Notificações Amigos pendentes

      Fórum Cifra Club - maior fórum de m&uacite;sica do Brasil

      Bom pré-amp pra gravação com VST. Mas o que o torna bom?

      Autor Mensagem
      MauricioBahia
      Moderador
      # ago/10 · Editado por: Moderador


      Fala pessoal!

      Um debate pra variar um pouco... hehe

      Já ouvi falarem que um bom pré amp é fundamental para gravações digitais com guitarra. Tudo bem, concordo que o pré-amp é necessários pra aumentar o volume a fim de que o sinal chegue com mais intensidade num Amplitube da vida. Enfim, estamos falando de um pré-amp e ele é feito pra amplificar! Dããã...

      Dizem que uma Fast Track, por exemplo, não seria o ideal, mas também um pré amp pra "empurrar o som". Empurrar o som de um amp VST comum pré amp de verdade? O fato é que a Fast Track tem pré-amp, mas alguns dizem que não é bom? Mas o que o faz não ser bom? Uns dizem que um pré-amp valvulado é maravilha. Mas num ambiente digital é eficaz?

      Sei não, acho que tem muitos mitos por aí... Eu tô feliz da vida com meu Zoom H4 como interface pois ela não modifica o sinal e amplifica legal. Não vejo pq ter um pré amp se não for pra colorir o som... Mas aí eu uso um pedal pô. O.o

      Enfim, o que seria um bom pré-amp para o caso de uma gravação usando um Amplitube por exemplo?

      Abs e valeu!!!

      makumbator
      Veterano
      # ago/10 · Editado por: makumbator
      · votar


      MauricioBahia

      Bem para mim o problema dos prés das Fast track e fast track Pro, é que vc tem que abrir muito o ganho para ter um nível adequado(caso ligue o instrumento direto), logicamente, isso gera mais ruídos. Para mim esse é o problema principal deles(mas o som em si me agrada, é até bem neutro).

      Os da Ultra e Ultra BR são bem melhores.

      O que faço há algum tempo é usar o Prodrive II como distorção e boost(e as vezes o Tubescreamer junto), e antes da interface passo no mic 200(que é um prezinho simplório). Fica em um volume bom.

      Quando vou gravar o baixo, normalmente uso o Bass V amp Pro, então já sai em um nível legal(mas as vezes gravo sem ele também, para variar e uso o mic 200 também, em outras vezes uso BDI).

      Hoje chegou para mim o Tubestation, que é um pré valvulado(estilo Mesa), vou testar ele essa madruga com simulação de caixas virtuais(não pude testar em loop no amp porcausa do horário). Vamos ver como se comporta em relação ao timbre e também ao nível de entrada sonora.

      http://www.56inc.com.br/

      Minow
      Veterano
      # ago/10
      · votar


      MauricioBahia
      Peraí, o que você chama de VSTi? Amplitube?
      São coisas diferentes, Amplitube é um efeito, não um instrumento virtual.

      Mas o que o faz não ser bom?

      Ele trata o som digital com mais distorções que um pré dedicado além de ter mais ruído.

      Un dizem que um pré-amp valvulado é maravilha. Mas num ambiente digital é eficaz?

      Essa história de valvulado... sim, existem ótimos prés valvulados, assim como existem outros ruins. O mesmo para transistorizados, nesse caso é algo ainda menos discutível que o caso dos amplificadores pra guitarra. Cada tipo de pré tem o seu uso.

      E sim, no ambiente digital um bom pré é imprescindível, não apenas pelo nível de ruído e clareza, mas também por evidenciar uma onda não-analógica. Claro que 16/44 é o bastante pra uma boa qualidade, mas usando um pré ruim a onda ficará ainda mais serrilhada (ou não, mas o efeito do serrilhado seria mais óbvio).

      Pra gravar uma guitarra com o Amplitube uma Fast Track é mais do que suficiente. Eu duvido que *eu* note a diferença de uma gravação em linha. Claro que usar uma interface no mínimo decente e usar uma placa de som onboard tem suas diferenças, a começar pela latência e dropouts.

      Iversonfr
      Veterano
      # ago/10
      · votar


      makumbator
      é que vc tem que abrir muito o ganho para ter um nível adequado(caso ligue o instrumento direto)

      Realmente. A ultra 8R pra gravar direto tem que botar o ganho la em cima, mas não vejo problemas de ruído. Com mics o ganho é mais "normal".

      MauricioBahia

      Não sou profissional do ramo nem domino nada nem manjo nada perto de muitos daqui, mas pra mim esse negócio de pré-amp num serve pra nada... rsrsrs... é mais pelo "status" de falar que usou um pré-amp valvulado que "esquenta" o som e blá bla bla, mas no final, as musicas que eu escutei, num faz a MINIMA falta quando bem mixada, usando (e sabendo usar) plugins, etc. Pra mim, a verdade é que o mundo digital ta simulando extremamente bem os analógicos (vê-se o amplitube, etc), as vezes dando resultados até melhores dependendo se o cara manja mexer (eqs e talz), mas obviamente, ninguém dá o braço a torcer, mesmo pq a Avalon precisa continuar vendendo neh... tem um cara de uma cidade aqui próxima que tem um estúdio que conheci esses tempos. A qualidade das mixes dele são espetaculares, melhor que muito estúdio fodão aí cheio de racks, e vai ver o equip dele... simples de tudo (comparando com os absurdos de equipamento que existem por aí). Na minha opinião, gravar hoje em dia com o tanto de tecnologia disponível, é basicamente ter uma interface, um mic bom, cabos e só. O resto depende mais do "peopleware" do que do hardware.

      MauricioBahia
      Moderador
      # ago/10 · Editado por: MauricioBahia
      · votar


      Minow: não um instrumento virtual.

      Ops... Era pra ser "VSTs".

      Vou pedir pra moderação editar.

      Vlw

      MauricioBahia
      Moderador
      # ago/10 · Editado por: MauricioBahia
      · votar


      makumbator
      Minow
      Iversonfr

      Vlw gente!!! Estou promovendo o debate pq não fica claro, pra mim (e creio muita gente tenha dúvida), se é vantagem ter um "puta" pré-amp se vc já tem um interface do nível de uma Fast Track pra gravar uma guitarra ou baixo, por exemplo.

      Abs

      makumbator
      Veterano
      # ago/10
      · votar


      MauricioBahia
      se é vantagem ter um "puta" pré-amp se vc já tem um interface do nível de uma Fast Track pra gravar uma guitarra ou baixo, por exemplo.


      Para mim, a maior vantagem(se é que se pode dizer assim) é a mudança de timbre que um determinado pré oferece(pois cada um é diferente). Em alguns casos, um pré neutro não seria o ideal, e a pessoa prefere um que dê certa "cor" ao som final.

      Eu uso o MIC200 para subir o nível sonoro, e não pelo timbre(inclusive, nessa faixa de preço dizem que os prés transistorizados são melhores, inclusive a M-audio tem uns assim). Com o Mic200 eu consigo mais volume sem aumento de ruído. Eu poderia dispensá-lo, mas aí eu teria que subir o ganho da interface, e teria mais ruído de fundo.

      No baixo por exemplo é extremamente comum se usar prés mesmo com interfaces top, ou mesmo em fita analógica. Vários baixistas tops tem o pré de sua preferência, e a razao de seu uso nem é o nível sonoro(uma vez que os estúdios também são top), mas sim o timbre e "compressão" que cada um proporciona. Mas aí também é pré de milhares de dólares...

      Iversonfr

      Na minha opinião, gravar hoje em dia com o tanto de tecnologia disponível, é basicamente ter uma interface, um mic bom, cabos e só. O resto depende mais do "peopleware" do que do hardware.


      Verdade, e principalmente na pós edição que o peopleware pode dar aquela lapidada ou arruinar tudo. Mas também é aquele negócio, se um cara competente, que tira leite de pedra, tiver acesso a equipamento top,(após a adaptação e aprendizado natural), o cara arrasa e tira som ainda melhor! O talento, ouvido apurado e bom gosto, aliados à equipamento de primeira linha leva a coisa a outro nível!

      Aqui na minha cidade tenho um exemplo de um estúdio cheio de equipamento da pesada(tem gravador de rolo, pro tools, porrada de racks e plugins caros e originais), mas que não produz de acordo com o nível de equipamento(o som é legal, mas nada que outros estúdios bem mais modestos não consigam igual e até melhor).

      Outro problema é que o empenho da equipe do estúdio depende do cliente, quando é a o zé da esquina gravando o resultado é apenas ok, mas quando a Ana Carolina vai fazer uma demo com os mesmos equipamentos e técnicos, o som fica MUITO melhor. O motivo é óbvio, com um anônimo é tudo feito com pressa e sem empenho, mas quando é para um artista de nome, aí os caras trabalham corretamente(pois querem mostrar serviço).

      É por isso que ás vezes é melhor a gente mesmo se gravar. Por exemplo, não vejo vantagem nenhuma em gravar demo em estúdio externo pago, pois eu mesmo consigo som melhor em casa, porque o interesse é todo meu em produzir da melhor maneira.

      trashit hc
      Veterano
      # ago/10
      · votar


      MauricioBahia

      ótimo tópico!!!

      essa discussão não poderia vir em hora melhor pra mim!!
      que tenho pouco conhecimento no assunto, e vou gravar uma demo muito em breve.

      makumbator

      Hoje chegou para mim o Tubestation, que é um pré valvulado(estilo Mesa), vou testar ele essa madruga com simulação de caixas virtuais(não pude testar em loop no amp porcausa do horário). Vamos ver como se comporta em relação ao timbre e também ao nível de entrada sonora.
      agora sim, uma pessoa com um bom conhecimento musical, pra desvendar os mitos desse pedal. hehehe
      que todos falam muito bem dele.
      tô muito curioso agora!!!!!!!! hahaha


      Outro problema é que o empenho da equipe do estúdio depende do cliente, quando é a o zé da esquina gravando o resultado é apenas ok, mas quando a Ana Carolina vai fazer uma demo com os mesmos equipamentos e técnicos, o som fica MUITO melhor. O motivo é óbvio, com um anônimo é tudo feito com pressa e sem empenho, mas quando é para um artista de nome, aí os caras trabalham corretamente(pois querem mostrar serviço).
      exatamente!!!!!!!

      É por isso que ás vezes é melhor a gente mesmo se gravar. Por exemplo, não vejo vantagem nenhuma em gravar demo em estúdio externo pago, pois eu mesmo consigo som melhor em casa, porque o interesse é todo meu em produzir da melhor maneira.
      clap clap clap bravo!!!!!!!!!!!! +1
      penso exatamente igual!!!!


      meu caso por exemplo. pra que eu vou pagar uma fortuna pra gravar um demo de punk rock, hardcore??? sem patrocinador, sem um selo independente pra investir na gente??
      e sem contar o prazer que eu vou ter de produzir meu próprio som!!! isso dinheiro nenhum no mundo paga!!

      eu escuto cada tranqueira, de algumas demos de punk rock, hehehe
      com um home estúdio bacana, e bom conhecimento, e boas intenções, da pra fazer muita coisa!!!

      vide: MauricioBahia, makumbator, zélo cardoso, e companhia.

      Lori_Dw
      Veterano
      # ago/10
      · votar


      Bom ... cada um de vocês colocou um ponto diferente, e eu concordo com todos ... porém tenho um parecer meu definido, e gostaria de expressar-me:

      Eu não tenho muita experiencia, nem muito conhecimento tecnico, seja dos aparelhos, ou de mixagem ou masterização. Eu vou mais naquela; "se ta bom, beleza!! não importa como chegamos" ... sendo assim, eu consigo tirar um som aceitável, usando os preamps da minha mesa de som, uma Behringer EuroDesk(que nem sei se tem de fato os "preamps") ... eu tiro um som bastante aceitavel, somente com a mesa, e nunca percebi a real necessidade de um preamp externo!!

      No meu ponto de ver, eles(pra mim) teriam necessidade se eu quizesse mudar o som, dar uma caractaristica pro meu som, como ja foi citado acima, cada preamp tem uma caracteristica, muda um timbre, e da a sua identidade ao som, etc !! Daí sim ele teria algum valor pra mim !! Mas dentro dessa, de que eu preciso de um preamp pra mandar um sinal forte, sem ter ruidos e tal ... acho que nao me faria muita diferença, pois ja consigo um bom ponto de equilibrio.

      Volto a repetir, é minha singela opinião ... nunca trabalhei com um preamp externo de fato, ja ouvi muito, mas pelo que eu vivo, acho sim que da pra chegar em um ótimo resultado sem ter um preamp caríssimo como um equipo essencial!!

      Valeu.

      trashit hc
      Veterano
      # ago/10
      · votar


      comparando as gravações que eu já ouvi aqui, vi mais gravações em linha com uma qualidade melhor, do que gravações microfonadas. na minha opinião.

      acho que só da pra tirar um timbre ''perfeito'' microfonado, com conhecimento muito apurado de posicionamento do MIC, de gravação, e principalmente de EQ, masterização e etc...
      coisa que as vezes um guitarrista por exemplo não é tão bom quanto um cara que só trabalha com isso o famoso ''peopleware'' hehe,.

      acho que o segredo de um gravação com cara de estúdio como muitos buscam aqui, (eu), está na forma como esse som vai ser tratado depois.

      porque acho muito difícil vc microfonar um AMP, e já sair perfeito com cara de estúdio...

      eu mesmo tô muito satisfeito com guitarra> pedais>VST's.

      só o que falta pra mim, é tirar o tenebroso grrrrrrrr das distorções das guitarras.
      que tanto me atormenta!! hahahaha

      MauricioBahia
      Moderador
      # ago/10
      · votar


      Será que não é melhor manter o sinal da guitarra o mais clean possível e trabalhar este sinal, intacto, nos VSTs? Distorcendo antes ele já não chega comprimido?

      Além disso, fazer o reamp com sinal alterado vale a pena? Talvez o ideal seja mandar 2 sinais pra interface, um clean e outro alterado da forma que for. Sei lá...

      makumbator
      Veterano
      # ago/10
      · votar


      trashit hc
      agora sim, uma pessoa com um bom conhecimento musical, pra desvendar os mitos desse pedal. hehehe
      que todos falam muito bem dele.
      tô muito curioso agora!!!!!!!! hahaha


      Hahsah! Será que tenho toda essa bagagem de desvendador de mistérios? Hhehe! Vamos ver! Já adianto que ele fica foderoso ligado em linha com simuladores de caixas virtuais.

      Testei ontem extensamente com POD farm , amplitube 2 e 3, Metal amp room e impluses avulsos de caixas.

      Direto no input do amp(transistor Crate GX80 falante de 12) fica abelhudo, mas no loop fica muito foda também. Testei em amp de estudo(Crate GX 15R) e ficou muito abelhudo(mas era de se esperar, pois não tem loop e tem falante de 8).

      Testei no amp de baixo(Meteoro antigo de 100 watts com falante de 15). Bastou cortar os graves sobrando no amp e no pré, e ficou bem legal também. Mas o pré só mostra todo o seu valor ligado em loop no amp, ou para gravação em linha com uso de simulador de caixa. Amanhã vou testar com o pocket pod simulando caixa.

      meu caso por exemplo. pra que eu vou pagar uma fortuna pra gravar um demo de punk rock, hardcore??? sem patrocinador, sem um selo independente pra investir na gente??
      e sem contar o prazer que eu vou ter de produzir meu próprio som!!! isso dinheiro nenhum no mundo paga!!


      Além de economizar, e conseguir som melhor, a gente ainda ganha conhecimento ao aprender toda a parte de gravação e edição. Acho que isso ajuda até depois ao ir gravar em estúdio grande, a gente fica mais preparado e sabendo mais do som que se quer e como chegar a ele(sem contar que a prática de se gravar sempre em casa reduz muito a "síndrome de REC" que pode custar muito ao se gravar em estúdio pago.


      porque acho muito difícil vc microfonar um AMP, e já sair perfeito com cara de estúdio...

      Também acho. Mas vcs já ouviram gravação original dos instrumentos separados de grandes álbuns antes da pós produção? Muitos não soam tão incríveis quanto a gente ouve no estágio final(após uma boa mix e master). Há alguns arquivos assim rolando na internet.

      As vezes sinto que a gente quer que o som no estágio da gravação já saia igual ao som de disco finalizado(sendo que nem os discos profissionais a coisa acontece assim). Isso ocorre principalmente quando falamos de guitarra hi-gain, a gente já quer o som lapidado, encorpado, equalizado e perfeito logo de cara!


      Lori_Dw

      usando os preamps da minha mesa de som, uma Behringer EuroDesk(que nem sei se tem de fato os "preamps") ...

      Ela tem prés simples. Da mesma maneira que as Fast Track e Pro, são para elevar o nível sonoro, e são pensados de maneira a soar mais neutro.

      Volto a repetir, é minha singela opinião ... nunca trabalhei com um preamp externo de fato, ja ouvi muito, mas pelo que eu vivo, acho sim que da pra chegar em um ótimo resultado sem ter um preamp caríssimo como um equipo essencial!!


      É isso aí!

      T-Rodman
      Veterano
      # ago/10 · Editado por: T-Rodman
      · votar


      Talvez o ideal seja mandar 2 sinais pra interface, um clean e outro alterado da forma que for
      Também concordo com a idéia, nem que seja de primeiro plano manter o sinal limpo lá guardado, para fazer um retrabalho nele, caso necessário.

      Agora, esse negócio de pré-amp high-end, eu acho que vou matar a curiosidade daqui um tempo. Um dia desses eu vou com meu note e interface em um estúdio aqui da cidade, e gravo com os prés deles: um Marhall de rack para guitarra e um de voz, que dizem ser um dos melhores - além de gravar a voz com o meu microfone AT2010 e com um Neumann que eles tem. Fui conhecer o estúdio ontem, e já fiquei interessado nisso, rs.

      Em casa, eu uso o Presonus Tube Blue, mais porque eu já havia comprado. Em uso real, a diferença que sinto é só ligando a guitarra antes do amp nele, porque dá um aveludadinho a mais - em amps com transistor, como meu Princeton 112plus. Como eu não sou muito adepto de pedais - só uso pra tocar geralmente o que vem nos amps, eu gostei nesse sentido. Conhecendo ontem esse pre amp da Marshall (esqueci o modelo, mas seria como um mesa boogie da faixa de 1500R$), fiquei interessado nele também.

      Eu sei que pelo menos o resultado final de alguns trabalhos feitos no estúdio aqui da cidade ficaram legais. Agora quero eu testar com o que já tenho para ver como é que fica, se compensa subir tanto assim de nível, rs.

      O engraçado é que, estando no estúdio conversando com um dos caras que trabalha lá, que eu conhecia não pelo meio musical, ele também gostou dos meus equipamentos, e também queria usar interfaces menores na casa dele, para as horas que ele está longe do estúdio e tem umas idéias novas, rs.

      amplexos

      T.

      ogner
      Veterano
      # ago/10
      · votar


      Também acho. Mas vcs já ouviram gravação original dos instrumentos separados de grandes álbuns antes da pós produção? Muitos não soam tão incríveis quanto a gente ouve no estágio final(após uma boa mix e master). Há alguns arquivos assim rolando na internet. (2)

      T-Rodman
      Veterano
      # ago/10
      · votar


      uai, eu já não falei para comprarem/assistirem aquela série de DVDs chamada "Albuns Clássicos". Tem a do Pink Floyd, que principalmente nas vozes, a diferença realmente veio na mixagem - principalmente ouvindo seco a voz da cantora do "Another great gig in the sky". Já as guitarras do Gilmour, huh, soam quase iguais, rs.

      ogner
      Veterano
      # ago/10 · Editado por: ogner
      · votar


      Minha ignorância aranha alerta que só é bacana o uso de preamp$$$ em gravações microfonadas, usando bons mics. Usar preamp antes da placa e usar amplitube não vai fazer diferença, alias vai mas não vai ser "A diferença", esses simuladores são simuladores e já mudam tudo por si só... Com simuladores consigo fazer uma telecaster soar como uma lespa...hehe! Em amp, não!!

      Acho que pra simuladores o mais importante é acertar o nivel do volume de entrada. Meu timbre (da guitarra) muda muito variando o controle de ganho da Fast Track, espetando algum pedal antes, um TS por exemplo, muda mais ainda e tenho mais opções. Enfim..Um inferno...hehe

      Mas é a minha ignorância aranha que diz isso!! o/

      T-Rodman
      Comprei um Art V3 valvuldao, infelizmente ele gera um ruido chato que impossibilta gravação, mas percebo dieferença nas gravaçoes em linha, nao é melhor, acho que diferente. Agora espetando ele no loop do amp, do meu Bandit, da pra perceber bem mais um esquentada no som...

      trashit hc
      Veterano
      # ago/10 · Editado por: trashit hc
      · votar


      MauricioBahia

      Será que não é melhor manter o sinal da guitarra o mais clean possível e trabalhar este sinal, intacto, nos VSTs? Distorcendo antes ele já não chega comprimido?
      no meu caso, ouça meu timbre com a guitarra clean, no amplitube 3.

      agora com o Dr.boogie, com uma simulação de caixas no studio AMP devil

      qual tá melhor??

      abç.

      quem quiser opinar, pode falar!!!

      como o Lori_Dw falou: "se ta bom, beleza!! não importa como chegamos"(2)

      makumbator

      Hahsah! Será que tenho toda essa bagagem de desvendador de mistérios? Hhehe! Vamos ver!
      tem sim!! hehehe

      Já adianto que ele fica foderoso ligado em linha com simuladores de caixas virtuais.
      oia!!

      Testei ontem extensamente com POD farm , amplitube 2 e 3, Metal amp room e impluses avulsos de caixas.

      Direto no input do amp(transistor Crate GX80 falante de 12) fica abelhudo, mas no loop fica muito foda também. Testei em amp de estudo(Crate GX 15R) e ficou muito abelhudo(mas era de se esperar, pois não tem loop e tem falante de 8).


      Testei no amp de baixo(Meteoro antigo de 100 watts com falante de 15). Bastou cortar os graves sobrando no amp e no pré, e ficou bem legal também. Mas o pré só mostra todo o seu valor ligado em loop no amp, ou para gravação em linha com uso de simulador de caixa. Amanhã vou testar com o pocket pod simulando caixa.
      tá intimado!! vai ter que fazer um review, com sons, e tudo mais. hehehe

      o seu é o pré do dual rectifier?? ou 5150???

      abç.


      eu tenho uma dúvida que não foi totalmente esclarecida.

      alguém pode me explicar, o que é impedância??? é um cara arrogante... hehe tô brincando.

      gostaria de saber no popular, sem muito termos técnicos.

      por exemplo: se ligar uma guitarra, sem DI, ou pedal, o que pode acontecer de ruim com o trimbre??

      MauricioBahia
      Moderador
      # ago/10 · Editado por: MauricioBahia
      · votar


      trashit hc: ouça meu timbre com a guitarra clean

      Clean onde? Velho tá clipando geral hein e super distorcido. O.o Cara, o sinal original tá muito prejudicado. Isso né bom não... Pelo menos no meu modo de entender. O nível de entrada tá altíssimo!

      qual tá melhor??

      hehe. Eu não gostei de ambos. :-( Bro, fui sincero.

      Abs

      trashit hc
      Veterano
      # ago/10
      · votar


      MauricioBahia

      Clean onde? Velho tá clipando geral hein e super distorcido. O.o Cara, o sinal original tá muito prejudicado. Isso né bom não... Pelo menos no meu modo de entender. O nível de entrada tá altíssimo!
      clean, sem pedais. usando só os efeitos do amplitube 3.

      eu nem liguei pra ver se tava clipando.
      mesmo com o volume baixo, o timbre fica muito ruim...

      hehe. Eu não gostei de ambos. :-( Bro, fui sincero.
      sem problemas!!

      abç.

      MauricioBahia
      Moderador
      # ago/10 · Editado por: MauricioBahia
      · votar


      trashit hc: clean, sem pedais. usando só os efeitos do amplitube 3.

      Ahhhhh!! uhahahuahua Tindi.

      Velho, tem como postar o som da sua guitarra, neste teste, mas limpo, sem efeitos ou pedais?

      Abs

      ogner
      Veterano
      # ago/10 · Editado por: ogner
      · votar


      trashit hc

      Velhão, se o seu clean é esse da gravação, vc esta viajando profundamente nas configs básicas de entrada de volume, e não vai conseguir um timbre decente com simuladores nunca!

      Da uma olhada nos controles de volume do windows referente a entrada que vc esta usando (mic ou Line In) olhe tb o controle de entrada ( IN ) do próprio Vst, e tb o OUT, pois o OUT do Vst tb pode distorcer seu sinal...

      Cara, pro meu estilo, eu penso exatamente como uso num amp...Meu sinal entra CLEAN, num volume legal, o mais encorpado possível sem "destruir" o sinal, CLEAN, depois sem pedais e escolhido o tipo de amp, cruncho ele, deixando o som mais quente e encorpado ainda com um leve sujinho, tento esconder os rastros digitais mexendo MUITO a EQ nessa fase, e só depois adiciono um pedal de drive escolhendo a "vibe" dele, e depois os modulações. Mas a entrada do sinal é vital pra desenvolver um timbre final bacana.

      ogner
      Veterano
      # ago/10
      · votar


      clean, sem pedais. usando só os efeitos do amplitube 3.

      Ahhhhhh, acho que entendi tb..Não foi sua intenção fazer um som CLEAN, vc se referiu a Clean só pq não usou pedais...Mas usou o drive do próprio amp, colocando bastante ganho e volume..Foi isso!?

      trashit hc
      Veterano
      # ago/10 · Editado por: trashit hc
      · votar


      MauricioBahia

      clean, sem pedais. usando só os efeitos do amplitube 3.
      Ahhhhh!! uhahahuahua Tindi.
      :)

      Velho, tem como postar o som da sua guitarra, neste teste, mas limpo, sem efeitos ou pedais?
      vou gravar algo aqui, e posto aqui!

      ogner

      Da uma olhada nos controles de volume do windows referente a entrada que vc esta usando (mic ou Line In) olhe tb o controle de entrada ( IN ) do próprio Vst, e tb o OUT, pois o OUT do Vst tb pode distorcer seu sinal...
      a entrada do windows ta bem baixa!
      nesse dia eu gravei nas pressas, pra postar aqui.
      vou prestar atenção nas IN, e OUT dos VST's.


      Cara, pro meu estilo, eu penso exatamente como uso num amp...Meu sinal entra CLEAN, num volume legal, o mais encorpado possível sem "destruir" o sinal, CLEAN, depois sem pedais e escolhido o tipo de amp, cruncho ele, deixando o som mais quente e encorpado ainda com um leve sujinho, tento esconder os rastros digitais mexendo MUITO a EQ nessa fase, e só depois adiciono um pedal de drive escolhendo a "vibe" dele, e depois os modulações. Mas a entrada do sinal é vital pra desenvolver um timbre final bacana.
      mais vc tá falando de VST's né!!?? hehe

      Ahhhhhh, acho que entendi tb..Não foi sua intenção fazer um som CLEAN, vc se referiu a Clean só pq não usou pedais...Mas usou o drive do próprio amp, colocando bastante ganho e volume..Foi isso!?
      captou!! isso mesmo!! hehe

      ogner
      Veterano
      # ago/10 · Editado por: ogner
      · votar


      trashit hc
      mais vc tá falando de VST's né!!?? hehe

      Isso, esse é o mapa que uso geralmente pra timbrar usando VST.

      Ajuste do entrada do sinal > Ajuste de volumes no VST e EQ (escolha do tipo de amp, caixas e posicionamento dos mics) > Adiciono os pedais de drive > modulações e viadagens em geral...

      trashit hc
      Veterano
      # ago/10 · Editado por: trashit hc
      · votar


      ogner

      Ajuste do entrada do sinal > Ajuste de volumes no VST e EQ (escolha do tipo de amp, caixas e posicionamento dos mics) > Adiciono os pedais de drive > modulações e viadagens em geral...
      saquei!! meu problema, pode ser equipo inadequado...
      tô tentando correr atrâs das melhorias.
      esse lance do volume, eu tomo cuidado, mais com aquela gravação, eu não me liguei em nada.


      eu notei uma coisa agora no sonar, o volume tá lá em baixo, quando add REC, o volume aumenta?? estranho... fica dificil controlar o volume desse jeito.

      tá ai a guitarra clean com direito a pipocos, e estalos do sonar.

      tá foda gravar algo aqui.
      tomara que a fast track melhore isso.
      já está a caminho.

      braddock
      Veterano
      # ago/10
      · votar


      MauricioBahia
      Além disso, fazer o reamp com sinal alterado vale a pena? Talvez o ideal seja mandar 2 sinais pra interface, um clean e outro alterado da forma que for. Sei lá...

      Tenho lido muito sobre preamp. Tenho uma fastrack usb e um preamp da beringer bem simples. Estou com um gas para comprar um preamp melhor para ver se melhora a qualidade da gravação. Ouvi falar do prenosus e o art pro valvulado e quase comprei..

      Semana passada comprei um DI (directbox) da whirlwind director para fazer reamp. É bem simples e manda um sinal balanceado para o preamp. Resumindo, passei a tarde inteira reamplificando a faixa gravada e mudando posições do mic e eq do ampli. Cheguei a gravar umas 12 versões só para ver o resultado na mixagem. Cheguei a muitas combinações, inclusive estereo. Fiquei muito satisfeito com o timbre, porque encorpou muito mais. Usei um preamp da beringer (o mais simples).

      Esse aqui é um exemplo de gravação feita com um head Marshall Plexi com greenbacks G12. Usei um Sm57 e mudei a posição do mic. Uma gravação foi direto no centro, a outra mais para o borda ligeiramente angulado. Eu sei que em studio os microfones custam 11mil reais, e a diferença é muito grande hehe. Essa gravação não tem tratamente nenhum, apenas reverb do sonnar, sonitus.

      http://www.netmusicians.org/files/49-unchained5_fx.mp3

      Será que com um preamp de qualidade o som vai melhorar absurdamente?

      abs

      makumbator
      Veterano
      # ago/10 · Editado por: makumbator
      · votar


      trashit hc
      o seu é o pré do dual rectifier?? ou 5150???

      O Dual. Fiquei em uma dúvida atroz...quem sabe no fim do ano não compro o 5150 para ter os dois? Hheeh!

      Só sei de uma coisa, ele eleva bastante o nível sonoro que entra na interface, quase fiquei surdo na primeira vez, dá volume de sobra, com pouquíssimo ruído(e isso com o ganho no zero, apenas subindo o volume). Resultado: acho que o som das minhas bases hi-gain vão ficar mais limpas de barulhos. Gostei do modo como as válvulas respondem aos controles, e todos eles interagem um com o outro(ou seja, o grave e agudo trabalham de forma diferente de acordo com o volume geral).

      Adorei o modo green(overdrive), fica ótimo para gravar aquelas guitarras "quase clean" apenas com um rabicho de drive. Adorei, como pré de guitarra é excelente, nem vou mais usar o mic 200 em guitarras(pena que mesmo no ganho zero o pré não é totalmente clean, senão poderia usar até com baixo e voz).

      Concordo com o pessoal, e procedo da mesma maneira. A guitarra tem que entrar cristalinamente limpa(mesmo que vá colocar drives from hell via VST, claro que isso não vale quando uso o prodrive II, mas mesmo com distroção antes, eu cuido para que não exista NENHUM clipping). A distorção digital tem que ser evitada a qualquer custo, pois estraga o timbre. A gente tem sempre que monitorar o som "dry" que está chegando no computador, para evitar esse problema.

      Ouvi o último arquivo limpo(test), mas o que é aquele barulho que acontece algumas vezes? Não está clipando não? Dá para perceber esse mesmo barulho naquele áudio com o som do amplitube, e isso estragou a sonoridade(pois fica com som de clip, mesmo que não seja). Isso é pipoco do Sonar, do sistema ou da interface? Tem que resolver isso cara!

      makumbator
      Veterano
      # ago/10 · Editado por: makumbator
      · votar


      braddock

      Gostei do som. Mas também não tem uma clipadas não? Mas fora isso está bem legal, e ótima relação ruído e sinal.


      Será que com um preamp de qualidade o som vai melhorar absurdamente?


      Absurdamente acho que não. Talvez vc possa querer diferentes prés para ter mais timbres, pois também é algo importante neles.

      Uma coisa que aprendi é que quanto mais caro se vai em equipamento, menor é o ganho real em comparação com uma unidade logo abaixo.

      Ou seja, dá mais melhoria trocar uma interface onboard vagabunda, ruidosa e com latência por uma fast track Pro(por exemplo), do que por exemplo trocar uma Fast Track ultra por uma Fast Track ultra 8R. Quanto mais se sobe de nível, menores parecem ser os ganhos entre as faixas de preço.

      ogner
      Veterano
      # ago/10 · Editado por: ogner
      · votar


      makumbator
      Uma coisa que aprendi é que quanto mais caro se vai em equipamento, menor é o ganho real em comparação com uma unidade logo abaixo. (2), Pelo menos nos niveis de "mais caro" que cheguei a ter ou testar, eu concordo.



      A distorção digital. Um grande vilão da historia!!

      trashit hc
      Veterano
      # ago/10
      · votar


      makumbator

      Concordo com o pessoal, e procedo da mesma maneira. A guitarra tem que entrar cristalinamente limpa(mesmo que vá colocar drives from hell via VST,
      mais eu pretendo usar meu Dr.boogie, e vou usar os VST's, só pra simular caixas.
      eu não gosto muito dos drives dos VST's. pode ser que isso mude, depois que chegar a fast track...


      mas mesmo com distroção antes, eu cuido para que são exista NENHUM clipping). A distorção digital tem que ser evitada a qualquer custo, pois estraga o timbre. A gente tem sempre que monitorar o som "dry" que está chegando no computador, para evitar esse problema.
      como eu posso fazer isso??? evitar a distorção digital??


      Ouvi o último arquivo limpo(test), mas o que é aquele barulho que acontece algumas vezes? Não está clipando não? Dá para perceber esse mesmo barulho naquele áudio com o som do amplitube, e isso estragou a sonoridade(pois fica com som de clip, mesmo que não seja). Isso é pipoco do Sonar, do sistema ou da interface? Tem que resolver isso cara!

      tá clipando não!
      esse barulho é do sonar!! eu não tenho interface ainda, minha fast track usb tá por ai, em algum correio.


      esse tubestation deve ser foda hein!!! que G.A.S. desgraçada!! hehe

      Enviar sua resposta para este assunto
              Tablatura   
      Responder tópico na versão original
       

      Tópicos relacionados a Bom pré-amp pra gravação com VST. Mas o que o torna bom?

      305.536 tópicos 7.891.980 posts
      Fórum Cifra Club © 2001-2018 Studio Sol Comunicação Digital