Notificações Amigos pendentes

      Fórum Cifra Club - maior fórum de m&uacite;sica do Brasil

      Simulação X Realidade. Paranoia c/ timbre: Quem aqui tem o amp X, de verdade, para comparar?

      Autor Mensagem
      Alex Pires
      Veterano
      # jun/12
      · votar


      Olha, na minha opinião, essa pergunta "Como é a simulação de um Fender Vibrolux vs. multiFX?" é algo sem razão se o sujeito questionado não usa e nem tem esse amp!!! Tá, o cara pode ter testado o amp numa loja em "1999" e, com uma guitarra diferente ainda por cima, e isso muda tudo. Sem contar que nossa "memória auditiva" não muito confiável (pelo menos a minha, não é).

      O que me resta é confiar no fabricante e na minha habilidade de fazer algo soar bem. Pq precismos nos apegar a timbres de amps X ou Y se sequer sabemos quais captadores o guitarrista usou ou mesmo a marca do microfone que foi gravado?


      Só pra acrescentar, MaurícioBahia, as empresas top de simulação de amplificadores e afins usam algorítmos matemáticos para avaliar o comportamento dos amplificadores, microfones (e seus posicionamentos) e efeitos.

      Inclusive, existe uma marca chamada Kemper (http://kemper-amps.com/page/render/lang/en/p/184/do/Kemper_Profiling_ Amplifier___KPA___Guitar_Amplification_Redefined.html) que faz o profiling em minutos de um amplificador. A diferença entre isso e o que uma Line 6, Fractal Audio, Boss e outras empresas fazem é que elas detalham o comportamento esperado do que está sendo simulado e das diferenças de som para cada mexida num knob.

      Como diz um amigo meu: Isso não é feito na "orelhada" não.

      MauricioBahia
      Moderador
      # jun/12
      · votar


      Alex Pires: Inclusive, existe uma marca chamada Kemper (http://kemper-amps.com/page/render/lang/en/p/184/do/Kemper_Profiling_ Amplifier___KPA___Guitar_Amplification_Redefined.html) que faz o profiling em minutos de um amplificador.

      Tô sabendo. Inclusive abri um tópico sobre ele ano passado: http://forum.cifraclub.com.br/forum/10/251462/

      Como diz um amigo meu: Isso não é feito na "orelhada" não

      É claro. Mas eu não questiono isso em hipótese alguma!

      Valeu!

      DioDisciple
      Veterano
      # jun/12
      · votar


      Sabe o que é engraçado? Situação que eu já vi: 2 guitarristas em uma mesma banda, cover de Hard Rock. Pois bem... Um tocava com uma Ibanez RG 350 (salvo engano), uma Boss ME70, plugada num marshall valvestate. O outro guitarrista da banda tocava com uma Fender plugada num Mesa Single Rectifier. Perguntei pra todos os conhecidos que estavam no bar no dia e inclusive a minha namorada: o timbre do guitarrista da Ibanez tava MUITO, mas MUITO melhor MESMO, além do cara ser um excelente guitarrista. O cara da Fender + Mesa conseguiu tirar um timbre extremamente embolado, juro que mal se ouvia os riffs que o cara tocava ou as bases dos solos.

      Não, não quero dizer que uma Ibanez num Marshall Vavelstate qualquer é melhor que uma Fender num Mesa Boogie. O que quero dizer é que as pessoas se preocupam muito com marca, rig, cabo, etc...mas esquecem do principal: exercitar o ouvido, buscar a experiência de tocar ao vivo e, principalmente, CONHECER O SEU RIG! O que eu já vi de neguinho tirando timbre LIXO de Gibson + Pedal de Botique e de nego detonando com Behringer/Boss em Laney, não tá no gibi...

      Acho que a questão é essa: o mais importante nessa história toda é o músico, o cara que vai mexer naquilo tudo, o cara que vai regular os graves/médio/agudos, o ganho, a ambiência, os botões de tone/volume, a palhetada, etc. Equipamento nenhum substitiu um bom músico, essa é a minha opinião.

      Calime
      Veterano
      # jun/12
      · votar


      Curly
      ogner
      Del-Rei

      Eu tenho um desses aí a dois meses, comprei no stringsandbeyond. O treco é mto legal, to até pensando outro pra usar ao mesmo tempo e viajar ainda mais em afinações mais loucas ainda, rs....

      Calime
      Veterano
      # jun/12 · Editado por: Calime
      · votar


      Discurssão muitoo legal, e que me faz pensar em vários aspectos desse lance de consumismo, gear e talz.

      Minha opinião:Valvulado é legal, digital é legal, SS é legal, analógico é legal....desde que o kra saiba timbrar....mas o que é o tal "timbrar legal"?

      Temos como parâmetro nosso gosto do que é bom ou ruim, influenciado por guitarristas na maioria clássicos, ou que um kra amigo seu disse que é bom, e vc foi lá e acreditou...ops, acho que estou fugindo do cerne do debate, rs...

      Conheço um kra que mora em DF e tocava numa banda legal do meio gospel, meio conhecida até. O kra tem equipos mto bons, e toca pakas, mta musicalidade e tecnica legal tbm, mas e o timbre? LIXO(pra mim, como disse anteriormente isso é algo bem relativo)! Mas quer saber, gosto de ouvir ele tocando sabe....mesmo com timbre palha e tudo o mais, dou mais importância pra um kra musical e que toca legal, com pegada(ui!) do que um super hiper timbre com um kra anêmico tocando, ou "fritando" (odeio esse termo, rs...).

      Enfim, por hora é só....vlw!

      Calime
      Veterano
      # jun/12
      · votar


      Sobre o que o MauricioBahia disse sobre o lance de simulação e pedaleiras, concordo...sempre fui contra essa mania de colocar "pedal fuzz factory num sei que lá" na pedaleira...kra, não to interessado nisso, eu quero é um som de qualidade, fácil de programar e com uma boa gama de opções e versatilidade...o resto é merchan, perfumaria..."ah, estou tocando num Mesa Stilleto com um Fuzz Face e um reverb analog. ligado..." pá, vai se lascar man...seu timbre tá bom? Então tá massa...num tá bom? Corre atrás de algo que lhe atenda...simples assim.

      Leomju
      Veterano
      # jun/12 · Editado por: Leomju
      · votar


      MauricioBahia e Caros amigos Guitarristas

      Bem, eu deixo uma pequenina participação nesse tópico afirmando duas coisas:

      1 - Realmente o som analógico é melhor, no sentido de ser mais orgânico e natural, isso é inegável!
      2 - Os simuladores estão no mercado e são excelentes, ótimos no que se propõem e possuem preços convidativos.
      Ninguém pode negar as suas qualidades!

      Valeu, espero ter contrubuído!!!!!!!!!!!!!!!!!!

      Bog
      Veterano
      # jun/12
      · votar


      Leomju
      o som analógico é melhor, no sentido de ser mais orgânico e natural

      Eu continuo achando engraçado usar termos como "natural". Digo, ninguém tem uma plantação de 12AX7, uma criação de opamps, nem um pomar de diodos diversos. =P

      Analógico ou digital, é tudo processamento de sinal (rimou!).

      geniogovan
      Veterano
      # jun/12
      · votar


      Tenho alguns alunos que possuem POD HD 500 e resolvi comparar com o Mesa Dual rectfier e digo que na minha opiniao que o POD timbra legal, mas eh muito diferente do amp real, fora to do o glamour de tocar no amp real.
      As vezes passamos um tempao buscando um timbre apenas parecido com o de alguem, enquanto grandes musicos procuram timbres que ainda nao escutaram.

      (desculpem a escrita estou sem os acentos no teclado)

      ricardocezario
      Veterano
      # jun/12 · Editado por: ricardocezario
      · votar


      Nos ultimos tempos andei fuçando bastante em simuladores e conseguido resultados muito bons, mas...não adianta.
      Por mais que eu tente timbrar e timbrar processadores digitais, quando eu plugo a guitarra diretamente no amplificador tudo muda e fica mais "vivo" e "quente", seja no meu Peavey Bandit ou no Acedo.

      Digo isso baseado em situações de banda, onde o mix dos instrumentos por vezes acaba por "engolir" meu som quando uso processamento digital, sendo que na mesma situação os analógicos tendem a se destacar muito mais.

      Alias, alguem ja reparou nisso? Como principalmente os drives (mas até mesmo modulações e delays) digitais tendem a serem menos presentes na mix dentro de uma banda? Pode tacar o médio no talo, usar equalizador, compressor...o digital sempre tende a soar mais opaco. Nessas situações mesmo quando estou tocando com uma pedaleira procuro sempre levar algum drive analógico e pluga-lo em conjunto.

      Sou totalmente a favor e faço o uso de simuladores, mas na minha opinião é inegal a qualidade superior do mundo analógico/valvulado.

      DioDisciple
      Veterano
      # jun/12
      · votar


      Pô, esse lance do digital sumir no mix da banda eu também percebo... Realmente soa mais opaco e tal. Mas e em gravações? Atualmente os simuladores têm timbres fantásticos

      ogner
      Veterano
      # jun/12
      · votar


      Pertinente:



      Rafa-Ban
      Veterano
      # jun/12
      · votar


      eu tenho alguns simuladores aqui, em forma de pedal e vst. Nem perco tempo tentando reproduzir esse ou aquele timbre muito menos comparando. Pra mim é natural girar os knobs e ver o que consigo obter

      Leomju
      Veterano
      # jun/12
      · votar


      Bog
      Eu continuo achando engraçado usar termos como "natural". Digo, ninguém tem uma plantação de 12AX7, uma criação de opamps, nem um pomar de diodos diversos. =P
      Então, até concordo com você!
      Mas à luz de tanta discussão sobre esse assunto, quando ouço o som analógico, e sobretudo o de válvula, acho mais "natural", mais redondinho, quer dizer sem agudos gritantes e graves rachadores... hehe!
      Então, quando ouço uma simulação, muitas vezes sinto um som meio que "superficial", não sei o que é, mas é isso que sinto e não tem jeito nem discussão que mude, é o que ouço!

      Mas como eu disse, essas simulações são mão na roda!

      MMI
      Veterano
      # jun/12
      · votar


      Leomju

      Mas como eu disse, essas simulações são mão na roda!

      Pois é. Ao vivo eu prefiro mesmo um som valvulado, dá uma sensação melhor ao guitarrista, mais dinâmica, um ganho diferente ao se tocar 2 ou mais cordas. Mas para gravar, botar um ou mais microfones na frente de um falante e traduzir um som bom numa gravação boa tem uma distância e uma certa dificuldade. Aí os simuladores tem vantagens, até no preço que se gasta.

      Se é para ter GAS, eu quero valvulado e SS (tem SS que dá banho em valvulados em alguns timbres), cada um tem suas vantagens para se tocar ao vivo. Para gravar, quero bons equipamentos para gravar esses amps e porque não, bons simuladores também. Daí tá feito! kkkkkkk

      Practus
      Veterano
      # jun/12
      · votar


      Bog
      2) Quanto a "fazer música":

      *...* Cara... concordo em gênero, número e grau. E ainda assino embaixo.

      Jinkxs
      A questão é sobre como "encarar" isso. Eu encaro como um bom bate-papo.... daqueles que a gente tem quando encontra um amigo e joga conversa fora, sem compromisso. E acaba aprendendo bastante.

      Exatamente. Acho que essa é a prinicipal função do fórum. Compartilhar experiências musicais com diferentes equipamentos, dicas de como arredondar um timbre (mesmo que isso seja muito objetivo), enfim, multiplicar conhecimentos.

      Del-Rei
      Pois é... Muita verdade isso.
      Peguem os AC30 de 30 a 20 anos atrás e compare com os atuais........
      Até mesmo os de fabricação em períodos iguais podem soar com pequenas diferenças.
      Acho que esse tipo de discussão é quase uma enxugação de gelo, hehe.
      Sempre no final das contas, o que importa é se o som está agradável ou não... E "agradável" é completamente individual, hehehehe.


      Sem dúvida! E é justamente por isso que eu prezo tanto a opinião dos diletos colegas de fórum. A cada geração de equipamentos temos várias mudanças. Isso influi diretamente no som que uma pessoa gosta. Exemplo? O próprio AC30 passou por uma fase onde o timbre era muito diferente dos modelos originais (para uns, melhor, para outros, pior). Como várias cabeças sempre pensam melhor do que uma, compartilhar experiências sempre é valido.

      Alex Pires

      Da mesma forma, concordo em gênero, número e grau, e ainda assino embaixo.

      Bom... esses são meus 2 centavos sobre o assunto....

      Abraço

      MauricioBahia
      Moderador
      # jun/12 · Editado por: MauricioBahia
      · votar


      Apenas deixando bem claro!

      Eu não estou dizendo que o melhor é deixar de comparar ou algo assim. Isso até divertido, apesar de, pra mim, utópico! O que me deixa tenso é ver pessoas sonhando com um Mesa ou Marshall caindo do céu num simulador digital ou analógico. Acabam comprando uma POD H500, pq o FCC "disse" que ela é foda! Eu acredito que isso é fetiche ou mesmo ignorância! Enfim, se eu tivesse um filho, diria "Meu querido, aprende a tocar guitarra primeiro, domine sua pegada! Seja criativo!!!! Ouça muitas bandas! Ao longo do tempo você vai, inevitavelmente, encontrar seus timbres prediletos! Aqui ó: Amplitube (ou outro), uma guitarra e um fone bacana! Grava o que tocar e ouça..."

      Abs

      james.gurley
      Veterano
      # jun/12
      · votar


      Mauricio Bahia não entendi bem o propósito do tópico.

      A comparação simulação vs realidade faz sim todo sentido, e eu explico pq: o cara ao tocar um simulador, tem que estar ciente até onde aquilo de fato emula o som original de tal amp.

      O som pode ser muito bom, mas quem sabe o cara não gostaria de ter um algozinho a mais e pagar por isso? Portanto faz todo o sentido vc fazer comparação entre simulação e realidade. Tocando um Twin Reverb no Amplitube o cara pode achar o som maravilhoso, mas será que ele não vai ter curiosidade de saber como soa o amplificador real? Eu sempre tenho.

      E por fim: simulação é isso, simulação, não substitui um amp de verdade. Vale a pena pelo custo benefício.

      MauricioBahia
      Moderador
      # jun/12 · Editado por: MauricioBahia
      · votar


      james.gurley: Mauricio Bahia não entendi bem o propósito do tópico.

      O propósito PRIMORDIAL é justamente debater. Eu não estou impondo nada. O motivo de um fórum é trocar idéias/pensamentos! :)

      Acima, eu exponho o que penso sobre o assunto, que é justamente não ficar preso a uma sonoridade "X" ou "Y". Isso não vai lhe tornar um melhor guitarrista, apenas um ótimo (ou não) "comparador".

      ;)

      james.gurley
      Veterano
      # jun/12
      · votar


      Andei usando umas coisas digitais, e eles só me agradam quando simulam um som analógico. Recentemente passei pra frente tudo de digital que tem aqui no meu board, mas estou encomendando um reverb com o Ed, que é digital mas tem som de analógico...

      Estranho? Acho que não. Poucas pessoas discutem se digital é necessariamente ruim, existem casos e casos. Delays e reverbs talvez sejam os melhores efeitos disponíveis em versão digital. Fuzz digital já é quase que uma aberração, enfim.

      Alguém aí disse que tudo é processamento de sinal. Uma maneira bem cínica de analisar algo tão passional como música. Escute um vinil, e depois um cd. Escute um fuzz de germânio e depois a simulação. Não conheço nenhum adepto do digital por opção que não econômica.

      Alguém lá em cima disse que não gosta de quem tem fuzz face, fuzz factory, algo que a meu ver é uma espécie de síndrome do alternativo, se por um lado não é necessário tal equipo para tirar um som maneiro, por outro são pedais muito bons e dizer que é apenas pefurmaria é uma grande bobagem.

      Abs

      MauricioBahia
      Moderador
      # jun/12 · Editado por: MauricioBahia
      · votar


      james.gurley

      Gilmour, Knopfler, Petrucci, etc, usam efeitos digitais seja no pedalboard ou rack. Digitech, Rocktron, Eventide fazem parte da nossa "vida" há décadas e todo mundo tenta "copiar" seus timbres. E custam bastante, é pro "bico" de poucos! Enfim, essa parada de digital ser ruim é pura viagem na minha opinião.

      Alguém lá em cima disse que não gosta de quem tem fuzz face, fuzz factory

      Tem que saber usar né? Fuzz não é um pedal "linear" digamos.

      Abs

      Bog
      Veterano
      # jun/12 · Editado por: Bog
      · votar


      james.gurley
      Uma maneira bem cínica de analisar algo tão passional como música.

      Ou uma maneira bem técnica, já que eu não estava falando de música, e sim equipamentos que processam sinais. Não há nada de passional em uma transformada de Fourier. =P

      Edit: explicando mais: eu estava falando especificamente de como me parece curioso o uso de palavras como "natural" para se referir a uma caixinha que recebe na entrada um sinal elétrico; processa este sinal com o uso de componentes eletrônicos (diodos não nascem em árvore) dispostos em um circuito projetado por um ser humano; e produz na saída uma versão modificada do sinal de entrada. Não estamos falando de um fenômeno natural e acústico, e sim de processamento de sinais. Analógico ou digital, é sim tudo processamento de sinal. E é tudo artificial, para rimar mais ainda. =P

      Não conheço nenhum adepto do digital por opção que não econômica.

      Eu conheço. Eu. E o guitarrista do Pato Fu. E o Roberto Frejat. E o Herbert Vianna. E os usuários da Axe Fx abaixo:

      http://www.fractalaudio.com/artists.php

      MauricioBahia
      Moderador
      # jun/12
      · votar


      Quando vamos entender que digitais e analógicos podem funcionar perfeitamente juntos? PQP!!!!!!!!

      Practus
      Veterano
      # jun/12 · Editado por: Practus
      · votar


      Bog
      Eu conheço. Eu. E o guitarrista do Pato Fu. E o Roberto Frejat. E o Herbert Vianna. E os usuários da Axe Fx abaixo:

      Nada contra o james.gurley, mas essa foi muito boa!

      MauricioBahia
      Quando vamos entender que digitais e analógicos podem funcionar perfeitamente juntos? PQP!!!!!!!!

      Aí sim concordo plenamente. Isso de analógico vs. digital já deixou de ser relevante faz muito tempo.

      james.gurley
      Mauricio Bahia não entendi bem o propósito do tópico.

      James... o propósito está claro desde o início, e é como o Bahia mesmo disse... promover o debate, como sempre fazemos no fórum. E o Bahia tem suas razões sim ao criticar a busca incansável única e exclusivamente pela primasia do timbre. Muitos se esquecem de tocar, e passam a vida focados em detalhes técnicos de timbres, simulações, etc. Curioso é que em muitos casos assim, se formos ver a técnica dessas pessoas, veremos que não passa de sofrível, e que haveria muito espaço para treinos (sempre há, mesmo para os Guitar Heroes), e que se metade do tempo investido na busca pelo timbre simulado perfeito fosse investido em treinos, ou no simples ato de tocar, já daria para melhorar em muito a habilidade em si.

      E aqui, caímos na máxima que os excessos são prejudiciais. Nem tanto, nem tão pouco. Passar a vida inteira comparando simulações em detrimento do simples prazer de tocar é tão prejudicial quanto ter uma técnica apuradíssima sem entender os pormenores do seu timbre (seja simulado ou não).

      Abraços

      Jim Marshall
      Veterano
      # jun/12
      · votar


      Practus

      E aqui, caímos na máxima que os excessos são prejudiciais. Nem tanto, nem tão pouco. Passar a vida inteira comparando simulações em detrimento do simples prazer de tocar é tão prejudicial quanto ser extremamente técnico sem entender os pormenores técnicos do seu timbre (seja simulado ou não).


      Disse tudo! Vejo tanta gente, algumas até daqui do FCC mesmo, mais preocupadas em tais comparações do que realmente estudar e fazer música.

      O ideal é saber ponderar as duas situações.


      Abraço,
      See ya!

      Practus
      Veterano
      # jun/12
      · votar


      Jim Marshall
      O ideal é saber ponderar as duas situações.

      Exato... Equilíbrio entre conhecer seu timbre e dominar as técnicas de guitarra é que fazem nossos guitar heroes quem eles são...

      Bog
      Veterano
      # jun/12 · Editado por: Bog
      · votar


      MauricioBahia
      Quando vamos entender que digitais e analógicos podem funcionar perfeitamente juntos? PQP!!!!!!!!

      Eu acho que em praticamente todos os tópicos deste tipo tem que aparecer pelo menos um para declarar, como verdade universal, que "analógico é melhor que digital", que "profissionais usam analógico" ou coisas do tipo.

      Aliás, no site da Digitech tem uma pesquisa de mercado sobre multi-efeitos digitais. Eles colocaram um negócio do tipo "discordo ~ concordo" para várias afirmações. Entre elas, coisas como "distorções digitais nunca soarão tão bem quanto analógicas" e "profissionais não usam multi-efeitos digitais".

      Led Zé
      Veterano
      # jun/12
      · votar


      james.gurley
      Não conheço nenhum adepto do digital por opção que não econômica.

      Viajou.

      mjcmello
      Veterano
      # jun/12
      · votar


      As pessoas que criticam o "mundo digital" na verdade repetem o que ouviram de outras pessoas tão desinformadas quanto elas.

      Não gostar do som de uma distorção da Zoom, por exemplo, é uma coisa. Agora, colocar tudo no mesmo saco é completamente insano.

      Claro também que, se o cara quer o timbre do Fender Twin Reverb, ele só vai ter o som do Fender Twin Reverb se comprar um. Uma simulação pode chegar perto, mas nunca vai soar igualzinho. Isso não tem a ver com a questão do "digital" em si. O difícil é "modelar" o equipamento. Traduzir para uma equação matemática o que acontece com o sinal dentro daquele ampli específico que se quer simular.

      Em termos de estúdio, as simulações digitais vieram pra facilitar e muito a vida do músico. Basta instalar um plugin e a gente tem uma gama enorme de opções de amplificadores e efeitos pra timbrar o nosso instrumento.

      Por ouro lado, não ficar igual não significa que seja ruim. Como dito acima, a busca novos timbres é uma coisa natural para um profissional da música.

      Se qualquer um aqui do forum procurar entender como é feito o processamento digital (desde a conversão a/d e d/a, taxa de amostragem, algoritmos, etc), vai ver que digitalmente é possível fazer coisas de forma simples e que até seriam impossíveis de fazer analogicamente.

      MauricioBahia
      Moderador
      # jun/12 · Editado por: MauricioBahia
      · votar


      Practus

      Obrigado!

      Abs


      Só pra ilustrar, alguns "pros" que usam digitais faz muito tempo e são atualmente ACLAMADOS por aqueles timbres (cito as fontes). Os caras de tudo. O lance era fazer som!!!!

      ___________________________________________

      PULSE

      Pink Floyd’s last live album PULSE was recorded at a number of European shows in 1994 and featured a complete performance of Dark Side of the Moon. David’s setup for Time:

      Fender Stratocaster ’57 reissue
      - 1983 candy apple red body with a white pickguard, maple neck and EMG SA pickups with SPC and EXG controls.
      Hiwatt DR103 100w heads
      Hiwatt STA-100w heads
      Alembic F-2B tube preamp
      WEM Super Starfinder 200 speaker cabinets
      Marshall JCM 800 400w speaker cabinets
      Doppola rotating speaker cabinets

      MXR Dynacomp (intro)
      - sustain 10:00, volume 2:00
      Ibanez CP-9 (intro)
      - attack 11:00, level 11:00, threshold 1:00
      Boss CE-2
      - speed 11:00, depth 1:00
      TC Electronics 2290 (intro/solo)
      - long delay 500ms
      Lexicon PCM 70 (intro)
      - multi-tap echo 350ms
      Chandler Tube Driver
      - level 11:30, hi 11:30, low 3:00, drive 4:00
      Sovtek Big Muff
      - sustain 60%, volume 60%, tone 40%
      UniVox Uni-Vibe
      - volume 2:00, intensity 12:00, slow speed 2:00, fast speed 4:00 (o’clock), mode: chorus

      Note: All settings above are based on pictures of David’s gear and my own experience. You may need to make further adjustments for your rig.


      Fonte: http://www.gilmourish.com/?p=1320

      ____________________________________________

      Guitar Effects on later Dire Straits tours

      1991/92

      Custom system build by Pete Cornish, including:

      TC 2290 Delay
      Alesis Quadraverb
      Boss Super Chorus CE 300
      Zoom Multieffect 9010
      Yamaha REV 5 (reverb)
      two TC-Equalizers/Preamps (for the National and Ramirez guitars)
      Wah Wah (Money for Nothing), integrated into the rack system
      Earney Ball Volume Pedal
      Sony Wireless system


      fonte: http://ds.mk-guitar.com/effects.htm

      _____________________________________

      Slash

      "Delay settings:

      NORMAL SETTINGS (SLAP DELAY)
      Level: 9.30 o’clock
      Feedback: 10 o’clock
      Delay time: 10 o’clock
      Mode: 800ms

      SLITHER SETTINGS
      Level: 11 o’clock (sometimes 12 o’clock)
      Feedback: 13 o’clock
      Delay time: 13 o’clock
      Mode: 800ms

      SET ME FREE
      Level: 11 o’clock
      Feedback: 7 o’clock (completely rolled back)
      Delay time: 9.30 o’clock
      Mode: 800ms

      Were talking about these two pedals:

      Boss DD3"

      [...]


      fonte: http://www.slashsworld.com/equipment/other-equipment/slashs-effect-ped als/

      _______________________________

      John Mayer

      fonte: http://www.johnmayergear.com/pedals/

      "The Eventide has much more options, and can be crafted for longer delay times. Mayer has more than one, giving him the option of different delay times at the click of a footswitch."

      Enviar sua resposta para este assunto
              Tablatura   
      Responder tópico na versão original
       

      Tópicos relacionados a Simulação X Realidade. Paranoia c/ timbre: Quem aqui tem o amp X, de verdade, para comparar?

      304.165 tópicos 7.868.695 posts
      Fórum Cifra Club © 2001-2018 Studio Sol Comunicação Digital