Notificações Amigos pendentes

      Fórum Cifra Club - maior fórum de m&uacite;sica do Brasil

      As diferenças que notei em Guitarras de mogno

      Autor Mensagem
      Fábio Santiago
      Veterano
      # 09/ago/17 15:11


      Muito se fala sobre mogno, mas são tantas variantes que tem muita informação no ar, nesses anos tive a oportunidade de testar algumas e vou compartilhar minha opinião sobre algumas.

      Primeiramente opinião pessoal minha, não sou profissional no assunto, sou apenas musico e curioso.

      Tive a oportunidade de ter Uma Gibson Les Paul Studio 96, e outras 2 studio uma de 2008 e outra 2013.
      A melhor era a Les paul 95, pesava cerca de 3,5kg alivio de corpo com 9 buracos, o timbre era ótimo, as outras 2 eram boas também, mas como pesavam menos que uma strato, acabava por não botar fé nas guitarras, minha Jackson jdr pesava mais que as Gibson Les paul de Câmaras

      Câmaras são boas aliviam o peso e a coluna agradece, mas ainda preferia a Gibson mais antiga, todas soavam diferentes entre si, uma tinha top de maple e a outra não, era um top de mogno, a e top de mogno eu não curtia o som, soava fechada de mais pro meu gosto, a que tinha top de maple parecia ter o timbre mais equilibrado entre as frequências.

      Na mesma época consegui uma flying v 2002 da Gibson, timbre muito bom, mas não tão bom quanto a Les paul top de maple, o maple realmente faz falta no som, lembrava uma sg só que com menos graves. Tive também uma Sg Tribute.

      Depois uma explorer Antiga de 95, muito boa, foi uma das guitarras mais pesadas que já peguei, o corpo tinha 40mm de espessura mais pesava uns 4kg, timbre forte médio grave, ainda sentia falta do maple pra clarear o timbre.

      Então um dia me bateu a curiosidade de testar lado a lado o timbre do mogno da Gibson explorer USA 95 pesadona vs uma guitarra de mogno asiático (nato)

      1 Teste, 2 guitarras de Mogno Gibson explorer vs Ltd Mh mogno (Nato), construção diferente diferença berrante entre uma e outra, mesmo ambas usando o mesmos captadores. a Ltd tinha menos graves e menos sustain comparado com a Gibson, ela pendia pro lado de Uma Sg em termos de timbre.

      2 Teste- explorer vs explorer, mesmo modelo mesma construção, tunada com os mesmos captadores, mesmo calibre e marca de cordas, so que a guitarra china era de mogno asiático (nato) e pesava menos 3,5kg (não irei divulgar a marca)

      Para minha surpresa o timbre era basicamente o mesmo, a Gibson soava um pouco melhor, mais definida as notas, mais era algo de 20% melhor apenas, ouvidos muito apurados perceberiam a diferença, coisa que pessoas normais nem notariam, gravei e passei pra outras 2 pessoas para distinguirem qual era qual, ninguém soube acertar, a guitarra china tinha mais graves que a Gibson, e o pessoal acabava achando que essa era a Gibson, perdi a gravação quando meu notebook pegou um vírus.

      3 Teste, explorer china Nato, (essa tenho até hoje), 3.5kg vs explorer Br luthier cedro rosa 4.2kg, mesma captação e cordas. a china ainda é melhor, tem mais graves e sustain, o cedro rosa tem timbre bem definido, nos médios e agudos que são tímidos nesses tipos de guitarras mas existem, mas a diferença e grande de uma para a outra, a primeira impressão são os graves que se nota imediatamente.

      Peso nada tem haver com sustain ou melhor timbre, só é ruim pra coluna mesmo.

      Buja
      Veterano
      # 09/ago/17 15:24
      · votar


      Li rapido e nao peguei a ideia direito.
      O que é melhor: mogno, nato ou cedro? les paul ou explorer?

      Peso nada tem haver com sustain ou melhor timbre, só é ruim pra coluna mesmo.
      É isso é. Mas muita gente ainda acha, luthier tambem, que guitarra pesada é guitarra boa.
      Igual tem gente que acha que carro com lataria de ferro fundido é melhor. Aquelas pragas so serve pra beber mais.

      Fábio Santiago
      Veterano
      # 09/ago/17 15:32 · Editado por: Fábio Santiago
      · votar


      Buja
      O que é melhor: mogno, nato ou cedro? les paul ou explorer?

      Eu curti mais as les paul mesmo da Gibson com top de maple, a melhor mesmo foi a 95 mais pesada nem era tão pesada assim 3,5kg mas pesava mais que as com câmaras, a pegada do instrumento e outro mundo, mas infelizmente tive que ir me desfazendo pra comprar coisas pra tentar montar um estúdio de ensaio

      A explorer chega próximo do timbre de les paul graves e sustain, mas perde nos agudos do top, agora as que não tem top de maple, bate bem parecido o som

      Sobre o cedro rosa, eu acho ele versátil, não tem tanto grave, mas pra solo por exemplo médios e agudos já são mais pronunciados que os do nato.

      Les Strato
      Veterano
      # 09/ago/17 15:46 · Editado por: Les Strato
      · votar


      Fábio Santiago

      não peguei direito também a vibe das comparações, mas assino embaixo em uma citação sua

      ...uma tinha top de maple e a outra não, era um top de mogno, a e top de mogno eu não curtia o som, soava fechada de mais...

      Tive uma curta experiencia com uma Les Paul Custom de um camarada meu e ela seguia extamente esta configuração Corpo/Tampo/Braço em mogno e escala em Ébano (linda por sinal). O som era muito bom, mas de fato era mais abafado que a minha Les Paul Studio com a mesma captação (498T + 490r), mas com top em maple e escala em rosewood.

      O Curioso é que sempre achei o 498T(ponte) bem agudo na LP Studio, porém soou bem equilibrado na Custom, enquanto que o 490r que era mais ''deboas'', soou abafado.

      Buja

      Igual tem gente que acha que carro com lataria de ferro fundido é melhor. Aquelas pragas so serve pra beber mais.

      Nossa, e como tem!!! Mesmo sendo fâ de carros antigos, jamais gostaria de me acidentar em um (nem em um moderno eu gostaria haha) o chassi transmitia toda a energia da pancada para os passageiros, fazendo com que você voasse pelo parabrisa (muito comum) ou quebrasse o pescoço com o efeito ''chicote''. Mas vai botar isso na cabeça dos caras.

      Fábio Santiago
      Veterano
      # 09/ago/17 15:50
      · votar


      Les Strato
      Tive uma curta experiencia com uma Les Paul Custom de um camarada meu e ela seguia extamente esta configuração Corpo/Tampo/Braço em mogno e escala em Ébano (linda por sinal). O som era muito bom, mas de fato era mais abafado que a minha Les Paul Studio com a mesma captação (498T + 490r)

      O Curioso é que sempre achei o 498T(ponte) bem agudo na LP Studio, porém soou bem equilibrado na Custom, enquanto que o 490r que era mais ''deboas'', soou abafado.


      Tive a mesma impressão com o 498t nessa guitarra, ja o 498t em guitarra com top de maple ja achava ele um pouco estridente, uma vez troquei ele por um Paf pro da Dimarzio achei que equilibrou o timbre.

      kbza
      Veterano
      # 09/ago/17 16:13
      · votar


      Mas a ideia do Mogno não é um som mais grave? E do Maple, um som mais agudo? Pois pra mim parece que seu relato confere com o consenso geral. Pelo menos é o que acho que deveria acontecer.

      Quanto ao peso da guitarra em si, acredito que interfira sim (por causa da massa e seu posicionamento). Porém, nem sempre deve seguir uma matemática pura levando em conta apenas o peso. Acredito que saber como a estrutura irá propagar as vibrações talvez seja ainda mais importante. Vê-se isso nitidamente em violões.

      Abraço

      Fábio Santiago
      Veterano
      # 09/ago/17 17:17
      · votar


      Não tem muito bem uma vibe e nem um objetivo principal, é mais relatos mesmo que lembrei hoje e resolvi compartilhar

      Mas uma coisa que tento explicar no post, que mesmo uma guitarra pesada pode não ser a que tem mais sustain ou graves como se imagina logo que a pegue.

      Quando se trata de guitarras modelo les paul, ou explorer logo quando se pega e não sente o peso, ja surge a duvida será que é boa? Já acostumamos com esse esteriótipo, mas nem sempre deve se levar ao pé da letra, o peso a mais muita das vezes podem ser excesso de minerais na madeira que não ira trazer benefícios sonoros

      MatheusMX
      Veterano
      # 09/ago/17 18:49
      · votar


      Complicado fazer esse tipo de comparação.
      O ideal é isolar tudo: ferragens, parte elétrica, cordas e braço, e trocar só a madeira do corpo. Mas guitarras de braço colado ou inteiriço fica mais difícil, pois não podemos separá-lo do corpo. Aí já tem uma influência maior do braço, escala, trastes e da construção em geral.

      Uma coisa que já percebi que faz uma diferença absurda numa comparação são as cordas... se não tiver como utilizar exatamente o mesmo encordoamento, a comparação já fica comprometida. Ou se for com dois encordoamentos novos e exatamente idênticos também ajuda.

      Você não pode enviar mensagens, pois este tópico está fechado.
       

      Tópicos relacionados a As diferenças que notei em Guitarras de mogno

      303.018 tópicos 7.842.348 posts
      Fórum Cifra Club © 2001-2017 Studio Sol Comunicação Digital