Notificações Amigos pendentes

      Fórum Cifra Club - maior fórum de m&uacite;sica do Brasil

      A qualidade da madeira influencia no timbre?

      Autor Mensagem
      Pepe Le P
      Veterano
      # nov/11
      · votar


      Die Kunst der Fuge
      No outro tópico o Rod disse que as cordas usadas foram D'addario, então acho que não tem do que reclamar, tendo em vista que são cordas usadas por muitos guitarristas.
      Pelo que eu entendi ele usu cordas Giannini (pelo menos lembro de ter visto no artigo). Como não me lembro de ter usado esta marca recentemente não posso emitir uma opinião embasada.

      Eu gostaria que agora ele fizesse o mesmo estudo com outros modelos, pontes e utilizando outros captadores.
      Eu também acho que seria muito legal, até para efeitos de comparar os resultados. Acaba indiretamente sendo uma maneira de testar a precisão da metodologia dele. mantem tudo igual e varia o braço, por exemplo...

      ogner
      Veterano
      # nov/11
      · votar


      PEMAMETAL
      deveriam de forma cientifica provar o contrario, é assim que a ciencia funciona. Ficar repetindo frases como

      Deixa comigo. Joguei na mega sena.
      Vou comprar meia duzia de Custom Shops Fender, meia duzia de CS Gibson, meia duzia de guitarras xing-ling e vou fazer!!
      Só tenho que ganhar na mega-sena!!!

      hehehehe

      ogner
      Veterano
      # nov/11
      · votar


      Maior 171 da historia!! ahuehuha
      Se esse cara descobrir esse trabalho, vai matar o cara!!



      E o pessoal discute sobre o tema nos comentários.

      PEMAMETAL
      Veterano
      # nov/11
      · votar


      ogner
      deveriam de forma cientifica provar o contrario, é assim que a ciencia funciona. Ficar repetindo frases como

      Deixa comigo. Joguei na mega sena.
      Vou comprar meia duzia de Custom Shops Fender, meia duzia de CS Gibson, meia duzia de guitarras xing-ling e vou fazer!!
      Só tenho que ganhar na mega-sena!!!

      hehehehe


      Cara, não precisa ganhar na mega sena.
      O autor dessa tese fez um expperimento bem interessante e embasado usando 9 corpos de guitarras com diferentes madeiras e tenho certeza que ele não gostou nem metade do que eu gastei em apenas 1 Custom Shop da Gibson.

      Led Zé
      Veterano
      # nov/11
      · votar


      PEMAMETAL
      Cara, gostei da sua sinceridade. Tu tens equipos caros, torrou um pequena fortuna neles e mesmo assim adimite a possibilidade das madeiras das suas guitas não interferirem no som em vez de ficar mistificando a coisa toda, tentando justificar o dinheiro investido. Parabéns pela maturidade , tanto musical quanto intelectual. É melhor do que ser um gear snob , que faz vista grossa pra tudo que não é caro , vintage ou cheio de lendas por trás...E , com certeza, muito melhor do que um invejoso que não grana pra ter uma Custom Shop e que fica se agarrando a qualquer motivo pra desmerecer aquilo que ele não pode comprar. Keep it up, my friend...

      ogner
      Veterano
      # nov/11
      · votar


      Led Zé
      Muito louvável mesmo!!! É quase impossivel de se ver/ler depoimentos dessa
      estirpe.

      PEMAMETAL
      Com as CS teria muito mais impacto, pô!!
      Imagina, guitarras de 4 mil dolares!! Soando igualzinha as xing-ling de 50 dolares!! o.O
      hehehehe

      o/

      MauricioBahia
      Moderador
      # nov/11 · Editado por: MauricioBahia
      · votar


      Bom, pelo que vi, a experiência do cara é sobre corpos somente e palhetando com um "palhetômetro" numa corda solta. Todos os corpos usaram o mesmo braço.

      Mas o grande lance é a interação escala + corpo + parte elétrica. No momento em que que não há digitação na escala, pra que serve o teste? Talvez um "palhetômetro" e um "digitômetro" simulando pele humana, com diferentes pressões fosse um teste mais realístico.

      Acho melhor levar pro Myth Busters! hehe

      Abs

      ogner
      Veterano
      # nov/11
      · votar


      Em tempo:
      Se ate ele, "o cara", pode estar errado....
      Imagina, Leo Fender, Jonh Suhr e tantos outros!

      Led Zé
      Veterano
      # nov/11
      · votar


      MauricioBahia
      Mas o grande lance é a interação escala + corpo + parte elétrica.
      Agora é um boa hora pra testar as Gibsons . Alguns modelos estão vindo com "torrified maple" na escala em vez do rosewood ( ACHO que é por questões ambientais). Mesma guitarra, escalas diferentes. Será que altera tanto? Vale a pena testar.

      PEMAMETAL
      Veterano
      # nov/11
      · votar


      Led Zé
      Tu tens equipos caros, torrou um pequena fortuna neles e mesmo assim adimite a possibilidade das madeiras das suas guitas não interferirem no som em vez de ficar mistificando a coisa toda, tentando justificar o dinheiro investido

      ogner
      Imagina, guitarras de 4 mil dolares!! Soando igualzinha as xing-ling de 50 dolares!! o.O
      hehehehe


      Hahaha não é bem por aí tb!!! A pesquisa do cara por enquanto só está tentando provar a baixa ou talvez nula influencia da madeira DO CORPO no timbre.
      Mas assim como o Mauricio Bahia falou, seria muito interessante também se ele tivesse algum dispositivo pra digitar certas notas na escala e poder analisar a influencia de diferentes espessuras de braço, diferentes tipos de madeira no braço e diferentes tipos de madeira na escala.
      Mesmo que as pesquisas digam que todas as madeiras envolvidas na contrução de uma guitarra não tem influencia alguma no timbre, eu não me arrependo de ter comprado guitarras tops como as que eu tenho. Uma guitarra vai alem de só madeiras boas, tem os captadores, a parte de ferragens, eletronica, a qualidade do acabamento, a tocabilidade, a pegada, e o visual, na minha opinião as Les Paul Custom são obras de arte por natureza.

      PEMAMETAL
      Veterano
      # nov/11
      · votar


      Led Zé
      Tu tens equipos caros, torrou um pequena fortuna neles e mesmo assim adimite a possibilidade das madeiras das suas guitas não interferirem no som em vez de ficar mistificando a coisa toda, tentando justificar o dinheiro investido

      ogner
      Imagina, guitarras de 4 mil dolares!! Soando igualzinha as xing-ling de 50 dolares!! o.O
      hehehehe


      Hahaha não é bem por aí tb!!! A pesquisa do cara por enquanto só está tentando provar a baixa ou talvez nula influencia da madeira DO CORPO no timbre.
      Mas assim como o Mauricio Bahia falou, seria muito interessante também se ele tivesse algum dispositivo pra digitar certas notas na escala e poder analisar a influencia de diferentes espessuras de braço, diferentes tipos de madeira no braço e diferentes tipos de madeira na escala.
      Mesmo que as pesquisas digam que todas as madeiras envolvidas na contrução de uma guitarra não tem influencia alguma no timbre, eu não me arrependo de ter comprado guitarras tops como as que eu tenho. Uma guitarra vai alem de só madeiras boas, tem os captadores, a parte de ferragens, eletronica, a qualidade do acabamento, a tocabilidade, a pegada, e o visual, na minha opinião as Les Paul Custom são obras de arte por natureza.

      Die Kunst der Fuge
      Veterano
      # nov/11
      · votar


      ogner

      Assisti este vídeo daí e ele não prova nada.
      Só afirma um monte de coisas que todo mundo já afirma (sem embasamento empírico) aqui no fórum também.
      Ele inclusive diz: "teste uma Les Paul com tampo em maple e outra sem e você verá a diferença..."

      Tá de brinks, né?

      MauricioBahia

      Em um dos gráficos mostrados no artigo, existe a comparação feita por um trecho tocado por um guitarrista. Não foram detectadas diferenças.
      Ademais, você acha que faria toda a diferença do mundo o fato do cara ter pressionado uma das casas? Que este fator iria modificar significativamente um fenômeno da ordem de 10 ^ -5?
      E que, portanto, a interação com a madeira não se daria com a corda solta, mas sim com as casas pressionadas?

      Pepe Le P

      Yep, no artigo tá Giannini mesmo, no fórum ele falou D'addario o.o'

      mantem tudo igual e varia o braço, por exemplo...

      No outro tópico o Rod disse que imagina que o braço sim seja um dos aspectos importantes para o timbre, e que o mesmo esteja diretamente relacionado com a vibração das cordas.

      Faria sentido isso, pois note que várias guitarras de corpo de material bizarro, de acrílico, por exemplo, ainda assim possuem braços de madeira.

      Die Kunst der Fuge
      Veterano
      # nov/11
      · votar


      ogner
      Imagina, guitarras de 4 mil dolares!! Soando igualzinha as xing-ling de 50 dolares!! o.O

      Poxa, eu não sei se isso foi piada ou se essa é a sua interpretação real sobre o artigo do cara.

      ogner
      Veterano
      # nov/11 · Editado por: ogner
      · votar


      [b]Die Kunst der Fuge[/b
      ]Uai, quem disse que esse video era pra provar alguma coisa!?!
      Postei pq o cara tão ingenuamente descreve, explica a sonoridade de varias madeiras. Em vão, talvez, quem sabe!?!
      EDIT: Inclusive brinquei chamando ele de 171.

      Poxa, eu não sei se isso foi piada ou se essa é a sua interpretação real sobre o artigo do cara.
      Rá!! Fica ae com a pulga atras da orelha!
      o/

      PEMAMETAL
      Veterano
      # nov/11
      · votar


      ogner
      Rá!! Fica ae com a pulga atras da orelha!
      o/


      Seu Fanfarrão, hahaha.

      Die Kunst der Fuge
      No outro tópico o Rod disse que imagina que o braço sim seja um dos aspectos importantes para o timbre, e que o mesmo esteja diretamente relacionado com a vibração das cordas.

      Faria sentido isso, pois note que várias guitarras de corpo de material bizarro, de acrílico, por exemplo, ainda assim possuem braços de madeira.


      Eu também acho que se fizessem experimentos relacionado ao braço e escala, tanto analisando madeiras diferentes, e principalmente espessuras diferentes, provavelmente iriam detectar diferenças significativas.
      Mas por enquanto só da pra achar, seria legal se alguem fizesse exoerimentos desse nivel.

      Die Kunst der Fuge
      Veterano
      # nov/11
      · votar


      ogner

      Agora saquei!

      Rá!! Fica ae com a pulga atras da orelha!
      o/


      ='(

      victorleon
      Veterano
      # nov/11
      · votar


      Nossa, essa pesquisa não ta com muito crédito não....

      Tem que ver isso ae =)

      -Dan
      Veterano
      # nov/11
      · votar


      Interessante por demais essa pesquisa!

      Quando estudei o funcionamento dos captadores anos atras, uma pulga havia mordiscado minha orelha levemente, mas não me pus a refletir a fundo sobre essa questão. Agora penso que faz sentido, se o captador percebe só a vibração da corda e nada mais.

      Entretanto, se realmente existir diferença e a pesquisa do cidadão não for validada, creio que essa diferença será tão ínfima pra mim, (perto da mudança timbrística que equalizers, moduladores e outros equipamentos proporcionam), que eu não pagaria muita grana a mais apenas por essa minuscula encorpadinha de timbre que só o mogno do Congo é capaz de proporcionar.

      Valter Bergamo
      Veterano
      # nov/11
      · votar


      Pessoal so lembrem que embora o captador so capte as ondas produzidas pela corda, analisem que: O som gerado pela corda não é uma senoide pura e sim cheia de harmonicos naturais.

      A madeira e a maioria dos materiais influencia diretamente na ressonancia da corda, fltrando ou passando com mais facilidade determinadas caracteristicas sonoras.

      Vlw!!!!!

      guitartube
      Veterano
      # nov/11 · Editado por: guitartube
      · votar


      A energia vibratória se propaga das corda para a ponte e desta para a madeira. Isso contuinua valendo, o cara não provou o contrário. Ele só provou que a energia vibratória que vai para o corpo não atua por realimentação na corda , dado que o potencial de energia vibratória transferida é muito pequeno.

      A relação que favoreceria a influência da madeira, seria:
      A corda é excitada e produz uma vibração V1, esta, repassa a vibração para ponte, logo, a ponte recebe V1, e dado o seu material, vibra um V1 alterado, digamos V2, e passa V2 para o corpo. O corpo recebe V2, e dado as suas características, produz uma versão alterada de V2, digamos V3. O corpo vibrando V3 responde para a ponte com V3 (ação e reação), a ponte, já vibrando V2, produz uma nova vibração V4 (função de V3,V2) e repassa paras as cordas este V4. A corda, vibrando V1, agora, gera V5 (função de V4 e V1) alterando assim o seu padrão inicial V1,....., e assim sucessivamente até o amortecimento.
      Confuso? Seria sim, pq seria um salseiro do kralho pq são frequências se somando, se conjugando, se cancelando,....
      Só que pelo paper, a parada morre em V3 sem a reação do corpo retornando uma vibração para os outros elementos.

      Um violão produz boa ressonância do sinal das cordas e como resultado aumenta a amplitude do sinal gerado (aumenta o volume do som via caixa de ressonância).

      A guitarra sólida não possui caixa de ressonância, logo, é baixa ressonância e consequentemente o aumento da amplitude do sinal (volume), fica por conta da eletrônica.

      Putz guitartube pq vc fala energia vibratória e não som?
      Pq o som do violão gerado pelas cordas é tratado pela caixa (volume, reverbração, amortecimento, reflexões, ....) e se propaga no ar que é mais permissível e chega aos nossos ouvidos como um som puro e lindo.
      Já o "som" do violão elétrico com captador piezo, é ruim (na minha opinião, se comparado ao acústico), pq o Piezo captura a energia vibratória do corpo, que é uma "versão" da propagação da energia vibratória das cordas transferida para o corpo.

      Um bom captador piezo, captura a energia vibratória do corpo de uma guitarra de corpo sólido. Este "som", é diferente do som da guitarra desplugada e diferente do "som " da guitarra via captadores magnéticos.

      O tipo de madeira influencia no som capturado pelo captador PIEZO, pq ele trabalha com a vibração que chega e é alterada pelo corpo.


      flw!!!!

      guitartube
      Veterano
      # nov/11
      · votar


      Este tópico merece stick.

      flw!!!!

      danielfz
      Veterano
      # nov/11
      · votar


      Tem sim diferença!

      MauricioBahia
      Moderador
      # nov/11 · Editado por: MauricioBahia
      · votar


      Die Kunst der Fuge: Ademais, você acha que faria toda a diferença do mundo o fato do cara ter pressionado uma das casas? Que este fator iria modificar significativamente um fenômeno da ordem de 10 ^ -5?

      Eu acho. Não afirmei nada até pq não entendo do assunto e sequer pretendo abordar o experimento de forma efusiva, digamos.

      Espero que o experimento seja confirmado, por aí não teremos mais problemas com madeiras. Basta uma guitarra assim: http://www.michaelpowersmusic.com/images/Frame%20GUITAR%20neck%20only. gif

      É um assunto polêmico e, pensando bem aqui, o coração da guitarra elétrica é o captador que responde à vibração das cordas e transforma essa energia em impulsos elétricos que são amplificados posteriormente.

      Agora, dependendo da densidade da madeira, acredito que poderemos ter mais sustain ou menos. Isso implica em frequências e mais frequências o que pode alterar o timbre. É um pensamento simplista, mas é uma teoria; O fato de pressionar em casas diferentes nos daria tensões diferentes e, com isso, novos tipos de sustain. Além da altura das cordas em relação aos captadores o que modifica a reposta do captador.

      Pensando "leigamente" acho que o que a densidade da madeira ou outro material qualquer altera o sustain e com isso a resposta sonora final.

      Cara, isso que estou falando é apenas um pensamento, não uma conclusão. por favor. ;)

      Abs

      Valter Bergamo
      Veterano
      # nov/11
      · votar


      Na prática no dia a dia altera sim e vemos essas diferenças.

      Agora não há diferença marcante entre um cedro rosa e um mogno por ex, que tem caracateristicas similares.

      è impossivel alguem ouvir uma guitarra e falar é tal madeiras.
      Porem temos madeiras que marcam os graves filtrando agusos e madeiras q barram graves deixando os agudos mais marcantes, e na grande maioria médios.

      Ja por diversas vezes utilizei um mesmo set de caps em guitarras com mesma estrutura e corpos de madeirasdiferentes. O resultado é uma diferenciação do timbre.

      Mas é algo que vai longe, e como já falaram, o professor fez o estudo "provando" que nao muda, ate que alguem faça outro "provando" que muda, isso fica a cargo de cada um.

      Eu já nao falo mais nada, porem vou continuar a fazer os projetos da mesma forma, analisando o timbre que o cliente espera e escolhendo as peças, caps e madeiras pra isso. Ate hoje esta dando certo....

      Abração a todos e bom final de ano

      Slash_1989
      Veterano
      # nov/11
      · votar


      fconde77
      como disse o bertola, oq esse video mostra eh a frequencia, e nao o timbre. e tambem tem o lance de ser proveitoso para as empresas buscarem novas formas de fabricar guitarra.
      acho que nao existe experiencia melhor do que pegar duas guitarras iguais e simplesmente ouvir o seu timbre! mas eh claro, ouvidos nao muito bem treinados nao sao adptos a distinguir essas diferenças...


      agora, quanto ao cara que ta debatendo aqui, acho que nao passa de uma tipica fase dos 16 anos, onde vc nao tem a atenção e merito social devidos no seu dia a dia, e necessita passar a maior parte do tempo buscando "afeto" e atenção em foruns online, criando discussoes que nem o proprio autor acredita.

      makumbator
      Veterano
      # nov/11
      · votar


      Slash_1989
      como disse o bertola, oq esse video mostra eh a frequencia, e nao o timbre

      Mas dito de maneira básica, é a presença maior ou menor de cada harmônico de um som que forma o timbre.


      Valter Bergamo
      Eu já nao falo mais nada, porem vou continuar a fazer os projetos da mesma forma, analisando o timbre que o cliente espera e escolhendo as peças, caps e madeiras pra isso. Ate hoje esta dando certo....

      É claro que deve continuar a ser assim, afinal é esse o trabalho do luthier. Para mim um instrumento bem construído é uma peça de arte, um artesanato que serve para criar mais arte(música).

      Para mim, mesmo que essa pesquisa seja confirmada e referendada por outras(e até onde se pode analisar, está tudo correto com ela), não diminuirá em nada o trabalho do luthier que cria instrumento elétrico, pois o timbre ainda continuará a depender dos outros itens da construção(tanto na escolha de peças como sua montagem).

      pacificguitar
      Veterano
      # nov/11
      · votar


      Um amigo meu, bom luthier, fez um teste. Chamou um guitarrista da cidade dele, veterano e segundo o luthier dono de um "ouvido" sensibilíssimo e lhe deu duas stratos. Uma de Ash e uma de CEDRO. Tapou o headstock e pediu que o cara tocasse e identificasse qual seria a de ash. O cara não soube dizer. E segundo ele nem sentiu diferença. E olha que segundo o que "sabemos" o cedro é mais fechado que o ash. Porém, eu particularmente acho difícil não haver diferença entre madeiras de características de densidade e propagação distintas...pode ser que seja pouca, mas acho difícil ser tão próximas.

      Abixibarraba
      Veterano
      # nov/11
      · votar


      eu naõ sei se o que vou dizer conta alguam coisa nessa questão, mas toquei em duas stratos (duas squiers) com ferragens e captadores IDENTICOS so que uma com o braço em resowood e outra em maple e vi mta diferença...e ai dpois q eu cumecei a ler o topico eu fiquei curioso e vi algums videos no youtube com as comparações e vi tbm a mesma diferença........tem mtos videos no youtube mostrando isso....tipo "maple vs rosewood".........desculpem pelos erros de protugues...estou mto bebado.....

      makumbator
      Veterano
      # nov/11
      · votar


      Abixibarraba
      desculpem pelos erros de protugues...estou mto bebado.....

      Hhashsahash!!!

      :)


      so que uma com o braço em resowood e outra em maple e vi mta diferença...

      Aparentemente, a madeira da escala e do braço teria "em tese" mais influência no timbre do que a madeira do corpo. Mas para confirmar isso, seria preciso uma pesquisa científica para analisar de maneira isolada o braço e a escala.

      Abixibarraba
      Veterano
      # nov/11
      · votar


      cara eu sou mto cético nesta coisa de pesquisa....quem me garante se o cara dessa pesquisa não fez algo "tendencioso"....eu so acredito nessa coisa de a madeira não influenciar NADA só se eu comprovar com meus próprios olhos (ouvidos)...e pela experiencia q eu tenho (que não e mta) eu diria que influencia mto (no caso da madeira do braço)...pois tenho duas guitarras, um telecaster com braço em maple e um strato em rosewood....e ja troquei o braço das duas e vi uma notável diferença entre os dois timbres.....e tipo assim: se a o braço imfluencia pq a madera naõ?

      Enviar sua resposta para este assunto
              Tablatura   
      Responder tópico na versão original
       

      Tópicos relacionados a A qualidade da madeira influencia no timbre?

      305.388 tópicos 7.889.275 posts
      Fórum Cifra Club © 2001-2018 Studio Sol Comunicação Digital