentar por 15 minutos? rsrs

      Jonathas Lacerda
      Veterano
      # out/09
      · votar


      tecladoprofusao
      O fato de não ter que esperar esquentar por 15 minutos? rsrs
      Mais ou menos isso... =)

      Mauricio Luiz Bertola
      Veterano
      # out/09
      · votar


      o timbre dos Wurlitzer
      Sonzera!
      Me lembra o disco do Supertramp!
      Abç

      expedifer
      Veterano
      # out/09 · Editado por: expedifer
      · votar


      Na verdade essa preferência de instrumentos antigos, a válvula ou transitores, na minha opinião, passam mais de "saudosismo" que outra coisa. A própria qualidade sonora dos instrumentos, hoje eletrônicos, tem como a perfeição diante dos antigos (antes elétricos), do contrário veriamos a volta ao passado pelas maiores marcas. Achamos que os sons antigos são em certas circunstâncias "melhores", mas na verdade não passa de impressão face ao grande impacto que fizeram no lançamento ou quando muito em moda (quem não soube do Jean Michel Jarre com seus fenômenos instrumentais para a época).

      Pra não dizer que nenhuma marca tentou voltar ao passado, a Korg ate tentou "valvular" seu Triton mas não houve aquele sucesso e nem fez muita diferença se levarmos em conta a absurda "perfeição" dos mais novos em relação a esse Triton (como o M3, Oasys, agora o SV1, etc) em que de nada precisam de alguma válvula, transistor, etc pra ter tal desempenho (O Oasys possui entre muitas sintetezes digitais , um sintetizador analógico que já diz tudo a respeito). O mesmo vale para as outras marcas. É apenas impressão dos antigos, tal qual fizeram lenda os DX7, M1, D50, etc. Vamos nos voltar para os mais novos que tem muito mais pra nos dar.

      tiago scott
      Veterano
      # out/09 · Editado por: tiago scott
      · votar


      Jonathas Lacerda
      Mauricio Luiz Bertola

      Acho o timbre do Wurlitzer muito bom também, hoje em dia ele está mais presente e conhecido no meio musical, até essas bandinhas de rock ou de emos tem músicas com uns wurlitzer rolando. Mas o topo da cadeia de timbres pra mim ainda é o Rhodes, acho o melhor timbre de todos talvez por ter crescido ouvindo muitos flash de Marvin Gae, Aretha Franklin, James Braw e etc. A mesma coisa é para o Hammond, number one pra mim no quesito orgão, pois desde que me conheço musicalmente o Hammond é o Hammond kkkkkkkk.

      Cleber Vaz
      Veterano
      # out/09
      · votar


      _Rattu_
      Muito legal levantar essa questão, vale lembrar que além do Bacamarte o Arnaldo Baptista também usava orgão transistorizado ligado em leslie, até dá pra ver naquele video de aniversário da TV Cultura...
      eu já curto mais o timbre dos Wurlitzer
      Eu também, tanto que quando experimento um teclado diferente eu sempre lembro primeiro de procurar um timbre de Wurlitzer pra depois o resto...
      Não se tem a cultura de usar o "órgão brega" através de efeitos externos
      Eu liguei o meu orgão Spark num pedal flanger da Oliver e ficou fantástico...
      Podemos chegar ao ponto de dizer então que com Pedais e um monte de efeito um PSRzinho chegar a um resultado legal ???
      Essa foi a primeira coisa que eu fiz depois de testar o flanger no Spark, liguei ele junto com outros pedais num PSR só pra ver no que dava e não ficou melhor, apenas diferente...

      Mauricio Luiz Bertola
      Veterano
      # out/09
      · votar


      Cleber Vaz
      Antigamente eu tocava com um pessoal, que o tecladista tinha um órgão Gambitt e um piano elétrico Diatron. Ligávamos phaser e echo neles, ficava uma sonzera!!
      O Phaser dá inclusive para "emular" um trêmolo ou Leslie em regulagens mais "altas" e nas baixas, alguns timbre lembravam o de um ARP strings. O Diatron foi "mexido" para que o som de "piano" (que ficava longe do som desse instrumento!), ficasse misturado ao de "harpsichord", o que dava um timbre mais "realista".
      Naquela época não haviam muitas opções, e o negócio era usar a criatividade.
      Abç

      Enviar sua resposta para este assunto
              Tablatura   
      Responder tópico na versão original
       

      Tópicos relacionados a Hammond não é tudo - Em defesa dos transistorizados

      305.755 tópicos 7.895.565 posts
      Fórum Cifra Club © 2001-2018 Studio Sol Comunicação Digital