Notificações Amigos pendentes

      Fórum Cifra Club - maior fórum de m&uacite;sica do Brasil

      【FIXO】 Princípios Básicos de Eletrônica (áudio inclusive)

      Autor Mensagem
      shoyoninja
      Veterano
      # abr/10 · Editado por: shoyoninja


      Eletrônica

      Vou discutir aqui alguns conceitos de eletrônica que considero básicos para uma compreensão do funcionamento de equipamentos de áudio. Vou tentar tratar os conceitos da forma como são no mundo real sem usar os famosos "casos ideais", será portanto algo um pouco diferente do que se encontra em materiais técnicos.

      Vamos lá:

      Toda a matéria "normal", da qual o nosso ambiente e nós somos feitos, é composta de átomos.

      Átomos por sua vez são compostos por prótons, nêutrons e elétrons. Os prótons e elétrons possuem carga elétrica igual, porém de polaridades opostas. Cargas de mesma polaridade se repelem, cargas de polaridade reversa se atraem.

      Elétrons são partículas que podem se movimentar facilmente, estão orbitando o núcleo dos átomos. Prótons, por outro lado, estão no núcleo "colados" pela Força Forte e, em átomos estáveis e em condições normais, nunca se movimentam.

      Normalmente, os átomos tem carga total neutra. Porém, é possível que o número de elétrons de um átomo seja alterado por algum motivo (reação química, atrito, campo eletromagnético, etc...) e isso fará com que o átomo deixe de ser neutro, podendo ganhar ou perder elétrons.

      Até aqui, nada de novo.

      Seguindo em frente, o que precisamos é controlar esse movimento de elétrons. Para isso vamos primeiro quantificar e qualificar algumas coisas:

      1 - A Intensidade de Corrente Elétrica especifica a quantidade de cargas que passa através de um material em um determinado período de tempo. A medida padrão (SI) utilizada é o Ampere (A). 1 ampere corresponde a 1 Coulomb por segundo ou A=C/t. Geralmente é referida pela letra I. Exemplo: I = 5A (a intensidade da corrente é igual a 5 amperes). Onde Coulomb é uma medida de quantidade de cargas (não vamos quantificar isso em elétrons pois não tem muita importância e é mais simples).

      2 - A compreensão deste ponto é importantíssima, então releia até que o conceito se fixe: A ENERGIA de cargas que atravessam dois pontos distintos no espaço chama-se Diferença de Potencial Elétrico ou Tensão. Esse conceito não é muito intuitivo, mas é fundamental. A unidade de medida é o Volt. Um Volt corresponde a 1 Joule por Coulomb. Exemplo: Dizer que entre um ponto A e um ponto B existe uma diferença de potencial (tensão) de 1 V é o mesmo que dizer que se uma carga de 1 Coulomb se deslocar entre esses pontos, ela será capaz de transferir 1 Joule de energia no total. Perceba que não foi determinado o tempo para que isso ocorra (fundamental entender isso).

      Suponha por exemplo dois objetos: um copo e um grampeador. No copo existe uma quantidade de 30 Coulombs de carga positiva, no grampeador 20 Coulombs também positivos, isso implica numa tendência a se equilibrarem e ficarem cada um com 25 Coulombs de carga . Essa tendência é a tensão, a diferença de potencial entre dois pontos. Note denovo que não falamos aqui no tempo que isso levaria para acontecer.

      Para simplificar ainda mais o conceito, pense na noção de diferença de potencial. O potencial elétrico é uma disposição em fornecer ou receber elétrons. Um corpo carregado positivamente tem um a tendência a entrar em equilíbrio, ele "quer" se livrar das cargas positivas e se tornar nêutro. A diferença entre essa tendência que existe entre dois pontos é a tensão. Tensão é energia armazenada, pronta para o uso :P.

      É importante também entender que é sempre necessário um referencial para determinar essa tensão. Não há tensão EM UM ponto, há tensão ENTRE DOIS pontos.

      Conceitos resumidos:
      Quantidade de cargas = Coulomb
      Quantidade de cargas movimentadas em 1 segundo = Ampere
      Quantidade de energia que cargas movimentadas podem transferir ao se movimentar entre 2 determinados pontos = Tensão.

      Perceba que aqui não foi usada a clássica relação V=RI que se ensina normalmente, é essa ponte com a realidade que é necessária e que é ignorada muitas vezes. Existe um monte de técnicos formados que são incapazes de explicar esse conceito fundamental e simplesmente não tem qualquer idéia do que significa as medidas Ampere e Volt, se limitando a explicar um em função do outro. O resultado é a criação de explicações místicas do tipo "vazão de sinal" que li outro dia. Sem esse conceito compreender o funcionamento de semi-condutores é, na minha opinião, impossível (veja que por compreender não quero dizer apenas aplicar o modelo matemático).

      Ainda, note que corrente e tensão são complementares, não existe corrente sem tensão e nem existe tensão sem corrente (ao menos enquanto a quantidade de cargas não for pequena o suficiente para terem de ser tratadas isoladamente). Aliás, note que na verdade nem um nem outro EXISTEM de fato, a única coisa que existe são os elétrons em movimento e a energia que possuem, tensão e corrente são dois conceitos abstratos utilizados para representar e quantificar essas variáveis.

      Esclarecido isso, podemos seguir com outras deduções:

      3 - Olhando para o item 1 e o item 2, temos duas equações muito interessantes. A primeira: I(corrente) é dada por C(Coulombs)/t(segundos). E a segunda: V(tensão) é dada por J(joules)/C(Coulombs). O que acontece então se entre dois pontos temos uma tensão, e essa tensão provoca uma corrente? Vamos pensar: se a corrente determina a quantidade de cargas em um determinado tempo, e a tensão determina a quantidade de energia por carga, podemos facilmente achar a quantidade de energia em um determinado tempo, e se nós lembrarmos um pouquinho da física básica que aprendemos na escola, vamos lembrar que o total de energia em um determinado tempo é a POTÊNCIA. onde 1 Watt de potência equivale a um total de 1 J por segundo. Vejamos a fórmula portanto:
      P(potência) = J/t
      I = C/t
      Temos uma grandeza em comum(tempo), o que significa que podemos estabelecer uma relação com facilidade:
      Se P = J/t, e I = C/t, o que acontece se estabelecemos uma relação de fora a eliminar o tempo da equação? Por exemplo, dividindo a potência pela corrente? assim:
      P/I = (J/t)/(C/t) = (J/t)(t/C) = Jt / Ct = J /C
      Então P/I = J/C!
      Acontece que J/C nós já sabemos que é a tensão, logo P/I = V.

      Portanto P = V x I é a fórmula para determinar a potência entre dois pontos onde existe uma tensão V e uma corrente I.

      Veja que a potência é a medida que melhor traduz o movimento das cargas. Tensão e corrente são apenas componentes da potência elétrica.

      4 - Vamos pensar no item anterior: calculamos uma potência para uma corrente entre dois pontos onde existe uma tensão. Sabemos que se há uma tensão entre dois pontos, há uma tendência para que entrem em equilíbrio. A corrente é justamente o fluxo de cargas que ocorre para que esse equilíbrio seja atingido, sabemos que a corrente é medida pela quantidade de cargas que se deslocam em um determinado material em um certo tempo.

      Mas o que impede que essas cargas se movimentem instantaneamente? Por que o equilíbrio não é alcançado de imediato e todas a cargas se movem de uma única vez (corrente tendendo ao infinito)?

      O motivo é bem simples, não é possível o deslocamento imediato porque TODOS os materiais onde pode haver movimentação de cargas oferecem uma resistência a esse processo. Essa resistência é medida em Ohms. 1 Ohm é a resistência encontrada por uma corrente de 1A que atravessa um espaço entre dois pontos onde há uma tensão de 1 Volt (1 Coulomb de carga com 1 Joule de energia potencial se deslocando a cada segundo). A resistência pode ser entendida como o tempo necessário para que uma determinada tensão desloque uma determinada quantidade de cargas também em função do tempo, eliminando o tempo da equação temos um valor instantâneo.

      Essa é a tão famosa Lei de Ohm. Onde R = V / I (quantidade de energia por carga em relação a quantidade cargas em um determinado espaço de tempo) OU V = R x I ( a quantidade de energia por carga é igual a quantidade de cargas por um espaço de tempo em função da resistência que as cargas encontram).

      Ela é fundamental para análise de circuitos, mas só tem valor se todos os fundamentos anteriores são conhecidos.

      Perceba a lógica:
      Se você sabe quantas cargas estão passando em um determinado período de tempo e a resistência que elas encontram, você pode deduzir a energia que elas possuem (para vencer a resistência é necessária uma determinada quantidade de energia).
      Se você sabe a quantidade de energia que as cargas possuem e sabe a resistência que elas vão encontrar, saberá quantas cargas passarão em um determinado tempo.
      Se você sabe a energia, e a quantidade de cargas por tempo, sabe a resistência que elas encontram.

      Mais importante ainda do que tudo isso: como essa relação é direta e precisa, se você fixar uma ou outra variável, vai poder prever com precisão o comportamento dessas cargas.

      CONDUTORES E ISOLANTES:
      Um material que apresente baixa resistência a corrente elétrica é denominado condutor.
      Um material que apresente alta resistênca a conrrente elétrica é denominado isolante.

      Os materiais condutores mais utilizados são a prata, o cobre, o ouro e o alumínio. Já em ordem de melhor para o pior condutor (pensando apenas na resistência).
      O melhor tipo de material condutor para uma aplicação vai depender de muitas coisas, não apenas da resistência. Exemplo: Cabos de transmissão de energia muito longos feitos em alumínio se beneficiam muito do baixo peso do material.

      Conceito importante: Condutores NÃO são como canos vazios por onde cargas elétricas podem passar. Condutores são materiais onde existem muitas CARGAS LIVRES, elétrons literalmente soltos se movendo em todas as direções. A corrente elétrica em um condutor é o movimento ordenado dessas cargas em uma direção e sentido.

      Muitos tipos de materiais isolantes são utilizados, exemplo: mica e borracha.

      Conceito importante: Isolantes sim são canos vazios, como não há elétrons livres, não há movimento, se não há movimento, não há corrente (não até que a tensão seja elevada o suficiente para forçar que os elétrons se soltem, evento provavelmente seguido de fogo, fumaça, gritos de desespero, pânico generalizado e por fim a chegada dos bombeiros).

      O mais importante disso: Utilizando isolantes e condutores, podemos definir um PERCURSO para a corrente elétrica. Um circuito elétrico.

      A resistência do cobre é baixa o suficiente para que possamos ignorá-la em circuitos de áudio (salvo em poucas situações onde há maior corrente, como na conexão com alto-falantes, fontes de alimentação e estágios de saída de amplificadores).

      RESISTÊNCIA OHMICA:
      Conceito FUNDAMENTAL.
      Já sabemos que todos os materiais apresentam uma determinada resistência à passagem da corrente elétrica. Mas, será que essa resistência é sempre a mesma? A resposta é NÃO.
      A resistência à corrente elétrica de um material VARIA dependendo da tensão, da corrente e da temperatura em que este material se encontra.
      A não ser que esse material tenha por característica se comportar de maneira linear, mantendo um valor constante para sua resistência mesmo com grandes variações de tensão, corrente e temperatura.
      Dá-se o nome a um material com essa propriedade de Resistência Ôhmica.
      É importante lembrar disso ao usar a relação V=R x I. Pois se o material não for linear, ao variar a tensão ou a corrente o valor de R certamente mudará também. Lembre-se da importância de uma referência fixa. A lei de ohm sozinha não garante que as variáveis não mudarão.
      Em eletrônica, os componentes que tem a funçao de se comportar de forma linear com relação à sua resistência são os RESISTORES.

      O valor é expresso em Ohms.
      A função do resistor não é de esquentar, nem dissipar calor e jogar fora potência que seria importantíssima. Sua função é pura e simplesmente FIXAR um valor de resistência que possa ser utilizado como referência, em um resistor de 1 ohm, sabemos com que em condições normais de operação, não importando a corrente e a tensão seu valor permanecerá sendo de 1 ohm.

      Como sempre, nada é perfeitamente linear, e mesmo o melhor dos resistores vai apresentar pequenas variações em sua resistência. Para áudio essas variações não tem grande importância e vamos ignorá-las.

      A resistência em um resistor é representada por um código de cores gravado em sua superfície. É bastante simples e uma pesquisa no google vai achar um monte de tabelinhas com ele, ou melhor ainda, um programa que o calcule para você.

      MauricioBahia
      Moderador
      # abr/10
      · votar


      Muito obrigado!

      Prepare-se para meu batalhão de perguntas assim que ler o texto todo! ;)

      Abs.

      shoyoninja
      Veterano
      # abr/10
      · votar


      MauricioBahia
      haihuaihuia não tem grandes maravilhas aí, é o básico do básico. Deves saber de tudo isso já.

      Tem mais material por aqui que preciso dar uma revisada, editar textos e etc, vou postar conforme for arrumando!

      Abraços!

      shoyoninja
      Veterano
      # abr/10
      · votar


      Agora que os conceitos de resistência, tensão e corrente foram definidos, vamos entender para que servem. Em primeiro lugar, vamos lembrar da relação direta que existe entre as grandezas:

      V=RI

      Em segundo lugar, relembremos que circuito elétrico é um caminho definido para que as cargas percorram. Vamos pensar a respeito desse conceito agora, lembrando das definições de corrente e tensão.

      Vamos supor que temos uma bateria comum, de 9 V. Ligamos nela 2 fios e os deixamos soltos, sem conexão entre um e outro. É possível calcular a tensão entre os dois fios? E a corrente? E a resistência?

      Não há conexão entre os dois fios, há apenas o ar entre eles. O ar é um isolante elétrico, sua resistência a movimentação de cargas é muito alta. Apesar do que falei logo no começo do tópico, nesse caso podemos considerar o ar como um isolante perfeito, pelo menos em casos de eletrônica para áudio áudio. Podemos portanto considerar o circuito como aberto, pois não há movimentação de cargas. Nos dois casos, a tensão entre os terminais será exatamente a tensão da bateria, a corrente será nula e a resistência tenderá ao infinito.

      Vamos agora conectar os dois fios, o que acontece?

      A resistência que existia entre os condutores torna-se nula, agora apenas há a resistência dos cabos que é baixíssima. No caso de circuitos de áudio, essa resistência é tão baixa que podemos desconsiderá-la na maioria dos casos. O circuito agora está fechado, há movimento de cargas, e a resistência que elas encontram agora é muito próxima de 0.

      Calcule a corrente, qual o valor encontrado?

      Com o valor da resistência tendendo a zero, a corrente tende ao infinito, independentemente do valor da tensão aplicada. Será que uma bateria de 9V pode fornecer uma corrente infinita, e por consequência uma potência infinita?

      Obviamente não. Há um limite, e as especificações da bateria devem descrevê-lo. Haverá uma corrente que dependerá dessas especificações, a bateria irá esquentar e possivelmente será danificada. O valor exato da corrente não vem ao caso, o importante é que agora ela existe.

      Como existe movimento de cargas, agora temos um circuito fechado.

      E a tensão entre os dois fios?

      A tensão agora será 0 (ou algo muito próximo disso). O motivo é simples, os fios conectados tem resistência desprezível: os polos da bateria e os dois cabos tornam-se interligados. Agora são, na verdade, o mesmo ponto. Não há diferença de potencial pois na verdade estamos medindo a diferença entre um ponto e ele mesmo!

      Um outro modo de se pensar é lembrar que tensão é uma medida de energia potencial: quando não há resistência toda a energia está sendo traduzida em movimento de cargas, portanto todo o potencial está sendo aplicado.

      Lembre-se que a corrente e a tensão são dois lados da mesma moeda. Assim, por que é que a bateria tem sua especificação principal em volts e não em amperes?

      A resposta é: Porque esse é o valor que pode ser usado como referência no caso da bateria. O valor da tensão da bateria será 9V mesmo com uma grande variação da resistência do circuito (grande não quer dizer qualquer), já a corrente fornecida irá variar amplamente dependendo dessa mesma resistência. Esse é o tipo mais comum que vemos no dia a dia, como uma tomada (127V), uma fonte para pedais (9v) ou fontes de computador.


      Mas não é o único modo de se construir fontes. Existem fontes com valor de corrente como referência e são amplamente utilizadas em eletrônica, especialmente em circuitos amplificadores. Contudo fontes para alimentação de circuitos que dependem de manipulação por parte do usuário são geralmente desenhadas para fornecer valores de tensão fixos.

      O que é conveniente. Fontes que usam corrente como referência têm por característica manter uma mesma corrente independentemente do valor da resistência da carga. Apesar de interessante isso pode ser perigoso:

      Imagine que a resistência seja baixa, 1 ohm por exemplo, e nossa fonte seja desenvolvida para fornecer 1A. Se a carga é de 1 ohm e a corrente de 1A, a tensão entre os terminais da fonte será de 1V. Excelente, valores baixos e todos dentro da realidade. Imagine agora que desconectemos a carga com a fonte ligada, a resistência subiria ao infinito e nossa fonte ainda tentaria manter 1A de corrente. O resultado é que a tensão subiria a valores MUITO altos, podendo causar danos a fonte, incêndios e mortes dolorosas.


      Este é o conceito de fonte de tensão e fonte de corrente. Nos dois casos há corrente e tensão, nos dois casos elas fornecem potência elétrica, a única diferença é o referencial. Em um caso temos uma tensão fixa, no outro, uma corrente fixa.

      Portanto:

      Circuito aberto = Não há movimento de cargas (na verdade há, mas é extremamente pequeno)

      Circuito fechado = Há movimento de cargas

      Fonte de tensão = Tensão entre dois pontos utilizada como referência

      Fonte de corrente = Corrente em um determinado circuito utilizada como referência

      shoyoninja
      Veterano
      # abr/10
      · votar


      Para entender melhor a função de um resistor, vamos começar logo desenvolvendo algo que todo circuito decente voltado ao áudio precisa ter e que tem um efeito sem igual na satisfação do usuário: acender LEDs :P

      Muito bem, para isso vamos precisar de um LED, escolhi um vermelho.

      Apesar de bonitos, brilhantes e hipinotizantes, LEDs são dispositivos um pouco complexos. Ao contrário de uma lâmpada, o LED não emite luz através do aquecimento de um filamento. O LED faz uso das propriedades foto-elétricas dos semicondutores.

      Não vou entrar em muitos detalhes agora, mas eis o que precisamos saber:

      1 - O LED é um diodo, e como tal é feito de uma junção de materiais dopados do tipo P e do tipo N;
      2 - Ele conduz corrente apenas em um sentido;
      3 - Quando as cargas atravessam a junção PN há emissão de luz;

      4 - A junção PN tem uma propriedade muito especial: Ela é NÃO LINEAR: até uma determinada tensão aplicada a resistência elétrica é alta, a partir disso, NÃO IMPORTANDO A QUANTIDADE DE CARGAS QUE A ATRAVESSE, A TENSÃO ENTRE OS TERMINAIS DO DIODO PERMANECE APROXIMADAMENTE CONSTANTE.

      A propriedade 4 é a mais importante, e (assim como todas as outraz propriedades) não se aplica só aos LEDs. Essa é a tensão da barreira de potencial da junção PN.

      No caso do nosso LED vermelho, a folha de dados nos diz que a tensão em questão é de 2,1V (diodos comuns de silício tem uma tensão de aproximadamente 0,7V).

      O que aconteceria se conectarmos o nosso LED diretamente em uma fonte de tensão, uma bateria 9v por exemplo?

      Bom, a propriedade 4 nos diz que ela é aproximadamente constante, e de fato é para valores de corrente comuns. Acontece que na verdade essa tensão varia muito pouco em proporção a curva exponencial da corrente. Para que os 2,1V cheguem aos 9V a corrente teria de ser absurdamente alta. O resultado é que a corrente do circuito chegaria ao limite da bateria.

      Nosso LED, como todos os LEDs, é apenas humano. :P Ele não vai suportar toda essa corrente e vai queimar.

      De fato, a folha de dados do nosso LED vermelho nos diz que com uma corrente de apenas 15ma ele atinge sua luminosidade máxima.

      Muito bem, basta agora arrumar uma forma de juntar tudo isso.

      Vamos definir agora o que é um circuito em série. No circuito em série as cargas são movimentadas ao longo de apenas um percurso, todos os componentes são conectados de forma encadeada, não há conjuntos de cargas separados a serem movimentados.

      Exemplo:
      A ------ LED ------ B

      Conectando os pontos A e B a bateria fecharemos um circuito em série onde o LED está conectado. Queimando assim nosso LED e destruindo o propósito maior de nosso sistema de áudio que é o de movimentar luzes bonitas no console.

      Sabemos que o circuito acima é inútil. Mas vamos acrescentar conceitos novos:
      Em circuitos em série, a quantidade de cargas movimentadas é CONSTANTE em todo o circuito. Isso significa que a mesma quantidade de cargas movimentadas no primeiro componente da fila é a mesa em todos os outros. É fácil de visualizar isso pensando no conceito de movimentação de cargas que já estão lá.

      Disso, podemos concluir que:

      Em circuitos em série, toda a tensão aplicada é distribuída nos componentes conectados. A tensão aplicada a cada um dos componentes é chamada queda de tensão, e a proporção V=RI se aplica em cada componente (observando apenas para não fixar a resistência em dispositivos não lineares).

      No caso do circuito apenas com o LED, nos breves momentos em que ele funcionasse antes de queimar, a corrente seria tão alta que literalmente derrubaria a tensão da bateria até os 2,1V da junção PN. Mas, caso nossa bateria fosse uma bateria mágica, a queda de tensão no LED seria de 9V.

      Sabemos então que a queda de tensão no LED será de 2,1V por conta da junção PN. Sabemos que queremos no máximo 15mA no circuito.

      Ora, basta arrumar alguma coisa que, com o restante da tensão tenha uma resistência que resulte nesse valor de 15mA (LEDs precisam brilhar para serem felizes). Uma resistência constante seria ideal. É para isso que servem resistores!

      Precisamos de 15mA com uma tensão de 9-2,1=6,9V. R=V/I, R=6,9/15ma=6,9/0,015=460 ohms.

      Como esse não existe, será necessário arrumar algum com valor próximo. Por segurança, com valor maior do que o calculado.

      Basta agora ligar tudo em série e pronto, certo? Errado.

      É preciso ligar tudo em série OBSERVANDO a polaridade correta da fonte, para que o LED seja polarizado diretamente e funcione na região de condução.

      Esse é um circuito de polarização, o mais simples possível, mas ainda assim é.

      TODOS os circuitos de polarização de semi-condutores trabalham dessa forma, usando resistores ou outros recursos para estabelecer correntes e tensões ideais para a operação.

      Perceba que como há uma corrente no circuito e uma tensão no resistor e no LED, haverá uma potência dissipada em cada um dos componentes, e essa potência deve estar dentro das especificações deles, caso contrário serão danificados.

      MauricioBahia
      Moderador
      # abr/10
      · votar


      shoyoninja

      Pronto, virei seu fã! :-) É muito bom ver uma pessoa passando conhecimento "de graça"! Isso é impagável.

      Tô fazendo mina listinha de perguntas "pro leigo" hein... hehe

      Valeuuuuuu!

      shoyoninja
      Veterano
      # abr/10 · Editado por: shoyoninja
      · votar


      ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES E CIRCUITOS EM SÉRIE:

      Vamos pensar com mais calma na associação em série apresentada anteriormente, mas agora vamos deixar nosso LED de fora. Temos apenas 2 resistores (circuito inútil!):

      R1=500ohms

      R2=500ohms


      Ligamos os dois dessa forma:

      o-------R1------R2-------o
      A B

      Note que podemos alimentar o circuito de duas formas: Aplicando uma tensão determinada entre os pontos OU movimentando uma quantidade de cargas determinada EM todo o circuito (corrente).

      Mas, por enquanto, vamos pensar no circuito desconectado.

      Tanto nos condutores quanto nos resistores existe uma quantidade de cargas livres que podem ser movimentadas. Nos condutores há cargas a vontade, todas próximas umas das outras, qualquer tensão aplicada imediatamente colocará todas em movimento ordenado. Já nos resistores a quantidade é menor, o espaço entre as cargas é maior, a mesma corrente existente no condutor não poderá atravessar o resistor sem que mais energia seja aplicada (tensão maior).

      E vamos lembrar que, na verdade, como todos os componentes já estão cheios de cargas para serem movimentadas, a energia será distribuída proporcionalmente entre todos (condutores e resistores) em função da dificuldade para movimentação das cargas.

      Nos condutores, não há dificuldade para movimentar as cargas, consideremos a resistência dos condutores como nula.

      Nos resistores, essa dificuldade está expressa pela resistência.

      Podemos dizer então que a energia aplicada a cada resistor será diretamente proporcional à relação entre suas resistências.

      Esse é um circuito divisor de tensão, pois a tensão total aplicada pela fonte é dividida entre os resistores (não é tão inútil quanto pensamos).

      Vamos agora aplicar uma tensão de 10V entre os pontos A e B:

      Sabemos que as cargas são movimentadas ao longo de todo o trajeto do circuito, assim podemos somar sem problemas as resistências e encontrar a resistência equivalente do circuito.

      Portanto: Em associações em série, podemos somar os valores das resistências encontradas, respeitando sempre o conceito de linearidade.

      Rtotal = R1+R2
      Rtotal = 500 + 500
      Rtotal = 1KOhm (1 kilo ohm, ou 1000 ohms)

      Sabendo a resistência total, podemos calcular a corrente que é movimentada em todo o circuito:

      I = V/R

      I = 10/1000

      I = 0,01A

      I = 10mA (10 mili amperes, ou 0,010A)


      Sabendo a corrente do circuito, podemos calcular a tensão no resistor 1:

      V=RI
      VR1= R1 x I
      VR1= 500 x 0,010
      VR1 = 5V

      Como sabemos o total da tensão aplicada, sabemos que o restante está aplicado em R2:

      VR2=V-VR1

      VR2=5V

      Veja que como os valores dos resistores são iguais, a tensão se dividiu igualmente entre eles. Caso os valores fossem diferentes, a tensão em cada um seria exatamente a proporção entre eles, exemplo:

      V=10V

      R1= 250

      R2= 750 (3 vezes maior)

      VR1=2,5V

      VR2=7,5V(3 vezes maior)

      A maioria dos materiais existentes classifica a tensão existente em cada um dos resistores como Queda de Tensão. Isso é correto, pois há uma subtração da tensão total da fonte. Mas o mais importante a se notar nesse circuito é que a tensão foi dividida e que a tensão em cada resistor pode servir como uma nova fonte de tensão! Utilizando o divisor de tensão, separamos os 10V originais em dois, 5V em cada, e utilizando os valores dos resistores com algum cuidado esses valores podem e SÃO utilizados como referência. Esse circuito simples é muito comum pois pode facilmente fornecer um valor qualquer de tensão que seja menor do que a tensão da fonte utilizando apenas um par de resistores. Apesar de não ser algo tão maravilhoso quanto um LED em todo seu explendor de 15mA, tem sua utilidade.


      É verdade também que há muitas limitações para esse circuito, mas a maioria pode ser contornada.


      ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES E CIRCUITOS EM PARALELO:

      Considere agora o circuito abaixo:


      ____R1_____
      | |
      A _____| |_____B
      | |
      |___R2_____|



      R1=250ohms

      R2=750ohms

      Denovo, podemos aplicar uma tensão determinada entre A e B ou fazer com que uma corrente determinada se movimente.

      Vamos manter o circuito sem alimentação por enquanto. Denovo, há cargas em todos os condutores e todos os resistores.

      Note que agora os resistores não estão mais ligados em cadeia. Na verdade, agora há dois trechos diferentes de circuito.

      Pensemos em como a energia seria distribuída:

      O ponto A está conectado diretamente tanto em R1, quanto em R2. O ponto B também. Assim a mesma tensão existente entre A e B será aplicada diretamente a R1 E R2.

      Pensemos no movimento de cargas:

      Agora há 2 caminhos para que as cargas se movimentem. Na verdade, isso se torna um facilitador! Se uma quantidade X de cargas poderiam ser movimentadas através de R1, ao adicionar um caminho opcional através de R2 onde uma quantidade Y de cargas podem ser movimentadas, a quantidade total agora será de X+Y!

      Como a tensão em R1 e R2 é a mesma da fonte de alimentação, se utilizarmos uma fonte de tensão podemos saber facilmente as correntes em R1 e R2. Denovo, nossa fonte terá 10V, assim fica simples:

      IR1=V/R1

      IR2=V/R2

      IR1=10/250 = 0,04mA

      IR2=10/750 = 0,013mA

      Note que agora a corrente é inversamente proporcional à relação dos resistores. R2 é 3 vezes maior que R1, e sua corrente é 3 vezes menor.

      Agora, ao invés de um divisor de tensão, montamos um divisor de corrente!

      Apesar da tensão ser a mesma, a divisão dos caminhos implica que a corrente total entre A e B é a soma das correntes nos dois trechos. Assim:

      I = IR1 + IR2 = 0,053mA

      Podemos agora calcular mais um dado muito importante. Como associando os dois resistores dessa forma houve uma facilitação na movimentação das cargas, podemos ver que o valor da resistência TOTAL do circuito não é a soma simples do valor dos resistores. De fato, como é mais fácil movimentar as cargas, a resistência é menor do que o valor do menor resistor associado dessa forma.

      Temos o valor da corrente total e temos o valor da tensão. Mas, ao invés de utilizar diretamente os valores calculados, vamos tentar organizar a fórmula para que possamos calcular a resistência equivalente sem grandes sofrimentos em outras ocasiões:

      1 - Resistência equivalente:
      Req = Vtotal/Itotal

      2 - Corrente total:
      Itotal = IR1 + IR2

      3 - Corrente em cada resistor:
      IR1 = Vtotal/R1
      IR2 = Vtotal/R2

      4 - Assim, substituindo 3 em 2:
      ITotal = Vtotal/R1 + Vtotal/R2

      5 – Substituindo 4 em 1:
      Req = Vtotal/ (Vtotal/R1 + Vtotal/R2)

      Simplificando 5:

      Req = Vtotal/Vtotal(1/R1+1/R2)

      Req = 1 /(1/R1+1/R2)

      Assim:

      1/Req = 1/R1 + 1/R2


      De fato, essa fórmula se estende para quantos resistores estiverem associados:

      1/Req = 1/R1+1/R2 +1/R3...

      Para apenas dois resistores, podemos simplificar a relação para seguinte equação:

      Req = R1*R2 / (R1+R2)


      No caso do nosso circuito, a resistência equivalente é:

      Req = 250*750 / 1000

      Req = 187,5 ohms


      Essa associação de resistores é chamada associação em paralelo. O circuito tem a propriedade de dividir a corrente aplicada em proporção inversa aos valores dos resistores. É um divisor de corrente.

      MauricioBahia
      Moderador
      # abr/10
      · votar


      Não tem como não ser "stickado"!

      Parabéns pela inciativa e boa vontade.

      Abs

      shoyoninja
      Veterano
      # abr/10
      · votar


      MauricioBahia
      Valeu velho! Conforme dá eu vou mandando mais material.

      Se você ou qualquer outro quiser acrescentar algo ou achar algum erro por aí fiquem a vontade! Eu tentei trabalhar bem os conceitos que geralmente ficam "por trás" da abstração..

      Abraços!

      MauricioBahia
      Moderador
      # abr/10
      · votar


      shoyoninja

      Cara, ainda não li não, mas lerei com certeza. Bom eu gosto muito de analogias para o bom entendimento de certos assuntos básicos. Não sei se já está usando deste artifício, mas caso possa utilizar, ficaria muito grato; e acho que pra leigos é uma grande forma de fixação de determinado assunto na mente. ;-)

      hehe. Em breve estarei te consultando pq tenho muitas dúvidas básicas que tenho a impressão de serem "peças-faltantes" de um grande quebra-cabeças!

      Abs

      maquiro
      Veterano
      # mai/10
      · votar


      shoyoninja

      Cara, muito bom!! Obrigado!

      Del-Rei
      Veterano
      # jul/10
      · votar


      Só digo uma coisa:

      EXCELENTE!!!!

      Didática 10!

      Parabéns, shoyoninja!!!

      Vai ajudar muita gente aqui!!!

      Falou!!!



      Um aceno de longe!!!

      El_Cabong
      Veterano
      # dez/10 · Editado por: El_Cabong
      · votar


      Eu tenho uma dúvida sobre capacitor funcionando como crossover.

      Eu tenho uma saída de potência de 4 ohms, aí eu ligo nela em paralelo dois supertweeters de 8 ohms cada um.
      Até aí tudo bem, a impedância fica casadinha.

      Cada supertweeter tem que ter em seu pólo positivo um capacitor em série de 2,2uF / 250V.

      Pergunto, se ao invés de ligar estes dois capacitores 2,2uF / 250V(cada um em série com cada supertweeter), fosse ligado só um capacitor, e na saída deste capacitor aí sim ligar os dois pólos positivos das supertweeters.
      Para ficar equivalente, este capacitor teria que ser de 4,4uF / 250V ??


      ISTO:

      ------||---- Tweeter ---
      saída de | 2,2uF 8 ohms |
      (+) 4 ohms ------ -------- (-)
      | |
      ------||---- Tweeter ---
      2,2uF 8 ohms

      É IGUAL Á ISTO:

      ---- Tweeter ---
      saída de | 8 ohms |
      (+) 4 ohms ----||-------- -------- (-)
      4,4uF | |
      ---- Tweeter ---
      8 ohms


      El_Cabong
      Veterano
      # dez/10
      · votar


      Obs.: Entenda "uF" como Micro Farad, é que eu não consigo aqui representar o símbolo certo de micro.

      MauricioBahia
      Moderador
      # abr/11
      · votar


      shoyoninja: Um corpo carregado positivamente tem um a tendência a entrar em equilíbrio, ele "quer" se livrar das cargas positivas e se tornar nêutro. A diferença entre essa tendência que existe entre dois pontos é a tensão. Tensão é energia armazenada, pronta para o uso :P.

      Qual seria a explicação para essa tendência? Seria para voltar ao estado natural (neutro) do átomo?

      Abs

      JC_Junior
      Veterano
      # abr/11
      · votar


      Um corpo carregado positivamente tem um a tendência a entrar em equilíbrio, ele "quer" se livrar das cargas positivas e se tornar nêutro. A diferença entre essa tendência que existe entre dois pontos é a tensão. Tensão é energia armazenada, pronta para o uso :P.


      As cargas positivas não se "movem" e sim as negativas, que significa a falta de elétrons (corpo carregado positivamente) ou excesso de elétrons (corpo carregado negativamente). Como na natureza, tudo tende ao equilibrio, quem está com excesso "dá" pra quem está com falta. Esse movimento de cargas dá origem a corrente elétrica (cujo sentido é ao contrário do movimento dos elétrons), a tensão é a diferença entre cada pólo (positivo e negativo), do quão carregado cada pólo está carregado.

      Espero que eu tenha sido claro!

      abs

      MauricioBahia
      Moderador
      # abr/11 · Editado por: MauricioBahia
      · votar


      JC_Junior

      Valeu pela explicação. Na verdade o que vc disse já tinha sido explicado logo no início do tópico.

      Minha dúvida, de fato, é pq tendem ao equilíbrio se tornando neutro? Por ser seu estado natural?

      Abs

      JC_Junior
      Veterano
      # abr/11 · Editado por: JC_Junior
      · votar


      MauricioBahia


      Quase isso.

      Fazendo uma analogia:

      Imagina dois recipientes, um deles se tem um nível de água alto e no outro se tem um nível mais baixo. Se interligarmos os dois (o fundo deles obviamente para passar a água) via uma mangueira, ou outro condutor qualquer, o que acontece?
      O nível de água se iguala nos dois recipientes, é o mesmo princípio.

      Entendeu?

      MauricioBahia
      Moderador
      # abr/11
      · votar


      JC_Junior

      Eu entendi a questão da obtenção da naturalidade. A pergunta é mais profunda. Vou refazer! hehe

      Pq o átomo é neutro?

      Abs o obrigado pela paciência.

      2Humbucker
      Veterano
      # jun/11
      · votar


      MauricioBahia
      Ai já é uma questão quântica caro Bahia.

      É uma questão de estabilidade atomica, o átomo sempre busca a estabilidade, por natureza.

      Há só um modo de se encontrar a estabilidade para um átomo:

      1 - Preenchendo algum nível energético para que sua configuração eletrônica (elétrons) se torne igual a de um dos gases nobres.

      Obs.: Apesar do equilibrio químico (com essa configuração o átomo é absurdamente inerte. Prova disso é que você nunca vai ouvir falar de algum composto [natural] que tenha em sua composição gases nobres!!) entretanto ainda é eletromagneticamente ativo.

      Em suma, na maioria dos casos quando nos referimos a essa questão da perda e ganho de eletrons isso esta ligado a um corpo, não a um átomo. Pois dentro de um corpo, especialmente naqueles que são condutores, existem eletróns livres, chamados eletróns de condução. Que servem para deixar o corpo com carga neutra e que são usados para transporte de energia quando aplicamos uma DDP nesse corpo.

      shoyoninja
      Veterano
      # ago/11
      · votar


      MauricioBahia
      Nossa só vi isso hoje.

      Vou até onde conheço ok?

      Existem 3 partículas fundamentais que compõe o átomo: elétrons, prótons e nêutrons.

      Os elétrons possuem carga negativa, os prótons positivas.

      Existem 4 forças básicas na natureza: eletromagnética, fraca, forte e a gravitação.

      Esse é um modelo clássico ok? A força eletromagnética e a fraca já foram unificadas na eletrofraca e você com certeza já ouviu falar de um monte de partículas sub-atômicas.

      Basicamente o átomo é feito de um núcleo de partículas unidas pela força nuclear forte. Essas partículas são os prótons e os nêutrons.

      A força nuclear forte decresce muito rapidamente com a distância, muito mais do que a eletromagnética. Assim, conforme o número de prótons cresce, a força eletromagnética total que os repele começa a tornar a força forte insuficiente para manter o núcleo estável.

      Nêutrons então começam a aparecer para manter o equilíbrio. Imagine que eles funcionam como uma "cola" pois não possuem carga, assim só interagem no núcleo através da força forte.

      A partir de uma certa massa não é possível existir um núcleo estável, independentemente da quantidade de prótons e nêutrons.

      Como o núcleo contém prótons, partículas com carga negativa são atraídas (elétrons). O número de prótons e elétrons sempre tende a ser equilibrado:

      Poucos elétrons -> O campo elétrico dos protóns cria tendência a atrair novos.

      Muitos elétrons -> O campo elétrico dos próprios elétrons fazem com que um ou mais sejam expulsos das órbitas, liberando partículas.

      Níveis equilibrados -> Os campos elétricos do núcleo e da eletrosfera se complementam.


      Devido ao nível de energia dos elétrons livres, é extremamente improvável que um elétron seja encontrado no núcleo.

      MauricioBahia
      Moderador
      # ago/11
      · votar


      shoyoninja

      Nossa! Que aula grátis! :)

      Obrigado!

      shoyoninja
      Veterano
      # set/11
      · votar


      El_Cabong
      Desculpe, não tinha visto sua pergunta.

      Fazendo a análise em AC, os tweeters estão em paralelo, podemos reduzir a impedância para 4 ohms portanto, assim sua idéia está correta.

      Como a impedância caiu, o valor instantâneo da corrente elétrica será proporcionalmente maior, portanto a capacidade do capacitor deverá ser INVERSAMENTE proporcional: Se a impedância caiu pela metade, a capacitância deverá dobrar para manter a mesma frequência de corte.

      Então sua análise está correta.

      E a associação em paralelo de capacitores resulta na soma das capacitâncias.

      shoyoninja
      Veterano
      # set/11
      · votar


      Aproveitando o gancho...

      Capacitores

      Capacitores são componentes compostos por duas superfícies metálicas que ficam muito próximas, mas são isoladas uma da outra.

      -||-

      As placas tem um superfície relativamente grande e os materiais usados na construção dos capactiores têm o objetivo de possibilitar que cada uma dessas placas seja capaz de reter uma determinada quantidade de cargas.

      Assim, quando é aplicada uma tensão entre as placas, há movimento de cargas no cricuito MESMO estando as placas isoladas uma da outra.

      O conceito básico é apenas esse. Capacitores não são "reservatórios" nem "baterias", tão pouco mudam sua maneira de funcionar para corrente contínua ou alternada.

      Vamos tentar entender o funcionamento sem recorrer a outras alegorias porque isso mais atrapalha do que ajuda, imagine um capacitor:
      -||-

      aplicamos uma tensão da seguinte forma

      (+) -----||------ (-)

      vamos elminar os condutores e nos concentrar nas placas:

      (+)| |(-)

      Agora um zoom nas placas:
      __ __
      | | | |
      | | | |
      +| | | |-
      | | | |
      |_| |_|

      Vamos lembrar do conceito inicial de condutores, onde todo o condutor na verdade está CHEIO de cargas livres.

      Quando aplicamos essa tensão entre os pontos, o polo positivo da fonte vai atrair os elétrons do condutor e da placa a qual ele está conectado.

      O polo negativo fará o oposto, irá repelir os elétrons.

      Contudo isoladamente eles não fariam nada, pois a tensão da fonte existe apenas ENTRE seus dois terminais. Porque então há essa movimentação de cargas se as placas estão isoladas?

      Porque mesmo não havendo meios pelos quais as cargas possam atravessar de uma placa para a outra, a proximidade é suficiente para que O CAMPO ELÉTRICO das cargas das duas placas interfiram umas nas outras.

      O placa positiva, com falta de elétrons exercerá uma intereferência sobre a placa negativa, com excesso de elétrons. O inverso também acontece. O resultado é que cargas se acumulam nas placas com a mesma polaridade aplicada pela fonte.

      Isso acontece até um determinado limite, pois as cargas estão se acumulando nas placas e as próprias cargas irão exercer uma ação contrária, impedindo que novas cargas se acumulem. O sistema portanto irá entrar em equilíbrio e o movimento será interrompido.

      Perceba portanto que enquanto não há esse equilíbrio, há movimento de cargas, e mesmo sem haver o contato entre as placas, o circuito está FECHADO.

      Assim que o sistema se equilibra, não há movimento de cargas, e o circuito se torna aberto.

      Perceba também que o ponto de equilíbrio se dará não quando toda a energia do sistema se esgota, mas sim quando a energia de repulsa das placas se equipara a energia fornecida pela fonte. Em outras palavras, é criado um potencial elétrico entre as placas exatamente igual ao aplicado pela fonte.

      São duas as principais características do capacitor:

      Capacitância: É a capacidade de armazenar cargas em função do tempo e em função de uma determinada tensão. É representada pelo Farad (F). Um capacitor tem um Farad, se quando carregado com 1 Coulumb apresenta uma tensão entre seus terminais de 1V.

      Tensão máxima do isolamento: É o valor máximo da tensão que o isolante existente entre as placas pode suportar antes de permitir que cargas passem de uma placa a outra. Se isso acontecer o capacitor para de funcionar corretamente (geralmente de forma pirotécnica).

      A definição do Farad pode parecer um pouco complicada a primeira vista, mas pensando no que acontece fisicamente no componente é fácil de entender.

      Um capacitor terá 1 Farad se quando a quantidade de cargas em suas placas totalizar 1 Coulumb a tensão existente entre elas corresponda a 1 Volt.

      1 Farad é um valor enorme, os valores mais comuns estão na faixa do mili ao nano Farad.

      Mas para que serve?

      O comportamento do capacitor serve para diversas aplicações diferentes. Desde filtros a circuitos ressonantes e retificadores.

      Os principais pontos que são interessantes sobre eles:

      1 - Será necessário um tempo T para que o capacitor seja carregado até seu limite máximo. Esse tempo varia dependendo da capacitância e da corrente aplicada.

      2 - Ao aplicar uma tensão V nos terminais durante um período longo o suficiente para que o capacitor seja carregado, a mesma tensão V será obtida entre os terminais quando o sistema entrar em equilíbrio.

      Removendo portanto a fonte de tensão, o capacitor poderá ser utilizado como uma fonte de tensão se o circuito entre seus terminais for fechado durante um período de tempo T até que sua carga seja liberada.

      Controlando a corrente de descarga com o uso de resistores, é possível controlar o tempo total entre a carga e descarga, usando o capacitor como um temporizador.

      3 - Como o capacitor se comporta como um circuito aberto assim que atinge sua carga máxima, ele é ideal para acoplar circuitos onde exista tanto corrente contínua como alternada.

      4 - A variação de tempo necessária entre carga e descarga permite que o capacitor seja utilizado como filtro de frequências passa alta quando conectado em série, ou passa baixa quando conectado em paralelo e aterrado em sinais AC.

      shoyoninja
      Veterano
      # set/11
      · votar


      Semi-condutores
      Parte 1

      Aqui é que as coisas começam a ficar mais interessantes.

      Até agora vimos materiais dos tipos:

      Condutores - apresentam muitos elétrons livres e que podem ser deslocados facilmente

      Isolantes - não apresentam elétrons livres, impedindo a passagem de corrente.


      Contudo os materiais que realmente nos interessam e que são a chave para a compreensão da maioria dos circuitos encontrados em equipamentos de áudio são os semi-condutores.

      Semi-condutores são materiais que estão em um meio-termo. Deslocar cargas não é tão difícil quanto nos isolantes, mas não existem elétrons "dando sopa" nas camadas de condução dos átomos.

      De forma geral, os elétrons estão todos nas camadas de valência do material, e só quando recebem uma determinada quantidade de energia eles são liberados para a camada de condução.

      Ao se deslocar para a camada de condução, sobra uma lacuna na camada de valência do átomo. Essa lacuna é tão importante quanto um elétron para a condutividade no semicondutor e é praticamente tratada como uma partícula de carga positiva no estudo desses materiais (pelo menos no estudo clássico).

      Vários tipos de materiais são usados, o mais comum é o silício.

      Mas o mais interessante acontece quando impurezas são introduzidas nesses materiais, através de um processo conhecido como dopagem.

      Mais a seguir.

      shoyoninja
      Veterano
      # set/11
      · votar


      Semi-condutores
      Parte 2

      Em um cristal semicondutor a temperatura ambiente, existem elétrons que receberam energia suficiente para se deslocar de camada de valência para a camada de condução.

      Para cada um desses elétrons, haverá uma lacuna correspondente nas camadas de valência.


      Contudo, dopando os cristais com impurezas, é possível forçar uma mudança nesse equilíbrio.

      Em um semicondutor do tipo P, a quantidade de lacunas é maior do que a de elétrons livres.

      Em um semicondutor do tipo N, a quantidade elétrons livres é maior do que a quantidade de lacunas.

      Os elétrons e lacunas são chamados portadores, e o portador predominante em um cristal é chamado portador majoritário.

      Os materiais P e N separados não tem grande utilidade. Contudo, unindo-se esses cristais ocorre algo bastante útil:

      Junção PN

      Ao unir um cristal semicondutor do tipo P a um do tipo N, forma-se na junção dos dois uma região onde não há elétrons e nem lacunas. Essa região é chamada região de depleção.

      Isso ocorre porque o material tipo P atrai os elétrons livres existentes no material do tipo N. As lacunas existentes são portanto preenchidas por esses elétrons e as proximidades da junção se ve então SEM cargas livres para movimentação.

      Não apenas isso, a movimentação das cargas entre os dois materiais que até então apresentavam uma carga total neutra, agora criou um diferença de potencial entre os dois materiais.

      Essa diferença é de aproximadamente 0,7V nas junções de silício.

      Não apenas isso, a junção PN tem comportamento não linear e se comporta como um circuito aberto ou fechado dependendo do sentido corrente elétrica aplicada.

      Se a junção é polarizada diretamente, aplicando-se uma tensão negativa no material do tipo N, e positiva no material tipo P, elétrons são empurrados na direção da junção no material N, e lacunas são empurradas em direção da junção no material P.

      Assim que a tensão for superior a 0,7V a junção entrará em condução.

      Contudo se a junção é polarizada reversamente, ocorre exatamente o oposto, aumentando ainda mais a zona de depleção e impedindo a passagem de corrente.

      Essa junção PN simples é conhecida como Diodo.

      Diodos possuem várias características, entre elas:
      Um limite máximo de corrente que pode conduzir diretamente;
      Um limite máximo de tensão que pode suportar em polarização reversa;
      Uma curva de transferência.


      Considero o aspecto mais simples de compreensão a polarização direta e reversa, e seu uso na retificação de sinais (o diodo conduz corrente apenas em um sentido).

      Contudo o ponto principal de compreensão e que geralmente não é trabalhado corretamente é o fato de que o diodo NÃO é um componente LINEAR. Isso significa que sua resistência interna varia MUITO com relação a tensão e a corrente aplicadas.

      Vejamos a curva de transferência típica de um diodo:

      Curva Diodo

      Notem que diferentemente de um resistor linear, quando o diodo está em sua região de condução independentemente da corrente aplicada a tensão se mantém próxima a 0,7V, subindo muito lentamente em relação a enormes variações de corrente.

      A aplicação da equação V=RI é portanto LIMITADA quando trata-se de diodos pois a resistência interna do diodo será o quanto for necessário para que a diferença de potencial entre seus terminais seja de 0,7V.

      Essa limitação é o ponto chave a se compreender ao analisar cirtuitos com semi-condutores. A não linearidade torna a resistência da junção uma incógnita, é necessário portanto trabalhar de forma que os cálculos e as características do circuito independam da mesma.

      É muito comum o uso da tensão da barreira de potencial do diodo como referência em circuitos.

      Essa mesma diferença de potêncial é a principal responsável pelo funcionamento de transistores, portanto recomendo compreender completamente o comportamento do diodo antes de prosseguir.

      rhoadsvsvai
      Veterano
      # set/11
      · votar


      engraçado que bach não tinha o menor conhecimento de eletricidade e compos oque compos ....
      (/ boa desculpa pra nao estudar fisica)

      shoyoninja
      Veterano
      # set/11
      · votar


      rhoadsvsvai
      Não entendi... Mals!

      rock_simpsom
      Veterano
      # mar/12
      · votar


      eu to afim de fazer uma caixa com varios botões de corte de frequencia ou com potenciometros que controlariam a frequencia do corte dos canais da minha mesa mas, tenho algumas dúvidas:

      Por exemplo pra realizar um corte do tipo High Pass apartir da frequencia de 158hz posso usar apenas um resistor de 1k e um capacitor eletrolitico de 1uf..

      no cabo do mic que vai pra mesa, liga-se o capacitor em linha no positivo e o resistor em paralelo entre o positivo e o negativo..fiz o teste aqui pra cortar frequencias baixas da caixa e conssegui

      Dúvidas

      Eu queria trocar esse resistor de 1k ou seja 1000ohms por um potenciometro então poderia regular o corte de frequencia pelo potenciometro, assim evitando varios componentes pra cada corte..

      - Quais são os capacitores melhores pra serem usado nesse projeto, com menos ruido?

      - Esse lance de trocar os resistor por potenciometros funciona?

      - O que seria melhor indutores ou capacitores? e porque?

      - Porque tem corte de frequencia ativos e passivos??

      isso ia ajudar mts pessoas aqui no forum porque nem todas mesas ou mics tem a função dos cortes bem feitas ou as vezes nem tem.

      isso seria mt bom pra quem nao grava normalmente em multicanal, assim cortando o que nao precisa e tendo melhor definição dos sons e evitando mascaramentos de frequencias, nos dando uma saida de bem mais qualidade..

      Não sei pq aqui no site não tem um fórum só pra projetos eletronicos e consertos de equipamentos de audio, guitarras, baixos, microfones e tudo que possui parte eletrica...

      muita gente nova ia aparecer pra ajudar e mostrar seus conhecimentos de eletronica e ajudar muita gente aqui no forum...

      Todo conteúdo que tem aqui poderia ser tópicos fixos no novo forum de eletronica.. porque não??


      shoyoninja
      Veterano
      # out/12 · Editado por: shoyoninja
      · votar


      Galera, dando um toque para quem que entender melhor a idéia de voltagem, corrente e potência.

      Tem um aplicativo para android chamado everyciruit. Eh basicament um simulador de circuitos, mas ele tem uma função muito bacana que faz animações do fluxo de corrente e da variação do potencial elétrico em um ponto.

      Muito fácil de entender assim.

      Enviar sua resposta para este assunto
              Tablatura   
      Responder tópico na versão original
       

      Tópicos relacionados a 【FIXO】 Princípios Básicos de Eletrônica (áudio inclusive)

      303.709 tópicos 7.859.265 posts
      Fórum Cifra Club © 2001-2017 Studio Sol Comunicação Digital