Notificações Amigos pendentes

      Fórum Cifra Club - maior fórum de m&uacite;sica do Brasil

      Tensão em Amps Valvulados 127V vs 110V

      Autor Mensagem
      PEMAMETAL
      Veterano
      # out/09


      Eu queria discutir nesse tópico com quem entende e usa amps valvulados de marca o assunto da tensão.

      Outro dia estava conversando com o Pedrone sobre o Van Halen. Ele usava na época dos primeiros discos, um Variac colocando a tensão de saída em 90 V sendo que os Plexi na época pediam tensão de 100 V. Segundo o Pedrone essa diferença faz com que as valvulas saturem mais cedo e o Amp fica com um som mais brown, menos estridente e mais dinamico.

      O contrario, por exemplo ligando um amp de tensão 110V numa rede com 127V deixaria o som mais agudo e comprimido.
      Daí eu pensei nos amps de marca Marshall, Fender ou qualquer que seja. Creio que a maioria dos amps feitos nos EUA são feitos para tensão 110 V. No Brasil a tensão é 127V. Então teoricamente todas as pessoas que usam esses amps aqui no Brasil deveriam comprar um transformador de 127V para 110V, para que ele funcione na tensão adequada. Quem aqui usa transformador pra isso? Onde se consegue um?

      O que voces acham disso?

      Será que é por isso que as vezes a gente ve tópico de gente falando que o JCM 800 é muito agudo etc?

      Abraços

      Kersey
      Veterano
      # out/09
      · votar


      Cara, tem coisa errada aí... a tensão aqui é 110v ou 220v.
      Onde eu moro é 220v. Tenho um rack com um power 9200 Marshall, e a tensão dele de fabrica é 120 V. O ideal é usar a tensão dele mesmo, eu acho, nunca acima... Mas se a idéia for timbre, eu não mexeria em tensão pelo risco de danificar alguma coisa. Importa um power brake, aquilo sim é obter o maximo das valvulas sem correr risco algum de danificar o equipamento.

      PEMAMETAL
      Veterano
      # out/09
      · votar


      Kersey

      De onde voce é? Pelo menos que eu saiba a tensão no meu estado São Paulo é 127V, ou 220V. Apenas em alguns lugares é 220V, a maioria mesmo é 127V.
      Ou pelo menos era pra ser 127V, mas deve ter variações já que falam que a rede eletrica do Brasil não tem qualidade.

      Kersey
      Veterano
      # out/09
      · votar


      PENAMETAL, realmente a tensão no Brasil não tem qualidade. Mas como eu disse, onde eu moro é 220V. Mas em Sao Paulo e outros lugares do estado, a tensão é 110v. Mas deixando isso de lado e pensando no que vc quer mesmo (timbre top de valvulados) o negócio é um power brake (por exemplo o hot plate). Dê uma pesquisada na net e youtube e vc vai entender do que estou falando.

      Bog
      Veterano
      # out/09 · Editado por: Bog
      · votar


      Kersey

      A tensão nominal na maior parte do Brasil não é de 110v. É 127v. Tem também 220v em vários lugares. 110v é só em uns poucos cantos obscuros - a maior parte, redes super antigas no interior de SP, que se não foram ainda substituídas, eventualmente serão.

      PEMAMETAL

      E a tensão nominal nos EUA é 120v. Mas ao que parece, eles também tem o fantasma do 110v em redes mais antigas. ;)

      E realmente, há alguns anos eu trabalhei no desenvolvimento de um medidor de qualidade de energia elétrica, e quando levei o bichinho para testar em casa, me assustei. É normal a tensão apresentar algumas variações, mas em horários de pico (no começo da noite, principalmente), ela às vezes cai abaixo do nível permitido. Também apresenta uns picos. Essas variações súbitas de tensão são um veneno para equipamentos elétricos e eletrônicos. Muita gente não sabe, mas às vezes, equipamentos projetados no Brasil são mais robustos a essas variações.

      Quanto ao amp, não falo nem do timbre, mas da durabilidade. Ligar um equipamento feito para 120v na rede de 127v normalmente não tem problema, funciona direitinho... até um dos malditos picos acontecerem. Isso pode reduzir a vida útil do equipamento. Lembro de novo de um caso que aconteceu há alguns anos, quando o governo proibiu a importação de lâmpadas fluorescentes produzidas para o mercado americano. Todo mundo usava as de 120v, mas elas acabavam tendo o mesmo tempo de vida das incandescentes, e o povo passou a achar que era mito a história de que as fluorescentes duravam mais.

      PEMAMETAL
      Veterano
      # out/09 · Editado por: PEMAMETAL
      · votar


      Kersey

      PENAMETAL, realmente a tensão no Brasil não tem qualidade. Mas como eu disse, onde eu moro é 220V. Mas em Sao Paulo e outros lugares do estado, a tensão é 110v. Mas deixando isso de lado e pensando no que vc quer mesmo (timbre top de valvulados) o negócio é um power brake (por exemplo o hot plate). Dê uma pesquisada na net e youtube e vc vai entender do que estou falando.


      Pô cara, eu sei o que é um power brake. É para diminuir o volume do som em amps valvulados e poder ter distorção das valvulas de power sem derrubar a casa ou ter a policia na sua porta como aconteceu comigo 4 vezes esse ano. Mas isso não tem NADA a ver com a questão da Voltagem dos amplificadores que eu criei o tópico.
      Eu já tenho um vavulado handmade do Pedrone (com atenuador embutido), mas voltando ao assunto, como ele é handmade, ja foi feito pra trabalhar com a tensão da rede correta, no interior de são paulo (Campinas) te garanto que é 127V. E te garanto que é esse valor, pegue um multimetro e ponha na tomada voce vai ver. Por isso estou dizendo que se comprar um amp valvulado feito pra 110V, ele não vai estar funcionando na tensão ideal e o teu timbre vai mudar.

      PEMAMETAL
      Veterano
      # out/09
      · votar


      Bog

      Quanto ao amp, não falo nem do timbre, mas da durabilidade. Ligar um equipamento feito para 120v na rede de 127v normalmente não tem problema, funciona direitinho... até um dos malditos picos acontecerem. Isso pode reduzir a vida útil do equipamento. Lembro de novo de um caso que aconteceu há alguns anos, quando o governo proibiu a importação de lâmpadas fluorescentes produzidas para o mercado americano. Todo mundo usava as de 120v, mas elas acabavam tendo o mesmo tempo de vida das incandescentes, e o povo passou a achar que era mito a história de que as fluorescentes duravam mais.

      Só! Acredito que quanto a durabilidade realmente não deve ter muito problema se não tiver esses picos. Mas o que eu realmente queria discutir é sobre o timbre. Por que segundo o que eu li, usar voltagem diferente do que o amp foi projetado altera o timbre. Ligar numa rede de tensão maior deixa o amp mais agudo e ligar numa rede de tensão menor deixa ele mais Brown e segundo o Pedrone as valvulas saturam mais cedo. Então só fiquei curioso em saber se todo mundo sabe disso, se importa com isso, ou se é só um mito. Porém acredito que não é mito, senão o Van Halen não usaria um variac só pra deixar a tensão em 90V num amp de 100V.

      nichendrix
      Veterano
      # out/09
      · votar


      Daí eu pensei nos amps de marca Marshall, Fender ou qualquer que seja. Creio que a maioria dos amps feitos nos EUA são feitos para tensão 110 V. No Brasil a tensão é 127V. Então teoricamente todas as pessoas que usam esses amps aqui no Brasil deveriam comprar um transformador de 127V para 110V, para que ele funcione na tensão adequada. Quem aqui usa transformador pra isso? Onde se consegue um?

      Como foi dito, em geral a tensão dos amps é 120V, ao menos nos meus Fender e no meu Marshall essa é a tensão nominal de entrada.

      Eu uso no-break estabilizado, porque aqui onde moro é 220v, e como moro perto de uma subestação de energia a variação é absurda, tanto pra mais quanto pra menos, por isso só um estabilizador não daria conta da demanda. Mesmo assim eu queimo em média 2 no-breaks por ano.

      O que pude notar usando no-breaks é que quando usava no-breaks de computador normais, o timbre era meio fraquinho e sujo até, hoje uso no-breaks mais robustos, feitos pra equipamentos como geladeiras, ar-condicionados e outros equipamentos que puxem necessitem de mais folga pra operar. O timbre é mais próximo do timbre que se obtém usando os amps ligados diretamente na corrente 120V.

      GuitarUser
      Veterano
      # out/09
      · votar


      faz com que as valvulas saturem mais cedo
      não vejo o porquê disso acontecer, já que se está jogando menos tensão nelas... mas se o pedrone disse :P

      nichendrix
      Veterano
      # out/09 · Editado por: nichendrix
      · votar


      GuitarUser
      não vejo o porquê disso acontecer, já que se está jogando menos tensão nelas... mas se o pedrone disse :P

      Também não sei, mas talvez o transformador de saída force mais a barra pra tentar subir a tensão e isso termine funcionando de forma similar a um atenuador de potencia, que força as valvulas a distorcer mesmo que elas não operem a capacidade maxima, mas no caso sem perda de potência.

      PEMAMETAL
      Veterano
      # out/09
      · votar


      nichendrix

      Como foi dito, em geral a tensão dos amps é 120V, ao menos nos meus Fender e no meu Marshall essa é a tensão nominal de entrada.

      Se é 120V, menos mal, a alteração no timbre timbre vai ser menor então, ja que daí seriam apenas 7 V a mais e não 17V se a tensão nominal fosse 110V, mas mesmo assim, ainda seria diferente.

      Eu uso no-break estabilizado, porque aqui onde moro é 220v, e como moro perto de uma subestação de energia a variação é absurda, tanto pra mais quanto pra menos, por isso só um estabilizador não daria conta da demanda. Mesmo assim eu queimo em média 2 no-breaks por ano.

      Eu não sou entendido em eletronica, mas por que não daria conta? É Por que a hora que a oscilação fosse pra menos o estabilizador não iria segurar a tensão?
      A saída desses no breaks voce usa em 220V, 120V, 127V? O meu valvstate não tinha chave pra 220V.

      O que pude notar usando no-breaks é que quando usava no-breaks de computador normais, o timbre era meio fraquinho e sujo até, hoje uso no-breaks mais robustos, feitos pra equipamentos como geladeiras, ar-condicionados e outros equipamentos que puxem necessitem de mais folga pra operar. O timbre é mais próximo do timbre que se obtém usando os amps ligados diretamente na corrente 120V.

      Por que essa diferença? Se os dois deixam a tensão sempre constante naquilo que voce precisa (não sei se voce usa em 220V, 120V, 127V) não deveria ter diferença.

      PEMAMETAL
      Veterano
      # out/09
      · votar


      nichendrix
      GuitarUser

      Não sei se voces ja leram isso, mas esse site tem coisas muito boas.

      http://www.legendarytones.com/brownsound.html

      Aqui a parte que fala dos variac.

      First, he used an Ohmite Variac, a variable transformer that could lower or raise the voltage going into the amplifier (see photo for what a typical Variac looks like). Edward set the variac to approximately 90 volts, thereby reducing the amount of input voltage going to the amplifier (see the Marshall Super Lead article for more information about variacs and attenuators) and allowing the amp to run more reliably. A key element often not considered today when running vintage Marshall amplifiers is that many that were made for export to the U.S. were designed to run at 110 volts and current U.S. outlets run at 120 volts. As a result, while there has been much talk about the dangers of using a variac, in many applications, it obviously serves a benefit.

      Na época os Marshall eram feitos pra se usar a 110V. Então se eu comprasse um Marshall vintage da época, teria que comprar um transformador mesmo.

      PEMAMETAL
      Veterano
      # out/09
      · votar


      mais sobre o variac.

      VARIACs and Attenuators

      Eddie Van Halen was the famous user of the VARIAC. A VARIAC (think of "Variable A/C") is a unit that changes the voltage coming out of the wall to a lower amount. A simple example of a VARIAC is a light dimmer. You plug your light dimmer into the wall socket, and then your light plugs into the dimmer itself. As you adjust the slide and the light dims, it does so because you are dropping the voltage present.

      When a VARIAC is used in conjunction with a Super Lead, it can act loosely as a Master Volume. You can crank the volume controls up to ten on the Marshall and then bring down the overall sound using a VARIAC so it can be controlled. Varying accounts have been told regarding whether the use of VARIAC's do indeed cause damage to an amp. Most technicians will agree that increasing the voltage of an amplifier beyond specifications will most certainly cause damage. There is debate however about whether damage can be caused when reducing the amplifier's voltage. Undoubtedly, the tone will change somewhat as the bias of the power tubes will change corresponding with the reduction of voltage. My personal theory: all the parts within the Super Lead (or any other amp for that matter) are designed to operate at a given set voltage. Tampering excessively with that voltage will potentially wreak havoc with how the tubes, transformers and components all work together and respond together. The keyword I used was "excessively". In some instances, especially with early plexi model Super Lead amplifiers built for export to the United States, the 120 volts of A/C current is a bit much and so the actual input voltage can be lowered by a few volts to allow the amp to run a bit more reliably. All said, exercise caution if you choose to play with a VARIAC. You've been warned!

      An attenuator works quite differently from a VARIAC although some of the elements are similar. An attenuator dampens the signal volume from the head's speaker output and sends the reduced signal to the cabinet. Attenuators can do this because they take the output signal load and absorb it (converting the signal to heat rather than sound)– the rest of the signal goes to the cabinet.

      So how do attenuators sound? O.k., but they do change the signal and add some tonal coloration. Again, some don't mind this change and others do. And another important fact: an attenuator will reduce the overall volume, but running a Super Lead on 10 and reducing the signal with an attenuator will still cause the tubes to wear out at a faster rate than if you set the volume on the amp to a lower setting. Marshall also produces its own attenuator called the Power Brake. Check it out and see if it is for you.


      DotCom
      Veterano
      # out/09
      · votar


      PEMAMETAL
      Os dois níveis de tensão regulamentadas pela ANEEL são 127V e 220V.
      para 127 V, os níveis mínimo e máximo são, respectivamente, 116 V e 135 V.

      nichendrix
      Veterano
      # out/09 · Editado por: nichendrix
      · votar


      Eu não sou entendido em eletronica, mas por que não daria conta? É Por que a hora que a oscilação fosse pra menos o estabilizador não iria segurar a tensão?

      Na verdade a variação em geral é muito grande, nos picos passa de 250V (as vezes mais) e nas baixas fica abaixo de 180V. Isso porque a subestação está há 4 quadras daqui, então os cabos de alta tensão que vão pra lá, passam na rua ao lado da minha.

      Nos no-breaks a tensão de entrada é 220V que é tranasformada em 120V estabilizados, só que se baixa muito a tensão e liga a bateria, a quantidade de energia que o amp come, acaba a bateria num zás-trás, e se é pra cima e fica muito maior do que o nobreak normalmente é projetado pra agunetar estoura o fusível as vezes, caps, placas e afins.

      A saída desses no breaks voce usa em 220V, 120V, 127V? O meu valvstate não tinha chave pra 220V.

      A saída é 120V estabilizada, a entrada que é 220V.

      Por que essa diferença? Se os dois deixam a tensão sempre constante naquilo que voce precisa (não sei se voce usa em 220V, 120V, 127V) não deveria ter diferença.

      Na verdade a tensão de saída é constante, mas a potência e a corrente suportada pelo nobreak variam, consequentemente a quantidade de energia que ele pode fornecer aos aparelhos também. Por exemplo um nobreak de 700VA tem uma potência aparente inferior a um Nobreak de 1200VA, mesmo que a tensão de saída seja a mesma. Um vai aguentar aparelhos que necessitem de maior potência do que o o outro.

      No caso eu tenho usado os de 1500VA ou 1,5KVA, poid qualquer valor inferior a 600VA eu já noto uma diferença no timbre.

      PEMAMETAL
      Veterano
      # out/09
      · votar


      nichendrix

      Então cara, na verdade voce falou mas ainda não respondeu exatamente o que eu queria.

      No caso eu tenho usado os de 1500VA ou 1,5KVA, poid qualquer valor inferior a 600VA eu já noto uma diferença no timbre.

      Isso acontece por que se voce usar o de 600VA ele não consegue fornecer a corrente certa para o seu amp funcionar adequadamente?

      O que eu queria entender é só o seguinte. Suponha que seu amp consuma 500VA, se voce usar um no break de 800VA ou de 2000VA, não deveria haver diferenças de timbre certo? Já que ambos conseguiriam mandar a tensão 120V e a corrente de 5A. Só teria diferença se voce usasse um no break de 500VA ou 600VA que numa variação aí da tua rede, não consiga manter a corrente necessária. Procede meu raciocinio?

      nichendrix
      Veterano
      # out/09 · Editado por: nichendrix
      · votar


      PEMAMETAL
      Isso acontece por que se voce usar o de 600VA ele não consegue fornecer a corrente certa para o seu amp funcionar adequadamente?

      Por aí, existe um limite tanto de voltagem, quanto de potência de saida, quanto de corrente até onde um estabilizador consegue manter a tensão e a corrente estabilizada. Valores muito acima ou muito abaixo desse limite, ficam além do limite do estabilizador. Por exemplo (vou usar um exemplo de 120V/120V), um estabilizador onde a tensão de saída era 120V, e a de entrada foi abaixo de 106V ou acima de 145V o estabilizador não consegue estabilizar, porque ele não consegue subir a tensão se abaixo desse limite ou diminuir a tensão se acima dele. Então ele não vai conseguir fornecer uma corrente estável.

      No nobreak em geral vc resolve o problema das variações negativas de voltagem e de corrente com o uso da bateria. Pois na falta de tensão e corrente de entrada, ele puxa da bateria para estabilizar, novamente a vairação pra cima, se for acima do limite vai implicar no mesmo problema.

      No meu caso, como a tensão é 220V ainda há o problema de transformar a tensão de entrada nos 120V da tensão de saída.

      Suponha que seu amp consuma 500VA, se voce usar um no break de 800VA ou de 2000VA, não deveria haver diferenças de timbre certo? Já que ambos conseguiriam mandar a tensão 120V e a corrente de 5A. Só teria diferença se voce usasse um no break de 500VA ou 600VA que numa variação aí da tua rede, não consiga manter a corrente necessária. Procede meu raciocinio?

      É mais ou menos isso. O lance de trabalhar com Potência Aparente (VA), é que ela é resultado da interação da Potência Ativa (W) e da Potência Reativa (VAR). Quando o a VAR for igual a 0, VA = W.

      Por exemplo um estabilizador de 600VA se a potencia reativa for igual a 0 (situação ideal), aguenta estabilizar a tensão e a corrente para distribuir a um sistema que consuma até 600W de potência. Agora o lance é que nem os estabilizadores nacionais e nem a nossa rede eletrica permitem esse ideal. Então por conta das variações, dependendo do lugar a potencia máxima que um estabilizador aguenta chega a ser metade da potência aparente dele. Então não é incomum um estabilizador de 1200VA, que se funcionasse de forma ideal estabilizaria tensão e corrente pra um sistema que consuma até 1200W de potência, na pratica só distribua 600W.

      Essa variação que eu sinto também é decorrente da variação de tensão, porque obviamente se o sistema tem potência ativa, maior que a capacidade do estabilizador, a tensão distribuida não é estabilizada, portanto sofre variações pra mais ou pra menos. Aqui em geral eu sinto o som ficar mais franquinho mesmo, tipo sem corpo, meio sujo e mirradinho.

      Mas a influência que eu sinto no som, não tem embasamento cientifico, já que eu nunca parei pra medir se os nobreaks estavam distribuindo corretamente, e tal, nunca fiz as medições todas pra dizer o que varia ou o quanto varia.

      edalko
      Veterano
      # out/09
      · votar


      Acho que o grande problema na variação de voltagens é com relação aos valvulados da Giannini cujos trafos era para 110V e hj em dia é 127V.

      DotCom
      Veterano
      # out/09 · Editado por: DotCom
      · votar


      Usar no break para alimentar equipamento musical? Ih...

      No nobreak em geral vc resolve o problema das variações negativas de voltagem e de corrente com o uso da bateria.
      ... E fornece uma tensão AC não senoidal, cheia de ruídos para o amplificador, caso o no break use a bateria.

      Essa variação que eu sinto também é decorrente da variação de tensão, porque obviamente se o sistema tem potência ativa, maior que a capacidade do estabilizador, a tensão distribuida não é estabilizada
      Se você puxa mais corrente do que o estabilizador pode fornecer, uma hora ele queima.

      nichendrix
      Veterano
      # out/09 · Editado por: nichendrix
      · votar


      DotCom
      Usar no break para alimentar equipamento musical? Ih...

      Eu vou ter que usar um de qualquer forma, quem mora onde a tensão é 127V beleza é só meter o amp na tomada, mas aqui é 220V como eu disse as variações de tensão são muito violentas devido à subestação ser aqui perto então qualquer variaçãozinha no cabeamento de alta tensão que vai pra lá, chega aqui antes da aparelhagem de lá estabilizar. Então mesmo que eu não usasse No Break, eu teria que usar no minimo transformador e um estabilizador.

      No fim o no break só aciona a bateria em caso de queda de tensão. E ao menos os meus, que não são esses no-breaks para computador e sim os usados em equipamentos mais robustos, não geram nenhum ruido que eu consiga perceber no som. Pelo contrário uma tomada 120V não aterrada dá muito mais ruido do que com os nobreaks.

      Da proxima vez que um nobreak meu queimar, eu vou testar os modelos à venda na Altana Tubes, que dizem serem otimizados para equipamentos de Audio e Video.

      DotCom
      Veterano
      # out/09
      · votar


      como eu disse as variações de tensão são muito violentas devido à subestação ser aqui perto

      Pois devia ser justamente o contrário... Mas o ponto de referência não é bem a subestação, mas sim o transformador onde a rede da sua casa está ligada.

      Pelo contrário uma tomada 120V não aterrada dá muito mais ruido do que com os nobreaks.
      Alto lá... Não existe tomada não aterrada, muito menos de 127V. Pela NBR 5410, toda fiação elétrica consta de pelo menos um condutor vivo (fase), e um neutro, que é aterrado na entrada da residência.

      E ela só seria fonte de ruído caso a energia chegue muito suja na sua casa, o que também é regulamentado. Mas mesmo que esse fosse o caso, um filtro de linha legal resolveria o problema, e é o que o no break pode estar fazendo. Quando ele não usa a bateria, ele é basicamente um estabilizador (que também por norma, deve ter um filtro de linha embutido), e se a tensão não variar, ele é só um transformador com filtro de linha.

      MASS se a tensão variar e ele chavear os taps do trafo para estabilizar a tensão, você deve ouvir uns "clicks" ou "pops" no ampli. Caso ele entre na bateria, a coisa só tende a piorar, já que a maioria dos no-breaks não entrega uma senóde. Na verdade, entrega uma energia mais feia do que a da rua.

      Claro que existem no-breaks que mandam uma energia bonitinha, mas geralmente eles custam quase o preço de um ampli.

      nichendrix
      Veterano
      # out/09
      · votar


      DotCom
      Alto lá... Não existe tomada não aterrada, muito menos de 127V. Pela NBR 5410, toda fiação elétrica consta de pelo menos um condutor vivo (fase), e um neutro, que é aterrado na entrada da residência.

      Essa parte da NBR, até onde lembro, é de 1997, portanto toda edificação anterior a 1997 não necessariamente cumpre o que está estabelecido nela, e as construtoras tem até 2 anos para se adequar a esta norma, então é muito fácil ver casas construídas até 1999 sem aterramento. E mesmo assim, ainda hoje, muitas vezes essa NBR não é cumprida, especialmente com construções de residências unifamiliares que não sejam frequentemente sujeitas à inspeção, como é o caso de casas fora de condominios ou conjuntos habitacionais. Como a totalidade das casas que morei, tanto aqui quanto no sudeste eram bem mais velhas que isso, elas não tinham aterramento de projeto. Inclusive várias delas foram aterradas enquanto eu morava nelas, justamente porque é bem problemático fiação sem aterramento.

      E ela só seria fonte de ruído caso a energia chegue muito suja na sua casa, o que também é regulamentado. Mas mesmo que esse fosse o caso, um filtro de linha legal resolveria o problema, e é o que o no break pode estar fazendo. Quando ele não usa a bateria, ele é basicamente um estabilizador (que também por norma, deve ter um filtro de linha embutido), e se a tensão não variar, ele é só um transformador com filtro de linha.

      Eu nunca vi uma rede eletrica de 220V chegar limpa, e mesmo redes de 127V, com frequência não tem uma energia de boa qualidade.


      MASS se a tensão variar e ele chavear os taps do trafo para estabilizar a tensão, você deve ouvir uns "clicks" ou "pops" no ampli. Caso ele entre na bateria, a coisa só tende a piorar, já que a maioria dos no-breaks não entrega uma senóde. Na verdade, entrega uma energia mais feia do que a da rua.

      Na verdade como uso nobreaks projetados para uso em equipamentos mais "pesados" que os nobreaks que geralmente são usados pra computador, eu nunca ouvi nenum pop ou click no amp, e mesmo quando o nobreak passa a funcionar à bateria eu não noto uma diferença significativa de sinal até a carga da bateria começar a ficar baixa.

      Claro que existem no-breaks que mandam uma energia bonitinha, mas geralmente eles custam quase o preço de um ampli.

      Bom, o nobreak que uso hoje não foi nada barato, dá pra pegar um bom amp SS com o que paguei nele, ou então um valvulado Hand Made dos mais em conta. E o motivo de eu ter começado a usar esses nobreaks, é que os nobreaks de computador, se além de não estabilizarem direito, só davam conta do amp, se ligrasse pedais ou qualquer coisa do tipo, ficavam toda hora acionando a carga da bateria, mesmo que não estivesse variando a tensão da rede eletrica.

      Pois devia ser justamente o contrário... Mas o ponto de referência não é bem a subestação, mas sim o transformador onde a rede da sua casa está ligada.

      Bom eu uso a subestação como referência porque só no ultimo mês o transformador da rua foi trocado 2x, é o 4ª transformador este ano. A variação na distrivuição é tão grande que você consegue notar quando ela ocorre pela intensidade da luz fornecida pelas lampadas, especialmente se forem incandecentes, pois vc vê que quando variam pra mais elas ficam mais brilhosas e pra menos ficam menos brilhosas. Dá pra notar também se vc tiver usando ventilador. Então acho que isso explica muita coisa.

      Não é por nada não, mas mesmo com nobreaks não é dificil em uma variação pra mais na tensão da rede eletrica, o fusivel interno que protege as valvulas de potência dos meus amps queimarem para evitar sobrecarga e danos dos amps. Isso é especialmente comum no Marshall JTM-60, que só este ano troquei de fusível 3x.

      kosmiktubes
      Veterano
      # out/09
      · votar


      Lá vão algumas idéias de 2 da matina.

      nichendrix
      Você deveria denunciar isso aí pra ANEEL. Depois que lí sobre suas lâmpadas e o ventilador realmente isso aí está um absurdo.

      Se você filmar isso, medir com um multimetro e tirar foto da medição e reunir provas, a provedora deverá te pagar os equipamentos queimados.

      Nobreak
      Nobreaks desses pequenos não produzem uma senóide perfeita quando o inversor é ligado, e não devem ser usados com cargas indutivas como o trafo de alimentação de um valvulado. Os nobreaks de 1 KVA que produzem senóides perfeitas costumam ser do tamanho de um gabinete de computador. O último nobreak de onda completa de 2 KVA que passou por aqui era do tamanho de um Bassman Tweed, e muito mais pesado.

      Tem um APC de onda senoidal no Mercado Livre que mede 13 cm x 48 cm x 63!! cm e pesa 50 kg. Em comparação, um laney Lc-15R pesa cerca de 10 kg.

      O "Brown Sound" do Van Halen
      A regra é: alta tensão realça agudos, baixa tensão mata os agudos.

      O "brown sound" também tem a ver com o Van Halen usando cordas enferrujadas, segundo lí em alguma revista bem atual de 20 anos atrás.

      Depois de experimentar com infinitas tensões eu conclui que o "segredo" chama-se eddie van halen.... Quantas pessoas não compraram um variac só por causa dele e não soam nem parecidos...

      Valvulas / Abaixando a Tensão
      Trabalhar com baixa tensão de placa não tem problema pra válvula.

      O problema é a baixa tensão de calefação. A válvula não deve ser operada com baixa tensão de filamento(o "aquecedor" da valvula). Como a tensão de placa continua sendo bastante alta, mesmo rebaixando a alimentação pra 90 V AC, a placa continua a atrair elétrons do cátodo com bastante força. Acontece que o cátodo mais frio não emite mais a quantidade suficiente de elétrons na "carga espacial", então a placa rouba elétrons do revestimento do cátodo e o mesmo vai literalmente desaparecendo, sendo consumido.

      É por isso que se deve ligar o standby apenas após as válvulas aquecerem. O efeito é diminuir a vida das válvulas, tirando isso a baixa tensão não tem qualquer perigo imediato, é uma coisa que vai deteriorando com o tempo as válvulas.

      Quando o Van Halen tirava fios das bobinas dos captadores das Kramer "frankenstein" e abaixava a tensão dos Marshall ele já era milionário. Pra 99% de nós, o melhor é ligar o amp na tensão nominal.

      Outras mudanças de Tensão
      99% dos componentes de um valvulado tem tolerância("erro") de 20%, exceto os resistores da inversora e os de BIAS, onde não pode haver muita variação. Então de 110 a 132 volts(ou os 135 VAC que o DotCom citou da ANEEL), ou até 90 volts, a maior parte do amp já "espera" poder funcionar. Não é feito pra isso, mas normalmente não queima imediatamente.

      Novamente, o maior risco é pra calefação das válvulas que não deve passar de 6.8 volts de jeito nenhum. A 132 volts de alimentação provavelmente essas válvulas queimariam rapidamente.

      Em amps com bias fixo quando se aumenta a tensão, o BIAS fica mais negativo também, "fechando a válvula", normalmente não prejudica o estágio de saida.

      Em amps com bias de cátodo o estágio de saída corre perigo aumentando muito a tensão.

      Picos
      Normalmente quando planejamos um valvulado, buscamos jogar 70% a 100% de margem de tensão nos capacitores e no trafo. Se o pico for dentro disso, um bom amp não queima.

      De fato, alguns amps de série tem boa tolerância também, mas são raros e caros, e variam até mesmo dentro da mesma série. Tem JCM-900 que suporta até ser ligado em 220v sem querer por alguns instantes, tem outros que queimam na hora.

      Realmente amps vintage e a grande maioria dos amps de série vem com os componentes funcionando a 80% da tensão nominal, daí existe algum risco principalmente de um eletrolítico esquentar e ir deteriorando rapidamente até passar a possuir alta resistência em série, ficando mais e mais quentes e perdendo eficiência. No caso de caps taiwaneses(nenhum preconceito com Taiwan, apenas com seus capacitores), desses que vem em fontes de computador, existe o risco de uma explosão. Quem já sentiu o cheiro de arroz com feijão de um cap eletrolítico pirotécnico?

      Um trafo superdimensionado também joga o preço lá pra cima. Para os handmades não faz tanta diferença, porque quem compra normalmente exige componentes de qualidade e sabe que isso tem um custo. Já quem procura apenas preço termina com um amp com componentes todos no limite, e caps arroz com feijão.

      Neutro e Terra
      Neutro e terra não são a mesma coisa. Redes de distribuição à parte, apenas no que tange um valvulado, o neutro não tem ligação alguma com o músico.

      A corda da guitarra é ligada ao chassi do amp, o chassi sozinho por sua vez não tem referência ao piso(nem com o neutro ou a fase, claro) - se não houver qualquer ligação com o terra.

      Se você conecta o terra ao chassi, que é o caso em amps com tomada de 3 pinos, é a mesma coisa que ligar o terceiro fio da tomada da rede pública nas suas mãos. Assustador, não é?
      Mas não tem motivo pra se assustar, SALVO se.....tiver o terrível capacitor de referência do neutro ao chassi("chave de terra" ou "ground cap")

      É OBRIGATÓRIO desligar aquele capacitor de amps com tomada de 3 pinos.

      Tem gente que ainda gosta de "debater" esse tema, até quando lhes explico o fato do terceiro fio ser ligado diretamente à sua mão através das cordas. Aí desistem de discutir na hora. Amps vintage não tinham terra ou terceiro pino, por isso tinham aquele cap e já eram famosos pelos choques naquela época. Tem gente que reforma amps antigos e coloca 3 pinos e deixa aquele cap...é um perigo. Nos EUA os handmaker chamam de "death cap", acho que não precisa de tradução.

      Bem, é isso, encerro aqui a longa e entediante sessão corujão valvulados. Espero ter contribuido para a discussão. Grande abraço a todos.

      nichendrix
      Veterano
      # out/09
      · votar


      izzychili
      Você deveria denunciar isso aí pra ANEEL. Depois que lí sobre suas lâmpadas e o ventilador realmente isso aí está um absurdo.

      Se você filmar isso, medir com um multimetro e tirar foto da medição e reunir provas, a provedora deverá te pagar os equipamentos queimados.


      Cara, denuncias à ANEEL ocorrem praticamente todos os dias, especialmente nas áreas próximas às 4 sub-estações daqui da cidade, em um raio de mais ou menos 1Km das mesmas, processar a CEPISA por perda de eletrodomésticos durante picos de tensão, é causa ganha sempre. Só precisa entrar com uma ação no juizado de pequenas causas ou no PROCON e é causa ganha. Eu já entrei com essas ações em duas ocasiões em que em uma delas, queimou 3 dos 4 condicionadores de ar, a geladeira, o freezer, o meu som e um computador com seu respectivo estabilizador (o motivo pela qual comecei a usar no-breaks), da outra perdi 2 computadores, 1 notebook e 2 TVs. Aí meu amigo com prejuizos desse porte, não tem como não acionar a justiça.

      Sobre uma foto de multimetro, na minha maquina antiga, eu tinha uma foto de uma medição que fiz na casa do vizinho após uma queda de tensão, e o multimetro marcava absurdos 290V, 5min depois só foi o barulho do transformador da rua pipocando. E como disse, pelo menos 3 a 4x por ano, é necessário trocar transformador estourado na minha rua, nos ultimos 45 dias foi trocado 2x. Problemas de fase são muito comuns também, seja por queda ou sobrecarga.

      Nobreaks desses pequenos não produzem uma senóide perfeita quando o inversor é ligado, e não devem ser usados com cargas indutivas como o trafo de alimentação de um valvulado. Os nobreaks de 1 KVA que produzem senóides perfeitas costumam ser do tamanho de um gabinete de computador. O último nobreak de onda completa de 2 KVA que passou por aqui era do tamanho de um Bassman Tweed, e muito mais pesado.

      Tem um APC de onda senoidal no Mercado Livre que mede 13 cm x 48 cm x 63!! cm e pesa 50 kg. Em comparação, um laney Lc-15R pesa cerca de 10 kg.


      Bom, eu não sei se o meu nobreak produz onda senoidal, ele é bem grande e de 1,5 KVA, tem aproximadamente 20x30x50 e a bateria interna dele é aproximadamente do tamanho de uma bateria de carro, nunca pesei ele, mas como tenho vários pinos de titanio nas costas e ele é pesado, ele fica em uma base com rodinhas para não ter problemas pra mim.

      Comprei em uma loja de refrigeração, o primeiro que comprei foi pra geladeira e pro freezer, como depois disso nunca mais teve problema com esses aparelhos, eu comprei pro amp quartinho que eu uso pra guardar os amos e tocar e outro pros Condicionadores de ar (estes são maiores, pq ficam 2 condicionadores em cada no-break).

      Em geral não toco com bateria, já que a autonomia é de apenas 30min. O suficiente pro amp esfriar e ser desligado corretamente. Mas nas vezes poucas que tirei brevemente um som deles com a bateria acionada, não percebi diferença no timbre em relação a ele sendo usado sem bateria.

      Mesmo usando esses nobreaks, eu ainda tenho que levar eles pra manutenção algumas vezes por ano, pois vez por outra, especialmente depois de uma queda de tensão, a energia volta tão forte que queima o dispositivo responsável pelo acionamento da bateria, e ele tem que ser trocado, também já perdi baterias nestas situações.

      kosmiktubes
      Veterano
      # out/09
      · votar


      nichendrix

      Que absurdo. Mantenha a pressão neles, com esses prejuízos eles logo irão consertar o problema da região. Obviamente tem algo errado na regulagem de tensão dessa sub-estação, são equipamentos caros, provavelmente estão protelando até o último instante.

      Desses equipamentos todos o valvulado é o menos vulnerável, pode ter certeza. Mas se essa tensão ficar em 290 VAC alguns instantes os filamentos de 6.3 V vão pra 8.3 V, é válvula perdida na certa.

      A julgar pela dimensão do seu nobreak ele deve ser de senóide completa, se for pode usar numa boa com qualquer carga.

      Um abraço.

      wiskeria
      Veterano
      # out/09
      · votar


      timbre não vai mudar nada que seja perceptivel, o que pode acontecer é consumir mais valvulas ligando um aparelho de 110 na rede de 127. tem topicos anteriores sobre o assunto, de uma lida.

      nichendrix
      Veterano
      # out/09
      · votar


      izzychili
      Que absurdo. Mantenha a pressão neles, com esses prejuízos eles logo irão consertar o problema da região. Obviamente tem algo errado na regulagem de tensão dessa sub-estação, são equipamentos caros, provavelmente estão protelando até o último instante.

      Cara, isso está assim desde antes de eu nascer. Os problemas são piores no primeiro semestre porque chove muito aqui, e na época das ultimas chuvas, o presidente da CEPISA foi à TV, dizer que eles não tem grana pra resolver isso, que até existia a determinação da ANEEL pra resolver em 90 dias, mas eles não tinham dinheiro em caixa (mentira deslavada), e que a unica solução que eles tinham era idenizar as pessoas prejudicadas, desde que ficasse provado que foi culpa da concessionária de energia e não do usuário.

      Todo ano é a mesma conversa. O que piora mesmo é que essas variações mais absurdas só correm de forma mais extrema nas proximidades das subestações, eu mesmo quando morava no meu apartamento que fica uns 6km daqui da casa dos meus pais. Lá a variação é bem menor, ainda acima do que estabelece a ANEEL, mas dentro do padrão Brasil. Agora quanto mais perto, mais forte são as variações, aqui que é poucas quadras, é problemas toda hora.

      A julgar pela dimensão do seu nobreak ele deve ser de senóide completa, se for pode usar numa boa com qualquer carga.

      Isso eu não sei, mas parecem muito com uma versão menor dos no-breaks que são usados para sustentar os caixas eletronicos do Banco do Brasil.

      Victorblues
      Veterano
      # out/09
      · votar


      Bem eu uso nos meus amps um transformador a mais ( do tamanho de um trans de força). Ele é porrudo e pesado dentro do ampli mas garante 110v sempre.

      Qnto ao som eu sinceramente não vi diferença, mas qnto a vida útil da válvulas e capacitores já compensa o investimento.

      FirebirdVII
      Veterano
      # out/09
      · votar


      A tensão aonde eu moro também é 220v, e meu amp é 110v, uso tranformador para 110v, normal.

      Só para lembrarem, se alguém medir a tensão no meio da tarde, enquando a maioria das pessoas estão fora de casa, vão achar algo entre 230~240v, isto por que o gerador que fica nas ruas opera em tensão sempre mais alta, para em horarios de pico, dar conta.

      Este é o problema, e é por isso que muitos valvulados não duram/e ou ficam chiados.

      MauricioBahia
      Moderador
      # jun/12
      · votar


      Revivendo aqui:

      É verdade que no Brasil não há mais locais que usam redes com tensão de110v? Enfim, só existem 127v ou 220v?

      Valeu!

      Enviar sua resposta para este assunto
              Tablatura   
      Responder tópico na versão original
       

      Tópicos relacionados a Tensão em Amps Valvulados 127V vs 110V

      302.806 tópicos 7.837.570 posts
      Fórum Cifra Club © 2001-2017 Studio Sol Comunicação Digital